Sie sind auf Seite 1von 5

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO

TRIBUTÁRIO

AGUINALDO MATHEUS ALVES BURATI

MÓDULO II

AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA, ANULATÓRIA,


CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO, EMBARGOS À
EXECUÇÃO E EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE

SEMINÁRIO III

PRESIDENTE
Paulo de Barros Carvalho

COORDENADOR
Marcelo de Lima Castro Diniz

LONDRINA-PR, 10 DE AGOSTO DE 2019


Questões
1. Quanto à ação declaratória de inexistência de relação
jurídica tributária, pergunta-se:
a) Quando nasce o interesse processual para sua
propositura? O manejo do referido instrumento processual
em momento anterior à constituição do crédito configura
questionamento de “lei em tese”?
- O interesse processual nasce diante da instituição do tributo,
existindo interesse de agir por parte do demandante em relação a um
possível evento que venha acontecer ensejando na incidência do
tributo ora combatido pela ADIRJ, se precavendo assim o
demandante.

- Configura-se um questionamento a lei no que se refere a sua


incidência diante da “possível” aplicabilidade em um evento
determinável praticado pelo contribuinte, sabe-se que diante da
inexistência de crédito o que se tem é apenas possibilidade de um
evento que terá um consequente enquadrado na hipótese da norma
jurídica ora combatido.

b) Há interesse jurídico na sua propositura após a


expedição do ato constitutivo do crédito tributário? Em caso
afirmativo, quais seriam os efeitos da referida tutela
jurisdicional? (Vide anexos I e II)
- Não, sabe-se que a partir da constituição do crédito não existe
interesse em declarar a inexistência de relação jurídico tributária,
mas sim de anular o crédito existente.

2. Quanto à ação anulatória de débito fiscal, pergunta-se:


a) É viável a propositura de ação anulatória para
desconstituição de relação jurídica constituída pelo próprio
contribuinte por meio de DCTF, cujo recolhimento do tributo
ainda não tenha ocorrido?
- É viável, no exemplo em tela nota-se que não houve recolhimento
do tributo, no entanto, não há qualquer distinção entre as obrigações
constituídas por lançamento ou autolançamento, sendo ambos os
casos veículos introdutores de norma jurídica individual e concreta
passível de anulação.

b) E para a desconstituição de crédito tributário inserido em


parcelamento, onde houve confissão da dívida por parte do
contribuinte? Em caso de resposta positiva, indaga-se:
qualquer tipo de questão poderá ser objeto desta ação
anulatória (questões de fato e/ou questões de direito)?
- A confissão da dívida realizada para o fim de parcelamento tributário
não é impedimento para discussão do conteúdo objeto do
parcelamento, inclusive, o questionamento em tela já foi discutido
pelo STJ no Recurso Especial n.º 927097.

- Nem toda questão será objeto de discussão, esse é o entendimento


de Leandro Paulsen, que explica que a confissão de dívida tem um
valor, e que o valor faz referencia aos fatos, assim, haverá discussão
de matéria de direito, vejamos:

"isso não significa que a confissão seja desprovida de


valor. Terá valor, sim, mas quanto aos fatos, que não
poderão ser infirmados por simples reconsideração do
contribuinte, mas apenas se demonstrado vício de
vontade. A irrevogabilidade e a irretratabilidade terá
apenas essa dimensão. Assim, e.g., se confessada dívida
relativamente a contribuição sobre o faturamento, será
irrevogável e irretratável no que diz respeito ao fato de
que houve, efetivamente, o faturamento no montante
consignado; entretanto, se a multa era ou não devida, se
a legislação era ou não válida, são questões que poderão
ser discutidas" (PAULSEN, Leandro. Direito Tributário:
Constituição e Código Tributário à luz da doutrina e da
jurisprudência, Livraria do Advogado, 9ª ed. p. 608).

c) Qual o prazo prescricional para a ação anulatória de


débito fiscal? É possível ingressar com ação anulatória de
débito após a propositura da ação executiva fiscal? E após o
transcurso do prazo para apresentação dos embargos à
execução?
- O prazo prescricional é de 05 anos contados a partir do lançamento.
Sim, é possível ingressar com ação anulatória após propositura da
ação executiva, desde que não haja atingido prescrição.

d) O depósito do valor do débito fiscal discutido na ação


anulatória é condição dessa específica ação?
- Não, o depósito do valor do débito fiscal não é requisito para propor
ação anulatória.

