Sie sind auf Seite 1von 13
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO – AULA PRÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL

RELATÓRIO AULA PRÁTICA NO LABORATÓRIO

Belém PA

2016

Brenno Pires Percy - 201306740095 Camila Pereira de Oliveira - 201106740100

RELATÓRIO AULA PRÁTICA NO LABORATÓRIO

Relatório apresentado ao Curso de Engenharia Civil da Universidade Federal do Pará como requisito avaliativo da disciplina Concretos Especiais, orientada pela professora Luciana Cordeiro.

Belém PA

2016

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO

4

2 OBJETIVO

5

3 MATERIAIS E MÉTODOS

5

3.1.CIMENTO PORTLAND CP-V

5

3.2.ADITIVO SUPERPLASTIFICANTE

6

3.3.PIGMENTO

6

3.4.ENSAIO PELO CONE DE MARSH

8

4 PROCEDIMENTOS

9

5 ANÁLISES E RESULTADOS

10

6 CONCLUSÃO

12

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

13

1

INTRODUÇÃO

A cada dia a tecnologia do concreto se aperfeiçoa trazendo melhorias para o desempenho tanto no estado fresco, quanto no estado endurecido. Nesse contexto, os aditivos surgem como uma excelente alternativa na melhora do desempenho do concreto nos mais variados requisitos. Entre os diversos tipos de aditivo, um dos mais utilizados é o aditivo superplastificante, pois além de melhorar a plasticidade, proporciona a redução da relação a/c, propiciando um aumento de resistência. Para que o aditivo seja utilizado de forma coerente, faz-se necessário, antes do seu uso em grande escala, a realização de testes de compatibilidade com o cimento a ser utilizado no concreto. Um dos requisitos importantes nos ensaios prévios é a determinação do teor ótimo de aditivo a ser utilizado na dosagem a fim de evitar superdosagens ou interferências nas propriedades dos concretos. Vários métodos de análise reológica podem ser utilizados para determinar a compatibilidade cimento-aditivo e o teor ótimo de aditivo, entre eles os métodos do funil de Marsh, método de Aiticin e método de Gomes. Um dos principais objetivos dos métodos de compatibilidade cimento-aditivo é determinar o ponto de saturação do aditivo, o qual representa o ponto em que o incremento de aditivo na pasta já não irá provocar nenhuma melhora significante na fluidez da pasta. A partir do conhecimento do teor ótimo de aditivo obtido nos ensaios, é possível realizar uma dosagem em que o potencial do aditivo seja utilizado em sua totalidade, sem que haja desperdício ou riscos de alterações nas propriedades do concreto que acarretem em uma queda de desempenho.

2

OBJETIVO

O objetivo deste trabalho é analisar a dosagem ótima de aditivo superplastificante

na pasta de cimento comum e pasta de cimento com pigmento. Usando para isso o ensaio do funil de Marsh.

3

MATERIAIS E MÉTODOS

3.1. CIMENTO PORTILAND CP-V

cimento utilizado nesse ensaio foi o cimento Portiland de alta resistência inicial

CP-V. De acordo com a normativa NBR 5733 (1991), esse tipo de cimento é um aglomerante hidráulico que atende às exigências de alta resistência inicial, obtido pela moagem de clínquer Portland, constituído em sua maior parte de silicatos de cálcio hidráulicos, ao qual se adiciona, durante a operação, a quantidade necessária de uma ou mais formas de sulfato de cálcio. Durante a moagem é permitido adicionar a esta mistura materiais carbonáticos. O teor especificado de materiais carbonáticos deve estar compreendido entre 0 e 5% da massa total de aglomerante. Como não temos os dados técnicos do cimento CP-V disponível no laboratório tomamos como dados as propriedades indicadas pela NBR 5733 (1991). Segunda

a normativa o cimento Portland de alta resistência inicial mencionado deve

atender às exigências indicadas nas Tabelas 1 e 2, sendo que as desta última

apenas quando solicitadas.

O

Tabela 1 Exigências físicas e mecânicas

Característica e Propriedades

Unidade

Limites

Finura

Resíduo na peneira 75 µm

%

- 6,0

Área específica

m²/kg

- 300

Tempo de início de pega

 

h

- 1

Expansibilidade a quente

mm

- 5

Resistência à

1

dia de idade

MPa

- 14,0

compressão

3

dias de idade

MPa

- 24,0

7

dias de idade

MPa

- 34,0

Tabela 2 Exigências físicas e mecânicas (facultativas)

Características e propriedades

Unidade

Limites

Expansibilidade a frio

mm

-

5

Teor de matérias carbonático

%

-

5

Tempo de fim de pega

h

- 10

3.2. ADITIVO SUPERPLASTIFICANTE

O superplastificante usado no experimento foi Sika ViscoCrete 3535 CB. Ele é um aditivo superplastificante de pega normal de terceira geração para indústria de pré-moldados, concretos de alta resistência inicial, concreto de alto desempenho (CAD) e concreto auto-adensável (CAA). Alguns dados referentes às propriedades desse aditivo são mencionados na Tabela 3.

