Sie sind auf Seite 1von 54

“EM CONTACTO”

PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS


PSICOLOGIA B

“EM CONTACTO”
Processos de relação entre os indivíduos e os
grupos
Fábio Silva nº5 12ºG

2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ERMESINDE


“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Índice
Introdução 3
Atracção e Intimidade 4
Como se pode definir a atracção? 6
Factores que influenciam a atracção 8
Proximidade 9
Familiaridade 11
Atracção física 11
Semelhanças interpessoais 13
Complementaridade 14
Reciprocidade 15
Qualidades positivas 15
O que se entende por intimidade? 16
Amizade 19
Amor 23
Agressão 27
Suicídio 30
Violência doméstica 31
Bullying 31
A origem da agressividade 32
Concepção de Freud 33
Concepção de Lorenz 34
Concepção de Dollard 34
Concepção de Bandura 35
Estereótipos, Preconceitos e Discriminação 38
Estereótipos 39
Estereótipo da beleza 41
Funções dos estereótipos 42
Preconceito 43
Discriminação 44
Conflito 50
Cooperação e relação 51
Conclusão 53

2
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

“Desde que nasce até que morre, o ser humano vive integrado no meio

social, aliás só sobrevive, porque vive em interacção com os outros num mundo

construído, modificado, que dá respostas às suas necessidades. Precisamos dos

outros para o nosso bem-estar físico e psicológico, somos decididamente

dependentes, precisamos que gostem de nós, precisamos da sua aprovação,

precisamos de sermos aceites pelos grupos. A presença dos outros, a sua

influência é uma constante no nosso pensamento e no nosso comportamento.”

Pinto, Alexandra Tolda – “Precisamos mesmo dos outros”


http://psicob.blogspot.com/2008/05/precisamos-mesmo-dos-outros.html

De que forma é que nos relacionamos com os outros e de que forma isso se
reflecte naquilo que somos, e como interiorizará o indivíduo cada experiencia, cada
momento passado em sociedade? Eis a questão que se coloca…

3
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

4
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

● ● ●
“A atracção interpessoal, preferência por determinado tipo de pessoas é produto
de um enredado romance entre as cognições e os afectos.

À pergunta: “ a aparência física é decisiva no seu relacionamento com o outro”, a


maior parte das pessoas, condizente com o politicamente correcto afirma que não, mas o
certo é que a beleza exterior desempenha um papel muito importante no comportamento
a ter com o outro.

Um dos motivos mais evidentes para isto é o facto de a beleza causar uma melhor
impressão inicial e consequentemente um aumento da auto-estima, pois a companhia de
uma pessoa fisicamente atraente favorece a posição social do indivíduo (temos que convir
que apesar do belo não ser sinal de qualidade é sinal de “pinta”, principalmente quando se
fala dos jovens) Da mesma forma, factores como a proximidade geográfica, as similaridades
interpessoais, a complementaridade das personalidades, a reciprocidade, entre muitos
outros nomeadamente, o respeito, a estima, a admiração explicam o que nos leva a preferir
certas pessoas e outras não.

Estudos realizados em residências universitárias mostram que relativamente ao


vizinho do andar de cima os companheiros de quarto têm duas vezes mais probabilidade de
se tornarem amigos, uma vez que contactam mais frequentemente e a familiaridade
conduz a uma maior afeição.

As pessoas gostam de sentir as suas ideias e escolhas valorizadas e validadas. Assim,


é comum a preferência por pessoas com as quais temos pontos de afinidade (semelhanças
interpessoais) e a tendência para “gostar de quem gosta de nós” (reciprocidade).
Todavia não é só a partir da igualdade que se cria a confiança e a preferência, mas também
da diferença no sentido em que, as assimetrias das características individuais podem tornar
o outro atraente.

É na junção de todos estes factores que o nosso comportamento para com os


outros se regula e as preferências se formam, daí o Miguel ser um grande amigo da Maria e
não da Joana.”

Silva, Fátima – “Atracção Interpessoal”

http://psicob.blogspot.com/2009/03/atraccao-interpessoal.html

● ● ●

5
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Como se pode definir a atracção?


A atracção interpessoal diz respeito a uma preferência por determinadas
pessoas. Expressa o desejo de estarmos com elas, de querer partilhar a sua presença,
envolvendo emoções, afectos, sentimentos e afectando as relações interpessoais.
Naturalmente que há diferenças entre a atracção existente entre pais e filhos,
entre amantes apaixonados, entre colegas de trabalho ou de turma, ou entre amigos
inseparáveis.
Os relacionamentos entre os sujeitos visam, sobretudo, o bem-estar pessoal e o
dos outros.

6
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

A atracção interpessoal pode ser explicada sob duas perspectivas:


• Comportamental 1 (concreta)
• Emocional2 (abstracta)

1
A atracção enquanto comportamento revela-se
através de acções físicas que um sujeito tem para com o
outro que pretende atrair. Ex: estar presente nos
mesmos espaços geográficos em que o sujeito alvo se
encontra (figura 1).

2
A atracção enquanto emoção revela-se pelo
conjunto de sentimentos positivos e/ou negativos que
um sujeito experimenta ao interagir com o outro como,
por exemplo, o sentimento de bem-estar, de conforto,
Figura 1
bem como de mal-estar e de aborrecimento (figura 2).

Os comportamentos variam
conforme as normas sociais e culturais de
cada grupo/sociedade. No entanto, a
atracção, tanto comportamental como
emotiva, depende também da
personalidade e do carácter de cada
indivíduo, visto que cada um avalia as
situações de forma subjectiva, resultando
emoções e comportamentos únicos Figura 2 Tédio

inerentes a essas mesmas situações.

7
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Enquanto atitude, a atracção é constituída por três dimensões: cognitiva,


afectiva e comportamental.

Atracção

Dimensão
Dimensão cognitiva Dimensão afectiva
comportamental

A desenvolve um conjunto
O indivíduo A experimenta,
de acções que
O indivíduo A avalia na interacção com B, um
objectivamente o
positivamente o indivíduo B conjunto de emoções e
aproximam de e/ou
sentimentos positivos
favorecem B

Factores que influenciam a atracção


As pessoas não partilham conversas, amizades e amor com qualquer pessoa.
Um dos factores, básico e subjacente a todos os outros, é o motivo de
afiliação, isto é, a necessidade de estarmos próximos dos outros e de obtermos
satisfação e suporte emocional.
Ainda que o processo de atracção esteja relacionado com a história pessoal de
cada um existe, contudo, um conjunto de factores comuns que explicam o que nos
leva a aproximarmo-nos de alguém. Podemos destacar então os principais factores:
 Proximidade  Qualidades positivas
 Familiaridade
 Atracção física
 Semelhanças
interpessoais
 Complementaridade
 Reciprocidade

8
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Proximidade
Quanto maior for a proximidade geográfica entre os sujeitos, maior serão os
laços de amizade, simpatia, intimidade que se estabelecem entre eles.

Contudo há que ter em atenção o facto de poder acontecer o contrário, isto é,


o contacto frequente poderá originar saturação, enfado e subsequentemente
conflitos, inimizades e, portanto, o afastamento do sujeito que nos incomoda.

Figura 3 Já repararam como se fazem amizades na escola? Muitas vezes, tornamo-nos


amigos da pessoa sentada ao nosso lado durante a primeira aula, apesar de não a
conhecermos anteriormente e apesar de não sabermos se temos afinidades com ela.
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

De seguida temos uma imagem que mostra uma estatística sobre a origem dos
nossos amigos:

10
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Familiaridade

O convívio frequente com uma pessoa pode aumentar a atracção por ela.
Experiências revelaram que, quanto mais vezes os sujeitos viam um rosto, mais
diziam que gostavam dele e mais consideravam possível gostar da pessoa fotografada.
Outras experiências revelaram que as pessoas preferem as letras do seu nome entre as
do alfabeto.

