Sie sind auf Seite 1von 110

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO
SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 01678

MUNICIPIO DE CRATEUS - CE

33º Sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos


Sorteio de Unidades Municipais

26/Julho/2010

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 01678

MUNICIPIO DE CRATEUS - CE

Trata o presente Relatório dos resultados dos exames


realizados sobre as 033 Ações de Governo executados na base municipal
de CRATEUS - CE em decorrência
do 33º Evento do Projeto de Fiscalização a partir de Sorteios
Públicos.

2. Os trabalhos foram realizados no período de 03Ago2010 a


30Set2010, e tiveram como objetivo analisar a aplicação dos recursos
federais no Município sob a responsabilidade de órgãos federais,
estaduais, municipais ou entidades legalmente habilitadas.

3. As Ações Governamentais que foram objeto das ações de


fiscalização estão apresentadas a seguir, por Ministério Supervisor,
discriminando, a quantidade de fiscalizações realizadas e os recursos
aproximados aplicados:

20125 CONTROLADORIA-GERAL DA UNIAO


PROGRAMA:
GESTÃO DE REC. FEDERAIS PELO MINICÍPIOS E CONTROLE SOCIAL
AÇÃO:
GESTÃO DE REC. FEDERAIS PELO MINICÍPIOS E CONTROLE SOCIAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: Não se aplica

26000 MINISTERIO DA EDUCACAO


Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 1
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
PROGRAMA:
BRASIL ESCOLARIZADO
AÇÃO:
COMPLEMENTACAO DA UNIAO AO FUNDO DE MANUTENCAO E DESENV
OLVIMENTO DA EDUCACAO BASICA E DE VALORIZACAO DOS PROFI
SSIONAIS DA EDUCACAO - FUNDEB - NO ESTADO DO CEARA
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 24.798.686,89
AÇÃO:
DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA PARA A EDUCACAO BASICA - NA R
EGIAO NORDESTE
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 14.601,00
AÇÃO:
APOIO AO TRANSPORTE ESCOLAR NA EDUCACAO BASICA - NACION
AL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 591.131,21
AÇÃO:
DISTRIBUICAO DE MATERIAIS E LIVROS DIDATICOS PARA O ENS
INO FUNDAMENTAL - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: Não se aplica
AÇÃO:
APOIO A ALIMENTACAO ESCOLAR NA EDUCACAO BASICA - NO EST
ADO DO CEARA
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 669.546,80

PROGRAMA:
ESTATÍSTICAS E AVALIAÇÕES EDUCACIONAIS
AÇÃO:
CENSO ESCOLAR DA EDUCACAO BASICA - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: Não se aplica

PROGRAMA:
QUALIDADE NA ESCOLA
AÇÃO:
APOIO AO TRANSPORTE ESCOLAR PARA A EDUCACAO BASICA - CA
MINHO DA ESCOLA - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 413.450,00
AÇÃO:
APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA EDUCACAO BASICA - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 1.367.000,00
AÇÃO:
APOIO A REESTRUTURACAO DA REDE FISICA PUBLICA DA EDUCAC
AO BASICA - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 606.078,98

36000 MINISTERIO DA SAUDE


PROGRAMA:
ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS
AÇÃO:
PROMOCAO DA ASSISTENCIA FARMACEUTICA E INSUMOS ESTRATEG
ICOS NA ATENCAO BASICA EM SAUDE - NO ESTADO DO CEARA
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 513.940,60

PROGRAMA:
ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE
AÇÃO:
ATENDIMENTO ASSISTENCIAL BaSICO NOS MUNICiPIOS BRASILEI
ROS
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 2
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 1.984.956,00
AÇÃO:
PISO DE ATENCAO BASICA VARIAVEL - SAUDE DA FAMILIA - NA
CIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 4.759.675,00
AÇÃO:
ESTRUTURACAO DA REDE DE SERVICOS DE ATENCAO BASICA DE S
AUDE - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 2 VALOR: R$ 350.000,00

PROGRAMA:
SANEAMENTO RURAL
AÇÃO:
IMPLANTACAO DE MELHORIAS HABITACIONAIS PARA CONTROLE DA
DOENCA DE CHAGAS - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 540.000,00

PROGRAMA:
SERVIÇOS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO
AÇÃO:
IMPLANTACAO E MELHORIA DE SISTEMAS PUBLICOS DE ABASTECI
MENTO DE AGUA EM MUNICIPIOS DE ATE 50.000 HABITANTES, E
XCLUSIVE DE REGIOES METROPOLITANAS OU REGIOES INTEGRADA
S DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO (RIDE) - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 100.000,00
AÇÃO:
IMPLANTACAO DE MELHORIAS SANITARIAS DOMICILIARES PARA P
REVENCAO E CONTROLE DE AGRAVOS - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 2 VALOR: R$ 300.000,00

PROGRAMA:
VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS E AGRAVOS
AÇÃO:
INCENTIVO FINANCEIRO AOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MU
NICIPIOS CERTIFICADOS PARA A VIGILANCIA EM SAUDE - NACI
ONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 357.219,36

38000 MINISTERIO DO TRABALHO E EMPREGO


PROGRAMA:
RECURSOS PESQUEIROS SUSTENTÁVEIS
AÇÃO:
PAGAMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO AO PESCADOR ARTESANAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: Não se aplica

49000 MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO AGRARIO


PROGRAMA:
AGRICULTURA FAMILIAR - PRONAF
AÇÃO:
ASSISTENCIA FINANCEIRA A PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA E
SERVICOS MUNICIPAIS
QUANTIDADE DE O.S.: 2 VALOR: R$ 272.592,26

PROGRAMA:
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE PROJETOS DE ASSENTAMENTO
AÇÃO:
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 3
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
IMPLANTACAO E RECUPERACAO DE INFRA-ESTRUTURA BASICA EM
PROJETOS DE ASSENTAMENTO - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 290.751,04

PROGRAMA:
DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL DE TERRITORIOS RURAIS
AÇÃO:
APOIO A PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA E SERVICOS EM TERRI
TORIOS RURAIS - NA REGIAO NORDESTE
QUANTIDADE DE O.S.: 2 VALOR: R$ 187.500,00

54000 MINISTERIO DO TURISMO


PROGRAMA:
TURISMO SOCIAL NO BRASIL: UMA VIAGEM DE INCLUSÃO
AÇÃO:
APOIO A PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA TURISTICA - NACIONA
L
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 146.250,00
AÇÃO:
Promocao de Eventos para Divulgacao do Turismo Interno
em Municipios - No Estado da Paraiba
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 146.250,00

55000 MINISTERIO DO DESENV. SOCIAL E COMBATE A FOME


PROGRAMA:
ACESSO À ALIMENTAÇÃO
AÇÃO:
CONSTRUCAO DE CISTERNAS PARA ARMAZENAMENTO DE AGUA - NA
CIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 2 VALOR: R$ 1.862.017,00
AÇÃO:
APOIO A AGRICULTURA URBANA, PERIURBANA E SISTEMAS COLET
IVOS DE PRODUCAO PARA O AUTOCONSUMO - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 110.970,50
AÇÃO:
APOIO A INSTALACAO DE RESTAURANTES E COZINHAS POPULARES
- NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 338.021,12

PROGRAMA:
ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL
AÇÃO:
ACOES SOCIOEDUCATIVAS E DE CONVIVENCIA PARA CRIANCAS E
ADOLESCENTES EM SITUACAO DE TRABALHO
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 133.500,00

PROGRAMA:
GESTÃO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOM
AÇÃO:
APOIO A ORGANIZACAO DO SISTEMA UNICO DE ASSISTENCIA SOC
IAL - SUAS - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: Não se aplica
AÇÃO:
FUNCIONAMENTO DOS CONSELHOS DE ASSISTENCIA SOCIAL - NAC
IONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: Não se aplica
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 4
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
PROGRAMA:
PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA
AÇÃO:
SERVICOS DE PROTECAO SOCIAL BASICA AS FAMILIAS - NACION
AL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 243.000,00

PROGRAMA:
TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM CONDICIONALIDADES - BOLSA FAMÍLIA
AÇÃO:
TRANSFERENCIA DE RENDA DIRETAMENTE AS FAMILIAS EM CONDI
CAO DE POBREZA E EXTREMA POBREZA (LEI Nº 10.836, DE 200
4) - NA REGIAO NORDESTE
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 17.037.512,00
AÇÃO:
SERVICO DE APOIO A GESTAO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA B
OLSA FAMILIA - NACIONAL
QUANTIDADE DE O.S.: 1 VALOR: R$ 371.557,23

TOTAL DE O.S.: 38 VALOR TOTAL: R$ 58.506.206,99

4. Este relatório, destinado aos órgãos e entidades da


Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de
execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de
campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos
legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução.

5. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas,


quanto àqueles sob sua responsabilidade, já foram previamente
informados sobre os fatos relatados, tendo se manifestado em
20Set2010, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes,
adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas
públicas, bem como à apuração das responsabilidades.

6. Nesse sentido, os resultados das fiscalizações realizadas,


sempre que os trabalhos tenham evidenciado fatos relevantes que
indiquem impropriedades/irregularidades na aplicação dos recursos
federais examinados estão demonstrados a seguir, por Ministério:

SUMÁRIO DAS CONSTATAÇÕES DA FISCALIZAÇÃO

26000 MINISTERIO DA EDUCACAO


1.1.1 CONSTATAÇÃO:
Pagamento de despesas inelegíveis com recursos do Fundeb.
1.1.2 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido de despesas com serviços de publicidade com
recursos do Fundeb.
1.1.3 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido de despesas com serviços fotográficos com
recursos do Fundeb.
1.1.4 CONSTATAÇÃO:
Pagamento de despesas com serviços de fornecimento de refeições sem
comprovação de sua correlação com os objetivos do Fundeb.
1.1.5 CONSTATAÇÃO:
Pagamento, com recursos da parcela de 60% dos recursos do Fundeb, de
despesas com ajuda de custo.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 5
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
1.1.6 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido, com recursos do Fundeb, de profissionais do
magistério em desvio de função.
1.1.7 CONSTATAÇÃO:
Ausência de capacitação dos membros do Conselho do Fundeb.
1.1.8 CONSTATAÇÃO:
Compra de material com recursos do PDDE sem realização de licitação,
ocasionando deficiência na gestão dos recursos.
1.1.9 CONSTATAÇÃO:
Utilização de veículos sem os requisitos legais exigidos para condução
coletiva de escolares, comprometendo o conforto e a segurança dos
estudantes.
1.1.10 CONSTATAÇÃO:
Contratação de motoristas habilitados em categoria não compatível para
transporte escolar.
1.1.11 CONSTATAÇÃO:
Ocorrência de sobrepreço nos valores pagos pelo Município de Crateús à
empresa Mendes Locações de Veículos Ltda., nos anos de 2009 e 2010.
1.1.12 CONSTATAÇÃO:
Contratação de empresa tecnicamente incapaz de prestar o objeto,
culminando com subcontratação irregular por parte da contratada.
1.1.13 CONSTATAÇÃO:
Sistema SISCORT não é usado para gerenciamento do livro no município
de Crateús.
1.1.14 CONSTATAÇÃO:
Existência de alunos sem livros do PNLD.
1.1.15 CONSTATAÇÃO:
Livros destinados às escolas da zona rural não foram entregues pela
Prefeitura de Crateús.
1.1.16 CONSTATAÇÃO:
Ausência de Controle de estoque dos gêneros alimentícios do Programa
de Alimentação Escolar nas escolas.
1.1.17 CONSTATAÇÃO:
Inexistência de Teste de Aceitabilidade do cardápio da merenda
escolar.
1.1.18 CONSTATAÇÃO:
Merenda escolar composta por alimento proibido pela legislação do
PNAE.
1.1.19 CONSTATAÇÃO:
Cardápio não está sendo seguido pelas escolas.
1.1.20 CONSTATAÇÃO:
Falta de controle de qualidade dos alimentos adquiridos para a merenda
escolar.
1.1.21 CONSTATAÇÃO:
Desempenho insatisfatório do nutricionista na execução técnica do
PNAE.

36000 MINISTERIO DA SAUDE


2.1.1 CONSTATAÇÃO:
Indícios de montagem de processo licitatório
2.2.1 CONSTATAÇÃO:
Inexistência dos documentos de despesas realizadas com Recursos do PAB
Fixo no mês de maio/2009.
2.2.2 CONSTATAÇÃO:
Saques de recursos depositados pela União na Conta específica do Piso
de Atenção Básica sem a correspondente comprovação de despesa.
2.2.3 CONSTATAÇÃO:
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 6
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Pagamento de despesa a título de recolhimento de Imposto de Renda da
folha de pagamento incompatível com os valores a serem retidos dos
profissionais da Atenção Básica.
2.2.4 CONSTATAÇÃO:
Pagamento inelegível com desapropriação de terreno.
2.2.5 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido de tarifa referente à consumo d'água do Centro de
Especialidades Médicas.
2.2.6 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido referente ao consumo d'água do Prédio do Corpo de
Bombeiros.
2.2.7 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido de despesas com manutenção do hospital de
referência e laboratório clínico.
2.2.8 CONSTATAÇÃO:
Utilização dos recursos do PAB para pagamento de servidores não
lotados nas unidades relacionadas às ações de Atenção Básica de Saúde.
2.2.9 CONSTATAÇÃO:
Postos de Saúde com apenas 01 banheiro para os profissionais e
usuários.
2.2.10 CONSTATAÇÃO:
Unidades Básicas de Saúde sem água potável adequada para utilização
dos profissionais.
2.2.11 CONSTATAÇÃO:
Incompatibilidade entre as informações constantes do Mapa Diário de
Atendimento em relação às folhas de frequência.
2.2.12 CONSTATAÇÃO:
Equipamentos adquiridos com especificações em desacordo com o PLano de
Trabalho.
2.3.1 CONSTATAÇÃO:
Moradias construídas parcialmente ou fora das especificações técnicas.
2.3.2 CONSTATAÇÃO:
Ausência de fornecimento de documentos relativos ao Convênio nº 356/01
- FUNASA, prejudicando os trabalhos de fiscalização.
2.4.1 CONSTATAÇÃO:
Divergências nos quantitativos de medicamentos distribuídos pela
Secretaria de Saúde do Estado em relação aos recebidos pela Central de
de Abastecimento Farmacêuticos do Município.
2.4.2 CONSTATAÇÃO:
Divergências nos quantitativos de medicamentos distribuídos pela
Central de Abastecimento Farmacêutico - CAF em relação aos recebidos
pelas Unidades Básicas de Saúde do Município.
2.4.3 CONSTATAÇÃO:
Existência no estoque das UBASF de medicamentos vencidos ou com
validade próxima do vencimento.

38000 MINISTERIO DO TRABALHO E EMPREGO


3.1.1 CONSTATAÇÃO:
Ausência de fiscalização por parte do Instituto Brasileiro do Meio
Ambiente - IBAMA.

49000 MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO AGRARIO


4.1.1 CONSTATAÇÃO:
Morosidade excessiva na execução do objeto do Contrato de Repasse,
pondo em risco o investimento já realizado.
4.1.2 CONSTATAÇÃO:
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 7
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Não disponibilização de processos de pagamentos do Convênio

54000 MINISTERIO DO TURISMO


5.1.1 CONSTATAÇÃO:
Habilitação indevida do licitante vencedor do certame licitatório.
5.1.2 CONSTATAÇÃO:
Edital conténdo exigências que frustram o caráter competitivo do
certame.

55000 MINISTERIO DO DESENV. SOCIAL E COMBATE A FOME


6.1.1 CONSTATAÇÃO:
Deficiências na infra-estrutura dos núcleos de atividades socio-
educativas do PETI.
6.1.2 CONSTATAÇÃO:
Divergências entre a frequência informada no SISPETI e a constante na
lista de presença do Serviço Socioeducativo.
6.2.1 CONSTATAÇÃO:
Informação incompleta das famílias selecionadas no Sistema Sig-
Cisternas.
6.2.2 CONSTATAÇÃO:
Família beneficiária do Programa "Um milhão de Cisterna" que não
atende as condicionalidades.
6.3.1 CONSTATAÇÃO:
Alunos não localizados nas escolas constantes da amostra.
6.3.2 CONSTATAÇÃO:
Imposição de abertura de conta corrente na Caixa Econômica Federal
para retirada do benefício do Programa Bolsa Família.
6.3.3 CONSTATAÇÃO:
Atuação deficiente da Instância de Controle Social no município de
Crateús.
6.3.4 CONSTATAÇÃO:
Movimentação irregular dos recursos do IGD.

DETALHAMENTO DAS CONSTATAÇÕES DA FISCALIZAÇÃO

1 - 26000 MINISTERIO DA EDUCACAO

1.1 - PROGRAMA
1061
BRASIL ESCOLARIZADO
AÇÃO :
0E36
COMPLEMENTACAO DA UNIAO AO FUNDO DE MANUTENCAO E DESENVOLVIMENTO DA
EDUCACAO BASICA E DE VALORIZACAO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCACAO - FUNDEB -
NO ESTADO DO CEARA
OBJETIVO DA AÇÃO :
Assegurar a participação da União, a título de complementação, na
composição do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação
Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, de
forma a garantir, no âmbito dos Estados onde o valor per capita do
Fundo encontrar-se abaixo do valor mínimo nacional por aluno/ano,
o alcance desse valor mínimo nacional.
ORDEM DE SERVIÇO : 253047
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Âmbito municipal:
prefeituras contempladas com recursos financeiros da complementação
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 8
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
da União para aplicação no âmbito do ensino infantil e fundamental.
Conselho de Acompanhamento e Controle Social instituído para
acompanhamento e controle da aplicação dos recursos do FUNDEB no
ensino básico público.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 24.798.686,89

1.1.1 CONSTATAÇÃO:
Pagamento de despesas inelegíveis com recursos do Fundeb.

FATO:
Da análise, por amostragem, de processos de pagamentos realizados à
conta dos 40% dos recursos do Fundeb, verificamos que foram
transferidos, mensalmente, R$ 1.500,00, para manutenção do
Conselho Municipal de Educação, sem detalhamento das despesas a serem
pagas com o referido valor, nem embasamento legal para o repasse.

EVIDÊNCIA:
Processos de pagamento referentes à parcela de 40% dos recursos do
Fundeb, e extratos bancários da conta corrente nº 24.448-1 (40%),
Agência BB nº 0237-2.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal de
Crateús apresentou a seguinte justificativa:
"...Quanto ao item 6, do ponto retro, onde se questiona o valor
repassado ao Conselho Municipal de Educação - CME, nosso
posicionamento é, uma vez mais, de discordar frontalmente da análise
do Auditor, cabendo salientar que o Conselho tem como prerrogativa
fundamental o acompanhamento da Educação Pública Municipal, a
elaboração de políticas públicas educacionais, além de ser órgão
deliberativo, consultivo e fiscalizador, constituindo assim, o Sistema
de Ensino Público Municipal de Ensino. Entendemos, assim, que este
repasse feito ao Conselho foi objetivando o seu melhor funcionamento,
o que, indiscutivelmente, proporcionará uma melhoria substancial em
seu desempenho, o que, como conseqüência direta disso, essa melhoria
se refletirá na educação posta em prática no Município. A Falha
acontecida, por assim dizer, deveu-se apenas ao não detalhamento das
despesas a serem cobertas com este repasse. Estamos anexando Documento
elaborado pelo Conselho de Educação de Crateús onde detalha as
despesas que foram realizadas com os recursos repassados, inclusive
com previsão legal, materializada em Lei Municipal, para conhecimento
desta Controladoria. ( Anexo 02 - Documentação referente a
Comprovantes de Devolução de Recursos)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em que pese as justificativas apresentadas, entendemos que a despesa
não é cabível, uma vez que a documentação apresentada demonstra que as
despesas foram efetivadas em favor da Casa dos Conselhos, vinculada à
Secretaria de Educação, sendo a referida casa integrada pelo Conselho
Municipal de Educação, Conselho do Fundeb, Conselho de Alimentação
Escolar, Conselhos Escolares, Conselho da Bolsa Escola, ou seja,
abrange Conselhos vinculados a outros programas, caso do PNAE e do
Bolsa Família.
Ademais, no caso específico do Conselho do Fundeb, cabe ao Poder
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 9
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Executivo oferecer ao mesmo apoio material e logístico para o
exercício de suas funções, conforme o art. 24, parágrafo 10 da Lei nº
11.494/2007, de modo que financiar o exercício de suas competências
com recursos do próprio fundo fiscalizado fere os princípios de
independência e segregação de funções.
Deste modo, o ponto relativo à impropriedade apontada será mantido.

1.1.2 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido de despesas com serviços de publicidade com
recursos do Fundeb.

FATO:
Dos exames realizados nos processos de pagamentos, à conta do
FUNDEB (40%), exercício de 2009, evidenciamos a realização indevida de
despesas com serviços de publicidade, nos valores a seguir
discriminados, à empresa Habilitar Publicidade e Representação (CNPJ
08.608.837/0001-20).
Ordem Data Nota Data Valor
Bancária Fiscal (R$)
91210006 10/12/09 0232 05/11/09 5.411,00
91210005 10/12/09 0245 27/11/09 6.247,00
TOTAL 11.658,00

A referida despesa consiste na realização de comerciais (spots) de 30


e 60 segundos, produção de spots e propaganda volante para campanha
em proveito da Secretaria de Educação.
Entendemos que tal despesa não está devidamente caracterizada como
sendo de manutenção e desenvolvimento do ensino, não sendo
voltada à consecução dos objetivos das instituições educacionais de
todos os níveis conforme preconiza o art. 70 da Lei nº 9.394/96.

EVIDÊNCIA:
Processos de pagamento relativos às Notas Fiscais nº 0232 e
0245, de 05 e 25/11/09, respectivamente.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal de
Crateús apresentou a seguinte justificativa:
"Com relação a esta Constatação, embora defendamos a sua regular
aplicação, resolvemos, para o saneamento do ponto, também, devolver
este valor de R$ 11.658,00. Informamos que esta devolução será feita
dentre de 30 dias, uma vez que não há, neste momento, disponibilidade
financeira que suporte tal devolução. Ressaltamos que, quando da
efetiva devolução, encaminharemos documento comprobatório a esta
Controladoria."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Considerarmos pertinentes as providências adotadas pela Prefeitura
Municipal de Crateús, porém o ponto será mantido até a comprovação do
ressarcimento da despesa efetuada com publicidade.

1.1.3 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido de despesas com serviços fotográficos com
recursos do Fundeb.

FATO:
Dos exames realizados nos processos de pagamentos, à conta do
FUNDEB (40%), exercício de 2009, evidenciamos a realização indevida de
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 10
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
despesas com serviços fotográficos, referentes a eventos realizados
em escolas municipais, no valor total de R$ 6.874,36, à prestadora de
serviços H.K.L.A, conforme a seguir discriminado:
Ordem Data Nota Fiscal Data Valor
Bancária Avulsa (R$)
132260 10/09/09 83100013 31/08/09 1.718,59
850612 02/10/09 92900028 29/09/09 1.718,59
131449 05/11/09 10270006 27/10/09 1.718,59
131645 09/12/09 112500013 25/11/09 1.718,59
TOTAL 6.874,36

Entendemos que tal despesa não está devidamente caracterizada como


sendo de manutenção e desenvolvimento do ensino, não sendo
voltada à consecução dos objetivos das instituições educacionais,
conforme preconiza o art. 70 da Lei nº 9.394/96, tendo sido,
inclusive, paga no período de janeiro a agosto de 2009, com recursos
próprios.

