Sie sind auf Seite 1von 65

Unidade III

FISIOLOGIA DO SISTEMA REGULADOR

Profa. Claudia Minazaki


Conteúdo da Unidade III

 Bloco 1 – Introdução ao sistema endócrino.

 Bloco 2 – Fisiologia do sistema endócrino I.

 Bloco 3 – Fisiologia do sistema endócrino II.

 Bloco 4 – Fisiologia do sistema endócrino III.


Introdução ao sistema endócrino

 Sistema endócrino em conjunto


com o sistema nervoso é
responsável pela homeostasia
(sistema neuroendócrino).

 Regula
 Crescimento.
 Desenvolvimento.
 Reprodução.
 Pressão sanguínea.
Figura: Glândulas endócrinas
 Concentração de íons e Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004.
outras substâncias.
 Comportamento.
4

Glândulas endócrinas

Hipófise (pituitária), tireoide, paratireoide, adrenal, pineal


 Células que secretam hormônios em tecidos ou órgãos:
 Hipotálamo, timo, pâncreas, ovários, testículos, rins, estômago.

Figura: Glândulas endócrinas


Fonte: TORTORA;
DERRICKSON, 2010.
Eixo hipotálamo – hipófise

Figura: Estruturas do sistema límbico


Fonte: WIDMAIER, E. P.; RAFF, H.; STRANG, K. T.,
2013.
Figura: Eixo hipotálamo – hipófise
Fonte: TORTORA; DERRICKSON, 2010.
Regulação dos receptores hormonais

1. Regulação para baixo (Down-regulation):


 Aumento da liberação do hormônio.
 Diminuição do número de receptores
(ou reatividade) na célula-alvo.

2. Regulação para cima (Up-regulation):


 Baixa liberação hormonal. Figura: Célula-alvo
Fonte: TORTORA; DERRICKSON,
2010.
 Aumento do número de receptores
(ou reatividade) na célula-alvo.
Hormônios circulantes
e locais

 Autócrino.
 Parácrino.
 Endócrino.

 Locais.
 Inativação rápida.

 Circulantes.
 Minutos ou horas.
 Inativação pelo fígado.
 Excreção renal.
Figura: Ação dos hormônios
Fonte: TORTORA; DERRICKSON, 2010.
Classes químicas dos hormônios

Lipossolúveis Hidrossolúveis

 Hormônios aminados
 Hormônios esteroides – REL  (radical amina – NH3).
(derivados do colesterol).
 Catecolaminas: epinefrina,
 Hormônios tireoidianos (T3 norepinefrina e dopamina.
e T4).
 Hormônios peptídicos e proteicos
 Óxido nítrico (NO-gás). (RER) – glicoproteicos.
 Hormônios eicosanoides
 Proteínas de transporte.  Derivados do ácido
 Somente 0,1% a 10% não araquidônico (prostaglandinas e
estão ligados a proteínas leucotrienos).
(fração livre).  Maioria circula no plasma aquoso
sob a forma livre.
9
Ação dos hormônios

Lipossolúveis Hidrossolúveis

Figura: Ação dos hormônios lipossolúveis e hidrossolúveis


Fonte: TORTORA; DERRICKSON, 2010.
Regulação da secreção hormonal

 Manutenção da homeostase.
 “Liga e desliga”.
Mecanismos:
 Neurais – nervos simpáticos pré-ganglionares.
 Feedback – positivo ou negativo.
Feedback

 Manutenção da homeostase – “liga e desliga”.


 Mecanismos:
1. Neurais – nervos simpáticos pré-ganglionares.
2. Feedback – positivo ou negativo.

