Sie sind auf Seite 1von 31

Vôo por Instrumentos IFR

Neste tutorial mostrarei como fazer um vôo por instrumentos seguindo do


aeroporto SBKP (Viracopos – Campinas) para SBSP (Congonhas – SP)

1º Passo – Programar GPS


Programar o GPS com o destino do aeroporto escolhido. Para abrir o GPS, procurar
no painel frontal no desenho da figura 1.11 ou utilizar a tecla de atalho SHIFT + 3.

Fig 1.11

Quando o GPS estiver aberto Fig 1.12, vamos configurar ele de acordo com o
nosso destino.

Fig 1.12

Após aberto o GPS clique no botão conforme mostra a Fig 1.13

Fig 1.13
Após clicar no botão da fig 1.13 vamos cliar no botão conforme a fig 1.14

Fig 1.14

Agora vamos digitar o código ICAO do aeroporto, no nosso caso utilizaremos o


SBSP, portanto digite pelo teclado as teclas S B S P.

Fig 1.15
Após ter digitado o código ICAO, vamos ativar o GPS. Para isso devemos clica 3x
no botão ENT conforme a figura 1.16

Fig 1.16

Após ter digitado o código ICAO, vamos ativar o GPS. Para isso devemos clica 3x
no botão ENT conforme a figura 1.16
Se você fez tudo certo, o GPS deverá ficar conforme a fig 1.17, mostrando a rota
mais próxima do aeroporto e o código ICAO do aeroporto. De acordo com a figura,
teremos que fazer uma curva de 180º (virar para trás) para que possamos estar na
rota correta conforme mostra no GPS.

Fig 1.17

2º Passo – Pegar os dados da pista de pouso


Vamos pegar todas as informações do aeroporto que vamos pousar. Para isso
vamos abrir a opção MAPA conforme mostra a figura 2.11.

Fig 2.11
Após abrirmos o mapa vamos seguir a linha do GPS até o aeroporto que vamos
pousar. Veja Fig 2.12

Fig 2.12

A imagem ficará assim, para isso você utiliza as teclas de Zoom + e Zoom – para
aproximar e desaproximar. Veja figura 2.13

Fig 2.13

Agora vamos pegar os dados da pista de pouso, eu aconselho aos iniciante anotar
esse dados em um papel para não ter que ficar entrando no mapa caso esqueça.
2.1 ILS
Para sabermos se uma pista possui ILS é só você reparar na pista se ela possui
uma marcação em verde conforme a figura 2.14

Fig 2.14

Após identificar se a pista possui ou não ILS, vamos pegar os dados do ILS, para
isso é só clicar nesta marcação em verde conforme foi mostrado na fig 2.14. Após
clicar nesta marcação abrirá uma janela com os dados do ILS e do CURSO conforme
mostra a fig 2.15. Aconselho novamente a anotar esses dados em um papel. Ex.:
Neste caso o ILS será 109.30 e nosso curso para pouso será 168º

Fig 2.15
2.2 VOR
Para sabermos se uma pista possui VOR é só você reparar na pista se ela possui
uma marcação em azul conforme a figura 2.16. Anote em um papel. Ex.: Neste caso o
VOR será 116.90

Fig 2.16
2.3 NDB
Para sabermos os dados do NDB, veja a figura 2.17. No nosso caso
selecionaremos o NDB do marcado externo que é 290.0.

Fig 2.17

2.4 PISTA
Para sabermos os dados da pista é só darmos Zoom + para termos uma visão mais
próxima conforme mostra a figura 2.18

Fig 2.18
Após clicar na pista, abrirá uma outra janela conforme mostra a figura 2.19, nela
selecione AIRPORT e clique em OK.

Fig 2.19
Veja a fig 2.20. Nela você pode obter também os dados do ILS, PISTA,
IDENTIFICAÇÃO DO ILS, TAMANHO, CURSO e ELEVAÇÃO. Por exemplo, como nós
pegamos o ILS 109.30, se você olhar na figura você verá que pousaremos na pista
17R, com o tamanho de 6372 pés, a Identificação do ILS que aparecerá na rosa dos
ventos será ISP e o curso 168º.

Fig 2.20

Agora porque devemos ver os dados da pista ? É Simples,da vez que que formos
pousar por instrumentos teremos que estar alinhados com a pista à uma distância de
20 nm (20 milhas) e a uma altura de sempre +3000 pés acima do nível do terreno, ou
seja, conforme neste exemplo, pousaremos em SBSP que tem uma elevação de 2631
FT (2631 pés), então deveremos somar + 3000 com o nível do terreno ficando igual a
5631 FT (5631 pés)
3º Passo – Configuração do Rádio
Para abrir o painel de rádio da aeronave, podemos localizar no painel a opção de
rádio (fig 3.11) ou pela tecla de atalho SHIFT + 2.