EVIDÊNCIA:
Processos de pagamento relativos aos cheques nº 132260, 850612, 131449
e 131645.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal de
Crateús apresentou a seguinte justificativa:
"Com relação a esta constatação, frente ao explicitado mediante
análise dos processos de pagamentos, destacamos como aspecto relevante
os serviços fotográficos realizados, considerando que estes são
direcionados totalmente em proveito dos trabalhos pedagógicos,
projetos realizados nas escolas, com a efetiva participação dos alunos
e que servem para conservar a memória educacional, tanto da escola
como do próprio alunado, através da produção de portfólios, que
posteriormente são utilizados como fontes históricas para pesquisas e
documentários históricos-educacionais, conforme documento em anexo.
Assim sendo, este gasto retro mencionado reveste-se em total proveito
da melhoria da educação municipal, razão pela qual entendemos que não
deve ser, em nenhuma hipótese, devolvido, pela sua própria finalidade
e essência. (Anexo 05 - Fotos relacionados ao ponto em epígrafe)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em que pesem as justificativas apresentadas, da análise da
documentação apresentada, verificamos que boa parte dos produtos
referem-se a registros fotográficos de eventos como Olimpíadas
Estudantis e atividades culturais com os alunos, despesas
essas que são claramente vedadas pelo FNDE, no item 5.13 do
aplicativo "Perguntas Frequentes", conforme já relatado no item
1.1.2 deste relatório.
Ainda que os demais produtos, referentes ao registro de eventos
educacionais, encontrem amparo como sendo despesas de manutenção
e desenvolvimento do ensino, entendemos que o pagamento de um valor
mensal fixo para os referidos serviços fotográficos não se justifica,
uma vez que a realização de tal tipo de evento é esporádico, e
apresenta custos varíaveis de serviços demandados, como do número de
fotos, tipo de foto, número de cópias, etc, devendo os valores a serem
pagos calculados com base nos custos efetivos dos serviços.
Ressalte-se, por fim, que embora alguns dos eventos possam requerer, a
atuação de um profissional da área, entendemos que, em sua
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 11
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
maioria, não requerem a contratação de serviços especializados, que,
em função do fácil acesso a máquinas digitais e da facilidade de
operacionalização, podem ser substituídos por equipamentos e
funcionários da própria prefeitura.

1.1.4 CONSTATAÇÃO:
Pagamento de despesas com serviços de fornecimento de refeições sem
comprovação de sua correlação com os objetivos do Fundeb.

FATO:
Verificamos o fornecimento de refeições com recursos do Fundeb,
conforme a seguir discriminado, sem a devida identificação do evento a
ser atendido com o referido serviço, impossibilitando verificar se a
despesa está devidamente caracterizada como sendo de manutenção e
desenvolvimento do ensino, conforme preconiza o art. 70 da Lei nº
9.394/96.
Fornecedor Nota Data Valor
Data Fiscal (R$)

M.L.Lopes da 028 03/11/09 4.914,00


Silva -ME 053 10/12/09 637,00
Churrascaria e 059 05/12/09 660,00
Pizzaria Silveira
Filho
TOTAL 6.211,00

Ademais, verificamos o fornecimento de 884 refeições, no valor total


de R$ 6.188,00, pagos a M.L.Lopes da Silva - ME (CNPJ 10.758.406/0001-
91), conforme NF nº 011, de 25/08/09, referente ao fornecimento de
lanche e refeições para professores da rede pública municipal que se
encontravam acampados nas dependências da Secretaria de Educação do
Município, conforme Ofício nº 04/2009, do Sindicato dos Professores da
Rede Pública Municipal de Crateús, de 26/08/09.

EVIDÊNCIA:
Processos de pagamento.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal de
Crateús apresentou a seguinte justificativa:
"Quanto a este ponto alocado pela fiscalização, informamos a vossa
senhoria que o serviço de alimentação aqui diagnosticado, sempre que
realizado, objetiva única e exclusivamente propiciar condições
necessárias para que os professores participem das capacitações,
formações e planejamentos dos trabalhos educacionais que se
desenvolvem no cotidiano da sala de aula. Prática esta, indispensável
dentro do processo de ensino-aprendizagem, haja vista que é a
Secretaria de Educação do Município, através de seu quadro técnico que
realiza o referido trabalho junto aos professores e que estes se
deslocam da Zona Rural para a Zona Urbana à Sede do Município,
percorrendo uma quilometragem que varia entre 10 km e acima de 120 km
de distância de suas residências, conforme documentação em anexo,
ficando assim, o Município, obrigado a oferecer alimentação aos
professores e gestores participantes, considerando seu relevante e
imprescindível trabalho, bem como a necessidades de direcionamento e
qualificação inerentes ao fazer pedagógico e real aproveitamento no
que se relaciona ao aprendizado dos alunos da rede pública municipal,
que nossa razão única de existência. Portanto, fica claro que a
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 12
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
despesa com alimentação, em epígrafe, está plenamente dentro do rol de
despesas possíveis de serem suportadas pelo Fundo, conforme
documentação em anexo.
Quanto ao outro ponto alocado, qual seja, o serviço de alimentação
prestado aos professores acampados nas dependências da Secretaria de
Educação, informamos que já determinamos um completo levantamento
desta despesa realizada, a responsabilidade de quem a autorizou, para
a sua total devolução à Conta Corrente do Fundo, sanando assim a
impropriedade. Quando da conclusão do levantamento, com o conhecimento
de datas e valores, faremos o imediato ressarcimento destes valores,
sanando assim a impropriedade.(Anexo 06 Ã Documentação comprobatória
das ações realizadas e Comprovante de Devolução)."
ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:
Analisando as justificativas apresentadas, verificamos que a
Prefeitura Municipal apresentou documentação relativa aos seguintes
eventos, realizados dentro do período indicado nas notas fiscais:
Evento e Data Data Nº
Particip.
Capacitação Professores 2º Ano 21/11/09 45
Programa Alfa e Beto
Planejamento da Educação Infantil 30/09/09 45
Pré I - 5ª Formação 01/10/09 53
Reunião Escolha de livros 2º Ano 08/10/09 42
Fundamental para 2010 e 2011
Capacitação Professores 2º Ano 31/10/09 41
Programa Alfa e Beto
Planejamento da Educação Infantil- 04/11/09 43
6ª Formação
Planejamento da Educação Infantil 05/11/09 48
Pré I 6ª Formação
Capacitação Professores 2º Ano 07/11/09 42
Programa Alfa e Beto
Planejamento do Eixo 1º Ano - PAIC 19/11/09 38
4ª Formação

Capacitação Professores 2º Ano 21/11/09 39


Programa Alfa e Beto
Total Participantes 436

Comparando o quadro acima com as informações constantes das notas


fiscais retro mencionadas, conforme a seguir discriminado, entendemos
que a documentação justifica apenas parcialmente as despesas efetuadas
com refeições, haja vista que os eventos se limitaram ao período
de um dia, incompatível, portanto, com o fornecimento de 793
refeições.
Nota Data Objeto
Fiscal
028 03/11/09 Forn. de 702 refeições
(almoço)
053 10/12/09 Forn. de 91 refeições
(almoço)
059 05/12/09 Forn. de 165 lanches

Portanto, mantemos a constatação.

1.1.5 CONSTATAÇÃO:
Pagamento, com recursos da parcela de 60% dos recursos do Fundeb, de
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 13
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
despesas com ajuda de custo.

FATO:
Da análise, por amostragem, da folha de pagamento do Fundeb
- 60%, verificamos que está sendo pago, com recursos da parcela de
60% do Fundeb, ajuda de custo para professores que residem em
localidade diversa do local de trabalho, em desacordo com o item
4.1.1 do Manual de Orientação do Fundeb, o qual dispõe que não devem
compor a remuneração, para fins de cumprimento da aplicação mínima de
60% do Fundeb, as despesas realizadas a título de auxílio-transporte
ou apoio equivalente, destinado a assegurar o deslocamento do
profissional de ida e volta para o trabalho.

EVIDÊNCIA:
Análise, por amostragem, da folha de pagamento paga com recursos
parcela de 60% do Fundeb.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal de
Crateús apresentou a seguinte justificativa:
"om relação a este ponto, consignado em Relatório, o Município de
Crateús explica que o pagamento com recursos da parcela dos 60% do
Fundeb aos professores que se deslocam para a zona rural do Município,
ocorre, em virtude, da grande demanda existente nesta e, objetivando
tanto cumprir com suas prerrogativas de ofertar aulas diariamente às
crianças, adolescentes, jovens e adultos residentes nos mais
longínquos Distritos e povoados, como também zelar pela vida destes.
Desta feita, faz-se extremamente necessário o auxílio transporte e
alimentação para o deslocamento do professor, uma vez que o mesmo não
dispõe de condições para se deslocar e se manter nos referidos
Distritos e povoados, desenvolvendo um trabalho educacional
satisfatório junto aos alunos, que carecem de atenção absoluta. O
intuito primordial aqui é propiciar aos professores a condição de
acompanhar, orientar e ensinar com qualidade. Enfim, todos os
procedimentos e práticas adotados visam, incondicionalmente, o
absoluto e pleno atendimento aos educandos da rede pública municipal
(Anexo 07 - Decreto de Quilometragem, relacionado às distâncias)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Apesar das justificativas apresentadas e da necessidade de garantir
que os profissionais do magistério não tenham suas atividades
prejudicadas em função de tais custos, o Manual de Orientação do
Fundeb, em seu item 4.1.1, é claro quando dispõe que despesas
realizadas a título de auxílio-transporte ou apoio equivalente não
devem compor a remuneração dos profissionais, para fins de cumprimento
da aplicação mínima de 60%, devendo ser ressarcidas com recursos
próprios ou da parcela de 40%.
Deste modo, o ponto apontado permanece.

1.1.6 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido, com recursos do Fundeb, de profissionais do
magistério em desvio de função.

FATO:
De acordo com análise da folha de pagamento do exercício de 2010 e
vistoria "in loco", constatamos o pagamento, com recursos do Fundeb
(percentual de 60%), da profissional do magistério T.B.S, matrícula nº
582, que não se encontra no efetivo exercício do cargo, contrariando o
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 14
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
disposto no inciso I do art. 23 da Lei nº 11.494, de 20/6/2007, uma
vez que a referida profissional do magistério, lotada no CIAC Antônio
Anísio da Frota, não se apresentou para o exercício de suas atividades
e ocupa, atualmente, o cargo de diretora da Escola Estadual de Ensino
Fundamental Gonzaga Mota, conforme constatado em visita ao referido
estabelecimento, sem qualquer documento que legalize sua situação.
Conforme Ofício nº 384, de 13/08/10, da Gerente de Recursos Humanos da
Secretaria de Educação, encaminhado à Equipe de Fiscalização, por não
ter entrado em exercício, a referida servidora não recebeu salário no
período de maio a junho de 2010, tendo a mesma alegado que não pode
assumir sua lotaçao devido a problemas de saúde, porém, em perícia
médica, teve seu pedido de licença médica negado, e teria entrado em
acordo com outra professora para substituí-la, sem apresentar qualquer
amparo legal para tal substituição.

EVIDÊNCIA:
Análise da folha de pagamento do exercício de 2010 e vistoria "in
loco" no CAIC Antônio Anísio da Frota e Escola Estadual de Ensino
Fundamental Gonzaga Mota.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal de
Crateús apresentou a seguinte justificativa:
"Informamos que, com relação a este ponto, acerca da Servidora
Municipal T.B.S., Matrícula 582, ocupante do Cargo de
Professora Efetiva, a mesma entrou com solicitação de gozo de licença
sem remuneração, sendo esta licença sido imediatamente concedida,
conforme documento em anexo, sanando, assim, a impropriedade
detectada. (Anexo 08 - Documento relacionado ao ponto em epígrafe)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em que pese a referida servidora ter solicitado licença sem
remuneração, consta da documentação apresentada o Parecer nº 53/2010 -
PGM, de 09/09/2010, da Procuradoria Geral do Município, o qual conclui
pelo deferimento do pedido, desde que a mesma tenha cumprido a
exigência do art. 1º do art. 83 da Lei nº 486/02, de 31/01/2002, que
dispõe que somente após três anos de efetivo exercício o profissional
do magistério poderá obter autorização de afastamento.
Uma vez que não foi apresentada nenhuma portaria ou outro documento
comprovando o efetivo afastamento da servidora, o ponto permanece
pendente.

1.1.7 CONSTATAÇÃO:
Ausência de capacitação dos membros do Conselho do Fundeb.

FATO:
Em entrevista com nove membros do Conselho do Fundeb, os mesmos
informaram que não receberam nenhum tipo de capacitação até o momento,
por parte do Ministério da Educação, contrariando o disposto no inciso
II, do art. 30 da Lei nº 11.494/2007.

EVIDÊNCIA:
Entrevista com nove conselheiros do FUNDEB.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal de
Crateús apresentou a seguinte justificativa:
"Para a correção deste ponto alocado no Relatório, estamos convidando
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 15
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
os membros do Conselho para participarem de capacitação a ser
promovida e ministrada por técnicos contratados de empresa de
Consultoria especializada, sanado, assim, o ponto. (Anexo 10 - Ofícios
encaminhados ao Conselho do Fundeb)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em que pese a incitiva adotada pela Pefeitura Municipal de Cratéus, o
ponto adotado refere-se à falta de capacicação por parte do Ministério
da Educação, mantendo-se, portanto, o ponto.

AÇÃO :
0515
DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA PARA A EDUCACAO BASICA - NA REGIAO NORDESTE
OBJETIVO DA AÇÃO :
Atendimento, com recursos suplementares, a escolas públicas estaduais,
distritais e municipais que oferecem a educação básica nas diversas mo
dalidades, bem como as escolas de educação especial mantidas por enti-
dades privadas sem fins lucrativos, visando à melhoria da infra-estru-
tura física e pedagógica, à autonomia gerencial dos recursos e à parti
cipação coletiva na gestão e no controle social, melhorando o funciona
mento das unidades educacionais e propiciando ao aluno ambiente adequa
do, salutar e agradável para a permanência na escola, concorrendo para
o alcance da elevação do desempenho escolar.
ORDEM DE SERVIÇO : 252437
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
- Aquisição de materiais de consumo e permanente pela Prefeitura Muni-
cipal/SEDUC necessários ao funcionamento da escola e de serviços para
manutenção, conservação e pequenos reparos na Unidade Escolar.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 14.601,00

1.1.8 CONSTATAÇÃO:
Compra de material com recursos do PDDE sem realização de licitação,
ocasionando deficiência na gestão dos recursos.

FATO:
A Prefeitura Municipal de Crateús recebeu o valor de R$ 14.601,00,
referente ao PDDE no ano de 2009, sendo Entidade Executora de oito
escolas municipais. Com esses recursos, a Prefeitura adquiriu
materiais de limpeza e escolares no ano de 2010, em virtude de ter
reprogramado os recursos não usados no exercício anterior, tendo sido
enviado para as escolas os respectivos materiais.
Por meio da Solicitação de Fiscalização nº 04, de 04/08/2010, foi
solicitado os processos licitatórios realizados pela Prefeitura para a
compra de materiais com recursos do PDDE. Durante os trabalhos de
campo, a Secretária Municipal de Educação informou que a Prefeitura
não realizou licitação para a compra de materiais com recursos do
PDDE.
Durante visitas às cinco escolas constantes na amostra, os Diretores
das mesmas informaram à equipe de fiscalização que os materiais foram
comprados pela própria escola, juntamente com servidor responsável da
Secretaria Municipal de Educação, tendo sido feito apenas uma pequisa
de preço por cada entidade escolar para identificar qual fornecedor
seria comprado os materiais solicitados pela escola.
Pela análise dos processos de pagamentos, constatou-se que a
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 16
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Prefeitura adquiriu os mesmos materiais de fornecedores diferentes, na
mesma época e com valores que diferem para as mesmas aquisições, como
segue exemplificadamente alguns itens na tabela abaixo:

Item Fornecedor Data da Quantidade Valor


(CNPJ) compra unitári
o (R$)
1- Esponja de aço Hiper Nacional 15/03/2010 15 0,99
Mercantudo 15/03/2010 50 0,89
2- Papel higiênico Hiper Nacional 15/03/2010 16 1,29
Mercantudo 15/03/2010 50 1,09
3- Pano de limpeza Hiper Nacional 15/03/2010 10 1,55
de chão
Mercantudo 15/03/2010 20 1,19
4- Rodo Hiper Nacional 15/03/2010 3 6,90
Mercantudo 15/03/2010 2 3,49
Supermercado 10/03/2010 6 3,25
Cosmos
5- Vassoura de Hiper Nacional 15/03/2010 30 0,55
palha Mercantudo 15/03/2010 30 0,46
6-Esponja de Hiper Nacional 15/03/2010 20 0,39
Limpeza
Mercantudo 15/03/2010 30 0,30
7- Detergente Hiper Nacional 15/03/2010 24 0,99
Mercantudo 11/03/2010 20 1,08
Supermercado 18/03/2010 30 0,76
Cosmos
8-sabão em pasta Hiper Nacional 15/03/2010 1 2,49
Mercantudo 11/03/2010 2 1,08
9-Ácido muriático Hiper Nacional 15/03/2010 5 2,14
Mercantudo 11/03/2010 3 1,89
10- desinfetante Mercantudo 11/03/2010 10 1,75
Supermercado 18/03/2010 30 1,38
Cosmos
11- Água Sanitária Hiper Nacional 15/03/2010 24 1,29
Supermercado 18/03/2010 20 0,94
Cosmos
12-Sabão em pó Hiper Nacional 15/03/2010 24 3,39
Supermercado 18/03/2010 30 1,47
Cosmos
13- Sabão em barra Hiper Nacional 15/03/2010 10 2,79
Supermercado 18/03/2010 10 2,52
Cosmos

Como a Prefeitura é Entidade Executora de oito escolas que não possuem


Unidade Executora Própria no ano de 2009, sendo responsável pela
gestão dos recursos do PDDE, e tendo recebido valor de R$ 14.601,00,

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 17


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
considerando ainda que os materiais comprados dizem respeito às
prioridades das escolas ao longo do exercício, há a necessidade de um
planejamento das despesas a serem realizadas, seguindo a realização de
licitação respectiva.

EVIDÊNCIA:
Relação dos valores repassados pelo FNDE no ano de 2009;
Processos de pagamento do PDDE;
Visita às escolas Videlina Maria da Conceição, João Afonso Almeida
Vale, José de Oliveira Camerino, Aurélio da Costa Azevedo e Creche
Comunitária 1º de Maio, e entrevista com os diretores
das mesmas.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, datado de 20/09/2010, gestor apresentou
a seguinte justificativa:
"Com relação a este ponto, ressaltamos que a Prefeitura Municipal de
Crateús recebeu, apenas em 2009, o primeiro recurso referente ao PDDE
- Programa Dinheiro Direto na Escola. Diante da inexperiência das
Escolas para com o manejo destes recursos, foi contatado o Sr.
Everardo Araújo, Coordenador do PDDE na Secretaria de Educação do
Estado do Ceará- SEDUC, que, nos orientou que, para a realização das
aquisições a serem efetivadas com estes recursos, seria necessário,
apenas, a prévia pesquisa de preço, sendo desnecessário o procedimento
administrativo de licitação. Informamos que, doravante, acataremos
imediatamente a orientação para que sejam procedidos todos os passos
legais previstos para as compras, inclusive a adoção de procedimento
licitatório, quando for o caso, para todas as aquisições com recursos
do PDDE, com a orientação da Comissão de Licitação e do Setor Jurídico
desta Prefeitura, buscando-se, assim, não repetir a impropriedade.
Favor ver Documentação. (Anexo 11 - Documentação de aquisições)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Toda a aquisição de bens ou serviços que ultrapasse o valor respectivo
do inciso II, artigo 24 da Lei 8.666/93, deve ser precedida de
licitação. O fato da Prefeitura ter recebido recursos do PDDE
inicialmente a partir de 2009 não explica a não-observância aos
preceitos da Lei, tendo em vista que a mesma recebeu o montante acima
do valor prescrito no inciso acima mencionado.
Ressalta-se que não são as escolas que gerenciam os recursos
questionados na constatação, mas a Prefeitura Municipal de Crateús
como Entidade Executora. E assim sendo, a não realização de licitação
por parte da Prefeitura como Entidade Executora não deve ser imputado
à inexperiência das escolas no gerenciamento do PDDE. Estas não
possuem responsabilidade no gerenciamento dos recursos financeiros,
mas tão somente agem na escolha das prioridades a serem observadas
pela Prefeitura quanto à compra de materiais ou contratação de
serviços.
Nas considerações finais da manifestação, o gestor municipal admite a
constatação apontada pela equipe de fiscalização. Assim mantém-se a
constatação.

AÇÃO :
0969
APOIO AO TRANSPORTE ESCOLAR NA EDUCACAO BASICA - NACIONAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
Garantir a oferta de transporte escolar aos alunos do ensino público,
residentes em área rural, por meio de assistência financeira, em
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 18
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
caráter suplementar, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municí-
pios, de modo a garantir-lhes o acesso e a permanência na escola.
ORDEM DE SERVIÇO : 253046
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
- Aquisição, Prefeitura Municipal/SEDUC, de combustível para os veícu-
los escolares e de serviços contratados junto a terceiros para o trans
porte dos alunos; Pagamento de despesas com impostos e taxas, peças e
serviços mecânicos.
- Atuação do Conselho de Acompanhamento e Controle Social.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 591.131,21

1.1.9 CONSTATAÇÃO:
Utilização de veículos sem os requisitos legais exigidos para condução
coletiva de escolares, comprometendo o conforto e a segurança dos
estudantes.

FATO:
Visando verificar a compatibilidade e adequação dos transportes que
conduzem os escolares do Município de Crateús/CE, foi elaborada
amostra dentre os veículos utilizados, no total de 23 veículos, de
diversos tipos e marcas (ônibus, camionetas, micro-ônibus, vans,
caminhões etc).
Das vistorias realizadas, verificamos a existência de diversos
veículos apresentando problemas variados, entre os quais listamos a
seguir, apenas a título exemplificativo, alguns dos encontrados:
- veículos não registrados como "de passageiros" (D-20 - Placa JXZ
9002, F-4.000 - Placa HUM 7161);
- Existência de extintores vencidos, ausência de cintos de segurança
(mesmo os que apresentavam cintos de segurança, não o tinham no
número dos alunos transportados, a exemplo dos veículos D-20 - Placa
JXZ 9002, F-4.000 - Placa HUM 7161, que só possuem cinto na boleia dos
veículos);
- dístico TRANSPORTE ESCOLAR fora das especificações exigidas pelo CTB
(Kombi placa HUQ 2587);
- Veículos D-20 transportando crianças de 3 a 6 anos de idade nas
carrocerias, conforme declarações dos próprios condutores;
Nos veículos tipo camionetas (D-20 - placa LXA 8278) para o
transporte dos alunos são feitas algumas adaptações em suas caçambas,
com instalação de cobertas, na maioria das vezes de lona, sob
estrutura em madeira ou ferro e bancos de tábua corrida, alguns sem
nenhuma fixação no lastro do veículo e parafusos de ferro soltos;
- veículos com pneus gastos (lisos), inclusive os sobressalentes
(LXH5464);
As normas legais que regem a condução de escolares está disciplinada
no Capítulo XIII, artigos 136 a 139 da Lei nº 9.503/97, que institui o
Código de Trânsito Brasileiro, in verbis:
Art. 136. Os veículos especialmente destinados à condução coletiva de
escolares somente poderão circular nas vias com autorização emitida
pelo órgão ou entidade executivos de trânsito dos Estados e do
Distrito Federal, exigindo-se, para tanto:
I - registro como veículo de passageiros;
II - inspeção semestral para verificação dos equipamentos obrigatórios
e de segurança;
III - pintura de faixa horizontal na cor amarela, com quarenta
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 19
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
centímetros de largura, à meia altura, em toda a extensão das partes
laterais e traseira da carroçaria, com o dístico ESCOLAR, em preto,
sendo que, em caso de veículo de carroçaria pintada na cor amarela, as
cores aqui indicadas devem ser invertidas;
IV - equipamento registrador instantâneo inalterável de velocidade e
tempo;
V - lanternas de luz branca, fosca ou amarela dispostas nas
extremidades da parte superior dianteira e lanternas de luz vermelha
dispostas na extremidade superior da parte traseira;
VI - cintos de segurança em número igual à lotação;
VII - outros requisitos e equipamentos obrigatórios estabelecidos pelo
CONTRAN.
Art. 137. A autorização a que se refere o artigo anterior deverá ser
afixada na parte interna do veículo, em local visível, com inscrição
da lotação permitida, sendo vedada a condução de escolares em número
superior à capacidade estabelecida pelo fabricante.
(...)
Art. 139. O disposto neste Capítulo não exclui a competência municipal
de aplicar as exigências previstas em seus regulamentos, para o
transporte de escolares.
Os fatos constatados nas vistorias realizadas, conforme acima
descritos, demonstram de forma irrefutável que o transporte escolar
realizado nessas condições apresenta riscos de acidentes com sérias
conseqüências para a integridade física dos alunos, potenciais
prejuízos financeiros para a Administração Pública, que poderá ter que
arcar com despesas decorrentes de acidentes, podendo vir a ter que
responder por prejuízos materiais e morais decorrentes da prestação
dos serviços em condições inadequadas.

