Sie sind auf Seite 1von 63

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO


DE CURSO USANDO O WORD

Marcel Rocha Soares Lopes

Prof. dos Cursos de Eng Civil e Eng. do Petróleo

Rio de Janeiro, RJ
Março 2017
SUMÁRIO Pág.

1 INTRODUÇÃO............................................................................................................................. 1

2 PROJETO GRÁFICO .................................................................................................................... 3


2.1 CONFIGURAÇÃO DAS MARGENS ..................................................................................................... 3
2.2 ESPAÇAMENTO ENTRELINHAS ........................................................................................................ 3
2.3 ESCRITA..................................................................................................................................... 3
2.4 SIGLAS ...................................................................................................................................... 4
2.5 NUMERAÇÃO DAS PÁGINAS ........................................................................................................... 4
2.6 INDICATIVOS DE SEÇÃO E SUBSEÇÃO ............................................................................................... 4
2.7 TÍTULOS SEM INDICATIVO NUMÉRICO .............................................................................................. 5
2.8 NOTAS DE RODAPÉ ...................................................................................................................... 5
2.9 NUMERAIS, FORMATO DOS NÚMEROS E INTERVALOS NUMÉRICOS ........................................................ 5
2.9.1 Numerais no texto............................................................................................................... 5
2.9.2 Formato dos números......................................................................................................... 6
2.9.3 Intervalos numéricos........................................................................................................... 7

3 ILUSTRAÇÕES, TABELAS, QUADROS, EQUAÇÕES E FÓRMULAS .............................................. 8


3.1 ILUSTRAÇÕES ............................................................................................................................. 8
3.2 TABELAS E QUADROS ................................................................................................................... 8
3.3 EQUAÇÕES E FÓRMULAS ............................................................................................................... 9

4 CITAÇÕES .................................................................................................................................. 11
4.1 CITAÇÃO INDIRETA ...................................................................................................................... 11
4.2 CITAÇÃO DIRETA ......................................................................................................................... 11
4.3 SUPRESSÕES, INTERPOLAÇÕES E COMENTÁRIOS ................................................................................ 11
4.4 INFORMAÇÃO VERBAL EM PALESTRAS, DEBATES E COMUNICAÇÕES ....................................................... 12
4.5 TRABALHOS CITADOS QUE CONHECERAM PUBLICAÇÃO ....................................................................... 12
4.6 SISTEMAS DE CHAMADA ............................................................................................................... 12
4.6.1 Sistema autor-data ............................................................................................................. 12
4.6.2 Sistema numérico................................................................................................................ 16
4.6.2.1 Usando lista de referências ao final do trabalho............................................................ 17
4.6.2.2 Usando notas de referência de pé de página ................................................................. 18

5. REFERÊNCIAS............................................................................................................................ 20
5.1 LOCALIZAÇÃO ............................................................................................................................. 21
5.2 TRANSCRIÇÃO DOS ELEMENTOS DE REFERÊNCIA ................................................................................ 21
5.2.1 Dados de autoria................................................................................................................. 21
5.2.1.1 Autor pessoal.................................................................................................................... 21
5.2.1.2 Autor entidade.................................................................................................................. 22
5.2.2 Indicação de título e subtítulo ........................................................................................... 22
5.2.3 Dados de edição ................................................................................................................. 22
5.2.4 Dados da publicação............................................................................................................ 22
5.2.4.1 Local ................................................................................................................................. 22
5.2.4.2 Editora.............................................................................................................................. 22
5.2.4.3 Data ................................................................................................................................ 23
5.3 ORDEM DOS ELEMENTOS DE REFERÊNCIA......................................................................................... 24
5.3.1 Monografia ......................................................................................................................... 24
5.3.1.1 Em meio eletrônico........................................................................................................... 24
5.3.1.2 Duas ou mais monografias do mesmo autor................................................................... 24
5.3.1.3 Com indicação de volume................................................................................................ 25
5.3.1.4 Traduzida e sob revisão técnica ...................................................................................... 25
5.3.1.5 Parte de monografia........................................................................................................ 25
5.3.1.6 Monografias acadêmicas................................................................................................. 25
5.3.2 Publicação periódica .......................................................................................................... 26
5.3.2.1 Publicação periódica como um todo............................................................................... 26
5.3.2.2 Parte de periódico ........................................................................................................... 26
5.3.2.3 Artigos em periódico ....................................................................................................... 26
5.3.3 Artigos em jornais impressos ou em meio eletrônico on line............................................ 27
5.3.4 Documentos extraídos do meio eletrônico ....................................................................... 27
5.3.4.1 Páginas de internet.......................................................................................................... 27
5.3.4.2 CD-ROM .......................................................................................................................... 27
5.3.5 Evento como um todo......................................................................................................... 27
5.3.5.1 Em meio eletrônico on line ............................................................................................. 28
5.3.5.2 Trabalho publicado em evento...................................................................................... 28
5.3.6 Patente ............................................................................................................................... 28
5.3.7 Documentos jurídicos ........................................................................................................ 28
5.3.7.1 Leis, decretos, portarias................................................................................................... 28
5.3.7.2 Jurisprudências ................................................................................................................ 29
5.3.7.3 Portarias e resoluções ..................................................................................................... 29
5.3.7.4 Leis, decretos, portarias................................................................................................... 29
5.3.7.5 Código .............................................................................................................................. 29
5.3.8 Documento iconográfico .................................................................................................... 29
5.3.8.1 Em meio eletrônico on line .............................................................................................. 30
5.3.9 Documento cartográfico .................................................................................................... 30
5.3.9.1 Em meio eletrônico on line .............................................................................................. 30
5.3.10 Documentos de acesso exclusivo em meio eletrônico ................................................... 30

6 ESTRUTURA DE UM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ................................................... 31


6.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS ............................................................................................................ 32
6.1.1 Capa..................................................................................................................................... 32
6.1.2 Folha de rosto ..................................................................................................................... 32
6.1.3 Ficha catalográfica .............................................................................................................. 32
6.1.4 Errata .................................................................................................................................. 32
6.1.5 Folha de aprovação ............................................................................................................ 32
6.1.6 Resumo em língua vernácula ............................................................................................. 33
6.1.7 Resumo em língua estrangeira .......................................................................................... 33
6.1.8 Dedicatória ......................................................................................................................... 33
6.1.9 Agradecimentos .................................................................................................................. 34
6.1.10 Epígrafe ............................................................................................................................. 34
6.1.11 Sumário ............................................................................................................................. 34
6.1.12 Lista de ilustrações ........................................................................................................... 37
6.1.13 Lista de tabelas ................................................................................................................. 37
6.1.14 Lista de abreviaturas e siglas ............................................................................................ 37
6.1.15 Lista de símbolos .............................................................................................................. 37
6.2 ELEMENTOS TEXTUAIS................................................................................................................... 38
6.2.1 Introdução .......................................................................................................................... 38
6.2.2 Desenvolvimento ................................................................................................................ 38
6.2.2.1 Referencial teórico ........................................................................................................... 38
6.2.2.2 Metodologia .................................................................................................................... 38
6.2.2.3 Resultados e discussões .................................................................................................. 38
6.2.3 Conclusão ........................................................................................................................... 38
6.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS ........................................................................................................... 39
6.3.1 Referências ......................................................................................................................... 39
6.3.2 Glossário ............................................................................................................................. 39
6.3.3 Apêndice ............................................................................................................................. 39
6.3.4 Anexo .................................................................................................................................. 39
6.3.5 Índice .................................................................................................................................. 39

REFERÊNCIAS ............................................................................................................................... 40

APENDICE A – Modelo de TCC ..................................................................................................... 41

GLOSSÁRIO ................................................................................................................................... 57
1

1 INTRODUÇÃO

Para a obtenção do diploma, um aluno deverá elaborar, obrigatoriamente, um trabalho de conclusão


de curso (TCC). O TCC é outro nome que se dá às monografias apresentadas ao final dos cursos de
graduação e pós-graduação para obtenção de grau (MEDEIROS, 2012). Ele é um documento resultante
de uma pesquisa sistemática de um assunto, sob supervisão de um orientador, que deve ser
obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros
ministrados (ABNT, 2011a).

Um TCC tem um caráter diferente dos trabalhos normalmente desenvolvidos pelos estudantes em
outras disciplinas. Além da pesquisa sistemática, ele envolve o emprego de métodos, como: pesquisa
bibliográfica, análise de documentos, observação em laboratório ou em campo, simulação em meio
computacional, entre outros. Ele constitui, assim, uma experiência fundamental na formação do
estudante porque lhe proporciona a oportunidade de conhecer e tentar resolver, de forma rigorosa e
criativa, problemas teóricos e empíricos.

Em termos de forma, o TCC é uma monografia com 50 laudas, segundo padrões estabelecidos pela
NBR 14724 (ABNT, 2011a). No entanto, quando um aluno ingressa em um curso de nível superior é
comum o seu desconhecimento. Este manual nasceu das dúvidas de formatação e da falta de
uniformidade apresentadas em alguns trabalhos de conclusão do curso de Engenharia Civil nos anos
de 2016 e 2017. Diante do exposto, a Coordenação de Engenharia Civil solicitou-me produção de um
documento normalizador dos TCC’s, porém que também atende às outras engenharias.

Este manual objetivou apresentar aos alunos as regras de formatação e as convenções de estilo,
próprias dos textos tecno-científicos e da língua portuguesa, necessários para confecção de relatórios,
projetos de pesquisa, trabalhos de conclusão de curso de graduação e de pós-graduação ou artigos
científicos. Para cumprir tal objetivo lançou-se mão das normas NBR 6023 (ABNT, 2002a), NBR 10520
(ABNT, 2002b), NBR 6024 (ABNT, 2003a), NBR 6027 (ABNT, 2003b), NBR 6028 (ABNT, 2003c), NBR
6034 (ABNT, 2004), NBR 14724 (ABNT, 2011a) e NBR 15287 (ABNT, 2011b) e do documento IBGE
(1993). Utilizou-se também o ementário do curso de Engenharia Civil, cedido pela Coordenação, e dois
trabalhos de conclusão de curso, donde foram retirados muitos exemplos constantes no texto.
2

A este objetivo principal, no desenvolvimento deste manual, incluíram-se tutoriais de utilização de


ferramentas e extensões do editor de texto Word, tais como: numeração de páginas, edição de
equações, contagem de palavras, elaboração de sumário e de listas automáticos, gerenciamento de
referências bibliográficas e eletrônicas e adoção do estilo de referências ‘ABNT’ da NBR 6023 (ABNT,
2002a). Além de agilizar a produção do trabalho de conclusão, a inclusão destes tutoriais visou fazer
com que aprenda fazendo, isto é, que ele se familiarizasse com as regras de formatação utilizando os
recursos do editor de texto (SPECTOR, 2002).

Agradeço à Coordenadora do curso de Engenharia Civil Profa. Palmira por me ceder o ementário do
curso, que foi extensivamente empregado neste manual. Sou grato aos alunos Gabriel Neustadt de
Carvalho e Rafael Perales Ramalho, dos TCC’s foram retirados muitos exemplos empregados neste
manual. Também agradeço aos funcionários do setor informática pela disponibilização dos programas
para citação e pela ajuda na formatação deste manual.

Eu gostaria ainda de receber críticas, comentários e sugestões dos usuários por meio do endereço:
marcel.lopes@uva.br.

Rio de Janeiro, 28 de junho de 2017


3

2 PROJETO GRÁFICO

2.1 CONFIGURAÇÃO DAS MARGENS

Deve-se utilizar papel branco no formato A4 (21 cm x 29,7 cm), conforme a NBR 14724 (ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2011a). Os elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais devem
ser digitados no anverso das folhas, com exceção da ficha catalográfica, que devem vir no verso da
folha de rosto.