Fig 3.11

Iremos agora colocar todas as informações necessárias para efetuarmos um pouso


por instrumento com segurança. Vamos agora configurar o rádio com os dados obtidos
no mapa.
3.1 ILS
O ILS SEMPRE será colocado no NAV1, no nosso exemplo colocaremos então a
freqüência 109.30 no NAV1 do rádio. Lembrando que você sempre altera o rádio em
STBY, depois que tiver colocado a freqüência correta, clica na chave entre o STBY e
ACTIVE, fazendo com que a freqüência mude de STBY para ACTIVE. Veja fig. 3.12

Fig 3.12

3.2 VOR
O VOR SEMPRE será colocado no NAV2, no nosso exemplo colocaremos então a
freqüência 116.90 no NAV2 do rádio. Lembrando que você sempre altera o rádio em
STBY, depois que tiver colocado a freqüência correta, clica na chave entre o STBY e
ACTIVE, fazendo com que a freqüência mude de STBY para ACTIVE. Veja fig. 3.13

Fig 3.13
3.3 NDB
O NDB SEMPRE será colocado no ADF, no nosso exemplo colocaremos então a
freqüência 290.0 no ADF do rádio. Veja fig. 3.14

Fig 3.14

4º Passo – Configurar o Painel frontal


Vamos alterar a visualização da rosa dos ventos para a forma tradicional.

4.1 Rosa dos Ventos


Para isso clique no botão ( - ) até o CTR ficar em APP. Depois disso clique no
centro do botão CTR.

Após ter feito isso, o painel da rosa dos ventos ficará assim:
4.2 Piloto Automático
Vamos agora entender e configurar o painel do piloto automático. Veja abaixo uma
figura do painel antes da configuração.

4.2.1 Altitude
Nesta opção você colocará a altitude escolhida de acordo com seu plano de vôo.

Vamos agora colocar a altitude, no nosso caso utilizarei o nível de vôo FL100, ou
seja, 10.000 FT (10.000 pés).

4.2.2 Vertical Speed


Nesta opção você colocará o nível de razão de subida/descida, normalmente é
utilizado +1800 para subidas e -1800 para descidas.
4.2.3 Heading
Esta opção indica a nossa direção. Sempre quando formos decolar, devemos
colocar no HDG a direção atual, ou seja, nesse exemplo colocaremos 328º de acordo
com a indicação da Rosa dos Ventos.

OBSERVAÇÃO: para alterar o HDG, você deve clicar no triângulo que tem dentro
do botão do HDG, pois se você clicar errado você estará alterando a inclinação de
curva da aeronave. Veja na figura abaixo

4.2.4 IAS/MACH/GS
IAS: indicated air speed, velocidade indicada eu relação ao AR, usada forma de
nós, indicada como KIAS
MACH: velocidade da aeronave em relação a velocidade do som 1.0.
EXEMPLO, se você tiver a 40.000 pés, um 737 chega a 250 kias a 32.000 chega a
315 kias, essas duas velocidades são de 0.82 mach, velocidade máxima do boeing! ou
seja pelo mach, você sabe que em altitudes diferentes você estará na mesma
velocidade.
GS: conhecido como Ground Speed, velocidade da aeronave em relação ao solo,
737 GS: 465 nós
Como no nosso exemplo estamos utilizando o B737-800, utilizaremos uma
velocidade de 250 kias (Lembrando que o B737-800 pode chegar até 340 kias de
acordo com as referências tiradas da aeronave) e reduziremos essa velocidade de
acordo com a proximidade do aeroporto.

4.2.5 COURSE
Esta opção é utilizada para indicar a PROA ou o RUMO da pista que iremos
pousar. No nosso exemplo vamos pousar na pista 17R onde o RUMO ou PROA é
167º. Veja na figura abaixo.
4.2.6 F/D
Direção de Vôo, quando ele estiver ativo ele fará os ajustes automático para
nivelação da aeronave e direção.

4.2.7 A/T ARM


Auto aceleração, quando ele estiver ativo fará automaticamente os ajustes de
aceleração.

4.2.8 C/D
Este botão alterna entre IAS (fig. 4.2.8.1) e MACH (fig. 4.2.8.2). Para saber mais
sobre IAS/MACH veja o item 4.2.4.

Fig 4.2.8.1

Fig 4.2.8.2
4.3 BOTÕES DO PAINEL
Os botões do painel do piloto automático servem para ativar/desativar de modo

4.3.1 CMDA
Este botão ativa/desativa o piloto automático.

4.3.2 ALT HLD


Este botão ativa/desativa a altitude.