EVIDÊNCIA:
Vistoria realizada em amostra efetuada sobre os veículos que realizam
as rotas; Entrevista com os proprietários/motoristas dos veículos da
amostra;
Registro fotográfico:

(kombi placas HUQ2587)Dístico desantente a norma do CTB.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 20


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Pneus gastos "lisos" - Foram verificados muitos veículos com
estes problemas(Exemplo:D20 LXH5464).

Bancos dos veículos com parafusos soltos(D20 LXA8278.

Estintor vencido(JXZ9002).

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 21


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Veículos sem cinto de segurança e pneu sobressalente solto no
lastro do veículo(HUC1778).

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, o Município de Crateús
apresentou a seguinte justificativa:
"Acerca das falhas e/ou irregularidades detectadas neste ponto, temos
a informar:
Ao tomar conhecimento do teor do Relatório da CGU, a Secretaria de
Educação notificou a Empresa contratada para o transporte escolar e
responsável pelos veículos, para saneamento das irregularidades
detectadas nos veículos e esclarecimentos e/ou saneamento de motorista
não habilitados na categoria "D", estarem dirigindo, transportando
alunos irregularmente.
Em resposta à Notificação, a Empresa Contratada respondeu:
Com base no relatório de nº 115 recebido no dia 03 de setembro de
2010, estamos justificando junto a CGU, através de fotos e documentos
comprobatórios, como está havendo mudanças nos veículos fiscalizados
pela Coordenadoria Geral da União CGU, desde a visita dos mesmos.
Ressaltamos que, conforme o item 1.1.14 que se refere de veículos a
locados/terceirizados para alunos, transporte tipo D-20 e F.4000 e
outros, visto que esses veículos só são alocados devido o acesso das
estradas que não são apropriadas para os outros tipos de transportes
como: topic, microônbus, ônibus, besta e etc., pois há local que
muitos passam por riachos, açudes e até mesmo outros impercilios. No
entanto, para que possam ser colocados carros fechados, a secretaria
de infra-estrutura, já está sendo providenciadas melhorias nas
estradas que mais são afetadas por esses tipos de problemas, desta
forma, poderá ser substituído por outros veículos que sejam adequados
e apropriados para transportá-lo crianças de 3 a 6 anos de idade e os
demais, conforme o art. 136 da Lei de trânsito.
Portanto, notificamos a Empresa Mendes Locação LTDA, para que os
sócios tomassem as providencias necessárias, principalmente nos casos
mais críticos que foram encontrados pela fiscalização: habilitação não
adequada, veículos com extintores vencidos, carroceria de madeira ou
ferro solto, sem nenhuma fixação no lastro do carro, Em casos de
(D20/F.4000); e pneus lisos, estepe solto sem fixação; a falta do
cinto de segurança nas cabines e até mesmos nos veículos fechados, e
os que tinham não eram suficientes para a clientela que os transporta.
Com isso, deu--se um prazo de cinco (10) dias úteis, a contar do dia
do recebimento, para que fossem corrigidas estas falhas.
Ressaltamos que, depois do recebimento da Notificação, o responsável
pela Empresa Mendes Locação E Veículos LTDA, convocou uma reunião com
os motoristas, cientificando-os dos pontos detectados pela
fiscalização, determinando que imediatamente fossem feitas as mudanças
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 22
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
necessárias nos veículos e que aqueles que não tivessem a habilitação
"D", mudassem de categoria ou apresentasse outro profissional
motorista para lhe substituir na rota, enquanto não tivesse sua
situação resolvida.
Seguem, em anexo, os seguintes documentos, para conhecimento desta
Controladoria:
- Fotos de alguns veículos como: D-20 placas JXZ 9002, F.4000 -
placas - HUM 7161;
- veículo de placas HUQ 2587, o seu proprietário mudou conforme anexo,
para uma DUCATA de placas LPF 0936 e até o mesmo contratou um
motorista de categoria "D";
- E no do veículo D-20 de placas LXA 8278 - o seu proprietário também
colocou um novo motorista e fez as mudanças no seu transporte com
mostra em anexo as fotos do mesmo;
- Xérox da notificação enviada para empresa Mendes Locação TDA;
- Xérox das Carteiras de Habilitação dos motoristas que colocaram em
seus lugares;
- Declaração feita e assinada pelo Gerente do Núcleo de Transportes.
Veja a seguinte demonstração que nos enviou e faça a comparação com os
cadastros enviados:
Nº REGISTRADO DA CNH Nº DA ROTA CATEGORIA VÉICULO / PLACA
00532579454 Carrapateira – C - F.4000 – HUM 7161
Realejo
02213709758 Feijão – Curral B Besta- Kia – KNQ
Velho – 6632
04220855710 S. Antonio – AB Kombi – HUQ –
Liberalina 2587
02780783171 S. Antonio – Curral B Kombi –CDF – 0347
Velho
02780783171 Açude dos Sérvolos – AB D20- HVA- 8124
Crateús
04667496355 Palmares – C. do AB D-20 – LXA – 8278
Meio
695726507 Santa Maria- B D20 – JLB – 6015
Estação.
03991500340 Crateús – Realejo AB Kombi – JEA- 7297
02761750286 B. Esperança - AB D20 – HUY – 4100
Queimadas.

Portanto, buscamos, tempestivamente, corrigir as falhas apontadas no


ponto acima, ressaltando mais, que já determinamos a Secretaria de
Educação que faça uma rigorosa inspeção na execução do Programa de
Transporte Escolar, para a correção de possíveis impropriedades que
possam ainda estar acontecendo e apresente uma pronta solução para a
tomada de decisão por este Gestor. (Anexo 12 - Documentos referentes
ao Transporte Escolar).

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


As justificativas apresentadas pelo Município de Crateús não são
suficientes para afastar a CONSTATAÇÃO, tendo em vista os seguintes
argumentos:
a) Sobre a existência de veículos transportando alunos sem o devido
registro como próprio para "transporte de passageiros" junto ao órgão
de trânsito, não houve manifestação;
b) sobre a divergência no dístico TRANSPORTE ESCOLAR, nenhuma
providência foi tomada, como se vê das fotos apresentadas pelo
Município. Os veículos continuam com o mesmo dístico de quando foi
realizada a fiscalização e, como afirmado na constatação, não atende
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 23
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
ao padrão exigido pelo CTB;
c) sobre a existência de transporte de crianças de 3 a 6 anos em
veículos inadequados, apesar de ter sido feita referência sobre a
substituição dos mesmos por outros veículos, não se tem certeza da
efetivação da mudança, posto que apenas foram apresentadas fotos de
outros sem, no entanto, haver qualquer evidência de que os mesmos
serão utilizados na solução da falha apontada;
d) com referência a bancos de madeiras sem fixação no lastro dos
veículos, nada foi demonstrado a respeito, posto que as fotos
apresentadas não são suficientes para demonstrar a existência de
solução do problema, o mesmo ocorrendo quanto à substituição dos pneus
gastos "lisos";
e) por fim, quando aos cintos de segurança, o problema persiste, posto
que nada foi apresentado que pudesse demonstrar a solução do problema.
Consideramos resolvido a falha no que diz respeito aos EXTINTORES.
Assim, consideramos insuficientes as justificativas apresentadas pelo
Município, salvo quando aos extintores de incêndio, mantendo-se a
constatação quanto aos demais itens acima analisados.

1.1.10 CONSTATAÇÃO:
Contratação de motoristas habilitados em categoria não compatível para
transporte escolar.

FATO:
O Município de Crateús, firmou contrato com a empresa MENDES
LOCAÇÃO DE VEÍCULOS LTDA - CNPJ 08.639.458/0001-05, cujo objeto é a
prestação de serviço de transporte escolar destinado ao transporte dos
alunos da rede pública municipal, sendo que tal empresa sublocou os
serviços a proprietários de veículos residentes nas próprias
localidades da prestação dos serviços.
Das análises procedidas na documentação referente à
contratação/habilitação constatou-se a existência de motoristas
condutores dos transporte habilitados nas categorias AB, B e C,
conforme abaixo se demonstra:
Nº REGISTRO Nº DA ROTA CATEGOR VEÍCULO/PLACA
DA CNH IA
00532579454 Carrapateiras – C F-4000 – HUM
Realejo 7161
02213709758 Feijão – curral B Besta Kia – KNQ
velho 6632
04220855710 S. Antonio - AB D-20 – HUQ 2587
Liberalina
02730841080 S Antonio – Curral B KOMBI – CDF 0347
velho
02780783171 Açude Sérvulo - AB D-20 – HVA 8124
Crateús
04667496355 Palmares – C. do AB D-20 – LXA 8278
meio
695726507 Santa Maria – B D-20 - JLB 6015
Estação
03991500340 Crateús – Realejo AB KOMBI – JEA 7297
02761750286 B. Esperança - AB D-20 - HUY 4100
Queimadas

Fonte: Contratos firmados entre proprietários/motoristas e as


empresas contratadas e Cadastro dos motoristas (Município) Vale frisar
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 24
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
que a tabela acima representa apenas uma amostra.
Conforme o disposto no art. 138 da Lei nº 9.503/97, que instituiu o
Código de Trânsito Brasileiro - CTB, o condutor de veículo de
transporte escolar deve ser habilitado no mínimo na categoria D, senão
vejamos:
"Art. 138. O condutor de veículo destinado à condução de escolares
deve satisfazer os seguintes requisitos:
I - ter idade superior a vinte e um anos;
II - ser habilitado na categoria D;"
Ressalta-se ainda que os motoristas condutores dos veículos escolares,
procedendo da forma como estão, cometem infração administrativa de
trânsito gravíssima de forma reiterada, conforme prevê o art. 162,
inciso III do CTB.

EVIDÊNCIA:
Contratos realizados entre as Empresas contratadas e os
proprietários/motoristas, cópia da CNH dos motoristas e cópia do CRLV.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, o Município de Crateús
apresentou a seguinte justificativa:
"Quando do recebimento do Relatório Prévio de nº 115, foi realmente
constatado que existem motoristas contratados sem a devida
habilitação, conforme o previsto no artigo 136 da Lei de Trânsito.
Informamos, porém, que já notificamos, imediatamente, a Prestadora dos
Serviços para que tome as devidas providências, e que a Empresa
imediatamente substitua os profissionais que não apresentem a
categoria necessária nas suas Carteiras nacionais de Habilitação.
Conforme já foi citado no item 1.1.14. retro, a Empresa Mendes Locação
e Veículos LTDA, juntamente com os motoristas e o Setor de Transportes
desta Prefeitura estão aguardando a vinda da Comissão do DETRAN, nesse
mês de setembro, para que os motoristas possam prestar exames, e, se
aprovados, mudarem para a categoria "D", ficando assim, legalizados
perante o do Código de Trânsito. Estamos, pois, no aguardo da vinda
desta Comissão do DETRAN. Informamos que nos casos que não conseguirem
ser solucionados, iremos tomar outra providencia, com a imediata
substituição do prestador dos serviços. Informamos, outrossim, que
estamos adquirindo 07 ônibus para o transporte escolar, onde iremos
substituir gradativamente estes prestadores de serviços de transporte
que não venham a se enquadrar na legislação aplicada. (Anexo 13 -
Cópia do Ofício da Sec. De Educação e cópia de Convênio)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


As justificativas apresentadas pelo Município não são suficientes para
sanar o problema apontado. Segundo informam, estão "aguardando a vinda
da Comissão do DETRAN (...) para que os motoristas possam prestar
exames e, se aprovados, mudarem para a categoria "D" (...)".
Ora, a segurança das crianças e adolescentes que estão sendo
transportados por motoristas inabilitados na categoria exigida pela
lei não pode esperar. Trata-se da segurança de suas incolumidades
físicas e, neste sentido, um direito da personalidade que não pode
estar à espera da boa vontade do gestor para solucionar o problema. A
solução do problema tem que ser urgente e imediata. Isso não ocorreu.
Assim, permanece a constatação.

1.1.11 CONSTATAÇÃO:
Ocorrência de sobrepreço nos valores pagos pelo Município de Crateús à
empresa Mendes Locações de Veículos Ltda., nos anos de 2009 e 2010.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 25
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
FATO:
O Município de Crateús realizou dois procedimentos Licitatórios, cujo
objeto foi o serviço de transporte escolar dos alunos da rede pública
de ensino do Município para os exercícios de 2009 e 2010, conforme
descrevemos a seguir:
a)Para o ano de 2009, realizou a Concorrência Pública - autuada sob nº
09/01/SEDC/CP - tendo como vencedora a empresa MENDES LOCAÇÃO DE
VEÍCULOS LTDA (CNPJ 08.639.458/0001-15), cujo valor do contrato foi de
R$ 2.640.769,33 (dois milhões, seiscentos e quarenta mil, setecentos e
sessenta e nove reais e trinta e três centavos);
b) Para o ano de 2010, realizou o Pregão Presencial - autuado sob nº
09/05/SEDC/PP, tendo como vencedora novamente a empresa MENDES LOCAÇÃO
DE VEÍCULOS LTDA (CNPJ 08.639.458/0001-15), cujo valor do contrato foi
de R$ 3.808.500,00 (Três milhões, oitocentos e oito mil reais e
quinhentos reais);
Da análise dos contratos firmados pelo Município de Crateús com a
empresa MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS LTDA, e em confronto com os preços
praticados nas subcontratações firmados por esta última com os
efetivos prestadores, ficou evidenciada a ocorrência de sobrepreço,
conforme demonstração a seguir:
DEMONSTRATIVO REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2009 (09/01/SEDC/CP):
Veículo(*) CONTRATADA VR PAGO VR PAGO DIF sobrepreço
PELO PELA (R$) (%)(**)
MUNICÍPIO CONTRAT
(R$) ADA (R$)
Caminhonete MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
LTDA 1,25 0,85 0,40 47,06%
Caminhão MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
LTDA 1,84 1,15 0,69 60,00%
Kombi ou MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
similar LTDA 1,79 1,30 0,49 37,69%
Van ou MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
similar LTDA 1,79 1,35 0,44 32,59%
Ônibus MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
LTDA 2,00 1,45 0,55 37,93%
Micro-ônibus MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
LTDA 1,79 1,30 0,49 37,69%

*conforme contrato firmado pelo Município e contratos da


empresa com os subcontratados.
**Diferença percentual entre os valores pagos pelo Município e os
valores efetivamente tidos pela empresa (pagamento realizado aos
subcontratados).
DEMONSTRATIVO REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2010 (09/05/SEDC/PP):
Veículo(*) CONTRATADA VR PAGO VR PAGO DIF sobrepreço
P/ P/ (R$) (%)(**)
MUNICÍPIO CONTRAT
(R$) ADA
(R$)
Caminhonete MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
LTDA 1,32 0,85 0,47 55,29%
Caminhão MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
LTDA 1,90 1,15 0,75 65,22%
Kombi ou MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
similar LTDA 1,88 1,30 0,58 44,62%
Van ou MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
similar LTDA 1,88 1,35 0,53 39,26%
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 26
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Veículo(*) CONTRATADA VR PAGO VR PAGO DIF sobrepreço
P/ P/ (R$) (%)(**)
MUNICÍPIO CONTRAT
(R$) ADA
(R$)
Ônibus MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
LTDA 2,10 1,45 0,65 44,83%
Micro-ônibus MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS
LTDA 1,90 1,35 0,55 40,74%

*conforme contrato firmado pelo Município e contratos da


empresa com os subcontratados.
**Diferença percentual entre os valores pagos pelo Município e os
valores efetivamente pagos pela empresa (pagamento realizado aos
subcontratados).
Observa-se de início que a situação irregular, constatada no exercício
de 2009, agravou-se no exercício de 2010, posto que o Município pagou
valores maiores do que no ano anterior e, em contrapartida a empresa
contratada continuou pagando aos subcontratados os mesmos valores de
2009. No contrato de 2009, decorrente da Tomada de Preços nº
09/01/SEDC/CP, o sobrepreço varia entre 37,67% a 60,00%, situação
agravada em 2010, quando a variação dos índices pula para 39,26% a
65,22%.
Os fatos acima apontados decorre da realidade fática constatada de que
a empresa MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS LTDA exerce a função de mera
intermediadora dos referidos contratos, não possuindo absolutamente
nenhum veículo transportando alunos no Município de Crateús, tendo
subcontratado 100% (cem por cento) da prestação dos serviços com
proprietárias de veículos que residem nas próprias localidades de
prestação dos serviços.
Acrescente-se ainda que, além disso, conforme os subcontratos, todas
as despesas correm por conta do efetivo prestador serviço, isto é, dos
proprietários dos veículos subcontratados, não correndo nenhuma
despesa por conta da empresa contratada.
A situação fica mais grave pelo fato de, conforme verificou-se dos
trabalhos de campo, a empresa contratada sequer realiza qualquer
fiscalização na prestação dos serviços pelos seus subcontratados,
limitando-se a colocar uma representante sua num pequeno escritório na
cidade de Crateús, onde os proprietários da empresa comparecem apenas
para receber seus valores do Município e repassar parte aos efetivos
prestadores dos serviços.
Portanto, conclui-se que o Município de Crateús, nos exercícios de
2009 e 2010 (objetos da fiscalização), realizou contratação de empresa
para a prestação dos serviços de Transporte dos alunos da rede pública
de ensino por valores que caracterizam sobrepreço, posto que
contratados por valores muito acima dos do mercado local de
transporte escolar. Tal situação contrapõe-se frontalmente aos
princípios constitucionais da eficiência e da economicidade e à Lei
nº 8.666/93, gerando significativo desperdício e se configura em
má gestão dos recursos públicos federais.

EVIDÊNCIA:
Licitações, contratos e subcontratos citados.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


O Município de Crateús, por meio documento s/n, de 20/9/2010,
apresentou a seguinte justificativa:
"O ponto em apreço, no tocante ao possível sobrepreço praticado pela
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 27
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Empresa prestadora de Serviços de Transporte Escolar merece uma
atenção especial. Assim sendo, enviamos solicitação à Empresa
contratada, no sentido de efetuar um completo levantamento de seus
custos, através de planilha, para a análise da composição de preços
finais cobrados ao Município, pela execução dos serviços.
Determinamos, outrossim, à Secretaria da Educação que efetue o
levantamento de preços cobrados por outras empresas de transporte
escolar, que prestam serviços aos Municípios da nossa Região, para que
possamos comparar os preços praticados pela concorrência. Quando do
recebimento destes estudos, enviaremos para conhecimento desta CGU e
buscaremos as alternativas possíveis, através de repactuação de preços
praticados no Contrato. "

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


A resposta apresentada pelo Município nada diz sobre os fatos
apontados, limitando-se apenas a informar que o gestor determinou à
SEDUC do Município que realize um levantamento sobre os preços
praticados, inclusive junto a outras empresas de transporte escolar
que prestam serviços nos Municípios da região.
Ora, o gestor não necessita, para constatar a existência de
sobrepreço, fazer pesquisa alguma. Para isto, basta ver os preços que
a Empresa contratada está pagando aos efetivos prestadores dos
serviços (motoristas e proprietários dos veículos da região de
Crateús) e veria como a margem de lucratividade encontra-se num
patamar absurdo. Os custos da empresa contratada não são difíceis do
próprio Município constatar, posto que a mesma não tem, praticamente,
nenhum custo, todos correm por conta dos sub-contratados e a empresa
não possui nenhum veículo de sua propriedade, limitando-se a mesma a
manutenção de um pequeno escritório no Município de Crateús.
Assim, a constatação permanece, pois sequer foi contestada pelo
gestor.

1.1.12 CONSTATAÇÃO:
Contratação de empresa tecnicamente incapaz de prestar o objeto,
culminando com subcontratação irregular por parte da contratada.

