Sie sind auf Seite 1von 8

Deontologia e Princípios éticos

FICHA 4

Códigos de ética e padrões deontológicos

 Relação entre as normas deontológicas e a responsabilidade social de um grupo profissional;


 Dinâmica entre a responsabilidade profissional e os diferentes contextos sociais.

Texto 1

“Ética e responsabilidade social normalmente andam juntas. Porém, a dificuldade de conjugá-las


apresenta-se sempre que os engenheiros de produção estão diante de decisões contingenciais,
determinadas por fatores ou forças que não estão sob controlo sistémico, embora as suas
consequências possam ser probabilisticamente previstas ou antecipadas. Num mundo de
competição crescente, decisões desse tipo estão a tornar-se regra, incluindo não apenas micros,
pequenas e médias empresas, que atuam como segmentos-franja em torno de empresas maiores,
por vezes gigantescas, mas que, apesar do porte, não são imunes aos mesmos problemas. O que
varia são as proporções. Os Estados Unidos foram palco de escândalos envolvendo não apenas
empresas privadas, mas também o próprio governo, como a NASA, Agência Nacional Aero-
Espacial, administrada pelo Estado (REGO&BRAGA, 2005).

A NASA, embora alertada quanto a problemas técnicos de engenharia no vaivém espacial


Challenger (1986), optou por lançá-lo, em parte, por compromissos que envolviam outras grandes
empresas privadas e o governo e, em parte, para manter a imagem da Agência.

Havia, à época, uma disputa de caráter internacional entre os Estados Unidos e a ex-União
Soviética, que envolvia competência e prestígio. Era importante manter a imagem da NASA.

Mas, com o vaivém espacial Atlantis (2003), quando as disputas já não eram tão evidentes, acabou
acontecendo a mesma coisa. Em ambos os acidentes morreram todos os que se encontravam a
bordo, as duas tripulações.
Pergunta-se agora, denunciar é o melhor? É possível avaliar o conteúdo ético e de
responsabilidade social dessas decisões? Pode-se dizer que sim, mas sempre de forma ponderada,
já que tais decisões podem estar envolvidas por dilemas fundamentais, como o de conjugar e
responder a vários interesses e deveres antagónicos que estão em jogo. Interesses e deveres esses
que acabam por limitar o espaço de decisão do administrador, engenheiro de produção, ou de
qualquer outro profissional que procure chamar a atenção para erros ou descuidos danosos. Este
profissional deve estar sempre preparado para ponderar três pontos (figura 1), principalmente
quando está diante de dilemas que envolvem não apenas a empresa e o seu pessoal, mas muitas
outras pessoas fora da organização: o dever de zelar pela saúde e segurança do público em geral,
de acordo com o que preceitua o Código de Ética Profissional; manter confidencialidade e lealdade
aos seus empregadores, mesmo quando é inevitável a denúncia, dado os prejuízos que podem
causar à empresa e avaliar os seus interesses pessoais e familiares, que podem ser muito afetados,
mesmo com uma denúncia procedente, mas que a empresa e os seus executivos não assumem
com facilidade.

Figura 1 – O triângulo dos deveres e dos dilemas

Os casos anteriormente citados, que permeiam muitas das decisões de engenheiros de produção
que atuam como executivos de empresas que competem e não podem deixar de competir,
sugerem que:

- Os engenheiros de produção estão por vezes sujeitos a dificuldades de natureza profissional e


ética ao tentarem conciliar os três tipos de obrigações existentes no triângulo dos deveres e dos
dilemas.
- Estes problemas resultam, em parte, do modo como as empresas (especialmente as grandes)
funcionam e são geridas.

- É um alerta para a necessidade de os engenheiros de produção se posicionarem como entes


individualmente responsáveis, que devem sempre ponderar quanto aos efeitos das suas ações
sobre os clientes, o público, a própria empresa, colegas, superiores etc., etc.

- Os engenheiros de produção que exercem funções de liderança devem sempre fomentar um


clima de comunicação aberta e franca, além de confiança na empresa.

- Enquanto líderes, os engenheiros de produção, não devem afastar os “mensageiros de más


notícias”, sob pena de, a certo momento, só ouvirem aquilo que querem ouvir. E isto é muito
perigoso para a empresa.

- Em toda a empresa há sempre riscos pessoais provenientes de denúncias de irregularidades.

É conveniente que o denunciante se cerque de orientação que o auxilie a atuar apropriadamente,


antes de chamar a atenção para detalhes obscuros e/ou escusos.

