Sie sind auf Seite 1von 5

Nome____________________________________________ Nº/turma______

Teste de Português 11. º D


Outubro 2017
TÓPICOS DE CORREÇÃO

VERSÃO 1 e 2

Grupo 0 (10 pontos)

1. Associe corretamente cada um dos segmentos da coluna A ao que lhe completa o sentido na coluna B,
considerando o estudo de Padre António Vieira e do “Sermão de Santo António”.

COLUNA A COLUNA B
(A) Durante o século XVII, o sermão… [1] encontra-se na Exposição.
[2] integra o conceito predicável.
(B) No tempo de Vieira, Portugal… [3] socorre-se do exemplo de Santo António para
conferir maior credibilidade ao seu discurso.
(C) No período barroco, o púlpito… [4] esteve imerso num clima de perturbação
política.
(D) Padre António Vieira… [5] assenta numa metáfora bíblica.
[6] baseia-se no relato da vida de Santo António.
(E) No “Sermão de Santo António”, o Exórdio… [7] pode atribuir-se quer aos pregadores quer aos
ouvintes.
(F) O conceito predicável… [8] foi não só o género literário predominante como
também a base da pregação.
(G) O motivo da corrupção na terra… [9] foi banido da arte oratória.
[10] transformou-se no principal palco de liberdade
(H) Ao longo do sermão, Vieira… de expressão.
[11] é a de persuadir o auditório.
(I) Uma das intenções do pregador… [12] deve ter um caráter e um comportamento
exemplares.
(J) Para poder influenciar, o orador… [13] desempenhou funções religiosas e diplomáticas.

Versão 1 Versão 2
A 8 1
B 4 12
C 10 3
D 13 9
E 2 2
F 5 6
G 7 7
H 3 10
I 11 11
J 12 4

Grupo I (90 pontos)

A
Leia o texto com atenção e responda às questões apresentadas.

Nesta viagem, de que fiz menção, e em todas as que passei a Linha Equinocial, vi debaixo dela o que
muitas vezes tinha visto e notado nos homens, e me admirou que se houvesse estendido esta ronha e pegado
também aos peixes. Pegadores se chamam estes de que agora falo, e com grande propriedade, porque sendo
pequenos, não só se chegam a outros maiores, mas de tal sorte se lhes pegam aos costados. que jamais os
desferram. De alguns animais de menos força e indústria se conta que vão seguindo de longe aos leões na
caça, para se sustentarem do que a eles sobeja. O mesmo fazem estes pegadores, tão seguros ao perto como
aqueles ao longe; porque o peixe grande não pode dobrar a cabeça, nem voltar a boca sobre os que traz às
costas, e assim lhes sustenta o peso e mais a fome.
Este modo de vida, mais astuto que generoso, se acaso se passou e pegou de um elemento 1 a outro,
sem dúvida que o aprenderam os peixes do alto2, depois que os nossos Portugueses o navegaram; porque não
parte vice-rei ou governador para as Conquistas3, que não vá rodeado de pegadores, os quais se arrimam a
eles, para que cá lhes matem a fome, de que lá não tinham remédio. Os menos ignorantes, desenganados da
experiência, despegam-se e buscam a vida por outra via; mas os que se deixam estar pegados à mercê e fortuna4
dos maiores, vem-lhes a suceder no fim o que aos pegadores do mar.
Rodeia a nau o tubarão nas calmarias da linha com os seus pegadores às costas, tão cerzidos5 com a
pele, que mais parecem remendos ou manchas naturais, que os hóspedes ou companheiros. Lançam-lhe um
anzol de cadeia com a ração de quatro soldados, arremessa-se furiosamente à presa, engole tudo de um bocado,
e fica preso. Corre meia companha6 a alá-lo7 acima, bate fortemente o convés com os últimos arrancos; enfim,
morre o tubarão, e morrem com ele os pegadores. (…)
Eis aqui, peixinhos ignorantes e miseráveis, quão errado e enganoso é este modo de vida que
escolhestes. Tomai o exemplo nos homens, pois eles o não tomam em vós, nem seguem, como deveriam, o de
Santo António. (…)
Considerai, pegadores vivos, como morreram os outros que se pegaram àquele peixe grande, e porquê.
O tubarão morreu porque comeu, e eles morreram pelo que não comeram. Pode haver maior ignorância que
morrer pela fome e boca alheia? Que morra o tubarão porque comeu, matou-o a sua gula; mas que morra o
pegador pelo que não comeu, é a maior desgraça que se pode imaginar!
Sermão de Santo António aos Peixes, Padre António Vieira

Não esquecer de ilustrar com citações do texto…

1. Situe este extrato na estrutura (externa e interna) do sermão. (5 pontos)


Cap. V; Exposição/ Confirmação, Repreensões em particular.

