Sie sind auf Seite 1von 12
PREFEITURA BONFINOPOLIS CONSTRUINDO UM NOVO AMANHA, ow 2017 | 2020 LELN? 706/2018, BONFINOPOLIS DE 12 DE JUNHO DE 2018. ee Prefeitura de Bonfinépolis| PUBLICADO NO PLACAR basis A aie ispde —sobre_—_condominios No bia: 32,06 133 urbanisticos de unidades com gestio ron auténoma e dé outras providéncias.” R eC O PREFEITO MUNICIPAL DE BONFINOPOLIS-GO, no uso que Ihe sto conferidas pela Constituigao da Republica e pela Lei Organica do Municipio, faz saber que a Camara de Bonfindpolis aprovou e ele sanciona a seguinte Lei CAPITULO I DAS DISPOSICOES GERAIS Art. 1°, Para fins desta Lei considera-se condominio urbanistico de unidades com gestao auténoma a divisdo de gleba em unidades auténomas destinadas edificagdo, 4s quais correspondem fragdes ideais das areas de uso comum dos condéminos, sendo admitida a abertura de vias de dominio privado e vedada a de logradouros piiblicos internamente ao perimetro do condominio Art. 2°. Considera-se condominio urbanistico integrado A edificagio a variante de condominio em que a construgao das edificagSes ¢ feita pelo empreendedor, concomitantemente implantagiio das obras de urbanizagao. Art. 3°, Para os efeitos desta Lei Complementar, consider 1- macrozona urbana: a parcela do territério, continua ou nao, inclufda no perimetro urbano pelo Plano Diretor ou Lei Complementar especifica; IL- gleba: o imével que ainda nao foi objeto de parcelamento do solo para fins urbanos; III - quadra: € a area resultante de parcelamento, delimitada por vias de circulagao de veiculo ou pedestres. IV - reas destinadas ao uso comum dos condéminos: aquelas referentes ao sistema vidrio interno e as demais integrantes de condominios urbanisticos no caracterizados como unidades auténomas; V - equipamentos piiblicos comunitirios: os equipamentos destinados 4 edueagio, satide, cultura, lazer e similares; Cretan r: PREFEITURA — BONFINOPOLIS CONSTRUINDO UM NOVO AMANHA, ‘som 2017 | 2020 VI - infra-estrutura bisica: os equipamentos de abastecimento de agua potavel, disposigdo adequada de esgoto sanitario, distribuigio de energia elétrica, sistema de drenagem pluvial, iluminago publica, pavimentagao de vias, pavimentagdo parcial dos passeios piblicos, urbanizagao de pragas e arborizagio: VII - empreendedor: 0 proprietirio do imével onde seri implantado o condominio urbanistico; VIII - unidade com gestio auténoma (UGA): unidade imobilidria destinada a edificagio resultante de condominio urbanistico; IX = fraglo ideal: indice da participagio abstrata ¢ indivisa de cada condémino nas coisas comuns do condominio urbanistico, expresso sob a forma decimal, ordindria ou percentual X - licenga urbanistica: 0 documento expedido pelo Poder Executivo que aprova 0 condominio urbanistico com diretrizes especiais para unidades auténomas. Art. 4°, O parcelamento do solo para fins urbanos, além das formas previstas na Lei de Parcelamento do Solo - LPS podera ser feito como condominios urbanisticos de unidades com gestiio auténoma, observando-se 0s requisitos urbanisticos ¢ ambientais dispostos na legislagao federal, estadual e municipal. Paragrafo Gnico. O empreendedor definiré 0 uso proposto para o condominio urbanistico de unidades com gestao auténoma, sendo vedado 0 uso misto. Art. 5°. A implantagio de condominios urbanisticos de unidades com gestiio auténoma poderd se dar tanto na area compreendida de Macrozona Urbana continua ou descontinua. Art. 6°. Os condominios urbanisticos de unidades com gestio auténoma atenderdo aos seguintes requisitos urbanisticos: 1 - coeficiente minimo de