Um alerta: O engenheiro de produção deve sempre atuar em prol do público, da sociedade, já que
este proceder pode ser o mais adequado para os interesses da empresa e não apenas um
cumprimento de ordens. Silenciar uma irregularidade pode alimentar apenas a inércia de a
empresa continuar irregular, deixando de ver os riscos que o problema poderá trazer mais adiante.
Não denunciar a ilegalidade cometida por um responsável organizacional pode significar uma
conivência que poderá comprometer a empresa. Uma organização que não satisfaz os requisitos
mínimos de respeito à comunidade em que está inserida pode sofrer consequências piores quando
a irregularidade for descoberta e vier a público. Será pior do que se a denúncia fosse feita, mesmo
como alerta dentro da empresa.

Outro alerta: Lealdade à empresa não pode ser confundida apenas com o cumprimento de ordens
de superiores hierárquicos. Há que se destacar que algumas dessas ordens, se cumpridas, podem
ser de facto nefastas para a empresa – neste caso, a maior prova de lealdade do administrador é
recusar-se a cumpri-las.”

Orlando Nunes Cosenza, Ilan Chamovitz, Ética, Ética Empresarial e responsabilidade Social: Reflexões e Recomendações

Texto 2

Assiste-se atualmente a um interesse crescente sobre ética e responsabilidade social, coexistindo


diversos significados e interpretações sobre essas matérias.
De acordo com o Livro Verde, Responsabilidade Social das Empresas (RSE) é, essencialmente, um
conceito segundo o qual estas decidem, numa base voluntária, contribuir para uma sociedade mais
justa e para um ambiente mais limpo. Pode, igualmente, ser vista como um compromisso dos
empresários na contribuição para o desenvolvimento económico sustentável, envolvendo os
empregados, as suas famílias, a comunidade local e a sociedade em geral, de forma a melhorar a
sua qualidade de vida.

A RSE, segundo o Conselho Económico e Social (CES), é complementar das soluções legislativas e
contratuais, a que as empresas estão ou poderão vir a estar obrigadas. Para o CES a noção de RSE
refere-se à decisão, tomada voluntariamente pelas próprias empresas, de integrar de forma
duradoura preocupações sociais e ecológicas nas suas atividades produtivas e comerciais e nas
suas relações com todos os parceiros, contribuindo para a melhoria da sociedade e para a
qualidade ambiental.

É consensual que a RSE assenta num compromisso voluntário das empresas com o
desenvolvimento da sociedade e a preservação do ambiente.

Os princípios éticos devem estar presentes em qualquer indivíduo pois a própria vivência em
sociedade assim o exige. A globalização e a interdependência entre sociedades nas mais diversas
vertentes: económica, política, social, ambiental, entre outras, leva a que, cada vez mais, o
conceito de ética nos negócios assuma um papel de extrema importância em qualquer
organização, pelo que é imperativo a consciencialização de todos os profissionais,
independentemente da natureza da profissão que exercem, para o cumprimento de princípios
éticos, nomeadamente: responsabilidade pelas funções exercidas, fidelidade à organização em que
trabalha, respeito por todos os membros da organização, sigilo profissional, etc. (…)

Ao longo da história sempre se tem falado de ética, moral, responsabilidade social em muitos
âmbitos mas, atualmente, estes termos têm vindo a ganhar dimensão na vida empresarial. Se
recuarmos a Milton Friedman, a responsabilidade social da empresa consistia única e
exclusivamente em aumentar o seu lucro, maximizar os seus retornos. A esta visão conservadora
opõe-se uma visão global da conduta empresarial que integra a ética e a responsabilidade social.

Esta mudança de paradigma, de repensar estratégias incorporando a vertente ética-empresarial é


relativamente recente. Segundo Cardoso (1999) a evolução cultural e uma maior consciência social
nos anos setenta, traz importantes consequências e conduz a pouco e pouco, à adoção do
“markting social” que, entre outras orientações, “diz-nos que uma organização deve procurar
identificar as necessidades dos consumidores e dar-lhes resposta através de produtos úteis que
este prefira aos dos concorrentes e que contribuam para o seu desenvolvimento, bem como da
sociedade em que se inserem. (…)

A empresa, sendo o grande agente de transformação da sociedade, assume um papel fundamental


para a construção de uma sociedade mais justa. Por outro lado, pensamos que o futuro das
empresas passa pelo equilíbrio entre as vertentes económicas, éticas e sociais. A este respeito,
Nabo (2001) afirma que a empresa tem vindo a ter uma importância geográfica, económica e
social cada vez maior, e que a ética deve estar presente na organização empresarial e deve nortear
todo o processo de decisão. Saliente que, através do fenómeno da globalização dos mercados e do
nascimento da sociedade da informação, cada vez mais a empresa tem um papel preponderante
na sociedade humana, antevendo-se mesmo que no futuro seja o centro da organização da
comunidade humana e a ética na perspetiva empresarial passa a ser uma crescente e
determinante envolvente. Refere, ainda, que a ética da empresa não é uma ética distinta da ética
geral. Não há, no seu entender, uma ética privada, uma ética pública e uma ética empresarial, há
uma só ética a aplicar à vida privada, pública ou empresarial.