Atracção física
A atracção interpessoal é medida
mais pela beleza exterior e não tanto pela
interior.
A beleza física exerce efeitos positivos
sobre a atracção, apesar de os padrões de
beleza apresentarem uma grande
variabilidade histórica e uma relatividade
cultural bastante acentuada.
Há grande variedade de opiniões
sobre o que constitui beleza em diferentes
culturas, bem como, na mesma cultura, ao
longo das épocas. Normalmente, preferimos

11
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

a pessoa com aparência física mais agradável e os efeitos desta atracção mostram-se
consistentes através das idades, dos sexos e das
categorias socioeconómicas.
Esta realidade – ser e parecer – tem vindo a
estender-se a todos os graus etários e sociais,
quando era predominante na camada social mais
jovem.

Figura 4 A beleza física tornou-se, actualmente, um factor


de grande importância no estabelecimento de relações
entre os indivíduos

● ● ●

“Haverá algum fundamento de verdade no estereótipo de que "o bonito é bom"?

As investigações mostram que pessoas atraentes não são nem mais nem menos
capazes, tanto do ponto de vista social, académico ou profissional. São, contudo, mais
confiantes socialmente, em resultado das "profecias de auto-realização": todos esperam
que tenham mais êxito e isso acaba por dar-lhes mais autoconfiança, o que lhes facilita os
contactos sociais e lhes desenvolve as habilidades sociais. Os que se sentem inseguros
isolam-se mais e as suas habilidades sociais atrofiam-se.

Assim, os indivíduos tendem a estabelecer relações amorosas ou a casar com aqueles


cujo grau de beleza física é relativamente próximo do seu.”

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO FUNDÃO DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS - Psicologia A -
11º Ano, turma AS: “As relações interpessoais de atracção e de agressão”

● ● ●

12
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Semelhanças interpessoais
O factor das semelhanças interpessoais não se situa no plano individual, mas ao
nível da própria relação. Assim, temos tendência a estabelecer relações de amizade e
de amor com pessoas que partilham os mesmos interesses, atitudes, opiniões,
crenças, traços de personalidade, competências cognitivas e sócio-emocionais como,
por exemplo, os indivíduos representados na figura 5.

Figura 5

Mais do que a semelhança de personalidades, os psicólogos descobriram que o


que atrai as pessoas são as semelhanças de atitudes.
Num estudo com trinta grupos tribais africanos, verificou-se que, quando uma
tribo era percepcionada como tendo atitudes muito diferentes, o contacto social era
evitado, mas, se eram percepcionadas como semelhantes, o contacto íntimo era
possível.

Também são importantes as semelhanças étnicas, religiosas e políticas, bem


como a classe social, instrução e idade.

13
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

● ● ●

Porque é que a semelhança é tão importante na atracção entre pessoas?

Certos autores destacam o factor de reforço: sentimos que os nossos pontos de


vista são confirmados por outrem; também falam do factor previsibilidade;
antecipamos mais facilmente as reacções das pessoas semelhantes a nós, o que é
reconfortante.

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO FUNDÃO DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS -
Psicologia A - 11º Ano, turma AS: “As relações interpessoais de atracção e de agressão”

● ● ●

Complementaridade
● ● ●

“É extremamente curiosa a maneira como as pessoas ficam geralmente atraídas pelos


ditos “opostos”. Nós sentimo-nos atraídos pelas pessoas que gostam das mesmas coisas que nós,
que partilham as mesmas ideias que nós e que têm uma personalidade idêntica à nossa. Isto
verifica-se muito nas relações que estabelecemos, sejam elas com amigos ou com namorados. No
entanto, temos uma certa tendência para nos aproximarmos também daquelas pessoas que
possuem certas características que nós apreciamos, pois assim sentimo-nos mais completos. É
por este motivo que muita gente afirma que “os opostos atraem-se”.”
Silva, Vânia – “Atracção – a química dos opostos”
http://psicob.blogspot.com/2008/04/atraco-qumica-dos-opostos.html

● ● ●

Apesar de se considerar que as semelhanças interindividuais sejam um factor


de reaproximação, as pessoas são ainda atraídas por características que elas não
possuem. São as diferenças do outro que o tornam atraente, na medida em que
ambos se complementam.

14
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Reciprocidade
Gostamos mais daquelas
pessoas que simpatizam connosco.
Esse sentimento leva a que
respondamos com mais calor e
afecto, o que desencadeia mais
simpatia. As apreciações positivas
dos outros têm um forte efeito na
atracção que os outros exercem
sobre nós.
Podemos resumir este factor à seguinte afirmação: “Gosto de quem gosta de
mim”. Este é o princípio da reciprocidade.

Qualidades positivas
Gostamos mais das pessoas que apresentam características que consideramos
agradáveis do que com características que consideramos desagradáveis.
Num estudo com estudantes universitários, o traço mais valorizado é a
sinceridade, seguindo-se a honestidade, lealdade, verdade, merecer confiança e ser
fidedigno (todos mais ou menos relacionados com a sinceridade). Outros dois traços
considerados agradáveis foram a simpatia e a competência. Segundo Rubin (1973), os
dois componentes-chave do gostar são a afeição e o respeito.

Além destes factores podem ser brevemente enunciados outros, tais como, o
respeito (valorização das competências de outro), a aceitação (pela compreensão e
disponibilidade demonstrada pela outra pessoa), a estima (a simpatia do outro por
mim aumenta a minha atracção por ele) e a gratidão (pelo bem que o outro individuo
propicia).

15
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

O que se entende por intimidade?

● ● ●

“Uma relação de intimidade pressupõe, antes de tudo, a abertura para os outros,


a sinceridade e a confiança. Esta experiência, baseada numa comunicação profunda
entre os intervenientes, implica uma vivência e um envolvimento que não acontece com
todas as pessoas com quem convivemos. Intensas e duradouras, as relações de
intimidade são definidas por psicólogos e sociólogos como uma questão de comunicação
emocional com os outros e comigo mesmo. Implica também um vínculo baseado na
interacção com o outro que pode ser verbal – é através das conversas que eu partilho e
exprimo os meus sentimentos e emoções – ou não verbal – a proximidade física, o tocar
ou o acariciar são elementos importantes na manifestação da intimidade. Esta está, por
sua vez, condicionada pelo contexto social: o padrão cultural influencia a forma como as
relações íntimas se exprimem e se manifestam, de acordo com um lugar e um momento
no tempo específicos.

Criar intimidade é gerar um elo, um contacto. Esta relação comigo mesmo e com
os outros, ou seja, esta ligação entre o interior e o exterior, propicia proximidade e
cumplicidade, constituindo um atalho possível para o indivíduo compreender e
conhecer-se a si mesmo e os outros.”

Costa, Ana – “Importância das relações de intimidade na adolescência”

http://psicob.blogspot.com/2009/02/importancia-das-relacoes-de-intimidade.html

● ● ●

A definição intimidade é complexa uma vez que o seu significado varia de


relacionamento para relacionamento, e dentro de um mesmo relacionamento, ao
longo do tempo. Em alguns
relacionamentos, a intimidade
está ligada ao sexo e os
sentimentos de afecto podem
estar conectados ou serem
confundidos com sentimentos
sexuais. Em outros
relacionamentos, a intimidade
tem mais a ver com momentos

16
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

divididos pelos indivíduos do que interacções sexuais. De qualquer forma, a intimidade


está ligada com sentimentos de afecto entre parceiros num relacionamento.
Nem todas as pessoas mantêm relações de intimidade com os outros.
Efectivamente, as pessoas distinguem-se pela possibilidade de se abrirem mais ou
menos aos outros, de estarem mais ou menos disponíveis para partilharem
sentimentos, afectos e emoções. Assim, afirma-se que a intimidade tem uma
dimensão universal, uma relacional e outra pessoal. A dimensão pessoal está ligada à
personalidade das pessoas, à sua história pessoal e ao contexto de vida em que se
encontra.
A intimidade é uma experiência que implica uma forte vivência, um grande
envolvimento e uma comunicação profunda.
A comunicação pode ser verbal ou não verbal.
As comunicações verbais dos pensamentos são fundamentais na interacção
íntima, pois é através da conversa que partilhamos com o outro as nossas emoções,
sentimentos e pensamentos mais íntimos e confidências.
As interacções não verbais relacionam-se com a proximidade física, carícias, o
toque, etc. Por vezes, é através deste tipo de interacções que se manifestam de forma
mais verdadeira os nossos sentimentos e emoções.
Ainda, quando falamos de intimidade, é importante ter em conta o contexto social.
Isto porquê? Devido ao facto das relações íntimas se exprimirem e exercitarem consoante o
espaço e o tempo. Isto é a dimensão universal.