areas comuns condominiais ¢ de lazer de 7, (sete ¢ meio por cento) da drea da unidade auténoma; IL - coeficiente de permeabilidade minimo de 30% (tr rea da unidade auténoma; Ill - coefici da unidade auténoma; IV - poderd ser exigida pelo Poder Pablico a reserva de drea nao-edificante destinada a equipamentos urbano 'V - ao longo das faixas de dominio piblico das rodovias, ferrovias ¢ dutos, serd obrigatéria a reserva de uma faixa nfo-edificante de 15m (quinze metros). VI - serd obedecido © afastamento minimo necessirio ¢ previsto na legislagao ambiental para as Areas de Preservagtio Permanente. VII - caso exista Area de Preservagio Permanente - APP no interior dos condominios urbanisticos, essa serd separada do parcelamento em UGA excluida do edlculo previsto nos incisos Ia IV deste artigo, e pode estar acoplada a Reserva Legal. ta por cento) da inte de ocupagiio maximo de 50% (cinquenta por cento) da area Art. 7°, As freas do condominio urbanistico de ui autnoma seguirdo os seguintes parametros urbanisticos: 1- caso situado fora do perimetro urbano, cada unidade aut6noma ter area minima de 2.500m? (dois mil ¢ quinhentos metros quadrados) ¢ frente mit ima de 25m lades com gestdo ee 00. PREFEITURA BONFINOPOLIS CONSTRUINDO UM NOVO AMANHA ‘xom7017 | 2020 (vinte e cinco metros) para uma existente na gleba. I] - caso situado dentro do perimetro urbano, cada unidade auténoma tera rea minima de 240m? (duzentos e quarenta metros quadrados) e frente minima de 12m (doze metros) para uma via de circulagao interna ia de circulagao interna, respeitada a reserva legal Art. 8°, A drea que circundar 0 condominio urbanistico de unidades com gesttio auténoma podera ser cercada, utilizando-se: I- grades; IL alambrados; IIT - cerca viva; IV - muro de alvenaria; V - vidro temperado, aramado ou similar. § 1°. Caso 0 empreendedor pretenda utilizar materiais diferentes dos especificados nos incisos acima, 0 mesmo devera formular requerimento para submeter a matéria a apreciagao Municipal § 2°. A altura maxima do circundado do condominio urbanistico de unidades com gestio auténoma sera de 3m (trés metros) em relagiio ao perfil natural do terreno. Art. 9, Seré permitida construgao de guarita para controle de acesso na via principal de entrada do empreendimento e que n&o haja impedimento a entrada de policiamento, fiscalizagdo e de servidores de concessiondrias de servigos piiblicos, devidamente identificados. Parigrafo nico. Existindo mais de uma via de acesso ao empreendimento, sera permitida a instalago de uma guarita para cada via, sendo que, pelo menos uma das entradas deve permitir 0 acesso de viaturas do Corpo de Bombeiros ¢ Ambulancias. Art. 10. © perimetro maximo para condominio urbanistico de unidades com gestao auténoma incluidos na macrozona urbana serd de até 1.000.000,00 m2 (um. mithdo de metros quadrados), sendo condicionada sua aprovagao pela Prefeitura Municipal de Bonfindpolis em relagao ao sistema viario basico existente ou projetado, § 1°. E obrigatéria a implantagdo de uma via coletora externa ao condominio urbanistico de unidades com gestilo auténoma, devendo ser observado uma largura minima de 14m (quatorze metros), sendo 9m (nove metros) para pista de rolamento e 2,5m (dois metros e cinquenta centimetros) para os passeios, ou ampliagaio de via publica jé existente e confrontante com a gleba onde sera implantado o condominio urbanistico integrado a edificaggio, quando da andllise da consulta prévia feito pelo érgaio competente da Prefeitura Municipal. ‘Art. 11, Para implantagdo do condominio urbanistico