Sie sind auf Seite 1von 9

PROJETO DE INSTALAÇÃO E MONTAGEM DE ANDAIMES

1. OBJETIVO

Projeto de engenharia para instalação e montagens de andaimes referentes as normas


NR-18 e NR-35 (ANDAIME MULTIDIRECIONAL)

FASE DO PROJETO

Localização e viabilidade de implantação dos itens a serem instalados.


Dimensionamento dos elementos intervenientes.
Desenhos.
Definição das matérias a serem utilizados.
Processo de montagem e instalação

2. ESCOPO

Escopo do projeto: Serviço de instalação e montagem dos andaimes em


conformidade com a Norma Regulamentadora a NR-18 e NR-35 e especificação técnica
a serem instalados na unidade da COFCO INTERNATIONAL BRASIL S.A –
POTIRENDABA – SP.

O escopo está subdividido de acordo com os seguintes cálculos e desenhos:

2.1 Classificação dos andaimes quanto a cargas:

Cargas padrão

Andaime leve = 0,150 t/m2

Andaime médio = 0,200 t/m2

Andaime pesado = 0,300t/m2


A) Tipo de solicitação de cálculos para andaimes

- Solicitado através de dimensões definidas, ou seja: Largura, comprimento e altura


(onde faremos dimensionamento e nomenclatura de materiais.) da (s) plataforma de
trabalho.

Observação: Para montagem das estruturas ou andaimes tubulares, deve ser verificado
as condições das estruturas ou plataformas onde será montado o andaime.

2.2 Dimensões dos andaimes.

1. 1,5 x 1,5 x 8 (metros) (Multidiecional)

2. Torre para trabalho no acesso a altura.

2.3 Características:

Aço SAE 1010/1020


ø Nominal interno = 42,15mm ø
Nominal externo = 48,3mm
Espessura da parede = 3,075mm
Peso aproximado = 4,00 Kg/m
Módulo de elasticidade - E=2,1 x 106Kg/cm2.
Momento de inércia I =11,22cm4
Raio de giração rix = I/s = 1,60cm
Limite de esbeltez = 3,20m
O índice de esbeltez é uma medida mecânica utilizada para estimar com que facilidade
um pilar irá encurvar.
Área ( S ) = 4,36 cm2
Tensão Admissível = 14,00Kg/mm2
Mf = 0,066 t.m (Momento admissível do tubo)
3. DIMENSIONAMENTO

3. 1. Carga nos postes centrais / e encaixes:

Resultados obtidos deverá ser menor do que a resistência de compressão do tubo


2,80 t < = Resistência do tubo a compressão

Para todos os andaimes montando manter uma distância de no máximo 2 metros de


espaçamento entre postes centrais.

2,5 m x 3 m x 0,150 t/m² = 0,6 t/m² < 2,80 t < = Resistência do tubo a compressão

3.2 Diagonais

Longitudinais: Fazer somatória de cargas atuantes por linha de postes e comparar com
cargas admissíveis da tabela em anexo levando-se em consideração o comprimento e a
altura da região analisada.

Transversais: O dimensionamento é idêntico ao das diagonais longitudinais.

Horizontais: Considerá-las em todos os níveis onde haja fixação do andaime.

Observação: Usar no mínimo 01 (uma) diagonal por face externa da torre.

4. Piso: Considerando-se Piso metálico simplesmente apoiados.

Considerações: Chapa de aço galvanizado com piso antiderrapante e sistema de


drenagem (Capacidade de carga 1600 kgf ), Momento Fletor de 229,62 kg.m com as
seguintes dimensões: 1470 x 370 x 1,5 mm. Pontos de apoio para cálculo : 1.5 metros e
2 metros.

W = bh2 = 37 cm x 0,15 2 cm = 0,1387 cm3


6 6

Mf (Atuante) = 150,00 Kg /m2 x 0,37 m x 6,75 m2 = 46,80 Kg.m

8
Resultados referentes aos dimensionamentos citados no item 2.2

Todos os valores citados abaixo devem contem valores menores do que especificado
na consideração no item de Momento fletor 229,6 Kg.m

1. 15,6 Kg.m

Observação: Prever subdivisões dos vãos para propiciar emendas de topo do


tablado e atender ao vão máximo permitido de 2,00 metros.