FATO:
No âmbito do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar - PNATE,
exercícios 2009 e 2010, o Município de Crateús realizou dois
procedimentos Licitatórios, cujo objeto fora a contratação da
prestação de serviços de transporte escolar dos alunos da rede pública
de ensino, conforme descrevemos a seguir:
a)Para o ano de 2009, realizou a Concorrência Pública - autuada sob nº
09/01/SEDC/CP - tendo como vencedora a empresa MENDES LOCAÇÃO DE
VEÍCULOS LTDA (CNPJ 08.639.458/0001-15) cujo valor do contrato foi de
R$ 2.640.769,33 (dois milhões, seiscentos e quarenta mil, setecentos e
sessenta e nove reais e trinta e três centavos);
b) Para o ano de 2010, realizou o Pregão Presencial - autuado sob nº
09/05/SEDC/PP, tendo como vencedora novamente a empresa MENDES LOCAÇÃO
DE VEÍCULOS LTDA (CNPJ 08.639.458/0001-15), cujo valor do contrato foi
de R$ 3.808.500,00 (Três milhões, oitocentos e oito mil reais e
quinhentos reais).
Da análise do Procedimento Licitatório de nº 09/01/SEDC/CP, verifica-
se a ocorrência de inabilitação de 7 (sete) das 8(oito) empresas que
acorreram ao certame, não tendo, estranhamente, nenhuma das
desabilitadas recorrido da decisão da CPL. Em data posterior, como era
de se esperar, compareceu à sessão de abertura da proposta a única
concorrente habilitada - MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS LTDA - e, por
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 28
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
óbvio sagrou-se vencedora do certame, com uma proposta no valor de R$
2.640.769,33.
Da análise do Procedimento Licitatório nº 09/05/SEDC/PP, verifica-se
que acorreram ao certame licitatório as empresas: J.P. LOCAÇÕES DE
MÁQUINAS E SERVIÇOS LTDA, MENDES LOCAÇÕES DE VEÍCULOS LTDA, LL
CONSTRUÇÕES LTDA, VERSÁTIL CONSTRUÇÕES, LOCAÇÕES E SERVIÇOS LTDA,
NEWFORT CONSTRUTORA E PRESTADORA DE SERVIÇOS LTDA. Logo em seguida
foram descredenciadas as três últimas e, credenciadas as duas
primeiras (MENDES LOCAÇÃO e J.P. LOCAÇÕES) tendo se sagrado vencedora
mais uma vez a empresa MENDES LOCAÇÕES DE VEÍCULOS LTDA com a proposta
final de R$ 3.811.000,00 (três milhões, oitocentos e onze mil reais).
Ocorre que, a empresa contratada - MENDES LOCAÇÕES DE VEÍCULOS LTDA
(CNPJ 08.639.458/0001-15), nos dois anos seguidos (esta também foi
vencedora no certame de 2008) no que pese ter cumprido formalmente os
requisitos relativos à qualificação técnica na avaliação da Comissão
Permanente de Licitação e do Pregoeiro e equipe de apoio, ficou
demonstrado, tanto por meio dos trabalhos de fiscalização em campo,
quanto pelas circularizações realizadas junto ao endereço da empresa,
que a mesma não possui a menor capacidade técnico-operacional para
prestar os serviços para os quais foi contratada, senão vejamos:
1) constatou-se que a empresa não possui um só veículo
transportando alunos nas rotas existentes no Município de Crateús.
Todos os veículos que transportam os alunos da rede pública do
Município foram subcontratados junto a proprietários/motoristas que
residem na própria localidade de prestação dos serviços;
2) No Município de Crateús a empresa mantém apenas uma pequena sala
com um birô, um armário e algumas cadeiras, onde foi verificada a
presença de uma pessoa que não soube prestar qualquer informação a
respeito dos subcontratos e dos serviços objetos do contrato mantido
com o Município, limitando-se a informar que os proprietários da
empresa moram em Fortaleza e que somente os mesmos poderiam prestar
tais informações;
3) No endereço constante do Contrato firmado com o Município de
Crateús - Rua Costa Barros, 1088 - Casa 03 - Aldeota - Fortaleza - Ce
- que é o mesmo constante dos Cadastros da Secretaria da Receita
Federal, não existe nenhuma empresa funcionando no local. Ao
contrário, no endereço existe uma casa residencial e, segundo a pessoa
que atendeu quando a fiscalização lá esteve presente, naquele local
jamais funcionou qualquer empresa de locação de veículos.
Os fatos acima elencados demonstram de modo inequívoco que a empresa
MENDES LOCAÇÕES DE VEÍCULOS não possui a menor capacidade técnica e
operacional para prestar os serviços de transporte dos alunos da rede
pública do Município de Crateús, razão porque a mesma subcontratou
100% (cem por cento) do objeto das licitações da qual sagrou-se
vencedora. A suposta empresa funciona como mera intermediadora dos
serviços, não tendo um só veículo de sua propriedade, tampouco
motoristas seus empregados a desempenhar o serviço.
A Lei nº 8.666/93 - art. 30 - é clara quando faz a exigência de
comprovação da qualificação técnico-operacional, fazendo constar que
"a documentação relativa à qualificação técnica limitar-se-á a -
inciso II - comprovação de aptidão para desempenho de atividade
pertinente e compatível em características, quantidades e prazos com o
objeto da licitação, e indicação das instalações e do aparelhamento e
do pessoal técnico adequados e disponíveis para a realização do objeto
da licitação, bem como da qualificação de cada um dos membros da
equipe técnica que se responsabilizará pelos trabalhos, - e, inciso IV
- prova de atendimento de requisitos previstos em lei especial, quando
for o caso."
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 29
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Em nenhum momento se comprova que os licitantes tenham apresentado a
"comprovação de aptidão para desempenho de atividade pertinente e
compatível em características, quantidades e prazos com o objeto da
licitação, e indicação das instalações e do aparelhamento e do pessoal
técnico adequados e disponíveis para a realização do objeto da
licitação". Nem poderiam atender tal critério pois que se trata de
empresas que não existem de fato. Não possuem instalações onde
funcionem e, no caso da vencedora, não possui o aparelhamento e
pessoal técnico especializado para transportar alunos, notadamente
crianças e adolescentes.
E mais: No caso sob análise, o gestor público não pode se furtar da
exigência constante do inciso IV, acima transcrito, quanto à prova de
atendimento de requisitos previstos em lei especial. É o caso do
serviço de transporte de escolares, que é modalidade de transporte
coletivo especializado, regulado por Lei Especial, que exige o
cumprimento de determinados requisitos dos prestadores de serviços,
mais especificamente no que diz respeito ao tipo de transporte,
qualificação específica do condutor do veículo, pois deverá apresentar
maior segurança que os transportes comuns, haja vista o fato de
transportar crianças e adolescentes. Por tais razões é que a Lei nº
9.503/97, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, em capítulo à
parte, consagrou exigências específicas que devem ser cumpridas por
qualquer pessoa, seja física ou jurídica, que pretenda prestar tal
serviço. Inteligência dos artigos 136 a 139 do CTB.
Assim, no que diz respeito ao cumprimento da qualificação técnica para
a prestação dos serviços de transporte de escolares, é clara a
incapacidade da empresa vencedora do certame, pois não apresentou
documentação bastante para comprovar sua idoneidade para a futura
execução do contrato, tampouco comprovou condições fáticas de cumprir
tal mister. Repita-se, tal empresa sequer existe de fato instalada em
seu suposto endereço.
Quanto à subcontratação, mais uma ilegalidade perpetrada. Ainda que se
tivesse verificado a existência real da empresa MENDES LOCAÇÕES DE
VEÍCULOS LTDA, a mesma jamais poderia subcontratar 100% (cem por
cento) dos serviços que se comprometeu cumprir.
O Estatuto Licitatório é claro quando trata da subcontratação de obras
ou serviços e não admite em nenhuma hipótese a subcontratação de 100%
(cem por cento) do objeto do contrato, senão vejamos:
"Art. 72. O contratado, na execução do contrato, sem prejuízo das
responsabilidades contratuais e legais, poderá subcontratar partes da
obra, serviço ou fornecimento, até o limite admitido, em cada caso,
pela Administração."
Assim, fica claro, da exegese do artigo citado, que é proibida a
subcontratação total do contrato, admitindo-se, apenas nos termos da
lei, a subcontratação parcial, desde que previsto no edital e no
contrato.
Conclui-se, portanto, que o Município de Crateús desrespeitou
duplamente as exigências legais, no que tange às licitações e
execuções dos contratos que envolvem o Programa Nacional de Apoio ao
Transporte Escolar: a) Contratou empresa que não possuía condições
técnico-operacional para a execução do objeto, pois sequer existe
estabelecida faticamente no mercado e b) Em face da empresa não
possuir a mínima condição de prestar os serviços, subcontratou 100%
(cem por cento) do serviço, com a aquiescência do Município, tudo ao
arrepio da Lei de Licitações (art. 72).

EVIDÊNCIA:
- cópia do Edital da Concorrência Pública nº 09/01/SEDC/CP e Ata da
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 30
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Sessão Pública, homologação e adjudicação;
- Cópia do Edital do Pregão Presencial nº 09/05/SEDC/PP, Ata da Sessão
Pública, homologação e adjudicação do objeto;
- Cópia de Contratos firmados pela Contratada e alguns dos efetivos
prestadores de serviço no Município;
-Entrevista realizada com alguns dos prestadores de serviço no
Município;
-diligências realizadas junto aos veículos e locais de prestação dos
serviços;
- Registro Fotográfico:

Escritório da Contratada - MENDES LOCAÇÕES DE VEÍCULOS LTDA -


Em Crateús.

Escritório - Mendes Locações de Veículos Ltda - Crateús - Sala


com birô, mesa, armário e 4 cadeiras

Rua Costa Barros - suposto logradouro da Contratada MENDES


Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 31
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
LOCAÇÕES DE VEÍCULOS LTDA.

Nº 1088 - da Rua Costa Barros - Suposto endereço da empresa


MENDES LOCAÇOES DE VEÍCULOS LTDA.

Local onde deveria estar instalada a empresa MENDES LOCAÇÕES DE


VEÍCULOS LTDA. Trata-se de uma casa residencial. Segundo informações
jamais funcionou no local qualquer Locadora de Veículos.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, o Município de Crateús
apresentou a seguinte justificativa:
"Com relação a esta Constatação, qual seja, que a Empresa prestadora
de serviços de transporte escolar não dispõe de qualificação técnica,
pareceu-nos um tanto exagerada e injusta.
Acerca dos procedimentos licitatórios n°s 09/01/SEDC/CP e
09/05/SEDC/PP, nenhuma falha ou irregularidade foi relatada sobre os
mesmos. Exceto a subjetividade da análise quando do comentário acerca
da licitação 09/01/SEDC/CP, pelo fato dos participantes do certame não
ter recorrido de sua desabilitação.
Diante desse aspecto, acreditamos que se ocorressem razões que
motivassem recurso essas empresas desabilitadas se socorreriam dessa
possibilidade.
Consoante se observa através do Edital de Julgamento da Habilitação da
Concorrência Pública n° 09/01/SEDC/CP, fls. 355/359, foram as empresas
desabilitadas por: Gold Locação e Serviços, deixou de apresentar a
Certidão Negativa de Débito com o Município de Crateús, de apresentar
garantia, não possuir capital social compatível com o estabelecido no
edital, de comprovar desempenho de atividade compatível com o objeto
licitado, de visita e declaração que não emprega menores (inc. XXXIII,
art. 7° da CF). Coliseum Construções e Empreendimento Ltda.,deixou de
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 32
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
apresentar Cartão atualizado do CGF, CND do Município de Crateús,
Balanço Patrimonial, Certidão Negativa de Falência ou concordata, de
apresentar garantia, de comprovar aptidão para desempenho de atividade
compatível, de visita e declaração que não emprega menores (inc.
XXXIII, art. 7° da CF). Souza & Freitas Edificações Ltda., deixou de
apresentar CND com o INSS, garantia, de comprovar desempenho de
atividade compatível com o objeto licitado, de visita e declaração que
não emprega menores (inc. XXXIII, art. 7° da CF). ECTEL Empresa de
Construção Terraplenagem e Edificações Ltda., deixou de apresentar
Alvará de funcionamento. NORLIMP Construtora e Serviços Ltda., deixou
de apresentar Alvará de funcionamento e garantia. JP Locações de
Máquinas e Serviços LTda. deixou de apresentar Alvará de
funcionamento e declaração que não emprega menores (inc. XXXIII, art.
7° da CF). Torres Martins Serviços e Construções Ltda., deixou de
comprovar visita e ausência de capital social mínimo estabelecido no
edital.
Quanto a capacidade técnica operacional, para efeito de
responsabilização, cumpri-nos ressaltarmos que como bem evidencia o
relatório, a empresa Mendes Locações de Veículos Ltda. cumpriu todas
os requisitos relativos à qualificação técnicas estabelecidos nos
editais dos processos licitatórios n°s 09/01/SEDC/CP e
09/05/SEDC/PP.
Sendo levantada suspeição sobre sua efetiva capacidade técnica
operacional além da documentação apresentada e exigida nos certames.
Rogamos atenção para a documentação presente nos processos
licitatórios, notadamente, em cumprimento a qualificação técnico-
operacional.
O referido relatório apontou, dentre os defeitos dos veículos, a falta
de cintos de segurança, o transporte em carrocerias e falta de cintos
de segurança a todas as crianças, posto que só possuem cinto de
segurança na boléia dos mesmos.
Ocorre que, como se percebe da própria exigência do edital, para
alguns trechos foram exigidos caminhonetes, como as verificadas pela
fiscalização.
Destaca-se que essa exigência não é de modo algum absurda, posto que,
nos referidos trechos, não podem ser atendidos por veículos comuns,
mas apenas por aqueles veículos mais altos de modo a poder superar as
condições das estradas de acesso à residência de alguns alunos.
Não nos esqueçamos que esse acesso seria impossível em algumas épocas
do ano por outros veículos, o que poderia ocasionar o não atendimento
do transporte escolar em algumas localidades, o que, conforme se
entende, não é o desejado, seja pelos alunos, seja pela empresa, seja
pelo Município, seja pela própria CGU.
Diante disso, faz-se obrigatório o transporte a algumas localidades da
forma conforme está sendo realizada, sob pena de não atendimento pelo
serviço de transporte escolar por total inacessibilidade dos mesmos.
1 - Da habilitação de alguns motoristas
A empresa compromete-se a regularizar a situação dos seus motoristas
com a maior brevidade possível, solicitando apenas que a situação
atual seja tolerada por um prazo razoável apenas para que não aja a
interrupção do serviço público em detrimento dos alunos.
2 - Da capacidade técnica da empresa.
O Relatório cita que a empresa não seria tecnicamente capaz por 3
aspectos: a empresa não possui nenhum veículo transportando alunos; a
empresa não possui sede no município e; supostamente a empresa não
existe.
Inicialmente cabe destacar que não é exigido que a empresa possua
veículos próprios para realizar a atividade contratada, tampouco que
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 33
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
possua uma grande estrutura no município.
A exigência que lhe faz é apenas de que execute o serviço de modo
adequado nos parâmetros contratados, o que tem sido realizado pela
empresa, os problemas apontados já estão sendo solucionados.
Por fim, o Relatório distorce os fatos quando trata da inexistência da
Empresa, posto que relata que no endereço da Empresa, a saber, Rua
Costa Barros, 1088, casa 03, Aldeota, Fortaleza - CE, não existe nem
nunca existiu uma empresa de locação de veículos, facilmente
comprovado através do alvará de funcionamento da Empresa, fornecido
pela Prefeitura Municipal de Fortaleza.
Tal fato foge à verdade, posto que o fiscal dirigiu-se ao local,
contatando a funcionária Ruthinéa, a qual informou que o sócio estava
viajando, mas confirmou a existência da Empresa, perguntando se o
fiscal gostaria de anotar o número do celular deste, ou se gostaria de
deixar algum telefone de contato, tendo o fiscal deixado a empresa sem
deixar qualquer número de contato.
Não pode haver qualquer engano, a Empresa existe, funciona no seu
objeto, conforme a série de multas recebidas por seus veículos.
Ou seja, a empresa existe e atua na área contratada e tem sua sede no
local indicado em Fortaleza, por mais que não possua qualquer placa
indicativa de tal, posto que não atua para o público em geral.
3 - Da subcontratação e do sobrepreço.
O mesmo Relatório diz ter havido total subcontratação dos serviços
contratados, com sobre-preço, em detrimento da administração pública,
que, segundo seu juízo, seria prejudicada.
Essa interpretação, todavia, não tem como prosperar, posto que a
Mendes Locação não subcontratou nenhuma outra empresa para realizar o
objeto da licitação para a qual se saiu vencedora, mas sim realizou a
contratação de motoristas locais para prestar o serviço ao município,
com o único intuito de manter a renda no próprio Município em vez de
trazer motoristas de outros municípios que nada deixariam em Crateús,
além de elevar consideravelmente os custos de transporte, e
consequentemente, o valor final a ser cobrado ao Município.
Destaque-se que, esses motoristas, nunca teriam condições de
participar de uma licitação da Prefeitura, seja porque não teriam
interesse, seja porque não conseguiriam se organizar, para poder
atender todas as rotas que seriam necessárias para a Administração
Pública Municipal.
De tal modo que os serviços que prestam à Empresa vencedora da
licitação é popularmente classificado como "bico", posto que não lhes
exige muito tempo e, via de regra, não é sua principal atividade
profissional, sendo em verdade um complemento à sua renda.
Não custa lembrar que a subcontratação vedada pela Lei de Licitações
trata-se da contratação realizada pela empresa vencedora que poderia
ter sido realizada pela própria Administração.
No presente caso, a contratação dos motoristas pela Administração só
poderia ocorrer se esta realizasse concurso próprio para este fim,
incorporando estes cidadãos em seu quadro de funcionários, o que, com
certeza traria um ônus indesejado à Administração.
Assim, ante como esses motoristas não participariam de qualquer
licitação, portanto, não podem ser considerados como "mercado local"
de modo que os valores por eles recebidos possa ser classificado como
sobre-preço ao valor pago à empresa vencedora da licitação, posto que
nunca estariam à disposição para serem contratados pela Administração
Pública Municipal.
Não custa lembrar que os valores pagos à empresa vencedora da
licitação estão de acordo com os valores praticados no mercado, este
sim, referência para a classificação de um sobrepreço.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 34
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Esclarecemos que a Prefeitura Municipal de Crateús, não possui
qualquer ingerência nos preços negociados entre as partes (motorista x
Mendes Locação).
O processo licitatório foi executado de forma que o maior numero de
empresa participassem, objetivando sempre, contratar pelo menor preço,
porém, garantindo a qualidade dos serviços, ora contratado.
Não obstante, apenas por amor ao debate, ainda que não ocorresse a
situação acima, o edital das licitações, sub examen, em nada proíbem a
subcontratação, posto que seu maior interesse a prestação do serviço
de transporte escolar, o que tem sido realizado a contento.
Diante de todo o exposto, não há de se falar em sobre-preço dos
valores pagos, tampouco de violação à legislação brasileira.
Estamos enviando, para análise, farta documentação que comprova que a
Empresa está devidamente registrada. Informamos que, em nenhum
momento, a legislação inerente ao assunto, determina que a licitante
vencedora tenha a propriedade integral ou parcial da frota locada,
portanto sendo silente neste particular, não cabendo questionamentos.
Outrossim, a decisão do percentual a ser sublocado, se for o caso,
está restrita a uma decisão da administração, até o limite admitido,
em cada caso. Neste caso em particular, o limite admitido pela
Administração foi de 100%, conforme decisão discricionária do Gestor.
Portanto, não há qualquer proibição em se admitir a integralidade da
sublocação, inexistindo portanto impropriedade, neste caso, a ser
corrigida. (Anexo 14 - Documentação relativa à habilitação da
Prestadora de Serviços de Transportes)".

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


No que pese a dificuldade de se entender as justificativas
apresentadas, posto que em um momento afirma a inexistência de um fato
e logo após afirma sua existência, passamos a analisar os argumentos
do gestor:
a) em primeiro lugar esta constatação não diz respeito à existência de
sobrepreço, tampouco sobre irregularidades nos veículos que
transportam alunos ou de seus motoristas. Estes fatos foram apontados
noutro ponto e, para tanto outros argumentos foram apresentados e
analisados. Assim, no que diz respeito a estes, deixa-se de analisá-
los, posto que estão fora do contexto das falhas apontadas;
b) Sobre a inexistência da empresa no endereço mencionado, alega o
Município que a fiscalização foi ao local e, em contato com uma
funcionária da empresa, a mesma confirmou sua existência e que seu
sócio estaria viajando. Ora, a existência de uma empresa se dá tendo
em vista dois requisitos: 1) que a mesma cumpra as exigências da lei
quanto a possuir registros nos órgãos públicos (RPEM, Prefeituras,
SRF, INSS etc); 2) que a mesma possua uma existência fática, que
esteja estabelecida em um endereço, que possua estabelecimento
(conjunto de bens indispensáveis que o empresário reúne para a
exploração de sua atividade econômica, tais como mercadorias em
estoque, máquinas, veículos, tecnologia, marcas e outros sinais
distintivos, prédios etc. Trata-se de elemento indissociável à
empresa).
Nunca se afirmou que a MENDES LOCAÇÃO DE VEÍCULOS LTDA não
existia no mundo jurídico e, sim, no mundo fático, posto que a
fiscalização não encontrou nenhum estabelecimento, nenhum veículo,
nenhum local onde funcione uma empresa LOCADORA DE VEÍCULOS. O Mínimo
que se espera encontrar numa empresa LOCADORA DE VEÍCULOS é a
existência de veículos para locar. De outra banda a existência de
alguns veículos (4) não prova absolutamente nada a respeito da
existência fática da empresa, notadamente se os mesmos não são
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 35
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
utilizados na prestação dos serviços (transporte dos alunos).
Portanto, quanto a este ponto, ficou evidenciado que a empresa não
existe no local apontado como sendo sua sede. As fotografias
apresentadas pelo Município não se prestam a provar absolutamente nada
a este respeito, pois fotos de birôs, mesas, cadeiras e computadores,
por si sós, nada dizem quanto à existência da empresa;
c) A respeito da subcontratação irregular, alega o Município que ela
não ocorreu e, só ocorreria subcontratação prevista na Lei nº 8.666/93
se a empresa contratada tivesse subcontratado outra empresa. Argumenta
ainda que os proprietários de veículos jamais poderiam ser contratados
diretamente pelo Município, pois os mesmos nunca teriam condições de
participar de uma licitação, seja por falta de interesse, seja
porque não poderiam se organizar para atender as rotas.
Ora, conforme a doutrina e a jurisprudência do TCU "subcontratação
ocorre quando o contratado entrega parte da obra, serviço ou
fornecimento a terceiro estranho ao contrato, para que execute em seu
nome parcela do objeto contratado" (Licitações e contratos -
Orientações e jurisprudência d o TCU - 4ª Ed. 2010. Revista,
atualizada e ampliada). Para que haja subcontratação não é
imprescindível que o subcontratado seja empresa.
O que é necessário para caracterização da subcontratação é que o
contratado entregue o objeto para ser executado por um terceiro
estranho ao contrato. E, como poderia o gestor, a priori, afirmar que
os proprietários de veículos não poderiam participar da licitação? A
Lei nº 8.666/93, art. 6º XV, diz textualmente que "contratado - é a
pessoa física ou jurídica signatária de contrato com a Administração
Pública".
Portanto, poderiam sim participar da licitação como pessoas físicas. O
que ocorre é que, conforme informação dos proprietários dos
veículos subcontratados informaram, sequer souberam da existência do
procedimento;
d) ainda quanto à subcontratação, o gestor fez constar em suas
justificativas que "a decisão do percentual a ser sublocado, se for o
caso, está restrita a uma decisão da administração, até o limite
admitido, em cada caso. Neste caso em particular, o limite admitido
pela Administração foi de 100%, conforme decisão discricionária do
Gestor. Portanto, não há qualquer proibição em se admitir a
integralidade da sublocação, inexistindo portanto impropriedade, neste
caso, a ser corrigida".
Ora, no item "c" acima, o gestor afirmou que não houve a
subcontratação e, agora já afirma que "o limite admitido
pela Administração foi de 100%. De qualquer forma, mais uma vez o
gestor se equivoca em suas interpretações.
Em primeiro lugar, o fato de inexistir no edital proibição da
subcontratação não autoriza que o gestor ao seu talante,
discricionariamente, escolha o percentual. Para que o gestor
pudesse admitir a subcontratação necessário é que existisse a
previsão no instrumento convocatório e, não havendo tal
autorização, infringe regra básica dos princípios administrativos
constitucionais. É que, para a administração pública o princípio da
legalidade não é aplicado da mesma forma que ao particular. Para o
particular, basta a não existência de regra proibitiva e tudo lhe é
permitido fazer, conforme previsão do art. 5º, inciso II da CF, que
informa que "ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma
coisa senão em virtude de lei". A legalidade, para a Administração, se
dá de forma inversa, isto é, ela somente poderá praticar algum ato
quando a lei autorizar. No silêncio da lei, o particular poderá
praticar o ato, enquanto a Administração Pública, no silêncio da lei,
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 36
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
está proibida de praticar. No caso em tela a subcontratação não está
prevista no Edital, mas mesmo que esteja ou estivesse, mais uma vez
repete-se, ela não poderá se dar com relação a 100% (cem por cento)
dos serviços e, foi exatamente o que ocorreu. Inteligência do art. 72
da Lei de Regência das licitações.
Por todo o exposto, entendemos que a constatação deve permanecer no
inteiro teor do que foi apontado, pois os argumentos do gestor são
incabíveis para justificar os erros delineados pela fiscalização.

AÇÃO :
4046
DISTRIBUICAO DE MATERIAIS E LIVROS DIDATICOS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL -
NACIONAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
Prover de livros e materiais didáticos e de referência as escolas pú-
blicas do ensino fundamental, das redes federal, estadual, municipal e
do Distrito Federal, visando garantir a equidade nas condições de
acesso e a qualidade do ensino público brasileiro e, quando possível,
distribuí-los aos alunos matriculados e professores de escolas na mo-
dalidade plurilíngue, no exterior, que cursem ou lecionem a língua
portuguesa como língua estrangeira, preferencialmente nos países do
Mercosul.
ORDEM DE SERVIÇO : 252379
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
- Atendimento a todos os alunos do Estado/Município;
- Escolha dos livros didáticos por parte da escola (prazos, formas,
normas etc);
- Avaliação do processo de distribuição, utilização, conservação e
remanejamento do livro didático;
- Gerenciamento do Programa do Livro Didático por parte da SEDUC/Pre-
feitura;
- Utilização do sistema SISCORT;
- Utilização da Reserva Técnica;
- Conservação do livro didático.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: Não se aplica

1.1.13 CONSTATAÇÃO:
Sistema SISCORT não é usado para gerenciamento do livro no município
de Crateús.

FATO:
Por meio da Solicitação de Fiscalização nº 04, de 04/08/2010, foi
solicitado à Prefeitura Municipal de Crateús, documentos e relatórios
extraídos do Sistema SISCORT para o gerenciamento do Programa do Livro
Didático - PNLD no ano de 2010.
Em resposta, a Secretaria Municipal de Educação emitiu Ofício
380/2010, de 10/08/2010, informando que as escolas do município de
Crateús não utilizaram o Sistema SISCORT no ano de 2009, nada
informando em relação ao ano de 2010.
Durante os trabalhos de campo, em entrevista com a Técnica da
Secretaria Municipal de Educação responsável pelo PNLD no município,
foi informado que não há quaisquer registros do SISCORT no ano de
2010, pois não há conhecimentos técnicos por parte da equipe do PNLD
para a utilização do sistema.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 37
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Durante as visitas cinco às escolas constantes da amostra, foi
constatado que o Sistema SISCORT não é utilizado pelas escolas. Os
responsáveis por quatro escolas da zona rural que foram visitadas pela
equipe de fiscalização informaram que não sabem da existência do
sistema. Já o responsável pela escola da zona urbana, que foi
visitada, informou que o gerenciamento do livro fica a cargo da
Secretaria Municipal de Educação, não tendo a escola a
responsabilidade de alimentação ao Sistema SISCORT.