de unidades com gest auténoma seré realizado Estudo de Impacto de Vizinhanga - EIV que serd analisado pelo érgo competente, que contemplara os efeitos positivos e negativos do PREFEITURA BONFINOPOLIS CONSTRUINDO UM NOVO AMANHA ‘x0 2017 | 2020, empreendimento quanto & analise de vida da populagio residente na rea ¢ suas proximidades e incluiré, no minimo, a anilise das seguintes questdes: 1 - atividades previstas; II - adensamento populacional; II - existéncia e capacidade dos equipamentos urbanos e comunitirios; IV - infra-estrutura urbana de agua, esgoto, drenagem pluvial e energia elétrica; V - uso ¢ ocupagio do solo; VI- valorizagio imobilidria; VII- sistema vidrio, geragiio de trafego e demanda por transporte piiblico; VIIT- ventilagiio e iluminagaio; IX - alteragio na paisagem urbana e patriménio natural e cultural; X - produgao e destino final do lixo gerado pelo empreendimento; XI - desmatamentos necessirios; ¢, XII - medidas mitigadoras necessérias para minimizar impactos negativos. ‘Art. 12, Para a implantag&o dos condominios urbanisticos de unidades com gestio auténoma sero exigidos como garantia da execugHlo das obras mencionadas no artigo anterior, o interessado vincularé no minimo 50% (cinquenta por cento) do mimero de UGAs, constantes do projeto, mediante termo de compromisso ¢ caugao real, Javrado em instrumento piblico devidamente averbado no Cartério de Registro de Iméveis ou prestard caugio em dinheiro, fianga bancéria ou outra garantia prevista em lel correspondente ao valor das UGAS. § 1° - As UGAS poderdio ser descaucionadas, proporcionalmente a infraestrutura executada, de acordo com o seguinte planejamento: 1 - 10% (dez por cento) para a abertura das vias piblicas; I1- 10% (vinte por cento) para a implantagdo do sistema de abastecimento de agua potavel; III - 20% (vinte por cento) para a implantagao do sistema de esgotamento sanitario e destinagio final (residuos s6lidos e liquidos); IV - 20% (vinte por cento) para a implantagao da rede de energia elétrica ¢ iluminagao publi V = 20% (vinte por cento) para a implantagao da rede de drenagem das Aguas pluviais: ‘VI - 20% (vinte por cento) fechamento da érea do condominio em conformidade com o projeto aprovado. § 2° - A infraestrutura podera ser executada em etapas, correspondendo cada etapa a execugdo completa de uma das obras especificas relacionadas nos incisos | a VIdo Artigo 12 0 descaucionamento das UGAs sera feito de acordo com o planejamento definido no pardgrafo anterior, mediante liberagiio da Administragao Municipal, com parecer téenico elaborado pelos 6refos responsiveis pela fiscalizagao das obras de infraestrutura. § 3° - Nao poder ser deferida liberagtio parcial das UGAs caucionadas quando a execugao de qualquer das etapas de obras especificas relacionadas no parigrafo anterior no for eumprida integralmente. PREFEITURA BONFINOPOLIS CONSTRUINDO UM NOVO AMANHA ‘hom 7017 | 2020 § 4° - Nao sera obrigatéria a lavratura de escritura piblica de descaucionamento das UGAs. § 5° - Depois de realizadas as obras de infraestrutura, a administragao municipal a requetimento do interessado, liberard a garantia prestada e expedira o Termo de Conclusio, apés vistoria dos érgdos municipais responsaveis pela fiscalizagao da execugdo das obras de infra e de acordo com parecer técnico da Administragao Municipal Art. 13. E dever do empreendedor a promogéo da acessibilidade da populago para 0 condominio urbanistico de unidades com gestio auténoma. Art. 14, O sistema vidrio interno dos condominios urbanisticos de unidades com gestio