As margens devem ser:

Anverso: Esquerda 3 cm Verso: Esquerda 3 cm


Superior 3 cm Superior 3 cm
Direita 2 cm Direita 2 cm
Inferior 2 cm Inferior 2 cm

2.2 ESPAÇAMENTO ENTRELINHAS

Configurar todo o texto com espaçamento de 1,5 cm. Citações com mais de três linhas, notas de
rodapé, notas de referências, lista de referências, legendas das ilustrações e das tabelas, fichas
catalográficas, natureza (tipo do trabalho, objetivo, nome da instituição a que é submetida e área de
concentração) devem ser digitados em espaço simples (ABNT, 2011a).

2.3 ESCRITA

Utilizar margem justificada para o corpo do trabalho e alinhamento esquerdo para as referências.
Escolher um tipo de letra legível na cor preta (Arial ou Times New Roman), fonte tamanho 12 e fonte
de tamanho menor (fonte tamanho 10) para citações de mais de três linhas, notas de rodapé,
paginação e legendas das ilustrações e tabelas.

2.4 SIGLAS

Quando mencionada pela primeira vez no texto, a sigla deve ser indicada entre parênteses, precedida
do nome da denominação por extenso. Exemplo: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

2.5 NUMERAÇÃO DAS PÁGINAS

Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, devem ser contadas sequencialmente, mas não
numeradas. A numeração deve figurar a partir da primeira folha da parte textual, em algarismos
arábicos, no canto superior direito da página, a 2,0 cm da borda superior da folha. Havendo apêndice
e anexo, as suas folhas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve dar
seguimento à do texto principal (ABNT, 2011a).

Para que as páginas prefaciais não sejam numeradas, ao final de cada página deverá ser inserida uma
quebra de seção. Esta quebra terá a finalidade de diferenciar a formatação das páginas prefaciais do
corpo do texto.
4

Como numerar as páginas?

Além da atualização permanente, o word permite definir a localização da numeração da página e o sistema
de numeração (números arábicos, romanos entre outros). Clique em INSERIR > Número de Página.

2.6 INDICATIVOS DE SEÇÃO E SUBSEÇÃO:

Capítulos são subdivisões das partes. Seções são divisões de capítulo e as subseções são divisões das
seções.

O título de todas deve ser precedido pelo indicativo numérico (algarismo arábico), alinhado à
esquerda, separado por um espaço de caractere. Os títulos das seções primárias devem iniciar em
folha ímpar (anverso), na parte superior da folha, grafados em números inteiros a partir de 1 (um) e
separados do texto que os sucede por um espaço entrelinhas de 1,5 cm. Deve-se limitar a numeração
progressiva até a seção quinária.

O indicativo de uma seção secundária é constituído pelo indicativo da seção primária a que pertence,
seguido do número que lhe for atribuído na sequência do assunto e separado por ponto. Repete-se o
mesmo processo em relação às demais seções. Os títulos das subseções devem ser separados do texto
que os precede e sucede por um espaço de 1,5 cm.

Títulos que ocupem mais de uma linha devem, a partir da segunda linha, serem alinhados abaixo da
primeira letra da primeira palavra do título.

Os títulos de seção e subseção devem ser destacados gradativamente com recursos como CAIXA ALTA,
VERSAL, negrito, itálico ou sublinhado. Eles devem ter a mesma forma no sumário e no texto.

Ex.:

1 RESPONSABILIDADE A APLICABILIDADE DA NORMA NBR 15757 (ABNT, 2013) (CAIXA ALTA)

1.1 INCORPORADOR (versal)

1.1.1 Classificação do incorporador... (negrito)

Texto...............
5

2.7 TÍTULOS SEM INDICATIVO NUMÉRICO

Títulos sem indicativos numéricos, como ERRATA, AGRADECIMENTOS, LISTA DE ILUSTRAÇÕES,


RESUMO, SUMÁRIO, REFERÊNCIAS, APÊNDICE E ANEXO, devem ser centralizados. A folha de
aprovação, a dedicatória e a epígrafe são elementos sem título e sem indicativo numérico (ABNT,
2003).

2.8 NOTAS DE RODAPÉ

As notas devem ser digitadas dentro das margens, ficando separadas do texto por um espaço simples
de entrelinhas e por um filete de 5 cm, a partir da margem esquerda, conforme a NBR 10520 (ABNT,
2002b). Faz-se a numeração das notas em algarismos arábicos para cada capítulo, parte ou todo o
trabalho.

Elas subdividem-se em notas de referência, que são indicadoras das fontes consultadas ou que
remetem a outras partes do trabalho onde o assunto é tratado (para mais detalhes ver cap. 3), e notas
explicativas, que são observações, comentários ou complementos ao texto. Caso opte-se pela
utilização do sistema de chamada numérico, não se deve empregar notas explicativas.

Exemplo (no texto):

Segundo HOLTZAPPLE e REECE (2016), “um problema é uma situação enfrentada por um indivíduo ou grupo de
indivíduos, para a qual não há uma solução óbvia”.5

Exemplo (na nota explicativa de rodapé):


______________
5
Veja também a definição de BAZZO e PEREIRA (2012).

2.9 NUMERAIS, FORMATO DOS NÚMEROS E INTERVALOS NUMÉRICOS

O estilo preferido nas publicações técnico-científicas é o de usar algarismos arábicos para quase todas
as indicações de quantidades, entretanto existem algumas diretrizes que determinam se há
necessidade de se escrever o número por extenso ou se é possível escrever o algarismo.

2.9.1 Numerais no texto


 Escrever números ou frações por extenso quando iniciarem frase, títulos e subtítulos ou no
caso de frações comuns e ordinais de primeiro a nono.

Ex.: As nove máquinas compradas pela empresa apresentaram problemas.


Quatro quintos das vendas foram superfaturadas... (e não 4/5 das vendas ... ou 4 quintos das vendas...)
Três mil e quatrocentos reais foi o custo do treinamento (e não R$3.400,00 foi o custo...).
Sete por cento das amostras foram extraviadas.

 Escrever o número quando ele tiver unidades de medida (distância, idade, tempo, datas, no de
páginas, no telefônicos, números de ruas, porcentagens, valores monetários, proporções, entre
outras).

Ex.: 2 metros 32 anos 8h00 16 de novembro Página 4 51% R$ 50,00


6

 Usar números seguidos de palavras quando os últimos cinco ou seis dígitos forem zero.

Ex.: O custo da construção foi de R$ 15,5 milhões (e não R$ 15.500.000,00).


O volume do reservatório era de 580 mil ou 5,80 x 105 m3 de água (e não 580.000 m3 de água).

 Escrever números sempre que dois ou mais estiverem em um mesmo período.

Ex.: No 5º dia do evento, 72% dos convidados não compareceram nas 50 mesas redondas agendadas.

 Não misturar número com numerais por extenso.

Em vez de: No quinto dia do lançamento, 30% do novo produto ainda não estavam distribuídos.
Prefira: No 5º dia do lançamento, 30% do novo produto ainda não estavam distribuídos.

 Se o número é uma aproximação, mencionar no texto.

Ex.: Aproximadamente 15 milhões…


Cerca de 50 metros distante…
Perto de 25 litros se perderam…

 Somente usar a forma 02, 03, 09 em documentos de natureza legal, fiscal, jurídica ou
cartorial.

2.9.2 Formato dos Números

 Número com quatro dígitos não requerem o ponto de separação do milhar, sendo esse
reservado aos números com cinco ou mais dígitos, que também podem ser transformados na
sua notação científica.

Ex.: O aterro tem uma área de 5000 m2 ou 5 000 m2.


O reservatório comporta 50.000 m3 de água ou 5,0 x 104 m3 de água.

 Números menores que 1 devem sempre serem escritos com zero e vírgula (e não ponto) antes
da casa decimal.

Ex.: A vazão medida no canal de drenagem foi 0,85 m3 s-1.

 Para medidas menos precisas frações mistas podem ser usadas no lugar de decimais.

Ex.: Após o experimento restaram intactos ⅘ dos tensiômetros.


A operação de sondagem durou 5½ dias.

 O zero antes da vírgula em valores decimais somente é desnecessário quando se trata de


expressão de valores estatísticos como P, β e α.

Ex.: O valor estabelecido para α foi .05.


7

2.9.3 Intervalos Numéricos


 Deve-se usar a palavra ‘a’ para conectar os números em intervalos numéricos.

Ex.: Os resultados dos ensaios estão nas páginas 45 a 48.

 Quando se tratar de intervalo de porcentagens, colocar o símbolo após cada número do


intervalo.

Ex.: O teor de umidade do solo variou de 15,0% a 17,5%.

 Quando um intervalo representar uma medida, a unidade só precisa ser grafada após o
segundo número do intervalo.

Ex.: A tensão medida variou de 50 a 150 kV.


8

3. TABELAS, QUADROS, ILUSTRAÇÕES E EQUAÇÕES

3.1 ILUSTRAÇÕES

Ilustração é a designação genérica de imagem que ilustra um texto (ABNT, 2011a). Qualquer que seja
o seu tipo, sua identificação deve aparecer na parte superior, precedida da palavra designativa
(desenho, esquema, fluxograma, fotografia, gráfico, mapa, organograma, planta, quadro, retrato,
figura, imagem, entre outros), seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto, em algarismos
arábicos, travessão e do respectivo título.

A ilustração deve ser citada no texto e inserida o mais próximo possível do trecho a que se refere. Após
a ilustração, na parte inferior, indicar a fonte consultada (elemento obrigatório, mesmo que seja
produção do próprio autor), legenda, notas e outras informações necessárias à sua compreensão (se
houver).

Figura 1 – Modos de solicitação e formação de fissuras

Fonte: Santos, Souza e Bittencourt (2003)

3.2 TABELAS E QUADROS

Tabelas e quadros são formas não discursivas de apresentar informações, das quais o dado numérico
se destaca (ABNT, 2011a). Ambos são empregados quando se quer dar clareza a discussões que se
respaldam em muitos dados numéricos relacionados a diferentes elementos, itens ou características
(IBGE, 1993), caso contrário, devem constar nos Apêndices. Ademais, devem ser inseridas o mais
próximo possível do trecho a que se referem.

Quadro 1 – Argamassas mais utilizadas na Construção Civil

Fonte: Machado (2014)


9

No entanto, os quadros diferenciam-se das tabelas, pois nos primeiros os dados são limitados por
linhas em todas as margens (Quadro 1), enquanto que nas últimas as linhas de delimitação só
aparecem nas partes superior e inferior (Tabela 1), e, de acordo com a NBR 14724 (ABNT, 2011a), os
quadros são classificados como ilustração, conforme mostrado no item 2.1.

Tabela 1 – Taxas de desperdício de materiais de construção no Brasil


Material Taxas de Desperdício (%)
Média Mínima Máxima
Concreto usinado 9 2 23
Aço 11 4 16
Blocos e tijolos 13 3 48
Placas cerâmicas 14 2 50
Revestimento têxtil 14 14 14
Eletrodutos 15 13 18
Tubos 15 13 18
Tintas 17 8 56
Fios 27 14 35
Gesso 30 14 120
Fonte: Espinelli (2005)

3.3 EQUAÇÕES E FÓRMULAS

Equações e fórmulas devem aparecer destacadas no texto, de modo a facilitar sua leitura. Na
sequência normal do texto, é permitido o uso de uma entrelinha maior que comporte seus elementos
(expoentes, índices e outros). Quando destacadas do parágrafo, devem ser centralizadas e numeradas
na margem direita. Quando fragmentadas em mais de uma linha, por falta de espaço, devem ser
interrompidas antes de igualdade ou depois dos sinais de adição, subtração, multiplicação e divisão.

Ex.:
 s   disp (1)
v d2
18 

s V disp L  Ldisp  (2)


F  N 
 s   disp  M susp
10

Como inserir e editar equações?

Centralize o cursor. Clique em INSERIR > Equação > Inserir Nova Equação. Aparecerá um campo no centro da
tela para escrever a equação por meio da barra de símbolos.
11

4 CITAÇÕES

Citações “são menções, no texto, de uma informação colhida em outra fonte”, de acordo com a NBR
10520 (ABNT, 2002b). Subdividem-se em citações diretas e indiretas.