4.3.3 APP
Este botão ativa/desativa a opção de aproximação.

4.3.4 VOR LOC


Este botão ativa o vôo pelo localizador VOR, ou seja, ele fará um vôo de encontro
com o VOR programado no rádio NAV2 (fig. 4.3.1). Mas você pode fazer este tipo de
vôo pelo GPS, para isso você deverá selecionar a opção GPS na chave seletora (fig
4.3.2).

Fig 4.3.1

Fig 4.3.2
4.3.1 HDG SEL
Este botão ativa a opção de RUMO, ou seja, ativando esta opção quando o piloto
automático estiver ativo, fará com que a aeronave siga o RUMO ou PROA configurada
no painel.

4.3.1 SPEED
Este botão ativa a velocidade do piloto automático.

4.3.1 N1
Este botão ativa a aceleração das turbinas de acordo com que foi configurado no
botão N1 SET.
5º Passo – DECOLAGEM e ATERRIZAGEM
Vamos agora fazer um dos passos mais difíceis da aviação, a decolagem.

Repare a rosa dos ventos antes de decolarmos que o VOR (Seta verde, aponta
para trás, ou seja, a marcação VOR está atrás da nossa aeronave.
A seta branca ou CURSO da pista está virado para trás também, ou seja, a
cabeceira da pista onde iremos pousar aponta para trás.
A seta azul é a indicação do NDB ou ADF, ela está parada na horizontal porque não
foi identificado ainda o sinal do ADF que é de baixo alcance.

Depois de tudo configurado, painel do piloto automático, rádio, GPS, vamos


acelerar até atingir 120 kias ou nós.
Assim que atingir 120 kias, vamos iniciar a subida. Essa subida deverá ser suave,
para isso iremos colocar o marcador de horizonte na posição 10----------10.

Assim que sairmos do solo, neste caso foi identificado o sinal do VOR, observe que
a seta verde (VOR) mudou de posição ficando a direita da seta branca (CURSO) e já
foi identificado a distância do lado direito.
VOR2 (CGO) - Identificação do VOR
DME 46.1 - Distância até o VOR
Logo após começar a subir, vamos recolher o trem de pouso. Veja que as luzes se
apagarão, isso indica que o trem de pouso foi recolhido com sucesso.

Agora que já decolamos, recolhemos o trem de pouso, vamos iniciar o


procedimento do piloto automático. Vamos ativar o botão CMD A para ativar o piloto
automático.

Logo em seguida vamos ligar o botão ALT HLD para estabilizarmos a altitude
conforme configurado, neste caso para 10.000 FT (10.000 pés).

Agora vamos ligar o botão HDG para que nossa aeronave siga o RUMO
configurado, nesse caso 328º.

Depois que ligar o HDG só vai faltar o SPEED, ativando ele o avião permanecerá a
uma velocidade conforme configurado, nesse caso 250 kias ou 250 nós.
Agora que estamos voando no piloto automático, deveremos prestar bastante
atenção na rosa dos ventos, pois ela nos guiará até o nosso aeroporto de destino.
Lembrando que a agulha do VOR tem que estar sempre na horizontal e acima da
agulha do CURSO.
Veja que para a agulha do VOR ficar na horizontal e acima da agulha do CURSO,
teremos que fazer uma curva à direita fazendo com que a agulha do VOR fique na
horizontal.
No nosso exemplo eu fiz uma curva para o RUMO 072º para que o VOR fique na
horizontal.

Repare na última figura que a seta do VOR interceptou a seta do CURSO, quando
isso ocorrer nós vamos GIRAR BASE, ou seja, fazer uma curva para o lado das setas
colocando nosso HDG igual ao número do nosso CURSO. Nesse caso nosso curso é
168º, então colocamos o HDG para 168º.
Espere as agulhas chegarem até o RUMO configurado, após isso faremos uma
outra análise. Quando estiverem no RUMO 168 veremos que a seta do VOR está um
pouco a direita da seta do CURSO, então teremos que fazer pequenas correções para
o lado oposto fazendo com que a seta do VOR intercepte novamente a seta do
CURSO. Veja nas imagens que fiz uma curva para direita para o RUMO 190º e veja a
seta do VOR como se aproxima da seta do CURSO.

Assim que as setas estiverem sobrepostas, ou seja, uma em cima da outra,


teremos que GIRAR BASE novamente, ou seja, virar para o lado das setas colocando
o nosso RUMO igual ao CURSO, nesse caso 168º.
Repare também que foi identificado o NDB ( seta azul ) de congonhas, teremos que
deixar todas as setas sobrepostas. Como estamos fazendo este vôo seguindo o VOR,
deveremos então ficar de olho na seta verde.
OBS.: Nunca deveremos alterar o valor do CURSO após ter configurado
durante o planejamento do vôo, pois se fizermos isso perderemos a referência
do aeroporto.
Assim que estivermos novamente no RUMO 168º e as setas todas juntas e
apontando para a mesma direção devemos ficar de olho na distância.
Note que estamos a quase 30nm ( 30 milhas ) do aeroporto, vamos começar a
reduzir a velocidade. Nesse caso reduzirei para 180 kias.

