Sie sind auf Seite 1von 2

Princípios de ·administração ·exemplo: a expressão good-wi/1, terna de retorno e NPV (net pre-
traduzida como "boa vontade no sent value) ou valor presente
financeira
balanço", para o que se conhece líquido, conceitos básicos _para
como "fundo de comércio" (ou conhecer-se capital budg'eting, e
Por Lawrence P. Gitman. 1
"aviamento", utilizado pelos con- depois a questão de custo do capi-
ed .-··T rad. Francisco José dos tadores brasileiros ma1s ortodo- tal, está traduz1d9 por pelo menos
Santos Br~ga. Rev . téc. xos); staft_ que em inglês, em um cinco denominações diferentes,
João Carlos Hopp, PhD, da organograma, pode significar um sem contar as traduções de outros
EAESP/FGV. São Paulo, órgão de assessoria, ou às vezes, conceitos fundamentais, os quais,
em uma frase, pode ser entendido, conforme a pág1na, também pos-
Harper & Row do Brasil,
no sentido lato do termo, como o suem denominações desiguais .
1978. 580 p. Apêndice com pessoal que trabalha em uma em-
tabelas de valor presente, O livro de Gitman é a tradução
presa. Ocorre então que, na maior
de obra cujo original é recente (em
glossário, índice remissivo. parte das traduções , encontramos
1nglês a edição é de 19761, fato es-·
em um organograma, geralmente
te relativamente raro no Brasil,
em linha pontilhada, um órgão de
pois além de mal feitas as tradu-
pessoal (si c!}, ou ainda, um órgão
ções referem-se a edições antigas·
de assessoria em linha cheia (de-
em inglês, quando existem e<il1ções
monstrando ser um órgão executi-
no original muito mais modernas e,
vo), e o pior de tudo é quando da
conseqüentemente, absorvemos
explicação do organograma e/ou
como tecnologia ou o termo mais
das funções a serem exercidas pe-
em moda know-how bastante ob-
los vários órgãos (ou departamen-
soleto.
tos) verifica-se que o órgão de pes-
soal, na linha pontilhada, assesso · Exemplo também típico desta
ra o presidente e/ou outro executi- última afirmativa é um l1vro de
vo qualquer e, ao mesmo tempo, o administração financeira escrito
órgão de pessoal é, na linha cheia, por um professor que na época era
um órgão com funções típicas de da Michigan State Universíty
pessoal !às vezes denominado, pa- (atualmente leciona em outra uni-
ra confundir um pouco mais o lei- versidade), cuja tradução para o
134 tor, de órgão de assessoria). português, em dois volumes, é boa
(fato raríssimo!), porém foi basea-
Uma das causas do atraso do Bra- Sem querer utilizar palavras da na segunda edição em inglês,
sil no campo da administração de mais fortes ainda, outro verdadeiro de 1963 - com sucessivas edições
empresas como um todo é a quase crime contra o ensino de (ou reimpressões?} em português,
inexistência de boas obras de auto- administração financeira no Brasil tal o sucesso da obra; em inglês,
res brasileiros e, sem duvida algu- foi a tradução de um livro clássico todavia, já se encontra na sexta
ma, a péssima tradução de obras na literatura, publicado nos EUA edição, com conceitos bem mais
estrangeiras (em geral norte- pela Columbia University Press em modernos e sofisticados .. .
americanas}. 1963, graças a um auxílio da Ford
Foundation, conforme o próprio Gitman dividiu sua obra em 8
Quando nos concentramos, en-
autor menciona no início de sua partes, com um total de 26 capítu-
tão, quer no campo da administra-
obra, de 170 páginas, traduzida pa- los dependendo do assunto; com o
ção contábil, quer no campo da
ra o português em 1969; a segunda glossário existente ao final, em or-
administração financeira, chega-
edição (si c!) foi publicada em 1973 dem alfabética em português, se-
mos a uma situação de verdadeiro
e a terceira edição (sic!} em 1977, guido entre parênteses do termo
caos, pois os tradutores, bons co-
com 221 páginas. Fato estranho em inglês e do significado do mes-
nhecedores da língua inglesa (e
haver a segunda e a terceira edi- mo, a tradução não só é perfeita e
portanto ótimos para a tradução
ções em português, pois, em in- uniforme mas, este fato aliado à
de romances do tipo lrvíng Walla-
glês, a edição de 1963 não foi alte- maneira bem simples e dirlática pe-
ce, Harold Robbins ou Morris
rada . O que não é estranho é o la qual o autor expõe o assunto
West ... ), não conhecem os termos
número de páginas da edição em torna possível ao leitor, até sem
técnicos nos dois campos de co-
português ser maior que o número professor para orientá-lo, ler pou-
nhecimento mencionados no início
de páginas da edição em inglês, co a pouco o livro e assim ter uma
deste parágrafo, fazendo verdadei-
coisa muito comum nas traduções noção básica do que seja
ras barbaridades - para não dizer
(será que somos mais profícuos administração financeira .
crimes contra o ensino no Brasil -
para escrever, uma vez que são
e tornando quase incompreensível
mínimas as diferenças do tipo e/ou Para exemplificar melhor o que
a leitura de livros técnicos , espe-
tamanho da letra de impressão?). foi dito, nos capítulos 1 a 5 - Cus-
cialmente na área de administra-
ção contábil e I ou financeira . de capital - e 16 - Estrutura de
Pois bem, nesta obra clássica, o capital e avaliação - o leitor con-
Exemplos típicos (quiçá clássi-. que se cçmhece em inglês por IRR segue logo perceber o significado
cos) do que foi afirmado são, por {interna/ rate of return) ou taxa in-- do famoso modelo de Modigliani e