EVIDÊNCIA:
Ofício nº 378/2010 de 10/08/2010 da Secretaria Municipal de Educação
de Crateús;
Visitas às escolas Videlina Maria da Conceição, João Afonso Almeida
Vale, José de Oliveira Camerino, Amadeu Catunda e José Araújo Veras;
Entrevista com responsável pelo gerenciamento do PNLD na Secretaria
Municipal de Educação.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, datado de 20/09/2010, gestor apresentou a
seguinte justificativa:
"No tocante a este ponto, que se refere a não utilização do
SISCORT, Sistema de Controle e Reserva Técnica, pelas escolas públicas
municipais do nosso município, a constatação realmente procede. No ano
de 2009 não houve alimentação do sistema por falta de informação do
grupo gestor das escolas. No ano em curso, em virtude da
informatização da maioria das escolas da Zona Urbana e Rural, e com a
participação de técnicos da Secretaria em cursos de capacitação na
SEDUC, referente ao PNLD e SISCORT, haverá um acompanhamento com mais
precisão da entrada e saída de livros em nossas escolas assim como, no
remanejamento do excedente para outras escolas onde o número de livros
for inferior ao número de alunos, visto que são disponibilizados de
acordo com o Censo Escolar relativo ao ano anterior. Já houve a
primeira capacitação, na SEDUC- Secretaria de Educação do Estado do
Ceará, conforme se comprova via Ofício,ficando acordado que uma
segunda capacitação acontecerá no final do ano letivo em curso,
período em que há a devolução e entrega dos livros, oportunidade em
que poderemos efetivar a alimentação do Sistema, possibilitando melhor
aproveitamento dos livros. Segue, também, em anexo, Declaração de
participação nas capacitações para o PNLD e SISCORT. (Anexo 15 -
Ofício da SEDUC e Declaração de Participação)".

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


A utilização do sistema SISCORT é obrigatória, tendo o Gestor ciência
quando da adesão ao Programa Nacional do Livro Didático - PNLD. Neste
sentido, a equipe técnica responsável pelo gerenciamento do Programa
no município de Crateús deve ser apta a utilizar o SISCORT, evitando
assim deficiências na gestão do programa. No ano de 2009 e 2010 o
SISCORT não foi utilizado e isso foi afirmado na manifestação ora
analisada, corroborando a afirmação de que a equipe ainda está sendo
capacitada para utilização do sistema.
Neste sentido, mantém-se a constatação.

1.1.14 CONSTATAÇÃO:
Existência de alunos sem livros do PNLD.

FATO:
Foram visitadas cincos escolas no município de Crateús, quais sejam:
Escola de Cidadania Amadeu Catunda, Escola de Cidadania Videlina Maria
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 38
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
da Conceição, Escola de Cidadania João Afonso Almeida Vale, Escola de
Cidadania José de Oliveira Camerino e Escola de Cidadania José de
Araújo Veras. Em cada escola foram realizadas entrevistas com 10
alunos para identificar se os mesmos receberam os livros do PNLD
vigente.
Foi constatado que alunos das cinco escolas não receberam livros
conforme segue descrito:
1) Na Escola de Cidadania Amadeu Catunda: a Diretora da Escola
informou que os livros do 4º ano não foram suficiente para todos
os alunos desta série.
2) Na Escola de Cidadania Videlina Maria da Conceição: três alunos do
3º ano e dois alunos do 4º ano afirmaram que não receberam livros do
PNLD.
3) Na Escola de Cidadania João Afonso Almeida Vale: a Professora
informou que nenhum dos alunos desta escola recebeu livros do PNLD.
Foi verificado que os alunos utilizam um outro material didático nas
aulas.
4) Na Escola de Cidadania José de Oliveira Camerino: foi constatado
que um aluno do 1º ano não recebeu livros do PNLD; um aluno do 1º ano
recebeu livro apenas de uma disciplina; uma aluna do 2º não recebeu
livros do PNLD e três alunos do 3º ano não receberam livros do PNLD,
tendo sido encontrado em uso outro material didático fornecido pela
escola.
5) Na Escola de Cidadania José de Araújo Veras: dois alunos do 1º ano
e dois alunos do 2º ano não receberam livros do PNLD. A Diretora da
Escola informou à equipe de fiscalização que os alunos dessas duas
séries não utilizam livros do PNLD nas aulas, apenas como complemento,
motivo pelo qual não foi entregue livros do PNLD aos alunos.
A existência de alunos sem livros implica que há deficiência no
gerenciamento do PNLD por parte da Prefeitura Municipal de Crateús.

EVIDÊNCIA:
Visita às escolas Videlina Maria da Conceição, João Afonso Almeida
Vale, José de Oliveira Camerino, Amadeu Catunda e José Araújo Veras;
Entrevista com os gestores das escolas visitadas;
Entrevista com alunos das escolas visitadas;
Lista de livros enviados pelo FNDE às escolas visitadas.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, datado de 20/09/2010, o gestor apresentou a
seguinte justificativa:
"Quanto a este ponto consignado no Relatório de Fiscalização, de que
existem alunos que não foram contemplados com o livro didático, temos
a informar:
Na ESCOLA DE CIDADANIA VIDELINA MARIA DA CONCEIÇÃO, quando a
professora informou à Equipe de Fiscalização que a Secretaria
Municipal de Educação não enviou para as escolas livros do 1º e 2º
anos. Informamos que a Escola trabalha com o Programa Escola Ativa,
portanto utiliza livros diferentes dos que são utilizados por crianças
atendidas pelo PAIC-Programa de Alfabetização na Idade certa.
Informamos ainda que os livros do Programa Escola Ativa, só chegaram
ao nosso Município no mês de agosto e que até esse período as crianças
utilizaram livros excedentes que foram doados para Escola, passando a
utilizar o livro da Escola Ativa a partir de então. A Escola funciona
com a modalidade multiseriada, ou seja, Escola Ativa recebeu livros do
PNLD, no dia 27 de janeiro de 2010, e da modalidade em 09/08/2010
sendo o mesmo assinado pela professora que conduz a sala L.F.R.,
conforme documento e os da Escola Ativa a
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 39
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Coordenadora Técnica Pedagógica F.E.S.S.
Na ESCOLA DE CIDADANIA JOÃO AFONSO ALMEIDA VALE, quando a
professora informou que o FNDE enviou livros das disciplinas de
ciências, geografia, português, historia e matemática do 4º ano, bem
como da disciplina de história do Ceará do 4º e 5 ano. A Escola
supracitada é um anexo da Escola de Cidadania de Realejo, onde
funciona uma sala 1º ano.
Na ESCOLA DE CIDADANIA JOSÉ DE ARAUJO VERAS - localidade de
QUEIMADAS, informamos que não há negligência por parte da Prefeitura,
conforme informado pela Diretora da referida Escola. A situação real
dos aspectos didáticos é que os alunos do 2º ano são atendidos pelo
PAIC-Programa de Alfabetização na Idade Certa. O fato do numero de
livros ter sido menor que o numero de alunos deve-se ao fato da
entrega ser de acordo com o Censo Escolar do ano anterior.
Na ESCOLA DE CIDADANIA JOSE DE OLIVEIRA CAMERINO - localidade de
PATOS, mediante a informação da diretora da referida escola à equipe
de Fiscalização que a Secretaria Municipal de Educação só teria
enviado um manual do 2º ano, não tendo sido fornecido livros. A escola
funciona com a modalidade multiseriada, ou seja, Escola Ativa, recebeu
livros do PNLD, no dia 17 de janeiro de 2010, e da modalidade em
13/08/2010, sendo o mesmo assinado pela Professora A.A., responsável
pela referida sala. Conforme documento em anexo, podemos
constatar a relação do livros, onde a Diretora assinou o recebimento.
(Anexo 16-Relatório da Proposta do Programa Escola Ativa e PAIC e
Controle de entrega de Kits)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Mantém-se a constatação, considerando os seguintes aspectos:
A manifestação do gestor em relação à existência de alunos sem livros
na "Escola de Cidadania Videlina Maria da Conceição" referem-se
aqueles alunos que utilizam livros de outro programa didático,
diferente do PNLD. A equipe de fiscalização refere-se somente aos
livros do PNLD aos quais foram enviados para a Prefeitura pelo FNDE,
sendo, portanto, encontrados alunos sem os mesmos em sala de aula no
momento da fiscalização.
Já a Escola de Cidadania João Afonso Almeida Vale, mesmo sendo anexo
de outra escola e funcionando apenas turmas de 1º ano, recebeu do FNDE
livros de outras séries, não sendo a escola anexa a outra para efetivo
recebimento de livros do PNLD. No momento da fiscalização, nenhum dos
livros enviados pelo FNDE foi encontrado na escola, nem documentos que
comprovassem a destinação destes livros.
Para a "Escola de Cidadania José de Araújo Veras, sendo o número de
livros insuficientes, assim como detectado pela equipe de
fiscalização, a Prefeitura deveria diagnosticar o fato para sanar o
problema ocorrido, seja pelo pedido de novos livros, seja pelo
remanejamento de sobras de outras escolas. Assim sendo, não houve
qualquer apresentação de documentos comprovatórios das providências
tomadas pela Prefeitura para solucionar a falta de livros na escola.
Além disso, no momento da fiscalização, foi detectado que os alunos
não utilizam livros do PNLD nas aulas, não sendo portanto, aceitável a
justificativa de que os alunos receberam livros do PNLD.
Com relação ao documento informado na justificativa que trata dos
fatos referentes à 'Escola de Cidadania José de Oliveira Camerino",
trata-se de escola localizada na comunidade de Patos, sendo que a
fiscalização refere-se à escola localizada na comunidade de Bebida
Nova. Os documentos ora informados no anexo 16 não dizem respeito à
escola fiscalizada, nem mesmo assinados por Diretor mencionado na
justificativa. No momento da fiscalização, alunos desta escola foram
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 40
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
encontrados sem livros e nos documentos, então apresentados pela
Prefeitura para a referida escola só constam envio de manuais.
1.1.15 CONSTATAÇÃO:
Livros destinados às escolas da zona rural não foram entregues pela
Prefeitura de Crateús.

FATO:
Os livros destinados às escolas da zona rural são enviados pelo FNDE
via ECT para a Secretaria Municipal de Educação de Crateús, a qual é
responsável de realizar a entrega nas escolas.
Durante visitas às quatro escolas da zona rural, foi identificado que
três escolas não receberam da Secretaria Municipal de Educação de
Crateús a totalidade dos livros que foram enviados pelo FNDE no ano de
2010, como segue:
- Na Escola de Cidadania Videlina Maria da Conceição, a Professora
informou à equipe de fiscalização que a Secretaria Municipal de
Educação não enviou para a escola livros do 1º e 2º ano. No documento
de entrega dos livros à escola fornecido pela Secretaria Municipal de
Educação, só não consta o envio dos livros do 1º ano, mas o respectivo
documento não está assinado pelo diretor da escola nem responsável
legal pelo recebimento dos livros. O FNDE enviou livros das
disciplinas de matemática e português do 1º ano bem como das
disciplinas de português, matemática, ciências, geografia e história
do 2º ano para esta escola.
- Na Escola de Cidadania João Afonso Almeida Vale, a professora
informou que não foi enviado livros para os alunos. O FNDE enviou
livros das disciplinas de ciências, geografia, português, história e
matemática do 4º ano bem como da disciplina História do Ceará do 4º e
5º ano. Importante ressaltar que estas séries não funcionam na
respectiva escola, tendo apenas uma turma da série de 1º ano, e ainda
assim, a Secretaria Municipal de Educação forneceu um documento de
entrega destes livros que foram enviados pelo FNDE para esta escola, a
qual se encontra assinado por um responsável, em nome do Diretor.
- Na Escola de Cidadania José de Oliveira Camerino, a Diretora da
Escola informou à equipe de fiscalização que a Secretaria Municipal de
Educação de Crateús só enviou um manual do 2º ano para escola, não
tendo sido fornecido livros. No documento fornecido pela Secretaria
Municipal de Educação só consta o envio de 03 manuais para a escola. O
FNDE enviou para esta escola uma quantidade de 14 livros em cada
disciplina de português e matemática do 1º ano. Para o 2º ano, o FNDE
enviou livros das disciplinas de português, matemática, geografia,
história e ciências.
Importante ressaltar que não foi encontrado estoque de livros nas
escolas e nem na Secretaria Municipal de Educação de Crateús.

EVIDÊNCIA:
Visitas às escolas da zona rural: Videlina Maria da Conceição, João
Afonso Almeida Vale, José de Oliveira Camerino e José Araújo Veras;
Visita à Secretaria Municipal de Educação de Crateús;
Relação de livros enviados às escolas da amostra pelo FNDE.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, datado de 20/09/2010, gestor apresentou a
seguinte justificativa:
"Com relação a este ponto, informamos que a Prefeitura Municipal de
Crateús recebe, através da Empresa de Correios, os livros do PNLD e
faz a entrega ao grupo gestor das escolas, através do controle de
recebimento e entrega dos exemplares no almoxarifado da Secretaria de
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 41
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Educação. Informamos que quando há um número de alunos maior que o
número de livros a serem distribuídos, justifica-se pela informação do
Censo Escolar do ano anterior, visto que a distribuição é
realizada com base em dados estatísticos passados. O grupo gestor das
escolas tem total responsabilidade quanto a distribuição destes
livros.
Portanto, não pode ser imputada culpa ao Gestor Municipal pela
possível ocorrência de falta de livros para alguns alunos, pois a
responsabilidade deve ser imputada ao próprio Ministério da educação,
que já foi devidamente informado do fato. Como os livros didáticos são
enviados com base no Censo Escolar do ano anterior, é evidente que,
com o crescimento vegetativo da população escolar, este número de
alunos é sempre maior, ocasionando a falta de livros. (Anexo 17 - Mapa
de Controle de Entrega de livros Didáticos).

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


A manifestação não elide à constatação. No momento da fiscalização a
situação encontrada foi divergente da que esta sendo explicitada pelo
gestor municipal. A constatação será mantida.

AÇÃO :
8744
APOIO A ALIMENTACAO ESCOLAR NA EDUCACAO BASICA - NO ESTADO DO CEARA
OBJETIVO DA AÇÃO :
Esta ação é conhecida como Programa Nacional de Alimentação Escolar
(PNAE). Ela visa efetuar transferência direta de recursos financeiros
às secretarias de educação dos Estados e do Distrito Federal, às
prefeituras municipais e às escolas federais para atender alunos da
educação básica matriculados em escolas públicas e nas filantrópicas,
que tenham registro e certificado no Conselho Nacional de Assistência
Social (CNAS) e que oferecem alimentação escolar e, ainda,as escolas
indígenas e escolas localizadas em comunidades quilombolas declaradas
no censo escolar.
ORDEM DE SERVIÇO : 252245
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Aquisição, armazenagem e distribuição dos gêneros alimentícios pela
Prefeitura Municipal/SEDUC/Escolas Executoras/Empresas Terceirizadas;
- Recebimento e armazenagem dos gêneros, elaboração da merenda e ofer-
ta da refeição aos alunos pelas escolas e empresas terceirizadas;
- Atuação do Conselho de Alimentação Escolar - CAE.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 669.546,80

1.1.16 CONSTATAÇÃO:
Ausência de Controle de estoque dos gêneros alimentícios do Programa
de Alimentação Escolar nas escolas.

FATO:
A Prefeitura de Crateús recebe recursos do Programa de Alimentação
Escolar - PNAE através de conta corrente específica e em seguida
transfere o valor respectivo às Escolas Pólos, a fim de que estas
gerenciem a compra e oferta de merenda ao alunado respectivo. Este
processo de descentralização da aquisição e gerenciamento da merenda
escolar no município advém da Lei nº 504/02, de 29/10/2002.
Foram realizadas visitas em cinco escolas constantes da amostra, quais
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 42
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
sejam: Escola de Cidadania Videlina Maria da Conceição, Escola de
Cidadania João Afonso Almeida Vale, Escola de Cidadania Joaquim Braz
de Oliveira, Escola de Cidadania José de Oliveira Camerino e Escola de
Cidadania Creche José Bezerra Lima, e constatou-se que as escolas não
possuem controle de estoque, não tendo entrada ou saída dos gêneros
alimentícios adquiridos.
As notas fiscais não são atestadas por servidor responsável indicando
a entrada dos alimentos, sendo que não existe uma pauta de compra.
Importante ressaltar que o transporte do alimento dos fornecedores à
escola afeta diretamente qualquer controle por parte das escolas, pois
os diretores afirmaram que os fornecedores não realizam entregas,
sendo o transporte a responsabilidade de cada escola . Este é feito em
carros particulares, os chamados regionalmente de "carros de
horário", juntamente a passageiros, e sem efetivamente existir
controle por parte dos gestores escolares.

EVIDÊNCIA:
Visitas às escolas Videlina Maria da Conceição, João Afonso Almeida
Vale, José de Oliveira Camerino, Joaquim Braz de Oliveira e Creche
José Bezerra Lima, e entrevista com os gestores escolares;
Notas fiscais dos produtos adquiridos.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, datado de 20/09/2010, gestor apresentou a
seguinte justificativa:
"Com relação a este ponto, onde está consignada a ausência do
controle de estoque, informamos que esta situação não pode ser
inferida, uma vez que, mensalmente acontece uma reunião geral com os
gestores e que os mesmos foram capacitados com relação ao PNAE,
especialmente no tocante ao controle de estoque dos gêneros
alimentícios. Apresentamos, em anexo, comprovação dos treinamentos que
foram efetivados, buscando-se aprimorar o ponto em questão.(Anexo 18 -
Formação/treinamento, Alimentação Escolar, orientações de prestação de
contas, Fichas de Prateleira, Reunião com os Diretores, e Reunião com
os Gestores)".

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Os documentos apresentados pelo Gestor Municipal, identificados no
Anexo 18, não comprovam o Controle de Estoque dos gêneros alimentícios
adquiridos com recursos do PNAE, sendo apenas listas de frequência de
reuniões realizadas pela Prefeitura com Diretores das escolas
municipais. O documento "Ficha de Prateleira" - em branco, constante
no anexo, não foi encontrado nas escolas quando da realização da
fiscalização em campo.
Sendo a situação encontrada em campo diversa da informação prestada
pelo Gestor na manifestação, mantém-se a constatação.

1.1.17 CONSTATAÇÃO:
Inexistência de Teste de Aceitabilidade do cardápio da merenda
escolar.

FATO:
Em resposta à Solicitação de Fiscalização nº 04, de 04/08/2010, a
Prefeitura Municipal de Crateús, através da Secretaria Municipal de
Educação emitiu ofício nº 380/2010, de 10/08/2010, com anexo,
informando à equipe de fiscalização que houve a realização de teste de
aceitabilidade do cardápio da merenda escolar, mas não forneceu
documentos que comprovem a informação.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 43
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Nas visitas às escolas da amostra foi informado à equipe de
fiscalização pelos Gestores Escolares que não houve a aplicação do
teste para identificar a aceitabilidade do cardápio.
As Escolas deveriam aplicar o teste, seguindo os normativos do PNAE,
visto que foi informado pela Secretaria de Educação, através de
documento anexo ao ofício acima citado, que o cardápio foi modificado,
considerando ainda que o cardápio deve ser periodicamente avaliado
junto aos alunos.

EVIDÊNCIA:
Visita às escolas Videlina Maria da Conceição, João Afonso Almeida
Vale, José de Oliveira Camerino, Joaquim Braz de oliveira e Creche
José Bezerra Lima, com as respectivas entrevistas;
Oficio 380/2010 da Secretária Municipal de Educação de Cratéus, datado
de 10/08/2010.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, datado de 20/09/2010, gestor apresentou a
seguinte justificativa:
"Informamos a esta Controladoria que, ao nos depararmos com o ponto
em questão, determinamos à Secretaria de Educação e à Coordenação
Municipal do Programa De Alimentação Escolar - PNAE a imediata
realização do Teste de Aceitabilidade dos produtos que compõem o
cardápio da merenda escolar, servidos à clientela estudantil. Conforme
decisão da Secretária de Educação, em cooperação com a profissional
Nutricionista, os referidos Testes já estão sendo aplicados nas
Unidades Educacionais da Sede do Município, e, posteriormente, serão
também aplicados nas Escolas Rurais. Os resultados dos primeiros
testes já aplicados foram altamente satisfatórios, demonstrando o
elevado grau de acerto na gama de produtos que é servida na
alimentação escolar. ( Anexo 19 - Teste de Aceitabilidade)".

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Mantém-se a constatação pois:
Os documentos apresentados pelo Gestor no referido anexo 19, informado
na manifestação, diz respeito àqueles já apresentados à equipe de
fiscalização durante os trabalhos de campo e que não representam a
realidade quanto à aplicação do teste de aceitabilidade do cardápio da
merenda escolar nas escolas do município. Além disso, o gestor não
apresentou os respectivos testes realizados, tendo apenas enviado, na
manifestação, modelo em branco.

1.1.18 CONSTATAÇÃO:
Merenda escolar composta por alimento proibido pela legislação do
PNAE.

FATO:
Durante visita à Escola de Cidadania João Afonso Almeida Vale, foi
encontrado suco artificial sendo fornecido na merenda escolar. O
produto encontra-se em estoque para ser fornecido aos alunos.
Questionada sobre os motivos do produto estar compondo a merenda
escolar, a merendeira da escola informou à equipe de fiscalização que
quando há falta de polpas de fruta, a escola recebe da respectiva
Escola Polo, Escola de Cidadania do Realejo, os sucos artificiais em
substituição.
Os normativos do PNAE estabelecem que é proibido a aquisição de
refrescos artificiais com recursos do FNDE.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 44


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
EVIDÊNCIA:
Visita à Escola de Cidadania João Afonso Almeida Vale;

Refresco Artifical armazenado na Escola de Cidadania João

Afonso Almeida Vale, sendo fornecido na merenda escolar.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, datado de 20/09/2010, gestor apresentou a
seguinte justificativa:
"O ponto em epígrafe realmente procede. Por desconhecimento, e
sobretudo, para que não falte o suco na composição da merenda, já que
é muito aceito e solicitado pela clientela escolar, a Secretaria
providenciou a compra de um pequeno lote de sucos artificiais, para
sanar, momentaneamente, a falta do suco em polpa. Cientes da
impropriedade cometida, determinamos a imediata suspensão da
preparação deste tipo de suco. Ressaltamos que, determinamos a
verificação da existência de algum estoque deste produto, para que
seja imediatamente coletado e transportado para o almoxarifado central
da secretaria de educação, para providências".

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Mantém-se a constatação, tendo ainda por base a própria afirmação do
gestor quanto à situação apontada pela equipe de fiscalização.

1.1.19 CONSTATAÇÃO:
Cardápio não está sendo seguido pelas escolas.

FATO:
Comparando o cardápio fornecido pela Secretaria de Educação com
aqueles constantes nas cinco escolas visitadas, foi constatado que
três delas não estão seguindo o cardápio.
Nas escolas Videlina Maria da Conceição e Joaquim Braz de Oliveira foi
encontrado outro cardápio afixado sendo usado pelas merendeiras, e
na escola João Afonso de Almeida Vale, apesar de estar afixado o mesmo
cardápio, foi encontrado produto diferente no estoque da escola e
sendo ofertado aos alunos. Nos cardápios encontrados nas escolas não
constam porções de fruta e legumes, bem como outros itens constantes
no cardápio elaborado pela nutricionista.
Quando indagadas pelos motivos de utilizarem cardápios diferentes, as
merendeiras das escolas informaram que existem alimentos não
aceitáveis pelos alunos e que usam o cardápio de acordo com os
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 45
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
alimentos que constam no estoque da escola.