4.1 CITAÇÃO DIRETA

É a transcrição literal de palavras ou trechos de outro autor e podem ser apresentadas de duas formas:

 Inseridas entre aspas duplas, no meio do texto, se ocuparem até três linhas. As aspas simples
são indicadas para citações no interior da citação;

 As citações com mais de três linhas devem ser apresentadas em parágrafo próprio, com recuo
de 4 cm a partir da margem esquerda, espaço simples, com fonte menor da utilizada no
trabalho e sem aspas.

4.2 CITAÇÃO INDIRETA

Consiste na reprodução das ideias de outro autor, sem transcrição literal, isto é, em uma paráfrase.

Exemplos:

Citação direta (de até Segundo Dornelas (2014, p. 28), “empreendedorismo pode ser
três linhas):
- No corpo do texto; definido como o envolvimento de pessoas e processos que, em conjunto,
- Entre aspas duplas. levam a transformação de idéias em oportunidade”.

Citação direta (de mais Os engenheiros buscam a solução de problemas; eles são
de três linhas) contratados justamente por suas aptidões para solucionar
- Recuo de 4 cm; problemas. Embora seja uma atividade essencial, é
- Parágrafo próprio; impossível ensinar uma técnica específica que sempre
- Fonte 10; levará à solução de um problema. Conquanto os
- Sem aspas; engenheiros usem a ciência para solucionar problemas, sua
- Espaçamento simples. aptidão é mais artística que científica.[...] (HOLTZAPPLE e
REECE, 2016, p. 55)
.
A NBR 15575 não só estabelece parâmetros técnicos para
Citação indireta ou importante requisitos de uma edificação, tais como desempenhos
paráfrase acústico e térmico, durabilidade, garantia e vida útil, que antes não eram
muito claros e nem eram mensurados (ABNT, 2013).

4.3 SUPRESSÕES, INTERPOLAÇÕES E COMENTÁRIOS

As supressões devem ser indicadas entre colchetes e reticências [...]. Destaques devem ser indicados
com sublinha, itálico ou negrito, informando ao leitor que se trata de um destaque que não consta na
obra original (grifo ou destaque nosso). Se a transcrição já tiver algum destaque, deve-se mencionar
(grifo ou destaque do autor).
12

Ex.:
Os engenheiros buscam a solução de problemas; eles são contratados justamente por
suas aptidões para solucionar problemas. Embora seja uma atividade essencial, é
impossível ensinar uma técnica específica que sempre levará à solução de um
problema. Conquanto os engenheiros usem a ciência para solucionar problemas, sua
aptidão é mais artística que científica.[...] (HOLTZAPPLE e REECE, 2016, p. 55, grifo
nosso)

Embora gostássemos de acreditar que esses cinco passos possam ser seguidos em
uma sequência linear que sempre nos leve à solução correta, este nem sempre é o
caso. Frequentemente, a solução de problemas é um procedimento iterativo, o que
significa que a sequência deve ser repetida, pois a informação obtida ao final da
sequência sofre influência de decisões tomadas na fase inicial.[...] (HOLTZAPPLE e
REECE, 2016, p. 57, grifo do autor)

4.4 INFORMAÇÃO VERBAL EM PALESTRAS, DEBATES E COMUNICAÇÕES

Indica-se entre parênteses a informação verbal, mencionando as informações disponíveis em nota


de rodapé.

Exemplo no texto:

A NBR 15575 (ABNT, 2013), publicada no dia 19 de fevereiro de 2013 pela Associação Brasileira de Normas
Técnicas não só estabelece parâmetros técnicos para importantes requisitos de uma edificação, tais como
desempenho acústico e térmico, como durabilidade, garantia e vida útil (Informação verbal)1.

Exemplo na nota de referência:


________________
1
Afirmação de BORGES, C. A. de M. em palestra proferida na FIRJAN, Rio de Janeiro, em setembro de 2013.

4.5 TRABALHOS CITADOS QUE NÃO CONHECERAM PUBLICAÇÃO

Exemplo (no texto):

O estádio do Maracanã por ter que receber alguns jogos, inclusive a final do mundial de futebol de 2014, teve
que passar por uma grande reforma (em fase de elaboração)1

Exemplo (na nota de referência):


________________
Processo de certificação LEED nas obras do estádio do Maracanã, de autoria de Ramalho, R. P., a ser publicado em 2016
como trabalho de conclusão de curso em engenharia civil.

4.6 SISTEMAS DE CHAMADA

Segundo a norma NBR 10520 (ABNT, 2002b), há os sistemas de chamada: o autor-data e o numérico.

4.6.1 Sistema Autor-Data

Nesse sistema a indicação da fonte deve ser pelo sobrenome do autor, instituição responsável ou pelo
título, seguida da data de publicação entre parênteses e a(s) página(s) se a citação for direta,
separados por vírgula.
13

 Introduzindo o autor na sentença:

As chamadas pelo sobrenome do autor, instituição responsável ou título, devem figurar em letras
maiúscula e minúscula, indicando-se apenas a data entre parênteses, acrescida da(s) pagina(s),
quando for citação direta. Para citações indiretas, o número da página é opcional.

Exemplo: Segundo Brand (1995), “[...] Uma edificação não é algo que se conclui. Uma edificação é algo que se
inicia”.

 OU mencionando o autor no final da citação:

Nas citações onde o(s) autor(es) aparece (m) entre parêntese no final da frase, colocar em letras
maiúsculas.

Exemplo: “ Uma edificação não é algo que se conclui. Uma edificação é algo que se inicia”. (BRAND, 1995).

Como administrar as referências no sistema de entrada autor-data por meio do word?

Quando citar um autor no texto, clicar em REFERÊNCIAS > Gerenciar Fontes Bibliográficas.

Em seguida, clique em “Nova”, tipifique a fonte bibliográfica citada (livro, capítulo de livro, artigo de periódico
entre outras) e escreva os elementos de referência solicitados (autor, título, editora, local, ano entre outros).
Clicar em OK.
14

Como gerar a lista de referências no sistema autor-data automática?

Depois de finalizar o texto e incluir todas as referências no gerenciador de fontes bibliográficas, passar para a página
seguinte em branco. Entrar em REFERÊNCIAS > Bibliografia e escolher a opção Referências. Aparecerá a lista completa,
em seguida formate o tipo de fonte, o espaçamento entrelinhas e os destaques.

Caso seja necessário incluir uma referência após concluir a lista, repita o processo e clique na opção “Atualizar Citações
e Bibliografia” parte superior esquerda da mesma.

Exemplo (no texto):

Por conta do crescimento econômico, iniciado no Brasil em 2006, houve, segundo Borges (2008), uma grande
expansão do setor da construção civil que durou alguns anos. Foi possível verificar na grande maioria das edificações a
presença de fissuras e sinais de desgaste, entretanto é correto afirmar que esse tipo de comportamento não é planejado
e, portanto, caracteriza-se como patologia. Patologia é derivado do grego (pathos – doença, e logia – ciência, estudo)
significando estudo da doença. Entre as diversas patologias presentes nas edificações – residenciais, comerciais ou
institucionais – uma das mais importantes a se verificar são as trincas visto que as mesmas trazem, além do embaraço
psicológico causada nos usuários pela fissuração, um possível aviso quanto a um estado delicado existente na estrutura
prejudicando seu desempenho para o que foi projetado nos âmbitos de estanqueidade à água, durabilidade, isolação
acústica entre outros (THOMAZ, 1999).
15

REFERÊNCIAS

BORGES, C. A. de M. O conceito de desempenho de edificações e a sua importância para o setor da construção civil no
Brasil. 2008. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Construção Civil e Urbana) - Escola Politécnica, Universidade de
São Paulo, SP. Disponível em: www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3146/tde-25092008-094741/pt-br.php. Acesso
em: mar de 2017.

THOMAZ, E. Trincas em Edifícios: causas, prevenções e recuperações. São Paulo: Pini, 1999.

 Citações com dois autores: Citações onde são mencionados dois autores, separar por ponto e
vírgula quando estiverem citados dentro dos parênteses.

Exemplo: (MORAES; JORDÃO, 2002).

Quando os autores estiverem incluídos na sentença, utilizar o (e)

Exemplo: De acordo com Moraes e Jordão (2002),...

 Citações com três autores: Dentro do parêntese, separar por ponto e vírgula.

Exemplo: (SILVA; RODRIGUES; PINHEIRO, 2008).

Incluídos na sentença, utilizar virgula para os dois primeiros autores e (e) para separar o segundo do
terceiro.

Exemplo: Segundo Silva, Rodrigues e Pinheiro (2008),...

 Citações com mais de três autores: Indicar o primeiro autor seguido da expressão et al.

Exemplos: (SILVA et al., 2003) ou Segundo Silva et al. (2003),...

 Para citações de diversos documentos de um mesmo autor: publicados no mesmo ano, utilizar
o acréscimo de letras minúsculas, ordenados alfabeticamente após a data e sem
espacejamento.

Exemplo: (ABNT, 2011a, 2011b).

 As citações indiretas de diversos documentos de um mesmo autor, publicados em anos


diferentes, separar as datas por vírgula.

Exemplo: (BRANCO, 1998, 2004).

 Para citações indiretas de vários documentos de diversos autores, mencionados


simultaneamente, devem figurar em ordem alfabética, separados por ponto-e-vírgula.

Exemplo: (BARRIENTOS, 2012; BUENO, 2010).


16

 Para citações de obras que possuem mais de um volume

Exemplo: (BOTELHO e MARCHETTI, 2008. v. 1.)

 Obras sem autoria: a entrada deve ser feita pela primeira palavra do título seguida de
reticências, seguida da data de publicação do documento e da página da citação, no caso de
citação direta, separados por vírgula e entre parênteses.

Exemplo (no texto):

As IES implementarão mecanismos democráticos, legítimos e transparentes de avaliação sistemática das suas
atividades, levando em conta seus objetivos institucionais e seus compromissos para com a sociedade.
(ANTEPROJETO..., 1987, p. 55).
Exemplo (na lista de referências): ANTEPROJETO de lei. Estudos e Debates, Brasília, DF, n. 13, p. 51-60, jan.
1987.

 Citação de citação (apud)

Quando se transcreve palavras textuais ou conceitos de um autor, dito por um segundo autor, utiliza-
se a expressão apud (citado por).

Ex.: Segundo Barrientos (2004 apud GUIMARÃES, 2014, p. 12) “O chamado retrofit de prédios antigos é uma
estratégia eficiente para aperfeiçoar as infraestruturas já instaladas nos centros urbanos[...].”
De acordo com Barrientos (2004) “O chamado retrofit de prédios antigos é uma estratégia eficiente para
aperfeiçoar as infraestruturas já instaladas nos centros urbanos[...].” (apud GUIMARÃES, 2014, p. 12).
“O chamado retrofit de prédios antigos é uma estratégia eficiente para aperfeiçoar as infraestruturas já
instaladas nos centros urbanos[...].” (BARRIENTOS, 2004 apud GUIMARÃES, 2014, p. 12).

4.6.2 Sistema Numérico

As citações devem ter numeração numérica única e consecutiva, em algarismos arábicos, para todo
capítulo ou parte do trabalho. Segundo ABNT (2002a), não se admite a numeração por página. Não se
deve empregar o sistema numérico quando há notas explicativas de rodapé no trabalho.

4.6.2.1 Usando lista de referências ao final do trabalho

As citações remetem-se a uma lista de referências ao final do trabalho, ao final do capítulo ou ao final
da parte na ordem na qual aparecem no texto. A indicação da numeração deve aparecer como número
exponente ou entre parênteses.