auténoma deverdo atender para as suas vias de circulagao interna, largura minima de 10m (dez metros), sendo 7m (sete metros) para pista de rolamento e 1,5m (um metro e cingtienta centimetros) para os passeios, com a peculiaridade de que as, vias internas dos mesmos serdo consideradas vias locais. ‘Art. 15. Admite-se a implantago de condominios urbanisticos integrados a edificagao, implantados na forma do artigo 8° da Lei Federal n° 4.591, de 16 de dezembro de 1964, desde que estejam localizados dentro do perimetro urbano definido por lei municipal e que observem os requisitos previstos nesta Lei Complementar quanto a infra-estrutura e apresentagao de documentagio e projetos, § 1°. A rea total maxima dos condominios urbanisticos integrado 4 edificagdo sera de 150,000,00m? (cento e cinquenta mil metros quadrados), sendo as areas de cada unidade auténoma determinada da seguinte forma: | - para empreendimentos com area total de até 50.000,00m* (cinquenta mil metros quadrados) cada unidade auténoma deve ter, no minimo, 150m? (cento ¢ cinquenta metros quadrados); II - para empreendimentos com érea total acima de 50,000,00m? (cinquenta mil metros quadrados) cada unidade auténoma deve ter, no minimo, 200m? (duzentos metros quadrados); § 2°. Para os condominios urbanisticos integrado & edificagao a taxa maxima de ocupacdo para cada unidade auténoma € de 70% (setenta por cento). ‘Art. 16. Nos projetos de condominios urbanisticos de unidades com gestéio auténoma deve ser destinado ao Municipio um percentual minimo de 15% (quinze por cento) do total parcelavel da gleba, assim dividido: 1 - 10% (dez por cento) devem estar situados fora do circundado do condominio, sendo destinados a implantagdo de equipamentos piblicos comunitirios proximos ao mesmo, ou, a eritério do Poder Pailico, situar-se em outro local dentro do perimetro urbano; IL-5 % (cinco por cento) destinados exclusivamente a dreas verdes, III ~ Nos casos em que nao for possivel a reserva de dreas institucionais ¢ freas verdes, 0 valor necessirio & aquisiggo de dreas equivalentes, situadas na regido limitrofe, previamente selecionadas e oferecidas ao Municipio, seré previamente recolhido a Tesouraria Municipal, onde permanecera caucionado, como condigao prévia ¢ indispensdvel & aprovagiio do projeto. PREFEITURA BONFINOPOLIS CONSTRUINDO UM NOVO AMANHA ‘30m2017 | 2020 IV - Caso no seja aprovado 0 projeto, por qualquer motivo, os valores referidos no inciso terceiro serdo restituidos aos respectivos titulares; 'V - Em caso de aprovagao do projeto, ¢ apés a expedigio do respectivo Decteto de Aprovagaio, sero ditos valores utilizados na aquisigaio das Areas selecionadas pelo Poder Piiblico. § 1°. A compensagio de areas pela construgao de equipamento piiblico comunitario, prevista neste artigo, ser feita mediante a avaliagdo financeira das areas ¢ das obras pela Prefeitura Municipal. § 2°. Nao serd exigida a Reserva Legal das areas passiveis de parcelamento em Areas urbanas, em conformidade com a Lei Estadual n° 18.104 de 18 de julho de 2013, art. 32, inciso I, desde que atendidos os 15% de areas conforme determinado por esse artigo, ficando assim passivel em sua totalidade, o fracionamento. §3°. Dever apresentar a Reserva Legal averbada na matricula do imével e com o devido registro no cartorio de iméveis ou o comprovante do Cadastro Ambiental Rural - CAR, em conformidade com a Lei Estadual n° 18.104 de 18 de julho de 2013, que dispde sobre a protecdo da vegetagtio nativa nos casos de condominios em areas rurais, sendo vedado o seu fracionamento na area de