3. Que relações podem existir entre as ações anulatória de débito,


executiva fiscal e embargos à execução: conexão, continência ou
prejudicialidade (ou nenhuma das alternativas)? Qual o juízo
competente para julgá-las? Deverão ser reunidas para julgamento
conjunto? Responder a essa pergunta, com base nas disposições do
código de processo civil de 2015 que tratam da modificação da
competência. (Vide anexos III e IV – aplicam-se tais precedentes?)

4. Você é procurado pela empresa AZT Foods do Brasil Ltda. em


função do seguinte caso que lhe foi colocado por ela:
CASO CONCRETO – Em função de sua atividade a empresa AZT
Foods do Brasil Ltda. está sujeita ao pagamento de determinado
tributo pela venda de seu produto. Nos últimos 3 anos, em função
de algumas dificuldades financeiras, ela não o pagou (e sequer
informou seus débitos ao Fisco), pretendendo fazê-lo agora por se
encontrar em melhores condições financeiras. Contudo, em função
do inadimplemento, a confissão do débito para fins “denúncia
espontânea” está sujeita a multa de 45%, cuja instituição por ato
normativo infralegal, de 45% do valor da operação (venda de seu
produto).
A AZT solicita um parecer em que você deverá apontar: (a) a
estratégia processual (a medida judicial ou medidas judiciais) a ser
adotada para a defesa dos seus interesses, devendo ser justificada a
opção da(s) medida(s), com a indicação do dispositivo de lei que
determina o seu cabimento; (b) o(s) fundamento(s) jurídico(s) que
poderá(ão) ser(em) utilizado(s) para afastar a exigência dessa multa
– causa de pedir; (c) o pedido da ação (ou ações); (c) o pedido da
ação (ou ações); (d) o efeito da sentença pretendido com a ação (ou
ações).
5. Quanto à exceção de pré-executividade, pergunta-se: (a) Em que
consiste a exceção de pré-executividade? É uma ação ou meio de
defesa? (b) Qual seu fundamento legal? (c) Há limite temporal no
processo executivo para o seu oferecimento? (d) E limite lógico-
processual para o seu oferecimento? (e) Quais matérias são
passíveis de arguição? (f) A oposição de exceção de pré-
executividade tem o condão de suspender o trâmite do processo de
execução? (g) A oposição de exceção de pré-executividade impede o
ajuizamento de embargos à execução fiscal? Ao responder justifique
suas respostas.
6. Na ação de consignação em pagamento, o que extingue a
obrigação tributária: (i) a consignação em pagamento; (ii) a
conversão em renda do valor consignado; (iii) a sentença que julga
procedente a ação de consignação em pagamento; (iv) a decisão
judicial de procedência da ação transitada em julgado?
Fundamente sua resposta.
7. Contribuinte sediado no Estado de São Paulo tem lavrado em seu
desfavor auto de infração de ICMS pelo Estado do Mato Grosso
(problemas atinentes à documentação fiscal que acompanhava a
mercadoria, bem como ao não destaque do diferencial de alíquotas
supostamente devido ao Estado do Mato Grosso). Inconformado com
essa situação, referido contribuinte lhe procura para que ajuíze ação
anulatória, questionando-se acerca do foro competente no qual deva
ser processada a referida ação. Apresente, de forma fundamentada,
sua resposta a esse questionamento, analisando a redação do
parágrafo único do artigo 52 do Código de Processo Civil.
8. Observadas as situações concretas abaixo descritas, identifique
o(s) instrumento(s) processual(is) judicial(is) adequado(s) para a
defesa dos interesses do sujeito passivo da obrigação tributária:
a) Exercício da competência tributária pelo ente político com a
edição e publicação da regra-matriz de incidência tributária, mas
antes da constituição da obrigação tributária;
b) Constituição da obrigação tributária sem que tenha havido a
intimação do sujeito passivo da obrigação tributária;
c) Dúvida a respeito do sujeito ativo da obrigação tributária;
d) Inscrição do crédito tributário em dívida ativa;
e) Constituição da obrigação tributária com a intimação do sujeito
passivo da obrigação tributária;
f) Ajuizamento de execução fiscal cobrando crédito tributário
prescrito;
g) O sujeito ativo da obrigação tributária está condicionando o
pagamento do tributo ao pagamento de uma multa instituída por
instrução normativa;
h) Intimação de penhora de bens nos autos de execução fiscal.