Exemplos (no texto):

Segundo Menguel, “de forma a facilitar as escolhas diárias entre o certo e o errado, as sociedades e grupos
tendem a desenvolver princípios e regras que guiam nossa conduta”.3
Segundo Menguel, “de forma a facilitar as escolhas diárias entre o certo e o errado, as sociedades e grupos
tendem a desenvolver princípios e regras que guiam nossa conduta”.(3)
17

Exemplos: (na lista de referências):

3
MENGUEL, T. Ética no gerenciamento de projetos: responsabilidade, valores e ética nos ambientes de
projetos. In: DINSMORE, P. C.; CABANIS-BREWIN, J.AMA Manual de Gerenciamento de Projetos. Rio de Janeiro:
Brasport, 2009, p. 232.
(3) MENGUEL, T. Ética no gerenciamento de projetos: responsabilidade, valores e ética nos ambientes de
projetos. In: DINSMORE, P. C.; CABANIS-BREWIN, J. AMA Manual de Gerenciamento de Projetos. Rio de Janeiro:
Brasport, 2009, p. 232.

Como administrar as referências no sistema numérico por meio do word?

O word introduz automaticamente o número da citação da referência como número sobrescrito (ou pode ser
posteriormente colocado entre parênteses) e em ordem crescente. Em concomitância, abre-se uma lista
numerada, no final cada capítulo, de cada parte ou no final trabalho, no qual as referências devem ser
digitadas na íntegra.

No editor a citação tem o nome de “nota”. Para inserir uma citação em um determinado trecho do texto,
posicione o cursor nesse ponto e clique em ‘REFERÊNCIAS’ e, em seguida, em ‘Inserir Nota de Fim’. Se o
símbolo for algarismo romanos, selecione-o e reescreva-o em arábico.

Exemplo (no texto):

Patologia é derivado do grego (pathos – doença, e logia – ciência, estudo) significando estudo da doença1. Entre
as diversas patologias presentes nas edificações – residenciais, comerciais ou institucionais – uma das mais importantes
a se verificar são as trincas visto que as mesmas trazem, além do embaraço psicológico causada nos usuários pela
fissuração, um possível aviso quanto a um estado delicado existente na estrutura prejudicando seu desempenho para o
que foi projetado nos âmbitos de estanqueidade à água, durabilidade, isolação acústica entre outros. 2
18

Exemplo (na lista de referências):

1
BORGES, C. A. de M. O conceito de desempenho de edificações e a sua importância para o setor da construção civil no
Brasil. 2008. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil), Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em:
www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3146/tde-25092008-094741/pt-br.php. Acesso em: março de 2017.

2
THOMAZ, E. Trincas em Edifícios: causas, prevenções e recuperações. São Paulo: Pini, 1999.

O que fazer no caso de repetição de referências?

No caso de precisar repetir uma referência, por exemplo, a referência 12, você deve utilizar o recurso da
referência cruzada. Coloque o cursor no local onde você deseja introduzir a citação pela segunda vez e use:
REFERÊNCIAS > Referência cruzada. Em seguida selecione, nota de fim, número de nota de fim e escolha o
número da nota 12, que é aquela que você quer repetir.

4.6.2.2 Usando notas de referência de pé de página

As notas de referência indicam as fontes consultadas ou remetem a partes da obra onde o assunto foi
abordado (ABNT, 2002b). Nessas notas os números são grafados em algarismo arábico e a numeração
é única e consecutiva em cada capítulo ou parte do trabalho. A primeira citação de uma obra deve
apresentar todos os elementos essenciais de uma nota bibliográfica: sobrenome e nome do autor,
título da obra, edição, local, editora ano e página da citação.
Exemplo (no texto):

As ligas metálicas, em virtude de sua composição, são agrupadas frequentemente em duas classes – ferrosas e não
ferrosas.12

Exemplo (no rodapé da página):


__________________
12
CALLISTER, W. D.; RETHWISH, D. G. Ciência e Engenharia dos Materiais: uma introdução. 9. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2016.
p. 374.

As citações subsequentes de uma mesma obra, por sua vez, devem ser referenciadas de forma
abreviada usando as expressões latinas abaixo:

 Idem ou Id. (mesmo autor com obras diferentes)

Exemplo:
_________________
19

8
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 1989, p. 9.
9
Id., 2000, p. 19.

 Ibidem ou Ibid. (na mesma obra, varia somente a paginação)

Exemplo:
__________________
3
CALLISTER; RETHWISH. 2016. p. 374.
4
Ibid, p. 386.

 Opus citatum ou op. cit. (obra citada anteriormente)

Exemplo:
__________________
8
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, 2012, p. 18.
9
GOLDEMBERG, 2001, p. 42-43.
10
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, op. cit., p. 40.

 Passim (aqui e ali, em diversas passagens, diversas páginas)

Exemplo:
__________________
5
RIBEIRO, 1997, passim.

 Loco citado ou loc. cit. (no lugar citado, mesma página já citada)

Exemplo:
__________________
4
TOMASELLI; PORTER, 1992, p. 33-46
5
TOMASELLI; PORTER, loc. Cit

 Confira, confronte, cf. (referências a obras de outros autores, ou notas do mesmo autor)

Exemplo:
__________________
3
Cf. MEDEIROS, 2012.

 Sequentia, et. seq. – seguinte ou que se segue, para não repetir as páginas.

Exemplo:
__________________
7
SPECTOR, 2002, p. 17 et seq.
20

5 REFERÊNCIAS

As referências são, conforme NBR 6023 (ABNT, 2002a), “um conjunto padronizado de elementos
descritivos, retirados de um documento, que permite sua identificação individual”.

5.1 LOCALIZAÇÃO

Elas devem estar listadas ao final de cada capítulo, parte ou do texto como um todo. Na lista as
referências devem ser:

 Alinhadas somente à margem esquerda;


 Ordenadas numérica ou alfabeticamente, conforme o caso.
 Separadas entre si por um espaço simples.

Como inserir o estilo bibliográfico ABNT no Word?

Entrar no site https://bibword.codeplex.com. Clicar em “Styles”, em seguida, dentro de “Supported Styles”,


clicar em “Associação Brasileira de Normas Técnicas”. Clicar em “ABNT 6023 2002” e baixar o arquivo
“ABNT_Author.XSL”.

Após o download, copie o arquivo de estilo bibliográfico “ABNT_Author.XSL” para o diretório: Arquivo de
Programas > Microsoft Office > Office15 > Bibliography > Styles.

Obs: Para diferentes versões do Microsof Word, consultar: https://answers.microsoft.com/pt-


br/msoffice/forum/msoffice_word-mso_win10/como-adicionar-o-estilo-bibliogr%C3%A1fico-
abnt/b7903674-d1b8-4ba1-8714-76c912949fac

Inicie o Word, entre em REFERÊNCIAS > Estilo de Bibliografia e veja se consta o estilo ABNT.
21

5.2 TRANSCRIÇÃO DOS ELEMENTOS DE REFERÊNCIA

5.2.1 Dados de Autoria

5.2.1.1 Autor Pessoal

O autor é a pessoa física responsável pela criação do conteúdo intelectual de um documento.


Identificada a autoria da obra, a regra é seguir a forma usada no idioma do nome do autor, existindo
situações especiais, dependendo da língua, ou mesmo do nome adotado pelo autor.

 Inicia-se a referência pelo Sobrenome do autor em maiúsculo, seguido de vírgula e dos nomes
completos ou abreviados. Lembre-se que, qualquer que seja a opção adotada, ela deve ser
aplicada em todo o trabalho.

Ex.: PFEIL, Walter. Estruturas de madeira. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1989.
PFEIL, W. Estruturas de madeira. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

 Quando a obra possuir até três (3) autores, indicam-se todos, na mesma ordem em que
aparecem na obra, emprega-se (;) entre os autores.

Ex.: CASACA, J. M.; MATOS, J. L. de; DIAS, J. M. B. Topografia geral. Rio de Janeiro: LTC, 2007.

 Quando a obra possuir mais de três (3) autores, menciona-se o primeiro, seguido da
expressão et al1.

Ex.: ANTAS, P. M. et al. Estradas: projeto geométrico e de terraplenagem. Rio de Janeiro: Interciência, 2010.

 Quando houver indicação de responsabilidade por uma coletânea de vários autores, a entrada
deve ser feita pelo nome do responsável, seguida da abreviatura entre parênteses no singular
(Org., Coord., Ed., Comp. ou Colab.).

Ex.: BAUER, L. A. F. (Coord.). Materiais de construção. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000. v. 1.

 Sobrenomes acompanhados de palavras que indicam parentesco (Júnior, Filho, Neto, Sobrinho
e assemelhados)

Ex.: GALVÃO JUNIOR, A de C. / FIGUEIREDO FILHO, J. R. de. / CASTRO SOBRINHO, A. da S.

 Autoria formada apenas por um elemento ou um único sobrenome, acrescido de Júnior, Filho,
Neto, Sobrinho e assemelhados. Fazer a entrada na ordem direta, sem inversão.

Ex.: MAMEDE FILHO, J. / CARVALHO JÚNIOR, R./ COELHO NETO, F.

 Sobrenomes compostos. Os sobrenomes só são considerados compostos quando possuem


hífen ou formam uma expressão.

1
Em casos específicos, como em projetos de pesquisa ou no caso de indicação de produção científica em relatórios para
órgãos de financiamento, nos quais a menção dos nomes for indispensável para certificar a autoria, é facultado indicar
todos os nomes. (ABNT, 2002a, p. 14).
22

Ex.: VILLA-LOBOS, C./ CASTELLO BRANCO, C./ SERRA NEGRA, C. A.

 Sobrenomes na língua espanhola. O sobrenome é o penúltimo elemento do nome; se o


sobrenome contiver um artigo, sem preposição, a entrada iniciará pelo artigo.

Ex.: GARCÍA MARQUES, G./ COTARELO Y MORI, E./ LAS HERAS, M. A. (sem preposição)/ CASAS, B. de las. (com
preposição)

 Sobrenomes na língua inglesa. O sobrenome é o último elemento do nome: ignoram-se as


formas Júnior (Jr.) e Senior (Sr.), que devem ser omitidas; se o sobrenome contiver preposições
ou artigos estes iniciarão a entrada da referência.

Ex.: SMITH, D. R./ GREENE, G./ LE CARRÉ, J.

 Sobrenomes na língua francesa. O sobrenome é o último elemento do nome; se o sobrenome


contiver um artigo ou um artigo contraído com uma preposição, iniciar-se- a entrada pelo
artigo ou pelo artigo contraído; sobrenomes compostos se iniciam pelo primeiro elemento do
sobrenome.

Ex.: BEAUVOIR, S. de./ LA FONTAINE, J. de./ DU MÉRIL, E. P./ SAINT-EXUPÉRY, A. de.

 Sobrenomes na língua italiana. O sobrenome é o último elemento do nome; se o sobrenome


contiver artigo ou preposição, iniciar-se-á a entrada pelo artigo ou preposição.

Ex.: ECO, U./ DA PONTE, L.

5.2.1.2 Autor entidade (Pessoa Jurídica constituída para fins específicos): Instituição, Organização,
Empresa, Comitê,
Comissão, entre outros.

 Órgãos de Administração governamental: Ministério, Secretarias, Referências legislativas e


outros. Deve-se indicar a entrada pelo nome geográfico (País, Estado ou Município). O órgão
máximo deve ser escrito em caixa alta.

Ex.: BRASIL. Ministério da Agricultura/ RIO DE JANEIRO (Estado). Secretaria da Fazenda.

 Entidades independentes: empresas, comitês, universidades, conselhos, associações entre


outros. Devem ser escritos em caixa alta.

Ex.: PETROBRÁS/ COMITÊ BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO CIVIL/ UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA/ CONSELHO
REGIONAL DE ENGENHARIA/ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

5.2.2 Indicação do Título e Subtítulo

O título deve ser reproduzido tal como aparece na obra e deve ser destacado (em negrito, itálico ou
sublinhado) dos demais elementos. O subtítulo, precedido por dois pontos, é escrito logo após o título.