reserva legal. Secio I Do Procedimento para Aprovagio Art. 17. © proceso administrativo para aprovagao de condominio urbanistico de unidades com gestio auténoma sera tinico, podendo ser fracionado em quantos volumes forem necessiirios, e seguiré o procedimento previsto nesta Lei, dividido nas seguintes fases seqtienciadas: 1- Consulta Prévia; II - Plano Urbanistico Definitivo; IIL - Aprovagao do Condominio ¢ Aceite das Obras. Art, 18. Para o processamento relativo ao condominio urbanistico de unidades com gestio auténoma, o interessado deverd fornecer 4 Prefeitura os elementos solicitados em cada fase. § 1°. A Prefeitura poderé considerar os elementos fornecidos incompletos ¢ insatisfatorios, formulando exigéncias que deverao ser atendidas pelo empreendedor, sob pena de indeferimento do pedido. § 2°. Compete a Prefeitura a fiscalizagao da implantagao das obras de infra- estrutura & medida em que forem sendo executadas ¢ a emissio dos competentes laudos técnicos de vistoria. PREFEITURA BONFINOPOLIS CONSTRUINDO UM NOVO AMANHA ‘50m 2017 | 2020, Sub-Segio I Da Consulta Prévia Art. 19, A consulta prévia é a explicitagdo dos objetivos gerais do empreendedor, visando obter a manifestagao prévia da Prefeitura, quanto a conveniéncia do empreendimento, sua localizagio e adequagaio as diretrizes dessa Lei Complementar. Art. 20. O empreendedor protocolizaré requerimento junto Prefeitura Municipal solicitando as diretrizes técnicas para desenvolvimento de seu projeto de condominio urbanistico. Paragrafo nico. O Poder Publico ter o prazo de 10 (dez) dias titeis, a contar da data de recebimento do processo, para analisar e emitir o parecer conclusivo da Consulta Prévia Art. 21. O requerimento previsto no artigo anterior seré instruido com a seguinte documentagao: 1 - comprovantes de identificagiio do empreendedor a) cépia autenticada de RG, CPF e comprovante de enderego, se pessoa fisiea; ) cépia autenticada do CNPJ, Estatuto Social e documentagao pessoal do responsivel (s6cio, sécio-proprietirio, diretor, etc.), se pessoa juridica; IL - certidao negativa de regularidade fiscal no Municipio de Bonfinépolis, se pessoa juridica; IIL - procuragao publica outorgada ao representante do empreendedor, se for 0 caso, quer seja de pessoa fisica ou juridica, com poderes gerais e especificos para participagao dos atos do processo de parcelamento do solo; TV - certiddio de matricula expedida pelo Cartério de Registro de Iméveis da gleba, atualizada até a data de protocolizagaio do requerimento de consulta prévia, constando Certidao de 6nus reai V - prova de quitagaio dos uutos da propriedade, referrente ao exercicio corrente; VI - levantamento planialtimétrico da gleba, devendo 01 (uma) via ser apresentada em papel ¢ outra em dispositivo digital (CD), em escala 1:1000, com memorial descritivo e Anotagao de Responsabilidade Técnica - ART, com a locagao de: ‘a) rumos e distancias de todo o perimetro da gleba; b) norte magnético; c) APP - Areas de Preservagdo Permanente (margens de cérrego, nascentes, olhos d’gua, matas de vegetagdo nativa e as demais previstas no Codigo Municipal de Meio Ambiente); d) redes de alta tensao ¢ transmissao de energia elétrica; e) redes da SANEAGO — dutos ¢ emissarios; f) Estagdes de Radio Base ~ ERB’s; 2) vias publicas de condominios urbanisticos adjacentes que possam oferecer interligagdo com 0 condominio urbanistico em apreciagaio; VIII - planta de situago da area em relagdo malha urbana com a deserigio dos condominios urbanisticos adjacentes: J Z on PREFEITURA BONFINOPOLIS CONSTRUINDO Um NOVO