Para andaimes que não sejam em torres, mantes os valores de vão máximo de 1,5 m
apoiado de 2 metros sobre uma área de 2,5 m x 2 m.

1. Torre para trabalho acesso – 8 mt

Mf (Atuante) = 150,00 Kg /m2 x 0,37 m x 2,25 m2 = 15,60 Kg.m


8

5. Rodapé : Considerando-se as tábuas ou rodapé metálicos simplesmente


apoiadas.

6. Fixação : Andaimes leves, livres de esforços horizontais.

Fixar todo andaime cuja estabilidade for inferior a ¼.


Recomenda-se fixar e estroncar os andaimes em estrutura resistente, considerando-se as
seguintes premissas:

Manter pontos de fixações.

Manter distância máxima de 9,00 metros entre os pontos.

Instalar diagonais horizontais nos níveis de fixação.

Iniciar a fixação pelas extremidades do andaime.

Promover a fixação com material adequado, ou seja: vergalhões, tubos, cabos de


aço, cordas de cânhamo etc.

Observação: Os estroncamentos deverão ter resistência compatível com a fixação.

7. Cuidados gerais.

Analisar e liberar a área de montagem.

Selecionar e transportar os equipamentos por ordem de aplicação.

Promover as fixações e montagem simultaneamente.

Usar o andaime apenas após liberação por profissional qualificado.

8. Dimensionamento do guarda - corpo

Considerações:

· Carga posicionada no meio do vão (Concentrada).

· Carga utilizada para dimensionamento = 1,600 t.

· Condição de carregamento = Estrutura semi encastrada => M f = p l


6

Dimensionamento:

M fa = 1.600,00Kg x 1,50m = 400,00Kg.m => 40.000,00Kg.cm


6
Sendo o momento fletor admissível no tubo = 66,00 Kg.m, concluímos que
necessitamos de 4 tubos interligados para combater tal solicitação.

9. EPI PARA PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS COM DIFERENÇA DE NÍVEL

9.1 Cinturão
a) Cinturão de segurança para proteção do usuário contra riscos de queda em trabalhos
em altura;

b) cinturão de segurança para proteção do usuário contra riscos de queda no


posicionamento em trabalhos em altura.

Obs: O uso de cinto de segurança, talabartes duplos e conectores de grande abertura


satisfazem perfeitamente a todos os requisitos de segurança.

Cintos de Segurança.

Em atividades com risco de queda e altura superior a 2 m, deve ser usado cinto
pára-quedista, com ligação frontal (fig.1) ou dorsal (fig.2).

Em atividades sem risco de queda, com o objetivo de, simplesmente, limitar a


movimentação do trabalhador a um corredor de largura “L”, é permitido usar o talabarte
ligado à linha da cintura. Será o caso que utilizaremos na filial, os cintos serão presos no
próprio andaime.
9.2 Dispositivo trava-queda

a) Dispositivo trava-queda de segurança para proteção do usuário contra quedas em


operações com movimentação vertical ou horizontal, quando utilizado com cinturão de
segurança para proteção contra quedas.

Dispositivo Trava Quedas.

O operário pode movimentar-se no plano horizontal, assim como subir e descer


escadas, rampas e pilhas de materiais, sem risco de queda. O cabo retrátil nunca fica
frouxo, devido a ação de uma mola de retorno. Havendo movimento brusco, tropeço,
desequilíbrio do operário ou quebra de telha, o equipamento trava-se imediatamente e
evita a queda da pessoa. Pode ser usado fixo num ponto acima do local de trabalho ou
deslocando-se na horizontal por um trole. Equipamento testado e aprovado pelo
Ministério do Trabalho (CA-5153). Deve ser usado com cinto pára-quedista, ancoragem
dorsal ou frontal.

Fixação do trava-queda
Deve ser fixado sempre acima do trabalhador em local que resista a, no mínimo,
1500 kg. O deslocamento horizontal do trabalhador, em relação ao prumo do aparelho
(L), não deve ser superior a um terço da distância entre a argola dorsal do cinto e o solo
(H).