EVIDÊNCIA:
Visita às cinco escolas Videlina Maria da Conceição, Joaquim Braz de
Oliveira e João Afonso Almeida Vale;
Cardápios fornecidos pela Secretaria Municipal de Educação;

Cardápio afixado na Escola Videlina Maria da Conceição a qual é


usado pela merendeira.

Cardápio afixado na escola Joaquim Braz de Oliveira a qual é


usado pela merendeira.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 46


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
alimento encontrado na escola João Afonso Almeida Vale não

constante do cardápio escolar e sendo fornecido na merenda.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, datado de 20/09/2010, gestor apresentou a
seguinte justificativa:
"Informamos que diante da constatação contida no Relatório, que
determinamos a abertura de Sindicância Administrativa com vistas a
apurar as irregularidades apontadas no Relatório. (Anexo 22 -
Documento relativo ao ponto)".

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Mantém-se a constatação. O Gestor apenas informou que realizou
procedimento para apurar os fatos apontados na constatação.

1.1.20 CONSTATAÇÃO:
Falta de controle de qualidade dos alimentos adquiridos para a merenda
escolar.

FATO:
A Prefeitura de Crateús não forneceu à equipe de fiscalização os
laudos técnicos dos gêneros alimentícios adquiridos para o Programa de
Alimentação Escolar, conforme solicitado por meio da Solicitação de
Fiscalização nº 04, de 04/08/2010.
Nas visitas realizadas nas cinco escolas da amostra, foi constatado
que as mesmas não possuem laudos dos produtos nos depósitos,
comprovando a especificação e qualidade dos alimentos.
Já na fase de licitação, na modalidade convite, os Editais 01/2009 e
02/2010, realizados pelas escolas para a aquisição dos gêneros
alimentícios, não especificam a exigência de apresentação dos
respectivos laudos por parte dos licitantes, bem como entrega de
amostra para posterior análise, como estabelece a Resolução FNDE nº
38, de 16/07/2009.
Ressaltamos que foi constatado nas escolas José Bezerra Lima e
Videlina Maria da Conceição a existência dos mesmos produtos com
marcas diferentes, bem como feijão não embalado indicando as
especificações técnicas e alimentos sem indicação de vencimento,
demonstrando falta do controle de qualidade dos alimentos quando da
aquisição dos mesmos.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 47
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
EVIDÊNCIA:
Visita às cinco escolas Videlina Maria da Conceição, João Afonso
Almeida Vale, José de Oliveira Camerino, Joaquim Braz de Oliveira e
Creche José Bezerra Lima;
Editais de Licitação na modalidade convite nº 01/2009 e 01/2010 da
Escola de Cidadania Joaquim Braz de Oliveira.

Mesmos alimentos com diferentes marcas encontrados na escola


José Bezerra Lima Creche, sem comprovação de qualidade.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 48


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Feijão em embalagem imoprópria não contendo especificações
técnicas e de qualidade, nem data de vencimento, encontrado na Escola
Videlina Maria da Conceição.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 49


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Açucar encontrado na escola Videlina Maria da Conceição
indicando data de vencimento após 24 meses da fabricação, mas não
especifica a data desta.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, datado de 20/09/2010, gestor apresentou a
seguinte justificativa:
"Quanto ao ponto alocado, informamos que já estamos adotando as
devidas providências para o seu saneamento, no sentido de garantir
merenda de qualidade para toda a clientela escolar do nosso Município,
já que as escolas dispõem de recursos suficientes e recebem produtos
em quantidade adequada para o preparo dos alimentos. (Anexo 23 Ã
Documento referente à Constatação)".

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Entende-se que a situação apontada na constatação foi afirmada pelo
Gestor na manifestação. Embora o mesmo tenha informado que adotou
providências iniciais, conforme documento anexo - 23, referente ao
Ofício enviado aos fornecedores, os alimentos adquiridos encontram-se
sem comprovação de qualidade, visto que não foi enviado à equipe de
fiscalização documentos comprovatórios. Neste sentido, mantém-se a
constatação.

1.1.21 CONSTATAÇÃO:
Desempenho insatisfatório do nutricionista na execução técnica do
PNAE.

FATO:
Por meio do Ofício 380, de 10/08/2010, da Secretaria Municipal de
Educação, a Prefeitura Municipal de Crateús apresentou documentos
indicando o profissional de nutrição responsável técnico pelo PNAE no
município.
Foi constatado nos trabalhos de campo, que a nutricionista desempenha
as atribuições constantes na Resolução FNDE nº 38, de 16/07/2009 e
Resolução nº 358, de 18.5.2005, do Conselho Federal de Nutricionistas,
de forma insatisfatória, visto que:
- Foi encontrado alimento proibido pela legislação do PNAE sendo
ofertado na alimentação escolar, na Escola João Afonso Almeida Vale;
- Das cinco escolas visitadas, foi constatado que em três delas o
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 50
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
cardápio elaborado pela nutricionista não está sendo seguido;
-Não existe laudo que comprove a qualidade dos alimentos adquiridos,
sendo encontrado alimentos sem data de validade e não embalados nas
escolas Joaquim Braz de Oliveira e Videlina Maria da Conceição;
-As escolas, bem como a Prefeitura, não realizou teste de
aceitabilidade do cardápio elaborado pela nutricionista, sendo
informado pelas merendeiras das cinco escolas que existem alimentos
não aceitáveis pelos alunos, inclusive naquelas em que o cardápio é
seguido.

EVIDÊNCIA:
Visita às cinco escolas Videlina Maria da Conceição, João Afonso
Almeida Vale, José de Oliveira Camerino, Joaquim Braz de Oliveira e
Creche José Bezerra Lima;
Ofício 380 de 10/08/2010 da Secretaria Municipal de Educação com os
respectivos documentos da nutricionista do PNAE.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


O Gestor Municipal apresentou manifestação quanto ao ponto, por meio
do Ofício nº , datado de , nos termos abaixo transcritos:
"Com relação a este ponto, informamos que já tivemos uma prolongada
reunião com a Nutricionista, acompanhada da Coordenação da merenda
escolar e de muitas Diretoras de Escolas, quando determinamos o
cumprimento integral de todas as determinações contidas na legislação.
Acreditamos que, após este entendimento, sejam sanadas todas as
dúvidas porventura existentes. ( Anexo 24 - Ofício Circular)".

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Todas as situações apontadas no relatório, constatadas durante a
fiscalização em campo, remetem para um desempenho insatisfatório do
Profissional de Nutrição. Entende-se que a realização de reuniões não
sanam as situações apontadas. Para a correta gestão do PNAE no
município, é necessário um acompanhamento sistemático por parte do
Responsável Técnico do programa, de acordo com as atribuições do
mesmo, inseridas na Resolução FNDE nº 38, de 16/07/2009, e na
Resolução nº 358, de 18/5/2005, do Conselho Federal de Nutricionistas.
Mantém-se a constatação.

2 - 36000 MINISTERIO DA SAUDE

2.1 - PROGRAMA
0122
SERVIÇOS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO
AÇÃO :
7652
IMPLANTACAO DE MELHORIAS SANITARIAS DOMICILIARES PARA PREVENCAO E
CONTROLE DE AGRAVOS - NACIONAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
Implantação de Melhorias Sanitárias Domiciliares para Prevenção e
Controle de Agravos.
ORDEM DE SERVIÇO : 251949
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Construção de módulos sanitários, banheiro, privada, tanque séptico,
sumidouro (poço absorvente), instalações de reservatório domiciliar de
água, tanque de lavar roupa, lavatório, pia de cozinha, ligação à
rede pública de água, ligação à rede pública de esgoto, dentre outras.
AGENTE EXECUTOR :
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 51
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
CRATEUS
ADMINISTRACAO DIRETA MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
CONVÊNIO SIAFI 620179
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 100.000,00

2.1.1 CONSTATAÇÃO:
Indícios de montagem de processo licitatório

FATO:
Trata-se de fiscalização realizada na execução do convênio n° Original
014/07-FUNASA, firmado entre a Prefeitura de Crateús e a Fundação
retro mencionada. O objeto do convênio é a transferência de recursos
para a construção de 49 unidades sanitárias em diversas localidades do
Município.
Para viabilizar a contratação dos serviços de construção civil dos 49
(quarenta e nove) módulos sanitários, o Município realizou a
Licitação n° 09/01/FMS/CC/O na modalidade carta-convite.
A documentação relativa ao processo licitatório acima referido foi
disponibilizada pela Prefeitura de Crateús durante o período de campo
dos trabalhos do 33° Sorteio dos municípios, que ocorreram entre os
dias 09 e 13 de agosto de 2010. Da análise realizada na documentação
disponibilizada, constatou-se a existência de irregularidades na
formalização do processo, as quais são a seguir apresentadas:
Verificou-se que encontra-se ausente do processo documentação de
habilitação das licitantes, uma vez que o processo se encontra
numerado da fl.1 à fl. 60, tendo como seu último ato administrativo
formal o termo de homologação da carta-convite ora em análise e a
adjudicação de seu objeto à empresa declarada vencedora do certame,
folha 55 do processo. Na seqüência da numeração processual,
apresentam-se o contrato firmado entre a Prefeitura e a vencedora do
certame e a ordem de serviço para início da execução do objeto
licitado. Justaposto ao processo licitatório, ao final dele, ou seja,
após a folha de numeração 60, foi disponibilizada documentação não
numerada que verifica-se ser de documentação relativa às três
licitantes que participaram da Carta-convite.
Essa documentação não numerada, apesar de serem documentos que
poderiam ser utilizados para habilitação em certame licitatório, não
podem ser consideradas como tal na licitação em questão, uma vez que
estão sem numeração e inseridos no processo ao seu final, fora da
seqüência cronológica normal dos atos administrativos de uma
licitação.
Ademais, da análise dessa documentação não numerada, há documentos que
foram emitidos em data posterior à ocorrência da sessão de
divulgação de uma suposta habilitação, a qual não há evidências no
processo de que realmente tenha ocorrido, e de entrega das propostas
comerciais, ocorrida em 13 de abril de 2009.
Os documentos não numerados e que foram emitidos após a data de
ocorrência da sessão de habilitação e entrega das propostas
comerciais foram os seguintes:
1.Comprovante de inscrição e de situação cadastral do Cadastro
Nacional de Pessoa Jurídica da empresa Construtora Danilo e Daniel,
emitida em 04/06/2009;
2.Certificado de Regularidade do FGTS-CFR em nome da licitante
Eletrovil Projetos Construções e Serviços LTDA., emitida em
08/05/2009.
Verificou-se, também, a ausência de aposição de rubrica dos
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 52
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
representes das licitantes na documentação referente às propostas
comerciais, embora a ata da licitação de 13/04/2009 declare que todos
os representantes das licitantes estavam presentes, contrariando o §2º
do art. 43 da Lei 8.666/93.
Interessante registrar que, mesmo que fôssemos considerar que os
documentos não numerados foram utilizados como objeto de julgamento de
habilitação, não houve nenhum recurso apresentado pelas licitantes
presentes contra a validade dos documentos apresentados das suas
concorrentes, o que no âmbito de um certame onde há realmente
competição, tal comportamento tem pouquíssima chance de acontecer.
Em face de todo o exposto, verificamos haver fortes indícios que a
licitação em questão foi montada.

EVIDÊNCIA:
Processo Licitatório 09/01/FMS/CC/O.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa: " O ponto em epígrafe é muito
complexo e de difícil apuração, necessitando de uma ampla
investigação, para que possamos, efetivamente, inferir a possibilidade
da ocorrência de conluio. Para que tenhamos segurança quanto às
devidas ações que deverão ser implementadas, determinamos, de
imediato, o envio deste Ponto à Procuradoria Jurídica do Município,
para que se posicione quanto ao fato concreto e apresente as possíveis
medidas para a apuração das responsabilidades pela prática delituosa
que se infere. Quando das tomada de decisão e apuração dos possíveis
delitos, encaminharemos as constatações a esta Controladoria, para
conhecimento."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Conforme a manifestação da Prefeitura de Crateús sobre a presente
constatação, esta necessita de mais tempo para apurar os fatos
indicados, não refutando a constatação. Dessa forma, mantém-se a
constatação na sua forma original.

2.2 - PROGRAMA
1214
ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE
AÇÃO :
0587
ATENDIMENTO ASSISTENCIAL BaSICO NOS MUNICiPIOS BRASILEIROS
OBJETIVO DA AÇÃO :
Ampliar o acesso da população rural e urbana à atenção básica, por
meio da transferência de recursos federais, com base em um valor
per capita, para a prestação da assistência básica, de caráter
individual ou coletivo, para a prevenção de agravos, tratamento
e reabilitação, levando em consideração as disparidades regionais.
ORDEM DE SERVIÇO : 251474
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Os municípios e o Distrito Federal, como gestores dos sistemas locais
de saúde, são responsáveis pelo cumprimento dos princípios da Atenção
Básica, pela organização e execução das ações em seu território, compe
tindo-lhes, entre outros:
I-organizar,executar e gerenciar os serviços e ações de Atenção Básica
dentro do seu território;
II-Incluir a proposta de organização da Atenção Básica e da forma de
utilização dos recursos do PAB Fixo e Variável, nos Planos de Saúde;
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 53
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
III-Inserir preferencialmente a estratégia de Saúde da Família em sua
rede de serviços, visando à organização sistêmica da atenção à saúde;
IV-Organizar o fluxo de usuários;
V-Garantir infra-estrutura necessária ao funcionamento das Unidades Bá
sicas de Saúde (recursos materiais, equipamentos e insumos);
VI-Selecionar, contratar e remunerar os profissionais de saúde.
(As demais competências dos municípios constam da Portaria 648/2006).
AGENTE EXECUTOR :
FUNDO MUNICIPAL DE SAUDE DE CRATEUS CE
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
FUNDO A FUNDO OU CONCESSãO
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 1.984.956,00

2.2.1 CONSTATAÇÃO:
Inexistência dos documentos de despesas realizadas com Recursos do PAB
Fixo no mês de maio/2009.

FATO:
Com o intuito de verificar a legalidade dos gastos efetuados com
recursos transferidos pela União para a conta específica do Programa
Assistencial Básica - PAB, foram solicitados, por meio da Solicitação
de Fiscalização n° 05/2010, datada de 04/08/2010, dentre outros itens,
os processos de despesas/pagamento referentes ao exercício de 2009, e
de janeiro a julho/2010, bem como os extratos bancários concernentes a
este mesmo período.
No entanto, até o final dos exames a documentação das despesas
realizadas no mês de Maio/2009 não foram localizados na Prefeitura
fiscalizada, apesar de ter sido reiterada a solicitação de tais
documentos por meio da SF n° 01/2010 - Min. Saúde, em 12/08/2010.
Vale ressaltar ainda, que no referido mês, são verificados saques da
Conta Corrente n° 58.042-2, Agência 0237-2, Banco do Brasil, aberta
pela Prefeitura para movimentação dos recursos do programa, num
importe de R$ 547.993,57, desta forma, não existe suporte documental
que certifique a regular utilização de tais recursos.

EVIDÊNCIA:
Movimentação bancária da Conta Corrente n° 58.042-2, Agência 0237-2,
Banco do Brasil.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


A Secretaria de Saúde de Crateús encaminhou justificativa por meio do
Documento s/n, datado de 20/09/2010, no qual consta o Memorando n°
004/2010, de 10/09/2010, que trata da "Ata de Instalação da Comissão
de Processo Administrativo Disciplinar - PAD e
de Início dos Trabalhos", bem como, apresenta ainda neste documento
as seguintes argumentações:
"Informamos que, com relação a este ponto, envidamos os melhores
esforços no sentido de localizar a documentação comprobatória destas
despesas. Infelizmente, esta documentação não foi encontrada. Não nos
restou outra alternativa a não ser a imediata instauração de uma
Comissão de Sindicância, via Portaria, para a apuração das
responsabilizadas pelo extravio da documentação e a aplicação das
penalidades cabíveis ao caso concreto. Ressaltamos que já determinamos
aos Setores Financeiro e de Contabilidade que envidem esforços no
sentido de reconstituírem a documentação porventura extraviada, para
posterior apresentação a esta Controladoria. Quanto aos resultados da
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 54
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Sindicância, informaremos, no tempo oportuno, quando da sua
conclusão.
(Anexo 24 : Cópia da Portaria de Instauração da Comissão de
Sindicância)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Tendo em vista que a documentação referente ao mês de maio/2009 ainda
não foi localizada, e considerando os esforços da Secretaria Municipal
de Saúde neste sentido, ficamos no aguardo do resultado dos trabalhos
da Comissão designada, para que os documentos sejam encontrados e a
irregularidade seja devidamente sanada.

2.2.2 CONSTATAÇÃO:
Saques de recursos depositados pela União na Conta específica do Piso
de Atenção Básica sem a correspondente comprovação de despesa.

FATO:
Procedemos em nossos exames a conciliação bancária dos recursos
depositados na conta corrente específica do PAB Fixo durante o
exercício de 2009, e nos meses de janeiro a julho de 2010, em relação
aos documentos financeiros que dão suporte às despesas realizadas pela
Secretaria Municipal de Saúde visando as ações de atenção básica em
saúde.
Vale ressaltar que durante o período analisado a conta específica dos
recursos repassados pela União sofreu duas alterações, uma vez que
durante o exercício de 2009, e nos meses de janeiro e fevereiro/2010,
os recursos foram movimentados na Conta Corrente n° 58.042-2 do Banco
do Brasil.
Nos meses de março e abril de 2010, tais recursos foram movimentados
na conta corrente n° 29153-6(Agencia 237-2, Banco do Brasil), sendo
que a partir de maio/2010 até o final do período analisado foi
utilizada a Conta Corrente n° 624003-9(Agência nº 747 da Caixa
Econômica Federal).
No comparativo, foram verificadas divergências expressivas entre os
valores debitados nas contas correntes retrocitadas e os documentos
comprobatórios das despesas realizadas, que, acumuladas até o final do
exercício de 2009, contabilizaram o importe de R$ 891.940,83, e
durante o período de janeiro a julho de 2010 totalizaram R$
790.749,69, conforme segue nos quadros demonstrativos:
Histórico Valores(R$) / Mês
Jan/2009 Fev/2009 Mar/2009 Abr/2009 Mai/2009 Jun/2009
Transferên 358.671,25 0 106.114,00 676.301,8 377.286 568.548,00
cias do
FNS
Despesas 2.924,98 226.242,98 199.110,09 107.081,55 (*) 199.604,89
pagas
Débitos 2.924,98 231.880,99 199,367,08 138.262,77 547.993,57 447.937,66
efetuados
na Cta
Corrente
Diferença/ 0 5.638,01 256,99 31.181,22 (**) 248.332,77
mês

Histórico Valores(R$) / Mês


Jul/2009 Ago/2009 Set/2009 Out/2009 Nov/2009 Dez/2009
Transferê 477.213,19 362.247,56 395.743,94 437.446,66 624.455,6 497.496,00
ncias do
FNS
Despesas 566.316,67 536.635,89 573.127,27 305.573,15 302.766,84 179.613,95
pagas
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 55
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Histórico Valores(R$) / Mês
Jul/2009 Ago/2009 Set/2009 Out/2009 Nov/2009 Dez/2009
Débitos 624.187,76 543.331,00 340.456,78 737.413,07 621.305,79 203.871,21
efetuados
na Cta
Corrente
Diferença 57.871,09 6.695,11 -232.670,49 431.839,92 318.538,95 24.257,26
/mês

Históri Valores(R$)/mês
co Jan/2010 Fev/2010 Mar/2010 Abr/2010 Mai/2010 jun/2010 jul/2010
Ingress 449.610,34 0 710.951,00 48.600,00 375.328,00 370.826,00 526.822,65
os de
recurso
s(*)
Despesa 580.603,45 21.866,41 349.532,78 49.471,82 170.059,57 375.952,28 383.238,16
s pagas
Débitos 729.426,45 20.932,53 822.484,7 46.872,3 175.766,72 413.616,38 512.375,08
efetuad
os na
Cta
Corrent
e
Diferen 148.823,00 -933,88 472.951,92 -2.599,52 5.707,15 37.664,1 129.136,92
ça/mês

Vale salientar ainda que, no comparativo apresentado, que resultou nas


diferenças de valores retrocitadas, não foi incluído o mês de
Maio/2009, uma vez que, conforme mencionado no item anterior, não foi
localizada a documentação das despesas realizadas. Portanto as
divergências por ventura ocorridas nesse mês não foram consideradas na
análise.
No demonstrativo a seguir estão consolidados os valores ingressados e
sacados da conta especifica dos recursos destinados à atenção básica,
bem como das divergências nos débitos verificados em relação aos
valores constantes dos processos de pagamento, correspondentes ao
exercício de 2009 e do período de janeiro a julho/2010:
Histórico Valores(R$)/exercício Totais
2009 2010
Ingressos de recursos(*) 4.881.524,00 2.482.137,99 7.363.661,99

Despesas pagas c/ comprovação 3.198.998,26 1.930.724,47 5.129.722,73


documental
Débitos efetuados na Cta Corrente 4.638.932,66 2.721.474,16 7.360.406,82
Diferença/período 891.940,83 790.749,69 1.682.690,52

Em face do exposto, mesmo sem considerar o mês de maio/2009, os


valores debitados da conta corrente específica para os recursos do PAB
Fixo, no exercício de 2009 e nos meses de janeiro à julho de 2010, que
não possuem documentação de despesa e pagamento correspondente,
totalizaram em R$ 1.682.690,52.