Revisra de Administração ae .~::-·mpresas


Miller e as controvérsias que dele citada nota de rodapé o mesmo · Ideologia e educação brasi-
s~ originaram, ou então o modelo ítem saiu 20 ( S), e com u·m tipo de leira - católicos e liberais.
de M·y ron Gordon sobre ''precifica- impressão em que o número 2 pa-
ção" de uma ação ordinária e/ ou rece que é multiplicado por zero e
para a avaliação de uma empresa. não pela letra 0 .. , Por Carlos Roberto Jamil Cu-
ry. São Paulo, Cortez e Mo-
Acredito, todavia, que logo se-
Ao final de cada capítulo, existe rão corrigidas estas pequenas fa-
raes, 1978. 201 p.
uma série de pequenos casos e/ou lhas, as quais , conforme foi dito.
problemas para serem resolvidos,
anteriormente, não tiram o mérito
além de uma bibliografia básica do livro. A qualidade da tradução,
muito boa (porém não muito sofis-
além da ótima impressão gráfica,
ticada).
com tabelas e gráficos fáceis de
O livro de Gitman é ideal para ser serem visual izados, e do fato de os
utilizado em um primeiro curso de tradutores, em vários capítulos ini-
administração financeira, onde os ciais - principalmente aqueles re-
alunos podem ter uma noção ele- lacionados com a terceira parte -
mentar sobre o assunto, porém, na A administração de capital de giro
opinião do resenhista, junto com - terem colocado (:m notas de ro-
alguns capítulos de outros autores dapé algumas das novidades intro-
(como Weston e Brigham: Finan - ;juzidas pela Lei n? 6.404 de
cia/ management, hoje já na sexta 15.12.76 (Lei das Sociedades por
edição, de 1978), ou então com Ações) e pelo Decreto-lei n? 1.598
preleções do professor, quando se de 26.12.77 (Altera a Legislação do
pode aprofundar um pouco mais a Imposto sobre a Renda), fazem
matéria, uma vez que, apesar de com que o livro de Gitman seja re-
comendado a todos aqueles que A recente explosão do mercado
atualizado, didático, simples na editorial nacional e o significativo
maneira de expor o assunto, o au- desejam iniciar-se no campo de
administração financeira . O aumento das publicações na área
to-r nem menciona algumas técni - de ciências humanas trouxeram,
cas mais sofisticadas e já compro- também, um acréscimo aos estu-
vadamente utilizadas na vida Ivan Pinto Dias
dos editados sobre educação . Os
prática, como o CAPM (capital as- últimos lançamentos da tradicional 135
sets pricing mo de!), ou o O P M (op- Livraria Editora Francisco Alves e
tions pricing model} ou ainda o os da nova editora Cortez e Mo-
SPM (State preference model). raes evidenciam notor1a
Infelizmente, existem pequenos concentração de temas ligados ao
lapsos na revisão feita pela editora, ensino. Incluindo análises históri-
pois, embora raramente, ao invés cas, sociológ icas e metodológicas
de 10 .000 ações encontramos o das questões educacionais, apre-
número 100.000 (e vice-versa); sentam coleções integradas por
às vezes, também, foram omitidas Bourdieu e Passeron, ou por jo-
uma ou duas linhas do original em vens estudiosos que lançam ostra-
inglês (a tradução possui 580 balhos acadêmicos que lhes vale-
páginas, e o original, 649), fatos ram o grau de Mestre nos cursos
estes que podem confundir um de pós-graduação, como é o caso
pouco o leitor, mas que de modo do presente ensaio de Carlos Ro -
algum tiram o mérito da obra e de. berto Jamil Cury . As duas editoras
sua tradução . lançaram, entre 1977 e 1978, apro-
ximadamente 15 títulos sobre
A editora também poderia fazer educação, e isto parece indicar si-
uma revisão melhor em alguns er- multaneamente a expansão do
ros tipográficos. Por exemplo, no mercado consumidor da literatura
capítulo 10 - Administração de pedagógica e o aumento do inte-
estoque - (p. 210), ao mostrar o· resse acadêmico sobre as questões
lote econômico de compra, fór - relativas ao ensino .
mula ( 10.4), o denominador está
errado, isto é, não é o número 2, Nesse quadro, surgiram vanos
mas sim a letra c, como consta de estudos sobre a história da educa-
maneira certa na nota de rodapé 5, ção brasileira, e o tema da
item (4) da mesma página. Toda- participação da Igreja como força
via, o numerador que estava certo ideológica nos debates e reformas
na fórmula ( 10.4), ou seja 2S (0), educacionais no país mereceu
ou ainda 2 multiplicado por Se de- duas publicações relevantes : a de
pois multiplicado pela letra O, na. Danilo Lima, Educação, Igreja e

Resenha bibliográjlca