O próximo passo que faremos agora será reduzir a altitude. Porque eu escolhi
5.600 Ft ??
É simples, para relembrar, quando fizemos nosso plano deste vôo, nós pegamos os
dados da pista e vimos que a altitude do solo de congonhas é 2631 Ft. Portanto,
conforme já mostrei, deveremos estar +3000 Ft a partir do nível do solo, nesse caso
deveremos estar a 5600 Ft. Porque não colocamos 5631 Ft ?? Porque o altímetro do
piloto automático marca sempre de 100 em 100 Ft.

Quando iniciamos este procedimento para pouso deveremos dar alguns graus de
FLAP. Como saber o momento certo e quantidade correta de graus de FLAP ?? Basta
ir à referência da aeronave e ver a descrição.
Nesse exemplo, estamos utilizando o Boeing 737-800, com 250 kias podemos dar 3
graus de FLAP.

Repare na rosa dos ventos que a 26.9 nm foi identificado o VOR. Veja que
apareceu uma barra da cor magenta. Esta barra é a indicação da pista, ou seja, ela
está indicando que estamos a esquerda dela, pois se reparar no ponto central da rosa
dos ventos, você verá um desenho simbólico de nossa aeronave.
Para fazermos um pouso perfeito, deveremos estar alinhado com esta pista, como
ela indica que está a nossa direita, deveremos fazer pequenas correções a direita
fazendo com que a pista fique centralizada com a seta do CURSO.
Faremos então a curva à direita.

Repare que a barra que indica a pista começará a vir para a esquerda se
aproximando do centro, quando isso ocorrer teremos que fazer correções à esquerda
para que ela se estabilize.

Quando ver que ela esta se aproximando do centro deveremos mudar o nosso
RUMO para que fique igual ao CURSO.
Estamos alinhados com a pista, deveremos baixar o trem de pouso. Veja que as
luzes ficarão verde, isso indica que o trem de pouso foi baixado com sucesso.

A 180 kias podemos dar FLAP 25º.

Repare na rosa dos ventos que foi interceptado o ILS ( Aqueles pontinhos do lado
direito ), quando isso acontecer, nós teremos que estar alinhado ou o mais próximo
possível e acionar o botão APP ( Aproximação ).
Após apertar o botão APP, veja que o avião fará correções automáticas para
ficarmos alinhados corretamente com a pista.

A 160 kias podemos dar FLAP 30º

Vamos agora armar o SPEED BRAKE, abra o painel de manetes da aeronave.

Quando estiver aberto, abaixe a alavanca para 29%, veja que no painel frontal
acenderá a indicação SPD BRAKE ARMED. Isso mostra que armamos o SPEED
BRAKE.
Estamos quase lá..
Veja que a luz do botão ALT HLD se apagou, neste momento reduza a velocidade
do piloto automático para 145 kias.

A 145 kias podemos dar FLAP 40º


Neste momento ligue o AUTO BRAKE para 3.

Veja o ILS trabalhando. Lembrando que para fazer um pouso perfeito, a barra
deverá estar centralizada com o CURSO ( seta branca) e o ILS na horizontal.
Esta imagem mostra que estamos alinhados com a pista e também estamos na
altitude correta ( 2 luzes brancas e 2 vermelhas ).
4 luzes vermelhas indicam que você está muito baixo
4 luzes brancas indicam que você está muito alto
Antes de tocarmos ao solo deveremos desligar o piloto automático, mais
precisamente a 40 Ft do solo.
Assim que desligar o piloto automático, faremos a redução das turbinas,
acionaremos o reverso e acionaremos os freios.
OBS.: Para desligar a turbina é só apertar a tecla F1 e para acionar o reverso
aperte F2 repetidamente. Assim que tiver parando aperte F1 para sair do reverso.
Para frear é só apertar a tecla (PONTO) repetidamente.

Após parar, desligue o AUTO BRAKE, reduza os FLAP para 0º e inicie o


procedimento de TAXI.
AGRADECIMENTOS

Obrigado a todos que me ajudaram com esse tutorial, o


que mais me motivou a fazer ele foi para ajudar nosso
amigo Guilherme.

INCENTIVADORES

Comandante Guilherme

COLABORADORES DIRETOS

Laio
Comandante Alexandre ( ZEUS )