EVIDÊNCIA:
Processos de pagamento de despesas realizadas com recursos do Piso de
Atenção Básica no exercício de 2009 e no período de janeiro a julho
2010, e extratos bancários da conta específica do PAB no período
mencionado.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Em face às distorções constatadas e apontadas pela fiscalização a
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 56
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Prefeitura apresentou as seguintes justificativas por meio do
Documento s/n, datado de 20/09/2010:
"Com relação ao ponto em apreço, qual seja, a existência de
lançamentos a débito de recursos depositados pela União na Conta
específica do Piso de Atenção Básica, sem a correspondente comprovação
de despesa, apresentamos, nossas justificativas e explicações mês a
mês, com toda a documentação em anexo, comprobatória destas despesas
realizadas com estes recursos, relativos ao Exercício de 2009 e dos
meses janeiro a julho de 2010, conforme solicitação.
Mês de Fev./2009
A diferença na monta de R$ 271,61 resulta de ter sido considerado o
estorno de rendimento (EST RAT) do rateio de rendimento (RAT REND)
processado pelo Banco do Brasil como despesa.
Conforme extrato bancário em anexo, o valor de R$ 271,61 refere-se ao
estorno de rendimento (EST RAT), considerado indevidamente pelo
técnico da CGU como despesa.
Deixou-se também de considerar o documento de despesa 11020024, no
valor de R$ 5.366,40, nos cálculos apresentados.
Mês de Mar./2009
A diferença na monta de R$ 102,61 resulta de ter sido considerado o
estorno de rendimento (EST RAT) do rateio de rendimento (RAT REND)
processado pelo Banco do Brasil como despesa.
Conforme extrato bancário em anexo, o valor de R$ 102,61 refere-se ao
estorno de rendimento (EST RAT), considerado indevidamente pelo
técnico da CGU como despesa.
Os pagamentos correspondentes as folhas de servidores do PSF
contratados, docs. de caixa 05030047, 05030048, 05030049, 05030112 e
05030093 (R$ 80.326,61), teve o valor de R$ 423,15 pago com recurso
proveniente da conta 58043-0 (MAC) ao invés da conta PAB.
O restante da diferença resulta no valor correspondente ao cheque
16646 (valor R$ 577,53), compensado duas vezes (registros com data de
26/03/2009).
Mês de Abril
A diferença na monta de R$ 39,88 resulta de ter sido considerado o
estorno de rendimento (EST RAT) do rateio de rendimento (RAT REND)
processado pelo Banco do Brasil como despesa.
Conforme extrato bancário em anexo, o valor de R$ 39,88 refere-se ao
estorno de rendimento (EST RAT), considerado indevidamente pelo
técnico da CGU como despesa.
Deixou-se também de considerar o documento de despesa 07040021,
22040006 e 23030060, no total de R$ 30.650,64, nos cálculos
apresentados.
O restante da diferença resulta no valor correspondente ao cheque
003214 (valor R$ 332,64), compensado duas vezes (registros com data de
17/04/2009).
Mês de Junho 2009
Diante da disparidade e da falta de identificação dos valores
(detalhamento das despesas) que foram consideradas na apuração do
cálculo, torna-se impossível esclarecer a origem da diferença. Mesmo
assim, por dedução, apresentamos os seguintes esclarecimentos:
O valor na monta de R$ 99,24 resulta de ter sido considerado o
estorno de rendimento (EST RAT) do rateio de rendimento (RAT REND)
processado pelo Banco do Brasil como despesa.
Conforme extrato bancário em anexo, o valor de R$ 99,24 refere-se ao
estorno de rendimento (EST RAT), considerado indevidamente pelo
técnico da CGU como despesa.
Deixou-se também de observar que o valor correspondente ao cheque
003267 (valor R$ 15.000,00), compensado duas vezes (registros com data
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 57
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
de 09/06/2009).
Observamos ainda o valor de R$ 100.000,00 debitado em 30/06/2009, que
foi estornado, creditado, em 08/09/2010.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 332.838,42.
Mês de Julho de 2009
Diante da disparidade e da falta de identificação dos valores
(detalhamento das despesas) que foram consideradas na apuração do
cálculo, torna-se impossível esclarecer a origem da diferença. Mesmo
assim, por dedução, apresentamos os seguintes esclarecimentos:
O valor na monta de R$ 1.475,39 resulta de ter sido considerado o
estorno de rendimento (EST RAT) do rateio de rendimento (RAT REND)
processado pelo Banco do Brasil como despesa.
Conforme extrato bancário em anexo, o valor de R$ 1.475,39 refere-se
ao estorno de rendimento (EST RAT), considerado indevidamente pelo
técnico da CGU como despesa.
Observamos ainda o valor de R$ 150.000,00 debitado em 30/07/2009, que
foi estornado, creditado, em 08/09/2010.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 472.712,37.
Mês de agosto de 2009
Diante da disparidade e da falta de identificação dos valores
(detalhamento das despesas) que foram consideradas na apuração do
cálculo, torna-se impossível esclarecer a origem da diferença. Mesmo
assim, por dedução, apresentamos os seguintes esclarecimentos:
O valor na monta de R$ 1.294,64 resulta de ter sido considerado o
estorno de rendimento (EST RAT) do rateio de rendimento (RAT REND)
processado pelo Banco do Brasil como despesa.
Conforme extrato bancário em anexo, o valor de R$ 1.294,64 refere-se
ao estorno de rendimento (EST RAT), considerado indevidamente pelo
técnico da CGU como despesa.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 542.036,36.
Mês de setembro de 2009
Diante da disparidade e da falta de identificação dos valores
(detalhamento das despesas) que foram consideradas na apuração do
cálculo, torna-se impossível esclarecer a origem da diferença. Mesmo
assim, por dedução, apresentamos os seguintes esclarecimentos:
O valor na monta de R$ 118,45 resulta de ter sido considerado o
estorno de rendimento (EST RAT) do rateio de rendimento (RAT REND)
processado pelo Banco do Brasil como despesa.
Conforme extrato bancário em anexo, o valor de R$ 118,45 refere-se ao
estorno de rendimento (EST RAT), considerado indevidamente pelo
técnico da CGU como despesa.
Observamos ainda os valores de R$ 2.298,60 debitado em 15/09/2009 e R
$ 23.220,14 debitado em 16/09/2009, que foram estornados, creditados,
em 08/09/2010.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 314.819,59.
Mês de outubro de 2009
Diante da disparidade e da falta de identificação dos valores
(detalhamento das despesas) que foram consideradas na apuração do
cálculo, torna-se impossível esclarecer a origem da diferença. Mesmo
assim, por dedução, apresentamos os seguintes esclarecimentos:
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 58
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
O valor na monta de R$ 243,19 resulta de ter sido considerado o
estorno de rendimento (EST RAT) do rateio de rendimento (RAT REND)
processado pelo Banco do Brasil como despesa.
Conforme extrato bancário em anexo, o valor de R$ 243,19 refere-se ao
estorno de rendimento (EST RAT), considerado indevidamente pelo
técnico da CGU como despesa.
Observamos ainda os valores de R$ 11.089,04 (debitado em 07/10/2009),
R$ 35.000,00 (debitado em 15/10/2009), R$ 7.674,85 (debitado em
28/10/2009), R$ 100.000,00 (debitado em 28/10/2009), que foram
estornados, creditados, em 08/09/2010.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 583.408,99.
Mês de novembro de 2009
Diante da disparidade e da falta de identificação dos valores
(detalhamento das despesas) que foram consideradas na apuração do
cálculo, torna-se impossível esclarecer a origem da diferença. Mesmo
assim, por dedução, apresentamos os seguintes esclarecimentos:
O valor na monta de R$ 376,09 resulta de ter sido considerado o
estorno de rendimento (EST RAT) do rateio de rendimento (RAT REND)
processado pelo Banco do Brasil como despesa.
Conforme extrato bancário em anexo, o valor de R$ 376,09 refere-se ao
estorno de rendimento (EST RAT), considerado indevidamente pelo
técnico da CGU como despesa.
Observamos ainda os valores de R$ 1.000,00 (debitado em 09/11/2009), R
$ 68.468,09 (debitado em 18/11/2009) e R$ 2.500,00 (debitado em
27/11/2009, que foram estornados, creditados, em 08/09/2010.
Na data de 03/11/2009 a conta foi creditada em R$ 219.292,60 e, diante
da impropriedade do credito, foi o valor estornado na mesma data,
através do cheque 003179.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 329.668,16.
Mês de dezembro de 2009
Diante da disparidade e da falta de identificação dos valores
(detalhamento das despesas) que foram consideradas na apuração do
cálculo, torna-se impossível esclarecer a origem da diferença. Mesmo
assim, por dedução, apresentamos os seguintes esclarecimentos:
Observamos ainda o valor de R$ 30.000,00 debitado em 18/12/2009, que
foi estornado, creditado, em 08/09/2010.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 179.613,95.
Mês de Janeiro de 2010
A diferença na monta de R$ 270,92 resulta de ter sido considerado o
estorno de rendimento (EST RAT) do rateio de rendimento (RAT REND)
processado pelo Banco do Brasil como despesa.
Conforme extrato bancário em anexo, o valor de R$ 270,92 refere-se ao
estorno de rendimento (EST RAT), considerado indevidamente pelo
técnico da CGU como despesa.
Observamos ainda os valores de R$ 20.000,00 (debitado em 04/01/2010),
R$ 35.000,00 (debitado em 07/01/2010), R$ 30.000,00 (debitado em
18/01/2010), R$ 5.000,00 (debitado em 20/01/2010) e R$ 69.997,34
(debitado em 28/01/2010), que foram estornados, creditado.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 569.158,19.
Mês de fevereiro de 2010
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 59
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 20.858,41.
Mês de Março de 2010
Observamos o valor de R$ 127.944,61 debitado em 15/03/2010, que foi
estornado, creditado.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 694.539,99.
Mês de abril de 2010
Observamos os valores R$ 10.000,00 (debitado em 02/04/2010) e R$
6.400,00 (debitado em 20/04/2010), que foram estornados, creditados.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 28.792,70.
Mês de maio de 2010
Observamos os valores R$ 60.986,50 (debitado em 13/05/2010) e R$
79.000,00 (debitado em 20/05/2010), que foram estornados, creditados.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 35.780,22.
Mês de junho de 2010
Observamos o valor R$ 20.000,00 (debitado em 15/06/2010), que foi
estornado, creditado.
Diante do valor apresentado como ingresso de recurso, deduzimos que
foi considerado, indevidamente, o crédito no valor de R$ 80.000,00
(creditado em 04/06/2010), quando esse foi estornado em 20/07/2010.
Mero erro de transferência de recursos entre contas correntes.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 393.263,38.
Mês de julho 2010
Observamos os valores R$ 45.000,00 (debitado em 13/07/2010) e R$
80.000,00 (debitado em 20/07/2010), sendo esse último valor resultado
do estorno do crédito indevido (transferência entre contas) ocorrido
em 04/06/2010.
Segue em anexo cópia da movimentação bancária (extrato) acompanhado de
cada processo de despesa respectivo aos débitos evidenciados na conta.
Totalizando a despesa no mês em R$ 387.375,08.
Ainda relativo ao tópico, rogamos a atenção para o fato das despesas
serem consideradas pelo regime de caixa, ou seja, a Secretaria de
Saúde, ao emitir o cheque, já considera a despesa com paga no momento
de sua emissão e não apenas no momento em que o cheque é compensado.
Possivelmente o levantamento tenha sido processado, considerado pelo
técnico, pela data da compensação do cheque, causando incongruência
nos dados.
Outro aspecto que merece ser ressaltado é a dificuldade de compreensão
dos valores considerados, diante da falta de identificação,
detalhamento, de quais as despesas que foram examinadas. Diante desse
aspecto, buscando a comprovação dos valores, estamos apresentando
todos os gastos, para reexame do setor técnico.( Anexo 25 :
Documentação Comprobatória das Despesas : Piso de Atenção Básica)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:

Da análise procedida nas justificativas e documentação ora


apresentadas pela Prefeitura de Crateús, concluímos o que segue:

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 60


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
1) Mês de fevereiro e março de 2009
Justificativa acatada.
2) Mês de abril de 2009
Não foi localizado o documento de despesa 23030060, somente o de n°
2204006 no valor de R$ 640,00 e o de nº 07040021 no valor de R$
244,14, portanto a diferença de R$ 29.766,50 continua sem
comprovação.
3) Mês de maio de 2009:
Documentação não localizada
4)Mês de junho de 2009
O valor da documentação das despesas ora apresentada totalizou R$
315.913,90, enquanto os saques da conta importam em R$ 432.838,42,
considerando que o cheque n° 3267, no valor de R$ 15.000,00, sacado
em duplicidade e depois estornado pelo banco, havia sido
considerado no somatório anterior.
Desta forma, resta uma diferença no mês de R$ 116.924,52, para o
qual não consta comprovação de despesas.
O depósito no valor de R$ 100.000,00 que consta da documentação
como estorno carece de maiores esclarecimentos, uma vez que o saque
ocorreu em 30/06/2009, enquanto o estorno somente foi efetuado em
08/09/2010, ou seja, mais de 1 ano depois, não tendo sido
justificada a finalidade de tal desembolso.
5)Mês de julho de 2009
Em relação ao somatório da documentação ora apresentada, obtivemos
um total de R$ 437.744,92, e no tocante aos saques no mês,
totalizaram R$ 623.349,63, sem considerar os débitos decorrentes de
tarifas bancárias, taxas e estorno de rendimento. Desta forma o
valor da diferença saque x despesas comprovadas atingiu o valor de
R$ 185.604,71.
No que concerne ao depósito efetuado no valor de R$ 150.000,00, com
data de 08/09/2010, sob a alegação de estorno, carece de maiores
esclarecimentos, uma vez que o débito da conta do PAB ocorreu em
30/07/09, e com mais de 1 ano depois foi efetuada a devolução do
recurso, o que não traz explicações quanto à utilização dos
recursos.
6) Mês de Agosto de 2009
O somatório da documentação ora apresentada totalizou, em nossa
análise, R$ 535.826,33, e o total de débitos efetuados na conta R$
542.205,44, restando uma diferença de R$ 6.379,11, sem a
comprovação correspondente.
7) Mês de setembro de 2009
Na reanálise da documentação das despesas ora apresentada,
obtivemos um total de R$ 302.411,53, enquanto no novo somatório dos
saques foi verificado um importe de R$ 340.338,33, resultando em
uma diferença no importe de R$ 37.926,80.
No tocante aos depósitos apresentados, sendo um de R$ 2.298,60,
efetuado em 08/09/2010, e outro de R$ 23.220,14, datado de
08/09/2010, tais valores carecem de maiores esclarecimentos, uma
vez que os saques foram efetuados em 15/09/2009 e 16/09/2009, e os
estornos realizados somente em 08/09/2010, não sendo justificado a
razão para tais desembolsos.

8) Mês de outubro de 2009

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 61


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Em relação aos saques da conta, na reanálise totalizam o valor de
R$ 737.169,88, tendo sido considerado no somatório somente despesas
pagas com cheques e outros tipos de transferência.
No que concerne a despesas ora apresentadas pela Prefeitura
fiscalizada, em seu montante atingiu, conforme mencionado na
justificativa, o valor de R$ 583.408,99, resta uma diferença no
valor de R$ 153.760,89.
Em relação aos estornos mencionados na justificativa em análise, no
total de R$ 153.760,89, tais valores carecem de maiores
esclarecimentos, uma vez que os saques ocorreram em outubro de
2009, e os chamados estornos somente em setembro de 2010, ou seja,
mais de 1 ano depois, não tendo sido justificado o motivo para tais
desembolsos.
9)Mês de novembro de 2009
Na reanálise considerando a documentação ora apresentada, foi
verificado um total de saques no valor de R$ 620.929,70, e um total
de despesas comprovadas no importe de R$ 327.559,95, restando
portanto uma diferença de R$ 293.369,75, sem comprovação.
Quanto aos valores estornados, conforme consta das justificativas
em análise, ou seja, um depósito de R$ 1.000,00, debitado em
09/11/2010, R$ 68.468,09, debitado em 18/11/2010 e R$ 2.500,00,
debitado em 27/11/2010, e que foram estornados em R$ 08/09/2010,
ressaltamos que carecem de maiores esclarecimentos, considerando
ainda que o estorno foi realizado mais de 01 ano depois, não sendo
apresentadas justificativas para tais desembolsos.
Em relação ao valor de R$ 219.292,60, que foi transferido para a
conta no dia 03/11/2009, e sacado por meio do cheque n° 3179, no
mesmo dia, também carece de maiores esclarecimentos em relação ao
histórico deste valor e sua finalidade na conta do Piso de Atenção
Básica.
10)Mês de Dezembro de 2009
De acordo com o levantamento efetuados nos saques decorrentes de
compensação de cheques e outros instrumentos de transferência, o
valor debitado da conta foi no total de R$ 203.871,21.
Quanto ao valor de R$ 30.000,00 debitado da conta em 18/12/2009, e,
conforme consta da justificativa em análise, estornado/creditado em
08/09/2010, carece de maiores esclarecimentos quanto à utilização
deste valor, uma vez que o mesmo não tramitou pela conta corrente
do Fundo Único de Saúde do Município.
11) Mês de Janeiro de 2010
De acordo com o extrato bancário, considerando somente os débitos
decorrentes de compensação de cheque e outras transferências
autorizadas, foram movimentadas saídas da conta do PAB no mês de
janeiro no importe de R$ 729.139,53, apresentando uma pequena
diferença de R$ 286,92, registrado na 1ª análise relativo às taxas
e tarifas bancária, não considerados na reanálise.
No que concerne à documentação das despesas pagas com recursos da
fonte PAB no mês em referência, e encaminhada para análise,
totalizou o valor de R$ 559.634,03. Portanto a diferença de saques
x documentação de despesas foi de R$ 169.505,55.
Consta da documentação encaminhada um depósito de R$ 159.997,34,
datado de R$ 16/09/2010, que conforme consta da justificativa trata
de um estorno/credito, no entanto, o mesmo carece de maiores

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 62


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
esclarecimentos, uma vez que o saque sem comprovação foi realizado
em janeiro de 2010, e somente na data mencionada, após a
interveniência desta fiscalização, retornaram à conta do Piso de
Atenção Básica, não tendo sido justificado o motivo para o
desembolso.
12) Mês de fevereiro de 2010
Justificativa acatada
13) Mês de março 2010
De acordo com a reanálise feita na documentação apresentada, o
total de débitos da conta no mês por meio de cheques compensados e
outros instrumentos de transferências de recursos, foi de R$
822.476,60, enquanto a documentação de despesas no mês em
referência foi de R$ 692.655,46.
Consta da documentação em apreço depósito no total de R$
144.344,61, que de acordo com as justificativas encaminhadas, deste
total, o valor de R$ 127.944,61 trata de um estorno/crédito
decorrente do saque realizado da conta do PAB em 15/03/2010.
Tal fato não elucida a impropriedade, uma vez que um valor
subtraído da conta do PAB em março/2010, é estornado seis meses
depois, ou seja, em setembro de 2010, sem que fosse devidamente
justificado a finalidade de tal débito.
14) Mês de abril de 2010
Conforme reanálise realizada na documentação ora encaminhada, as
despesas totalizam R$ 28.792,70, e o total de saques no mês de R$
45.372,70.
Consta ainda um depósito no importe de R$ 144.344,61, já
mencionado, que de acordo com as justificativas encaminhadas, deste
total R$ 10.000,00 refere-se ao débito efetuado em 02/04/2010 e R$
6.400,00 ao débito efetuado em 20/04/2010, que teriam sido
estornados/creditados.
Para esse fato vale a análise anterior, que tal providência não
esclarece a situação apontada, uma vez que um valor subtraído da
conta do PAB em abril/2010, foi estornado somente em setembro/2010,
sem que fosse devidamente justificado a finalidade de tais débitos.

15) Mês de Maio de 2010


Em relação à documentação ora apresentada relativa às despesas não
foram verificadas distorções relevantes no valor citado na
justificativa em análise, no entanto, no tocante aos débitos
ocorridos em 13/05/2010 no importe de R$ 60.986,50 e em 20/05/2010
de R$ 79.000,00, no qual consta depósito realizado em 16/09/2010,
na conta do Fundo Municipal de Saúde de Crateús, no total de R$
204.986,50, em que 139.986,50 trata-se de estorno/crédito dos
valores citados.

Em relação ao estorno citado na justificativa, vale o mesmo


entendimento das análises anteriores, em não fica bem esclarecido
um estorno realizado em setembro/2010 referente a débitos
realizados em maio/2010, após a interveniência da fiscalização, sem
que fosse devidamente justificada a finalidade de tais recursos que
foram sacados da conta do Piso de Atenção Básica à Saúde.

16) Mês de Junho de 2010

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 63


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Em relação à documentação ora apresentada relativa às despesas não foram
verificadas distorções relevantes no valor citado na justificativa em
análise.
No entanto, no tocante ao débito ocorrido em 20/06/2010 no importe de R$
20.000,00, no qual consta depósito realizado em 16/09/2010, na conta do
Fundo Municipal de Saúde de Crateús, no total de R$ 204.986,50, em que R$
20.000,00 trata-se de estorno/crédito dos valores citados, tal
providência não esclarece o fato, em razão do que já foi exposto nas
análises anteriores, pois não foi justificada a finalidade deste
desembolso nas ações de atenção básica à saúde.

17) Mês de Julho de 2010


Em relação à documentação ora apresentada relativa às despesas não foram
verificadas distorções relevantes no valor citado na justificativa em
análise.

No entanto, no tocante ao débito ocorrido em 13/07/2010 no importe de R$


45.000,00, no qual consta depósito realizado em 16/09/2010, na conta do
Fundo Municipal de Saúde de Crateús, no total de R$ 204.986,50, em que R$
45.000,00 trata-se de estorno/crédito dos valores citados, tal
providência não esclarece o fato, em razão do que já foi exposto nas
análises anteriores, pois não foi justificada a finalidade deste
desembolso nas ações de atenção básica à saúde.

Diante de todo o exposto, temos ainda a considerar que:

a) em relação à utilização do regime contábil ser de caixa ou


competência, concordamos que a utilização de um sistema em substituição
ao outro gera divergências, no entanto, o que se buscou na análise foi
uma confrontação dos valores debitados x comprovados durante o exercício
de 2009 e nos meses de janeiro a julho de 2010, ou seja, uma despesa que
é competência de um mês e foi pago em outro pode ocorrer, no entanto, no
final exercício e/ou período deveria apresentar uma certa compatibilidade
entre os valores, o que não ocorreu.
b) no tocante aos depósitos efetuados após a interveniência da
fiscalização, que totalizam R$ 1.040.576,18, apesar de considerarmos o
esforço da Secretaria Municipal de Saúde no sentido de regularizar a
situação da conta financeira do Piso de Atenção Básica, tal situação
ainda não ficou elucidada, haja vista que não foi informado o motivo e/ou
finalidade deste expressivo importe de recursos que deveriam serem
voltados para as ações de atenção básica à saúde.

Em complementação, informamos que não foram apresentados os extratos


bancários atualizados da conta especifica do PAB Fixo, para a qual foi
efetuado o depósito/devolução dos recursos, respectivamente conta n°
58042-2(Ag 0237-2 BB), conta nº 29153-6(Ag. 0237-2 BB) e conta nº 624003-
9(Ag. 0747-1 CEF).

2.2.3 CONSTATAÇÃO:
Pagamento de despesa a título de recolhimento de Imposto de Renda da
folha de pagamento incompatível com os valores a serem retidos dos
profissionais da Atenção Básica.

FATO:
Foi verificada uma movimentação a débito da conta corrente n° 58.042-
2, do Banco do Brasil, específica para a movimentação dos recursos do
Piso de Atenção Básica, no importe de R$ 433.752,36, no dia
17/08/2009.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 64
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Deste total, conforme consta dos documentos comprobatórios, o valor de
R$ 416.793,12 foi destinado ao recolhimento de IRRF retido pelo FMS no
período de 01/01/2009 a 06/05/2009, para a Prefeitura Municipal de
Saúde, referente a dedução dos valores das folhas de pagamento dos
servidores da Atenção Básica a Saúde.
Ocorre que, totalizando os recolhimentos no período referenciado na
documentação de despesas dos servidores de toda a Secretaria Municipal
de Saúde, conforme informações obtidas com base no Resumo Geral da
Folha de Pagamento dos meses de janeiro a maio/2009, o valor a ser
recolhido a titulo de IRRF importou em R$ 494.248,88.
Neste contexto, fica muito pouco provável que o valor referenciado
anteriormente, ou seja, R$ 416.793,12, possa ser destinado ao
recolhimento deste tributo somente dos servidores lotados na atenção
básica, uma vez que o mesmo corresponde a quase 90% do total de todos
os servidores da Secretaria Municipal de Saúde do Município.
Desta forma, os documentos de despesa carecem de maiores
esclarecimentos, uma vez que os valores não são coerentes, conforme
exposto, valendo ressaltar que os valores dessa conta deveriam custear
apenas os servidores com atividades voltadas para as ações básicas de
saúde, e não para toda a Secretaria de Saúde do Município, conforme
sugerem os documentos apresentados.

EVIDÊNCIA:
Processos de pagamento de despesas com recursos do PAB em 2009 e 2010,
extratos bancários da conta específica destes recursos e registros
obtidos no Setor de Recursos Humanos da Secretaria Municipal de Saúde.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
apresentou a seguinte justificativa ("in verbis"):
"Com relação a esta Constatação, informamos que determinamos ao Setor
Financeiro que realize uma ampla investigação de toda a documentação,
para que seja verificada alguma incongruência nos valores
apresentados, haja vista que a Folha de Pagamento da Atenção Básica é
ampla e diversificada. Neste ato, estamos apresentando, em anexo, os
Extratos da Conta, assumindo a responsabilidade e o compromisso de
apresentar, oportunamente, toda a documentação que embasou os
descontos relativos ao Imposto de Renda Pessoa Física, quando da
apuração detalhada já determinada. (Anexo 26 Extratos da Conta)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em face das justificativas apresentadas, mantemos a constatação, haja
vista que a impropriedade permanece.

