Sie sind auf Seite 1von 3

UNIP – Universidade Paulista 1

FLUIDOS EM SISTEMAS BIOLÓGICOS

PRESSÃO HIDROSTÁTICA
O termo fluido abrange tanto líquidos como gases, que são substancias que não possuem forma definida,
como os sólidos, podendo adquirir a dos recipientes que os contêm. Quando submetidas a forças
apropriadas, essas substancias fluem, isto é, uma camada desliza em relação às adjacentes. As forças que
mantêm as moléculas ligadas nos fluidos são menores que as que interligam as moléculas dos sólidos.
Devido ao fato das forças de ligação entre as moléculas de um gás serem menores que aquelas que agem
num liquido, o primeiro ocupa o volume total do recipiente que o contem e é altamente compressível, ao passo
que o segundo já possui um volume definido e é praticamente incompressível.
O fluido contido num recipiente exerce sobre uma
área  A de uma parede uma força  F que é
perpendicular a ela, como ilustrado na figura ao lado.
Pode-se caracterizar essa força por meio da pressão
hidrostática P, definida como:
 F é o módulo de força
P = ---------
 A é a área de ação da  F
Se um fluido contido num recipiente, não estiver sujeito a nenhuma força externa – como, por exemplo, a
força gravitacional – a pressão em todos os pontos do mesmo será constante. Entretanto existindo a força
gravitacional, mesmo que o fluido esteja em equilíbrio, sua pressão não será uniforme, na direção vertical:
Seja um elemento de volume  V (volume muito
pequeno) de um liquido em repouso, de espessura
 z e bases de área A, a uma distância z acima de um
nível de referência, como esquematiza a figura ao
lado:
A densidade média ρ do fluido é dada por: m m
ρ = ---------- = -----------
V A.  z
A massa  m contida no elemento de volume é: m = ρ A z
E seu peso é: W = m g = ρ A z g

A pressão atmosférica em qualquer ponto do espaço


é numericamente igual ao peso de uma coluna de ar,
de seção unitária e altura igual à distância desse
ponto até a camada mais externa da atmosfera,
dividido pela área unitária. Desse modo à medida que
aumenta a altitude, a pressão atmosférica diminui. Ao
nível do mar, a altura da coluna de mercúrio é 760
mm e a pressão correspondente é uma atmosfera (1
atm).

Pressão intra-ocular
Os fluidos do globo ocular, os humores aquoso e vítreo, que transmitem a luz à retina (parte fotossensível do
olho), estão sob pressão e mantêm o globo ocular numa forma e dimensão aproximadamente fixas. As
dimensões do olho são criticas para se ter uma boa visão. Uma variação de 0,1 mm no seu diâmetro pode
produzir um efeito significativo no desempenho da visão. A pressão em olhos normais varia de 13 a 28 mmHg,
sendo a média de 15 mmHg.
O humor aquoso, fluido contido na parte frontal do olho, é essencialmente água adicionada de nutrientes. O
olho produz continuamente o humor aquoso, cerca de 5 ml por dia, e existe um sistema de drenagem que
10ª aula da disciplina de Biofísica do Curso de Ciências Biológicas – 1º semestre de 2005
Prof. Celso Machado Junior
UNIP – Universidade Paulista 2
permite a saída do excesso. No entanto se ocorresse um bloqueio neste sistema de drenagem, a pressão
ocular aumentaria comprimindo a artéria retiana e isso poderia restringir a circulação sangüínea na retina,
provocando a visão tunelada ou até mesmo a cegueira. A essa situação se da o nome de glaucoma, e a
pressão pode aumentar até 70 mmHg, embora em condições normais se eleve até 30 ou 45 mmHg. A
pressão intra-ocular é medida pelo tonômetro, que mede a pressão ocular determinando a deflexão da córnea
sob a ação de uma força conhecida.