Deslocamento vertical do trava-queda

Para otimizar o uso de qualquer trava-queda, seu ponto de fixação pode ser
alterado usando-se correntes de aço com elos de, no mínimo, 6mm de diâmetro.
10 . Normas utilizadas NR-18 e NR-35

NR-18 são as Normas Regulamentadoras que tratam sobre a segurança do trabalho na


construção civil. A partir de 2011 estas normas foram aprimoradas, como você pode
conferir em Alterações 2011 NR-18 (Ver no início da Apostila, item 1).
Confira o item 18.15 da NR-18, que se refere a Andaimes e Plataformas:

18.15. Andaimes
18.15.1. O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação, deve
ser realizado por profissional legalmente habilitado.
18.15.2. Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com
segurança, as cargas de trabalho a que estarão sujeitos.
18.15.3. O piso de trabalho dos andaimes deve ter forração completa, antiderrapante, ser
nivelado e fixado de modo seguro e resistente.
18.15.4. Devem ser tomadas precauções especiais, quando da montagem, desmontagem
e movimentação de andaimes próximos às redes elétricas.
18.15.5. A madeira para confecção de andaimes deve ser de boa qualidade, seca, sem
apresentar nós e rachaduras que comprometam a sua resistência, sendo proibido o uso
de pintura que encubra imperfeições.
18.15.5.1. É proibida a utilização de aparas de madeira na confecção de andaimes.
18.15.6. Os andaimes devem dispor de sistema guarda-corpo e rodapé, inclusive nas
cabeceiras, em todo o perímetro, conforme subitem 18.13.5, com exceção do lado da
face de trabalho.
18.15.7. É proibido retirar qualquer dispositivo de segurança dos andaimes ou anular
sua ação.
18.15.8. É proibida, sobre o piso de trabalho de andaimes, a utilização de escadas e
outros meios para se atingirem lugares mais altos.
18.15.9. O acesso aos andaimes deve ser feito de maneira segura.

Andaimes Simplesmente Apoiados


18.15.10. Os montantes dos andaimes devem ser apoiados em sapatas sobre base sólida
capaz de resistir aos esforços solicitantes e às cargas transmitidas.
18.15.11. É proibido trabalho em andaimes apoiados sobre cavaletes que possuam altura
superior a 2,00m (dois metros) e largura inferior a 0,90m (noventa centímetros)
18.15.12. É proibido o trabalho em andaimes na periferia da edificação sem que haja
proteção adequada fixada à estrutura da mesma.
18.15.13. É proibido o deslocamento das estruturas dos andaimes com trabalhadores
sobre os mesmos.
18.15.14. Os andaimes cujos pisos de trabalho estejam situados a mais de 1,50m (um
metro e cinquenta centímetros) de altura devem ser providos de escadas ou rampas.
18.15.15. O ponto de instalação de qualquer aparelho de içar materiais deve ser
escolhido, de modo a não comprometer a estabilidade e segurança do andaime.
18.15.16. Os andaimes de madeira não podem ser utilizados em obras acima de 3 (três)
pavimentos ou altura equivalente, podendo ter o lado interno apoiado na própria
edificação.
18.15.17. A estrutura dos andaimes deve ser fixada à construção por meio de amarração
e entroncamento, de modo a resistir aos esforços a que estará sujeita.
18.15.18. As torres de andaimes não podem exceder, em altura, 4 (quatro) vezes a
menor dimensão da base de apoio, quando não estaiadas.

35.1. Objetivo e Campo de Aplicação


35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o
trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução, de forma a
garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente com
esta atividade.
35.1.2 Considera-se trabalho em altura toda atividade executada acima de 2,00 m (dois
metros) do nível inferior, onde haja risco de queda.
35.1.3 Esta norma se complementa com as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos
Órgãos competentes e, na ausência ou omissão dessas, com as normas internacionais
aplicáveis.

Eng. Mecânico / Eng.º de Segurança do Trabalho: Jefferson D. Serrador


CREA: 506.3890039