Positivo Negativo

Raro

 Autocrescente e automilitante. Mais importante


 Característica da secreção (autolimitante)
promove mais secreção do
hormônio.
Regulação por
feedback negativo

Figura: Feedback
negativo do ACTH
Fonte: TORTORA;
DERRICKSON, 2010.
Interatividade

Os hormônios possuem diferenças para seu transporte no


sangue e sua ação na célula. Os hormônios que circulam na
forma livre no sangue são denominados de:

a) Hormônios lipossolúveis.
b) Hormônios hidrossolúveis.
c) Hormônios parácrinos.
d) Hormônios autócrinos.
e) Hormônios hipofisários.
Resposta

Os hormônios possuem diferenças para seu transporte no


sangue e sua ação na célula. Os hormônios que circulam na
forma livre no sangue são denominados de:

a) Hormônios lipossolúveis.
b) Hormônios hidrossolúveis.
c) Hormônios parácrinos.
d) Hormônios autócrinos.
e) Hormônios hipofisários.
15

Regulação hipotálamo – hipófise

Hormônios de liberação Hormônios de


Hormônio Secretado pelos – hipotálamo inibição

Hormônio de inibição
Hormônio de liberação
GH Somatotrofos do GH (GHIH) ou
do GH ou somatocrinina
somatostatina

Hormônio
Hormônio inibidor do
estimulante da Hormônio liberador de
Tirotrofos hormônio do
tireoide (TSH) tirotropina (TRH)
crescimento (GHIH)
ou tirotropina

Hormônio FSH Hormônio liberador de


Gonadotrofos -----
e LH gonadotropinas (GnRH)

Hormônio inibidor de
Prolactina Hormônio liberador de
Lactotrofos prolactina (PIH) que é
(PRL) prolactina (PRH) e TRH
a dopamina
16

Regulação hipotálamo – hipófise

Hormônios de Hormônios de
Hormônio Secretado pelos
liberação – hipotálamo inibição

Hormônio
adrenocortico
Hormônio liberador de
-trópico Corticotrofos -----
corticotropina (CRH)
(ACTH) ou
corticotropina

Hormônio
estimulante
Hormônio liberador de
dos Corticotrofos Dopamina
corticotropina (CRH)
melanócitos
(MSH)*

* Alguns corticotrofos remanescentes da parte intermédia


Hipófise – subdivisão

Figura: Subdivisão da hipófise


Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004.
Hormônios da hipófise posterior ou neuro-hipófise

 Não sintetiza os hormônios.


 Armazena e libera 2 hormônios.
 Formada por pituitócitos e terminais axônicos das células
neurossecretoras hipotalâmicas.
 Hormônios produzidos:
 Ocitocina.
 Hormônio antidiurético (ADH) ou vasopressina.
Ocitocina

 Ejeção de leite.
 Contração uterina.
 Em baixas concentrações provoca contrações rítmicas
poderosas sobre o músculo liso uterino.
 Indução do trabalho de parto.
 Redução do sangramento após o parto.
 Regulação da secreção:
 Amamentação (principal).
 Outros:
 Respostas condicionadas à visão, ao som ou ao olfato da
criança podem causar a liberação do leite.
 Secretada também durante o trabalho de parto.
ADH – hormônio antidiurético

 Também chamado vasopressina.


 Diminui a produção de urina.
 Ausência de ADH:
 Volume da urina pode aumentar mais de 10 vezes (normal: 1-2
litros por dia).
 Ação
 Tecidos-alvo: rim, glândulas sudoríparas, músculo liso, parede
dos vasos sanguíneos:
 Aumenta a reabsorção de água (rim retorna mais água para o
sangue e diminui o volume de urina).
 Diminui a atividade secretora das glândulas sudoríparas.
 Contração do músculo liso na parede das arteríolas,
aumentando a pressão arterial.
Regulação da
secreção de ADH

Figura: Ação do ADH


Fonte: TORTORA;
DERRICKSON, 2010.
Hipófise anterior – adeno-hipófise

Secreta 6 hormônios:

1. TSH – hormônio estimulante da tireoide.


2. FSH – hormônio folículo-estimulante.
3. LH – hormônio luteinizante.
4. Hormônio do crescimento humano (GH) ou somatotropina.
5. Prolactina (PRL).
6. Hormônio adrenocorticotrópico (ACTH) ou corticotropina.
Hormônio do crescimento humano (hGH)