Maria do Ampara Guedes, Maria da Conceição Aleixo, Maria Helena Soares, “Ética: ensino e responsabilidade social”

Texto 3

A empresa na sociedade: a ideia de responsabilidade social

O conceito central na maior parte da ética empresarial mais recente é a ideia de responsabilidade
social. É também um conceito que tem irritado muitos dos entusiastas do mercado livre tradicional
e promovido alguns argumentos incorretos ou enganadores. O mais famoso será talvez a diatribe
do prémio Nobel da Economia Milton Friedman, no New York Times (13 de Setembro de 1970),
intitulada "A responsabilidade social dos negócios é aumentar os seus lucros". Neste artigo,
Friedman chamava aos homens de negócios que defendiam a ideia de responsabilidade social da
empresa "fantoches involuntários das forças intelectuais que estão a minar as bases de uma
sociedade livre" e acusava-os de "pregar um socialismo puro e duro". O argumento de Friedman
consiste essencialmente em afirmar que os gestores de uma empresa são empregados dos
acionistas e, enquanto tais, têm uma "responsabilidade fiduciária" de maximizar os seus lucros.
Dar dinheiro para caridade ou outras causas sociais (exceto enquanto atividades de relações
públicas visando aumentar os negócios) e envolver-se em projetos comunitários (que não
aumentem os negócios da empresa) é equivalente a roubar os acionistas. Mais ainda, não há
qualquer razão para supor que uma empresa ou os seus empregados têm alguma competência ou
conhecimento especial no âmbito das políticas públicas, logo, quando se envolvem em actividades
comunitárias (enquanto gestores da empresa, não enquanto cidadãos privados agindo em seu
próprio nome), estão não só a ultrapassar as suas competências, como também a violar as suas
obrigações.

Algumas das falácias presentes neste raciocínio têm a ver com a perspetiva redutora do comércio
como se estivesse orientado para o lucro, e com o retrato unidimensional e muito pouco lisonjeiro
do acionista que foi mencionado anteriormente; outras ("socialismo puro e duro" e "roubar") são
simplesmente excessos retóricos. O argumento da "competência" (também defendido por Peter
Drucker no seu influente livro sobre gestão, Management) só faz sentido para casos em que as
empresas levem a cabo projetos de engenharia social que estejam de facto para além das suas
capacidades; mas será que é preciso competências especiais ou conhecimentos profundos para ter
preocupações acerca do emprego discriminatório, ou das práticas de promoção dentro da
empresa, ou dos efeitos devastadores dos lixos industriais sobre a paisagem envolvente? A
resposta geral a argumentos do tipo do de Friedman que recentemente se tornou popular na ética
empresarial pode ser sintetizada num modesto jogo de palavras: em vez do
"acionista" (stockholder), os beneficiários das responsabilidades sociais da empresa são as partes
interessadas (stakeholders), de que os acionistas são apenas uma subclasse. Os stakeholders de
uma empresa são todos os que são afetados e que têm direitos e expectativas legítimos em
relação às atividades da empresa, o que inclui os empregados, os consumidores e os fornecedores,
assim como a comunidade envolvente e a sociedade no seu conjunto. A vantagem deste conceito é
que ele permite expandir muito o enfoque das preocupações empresariais sem perder de vista as
virtudes e capacidades particulares da própria empresa. Considerada deste modo, a
responsabilidade social não é um fardo adicional sobre a empresa, mas uma parte integrante das
suas preocupações essenciais, servir as necessidades e ser justo não apenas para com os seus
investidores ou proprietários, mas também para com aqueles que trabalham, compram, vendem,
vivem perto ou são de qualquer outro modo afetados pelas atividades que são exigidas e
recompensados pelo sistema de mercado livre. (…)

O indivíduo na empresa: responsabilidades e expetativas

A parte interessada (stakeholder) mais maltratada no padrão das responsabilidades empresariais


será talvez o empregado da empresa. Na teoria tradicional do mercado livre, o trabalho do
empregado é ele próprio mais uma mercadoria, sujeita às leis da oferta e da procura. Mas
enquanto que podemos vender a preço de saldo alfinetes ou peças de máquina que já não têm
procura, ou simplesmente desfazermo-nos deles, o empregado é um ser humano, com
necessidades e direitos muito reais e distintos do seu papel na produção ou no mercado. Um
espaço de trabalho apertado e desconfortável ou longas e duras horas de trabalho podem reduzir
as despesas ou aumentar a produtividade, e pagar salários de sobrevivência a empregados que,
por uma razão ou outra, não podem, não se atrevem ou não sabem como queixar-se, pode
aumentar os lucros, mas tais condições e práticas são hoje em dia reconhecidas por todos menos
pelo mais empedernido "darwinista" como altamente anti-éticas e legalmente injustificáveis.
Mesmo assim, o modelo do trabalho como "mercadoria" ainda tem uma forte influência em muito
do pensamento empresarial, tanto no que diz respeito a gestores e executivos como a
trabalhadores, tanto especializados como indiferenciados. É por esta razão que muita da mais
recente ética empresarial centrou a sua atenção em noções como os direitos dos empregados e, a
partir de uma perspetiva bastante diferente, é também por esta razão que a velha noção de
"lealdade à empresa" voltou a merecer atenção. Afinal, se uma empresa trata os seus empregados
como meras peças descartáveis, ninguém pode ficar surpreendido se os empregados começarem a
tratar a empresa com uma mera fonte transitória de salários e benefícios.