Ex.: PAUL, C. R. Eletromagnetismo para engenheiros: com aplicações a sistemas digitais e interferência
eletromagnética. Rio de Janeiro: LTC, 2006.
23

5.2.3 Dados de Edição

É indicada a partir da segunda edição, logo após o título (não se indica a primeira edição). É transcrita
utilizando abreviaturas dos numerais ordinais e da palavra edição, ambas na língua do documento.

Ex.: BRUNETTI, F. Mecânica dos fluidos. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.
BRUNETTI, F. Mecânica dos fluidos. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2008.

5.2.4 Dados da Publicação

5.2.4.1 Local

O local deve figurar na referência tal como aparece na publicação. Quando não for mencionado,
utilizar-se a expressão sine loco, abreviada, entre colchetes [S. l.].

Ex.: RAMOS, F. (Colab.). Engenharia hidrológica. [S.l.]: ABRH, 1989.

 Quando houver duas ou mais editoras de localidades diferentes, separar com ponto e vírgula:

Ex: MAXIMIANO, A. C. A. Empreendedorismo. Rio de Janeiro: UVA; São Paulo: Pearson, 2014.

5.2.4.2 Editora

Deve ser citada tal como aparece na obra. Admite-se abreviação dos prenomes de pessoas ou de
entidades, se for o caso. Deve-se também suprimir as palavras que designam a natureza jurídica ou
comercial, como: Editora, Ltda, Cia, S.A., etc.

Ex.: Editora da Universidade Federal de São Carlos → EdUFSCar


Editora Livros Técnicos e Científicos Ltda. → LTC
Editora Edgard Blucher Ltda. → E. Blucher
Editora Atlas S.A. → Atlas

 Quando houver duas ou mais editoras de um mesmo local, empregar dois pontos:

Ex.: CHÉR, R. Empreendedorismo na veia. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier: SEBRAE, 2014.
 Se não houver editora, utilizar a expressão sine nomine, abreviada, entre colchetes [s. n.].

Ex.: Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. Especificações gerais para obras rodoviárias. Brasília, DF:
[s.n.], 1971.

5.2.4.3 Data

Quando houver dúvidas quanto à data:

 [2001?] Data provável.


 [201 -] Para década certa.
 [2013] Data certa, não indicada na fonte principal da obra
24

 [19 --] Para século certo.


 [18 --?] Para século provável.

Obs: Na ausência do local, editora e ano, abrir colchetes:

Ex: [S.l.: s.n., 20--].


[S.l.: s.n.], 1990.
Rio de Janeiro: [s.n., 19--].

5.3 ORDEM DOS ELEMENTOS DE REFERÊNCIA2

5.3.1 Monografia: livro e/ou folheto, manual, guia, catálogo, relatório, anuário estatístico, censo,
enciclopédia, dicionário, etc.

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título. Edição. Local: editora, ano.

Ex.: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5410: instalações elétricas em baixa tensão. ABNT:
Rio de Janeiro. 2004.
AZEVEDO NETTO, J. M. de. Manual de hidráulica. 8. ed. São Paulo: E. Blucher, 1998.
COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO (São Paulo). Bacia hidrográfica do Ribeirão
Pinheiros: relatório técnico. São Paulo: CETESB, 1994.

5.3.1.1 Em meio eletrônico3

Acrescentar à obra a descrição física do meio eletrônico (CD-ROM entre outros) ou, se for on line,
adicionar as expressões “Disponível em:”, seguida do endereço eletrônico e “Acesso em:”, seguida da
data de acesso.

Ex.: HOUAISS, A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. Versão 1.0.
1 CD-ROM.
COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. (São Paulo). Inventário estadual de resíduos sólidos
urbanos 2015. Coordenação: C. K. Iwai e M. H. P. L. Assumpção; equipe técnica: M. de S. Soares et al. São
Paulo: CETESB, 2016. Disponível em: http://residuossolidos.cetesb.sp.gov.br/wp-
content/uploads/sites/36/2013/11/inventario-RSD-2015.pdf Acesso em: 14 jul. 2017

5.3.1.2 Duas ou mais monografias de um mesmo autor.

Se duas ou mais obras de um autor estão na lista de referências, da segunda em diante substitui-se o
autor por um traço com seis espaços.

Ex.: SORIANO, H. L. Análise de estruturas: formulação matricial e implementação computacional. Rio de


Janeiro: Ciência Moderna, 2005.
______. Estática das estruturas. 2. ed. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2010.

2
Para referência a documentos não constantes nesse trabalho consultar NBR 6023 (ABNT, 2002a)
3
Não se recomenda referenciar material eletrônico de curta duração nas redes.
25

5.3.1.3 Com indicação de volume

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título. Edição. Local: editora, ano. Indicação de
volume ou o total de volumes.

Ex.: SENÇO, W. de. Manual de técnicas de pavimentação. São Paulo: Pini, 2005. v. 1. (volume citado)
BOSSI, A.; SESTO, E. Instalações elétricas. São Paulo: Hemus, 2002. 2 v. (total de volumes da obra)

5.3.1.4 Traduzida e sob revisão técnica

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título traduzido. Tradução de (autor da tradução).
Revisão técnica de: Local: editora, ano. Tradução de: Título no idioma original.

Ex.: GERE, J. M.; GOODNO, B. J. Mecânica dos materiais. Tradução: L. F. de C. Paiva e All tasks; revisão técnica:
M. L. Bittencourt e D. C. Zachariadis. São Paulo: Cengage Learning, 2010. Tradução de: Mechanics of
materials.

5.3.1.5 Parte de Monografia: capítulo, volume, fragmento e outras partes de uma obra, com
autor(es) e/ou título próprios.

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título do capítulo. In: SOBRENOME, Nome
(abreviado) do(s) autor(es). Título do livro. Edição. Local: editora, ano. p. inicial-final.

 Com autoria especial (autor do capítulo diferente do autor do livro)

Ex.: JOAQUIM, M. M.; RAMALHO, M. A.; CORREA, M. R. S. Flexão e flexo-compressão de elemento de


alvenaria estrutural. In: SÁNCHEZ FILHO, E. de S. (Org.). Alvenaria estrutural: novas tendências técnicas e de
mercado. Rio de Janeiro: Interciência: SENAI, 2002, p. 29-43.

 Sem autoria especial (quando o autor do livro for o mesmo do capítulo)

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título do capítulo. In: ______(traço com seis
espaços). Título do livro. Edição. Local: editora, ano. p. inicial-final

Ex.: SÁNCHEZ FILHO, E. de S. Dimensionamento de alvenaria não-armada pelo método das tensões
admissíveis. In: ______. (Org.). Alvenaria estrutural: novas tendências técnicas e de mercado. Rio de
Janeiro: Interciência: SENAI, 2002, p. 29-43.

 Em meio eletrônico on line

Acrescentar à obra as expressões “Disponível em:”, seguida do endereço eletrônico e “Acesso em:”,
seguida da data de acesso.

Ex.: SÃO PAULO (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Tratados e organizações ambientais em matéria de
meio ambiente. In: _____. Entendendo o meio ambiente. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente, 1999.
Disponível em: http://www.bdt.org.br/sma/entendendo/atual.htm. Acesso em: 8 mar. 1999.
26

5.3.1.6 Monografias acadêmicas: Trabalhos de Conclusão de Curso, Dissertações de Mestrado Teses


de Doutorado, Tese de Livre Docência, etc.

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título do trabalho. Ano. Número de folhas. Natureza
do trabalho (nível e área do curso) - Unidade de ensino, instituição, local, ano de defesa.

Ex.: SOUZA, S. L. A. Inspeção predial e a autovistoria. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em
Engenharia Civil) – Universidade Veiga de Almeida, Rio de Janeiro, 2016.
FURTINI. F. M. Estudo de cobertura para grandes vãos utilizando perfis tubulares. 2005. Dissertação
(Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2005.

 Em meio eletrônico on line

Acrescentar à obra as expressões “Disponível em:”, seguida do endereço eletrônico e “Acesso em:”,
seguida da data de acesso.

Ex.: RODRIGUES, M. A. F. Análise da injeção de fluidos alternativos ao vapor em reservatórios de óleo pesado.
2012. Tese (Doutorado em Ciência e Engenharia do Petróleo). UFRN, Natal, 2012. Disponível em:
https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/13019/1/MarcosAFR_TESE.pdf. Acesso em:
28/07/2017.

5.3.2 Publicação periódica: coleção do periódico como um todo, fascículo ou número do periódico,
número de jornal, caderno etc. na íntegra, e a matéria existente em um
número, volume ou fascículo de periódico (artigos científicos de revistas,
editoriais, matérias jornalísticas, seções e reportagens).

5.3.2.1 Publicação periódica como um todo

TÍTULO DA PUBLICAÇÃO, local, editor, datas de início e de encerramento da publicação.

Ex.: REVISTA CONCRETO & CONSTRUÇÕES. São Paulo: Instituto Brasileiro do Concreto, 1972-

5.3.2.2 Partes de periódico (volume, fascículo, números especiais e suplementos, entre outros, sem
título próprio)

TÍTULO DA PUBLICAÇÃO, local, editor, volume, fascículo, informações de períodos e datas de sua
publicação.

Ex.: REVISTA CONCRETO & CONSTRUÇÕES. São Paulo: Instituto Brasileiro do Concreto, v. 84, n. 4, out-dez.
2016.

5.3.2.3 Artigo em periódico: partes de publicações periódicas (volumes, fascículos, números especiais
e suplementos, com título próprio), comunicações,
editorial, entrevistas, recensões, reportagens, resenhas e
outros.

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es), título do trabalho, título da publicação, local, volume,
fascículo, página inicial e final, quando se tratar de artigo ou matéria, intervalo de publicação e ano.
27

Ex: GALVÃO JUNIOR, A. C.; PAGANINI, W. S. Aspectos conceituais da regulação dos serviços de água e esgoto
no Brasil. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 79 – 88, jan./mar. 2009.
 Em meio eletrônico on line

Acrescentar à obra expressões “Disponível em:”, seguida do endereço eletrônico e “Acesso em:”,
seguida da data de acesso.

Ex.: MEDEIROS JÚNIOR, R. A. et al. Avanço do ataque do ácido acético ao concreto - influência da idade de
exposição. Revista Eletrônica de Materiais e Processos, Campina Grande, v. 11, n. 1, maio-ago. 2016.
Disponível em: http://www2.ufcg.edu.br/revista-remap/index.php/REMAP. Acesso em: 21 fev. 2017.

5.3.3 Artigos de jornais impressos e em meio eletrônico on line

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título do artigo. Nome do jornal, local, dia mês e ano.
Caderno, página.

Ex: AZEVEDO, A. L. Brasil continua despreparado para desastres após tragédia de Mariana. O Globo, Rio de
Janeiro, 14 nov. 2016. Caderno Economia, p. 4.

 Em meio eletrônico on line

Acrescentar à obra as expressões “Disponível em:”, seguida do endereço eletrônico e “Acesso em:”,
seguida da data de acesso.

Ex.: SAFATLE, C. Meta de inflação vai ser de 4,25% em 2019. Valor Econômico, São Paulo, 16 jun. 2017.
Disponível em: http://www.valor.com.br/brasil/5006278/meta-de-inflacao-vai-ser-de-425-em-2019 Acesso
em 16 jun. 2017.

5.3.4 Documentos extraídos do meio eletrônico

5.3.4.1 Páginas da Internet

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título da página. Ano. Disponível em (endereço
eletrônico): Acessado em: (data de acesso).

Ex.: CORTÉS, L. Norma sobre revestimentos cerâmicos de fachadas e paredes externas é revisada e entra em
consulta nacional. 2017. Disponível em: http://construnormas.pini.com.br/engenharia-
instalacoes/noticias/norma-sobre-revestimentos-ceramicos-de-fachadas-e-paredes-externas-e-377263-
1.aspx. Acesso em: 15 mar. 2017

5.3.4.2 CD-ROM

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título. local: editora, ano. CD-ROM.