 Somatotrofos são os tipos de células mais abundantes na hipófise


anterior.
 Hormônio com maior concentração.
 Efeitos:
 Ação nas células dos tecidos (fígado, músculo esquelético,
cartilagem e osso) – síntese de pequenos hormônios proteicos –
fatores de crescimento semelhante à insulina (IGFs):
 Promove crescimento e multiplicação celular (aumenta a
velocidade de síntese de proteínas).
 Aumenta a velocidade da lipólise (tecido adiposo).
 Estimula a liberação da glicose pelas células hepáticas, mas
diminui sua captação (para períodos de escassez).
Secreção de hGH

 Padrão pulsátil (surtos a intervalos de poucas horas


especialmente durante o sono).
 Controle:
 Hormônio de liberação do hGH (GHRH) – libera.
 Hormônio de inibição do hGH (GHIH) ou somatostatina –
suprime.
 Taxas de secreção:
 Constante do nascimento até a infância.
 Infância – permanece estável.
 Puberdade – explosão nas mulheres pelo estrogênio e nos
homens pela testosterona.
Hormônio folículo-estimulante (FSH)

 Regulação: GnRH.
 Mulheres:
 Ovários.
 Foliculogênese.
 Estimulação das células foliculares para secreção de
estrogênios.
 Homens:
 Testículos.
 Produção de espermatozoides.
 Regulação:
 Testosterona – feedback negativo.
Hormônio luteinizante (LH)

 Regulação: GnRH.
 Mulheres:
 Junto com FSH estimula secreção de estrogênio pelas
células ovarianas: ovulação.
 Estimula formação de corpo lúteo.
 Estimula secreção de progesterona.
 Homens:
 Estimula células intersticiais dos testículos a secretar
testosterona.
Prolactina

Síntese:
 Células lactotróficas (lobo anterior da hipófise).
Estímulos:
 TRH estimula secreção de prolactina.
Regulação:
 2 vias reguladoras a partir do hipotálamo:
Inibição:
 Hormônio inibidor da prolactina – PIH ou dopamina.
 Feedback negativo.
Estimulação:
 Hormônio estimulador de prolactina (PRL).
Prolactina

Estímulos mais importantes:


 Gravidez.
 Amamentação.
Ações da prolactina:
a) Desenvolvimento das mamas.
b) Produção do leite (lactogênese).
c) Inibição da ovulação (inibe GnRH – gonadotropina).
Função nos homens:
 Função desconhecida. Hipersecreção: disfunção erétil, impotência
(incapacidade de ereção peniana).
Função nas mulheres:
 Hipersecreção: galactorreia (lactação inapropriada) e
amenorreia (ausência de ciclos menstruais).
Interatividade

O eixo hipotálamo-hipófise permite que a regulação hormonal


ocorra diretamente com a liberação de hormônios liberadores do
hipotálamo, regulando a liberação hormonal da hipófise; porém
na neuro-hipófise há a presença de neurônios neurossecretores
que liberam hormônios. Um desses hormônios é denominado de:

a) Hormônio folículo estimulante.


b) Hormônio do crescimento.
c) Hormônio luteinizante.
d) Hormônio ocitocina.
e) Hormônio prolactina.
Resposta

O eixo hipotálamo-hipófise permite que a regulação hormonal


ocorra diretamente com a liberação de hormônios liberadores do
hipotálamo, regulando a liberação hormonal da hipófise; porém
na neuro-hipófise há a presença de neurônios neurossecretores
que liberam hormônios. Um desses hormônios é denominado de:

a) Hormônio folículo estimulante.


b) Hormônio do crescimento.
c) Hormônio luteinizante.
d) Hormônio ocitocina.
e) Hormônio prolactina.
Hormônio estimulante da tireoide (TSH)

 Estimula a síntese e a secreção de 2 hormônios tireoidianos produzidos na


tireoide:
 T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina).
 Controle:
 Hormônio liberador de tireotropina (TRH) do hipotálamo.
 Níveis sanguíneos de TSH e T3, metabolismo.
 Sistema de feedback negativo.