Podemos identificar cinco dimensões da intimidade:

• Intimidade social – experiência de ter amigos;


• Intimidade sexual – experiência de partilhar o contacto físico, sexual;
• Intimidade emocional – experiência de proximidade de sentimentos;
• Intimidade intelectual – experiência de partilhar ideias e concepções de
mundo e de vida;
• Intimidade lúdica – experiência de partilhar tempos livres e de lazer e
gostos.

As duas expressões de intimidade são a amizade e o amor.

17
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

● ● ●

“Qual o papel e características da intimidade (amizade e amor)?

(…) Existem duas expressões da intimidade que, embora não sejam as únicas,
são as mais significativas e as mais estudadas: a amizade e o amor.

A amizade é uma das manifestações de intimidade que envolve relações em


que estão presentes, entre outros, elementos como confiança, lealdade, cooperação,
carinho, apoio, franqueza... Essas características envolvem reciprocidade. Uma
relação de amizade é uma relação pessoal, informal, voluntária, positiva e de longa
duração que implica reciprocidade, que envolve atracção pessoal e que facilita os
objectivos que os envolvidos querem atingir. (…) Assim como reconhecemos que as
relações de amizade correspondem a um importante suporte psicológico, a sua
ruptura é um facto de grande perturbação. As amizades variam segundo um conjunto
de factores: idade, género, contexto social e características individuais.

Amar não é simplesmente gostar em maior quantidade, mas um estado


psicológico qualitativamente diferente. (…) Similarmente, o amor, ao contrário do
gostar, inclui elementos de paixão, proximidade, fascinação, exclusividade, desejo
sexual e uma preocupação intensa. (…)

Quando se fala de amor, há que distinguir dois tipos de amor: o amor


companheiro e o amor apaixonado. O amor companheiro é marcado por uma
amizade muito íntima, ternura mútua, cuidado, respeito e atracção (envolve relações
com os pais, familiares, amigos íntimos). O amor sexual ou apaixonado envolve
atracção sexual, um desejo de amor mútuo e proximidade física, e o medo de que a
relação acabe.”

Castro, Cláudia – “Qual o papel e características da intimidade (amizade e amor)?” (adaptado)

http://psicob.blogspot.com/2009/03/qual-o-papel-e-caracteristicas-da.html

18
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Amizade

Nunca ninguém conseguiu


definir verdadeiramente o que é a
amizade.
Apesar de todos termos
amigos, colegas, companheiros ou
até melhores amigos, nunca
poderíamos atribuir-lhe uma definição, acabando apenas por atribuir determinadas
características que acabam por distinguir a amizade de outros tipos de interacção
social.
No entanto, a amizade envolve alguns elementos fundamentais para a sua
definição. A relação de amizade diferencia-se de outros tipos de interacção por ser
uma relação: pessoal, positiva informal, voluntária e de longa duração, envolvendo
tanto uma reciprocidade como uma atracção pessoal entre os indivíduos.
Apesar deste conjunto de características, e de outras mais subjectivas,
essenciais numa relação de amizade, não existe um padrão único, válido para todos.
Contudo, há qualidades que ocorrem com mais frequência como, por exemplo, a
confiança, a lealdade, o carinho, o apoio, entre outras.
Após a análise destas características, podemos resumir dizendo que a amizade
é um relacionamento humano que envolve conhecimento mútuo, estima e afeição.
Amigos sentem-se bem na companhia uns dos outros e possuem um sentimento de
lealdade entre si, ao ponto de colocarem os interesses dos outros acima dos seus.
Amigos possuem gostos similares ou não, que podem convergir. A amizade resume-se
em lealdade, confiança e amor mútuos.

19
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

O psicólogo britânico debruçou-se imenso sobre a psicologia social. Dentro


deste ramo da psicologia abordou várias temáticas,
abordando também a amizade, seleccionando cinco
características que considerou predominantemente
importantes numa relação de amizade:
• Defender o amigo na ausência do mesmo;
• Partilhar com ele os acontecimentos e
ocorrências relevantes;
• Apoiá-lo emocionalmente sempre que precise;
Michael Argyle (11 de
• Confiar no outro e ser verdadeiro;
Agosto de 1925,
• Apoiar o outro de forma espontânea e voluntária,
Nottingham - 6 de
sempre que necessário. Setembro de 2002) foi um
dos mais conhecidos
Tal como tudo, as relações de amizade também têm psicólogos sociais do
um fim. Esta ruptura de relações pode causar século XX. Ele passou a

perturbações, com mais ou menos importância, maior parte da sua carreira

dependendo das idades em que ocorrem e dos tipos de na Universidade de Oxford


e trabalhou em vários
amizade.
temas.

Ao longo da sua carreira,


mostrou fortes
preferências por métodos
experimentais em
psicologia social, tendo
pouco tempo para
abordagens alternativas,
tais como análise de
discurso.

20
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Falámos agora em tipos de amizade. Mas como se distinguem as diferentes


relações de amizade? Estas variam de acordo com um conjunto de factores, de entre
os quais abordaremos de seguida alguns exemplos.

O primeiro factor a ser referido é a idade. Apesar de as amizades terem um


papel fundamental no desenvolvimento e equilíbrio do indivíduo, estas manifestam-se
de diferentes formas nos diferentes estádios da vida.
Na infância, os amigos
desempenham um papel
fundamental no desenvolvimento
social dos mais novos. Esta
interacção com os outros é
fundamental na construção do
“eu”. Isto, porque, graças à
convivência, a criança pode ver-se
através dos olhos dos outros, quer
em termos físicos quer no que toca à personalidade, permitindo-lhe conhecer vários
modelos de relações que pode estabelecer
mais tarde, na idade adulta.

Na adolescência, os amigos têm um


papel importante no processo de
socialização. É nesta fase da vida que as
amizades têm mais relevância: partilham-se
confidências, apoiam-se mutuamente numa
fase complexa de construção da identidade.

21
● ● ●
“EM CONTACTO”
É na adolescência que as
PROCESSOS DE RELAÇÃOrelações íntimas
ENTRE OS desempenham
INDIVÍDUOS um papel mais
E OS GRUPOS
significativo: o desenvolvimento de amizades íntimas envolve vários aspectos como "o
incremento da necessidade de intimidade, mudanças na capacidade para desenvolver
relações de intimidade e mudanças na forma de expressar a sua individualidade e
intimidade perante os outros". Sendo a adolescência o período fundamental de
maturação psicológica, é durante esse processo que o adolescente molda a sua
personalidade enquanto indivíduo. Todas as alterações ocorridas durante esta fase
obrigam o adolescente a reencontrar a sua identidade tanto física como psicológica,
bem como a avaliar o seu papel nas relações interpessoais e na sociedade. No entanto,
e felizmente para nós, adolescentes, é a partir da adolescência que ficamos com uma
maior capacidade em compreender qual o nosso lugar no mundo, o que nos permite,
gradualmente, conquistar a nossa autonomia, a nossa intimidade e, por isso, o nosso
espaço.