Ex: RIO DE JANEIRO. Prefeitura Municipal. Subsecretaria de Desenvolvimento Institucional. Organização básica
do poder executivo municipal. Rio de Janeiro: Unisys Brasil, 1996. CD-ROM.

5.3.5 Evento como um todo: atas, anais, resultados, resumos, proceedings, abstracts, entre outros.

NOME DO EVENTO, número do evento, ano, local. Anais... local: editora, ano. página inicial-final.
28

Ex.: CONGRESSO BRASILEIRO DE MECÂNICA DOS SOLOS E ENGENHARIA GEOTÉCNICA, 11, 1998, Brasília,
Anais... Brasília: ABMS, 1998, p. 203 - 212.

5.3.5.1 Em meio eletrônico on line

Acrescentar à obra as expressões “Disponível em:”, seguida do endereço eletrônico e “Acesso em:”,
seguida da data de acesso.

Ex.: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPE, 4, 1996, Recife. Anais eletrônicos...Recife: UFPE, 1996.
Disponível em: http://www.propesq.ufpe.br/anais/anais.htm Acesso em: 21 jan. 1997.

5.3.5.2 Trabalho publicado em evento

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título do trabalho. In: NOME DO EVENTO, número
do evento, ano, local. Anais...local: editora, ano. pág. inicial-final.

Ex.: NETO, J. B. S.; COUTINHO, R. Q. Caracterização, identificação e classificação de um solo residual de


gnaisse localizado no município de Machados – Pernambuco. CONGRESSO BRASILEIRO DE MECÂNICA DOS
SOLOS E ENGENHARIA GEOTÉCNICA,11, 1998, Brasília, Anais... Brasília: ABMS, 1998, p. 203 - 212.

5.3.6 Patente

Entidade coletiva responsável pelo documento. SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es).
Título, número da patente e datas (do período de registro).

Ex.: EMBRAPA. Unidade de Apoio, Pesquisa e Desenvolvimento de Instrumentação Agropecuária (São Carlos,
SP). Paulo Estevão Cruvinel. Medidor digital multissensor de temperatura para solos. BR n. PI 8903105-9,
26 jun. 1989, 30 maio 1995.

5.3.7 Documentos Jurídicos: Constituição, emendas constitucionais, textos legais infraconstitucionais,


como: lei complementar e ordinária, medida provisória, decreto em todas
as suas formas, resolução do Senado Federal) e normas emanadas das
entidades públicas e privadas como: ato normativo, portaria, resolução,
ordem de serviço, instrução normativa, comunicado, aviso, circular e
decisão administrativa.

5.3.7.1 Leis, Decretos, Portarias, etc...

JURISDIÇÃO. Lei nº ....., data completa. ementa. Título da publicação, local, volume, fascículo e data da
publicação. Nome da seção, página inicial e final.

Ex.: BRASIL. Decreto-lei n° 62.934, de 2 de julho de 1968. Regulamento do código de mineração. Diário Oficial
[da] República Federativa do Brasil, Brasília, D.F., 8 abr. 1998. Seção 1, pt. 1, p. 6009.

 Em meio eletrônico on line


29

JURISDIÇÃO. Lei nº ....., data completa. Ementa. Título da publicação, local, volume, data da publicação.
Acrescentar à obra as expressões “Disponível em:”, seguida do endereço eletrônico e “Acesso em:”,
seguida da data de acesso.

Ex.: BRASIL. Lei no 9.887, de 7 de dezembro de 1999. Altera a legislação tributária federal. Diário Oficial [da]
República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 8 dez. 1999. Disponível em:
http://www.in.gov.br/mp_leis/leis_texto.asp?ld=LEI%209887. Acesso em: 22 dez. 1999.

5.3.7.2 Jurisprudência (Acórdãos e demais Sentenças das Cortes ou Tribunais)

AUTOR (entidade coletiva responsável pelo documento). Nome da Corte ou Tribunal. Ementa (quando
houver). Tipo e número do recurso (apelação, embargo, habeas- corpus, mandado de segurança, etc.).
Partes litigantes (precedida da palavra Apelante/Apelada). Nome do relator precedido da palavra
"Relator". Local, data. Dados da publicação que publicou. Voto vencedor e vencido, quando houver.

Ex.: BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula no 14. In: ______. Súmulas. São Paulo: Associação dos
Advogados do Brasil, 1994. p.16.

BRASIL. Tribunal Regional Federal (5. Região). Apelação cível nº 42.441-PE (94.05.016-6). Apelante:
Edilemos Mamede dos Santos e outros. Apelada: Escola Técnica Federal de Pernambuco. Relator: juiz
Nereu Santos. Recife, 4 de março de 1997. Lex: Jurisprudência do STJ e Tribunais Regionais Federais, São
Paulo, v. 10, n. 103, p. 558-562, mar. 1998.

5.3.7.3 Portarias e Resoluções

AUTOR. (entidade coletiva responsável pelo documento). Tipo de documento, número e data (dia,
mês e ano). Ementa (quando houver). Dados da Publicação que publicou.

Ex.: CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA. Resolução CREA no 218, de 29 de


junho de 1973. Dispõe sobre discriminação das atividades das diferentes modalidades profissionais da
Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia. Leis, Decretos e Resoluções do Conselho Federal de
Engenharia, Arquitetura e Agronomia – CONFEA, Brasília. Disponível em: http://www.crea-rj.org.br/wp-
content/uploads/2012/09/Leis-e-Resoluções-2015.pdf. Acesso em 22 fev 2016.

5.3.7.4 Constituição

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 27. ed. São Paulo: Saraiva, 1991.

5.3.7.5 Código

BRASIL. Código de Mineração: e legislação correlata. 2. ed. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições
Técnicas, 2011.

5.3.8 Documento iconográfico: pintura, gravura, ilustração, fotografia, desenho técnico, diapositivo,
diafilme, material estereográfico, transparência, cartaz, entre outros.

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título (quando não existir, deve-se atribuir uma
denominação ou a indicação; Sem título, entre colchetes), data e especificação do suporte.
30

Ex.: DATUM CONSULTORIA E PROJETOS. Hotel Porto do Sol São Paulo: ar condicionado e ventilação mecânica:
fluxograma hidráulico, central de água gelada. 15 jul. 1996. Projeto final. Desenhista: Pedro. N. da obra:
1744/96/Folha 10.

5.3.8.1 Em meio eletrônico

Acrescentar à obra a descrição física do meio eletrônico (CD-ROM entre outros) ou, se for on line,
adicionar as expressões “Disponível em:”, seguida do endereço eletrônico e “Acesso em:”, seguida da
data de acesso.

Ex.: ESTAÇÃO da Cia. Paulista com locomotiva elétrica e linhas de bitola larga. 1 fotografia, p&b. In: LOPES, E.
L. V. Memória fotográfica de Araraquara. Araraquara: Prefeitura do Município, 1999. 1 CD-ROM.

5.3.9 Documento cartográfico: atlas, mapa, globo, fotografia aérea entre outros.

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título, local, editora, data de publicação, designação
específica e escala.

Ex.: INSTITUTO GEOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO (São Paulo, SP). Projeto Lins Tupã: foto aérea. São Paulo,1986.
1 fotografia aérea. Escala 1:35.000. Fx 28, n. 15.
LANDSAT TM 5: imagem de satélite. São José dos Campos: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 1987-
1988. 1 fotografia aérea. Escala 1:100.000. Canais 3, 4 e composição colorida 3, 4 e 5.

5.3.9.1 Em meio eletrônico

Acrescentar à obra a descrição física do meio eletrônico (CD-ROM entre outros) ou, se for on line,
adicionar as expressões “Disponível em:”, seguida do endereço eletrônico e “Acesso em:”, seguida da
data de acesso.

Ex.: ESTADOS UNIDOS. National Oceanic and Atmospheric Administration. 1999071318.GIF. Itajaí: UNIVALI,
1999. 1 imagem de satélite. 557 Kb. GOES-08: SE. 13 jul. 1999, 17:45Z, IR04. CD-ROM.
FLORIDA MUSEUM OF NATURAL HISTORY. 1931-2000 Brazil’s confirmed unprovoked shark attacks.
Gainesville, [200?]. 1 mapa, color. Escala 1:40.000.000. Disponível em:
http://www.flmnh.ufl.edu/fish/Sharks/ statistics/Gattack/map/Brazil.jpg . Acesso em: 15 jan. 2002.

5.3.10 Documento de acesso exclusivo em meio eletrônico: bases de dados, listas de discussão, BBS
(site), arquivos em disco rígido,
programas, conjuntos de programas
entre outros.

SOBRENOME, Nome (abreviado) do(s) autor(es). Título do serviço ou produto. Versão (se houver).
Local: editor(a). Acrescentar à obra a descrição física do meio eletrônico (CD-ROM entre outros) ou,
se for on line, adicionar as expressões “Disponível em:”, seguida do endereço eletrônico e “Acesso
em:”, seguida da data de acesso.

Ex.: ORACLE. Version 8. Enterprise Edition for Windows. Redwood Shores: Oracle, 1998. 1 CD-ROM
Hidro. Versão 1.3.0. [S.l.]: Agência Nacional de Águas, 2001. Disponível em:
http://hidroweb.ana.gov.br/HidroWeb.asp?TocItem=6010 Acesso em: 14 jul. 2017.
31

6. ESTRUTURA DE UM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

A estrutura de um trabalho de conclusão de curso compreende: parte externa e parte interna (ABNT,
2011). Com a finalidade de orientar os usuários, a disposição de elementos é dada no quadro 1.

A parte externa é composta da capa. A interna compõe-se dos elementos pré-textuais, que antecedem
o texto com informações que ajudam na identificação e utilização do trabalho; de elementos textuais,
que são as partes nas quais expõem-se o conteúdo do trabalho; e de em elementos pós-textuais, que
são as partes que sucedem o texto e complementam o trabalho.

A seguir são apresentados os elemento e suas características. No Apêndice A há um modelo do


trabalho de conclusão.

Quadro 1 – Estrutura do trabalho acadêmico

Estrutura Elementos da Monografia


Capa
Folha de rosto
Errata (opcional)
Ficha catalográfica
Folha de aprovação
Dedicatória (opcional)
Agradecimentos (opcional)
Pré-textuais Epígrafe (opcional)
Resumo
Abstract
Lista de Ilustrações
Lista de Tabelas
Lista de Quadros
Lista de abreviaturas e siglas (opcional)
Lista de símbolos (opcional)
Sumário
Introdução
Referencial teórico
Textuais Materiais e métodos
Resultados e discussões
Conclusões
Recomendações (opcional)
Referências
Pós-textuais Apêndices (quando necessário)
Anexos (quando necessário)
Glossário (opcional)

Fonte: ABNT (2011b) modificado.


32

6.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

Os elementos pré-textuais compreendem uma parte do trabalho que antecede o texto (ABNT, 2011a).
Ela constitui de informações que ajudam na sua identificação e na utilização do trabalho.

6.1.1 Capa (Elemento obrigatório)

Deve seguir as seguintes informações:


 nome da instituição;
 nome do autor;
 título do trabalho;
 local (cidade);
 ano.

6.1.2 Folha de Rosto (Elemento obrigatório)

É a folha que contém os elementos essenciais para a identificação do trabalho (ABNT, 2011a). Nela
deve constar as seguintes informações:

 nome da instituição;
 nome do autor;
 título do trabalho, subtítulo (se houver);
 número de volumes (se houver mais de um);
 natureza do trabalho (trabalho de conclusão de curso e objetivo (aprovação em disciplina e
grau pretendido). Esse conjunto deve escrito do meio da mancha até a margem direita.
 nome da Instituição, área de concentração;
 nome do orientador;
 local (cidade), ano.