2. Atente nos primeiro e terceiro parágrafos.


2.1 Faça a caraterização deste peixe e clarifique a repreensão que lhe é dirigida. (15 pontos)
São peixes pequenos que se pegam a outros e alimentam-se à sua custa,… A crítica ao seu
parasitismo… é apresentado o exemplo do que acontece aos pegadores de um tubarão capturado, ou
seja, esses pegadores morrem juntamente com o seu “hospedeiro”…

3. Explicite o sentido do segundo parágrafo, verificando a crítica presente. (15 pontos)


Crítica severa aos portugueses que teriam “ensinado” aos peixes a prática de pegador… Refere-se
àqueles homens que vivem à custa de outros, neste caso àqueles que se “pegam” a governadores ou
vice-reis das terras conquistadas… e que terão o mesmo destino que os peixes pegadores…

1
Elemento: parte constituinte do universo: terra, água, ar e fogo.
2
Do alto: do alto mar
3
Conquistas: colónias
4
Fortuna: sorte
5
Cerzidos: cosidos; unidos
6
Companha: grupo de marinheiros
7
Alar: puxar
4. Analise este extrato do sermão, tendo em conta os recursos da retórica de Vieira, identificando três
exemplos ilustrativos. (15 pontos)
Interrogação retórica – Pode haver maior ignorância que morrer pela fome e boca alheia?
Apóstrofe – peixinhos ignorantes e miseráveis
Hipérbole - é a maior desgraça que se pode imaginar!
Despertar a atenção do auditório…clarificar o seu ponto de vista pelo exagero…

5. Comprove a consecução dos objetivos da eloquência, neste excerto. (15 pontos)


O docere (ensinar), e o movere (influenciar) para mudar comportamentos, encontra-se nos exemplos
apresentados e sobretudo na referência a Santo António, que surge sempre como o exemplo a
respeitar e seguir... O deletare (deleitar) verifica-se no emprego de diferentes recursos de estilo
que servem para chamar a atenção dos ouvintes…

6. Escolha apenas a uma das seguintes questões e redija uma exposição de cerca de 130 a 170 palavras.
(25 pontos)

a. Tendo em conta o seu estudo do Sermão de Santo António aos Peixes, compare as mensagens
alegóricas decorrentes da análise do peixe Rémora/Pegador.
Rémora – louvor… prende-se ao leme…guia/orienta para o bom caminho… tal como Santo
António…;
Pegador – repreensão…é um parasita…vive à custa do outros e morre com ele…não tem vida
própria…a crítica aos homens…

b. Escolha um outro dos peixes mencionados no sermão e, partindo da sua análise e experiência de
leitura, explicite a sua dimensão alegórica, verificando a sua actualidade ou anacronismo.
Várias possibilidades. Não esquecer a verificação com a atualidade...

Grupo II (50 pontos)

Leia, agora, o seguinte texto8 e responda às questões apresentadas.

1 Senhoras e Senhores,

Eis-me nesta invicta cidade do Porto, a terra ativa que deu o nome a Portugal, e à qual devo a
5 proposta da Candidatura Nacional Independente, que me honra. Cuidei, senhoras e senhores, que era
minha estrita obrigação, antes deste contacto direto com o seu generoso povo, apresentar cumprimentos
a algumas das figuras mais representativas da sua vida social, religiosa e política. (…). Estas visitas de
cumprimentos exprimem as intenções pacificadoras que me movem. Nesta conformidade, apelo
10 indistintamente para todos os setores da vida nacional, no desejo sincero de que vivamos em paz, após
tantos anos de injustificadas e absurdas discriminações, de arbítrio, de opressão. Todos, de um extremo
ao outro da terra portuguesa; todos, vindos dos mais diversos campos ideológicos, das mais variadas
situações – de todas as classes, de todos os partidos, de crenças – temos de criar as bases de uma vida
15 nova, feita de concórdia e respeito mútuo. (…)
Na nossa história, o povo desta cidade representa tradições seculares de autonomia municipal, de
luta pela liberdade de consciência cívica. (…). Pois foi nesta terra, aquela que ao escolher-me para
Candidato Independente, nesta hora de perturbação e de discórdia, quando reina a mentira e o medo,
20 quis assumir perante a nação a responsabilidade de traçar o caminho legal e pacífico da libertação