(…)

É na adolescência que as relações íntimas desempenham um papel mais


significativo: o desenvolvimento de amizades íntimas envolve vários aspectos como "o
incremento da necessidade de intimidade, mudanças na capacidade para desenvolver
relações de intimidade e mudanças na forma de expressar a sua individualidade e
intimidade perante os outros". Sendo a adolescência o período fundamental de
maturação psicológica, é durante esse processo que o adolescente molda a sua
personalidade enquanto indivíduo. Todas as alterações ocorridas durante esta fase
obrigam o adolescente a reencontrar a sua identidade tanto física como psicológica,
bem como a avaliar o seu papel nas relações interpessoais e na sociedade. No entanto,
e felizmente para nós, adolescentes, é a partir da adolescência que ficamos com uma
maior capacidade em compreender qual o nosso lugar no mundo, o que nos permite,
gradualmente, conquistar a nossa autonomia, a nossa intimidade e, por isso, o nosso
espaço.

Costa, Ana – “Importância das relações de intimidade na adolescência”

http://psicob.blogspot.com/2009/02/importancia-das-relacoes-de-intimidade.html

● ● ●

Entre os adultos, as amizades passam a ter um


passam a ter um papel diferente, já não tendo uma
prevalência tão grande. Os amigos perdem o carácter
central das relações das idades anteriores, havendo um
menor nível de intimidade nas novas interacções.

22
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Se a idade é um factor a ser abordado, o género é outro factor igualmente


importante a ser referido.
Considera-se que homens e mulheres encaram a amizade com diferentes
pontos de vista. Acredita-se que entre os indivíduos do sexo feminino domina mais a
intimidade e as confidências que entre os membros do sexo masculino.

Além de variarem consoante o género humano, as relações de amizade e os


valores que as regem variam de cultura para cultura, consoante a época, por outras
palavras, variam consoante o contexto social. Por exemplo, os valores defendidos nos
inícios do século XX são diferentes dos que são considerados actualmente.

Por fim, o último dos factores que contribui para a diferenciação nas relações
de amizade é as características individuais de cada pessoa. A importância da amizade,
a facilidade em fazer amigos e a intensidade das relações variam de acordo com a
personalidade de cada um.

Amor
A palavra amor adapta-se a vários
significados na nossa língua, tais como afeição,
compaixão, misericórdia, atracção, paixão, desejo e
até conquista.
O conceito mais generalizado de amor
envolve, de um modo geral, a formação de um
vínculo emocional com alguém, ou com algum
objecto, capaz de receber este comportamento
amoroso e alimentar as estimulações sensoriais
e psicológicas necessárias à sua manutenção e
motivação.
Existem ainda várias conotações

23
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

envolvidas com os vários tipos de amor. O amor que temos pelos nossos pais é, sem
dúvida, diferente daquele que temos com o(a) nosso(a) namorado(a).
Podemos então abordar duas distinções importantes de amor: o amor
apaixonado e o amor companheiro.

O primeiro corresponde a um estado de


envolvimento muito intenso com outra pessoa, em
que intervém uma excitação fisiológica, um desejo
sexual. A este tipo associam-se termos como
proximidade, fascinação, desejo sexual e fantasia
sobre o outro.

O segundo descreve um forte afecto que


sentimos por um conjunto de pessoas com quem
temos relações fortes (pais ou amigos íntimos, por
exemplo).

Robert Sternberg, psicólogo norte-americano, formulou uma teoria segundo a


qual o amor englobaria três componentes distintas: a intimidade, a paixão e o
compromisso. No que toca à intimidade, de carácter mais emocional, estamos perante
uma relação de confiança mútua que inclui a protecção e a necessidade de estarmos
perto do outro. É através da intimidade que duas pessoas compartilham as suas
experiências pessoais e o que mais íntimo há de si. A paixão, que se baseia
essencialmente na atracção sexual, envolve um sentimento irreprimível de estar com
o outro. Por sua vez, o compromisso é a expectativa de que o relacionamento dure
para sempre, numa intenção de comprometimento mútuo.

24
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Figura 6 Triangulo do amor de Sternberg

● ● ● Robert J. Sternberg (8 de
Dezembro de 1949) é um
Numa tentativa de simplificar a definição de Amor, os
psicólogos sociais recorreram à definição de seis diferentes formas psicólogo e psicometrista
de amar. São elas seis: o amor romântico (envolve paixão, unidade estadunidense, deão de
e atracção sexual mais usual na adolescência), o amor possessivo
Artes e Ciências da Tufts
(determinado pelo ciúme, provocando emoções extremas), o
cooperativo (que nasce geralmente de uma amizade anterior, University.
sendo alimentado por hábitos e interesses comuns), o amor
pragmático (característico de pessoas ensinadas a reprimir os seus Sternberg propôs uma
sentimentos o mais possível, sendo estas relações desprovidas de teoria dos três tipos de
qualquer manifestação de carinho), o lúdico (que se baseia na inteligência e uma teoria
conquista e na procura de emoções passageiras) e o amor altruísta
triangular do amor. Ele é o
(praticado por pessoas dispostas a anular-se perante o outro,
tendendo a "isolar-se num mundo onde, na sua imaginação, só criador (com Todd Lubart),
cabem os dois ainda que o outro pense e actue exactamente ao da teoria do investimento
contrário").
da criatividade, que afirma
Há quem defenda que o amor é uma história construída ao que as pessoas criativas
longo da vida que, com o tempo, transpõe a mera atracção física,
passando para uma preocupação com o bem-estar do outro para o compram barato e vendem
seu próprio bem-estar. caro no mundo das ideias,
Apesar de todos estes dados, imprescindíveis para o
conhecimento do amor, qualquer definição que nos seja e uma teoria de propulsão
apresentada nunca nos satisfaz completamente. Sentimos que das contribuições criativas,
existe sempre mais alguma coisa e é esse mesmo mistério que torna
a definição do amor subjectiva e, por isso, controversa e não que afirma que a
consensual. Até porque, se tal fosse possível, a magia envolta em criatividade é uma forma
torno desse elemento fundamental da vida de um indivíduo poderia
desaparecer, perdendo assim parte de todo o seu significado… da liderança.

Costa, Ana – “O que é o amor?”


http://psicob.blogspot.com/2009/02/o-que-e-o-amor.html
25
● ● ●
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

26
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Talvez não haja um tema tão importante para o desenvolvimento das relações
sociais, e melhoria da qualidade de vida do colectivo do que discutir à agressividade
em vários níveis psicológicos. Infelizmente, por aspectos culturais e até mesmo
religiosos, compara-se a agressividade apenas com violência ou destruição. Estas
duas últimas são aspectos totalmente patológicos da conduta humana, causando risco
iminente para a própria sobrevivência da
espécie. A agressividade é um
fenómeno comum do quotidiano, e
cabe-nos entender a mesma,
procurando tanto os seus aspectos
positivos como os negativos.

Existem duas formas básicas de


agressividade, a dinâmica, que nos
permite desenvolver e criar, e a estática
(também chamada de destrutiva), que
tem por objectivo provocar danos no ambiente ou em alguém. A primeira é aquela
emoção que nos movimenta para a vida, que nos dá forças para as lutas e batalhas que
a vida quotidiana impõe. Já na segunda presencia-se aquela emoção que nos
movimenta para ferir os outros e a nós mesmos. Aquela emoção que se transforma em
actos agressivos a fim de destruir
aquele que se considera “culpado”.
É um instrumento da mente.
Quem tem a agressividade excessiva
é porque não lhe coloca nenhum
limite. Reprimir a agressividade tem,
por sua vez, resultados tão
devastadores quanto soltá-la sem
rédeas. A agressividade tem que ser
usada, se represada ela agirá na

27
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

pessoa que a reprime, ou seja, no próprio indivíduo. Quem não agride aos outros no
momento certo acaba agredindo a si mesmo.

Agora vamos debruçar-nos de forma mais específica sobre a agressividade


estática, ou destrutiva. Aqui podemos dividi-la em três grupos: agressão quanto à
intenção do sujeito, quanto ao alvo e quanto à forma de expressão.