Figura: Tireoide
Fonte: TORTORA; DERRICKSON, 2010.
Hormônios tiroidianos

 Material na luz:
 Coloide:
 Hormônios tiroidianos – ligados à
tireoglobulina (enzimas degradam a
tireoglobulina – liberam T3 e T4).
 Hormônios lipossolúveis (proteínas
de transporte – globulina fixadora de
tiroxina – TBG).
 Grande quantidade de iodo
(alimentação);
 Tiroxina (T4) não é a forma mais ativa, Figura: Folículos tireoideanos
mas é o principal produto secretado Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO,
(conversão em T3). 2004.

 T3 é várias vezes mais potente.


Feedback negativo

Hormônio liberador de tireotropina.


 Secreção de tireotropina.
 Regula a síntese e a secreção
de T3 e T4.
Secreção de T3 e T4:
 Efeitos em órgãos e
tecidos-alvo.
 Inibição da secreção de
TRH
e TSH.

Figura: Feedback TRH e TSH


Fonte: TORTORA;
DERRICKSON, 2010.
Ações dos
hormônios tiroidianos

 Regulação:
 Utilização de oxigênio
(produção de ATP).
 Metabolismo basal
(produção de calor).
 Metabolismo celular.
 Crescimento e desenvolvimento
(principalmente tecido nervoso).
 Acentuam ações das
catecolaminas (epinefrina e
norepinefrina) – estimulam
receptores beta.
Figura: Regulação hormonal da tireoide
Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004.
Calcitonina

 Efeito:
 Diminui a concentração de cálcio no sangue.
 Sintetizada pelas células parafoliculares da tireoide
(células C).
 Não participa minuto a minuto da regulação da
concentração plasmática de Ca++.
Paratireoides

 4 pequenas glândulas na face posterior da tireoide.


 Células: células epiteliais em cordão (2 tipos).
 Células principais: menores e secretam paratormônio.
 Células oxífilas: a partir dos 7 anos de idade, maiores,
função desconhecida.
 Paratormônio ou hormônio
paratiroidiano (PTH).
 Produz aumento na concentração
de Ca++ no sangue (ação fisiológica
nos ossos, nos rins e no intestino).

Figura: Paratireoides
Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004.
Hormônio adrenocorticotrópico adrenocorcotropina
(ACTH)

 Corticotrofos.
Função:
 Controla a produção e a secreção de hormônios glicorticoides
(córtex da adrenal).
 Regulação:
 Hormônio liberador de corticotropina (CRH) do hipotálamo,
estimula a secreção de ACTH.
 Estímulos como estresse, trauma físico, baixa concentração
de glicose interleucina-1.
 Feedback negativo – glicocorticoides inibem secreção de
CRH e ACTH.
Feedback negativo – ACTH

 Eixo CRH – ACTH – células córtex adrenal – hormônios


adrenocorticais.

Figura: Feedback CRH e ACTH


Fonte: TORTORA; DERRICKSON, 2010.
Córtex e medula adrenal

 Localizados acima de cada rim.


 2 glândulas separadas (medula e
córtex) com secreções essenciais
para a vida.
 Medula: mais interna.
 Córtex: mais externo.

Figura: Regulação
hormonal da
adrenal
Fonte:
JUNQUEIRA;
Figura: Adrenal
CARNEIRO, 2004.
Fonte: TORTORA; DERRICKSON, 2010.
Adrenal – secreção de hormônios

(aldosterona)

(cortisol, corticosterona e
cortisona)

(deidroepiandrosterona)

(epinefrina (80%) e norepinefrina)

Figura: Hormônios da adrenal


Fonte: COSTANZO, 2005
Glicocorticoides

 Essenciais à vida.
 Reguladores do metabolismo e da resistência ao estresse:
 Cortisol (hidrocortisona).
 Corticosterona.
 Cortisona (95% da atividade).
 Ações:
 Aumentam a degradação de proteínas.
 Formação de glicose (gliconeogênese).
 Lipólise (liberação de ácidos graxos).
 Efeito anti-inflamatório.
Mineralocorticoides

 Participam do controle da homeostasia da água e de eletrólitos


(especialmente sódio e potássio).