8
O discurso que Humberto Delgado produziu em maio de 1958, no Coliseu do Porto, na qualidade de candidato pela Oposição Democrática em
campanha eleitoral para as eleições presidenciais desse ano, e que Humberto Delgado haveria de perder em resultados claramente falseados pelo
regime de Salazar.
nacional. Não há palavras para o agradecer, e, se as houvesse, a emoção não me deixaria pronunciá-
las. Não me apresento como homem providencial, candidato a Führer, a um Hitler de desgraçada
memória, mas apenas o soldado e cidadão que se sente honrado com a vossa confiança. Meus senhores:
25 eu sou apenas o guião da vossa vontade férrea. O êxito da minha candidatura depende de vós, mais do
que de mim. Denunciada a mentira e vencido o medo, como já o está, urge que o povo diga da sua
justiça, imponha a sua vontade, apesar de todas as arbitrariedades de um governo que perdeu a noção
do pudor.
30 Assim, a poucos dias do início desta campanha, e sendo o candidato o homem de ordem, o patriota,
o militar disciplinado que sempre me prezei de ser, a máquina da opressão e arbitrariedade funcionava
já a pleno rendimento. Lembram-se, meus senhores? A primeira página dos jornais era para eles. Nós,
na segunda... A primeira arbitrariedade consiste na circunstância de o partido único ditar, rígida e
35 facciosamente, um período de liberdades condicionadas. Ora uma campanha eleitoral não se improvisa.
Os serviços de uma ideia não podem estar fechados sete anos; não podem funcionar sem meios técnicos
e financeiros, sem sede permanente nem pessoal, sem acesso à imprensa, à rádio e à televisão, sem as
facilidades que nos países democráticos qualquer partido ou organização política dispõe
40 permanentemente e que entre nós são monopólio da União Nacional, do partido que o Presidente do
Governo chefia.
A censura exerce a sua perniciosa ação, impedindo que venham a público declarações minhas e
informações dos meus serviços ou demoram-nas para perderem o efeito, apesar da liberdade que o
45 Senhor Ministro da Presidência me prometeu. Assim, a imprensa impede, por exemplo, que se dê
antecipadamente a notícia da minha chegada de Madrid, parece que por temer que os meus amigos
pessoais e políticos me fossem esperar. Meus senhores, que Governo é este que tem medo que se
anuncie a minha chegada?

General Humberto Delgado, “Obviamente demito-o!”, in Leopoldino Serrão, Grandes Discursos Políticos, 2.ªed., Braga: Ausência,
2005, pp. 305-306.

1. O texto apresenta marcas específicas do género


(A) debate.
(B) apreciação crítica.
(C) discurso político.
(D) exposição sobre um tema.

2. O texto constitui
(A) um agradecimento aos meios de comunicação social.
(B) um apelo à revolução armada.
(C) um elogio ao governo.
(D) um apelo à paz e à luta pela liberdade.

3. Os parênteses utilizados no texto


(A) assinalam cortes no texto.
(B) destacam determinadas expressões.
(C) reforçam o tom erudito do texto.
(D) assinalam didascálias.

4. O vocábulo “arbitrariedades” (l. 27) significa, no contexto,


(A) procedimentos com base na lei.
(B) inflexibilidades.
(C) rigores.
(D) manipulações.

5. O vocábulo “Eis” (l. 4) pertence à classe dos


(A) pronomes.
(B) determinantes.
(C) advérbios.
(D) interjeições.

6. Identifique a função sintática desempenhada pela expressão sublinhada na frase:


VERSÃO 1 -“Cuidei, senhoras e senhores, que era minha estrita obrigação” (l. 5). Vocativo
VERSÃO 2 - Meus senhores, que Governo é este que tem medo que se anuncie a minha chegada? Vocativo

7. Identifique o tempo e o modo em que está conjugada a forma verbal “houvesse” (l.21). Pretérito imperfeito
do conjuntivo

8. Explicite a que se refere o pronome sublinhado: “Não há palavras para o agradecer” (l.21) O facto de o
Porto querer “assumir perante a nação a responsabilidade de traçar o caminho legal e pacífico da
libertação nacional”.

9. Classifique a oração assinalada na frase:


VERSÃO1 - “ urge que o Povo diga da sua justiça” (l. 26). Oração subordinada substantiva completiva
VERSÃO 2 - “um governo que perdeu a noção do pudor.” (l. 28). Oração subordinada adjetiva relativa
restritiva

10. Proponha uma alternativa para o conector “Assim” (l. 30) Deste modo, Com efeito, etc

Grupo III (50 pontos)

Será a popularidade determinante para a afirmação de um jovem?

Redija um texto de opinião, bem estruturado, sobre os jovens e a popularidade. Fundamente o seu ponto de
vista, recorrendo a dois argumentos e ilustre cada um deles com um exemplo significativo. (200 a 250/300
palavras)

A professora
Arminda Gonçalves