No entanto, a outra face deste quadro perturbador é a também renovada ênfase dada à noção de
papéis e responsabilidades do empregado, uma das quais é a lealdade à empresa. Nunca é demais
sublinhar que "lealdade" aqui é uma preocupação que funciona nos dois sentidos; o empregado
pode, em virtude do seu emprego, ter obrigações especiais para com a empresa, mas a empresa
tem por sua vez obrigações para com o empregado. Mas é perigoso colocar ênfase em conceitos
como "lealdade" sem esclarecer muito bem que a lealdade está ligada não apenas ao emprego em
geral mas também ao papel e responsabilidades particulares de cada um. Um papel, segundo R.S.
Downie, é "um aglomerado de deveres e direitos com algum tipo de função social" — neste caso,
uma função na empresa (Roles and Values. p. 128). Há certos aspetos do papel e das
responsabilidades de cada um que podem ser especificados num contrato de trabalho e na lei, mas
muitos deles — por exemplo, os costumes locais, os padrões de deferência e outros aspetos
daquilo a que há pouco chamámos "cultura empresarial" — só se tornam evidentes com o tempo
e através do contacto com outros empregados. Mais ainda, não se trata simplesmente de "fazer o
nosso trabalho" mas, por razões de ética e de economia, de fazer o nosso trabalho o melhor
possível. A este respeito parece-me correto o que diz Norman Bowie: "Um trabalho nunca é
apenas um trabalho". Tem também uma dimensão moral: orgulho no nosso produto, cooperação
com os colegas e preocupação com o bem-estar da empresa. Mas, é claro, estas obrigações
decorrentes do papel têm os seus limites (por mais que certos gestores tentem negar isto para sua
conveniência). O comércio não é um fim em si, está ao invés inserido e é sustentado por uma
sociedade que tem outras e mais importantes preocupações, normas e expectativas.
Ouvimos muitas vezes empregados (e até mesmo executivos de alto nível) queixarem-se de que os
seus "valores empresariais estão em conflito com os seus valores pessoais". O que isto
normalmente significa é que, sugiro eu, certas exigências feitas pelas empresas são anti-éticas ou
imorais. Aquilo a que a maior parte das pessoas chama os seus "valores pessoais" são de facto os
valores mais profundos e amplos da sua cultura. E é neste contexto que devemos compreender a
já familiar figura trágica da vida empresarial contemporânea — o denunciante. Este não é
simplesmente um excêntrico que não consegue adaptar-se à organização que ameaça denunciar. O
denunciante reconhece não ser capaz de tolerar a violação da moral ou da confiança pública e
sente-se na obrigação de fazer alguma coisa. As biografias da maior parte dos denunciantes não
são uma leitura agradável, mas a sua existência e ocasional sucesso testemunham amplamente as
obrigações interligadas das empresas, dos indivíduos e da sociedade. Aliás, talvez o resultado
particular mais importante da emergência da ética empresarial no espaço público tenha sido
chamar a atenção para esses indivíduos e dar uma nova respeitabilidade àquilo que os seus
empregadores veem incorretamente como nada mais do que falta de lealdade. Mas quando a
exigência de fazer negócio entra em conflito com a moral ou o bem-estar da sociedade, são os
negócios que têm que ceder, o que é, talvez, o fundamental da ética empresarial.

Robert C. Solomon, “A empresa na sociedade: a ideia de responsabilidade social”

Atividades:

1. Clarifique o conceito de responsabilidade social.


2. O que significa dizer-se que o profissional deve posicionar-se como um sujeito
individualmente responsável?
3. Quando o profissional se depara com interesses que entram em conflito que pontos deve
ter em consideração ao ponderar uma decisão?
4. Qual a perspetiva de Milton Friedman sobre o conceito de responsabilidade social?
5. Como responde Solomon aos argumentos de Friedman?
6. A lealdade do trabalhador à empresa deve ser incondicional? Porquê?
7. A responsabilidade profissional é prerrogativa de alguns grupos socioprofissionais?
Justifique.