O primeiro grupo subdivide-se em


dois tipos de agressão – a hostil e a
instrumental.
A primeira é um tipo de agressão
emocional e impulsiva. Visa causar danos
no outro, independentemente de qualquer
vantagem que possa obter. A figura 7 é um
exemplo de agressão hostil, já que Zidane
agrediu impulsivamente com cabeça o
italiano Materazzi devido a insultos que

Figura 7
este lhe fizera. Como consequência foi
expulso do jogo.
Já a agressão instrumental visa um objectivo, tendo por fim conseguir algo
independentemente do dano que possa
causar. É planeada e não impulsiva. A
figura 8 serve de exemplo, o assaltante
tem como objectivo conseguir dinheiro e,
durante a sua acção para o conseguir,
pode ocorrer uma agressão, mas o
objectivo sobrepõe-se ao dano.

Figura 8
28
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

O segundo grupo – agressão quanto ao alvo – pode também ser dividido, desta
vez em três tipos: agressão directa, agressão não deslocada e auto-agressão.
Na directa o comportamento agressivo dirige-se à pessoa ou ao objecto que
justifica essa agressão (figura 9).
Ao contrário diste tipo há outro,
em que o sujeito dirige a agressão a um
alvo que não é responsável pela origem
da mesma. A isto dá-se o nome de
agressão não deslocada. Para a
exemplificar este tipo, coloca-se a
seguinte questão: “Quem, num estado
de raiva, nunca deu um murro numa
mesa ou numa porta?”

Figura 9

A auto-agressão ocorre quando o sujeito


desloca a agressão para si próprio. A máxima deste
tipo de agressão é, sem dúvida, o suicido.

29
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

● ● ●
O mundo assiste atónito ao número de suicídios que por todo o lado vão acontecendo:
é o guarda-redes Enkel, é uma jovem que se atira do 5.º andar, são 24 trabalhadores da France
Telecom, são uma série de agentes de segurança em Portugal, são ainda 6 presos das nossas
cadeias, neste ano, enfim, um número que leva a dizer que em todo o mundo 1% das mortes,
são por suicídio.

Procuram-se as mais variadas explicações: “as chefias do trabalho não percebem que
as pessoas não são parafusos”, diz um psiquiatra; “a pressão psicológica no emprego –
nomeadamente a obtenção de resultados profissionais”, diz outro; “a instrumentalização
absoluta do indivíduo para se alcançarem propósitos financeiros”, é outra causa apontada.
Todos os suicidas são considerados pessoas psicologicamente doentes pelas mais diversas
razões.

(…)

Antigamente o fenómeno atingia sobretudo os idosos, vítimas de solidão, ou os jovens,


imaturos emocionalmente. Hoje está muito mais generalizado e têm outras causas diferentes.
A sua verdadeira razão prende-se, penso eu, com a mudança cultural que se verifica na nossa
sociedade de hoje. A cultura da vida deixou de estar na moda, e pensa-se que a pessoa tem o
direito de acabar com a sua vida, ou com a dos outros por motivos que para si considere
razoáveis; basta olhar as quatro jovens assinadas pelos namorados, numa só semana...

(...)

Só havendo uma mudança cultural nas relações de trabalho, na atitude de uns para
com os outros e para consigo próprio, uma cultura que valorize a vida, se pode remediar
cabalmente esta situação.

Dias, Agostinho Gonçalves – “Suicídio e eutanásia”


http://www.reconquista.pt/noticia.asp?idEdicao=207&id=17558&idSeccao=2203&Action=noticia
● ● ●

Suicídio é o acto intencional de alguém se matar a si mesmo. A sua causa mais


comum é um transtorno mental que pode incluir depressão, transtorno bipolar,
esquizofrenia, alcoolismo e abuso de drogas.
Mais de um milhão de pessoas cometem suicídio a cada ano, tornando-se esta a
décima causa de morte no mundo. Trata-se de uma das principais causas de morte
entre adolescentes e adultos com menos de 35 anos de idade. Entretanto, há uma
estimativa que 10 a 20 milhões de tentativas de suicídios não-fatais a cada ano em
todo o mundo.

30
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Por fim, quanto à forma de expressão, distinguem-se a agressão aberta, a


dissimulada e a inibida.
Considera-se agressão aberta quando esta se manifesta de forma de uma
forma explícita, seja violência física ou psicológica, através de espancamentos,
humilhações, etc. Podemos, claro, citar a violência doméstica ou o bullying como
exemplos.

Violência doméstica é a
violência, explícita ou velada,
literalmente praticada dentro de
casa ou no âmbito familiar,
entre indivíduos unidos por
parentesco civil (marido e
mulher, sogra, padrasto) ou
parentesco natural (pai, mãe,
filhos, irmãos etc.). Inclui diversas práticas, físicas e psicológicas, como a violência e o
abuso sexual contra as crianças, maus-tratos contra idosos, e violência contra a mulher
e contra o homem geralmente nos processos de separação litigiosa além da violência
sexual contra o parceiro.

Bullying é um termo inglês utilizado para descrever actos de violência física ou


psicológica, intencionais e repetidos,
praticados por um indivíduo (bully) ou
grupo de indivíduos com o objectivo de
intimidar ou agredir outro indivíduo
(ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de
se defender.

31
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Contrariamente, a agressão dissimulada recorre a meios não abertos, como o


sarcasmo e o cinismo, para agredir. Visa provocar o outro indirectamente, ferindo-o na
auto-estima e gerando ansiedade.

Finalmente, na agressão inibida, o sujeito não manifesta agressão para com o


outro mas dirige-a contra si próprio. Sentimentos como o rancor são formas de
agressão inibida.

A origem da agressividade
A agressividade é um comportamento inato ou é produto da aprendizagem?
Orientadas segundo dois eixos temos diferentes teorias acerca das causas da
agressividade. Se, por um lado, há a concepção de que a agressividade é um
mecanismo inato da acção do homem (componente biológica) por outro, considera-se
que a mesma é resultado da aprendizagem social. Sigmund Freud, Lorenz e Dollard são
apologistas de que a agressividade tem algo de inato. Por sua vez, Bandura valida os
factores relacionados com o contexto social.

Freud

Biológica Lorenz

Origem da
Dollard
agressividade

Processo de
Bandura
socialização

32
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Concepção de Freud

Segundo Freud, a nossa vida psíquica e o nosso


desenvolvimento seriam orientados por pulsões. Assim,
distingue dois tipos de pulsão: as pulsões da vida, Eros, e
as pulsões da morte, Thánatos. As primeiras visam a Sigmund Freud,
manutenção do indivíduo e as pulsões sexuais. Seriam as neuropsiquiatra austríaco,
fundador da Psicanálise,
pulsões da morte, que são autodestrutivas, que estudou Medicina e
explicariam os comportamentos agressivos. especializou-se em
Neurologia.

Para Freud a agressividade tem origem biológica, Interessou-se inicialmente


pela histeria e, tendo
ou seja, todos somos agressivos porque a agressividade como método a hipnose,
é inata e constitui uma disposição instintiva e inata estudou pessoas que
apresentavam esse
primitiva e autónoma do ser humano.
quadro. Mais tarde, com
interesses pelo
inconsciente e pulsões,
entre outros, foi
influenciado por Charcot e
Leibniz, abandonando a
hipnose em favor da
associação livre e da
interpretação dos sonhos.

Freud inovou em dois


campos. Desenvolveu uma
teoria da mente e da
conduta humana, e uma
técnica terapêutica para
ajudar pessoas afectadas
psiquicamente.

Provavelmente a
contribuição mais
significativa que Freud fez
ao pensamento moderno é
a de tentar dar ao conceito
de inconsciente um status
científico.
33
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Concepção de Lorenz

Segundo Lorenz a agressão é inata, pois está


programada geneticamente, tal como nos outros
animais, sendo desencadeada por certos estímulos que a
revelam como uma questão de sobrevivência.
Konrad Lorenz, etólogo
Diferentemente dos outros animais, o ser humano austríaco, cresceu num
não possuía mecanismos reguladores eficazes no meio familiar que lhe
desenvolveu o gosto por
controlo da agressividade.
animais.