 Cerca de 95% da atividade é da aldosterona:


 Ação na porção terminal do túbulo distal e ductos coletores
do rim.
 Aumentam a reabsorção de sódio – há reabsorção de
cloreto, bicarbonato e água.
 Aumentam secreção de potássio e íons H+ (impedem
acidose).
Aldosterona – via renina-angiotensina
Figura: Sistema renina-angiotensina-aldosterona.
Fonte: TORTORA; DERRICKSON, 2010.
Androgênios

 Liberados em homens e mulheres em pequenas quantidades


pelo córtex da adrenal (quantidades maiores pelos testículos
dos homens).
 Liberação estimulada pelo ACTH (controle não bem
estabelecido).
 Principal androgênio:
Deidroepiandrosterona (Dhea).
 Meninos e meninas:
 Estimulam crescimento de pelos axilares e pubianos.
 Contribuem para o surto pré-puberal de crescimento.
Interatividade

O coloide presente no interior dos folículos tireoideanos contém:

a) Hormônio folículo estimulante.


b) Hormônio luteinizante.
c) Hormônio tireoestimulante.
d) Hormônios T3 e T4.
e) Hormônio liberador de tireotropina.
Resposta

O coloide presente no interior dos folículos tireoideanos contém:

a) Hormônio folículo estimulante.


b) Hormônio luteinizante.
c) Hormônio tireoestimulante.
d) Hormônios T3 e T4.
e) Hormônio liberador de tireotropina.
Pâncreas – endócrino

 Células β – 70% secretam


insulina.
 Células α – 20% secretam
glucagon.
 Células δ (delta) – 5%
somatostatina.

Figura: Pâncreas
Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004.
Pâncreas – endócrino

Insulina Glucagon
 Secretada pelas células β.  Secretado pelas células alfa.
 Hormônio peptídico.  Ações coordenadas para
 Regulação: aumentar a concentração
 Mais importante fator é a sanguínea de glicose-
glicose. hiperglicemiante.
 Aumentos na concentração  Aumento da concentração
sanguínea de glicose, sanguínea de glicose
estimulam rapidamente a (aumenta a glicogenólise,
secreção de insulina que é aumenta a lipólise e inibe a
hipoglicemiante. síntese de ácidos graxos).
Somatostatina

 Secretada pelas células delta.

 Inibe a secreção de insulina e glucagon por meio de ação


parácrina nas células alfa e beta.

 Função:

 Modular e limitar as respostas da insulina e do glucagon


ao alimento ingerido.
Sistema reprodutor masculino

Figura: Sistema reprodutor masculino


Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004.
Sistema reprodutor masculino

Testículos:
 Produção de hormônios e espermatozoides (túbulos
seminíferos).
Túbulos seminíferos:
 Epitélio seminífero.
 Células de Sertoli.
 Células intersticiais
ou de Leydig.
 Células mioides.

Figura: Túbulos seminíferos


Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004.
Espermatogênese

1
 Produção de espermatozoides.
 Ciclo completo dura: 65 a 75 dias
(128 milhões/dia).
 Processo inicia diariamente.
2
Processo envolve:
1. Mitose.
2. Meiose I e II.
3
3. Espermiogênese (espermátide em
espermatozoide.
Figura: Espermatogênese
Fonte: MOORE;
PERSAUD, 2004.
Controle hormonal da espermatogênese

 Puberdade: GnRH / LH e FSH.


 LH: estimula células de Leydig a
secretar testosterona a partir do
colesterol nos testículos.
 FSH:
 Atua diretamente na
espermatogênese.
 Junto com a testosterona
estimula a secreção de ABP
(proteína ligante de
androgênio) pelas células de
Sertoli – mantém alta a
concentração de testosterona
no local, estimulando as fases
Figura: Hormônios reprodutores masculino
finais da espermatogênese. Fonte: TORTORA; DERRICKSON, 2010.
Regulação hormonal dos testículos

-
Hipotálamo

GnRH
- Adeno-hipófise (anterior) -

FSH LH
+ +
Inibina Células de Sertoli Células de Testosterona
Leydig
+
Parácrina
Sistema reprodutor feminino

Figura: Sistema reprodutor feminino


Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004.
Fases do ciclo reprodutivo feminino

 Conduta cíclica dos ovários.