AMANKA IX - declaragio de anuéncia do INCRA — Instituto Nacional de Colonizagao e Reforma Agritia; X - informar os usos propostos para 0 condominio urbanistico: a) residencial; b) comercial; c) industrial. XI - atestado prévio da SANEAGO informando se ha disponibilidade de gua potivel para abastecimento do empreendimento; XII - atestado prévio da CELG informando se ha disponibilidade de fomecimento de energia elétrica para o empreendimento. Pardgrafo tinico. Nos condominios urbanisticos integrado a edificagao os usos residenciais podem ser unifamiliares e multifamiliares, devendo ser observadas as disposigdes pertinentes a0 uso e ocupagtio do solo para cada tipo constantes nesta Lei ‘Complementar. Art. 22. A Prefeitura avaliara os aspectos técnicos e urbanisticos do requerimento ¢ da documentagdo apresentada, remetendo os autos para a Procuradoria Geral do Municipio para avaliagdo da documentagao cartordria e tributaria. § 1°. A Procuradoria Geral do Municipio emitira parecer pelo prosseguimento do processo de condominio urbanistico ou pelo nao prosseguimento com decisto fundamentada e devolverd os autos Prefeitura. § 2°. A aprovagio da Consulta Prévia sera emitida através de Parecer fandamentado emitido e subscrito pela Secretaria competente da Prefeitura, ‘Art, 23. Em sendo deferida a consulta prévia, a Prefeitura informard a0 empreendedor as diretrizes legais, conforme os usos propostos, a serem observadas para co empreendimento e terdo validade de 1 (um) ano, para fins de apresentagio do Plano Urbanistico Definitivo. Paragrafo Gnieo. Transcorrido 0 prazo previsto no caput sem que 0 empreendedor tenha executado as diretrizes determinadas ou apresentado 0 Plano Urbanistico Definitivo, o projeto sera rejeitado e 0 processo arquivado, sem quaisquer ‘nus para o Poder Piiblico. Sub-Segio IT Do Plano Urbanistico Definitivo ‘Art. 24. O empreendedor apresentaré 0 requerimento de avaliagaio do Plano Urbanistico Definitivo a Prefeitura e solicitard que este seja juntado aos autos de aprovagaio. Paragrafo tnico. Devera constar do requerimento a identificagao do ww processo de aprovagao em andamento. PREFEITURA BONFINOPOLIS CONETAUINDO UR NOVO ANANHA Art. 25. Do Projeto Urbanistico Definitivo devera conter: 1 - Planta Geral de Quadras sem as unidades auténomas: I1- Planta Geral de Quadras com as unidades auténomas: III - Memoriais Descritivos; TV - ART/CREA-GO do autor do projeto urbanistico; V ~ Projetos Complementares de Infraestrutura com as respectivas ART/CREAGO; VI - Licenga Ambiental de Instalagao. Paragrafo nico. Para condominios urbanisticos integrado a edificagao 0 empreendedor deverd apresentar, juntamente com o Projeto Urbanistico Definitivo, o Projeto Técnico Arquiteténico das Edificagdes, com a respectiva anotagtio de Responsabilidade Técnica - ART do Projeto. Art. 26. Os Projetos Complementares de infraestrutura compreendem: 1- rede de distribuig&o de energia elétrica e iluminagao piiblica, com ART; IL - rede de distribuigdo de agua potavel, com ART; Il - rede de captagdo de aguas pluviais, com planta geral na escala 1:1000, (considerando toda a bacia de contribuigao e destino final das éguas captadas pelo sistema de drenagem ¢ o Manual de Drenagem Urbana), com ART. Art. 27. A Prefeitura analisard 0 projeto definitivo, deferindo-o ou nao, requerendo as alteragdes que se fizerem necesséirias em seu contetido para possibilitar seu deferimento. ‘Art. 28. A Administragiio Publica teré 0 prazo de 40 (quarenta) dias tteis, para avaliar, aprovar ou rejeitar o plano urbanistico definitivo. Sub-Segio