Forma-se em Medicina e
em Filosofia, tendo-se
Concepção de Dollard especializado em
Zoologia. Em 1937
publica o artigo O
John Dollard, em conjunto
companheiro no mundo
com Neil Miller, propôs a dos pássaros, onde
hipótese frustração-agressão: começa a desenvolver o
Existiria uma ligação inata conceito de imprinting
ou "cunhagem".
entre um estímulo – a frustração – e o comportamento
de agressão. Esta funcionaria como meio de afastar tudo Interrompe a sua
actividade em 1941
o que impedisse o sujeito de atingir os seus objectivos.
quando foi mobilizado
Esta teoria foi bastante criticada, porque nem para o exército alemão.
todas as pessoas reagem à frustração através de Em 1948 reinicia a sua
actividade como
comportamentos agressivos, bem como pode acontecer
professor e investigador
a ocorrência de agressões sem ter havido frustração. na Universidade de
Viena. Em 1973 recebe o
Prémio Nobel da
Fisiologia e da Medicina,
conjuntamente com
Niko Tinbergen e Karl
von Frisch.

34
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Concepção de Bandura

A agressão resulta de uma aprendizagem social,


isto é, da observação de comportamentos agressivos,
essencialmente dos nossos pares. O comportamento
agressivo é aprendido por observação e imitação de
modelos (pais, professores, sociedade).

Bandura desenvolveu observações experimentais Albert Bandura,


em crianças dos 3 aos 6 anos que incidiam sobre a psicólogo canadiano,
doutorou-se na
imitação.
Universidade de Iowa
Na experiência um grupo de crianças observava um filme onde se começou a
em que adultos a gritavam e agrediam de várias formas interessar pelos
um boneco insuflável, enquanto outro grupo (grupo de processos de
aprendizagem.
controlo) não era submetido à visualização de qualquer
filme. As suas investigações
incidiram sobre o
Bandura verificou que as crianças que tinham assistido processo de aquisição
ao filme apresentavam o dobro das respostas agressivas de comportamentos
comparativamente ao grupo de controlo, e que tendo desenvolvido a
teoria da aprendizagem
inventavam novas formas de agressão que não tinham
social.
sido observadas.
As várias experiências
que realiza levam-no a
concluir que a
aprendizagem se
processa por observação
e imitação. Estudou
também o efeito dos
meios de comunicação
social na aquisição de
comportamentos.

35
Figura 10 Experiência de Bandura
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Após a leitura de cada uma das concepções não conseguimos ainda afirmar se a
agressividade é resultado de processos biológicos inatos ou se é aprendida durante a
socialização do indivíduo.
Apesar de o organismo envolver certos processos fisiológicos aquando um
momento de agressividade (glândulas supra-renais, sistema nervoso simpático,
hipotálamo, entre outras áreas do corpo), a verdade é que a manifestação destes
comportamentos está directamente relacionada com o contexto social. E isto porquê?
As nossas aprendizagens, a unicidade da nossa história pessoal recheada de
experiências que vão moldando a nossa personalidade ao longo da vida, os valores
transmitidos pela cultura em que estamos inseridos, a interacção com os outros; todos
estes factores têm um papel determinante no estímulo ou na inibição da
agressividade. Se o indivíduo passa por experiências traumáticas relacionadas com a
agressão pode, no futuro, ter uma maior predisposição para ter comportamentos
agressivos. Alguém a quem, por exemplo, foi ensinado que a agressão é uma forma de
obter respeito e de resolver os problemas, vai interiorizar estes valores como correctos
e tendo assim a sua agressividade estimulada; o mesmo não aconteceria se
aprendesse que a agressão é um comportamento inadequado e incorrecto em
sociedade.
Podemos então sintetizar que a agressão advém da influência do contexto
social do indivíduo, em conjunto com mecanismos biológicos que este dispõe para a
agressividade.

Vamos então, resumidamente, salientar alguns factores que induzem à


agressão:
• Mecanismos biológicos – existem hormonas e outras substâncias que,
circulando no sangue, afectam o sistema nervoso activando e inibindo a
expressão de agressividade. No entanto, não se pode afirmar que a
agressividade seja transmitida por hereditariedade.

36
“EM CONTACTO”
Figura 11 PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

• Álcool – vários estudos


apontam para uma relação entre a
embriaguez e a violência. Por razoes de
ordem biológica, social e psicológica, o
álcool desencadeia respostas mais
agressivas às provocações. Olhem a esta
cena num bar representada na figura 11.
• Temperatura – de acordo
com algumas estatísticas, dá-se um
aumento da violência doméstica e de crimes mais violentos no Verão,
em comparação com o Inverno, e nos dias de mais calor. Em testes, as
pessoas reagem mais violentamente às provocações quando expostas a
temperaturas mais elevadas.
• Cultura – as culturas mais individualistas eram mais agressivas que as
colectivistas. Numa sociedade onde a violência é valorizada (figura 12),
os indivíduos tendem a ser mais agressivos. As notícias, a banalidade
com que se exibem armas, a falta de realismo ao retratar o sofrimento
das vítimas, filmes e séries violentas são factores que influenciam
comportamentos agressivos.

Figura 12 Às crianças soldado são incutidos valores que "justificam" o uso da violência

37
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

38
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

PRECONCEITOS

Componente Componente Componente


cognitiva emocional comportamental

ESTEREÓTIPO PRECONCEITO DISCRIMINAÇÃO

Estereótipos
Os estereótipos são um conjunto de crenças que dão uma imagem
simplificada das características dos grupos, que se generalizam a todos membros. São
crenças a propósito de características, atributos e comportamentos dos membros de
determinados grupos, são ainda formas rígidas e esquemáticas de pensar que resultam
Figura 13
de processos de simplificação.
Há, portanto, uma categorização, uma
classificação positiva ou negativa em relação ao outro,
que surge das interacções sociais.
Frases como “os alentejanos são preguiçosos” ou
“o lugar da mulher é na cozinha”
(figura 13) são exemplos de
estereótipos.

39
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Como já foi referido, na base dos estereótipos está um processo de


categorização, isto é, colocamos os indivíduos que nos rodeiam em “compartimentos”,
o que nos permite, de uma forma rápida, orientarmo-nos na vida social. Depois de
interiorizado, o estereótipo é aplicado de forma quase automática.
São visões rígidas e simplistas dos objectos em que incidem, referindo apenas
os seus aspectos parcelares e caricaturas, isolados dos contextos complexos de que
fazem parte. Também se definem como esquemas unificadores dos seres de uma
classe ou categoria que, apresentando os aspectos mais salientes, ignoram as
diferenças.
Designamos de categoria estereotipada quando os elementos de um mesmo
grupo partilham a convicção de que um ou mais traços particulares caracterizam as
pessoas dessa categoria.
Os estereótipos ajudam na integração social dos indivíduos porque os
identificam com determinados hábitos sociais e facilitam a acção de acordo com os
padrões de conduta vigentes numa sociedade. Então,
quando nos comportamos de acordo com os
estereótipos, obtemos a aceitação social, pois agimos de
acordo com o que está estabelecido e é aceite pelo
mundo onde estamos inseridos.

Figura 14 O que é mais normal acontecer na sociedade


ocidental é os rapazes praticarem desporto e as raparigas
brincarem com bonecas. Isto é só um exemplo de um
esterótipo geralmente interiorizado na nossa cultura.

40
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

● ● ●
Há pessoas que pensam que o nosso curso é fácil, mas não o é. Tem disciplinas
práticas e teóricas e muitas delas são iguais às dos outros cursos (simplicidade). Muitos dos
professores desta escola pensam mal do curso de desporto (tonalidade afectiva), também
pensam que somos todos bons a desporto, por isso viemos para este curso (uniformidade).
Ao longo dos anos o curso de desporto sempre foi e é unido (durabilidade e constância).
Alguns professores pensam que não somos muito inteligentes em comparação com os dos
outros cursos (pregnância: qualidade ou virtude do que se impõe ao espírito, do que produz
forte impressão).