Tabela

3

Propriedades

e

características

do

aditivo

 

SIKA VISCOCRETE 3535 CB

Tipo

 

Superplastificante

Base Química

Solução de policarboxilato em meio aquoso

Aparência

 

Liquido castanho

pH

 

5,0 ± 1,0

Densidade

 

1,08 ± 0,02 kg/ litro

Dosagem sobre a massa de cimento

SP-I N

0,3 à 0,95%

SP-II N

1,0 à 1,5%

3.3. PIGMENTO

FONTE: Boletim técnico do fabricante, 2014.

Para o ensaio com adição de pigmento, utilizou-se um pigmento inorgânico vermelho. O referido pigmento inorgânico é à base de óxido de ferro, com fórmula química Fe 2 O 3 . Na tabela 4 abaixo estão as características do pigmento de acordo com o fabricante:

Tabela 4 Propriedades e características do pigmento inorgânico

Finura # 325 (%)

Máx.

0,3

Forma da partícula

-

Acicular

Diâmetro médio (µm)

-

0,53

Superfície Específica

-

10,51

(m

2 /g)

 

pH

Min.

3,0

 

Máx.

6,0

Absorção de óleo

   

(g/100g)

-

23

Umidade (%)

Máx.

0,5

Sais Solúveis (%)

Máx.

0,5

Densidade Específica (g/cm 3 )

Aproxim.

4,7

Densidade Aparente (g/cm 3 )

Min.

0,7

Máx.

1,1

3.4. ENSAIO PELO CONE DE MARSH

Segundo Monteiro et al. (2012), é observada a existência de um teor máximo de aditivo capaz de promover aumento da fluidez, que é denominado de ponto de saturação, e pode ser definido a partir de ensaios em pasta e argamassa. O procedimento para a determinação do ponto de saturação consiste em variar o teor de aditivo, fazendo-se as medições em cada ponto. A saturação ocorre quando o aumento no teor de aditivo não promove mais alterações significativas no resultado dos ensaios. Os percentuais ótimos de saturação dos aditivos superplastificantes foram determinados através do ensaio pelo Cone de Marsh, que consiste de um cone oco de metal invertido, aberto no topo e com uma abertura no fundo, onde é fixado um bocal removível. No interior do cone é colocado um volume de material e em seguida é medido o tempo gasto para esse volume fluir através do orifício inferior do mesmo. Para determinação do teor ótimo de saturação dos aditivos, foi tomada certo volume de pasta de cimento para cada teor de aditivo e medido o tempo de escoamento de 200 ml da pasta ensaiada. Para a medição desse volume adotou- se um Becker de 1000 ml, sendo o tempo determinado por um cronômetro digital A determinação do teor ótimo de superplastificante ocorreu com incrementos de aditivo em 0,5% (percentagem em relação à massa de cimento) até o instante da ocorrência do aumento no tempo de escoamento, para o tempo de escoamento de 5 minutos, a partir do instante de incorporação do aditivo superplastificante.

do instante de incorporação do aditivo superplastificante. Figura 1 – 1) Cone de Marsh; 2) Preenchimento

Figura 1 1) Cone de Marsh; 2) Preenchimento do cone com a pasta; 3) Detalhe do becker após o escoamento da pasta.

4

PROCEDIMENTOS

Para os ensaios realizados, partiu-se de uma quantidade fixa de cimento e que fosse suficiente para a realização do procedimento do ensaio.

Fixou-se teoricamente a quantidade de cimento em 500g, tanto para o ensaio da pasta apenas com cimento como da pasta com adição do pigmento.

A relação a/c adotada inicialmente foi de 0,2, porém após a primeira mistura da

água, aditivo e cimento, a pasta ficou extremamente seca. Alterou-se então a relação a/c em 10% adotando-se relação a/c de 0,3 para o ensaio em questão.

A pasta para a primeira mistura do ensaio foi preparada com um teor de aditivo de

1% e os incrementos de aditivo para as misturas posteriores foram de 0,5%. Para o ensaio da pasta com pigmento, foi adotado o teor de pigmento de 6% para todas as misturas. Para cada teor de aditivo, a pasta foi misturada por 5 minutos e em seguida

lançada no funil de Marsh e coletada em um becker posicionado abaixo do funil. Para mensurar a fluidez da pasta ensaiada, foi cronometrado o tempo que a pasta coletada atingia a marca de 200ml. Foi necessário a realização de quatro misturas com incrementos de aditivo até que se chegasse a um teor em que a pasta não obteve nenhum ganho significativo em sua fluidez.