 Variação de 21 a 35 dias (média: 28 dias).

 Dividida em 4 fases:

Fase folicular 1. Fase menstrual (menstruação)


(ciclo ovariano)
2. Fase pré-ovulatória (fase proliferativa – útero)

Fase lútea 3. Ovulação


Fase secretora 4. Fase pós-ovulatória
Foliculogênese

Figura: Foliculogênese (ovários)


Fonte: JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004.
Fases do ciclo reprodutivo feminino

A – FSH
B – LH
C – Fase proliferativa
A B D – Fase secretora

D
C

Figura: Fases do ciclo reprodutivo feminino


Fonte: TORTORA; DERRICKSON, 2010.
Fase menstrual

Eventos nos ovários Eventos no útero


 Crescimento de cerca de 20  Diminuição do nível dos
ou mais folículos. hormônios ováricos
 Acúmulo de líquido folicular. (especialmente a
progesterona).
 Liberação de
prostaglandinas –
desprendimento de todo o
estrato funcional.
 Fluxo menstrual.

 Menstruação (duração: cerca dos primeiros 5 dias do ciclo – 1º


dia da menstruação marca o primeiro dia do novo ciclo).
Fase pré-ovulatória

Eventos nos ovários Eventos no útero


 Influência do FSH:  Estrogênios liberados pelos
crescimento dos folículos. folículos em crescimento
 Início da secreção de estimulam reparo do
estrogênios e inibina pelo endométrio.
folículo dominante (por volta  Fase pré-ovulatória é
do 6º dia), diminuindo a também denominada de
secreção de FSH e parando o fase proliferativa
crescimento dos demais (proliferação do
folículos e atresia. endométrio).
 Entre a menstruação e a ovulação.
 Duração variável no ciclo (diferença) – 6 a 13 dias
(em um ciclo de 28 dias).
Ovulação

Eventos
1. Altos níveis de estrogênio – feedback positivo GnRH,
promovendo liberação de LH e FSH.
2. Pico de LH – ruptura do folículo dominante e expulsão do
ovócito secundário.
3. Formação do corpo hemorrágico.
4. Formação do corpo lúteo sob a influência do LH.
5. Estimulado pelo LH, o corpo lúteo secreta progesterona,
estrogênio, relaxina e inibina.
 Ruptura do folículo maduro e liberação do ovócito secundário
(metáfase da meiose II).
 Normalmente no 14º dia do ciclo de 28 dias.
Fase pós-ovulatória

Eventos nos ovários Eventos no útero


 Influência do LH: corpo lúteo  Alterações do endométrio
(secreção de quantidades devido ação da progesterona
crescentes de progesterona e e estrogênios produzidos pelo
alguns estrogênios). corpo lúteo.
 Fase lútea do ciclo ovariano.  1 semana após a ovulação, as
mudanças atingem o ponto
máximo – tempo provável da
chegada do ovócito fertilizado.

 Período de duração mais constante (14 dias – do 15º ao 28º dia


em um ciclo de 28 dias).
 Período entre a ovulação e o início da próxima menstruação.
Interatividade

Hormônio que estimula os processos de espermatogênese e


ovogênese:

a) Hormônio luteinizante.
b) Hormônio gonadotropina.
c) Hormônio folículo estimulante.
d) Hormônio prolactina.
e) Hormônio ocitocina.
Resposta

Hormônio que estimula os processos de espermatogênese e


ovogênese:

a) Hormônio luteinizante.
b) Hormônio gonadotropina.
c) Hormônio folículo estimulante.
d) Hormônio prolactina.
e) Hormônio ocitocina.
ATÉ A PRÓXIMA!