“Características dos estereótipos”

http://fartoucedapsicologia.blogs.sapo.pt/1379.html

● ● ●

Estereótipo da beleza
Influenciadas pelos media e preocupadas em corresponder aos inatingíveis
padrões de beleza que são
apresentados, milhares de mulheres
mutilam a sua auto-estima e, muitas
vezes, os seus corpos, em busca da
aprovação social e do desejo de se
tornarem iguais às modelos que
brilham nas passarelas, na televisão e
nas capas das revistas.
A mulher actual deixou-se
aprisionar dentro da sua própria mente ao grande mal do século: a ditadura da beleza.
A mulher conquistou o seu espaço em várias áreas, mas permanece ”presa” à ideia de
perseguir um padrão doentio e surreal de beleza, um ideal que desrespeita o biótipo -
características genéticas - de grande parte das pessoas.
A pressão exercida pela sociedade actual, que estabelece estereótipos de beleza
colocando uma ênfase particular na magreza da mulher, contribui para o
aparecimento de condutas radicais de controlo de peso, conduzindo muitas vezes a
perturbações graves do comportamento alimentar.

41
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Funções dos estereótipos

Os estereótipos têm duas funções: função sociocognitiva e função


socioafectiva.
O categorizar a realidade social permite-nos encarar eficazmente o mundo
social que nos rodeia, definindo o que está bem ou mal, o que é justo ou injusto, o que
está certo ou errado, isto é, o que dominamos por função sociocognitiva.
Por outro lado, a função socioafectiva relaciona-se com o sentimento de
identidade social. Isto significa que, parte do que somos tem a ver com o facto de
fazermos parte de determinados grupos sociais, o que nos leva a distinguirmo-nos dos
outros que pertencem a grupos diferentes. Reforçam a identidade do nosso grupo.

Segundo Maisonneuve, os estereótipos apresentam as seguintes


características:
• Simplicidade – as imagens transmitidas pelo estereótipo são pobres;
• Uniformidade – o estereótipo é uniforme num dado grupo:
• Tonalidade afectiva – nunca é neutro. Ou é favorável ou desfavorável;
• Durabilidade e constância – tem tendência a perpetuar-se no tempo,
no interior do grupo que o partilha;
• Pragnância – o grau de adesão ao estereótipo varia com cada indivíduo,
podendo ir desde uma adesão superficial até a uma adesão profunda.

42
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Preconceito

O preconceito é também
uma atitude e tem como base o
estereótipo. Através da informação
do estereótipo faz uma avaliação,
um pré-juízo, geralmente negativo,
em relação aos outros indivíduos e
aos grupos que os constituem. “Os
jovens são violentos” é um exemplo de preconceito.
Têm uma função principalmente socioafectiva, isto porque expressam um
desejo de união e de protecção de um grupo social. Assumem, em geral, posições
radicais contra um ou vários grupos
Aprendem-se durante o processo de socialização, nos grupos a que cada um
pertence, desde a família aos meios de comunicação.

No início deste capítulo foi colocado um


esquema. Esse esquema representava as três
componentes do preconceito: cognitiva, afectiva e
comportamental.
A primeira corresponde a um estereótipo
geralmente negativo que se formula face a um grupo
social. Figura 15 Indivíduos com piercings e tatuagens são,
ainda hoje, alvo de preconceito e, muitas vezes,
A segunda refere-se aos sentimentos que se discriminação.

experimentam relativamente ao alvo do preconceito.


A terceira, e última, engloba a orientação dos comportamentos face à pessoa
ou grupo, podendo conduzir à discriminação.

43
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Discriminação

A discriminação designa o comportamento


dirigido aos indivíduos visados pelo preconceito,
variando entre o afastamento à violência e agressão
(facto do qual falaremos mais à frente). São actos
intencionais que assentam em distinções injustas e
injuriosas relativamente a um grupo.
O tipo de discriminação está relacionado com o Gordon W. Allport foi
um Psicólogo norte-
preconceito que lhe está subjacente. Um preconceito
americano que se
racial leva à discriminação daqueles que não são da formou em Psicologia na
mesma raça que certo indivíduo, enquanto que um Universidade de
Harvard.
preconceito homofóbico relativamente aos
homossexuais conduzirá a um tipo de discriminação Aos 22 anos, ainda
estudante, entrevistou
próprio contra este grupo. Dentro da própria
Freud o que o
discriminação é possível fazer-se uma divisão nas áreas influenciou nas suas
em que ela se torna mais intensa. Daqui surgem nomes concepções sobre a
personalidade. Acaba
como discriminação social, racial, religiosa, sexual, por
por se demarcar do
idade ou nacionalidade. fundador da Psicanálise
ao considerar que o
fundamental seria
identificar e descrever
os traços individuais da
personalidade antes de
explorar o inconsciente.
A partir do
conhecimento dos
traços de personalidade
de uma pessoa seria
possível prever o
comportamento em
variadas situações.

44
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Os comportamentos discriminatórios manifestam-se com maior intensidade em


períodos de crise económica e social.

Como já foi anteriormente referido, estes comportamentos variam já que a


violência física não é o cenário que se presencia. Gordon Allport, estudando as
atitudes, estereótipos e preconceitos, descreveu cinco etapas aquando o estudo do
processo de exterminação do judeus durante a 2ª Guerra Mundial:

1. Verbalização negativa – as pessoas falam dos seus preconceitos,


expressando as suas opiniões negativas;
2. Evitamento de relações – as pessoas evitam o convívio com os
elementos dos grupos hostilizados;
3. Medidas discriminatórias – as pessoas desses grupos são excluídos de
determinados empregos, frequentar certas escolas, etc. (fig.16);
4. Agressão física – as pessoas discriminadas são alvo de agressões
(fig.17)
5. Extermínio – liquidação dos indivíduos discriminados; massacres,
genocídio étnico (fig.18 e 19).

Apesar de nem todos os preconceitos seguirem este percurso, Allport considera


que, atingindo-se um determinado nível, é muito provável passar-se para o seguinte.

45
“EM CONTACTO”
Figura 16
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Figura 17

Figura 19

Figura 18

46
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Como todos nós sabemos em toda a


sociedade são vários os cidadãos alvos de
descriminação. Apesar dos esforços
realizados, no sentido de combater estas
situações, a verdade é que são sempre
muito frequentes.

Quem nunca ouviu falar daquela


vizinha do lado que por ter uma cor de pele
diferente da sociedade em que vivemos
não consegue emprego, ou por outro lado
aquele a quem por infelicidade sua, tem
uma pequena deficiência motora facto
que é usado para chacota, descriminação ou puro preconceito?

No entanto, é comum ouvirmos falar em discriminação positiva, apesar da


conotação negativa que a primeira palavra contém. Então em que se distingue a
positiva da negativa?
Chama-se discriminação positiva às medidas que visam apoiar aqueles que
sofrem de discriminação económica, física, social. Apoios especiais às classes
desfavorecidas, ajudas na saúde e na educação são exemplos destas medidas.

A discriminação afecta severamente, na maioria dos casos, a auto-estima dos


discriminados. Kurt Lewin, depois de um estudo feito nos EUA, considerava que as
pessoas discriminadas interiorizavam o estatuto de vítimas, autodesvalorizavam-se
pela causa das suas diferenças. Após vários estudos recentes, a teoria de Lewin tem
sido confirmada.

47
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

● ● ●

Racista, eu?