A proporção dos materiais utilizados no ensaio sem pigmento e com pigmento

estão nas tabelas 5 e 6 respectivamente, assim como tempo cronometrado para

cada mistura.

Tabela 5 - Pasta1: cimento + água + aditivo

MATERIAIS

MISTURA 1

MISTURA 2

MISTURA 3

MISTURA 4

Cimento (g)

483,6

483,5

483,4

483,7

a/c

0,3

0,3

0,3

0,3

Água (ml)

144,2

144,3

144,5

144,4

sp/c (%)

1,0

1,5

2,0

2,5

sp (g)

4,84

7,27

9,69

12,1

Tempo de escoamento (s)

38

28

18

21

Tabela 6 - Pasta2: cimento + água + aditivo + pigmento inorgânico vermelho

MATERIAIS

MISTURA 1

MISTURA 2

MISTURA 3

MISTURA 4

Cimento (g)

483,5

483,7

483,6

483,7

a/c

0,3

0,3

0,3

0,3

Água (ml)

144,42

144,37

144,5

144,3

pig (%)

6

6

6

6

pig (g)

28,95

29,1

28,9

28,9

sp/c (%)

1,0

1,5

2,0

2,5

sp (g)

4,84

7,26

9,55

12,1

Tempo de escoamento (s)

41

27

19

23

5 ANÁLISES E RESULTADOS

Os resultados obtidos nos ensaios do funil de Marsh realizados com pasta sem pigmento e com pigmento foram detalhados em gráficos de linhas para visualização do comportamento do aditivo em diferentes teores, conforme abaixo:

do aditivo em diferentes teores, conforme abaixo: Figura 2 – Resultado dos Ensaios de Cone de

Figura 2 Resultado dos Ensaios de Cone de Marsh para pasta sem pigmento, com teor ótimo igual a 2,0%

Figura 3 – Resultado dos Ensaios de Cone de Marsh para pasta com pigmento, com

Figura 3 Resultado dos Ensaios de Cone de Marsh para pasta com pigmento, com teor ótimo igual a 2,0%

Conforme observa-se nos gráficos acima, as misturas apresentaram curvas semelhantes, independente de a mistura possuir ou não teor de pigmento embutido na pasta. Observa-se também nas curvas que o ponto de saturação ocorreu em 2,0%, isto é, após esse valor, o tempo de fluidez da pasta subiu novamente, indicando que o incremento de aditivo a partir desse ponto não melhorou a fluidez da pasta.

6

CONCLUSÃO

De acordo com os resultados obtidos nos ensaios de funil de Marsh para determinar a compatibilidade do aditivo superplastificante com o cimento utilizado, pode-se concluir que o aditivo obteve um desempenho satisfatório. Além disso, comparando os resultados dos ensaios da pasta sem pigmento inorgânico e com pigmento inorgânico, conclui-se que a mistura do pigmento inorgânico no teor de 6% na pasta não interferiu no desempenho do aditivo no quis respeito à sua fluidez. Isso confirma uma das características principais do pigmento inorgânico , que é ser inerte com os demais componentes da mistura e, consequentemente, não alterar sua propriedades. Observamos que os tempos de escoamentos ficaram muito próximos e os gráficos têm o mesmo perfil, essa pequena diferença no tempo podemos atribuir a erros ligados a precisão visual e na marcação do tempo. Sobretudo, é possível afirmar, analisando os resultados, que o teor ótimo do aditivo superplastificante ViscoCrete 3535 CB da Sika é de aproximadamente 2,0% em relação à proporção de cimento para o cimento CP V ARI.

7

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 5733: Cimento Portland de alta resistência inicial. Rio de Janeiro, 1991.

MONTE, Renata. Avaliação de métodos de ensaio de fluidez em pastas de cimento com aditivos superplastificante. São Paulo: EPUSP, 2008. 13p. (Boletim Técnico da Escola Politécnica da USP, Departamento de Engenharia de Construção Civil).

MONTEIRO, Anelize Borges, et al. Determinação do teor ótimo de aditivos superplastificantes em pastas de cimento através do ensaio de cone de marsh. In: IBRACON, 54, 2012, Maceío. Disponível em <

SIKA. Ficha do produto. Sika ViscoCrete® 3535 CB. ed 11/8/2014. Disponível em < http://drzapi.com.br/produtos/aditivos-plastificantes-e- superplastificantes/sika/sika-viscocrete-3535-cb.html>. Acesso em: 23 junho 2016.