IL Da Ordem de Servigo Art, 29. Deferido o Projeto Urbanistico Definitivo, a Prefeitura emitira Decreto de Aprovagio e Ordem de Servigo para execugo das obras de infraestrutura & consequente implantagao do condominio urbanistico, de acordo com as determinagdes contidas na presente Lei Complementar. Paragrafo anico. Nenhuma obra de infraestrutura sera iniciada sem a competente Ordem de Servigo emitida pela autoridade competente. ‘Art, 30. A ordem de servigo para execugao das obras terd validade de 02 (dois) anos, a partir da aprovagio do Projeto Urbanistico Definitivo. Art. 31. A validade da ordem de servigo poderd ser prorrogada por mais 01 (um) ano, caso nao sejam executadas as obras por motivo de forga maior, a pedido do empreendedor. WY a PREFEITURA BONFINOPOLIS CONSTRUINDO UM NOVO AMANHA ow 2017 | 2020 Sub-Secio IV Da Fisealizagao das Obras de Infra-Estrutura ¢ do seu Accite Art. 32. A fiscalizagdio das obras de infra-estrutura ficard inteiramente sob a responsabilidade da Prefeitura, a qual, mediante vistoria in loco, emitiré mensalmente Laudos Técnicos que fardo parte do processo respectivo do condominio urbanistico. § 1°. A Prefeitura cabe o direito de recusar qualquer obra executada ou em andamento e exigir as necessdirias alteragdes ¢ adequagdes, sempre que a execugao nio estiver de acordo com os projetos aprovados. § 2°. Ao constatar qualquer irregularidade na execugao dos servigos de infraestrutura, em relagéio aos projetos aprovados, caberd a Prefeitura consté-la num Laudo Técnico e proceder ao imediato embargo dos mesmos, devendo o Embargo ser publicado nos meios oficiais de publicagao municipal. § 3°. Em havendo irregularidades, 0 prazo de validade da Ordem de Servigo sera imediatamente interrompido, sem qualquer énus para 0 Poder Publico. Art. 33. Ao empreendedor sera concedido o prazo de 60 (sessenta) dias liteis para a corregdo das obras irregularmente executadas. § 1°. Corrigidas as irregularidades, o empreendedor solicitard a Prefeitura, através de requerimento proprio, a revogagtio do Embargo ¢ a permissio para a continuidade dos servigos de infraestrutura. § 2°. Caso 0 empreendedor niio atenda a notificagdo no prazo estipulado por motivo de forga maior, a Prefeitura poder prorrogar 0 prazo por igual periodo ou até que cessem tais motivos. § 3°. O empreendedor deveré comunicar através de requerimento a Prefeitura, com antecedéncia minima de 05 (cinco) dias do prazo final da notificagio, a ocorréncia dos fatos impeditivos previstos no parigrafo anterior. ‘Art. 34, Uma vez concluidas as obras de infraestrutura cabera a0 empreendedor, através de requerimento em que solicita, também, a liberagao do calgéo dos 50% das UGAS, a fim de que a Prefeitura, mediante vistoria in-Loco, as vistorie e, em caso positivo, elabore o Laudo de Conclusdio das mesmas, o qual ser apensado aos autos do proceso. Paragrafo tinico. O aceite das obras de infraestrutura fica condicionado & obediéncia aos projetos aprovados e constantes do processo de parcelamento e deverd ser objeto de Laudo Técnico Conclusive detalhado elaborado, apés vistoria in-loco, por técnicos da Prefeitura. Rey PREFEITURA BONFINOPOLIS CONSTRUINDO UM NOVO AMANHA souror7 1202 Art. 35. A Administragao Pablica, terd 0 prazo de 15 (quinze) dias iiteis para aceitar, recusar on propor alteragdes das obras implementadas no condominio urbanistico. Parigrafo anieo, O prazo previsto no caput seré contado a partir do recebimento da comunicagio de conclusio das obras e 0 consequente pedido de aprovagao do condominio urbanistico pela Prefeitura. Sub-Segiio