Pressão sangüínea
A pressão sangüínea é medida com o esfigmomanômetro, que consiste de uma coluna de mercúrio com uma
das extremidades ligada a uma bolsa, que pode ser inflada através de uma pequena bomba de borracha
conforme mostra a figura abaixo.
A bolsa é enrolada em volta do braço, a um nível
aproximadamente igual ao do coração, a fim de
assegurar que as pressões medidas sejam mais
próximas as da aorta. A pressão do ar contido na
bolsa é aumentada até que o fluxo sangüíneo através
das artérias do braço seja bloqueado. A seguir, o ar é
gradualmente eliminado da bolsa ao mesmo tempo
em que se usa um estetoscópio para detectar a volta
das pulsações ao braço.
O primeiro som ocorre quando a pressão do ar contido na bolsa se igualar à pressão sistólica, isto é, a máxima
pressão sangüínea. Nesse instante, o sangue que está à pressão sistólica consegue fluir pela artéria (os sons
ouvidos através do estetoscópio são produzidos pelo fluxo sangüíneo na artéria e são chamados sons
Korotkoff). Assim, a altura da coluna de mercúrio lida corresponde à pressão manométrica sistólica. À medida
que o ar é eliminado, a intensidade do som ouvido através do estetoscópio aumenta. A pressão
correspondente ao ultimo som audível é a pressão diastólica, isto é, a menor pressão sangüínea, quando o
sangue abaixa a pressão consegue fluir pela artéria não oclusa.

PRINCIPIO DE PASCAL
Pode-se verificar que a variação de pressão de um ponto a outro de um fluido em repouso depende da
diferença de nível entre eles e da densidade do fluido. Assim, se houver um aumento de pressão num ponto
de um fluido contido num recipiente, pela ação de uma pressão externa, esse aumento se transmitirá a todos
os outros pontos do fluido, inclusive às paredes do recipiente. Esse fato foi inicialmente estabelecido pelo
Francês Blaise Pascal (1623 – 1662) e é conhecido como Princípio de Pascal. No entanto, ele é mais uma
conseqüência natural das leis da mecânica dos fluidos do que um princípio.
A transmissão do aumento de pressão é instantânea em líquidos, devido a sua incompressibilidade. A validade
desse princípio também se mantém para os fluidos compressíveis desde que o equilíbrio tenha se
estabelecido.

Uma aplicação do princípio de Pascal é a prensa


hidráulica, que consiste de dois cilindros, de seções
A1 e A2, sendo A1 < A2, interligados e contendo um
líquido como ilustra a figura ao lado. Ao se aplicar
uma força F1 sobre o pistão colocado no cilindro de
seção menos, o líquido fica sujeito à pressão P1
dada por:

10ª aula da disciplina de Biofísica do Curso de Ciências Biológicas – 1º semestre de 2005


Prof. Celso Machado Junior
UNIP – Universidade Paulista 3
P1 = F1 / A1.

Bibliografia
OKUNO Eminio, CALDAS Iberê e CHOW Celil. Física para ciências biológicas e biomédicas - São Paulo:
Harper & Row do Brasil, 1982 (págs. 292 a 342)  Nº UNIP 577.3 O41f e.20.
ESTUDO DIRIGIDO
1) O que é fluido?
2) Quais são as variáveis que envolvem o cálculo da Pressão em um fluido? Qual é a formula utilizada
neste cálculo?
3) Como é a pressão de um fluido isento de pressão externa contido em um recipiente?
4) O que é densidade de um fluido?
5) O que ocorre com a pressão atmosférica à medida que aumenta a altitude?
6) Qual é importância da pressão intra-ocular?
7) Quais são as possíveis decorrências do bloqueio do sistema de drenagem do olho humano?
8) Qual é a metodologia emprega na obtenção da pressão sanguínea?
9) Explique o princípio de Pascal.

10ª aula da disciplina de Biofísica do Curso de Ciências Biológicas – 1º semestre de 2005


Prof. Celso Machado Junior