6.1.3 Ficha catalográfica (Elemento obrigatório)

É uma ficha que contém as informações bibliográficas necessárias para identificar e localizar
um livro ou outro documento no acervo de uma biblioteca. Ela deve constar no verso da folha de rosto
e ser elaborada de acordo com técnicas bibliotecárias. Em geral contem: nome do autor, título do
trabalho, natureza do trabalho, orientador, local e ano

6.1.4 Errata (Elemento opcional)

É uma lista de erros de grafia ou de outra natureza verificados após a impressão da obra, com as
devidas correções e a indicação das páginas e linhas que aparecem (ABNT, 2011a). Deve ser inserida
logo após a folha de rosto, constituído pela referência da publicação e pelo texto da errata.
Apresentada em papel avulso ou encartado, acrescida ao relatório depois de impresso.

6.1.5 Folha de aprovação (Elemento obrigatório)

É a folha que contém os elementos essenciais a aprovação do trabalho (ABNT, 2011a). Nela devem
constar as seguintes informações:
33

 nome do autor;
 título do trabalho e subtítulo (se houver);
 natureza do trabalho (trabalho de conclusão de curso e objetivo (aprovação em disciplina e
grau pretendido). Esse conjunto deve escrito do meio da mancha até a margem direita.
 Data de aprovação;
 nome do orientador;
 local (cidade), ano.

6.1.6 Resumo na língua vernácula (Elemento obrigatório)

É a apresentação concisa (de 150 a 500 palavras) dos pontos relevantes de um texto, fornecendo uma
visão rápida e clara do conteúdo e das conclusões do trabalho, conforme NBR 6028 (ABNT, 2003c).
Deve-se empregar, sempre que possível, o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular.

As palavras-chave devem figurar logo abaixo do resumo, antecedidas da expressão: “Palavras-chave”,


separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto.

Como contar palavras?

Ela é útil no dimensionamento do resumo. Entre em REVISÃO > Contar Palavras.

6.1.7 Resumo em língua estrangeira (Elemento obrigatório)

É a versão do resumo para um idioma de divulgação internacional, segundo NBR 6028 (ABNT, 2003c).
Ele deve ser diagramado como o resumo (abstract) e apresentado em página própria imediatamente
após o resumo em língua vernácula.

6.1.8 Dedicatória (Elemento opcional)

É uma homenagem que o autor presta a alguém (ABNT, 2011a).


34

6.1.9 Agradecimentos (Elemento opcional)

É o texto no qual o autor faz agradecimentos dirigidos àqueles que contribuíram de maneira relevante
à elaboração do trabalho (ABNT, 2011a).

6.1.10 Epígrafe (Elemento opcional)

Consiste, segundo NBR 10520 (ABNT, 2002b), em um texto no qual o autor apresenta uma citação,
seguida da indicação de autoria, relacionada com a matéria tratada no corpo do trabalho.

6.1.11 Sumário (Elemento obrigatório)

Consiste na enumeração das divisões, seções e outras partes do trabalho, na mesma ordem e grafia
em que a matéria nesse se sucede, de acordo com a NBR 6027 (ABNT, 2003b). Além disso devem ter
as seguintes características:

 A numeração é feira por algarismos arábicos;


 O indicativo da seção deve ser alinhado na margem esquerda, precedendo o título, dele
separado por um espaço;
 Não se utilizam pontos, hífen, travessão ou qualquer sinal após o indicativo de seção ou de
título;
 Deve-se limitar a numeração progressiva da seção até a seção quinária;
 Os elementos pré-textuais não podem constar no sumário;
 Quando houver mais de um volume, deve ser incluído o sumário de toda a obra em todos os
volumes;

Como delinear o trabalho em tópicos?

Para iniciar o trabalho escrito deve-se criar uma sequência em tópicos que serão abordados nos trabalhos. O
word traz essa função automatizada (EXIBIÇÃO > Estrutura em Tópicos), permitindo grande facilidade na
mudança da posição relativa das partes do texto e a numeração automática e hierarquizada das subdivisões.

Partes do texto podem ser eliminadas usando os sinais de (-) e (+).


35

Como criar um sumário automático?

Abra o Word e pule a primeira página, pois nela ficará o sumário. Na segunda página escreva, seguindo a
sequência na qual aparecerão no texto, os títulos das seções e subseções do trabalho.

Na ‘PÁGINA INICIAL’ com o cursor a frente de cada título, clique em Título 1 (no exemplo abaixo para as seções
1, 2 e 3). Depois com o cursor a frente dos subtítulos, clique em ‘Título 2’ (No exemplo para as subseções 3.1,
3.2 e 3.3).

Retorne a primeira página e ponha o cursor no alto da mesma. Em seguida, entre em ‘REFERÊNCIAS’ clique
em ‘Sumário’. Escolha o sumário automático 1 ou 2.
36

O Sumário Automático aparecerá no alto da primeira página. Em seguida, faça a formação de estilo e de
tamanho das fontes. Durante a confecção do trabalho, quando houver quaisquer modificações de título de
seção ou de numeração das páginas, o sumário deverá ser atualizado antes de fechar o documento.
37

6.1.12 Lista de Ilustrações (Elemento opcional)

É uma lista que relaciona desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas,
organogramas, plantas, quadros, retratos e outros, de uma obra. É elaborada de acordo com a ordem
apresentada, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número
da página ou folha.

Elaboração de listas automáticas

O processador de texto numera as listas automaticamente; basta selecionar a lista e clicar o botão
apropriado na barra de ferramentas (PÁGINA INICIAL > Biblioteca de numeração).

Caso seja necessário colocar uma lista em ordem alfabética, deve-se lançar mão de uma tabela (INSERIR >
Adicionar uma tabela). Em seguida use o recurso classificar (Tabela > classificar)

6.1.13 Lista de tabelas (Elemento opcional)

Quando um texto tem muitas tabelas, elabora-se uma lista das mesmas, de acordo com a ordem
apresentada na obra. Com cada tabela deve ser designada por seu nome específico, acompanhada do
respectivo número da página ou folha.

6.1.14 Lista de abreviaturas e siglas (Elemento opcional)

É uma relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no relatório, seguidas das palavras ou
expressões correspondentes grafadas por extenso.

6.1.15 Lista de símbolos (Elemento opcional)

Consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no relatório, seguidas das palavras
ou expressões correspondentes grafadas por extenso.
38

6.2 ELEMENTOS TEXTUAIS

O texto compõe-se de uma parte introdutória, que contém a problemática, os objetivos, as hipóteses
e as justificativas; o desenvolvimento, dentro do qual a pesquisa é detalhada e os resultados são
apresentados; e as considerações finais, nas quais devem constar as conclusões tiradas a partir do
trabalho (ABNT, 2011b).

6.2.1. Introdução (O que se estudou? Para que? Por que?)

Essa seção deve ser redigida por último. Nela deve-se fazer um resumo do referencial teórico do
trabalho, no qual deve conter a delimitação do tema, a exposição da problemática e a contribuição
que o trabalho de investigação pretende dar para a resolução da mesma. Após isso, deve-se expor os
objetivos geral e específicos, a(s) hipótese(s) de trabalho (se houver) e a(s) justificativa(s) do trabalho.
Ao final deve-se fazer uma breve descrição das partes do trabalho que virão após a introdução.

6.2.2 Desenvolvimento

6.2.2.1 Referencial teórico (O que já se sabe em relação a problemática?)

Aqui faz-se um panorama do estado atual do conhecimento do tema, as suas bases conceituais e as
lacunas que o trabalho de investigação pretende preencher. As idéias que emergiram durante a
elaboração do texto devem ser desdobradas em subtítulos, que variam com o tema abordado. Os
subtítulos devem desdobrar-se segundo uma ordem lógica.

6.2.2.2 Metodologia (Como, onde e quando foi feito o trabalho?)

Nessa seção descreve-se os materiais utilizados (planta topográfica, amostras de concreto, solo ou
rocha, bando de dados, etc.), assim como recursos utilizados (equipamentos, ferramentas, softwares
e etc.), se for o caso. Descreve-se também os métodos utilizados, a estratégia de amostragem ou de
monitoramento, o delineamento experimental, os testes estatísticos ou os cenários testados, quando
houver.

6.2.2.3 Resultados e discussões (Como interpretar o que foi constatado? Qual a sua relação com o que
já se sabia a respeito da problemática?)

É a seção na qual se descreve os resultados confrontando-os com os estudos prévios. É, portanto,


dominada pela descrição e discussão de fatos, entremeada de interpretações pontuais, de modo a
esclarecer a opinião do autor diante de questões levantadas no referencial teórico. Nela é importante
abordar tanto os resultados positivos quanto os negativos.

6.2.3 Conclusão (O objetivo foi atingido? O que se pode concluir a partir do que foi constatado?)

Nessa seção expõe-se, de forma concisa, os argumentos, como resultados lógicos da interpretação
dos resultados, e onde se quis chegar com os mesmos. Portanto, a conclusão não configura um resumo
dos resultados do trabalho. As conclusões devem ser confrontadas com o objetivo do trabalho e
devem apontar caminhos para despertar novas questões e dúvidas, de modo a inserir o trabalho no
fluxo da busca científica.
39

6.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

6.3.1 Referências (Elemento obrigatório)

Elas são um conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento, que permite
a sua identificação individual. Elas devem ser elaboradas de acordo com NBR 6023 (ABNT, 2002a). Ver
detalhes no cap. 4 da presente obra.

6.3.2 Glossário (Elemento opcional)

Relação de palavras ou expressões técnicas de uso restrito ou de sentido obscuro, utilizadas no texto,
acompanhadas das respectivas definições. É elaborado em ordem alfabética.

6.3.3 Apêndice (Elemento opcional)

Texto ou documento elaborado pelo autor a fim de complementar sua argumentação, comprovação
e ilustração. Deve ser precedido da palavra APÊNDICE, identificado por letras maiúsculas consecutivas,
travessão e pelo respectivo título.

6.3.4 Anexo (Elemento opcional)

Texto ou documento não elaborado pelo autor a fim de complementar sua argumentação, sem
prejuízo da unidade nuclear do trabalho. Deve ser precedido da palavra ANEXO, identificado por letras
maiúsculas consecutivas, travessão e pelo respectivo título.

6.3.5 Índice (Elemento opcional)

Elaborado de acordo com a NBR 6034 (ABNT, 2004).


40

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e documentação –


Referências – Elaboração. Rio de Janeiro, 2002a.
______. NBR 10520: Informação e documentação – Apresentação de citações em documentos. Rio
de Janeiro, 2002b.
______. NBR 6024: Informação e documentação – Numeração progressiva das seções de um
documento – Apresentação. Rio de Janeiro, 2003a.
______. NBR 6027: Informação e documentação – Sumário – Apresentação. Rio de Janeiro, jan.
2003b.
______. NBR 6028: Informação e documentação – Resumos – Apresentação. Rio de Janeiro, 2003c.
______. NBR 6034: Informação e documentação – Índice – Apresentação. Rio de Janeiro, 2004.
______. NBR 14724: Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação. 3. ed. Rio
de Janeiro, 2011a.
______. NBR 15287: Informação e documentação – Projeto de pesquisa – Apresentação. 2. ed. Rio
de Janeiro, 2011b.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Normas de Apresentação Tabular. 3. ed. Rio de
Janeiro: IBGE, 1993.
CARVALHO, G. N. Norma ABNT NBR 15575 (2013): Edificações habitacionais: Desempenho. 2016.
Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade Veiga de Almeida,
Rio de Janeiro.
MEDEIROS, J. B. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 11 ed. São Paulo:
Atlas, 2012.
RAMALHO, R. P. Processo de certificação LEED nas obras do estádio do Maracanã. 2016. Trabalho de
Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade Veiga de Almeida, Rio de
Janeiro.
SPECTOR, N. Manual para a redação de teses, projetos de pesquisa e artigos científicos. 2. ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
41

APÊNDICE – A
Modelo de TCC

GABRIEL NEUSTADT DE CARVALHO

Fonte 12

NORMA ABNT 15575 (2013): Edificações habitacionais - Desempenho

2017 Fonte 12
Rio de Janeiro - RJ
42

GABRIEL NEUSTADT DE CARVALHO

Fonte 12

NORMA ABNT 15575 (2013): Edificações habitacionais - Desempenho

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado


como requisito para a aprovação na disciplina
de TCC2 e conclusão do curso de Engenharia
Civil da Universidade Veiga de Almeida.