V Da Aprovacgiio do Condominio Urbanistico e da Licenga Urbanistica ‘Art. 36. O projeto urbanistico definitivo sera tecnicamente aprovado como um todo, e apés, serd encaminhado a Procuradoria Geral do Municipio para a emissao de Parecer juridico final e posterior emissio do decreto de aprovagaio do condominio ico de unidades aut6nomas pelo Chefe do Poder Executivo. Pariigrafo tnico. Apés a publicagtio do decreto de aprovagao, 0s autos referentes ao projeto de condominio urbanistico serio remetidos ao Cadastro Técnico Municipal - CTM para as providéncias pertinentes ao cadastro. Art. 37. A implantagao ¢ a manutengdo da infraestrutura e areas comuns do condominio so de exclusiva responsabilidade do empreendedor e condéminos, sem quaisquer nus para os cofres piiblicos ‘Art. 38. Os condominios podem ter regime urbanistico diferenciado para ocupagao do solo, desde que nao sejam inferiores aos limites minimos estabelecidos na presente Lei Complementar. Paraigrafo tinico. Compete a Prefeitura analisar e dirimir os casos omissos aesta Lei Complementar. Segio I Do Registro do Condominio Urbanistico ‘Art, 39. Aprovado o projeto de condominio urbanistico, 0 empreendedor deverd submeté-lo ao Registro Imobilidrio competente dentro de 180 (cento € oitenta) dias, sob pena de caducidade da aprovagio, acompanhado dos documentos exigidos pela legislagdo federal pertinente. § 1°. As dreas destinadas ao uso piiblico, quer estejam localizadas dentro ow fora do perimetro do condominio urbanistico, passam a integrar o patriménio pitblico imobiliério concomitantemente ao registro do empreendimento. § 2°. vedada a doagao ou transferéncia, a qualquer titulo, de areas verdes, de sistemas de lazer incorporados ao patriménio puiblico em raziio de registro de condominio urbanistico, exceto quando se tratar de concesstio administrativa de uso das vy ee PREFEITURA BONFINOPOLIS CONSTRUINDO UM NOVO AMANHA foworr t2020 referidas dreas em favor da associagao condominial responsavel pela administragao do condominio, devidamente constituida na forma da legislagao pertinente. Art. 40. O registro do condominio urbanistico s6 podera ser cancelado: 1 - por decisio judicial; II - a requerimento do empreendedor, com anuéneia da Prefeitura, enquanto nenhuma unidade auténoma tenha sido objeto de contrato; IIT - a requerimento conjunto do empreendedor e de todos os adquirentes de unidades auténomas, com anuéncia da Prefeitura, § 1°. A Prefeitura poder se opor ao cancelamento se disto resultar inconveniente comprovado para o desenvolvimento urbano ou se ja se tiver realizado melhoramentos com aplicagiio de verbas piiblicas na drea do condominio ou adjacéncias em razao do condominio urbanistico que propde a cancelar. § 2°. Nas hipéteses dos incisos IIe III, 0 oficial do registro de iméveis fara publicar, em resumo, edital do pedido de cancelamento, podendo este ser impugnado no prazo de 30 (trinta) dias contados da data da tltima publicagao. Findo esse prazo, com ou sem impugnagiio, 0 proceso sera remetido ao juiz competente para homologagao do pedido de cancelamento, ouvido o Ministério Publico, §3°. A homologago de que trata o pardgrafo anterior sera precedida de vistoria judicial destinada a comprovar a inexisténcia de adquirentes instalados na area loteada. Art. 41. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicago, revogadas as disposigdes em contrario. GABINETE DO PREFEITO MUNICIPAL DE BONFINOPOLIS, Estado de Goids, aos doze dias do més de junho do ano de dois mil dezoito (02.06.2018). | WA o- KELTON ae Prefeito Municipal