Actualmente, são cada vez mais frequentes as cenas


de racismo a que assistimos. Ouvimos tantas pessoas
argumentarem, “eu não sou racista!”. Mas será que essas
pessoas sabem verdadeiramente o que é ser racista? O
racismo consiste em pensar que existem pessoas inferiores a
outras, só pelo simples facto de pertencerem a uma cultura
ou país diferente. Dizemos que uma pessoa é de outra raça,
Kurt Lewin, psicólogo
porque tem uma cor de pele diferente, por se vestir de
alemão, trabalhou nas
maneira diferente, mas esquecemo-nos muitas vezes que
universidades de Cornell,
essas pessoas têm os mesmos direitos que nós e não são
Stanford e Iowa, fundou o
inferiores por serem diferentes. São, apenas, diferentes! Centro de Pesquisa de
Dinâmica de Grupo do
Também podemos utilizar a palavra racismo, para
Instituto de Tecnologia de
descrever um comportamento abusivo, para com pessoas de
Massachusetts, (MIT), em
uma raça que consideramos inferior. Hoje em dia, ouvimos
1945.
inúmeras vezes dizer que todas as raças e culturas são iguais
mas que não se devem misturar para conseguirem manter a A teoria do campo
sua originalidade. Podemos confundir racismo com psicológico, formulada
preconceito, no entanto, existem diferenças pertinentes por Lewin, afirma que as
variações individuais do
entre estes dois conceitos: o preconceito pode ser o simples
comportamento humano
desprezo por alguém, sem ter obrigatoriamente de
com relação à norma são
influenciar de forma negativa a vida dessa pessoa; por outro
condicionadas pela
lado, o racismo diz respeito a toda uma sociedade. tensão entre as
percepções que o
É importante também mencionar alguns dos
indivíduo tem de si
problemas que o racismo pode causar a nível psicológico.
mesmo e pelo ambiente
Certamente, todos nós ficamos um pouco perturbados
psicológico em que se
quando somos alvo de chacota por qualquer motivo, por insere, o espaço vital,
isso, imaginemos qual será a sensação de sermos alvo de onde abriu novos
atitudes racistas. Isso pode levar à rejeição das origens da caminhos para o estudo
pessoa, dos seus costumes, da sua cultura para assim ser dos grupos humanos.
aceite entre as ditas maiorias. Dedicou-se às áreas de
processos sociais,
Por isso, cabe a cada um de nós ter um pouco mais de motivação e
consciência e pensar na sensação horrível que se deve ter personalidade, aplicou os
numa situação destas! E como diz o ditado popular: “não princípios da psicologia da
façamos aos outros aquilo que não queremos que nos façam Gestalt.
a nós”!

Silva, Vânia – “Racista, eu?”

http://psicob.blogspot.com/2008/06/racista-eu.html 48

● ● ●
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

49
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Conflito, o que é?

Podemos definir conflito como uma tensão que envolve pessoas ou grupos
quando existem tendências ou interesses incompatíveis. Ao conflito associam-se a
comportamentos e sentimentos negativos e prejudiciais para as pessoas, grupos ou
organizações envolvidos.
A situação de conflito pode assumir um carácter intrapessoal (interno),
interpessoal (entre pessoas) ou intergrupal (entre grupos).

Assim, só existe conflito se existir uma relação próxima entre as partes de


modo a justificar esse mesmo conflito, como se mostram frequentes entre pais e
filhos, patrões e trabalhadores.

No entanto, o conflito
social é entendido de forma
mais positiva, sendo um
núcleo de mudança e das
dinâmicas sociais, tratando-se
o conflito de uma
manifestação das interacções
sociais. O agravamento tal
como o atenuamento do
conflito vai depender das
relações internas de cada
grupo, pode aumentar ou diminuir se se desenvolverem atitudes de provocação ou de
conciliação. O conflito passa a ser encarado como “estado de relacionamento”
inerente à vida em sociedade. Estimulam o surgimento de ideias e estratégias.

O conflito entre grupos reforça a concepção de um “nós” em relação a “eles”.


Isto, porque este sentimento entrelaça-se com a necessidade que os indivíduos
50
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

sentem em superiorizar o seu grupo em relação aos restantes, resultado do


desenvolvimento dos preconceitos e da discriminação.

Cooperação e relação

Não basta o simples contacto entre grupos hostis para se ultrapassarem os


preconceitos e o conflito. O contacto que envolva a cooperação tem muito mais
probabilidade de sucesso na superação de conflitos.

Inacção
•Os grupos não
agem,esperando que o
tempo resolva o
conflito

Negociação Mediação
•As partes •Recurso a alguém
intervenientes exterior ao conflito
procuram construir um
que clarifique a
acordo no sentido de

Resolução
interromper ao
situação e estabeleça
desenvolvimento da a comunicação entre
hostilidade ambas as partes

de
conflitos

Submissão Dominação
•Cedência de um •Imposição unilateral
grupo às exigências da solução por parte
de outro de um grupo a outro

51
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

É importante que por


cooperação entendamos uma
acção conjunta e concentrada
que envolve a colaboração dos
envolvidos para se atingir um
objectivo comum. Existem
ainda outras formas de
superação de conflitos que
passo a fazer uma breve
referência. A submissão, que
acontece quando um grupo
sede às exigências do outro; a
mediação, que pressupõe a existência de um mediador (elemento neutro) que vai
promover a comunicação entre as partes; a dominação verifica-se quando um dos
grupos impõe unilateralmente a solução ao outro; a negociação, visando impedir a
confrontação directa, a negociação implica cedências e exigências mútuas, os grupos
constroem um acordo e por último a inacção, em que os dois ou um dos grupos
resolve não agir e esperar que o tempo resolva o conflito.
Porém, nos dias de hoje são dominantes as soluções que assentam sobre a
cooperação, a mediação e a negociação. Deste modo, a forma como se aborda um
conflito pode decidir, em grande parte das situações, a segregação ou a integração.

52
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Conclusão

Cada um de nós aprende a conhecer-se e a conhecer os outros no seio de


relações. Estas relações são não apenas aquelas que estabelecemos com as coisas e
com os lugares, mas sobretudo as relações que temos com os outros.
Viver em sociedade significa não viver só, o que implica, por isso mesmo,
conviver e interagir com o nosso semelhante, ou seja, viver em sociedade gere as
relações interpessoais.
Vivemos no interior de diversos grupos sociais onde conservamos relações com
os outros. As relações que temos com os outros caracterizam-se por sentimentos
diferentes e mesmo contraditórios: sentimo-nos atraídos por algumas pessoas,
estabelecemos relações de intimidade com outras ou temos experiência de relações
marcadas pela agressividade.
As relações entre os indivíduos podem ser ainda influenciadas por estereótipos,
que conduzem a preconceitos e, por vezes, à discriminação dos outros.
Estes conflitos existentes na sociedade marcam a vivência do sujeito e a sua
capacidade de superar as diferenças marcará a sua história pessoal, as suas
experiências.
Apesar dos aspectos positivos e negativos que podem surgir, não se pode negar
que é no meio da sociedade e das relações que estabelecemos com os seus membros
que nos tornamos humanos, em bons e maus aspectos, já que o Homem não é um ser
perfeito e a cada atracção, a cada conflito, vai evoluindo, esforçando-se para se
superar a si próprio, evoluir.

53
“EM CONTACTO”
PROCESSOS DE RELAÇÃO ENTRE OS INDIVÍDUOS E OS GRUPOS

Bibliografia:

• Ser Humano, Psicologia B - 12º ano – Porto Editora


• http://psicob.blogspot.com/
• http://www.slideshare.net/sergiomorais7/relaes-interpessoais-entre-grupos-e-
indivduos-presentation
• http://www.slideshare.net/marrocano/relaes-interpessoais-de-atraco
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Agressividade
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Intimidade
• http://en.wikipedia.org/wiki/Michael_Argyle_(psychologist)
• http://en.wikipedia.org/wiki/Robert_Sternberg
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Kurt_Lewin
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Sigmund_Freud
• Biografias de Lorenz, Allport e Bandura retiradas dos CD-ROM do livro Ser
Humano, Porto Editora
• http://jovenscontraaditaduradabeleza.blogspot.com/
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Suicidio
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Violência_doméstica
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Bullying
• http://fartoucedapsicologia.blogs.sapo.pt/
• http://blogs.abril.com.br/painelautoajuda/2009/04/agressividade.html
• http://taniaqueiroz.blogspot.com/2009/10/lidando-com-questao-da-
frustracao-e-da.html

F
á
bi
o
Si
lv
a

Digitally
signed by
Fábio Silva
DN:
cn=Fábio
Silva, o, ou,
email=fabi
os.home@
hotmail.co
m, c=PT
Date:
2010.10.04
18:55:36
+01'00'

54