Orientador: Prof. Dr.:

Fonte 12

2017
Rio de Janeiro - RJ
43

ERRATA (Quando necessário)

CARVALHO, G. N. de. NORMA ABNT 15575 (2013): Edificações habitacionais – Desempenho.


Rio de Janeiro: UVA, 2016.

Onde se lê Leia-se
p. 32 linha 3: publiacao publicação
44

FICHA CATALOGRÁFICA

Carvalho, Gabriel Neustadt de

NORMA ABNT 15575 (2013): Edificações habitacionais –


Desempenho. Trabalho de conclusão de curso sob
orientação do Prof. Xxxx – Rio de Janeiro: Universidade
Veiga de Almeida, 2017. 67 f.

ISBN 978-85-224-337770-x

1. Norma 2. Desempenho 3. Empreendimento.


1. Universidade Veiga de Almeida

05-2903 CDD-808-1
45

GABRIEL NEUSTADT DE CARVALHO

Fonte 12

NORMA ABNT 15575 (2013): Edificações habitacionais - Desempenho

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado como requisito para a
aprovação na disciplina de TCC2 e conclusão
do curso de Engenharia Civil da Universidade
Veiga de Almeida.

Orientador:
Instituição por extenso:

Fonte 12
Componente da Banca:
Instituição por extenso:

Componente da Banca:
Instituição por extenso:

Rio de Janeiro, de de

2017
Rio de Janeiro - RJ
46

“A Deus por ter aberto as portas e mostrado o caminho.


Quem me sustentou nos caminhos mais difíceis.”
47

Lembremos a recomendação de Bacon ao leito: ”Leia, não para


contradizer ou refutar, nem para acreditar como verdade indiscutível, nem
para ter assunto para conversa, mas para pesar e considerar”(ADLER;
DOREN, 1990, p 117).
48

RESUMO

O presente trabalho visou a apresentação dos conceitos e critérios, aplicabilidade e


obrigatoriedade da norma ABNT NBR 15575 (2013) – Edificações Habitacionais: Desempenho. A
revisão de 2013 da NBR 15575 determinou parâmetros, exigências, critérios e métodos de
avaliação para diversos aspectos de desempenho e conforto de uma edificação residencial que
antes não possuía clareza e gerava reclamações de moradores e usuários destas edificações.....

Palavras-chave: Norma. Desempenho. Empreendimento. Usuário


49

ABSTRACT

This study aims to present the concepts, criteria, applicability, and enforceability of ABNT NBR
15575 (2013) – Building Housing: Performance. The NBR 15575 2013 review went on to determine
parameters, requirements, criteria, and evaluation methods for various aspects of performance
and confort of a residential building that previously lacked clarity and generated complains from
users of those buildings.....

Keywords: Norm. Performace. Emterprise. Users.


50

LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Pág.

Figura 1 – Diagrama de desempenho x Tempo com manutenção periódica............................ 29

Figura 2 – Gráfico: Carga x Deslocamento................................................................................. 49

Figura 3 – Ensaio de Impacto de Corpo Mole............................................................................ 50

Figura 4 – Camadas de sistema de piso..................................................................................... 60

Figura 5 – ensaio de Impacto em guarda corpos....................................................................... 77


51

LISTA DE TABELAS

Pág

Tabela 1 – Prazos de garantia conforme NBR 15575................................................................ 20

Tabela 2 – Valores da vida útil de projeto por parte da edificação.......................................... 26

Tabela 3 – Níveis de Iluminância............................................................................................... 35

Tabela 4 – Valores do fator luz diurna....................................................................................... 37

Figura 5 – Níveis de iluminamento para iluminação artificial................................................... 38


52

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas

Fil. - Filosofia

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Inmetro - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial


53

LISTA DE SÍMBOLOS

γn – Peso específico natural do solo

µ - Viscosidade dinâmica do fluido

d – densidade relativa

γw – Peso específico da água a 4 oC

σ’ – Tensão efetiva
54

SUMÁRIO
Pág

1 INTRODUÇÃO.......................................................................................................................... 13

2 APLICABILIDADE DA NORMA NBR 15757 (ABNT, 2013).......................................................... 16

3 RESPONSABILIDADES DE CADA ATOR ENVOLVIDO................................................................ 18


3.1 INCORPORADOR........................................................................................................................ 18
3.2 CONSTRUTOR E/OU INCORPORADOR............................................................................................. 18
3.3 FORNECEDOR DE INSUMO, MATERIAL............................................................................................ 19

4 MATERIAIS E MÉTODOS.......................................................................................................... 30

5 RESULTADOS E DISCUSSÕES................................................................................................... 42

6 CONCLUSÕES.......................................................................................................................... 57

7 REFERÊNCIAS.......................................................................................................................... 59

APÊNDICE................................................................................................................................... 67

ANEXO........................................................................................................................................ 72
55

APÊNDICE – A

Projeto de Arquitetura Aprovado- Empreendimento Residencial da Avenida 24 de Maio, Riachuelo


– Incorporadora Performance Empreendimentos
56

ANEXO – A

Ensaios de Impacto em guarda corpos


57

GLOSSÁRIO

Abreviaturas: Representação de uma palavra por meio de alguma(s) de suas sílabas ou letras.
Agradecimento(s): Folha onde o autor faz agradecimentos dirigidos àqueles que contribuíram de
maneira relevante à elaboração do trabalho.
Alínea: Cada uma das subdivisões de um documento, indicada por uma letra minúscula e seguida de
parênteses.
Anexo: Texto ou documento não elaborado pelo autor, que serve de fundamentação, comprovação e
ilustração.
Apêndice: Texto ou documento elaborado pelo autor, a fim de complementar sua argumentação, sem
prejuízo da unidade nuclear do trabalho.
Autor: Pessoa(s) física(s) responsável(eis) pela criação do conteúdo intelectual ou artístico de um
documento.
Autor(es) Entidade(s): Instituição(ões), organização(ões), empresa(s), comitê(s), comissão(ões),
evento(s), entre outros, responsável(eis) por publicações em que não se distingue
autoria pessoal.
Capa: Proteção externa do trabalho e sobre a qual se imprimem as informações indispensáveis à sua
identificação.
Capítulo, seção ou parte: Divisão de um documento, numerado ou não.
Citação: Menção, no texto, de uma informação extraída de outra fonte.
Citação direta: Transcrição textual de parte da obra do autor consultado.
Citação de citação: Citação direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original.
Citação indireta: Texto baseado na obra do autor consultado.
Dedicatória(s):Folha onde o autor presta homenagem ou dedica seu trabalho.
Documento: Qualquer suporte que contenha informação registrada, formando uma unidade, que
possa servir para consulta, estudo ou prova. Inclui impressos, manuscritos, registros
audiovisuais, sonoros, magnéticos e eletrônicos, entre outros.
Edição: Todos os exemplares produzidos a partir de um original ou matriz. Pertencem à mesma edição
de uma obra todas as suas impressões, reimpressões, tiragens etc., produzidas diretamente ou
por outros métodos, sem modificações, independentemente do período decorrido desde a
primeira publicação.
Editora: Casa publicadora, pessoa(s) ou instituição responsável pela produção editorial. Conforme o
suporte documental, outras denominações são utilizadas: produtora (para imagens em
movimento), gravadora (para registros sonoros), entre outras.
Obs: Não confundir com a designação do editor, utilizada para indicar o responsável intelectual
ou científico que atua na reunião de artigos para uma revista, jornal etc. ou que coordena ou
organiza a preparação de coletâneas.
Elementos pós-textuais: Elementos que complementam o trabalho.
58

Elementos pré-textuais: Elementos que antecedem o texto com formações que ajudam na
identificação e utilização do trabalho.
Elementos textuais: Parte do trabalho em que é exposta a matéria.
Entidade: pessoa jurídica constituída para fins específicos
Epígrafe: Folha onde o autor apresenta uma citação, seguida de indicação de autoria, relacionada com
a matéria tratada no corpo do trabalho.
Errata: Lista das folhas e linhas em que ocorrem erros, seguidas das devidas correções. Apresenta-se
quase sempre em papel avulso ou encartado, acrescido ao trabalho depois de impresso. Folha
de aprovação: Folha que contém os elementos essenciais a aprovação do trabalho.
Folha: papel com formato definido composto de duas faces, anverso e verso
Folha de rosto: Folha que contém os elementos essenciais a identificação do trabalho.
Glossário: Relação de palavras ou expressões técnicas de uso restrito ou de sentido obscuro, utilizadas
no texto, acompanhadas das respectivas definições.
Ilustração: Desenho, gravura, imagem que acompanha um texto.
Indicativo de seção: Número ou grupo numérico que antecede cada seção do documento.
Índice: Lista de palavras ou frases, ordenadas, segundo determinado critério, que localiza e remete
para as informações contidas no texto.
Monografia: Item não seriado, isto é, item completo, constituído de uma só parte, ou que se pretende
completar em um número preestabelecido de partes separadas.
Notas de referência: Notas que indicam fontes consultadas ou remetem a outras partes da obra onde
o assunto foi abordado.
Notas de rodapé: Indicações, observações ou aditamentos ao texto feitos pelo autor, tradutor ou
editor, podendo também aparecer na margem esquerda ou direita da mancha
gráfica.
Notas explicativas: Notas usadas para comentários, esclarecimentos ou explanações, que não possam
ser incluídos no texto.
Página: cada uma das faces de uma folha.
Publicação periódica: Publicação em qualquer tipo de suporte, editada em unidades físicas sucessivas,
com designações numéricas e/ou cronológicas e destinada a ser continuada
indefinidamente. Obs: Não confundir com “coleção” ou “série editorial”, que
são recursos criados pelos editores ou pelas instituições responsáveis, para
reunir conjuntos específicos de obras que recebem o mesmo tratamento
gráfico-editorial (formato, características visuais e tipográficas, entre outras)
e/ou que mantêm correspondência temática entre si. Uma coleção ou série
editorial pode reunir monografias (por exemplo: Coleção Primeiros Passos, Série
Nossos Clássicos, Série Literatura Brasileira, Série Relatórios) ou constituir
publicação editada em partes, com objetivo de formar futuramente uma
coleção completa (por exemplo: Série Século XX, Série Bom Apetite, entre
outras).
59

Referência: Conjunto padronizado de elementos descritivos retirados de um documento, que permite


sua identificação individual.
Resumo em língua estrangeira: Versão do resumo para idioma de divulgação internacional.
Resumo na língua vernácula: Apresentação concisa dos pontos relevantes de um texto, fornecendo
uma visão rápida e clara do conteúdo e das conclusões do trabalho.
Seção: Parte em que se divide o texto de um documento, que contém as matérias consideradas afins
na exposição ordenada do assunto.
Seção primária: Principal divisão do texto de um documento.
Seções secundária, terciária, quaternária, quinária: Divisão do texto de uma seção primária,
secundária, terciária, quaternária, respectivamente.
Sigla: Reunião das letras iniciais dos vocábulos fundamentais de uma denominação ou título.
Símbolo: Sinal que substitui o nome de uma coisa ou de uma ação.
Subalínea: Subdivisão de uma alínea.
Subtítulo: Informações apresentadas em seguida ao título, visando esclarecê-lo ou complementá-lo,
de acordo com o conteúdo do documento.
Sumário: Enumeração das principais divisões, seções e outras partes do trabalho, na mesma ordem e
grafia em que a matéria nele se sucede.
Tabela: Forma não discursiva de apresentar informações das quais o dado numérico se destaca como
informação central. Elemento demonstrativo de síntese que constitui unidade autônoma.
Título: Palavra, expressão ou frase que designa o assunto ou o conteúdo de um documento.
Volume: unidade física do trabalho.