2.2.4 CONSTATAÇÃO:
Pagamento inelegível com desapropriação de terreno.

FATO:
Foi verificado um pagamento no importe de R$ 15.000,00, por meio do
cheque n° 3267, debitado da conta corrente n° 58042-2 em 09/06/2009 do
Banco do Brasil, específica dos recursos do Piso de Atenção Básica, em
favor de Francisca dos Santos Vieira, objetivando a desapropriação de
um terreno para construção de um posto de saúde pelo Governo do Estado
do Ceará.
Cabe ressaltar que os recursos do PAB deverão ser utilizados para as
ações básicas de saúde, e que de acordo com a Portaria n° 204/GM, de
29/01/2007, os recursos destinam-se à melhoria de imóveis já
existentes, portanto, construções novas são vedadas.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 65
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Neste diapasão, a desapropriação dos terrenos que precede a construção
do posto deve ser de responsabilidade da Prefeitura, ou seja, tais
condições deveriam ser pré-existentes à utilização dos recursos do
Piso de Atenção Básica, haja vista que a destinação destes recursos
visa a manutenção e o funcionamento destas Unidades Básicas de Saúde,
partindo da premissa de que a estrutura destes Postos de Saúde já
tenham sido implantadas.

EVIDÊNCIA:
Processos de pagamento formalizados em 2009 e 2010, custeados com
recursos do Piso de Atenção Básica.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
justificativou que o ponto em epígrafe já foi solucionado, com a
devolução à Conta Corrente 58.042-2, em 10/09/2010, do valor de R$
15.000,00 conforme consignado na Constatação, o que comprovamos
através de documento anexo. ( Anexo 27 - Comprovante de Transferência
de
Recursos).

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Consta da documentação encaminhada para análise comprovante de
transferência da conta n° 10.055-2, agência 0237-2, na data de
10/09/2010 para a conta n° 58.042-2, no valor de R$ 15.000,00.
Vale ressaltar, no entanto, a necessidade de apresentação do extrato
com o saldo atualizado da conta recebedora, que, inclusive, não vem
sendo mais utilizada para movimentação dos recursos do PAB Fixo, bem
como, que seja comprovada a fonte dos recursos que foram ressarcidos,
uma vez que a conta do Fundo Único de Saúde - FUS movimenta recursos
de diversas fontes. Portanto, a regularização da pendência fica
condicionada a apresentação do documento e informação mencionados.

2.2.5 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido de tarifa referente à consumo d'água do Centro de
Especialidades Médicas.

FATO:
Dentre a documentação das despesas realizadas no mês de setembro/2009,
realizada com recursos do Piso de Atenção Básica - PAB, existentes na
conta corrente 58.042-2, Agência 237-2 do Banco do Brasil, foi
constatado um pagamento em favor da Companhia de Água e Esgoto do
Estado do Ceará - CAGECE, no valor total de R$ 11.696,21, que se
refere ao consumo de água potável no mês de setembro de várias
Unidades de Saúde do Município.
Ocorre que, somente o Centro de Especialidades Gentil Barreiras,
localizado na Rua Dr. Gomes Coutinho, Bairro Centro, teve um consumo
correspondente ao valor de R$ 5.082,41, que representa mais de 40% do
valor da despesa, sendo importante ressaltar que os recursos da conta
mencionada, devem ser destinados ao pagamento de despesas das unidades
relacionadas à atenção básica em saúde e, neste caso, o Centro de
Especialidades Médicas, não se enquadra nessa classificação, devendo
contar com outra fonte de custeio de suas despesas correntes, que
inclui às tarifas de água e energia elétrica.

EVIDÊNCIA:
Processos de pagamento das despesas realizadas com recursos do Piso de
Atenção Básica em 2009 e 2010.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 66
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:
Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
apresentou a seguinte justificativa ("in verbis"):
"A Constatação retro foi prontamente sanada, via devolução à Conta
Corrente 58.042-2, em 10/09/2010, do valor de R$ 5.082,41 conforme
consignado no Ponto, o que comprovamos através de documento anexo.
(Anexo 28 : Comprovante de Transferência de Recursos)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Consta da documentação encaminhada para análise, comprovante de
transferência da conta n° 10.055-2(Fundo Único de Saúde-FUS), agência
0237-2, na data de 10/09/2010 para a conta n° 58.042-2, no valor de R
$ 5.082,41.
Vale ressaltar, no entanto, a necessidade de apresentação do extrato
com o saldo atualizado da conta recebedora, que inclusive não vem
sendo mais utilizada para movimentação dos recursos do PAB Fixo, bem
como, que seja comprovada a fonte dos recursos que foram ressarcidos,
uma vez que a conta do Fundo Único de Saúde - FUS movimenta recursos
de diversas fontes.
Desta forma, a regularização da constatação fica condicionada a
apresentação do documento e comprovação mencionados.

2.2.6 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido referente ao consumo d'água do Prédio do Corpo de
Bombeiros.

FATO:
Verificamos, na documentação das despesas realizadas com recursos do
PAB, pagamento em favor da Companhia de Água e Esgoto do Estado do
Ceará - CAGECE, nos meses de setembro e outubro de 2009, destinado ao
pagamento do consumo d'água do Corpo de Bombeiros, localizado na Rua
Dr. Moreira da Rocha 2150, conforme a seguir demonstrado:
mês: setembro/2009 valor: R$ 433,76
mês: outubro/2009 valor: R$ 154,86
Total.................... R$ 588,62
Vale salientar que tais despesas não devem ser custeadas com
recursos destinados à atenção básica à saúde, uma vez que o Corpo de
Bombeiros trata-se de uma instituição com verba própria para pagamento
de seus custos fixos.

EVIDÊNCIA:
Documentação de despesas referente aos meses de setembro e
outubro/2009.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
justificou que, com relação ao pagamento referente ao consumo de água,
já foi prontamente solucionado, com a devolução à Conta Corrente
58.042-2, em 10/09/2010, do valor de R$ 588,62, conforme consignado na
Constatação, o que comprovamos através de documento anexo. (Anexo 29 :
Comprovante de Transferência de Recursos).

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Consta da documentação encaminhada para análise comprovante
detransferência da conta n° 10.055-2, agência 0237-2, na data de
10/09/2010 para a conta n° 58.042-2, no valor de R$ 588,62.
Vale ressaltar, no entanto, a necessidade de apresentação do extrato
com o saldo atualizado da conta recebedora, que inclusive, não vem
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 67
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
sendo mais utilizada para movimentação dos recursos do PAB Fixo, bem
como, que seja comprovada a fonte dos recursos que foram ressarcidos,
uma vez que a conta do Fundo Único de Saúde - FUS movimenta recursos
de diversas fontes.
Valendo ressaltar que doravante, despesas desta natureza, não devem
ser custeados com recursos do Piso de Atenção Básica da Saúde - PAB.

2.2.7 CONSTATAÇÃO:
Pagamento indevido de despesas com manutenção do hospital de
referência e laboratório clínico.

FATO:
Foi constatado pagamento no importe de R$ 2.380,00, por meio do cheque
nº 0034, sacado da conta corrente n° 58.042-2, Agência 237-2, Banco do
Brasil em 11/08/2009, relativo a serviços de manutenção nos setores
laboratório clínico do Hospital de Referência São Lucas e mamografia.
Vale ressaltar que tal despesa não é elegível para aplicação dos
recursos do Piso de Atenção Básica, haja vista que estes devem ser
destinados à realização de despesas com ações básicas de saúde no
Município.
Neste contexto, vale ressaltar, ainda, que os Hospitais de Referência
devem ser dotados de verba própria com vistas ao custeio de sua
manutenção e funcionamento.

EVIDÊNCIA:
Processos de pagamento das despesas realizadas com recursos do Piso de
Atenção Básica no exercício de 2009 e no período de janeiro a
julho/2010, e extratos bancários da conta específica do PAB neste
período.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
apresentou a seguinte justificativa ("in verbis":
"O ponto em epígrafe, qual seja, o pagamento de despesas com a
manutenção de hospital, já foi prontamente solucionado, com a
devolução à Conta Corrente 58.042-2, em 10/09/2010, do valor de R$
2.380,00, conforme consignado na Constatação, o que comprovamos
através de documento anexo. (Anexo 30 : Comprovante de Transferência
de Recursos)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Consta da documentação encaminhada para análise comprovante
de transferência da conta n° 10.055-2, agência 0237-2, na data de
10/09/2010 para a conta n° 58.042-2, no valor de R$ 2.380,00.
Vale ressaltar, no entanto, a necessidade de apresentação do extrato
com o saldo atualizado da conta recebedora, que inclusive não vem
sendo mais utilizada para movimentação dos recursos do PAB Fixo, e
ainda, que seja comprovada a fonte dos recursos que foram ressarcidos,
uma vez que a conta do Fundo Único de Saúde - FUS movimenta recursos
de diversas fontes.
Informa-se, ainda, que despesas com manutenção de hospitais de
referência e laboratórios não devem ser custeados com recursos do PAB
Fixo, portanto, mantemos a constatação até a apresentação dos
comprovantes mencionados.

2.2.8 CONSTATAÇÃO:
Utilização dos recursos do PAB para pagamento de servidores não
lotados nas unidades relacionadas às ações de Atenção Básica de Saúde.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 68
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
FATO:
Com base em pesquisa realizada na folha de pagamento referente ao mês
de maio/2010, paga com recursos do Piso de Atenção Básica, foi
constatado que os servidores a seguir relacionados não constam do
elenco de profissionais que atuam nas ações de saúde básica do
Município, bem como estão lotados em unidades de saúde cujas
atividades não coincidem com esse tipo de ação.
Matrí Iniciai Cargo Provento Lotação
cula s do s
nome
1208 M.B.N Agente 537,24 Sindicado dos Servidores
Administrativo Pref Municipal
301 A M V A Atendente de 650,38 Centro de Especialidades
Consult Dentário Odontológicas
828 A G B C Auxiliar de 612,00 Centro de Especialidades
Serviços Odontológicas
1215 B J S M Atendente de 631,19 Centro de Especialidades
Consult Dentário Odontológicas
178 F M L S Auxiliar de 775,92 Centro de Especialidades
Serviços Odontológicas
208 M L O Auxiliar de 612,00 Centro de Especialidades
Serviços Odontológicas
48 M J C L Atendente de 612,00 Centro de Especialidades
Consult Dentário Odontológicas
857 M F V C Recepcionista 510,00 Hosp de Referencia São
S Lucas
2319 W S C Dentista 2.280,00 Centro de Especialidades
Odontológicas
2579 A T S S Terapeuta 2.280,00 Centro de Especialid
Ocupacional Médicas Gentil Barreira
2583 C N S Fisioterapeuta 2.280,00 Centro de Especialid
Médicas Gentil Barreira
2581 P D D B Psicóloga 2.280,00 Centro de Especialid
Médicas Gentil Barreira
2566 R M A A Assistente 2.280,00 Centro de Especialid
G Social Médicas Gentil Barreira
Total no mês 16.340,73

Isto posto, cabe ressaltar que tais servidores não deveriam constar da
folha de pagamento custeada com recursos do Piso de Atenção Básica -
PAB.

EVIDÊNCIA:
Folha de pagamento referente ao mês de Maio/2010, relação de
servidores lotados na atenção básica, e relação de servidores com
lotação disponibilizada pelo Setor de Recursos Humanos.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
apresentou a seguinte justificativa ("in verbis"):
"Quando ao ponto em epígrafe, qual seja, a utilização dos recursos
do PAB para pagamento de servidores não lotados nas unidades
relacionadas às ações de Atenção Básica de Saúde, temos a informar:
Os profissionais Terapeuta ocupacional (matrícula: 2579, iniciais:
ATSS), Fisioterapeuta ( matrícula: 2583, iniciais: CNS), Psicóloga
(matrícula: 2581, iniciais: PDDB) e assistente social (matrícula:
2566, iniciais: RMAAG) pertencem ao quadro do Núcleo de Apoio à Saúde
da Família : NASF, cujo programa faz parte do Bloco da Atenção Básica.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 69
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
O Município de Crateús possui 01(um) NASF tipo I que tem seu ponto de
apoio localizado no Centro de Especialidades Gentil Barreiras e
desempenha suas atividades em 08 Equipes de Saúde da Família do
Município conforme a Portaria GM nº154 de 24 de janeiro de 2008 que
regulamenta o funcionamento do NASF. Ocorre que por conta do ponto de
apoio do NASF estar localizado no Centro de Especialidades Médicas se
incorreu ao erro de vincular os profissionais não ao programa que
executam, mas sim ao local de trabalho(espaço físico).
Isto nos leva a concluir que em momento algum a Secretaria Municipal
de Saúde praticou atecnia ou irregularidades ao pagar estes
profissionais com recursos do PAB, já que os mesmos realizam suas
atividades enquanto profissionais do Núcleo de Apoio à Saúde da
Família. Seguem, em anexo, o Relatório do Cadastro Nacional de
Estabelecimentos à CNES, referente ao Mês de Maio de 2010, o Mapa
Diário de Produção de cada profissional e fotos dos serviços prestados
no NASF de Crateús.
Os profissionais Atendente de Consultório Dentário, (Matrícula: 301,
iniciais: AMVA) e Atendente de Consultório Dentário,(Matrícula: 1215,
iniciais: BJSM), desempenham suas atividades no PSF de CAIC e PSF São
José respectivamente, conforme relatório do CNES. A Dentista(WSC,
matrícula: 2319) é efetiva da atenção básica está dentro da Folha de
Pagamento do PAB, não havendo qualquer vinculação com o CEO. Os
profissionais Auxiliar de Serviços, (Matrícula:828,iniciais: AGBC),
Auxiliar de Serviços, (Matrícula:178, iniciais: FMLS), Auxiliar de
Serviços,(matrícula:208,iniciais: MLO) e Atendente de Consultório
Dentário, (Matrícula:48,iniciais: MJCL), exerciam suas funções no CEO
e então, por esta razão, estamos devolvendo o recurso correspondente
para a conta do PAB e retiramos estes profissionais para a folha de
pagamento da Média Complexidade, atendendo a portaria 204/2007 do
Ministério da Saúde.
Os profissionais Agente Administrativo,(Matrícula:1208,iniciais: MBN),
lotado no Sindicato dos Servidores Municipais, a Recepcionista,
(Matrícula:857,iniciais: MFVCS ),lotada no HRSL, configuram,
realmente, um caso de pagamento indevido, tendo Secretaria restituiu
o valor referente ao pagamento à conta específica do PAB e
providenciou a retirada dos profissionais da folha de pagamento do
PAB. (Anexo 31 : Comprovante da Devolução à Conta 624.003-9, CEF,
Agência de Crateus, no valor de R$ 3.659,16)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Apesar de considerarmos as providências adotadas, e os valores
recolhidos à conta do PAB Fixo, o ponto permanece, pois não foi
apresentada a folha atualizada referente à Atenção Básica afim de
comprovar a exclusão dos servidores indevidos.

AÇÃO :
20AD
PISO DE ATENCAO BASICA VARIAVEL - SAUDE DA FAMILIA - NACIONAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
Verificar a atuação das equipes do PSF, a participação do gestor muni
cipal na implementação e desenvolvimento do programa e o controle
realizado pelo gestor federal quanto à observância de critérios e
requisitos.
ORDEM DE SERVIÇO : 252030
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Propostas de implantação de equipes do PSF inseridas no Plano
Municipal de Saúde, propostas analisadas pelos conselhos municipais
de saúde, unidades básicas de saúde adequadamente estruturadas,
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 70
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
materiais e equipamentos disponibilizados aos profissionais,
profissionais selecionados e contratados conforme a legislação,
contrapartida municipal efetivada, dados inseridos corretamente no
SIAB, equipes capacitadas, prestação de contas analisada pelo conselho
municipal de saúde, atendimento prestado adequadamente às famílias,
carga horária semanal cumprida pelos profissionais do PSF/PACS.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
FUNDO A FUNDO OU CONCESSãO
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 4.759.675,00

2.2.9 CONSTATAÇÃO:
Postos de Saúde com apenas 01 banheiro para os profissionais e
usuários.

FATO:
Foi verificado nos Postos de Saúde de Poty e Curral Velho a existência
de somente um banheiro destinado tanto aos profissionais como aos
usuários, contrariando o previsto na Resolução RDC nº 50/2002, da
Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que dispõe sobre o
regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e
avaliação de projetos físicos de estabelecimentos de assistenciais de
saúde.
Além disso, foi possível verificar na visita realizada, que o banheiro
da UBASF de Curral Velho encontra-se em precárias condições para uso,
com evidentes sinais de infiltrações.

EVIDÊNCIA:
Visita aos postos de saúde de Poty e Curral Velho com fotos e
entrevistas com as chefes dos Postos de Saúde de Poty e Curral Velho e
registro fotográfico.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 71


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
POTY

POTY

CURRAL VELHO

CURRAL VELHO

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 72


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
CURRAL VELHO

CURRAL VELHO

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
apresentou a seguinte justificativa ("in verbis"):
"Ressaltamos, por oportuno, que o Município de Crateús tem buscado
adequar a estrutura física de suas Unidades Básicas conforme preconiza
a Resolução 51, da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Para
isto, buscamos emendas parlamentares, projetos de construção e reforma
de UBS junto ao Ministério da Saúde e Governo do Estado do Ceará. Com
isto, conseguimos recursos necessários para a construção da UBS da
localidade de Curral Velho, junto ao Governo do Estado, a construção
da nova Unidade, aguarda a conclusão do processo licitatório e tão
logo aconteça será dada ordem de serviço já que o Município tem prazo
determinado para construção e posterior prestamento de contas ao
Estado, conforme o Plano de Trabalho.
Com relação à Unidade de Poty, também visitada, estamos analisando a
possibilidade da elaboração de projeto para a construção de mais
banheiro, e sua viabilidade financeira e operacional, visto que este
posto está numa localidade que será desabitada, para a construção do
Lago do Reservatório Fronteiras, a ser construído pelo Governo
Federal. Com isso, seria mais oportuno aguardamos o remanejamento das
famílias para outra área e aí, então, adequaremos a UBS nesta nova
localidade."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em que pese a justificativa, mantemos a constatação, uma vez que a
exigência de sanitários não é um assunto novo, haja vista previsão no
Manual de Estrutura Física das Unidades Básicas de Saúde, do
Ministério da Saúde, ser de 2006; e Portaria nº 648, de 28 de março de
2006.
Desta forma a regularização da pendência fica condicionada ao
atendimento do referido normativo no tocante à estrutura mínima a ser
implementada pelo Município nas Unidades Básicas de Saúde.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 73


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
2.2.10 CONSTATAÇÃO:
Unidades Básicas de Saúde sem água potável adequada para utilização
dos profissionais.

FATO:
Conforme entrevista realizada com a responsável pela UBASF de Irapuá,
essa Unidade não possui água potável, a água que chega ao posto de
saúde é proveniente de carro pipa.
No tocante à UBASF da Localidade de Lagoa das Pedras, foi verificado
mediante visita, que a mesma não possui sistema de abastecimento de
água proveniente do sistema público, sendo suprida por meio de uma
cacimba, sendo uma água sem procedência e qualidade, e portanto não
adequada para utilização em um posto de saúde.
Já a UBASF da Localidade de Poty, apesar de receber a água potável por
Serviço de Água, não possui reservatório d'água, desta forma, para o
abastecimento, que ocorre às 06:00h da manhã, se faz necessário que um
funcionário acumule em recipientes, a água que será utilizada durante
o dia nas atividades dos profissionais, o que evidencia a precariedade
no abastecimento e disponibilidade d'água da UBASF.

EVIDÊNCIA:
Visita "in loco" e entrevistas com responsáveis das UBASF.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
apresentou a seguinte justificativa ("in verbis"):
"Informamos que estamos cientes destas deficiências detectadas, nos
dois Postos de Saúde visitados, e o nosso compromisso é buscar, no
curto prazo, alternativas viáveis para a solução destes problemas.
Determinamos ao Secretário de Saúde que providenciasse vistoria
imediata nestes locais, apresentando, prazo de 15 dias, alternativas
possíveis para a contemplação de uma solução. Ressaltamos que todos os
esforços serão envidados para a solução destas pendências, ou, pelo
menos, a minimização de suas conseqüências."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


A regularização da pendência fica condicionada à adoção efetiva das
ações necessárias para a adequação da UBASF, afim de que tenha
consições adequadas para atendimento das famílias.

2.2.11 CONSTATAÇÃO:
Incompatibilidade entre as informações constantes do Mapa Diário de
Atendimento em relação às folhas de frequência.

FATO:
Nos exames foi procedida a apuração das frequências dos profissionais
de saúde médicos, enfermeiros e odontólogos através do cotejamento das
informações registradas no "Mapa Diário de Atendimento" comparando com
as frequências constantes das folhas de ponto disponibilizada pela
Secretaria Municipal de Saúde referentes aos meses de abril a junho de
2010.
Deste comparativo, foi possível constatar que, conforme os registros
existentes no "Mapa Diário de Atendimento", os profissionais não
apresentaram 100% de frequência nos meses analisados, conforme a
seguir demonstrado. No entanto, de acordo com as folhas de ponto
consta 100% de assiduidade.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 74


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Centro de
PROFISSIONAL MÊS DE DIA ÚTIL FREQUÊNCIA FREQUÊNCIA
Saúde de
DE SAÚDE REFERÊNCIA MENSAL (DIA ÚTIL) (%)MENSAL
Crateús
Abril 20 16 80
Médico Maio 21 17 81
Junho 21 17 81
Poty
Abril 20 18 90
Enfermeiro
Maio 21 19 90
Junho 21 15 71
Médico Abril 20 17 85
Lagoa da Abril 20 14 70
Pedras Enfermeiro
Maio 21 15 71
Junho 21 16 76
Abril 20 17 85
Venâncios Médico
Maio 21 20 95
Junho 21 17 81

A divergência apontada põe em dúvida a consistência das informações


registradas nas folhas de frequência dos profissionais de saúde.

EVIDÊNCIA:
Mapa Diário de Produção, Folhas de ponto e entrevista com famílias.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
apresentou a seguinte justificativa ("in verbis"):
Com relação a este ponto de Fiscalização, o Relatório aponta
divergência entre a freqüência dos profissionais e o Mapa Diário de
atendimento. Informamos que estes mapas vem para o Setor de Recursos
Humanos da Secretaria no início de cada mês, sendo alimentado na
própria Equipe de saúde.
Reconhecemos que é inviável manter um padrão de 100% de freqüência por
motivos diversos -(doença, cursos, congressos,etc)-, entretanto existe
um mecanismo paralelo executado pela Coordenação da Atenção Básica
para acompanhar a freqüência dos profissionais, especialmente os da
Zona Rural, que consiste em ligações para pessoas da comunidade e
visitas da Coordenação, com representantes do Conselho Municipal de
Saúde; como prova disso, é que, no final de cada mês, a Coordenação
repassa para o Setor de Recursos Humanos a Planilha, constando as
faltas dos profissionais. Posteriormente se dá o encaminhamento para
a Secretaria de Administração, onde são feitos os descontos referentes
às faltas. Anexamos cópias das Planilhas geradas pela Coordenação e
utilizadas com fins de garantir os descontos necessários, os
acompanhamentos de faltas e cumprimento de carga horária dos
profissionais. Fazemos anexar, também, Folhas geradas pela
Administração, onde ficam comprovados os descontos referentes às
faltas dos profissionais destas equipes, nos meses de abril a junho de
2010.
Ressaltamos que estamos procurando viabilizar a implantação de ponto
eletrônico nas sedes das 18 equipes de saúde da família do Município,
conforme consta na Programação Anual de Saúde e implantá-los até
dezembro de 2010 (Anexo 34 : Documentos referentes ao Ponto de
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 75
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Constatação).

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em que pese a justificativa e os documentos apresentados, mantemos a
constatação, tendo em vista a necessidade de um maior controle e
cobrança na carga horária dos profissionais contratados no programa de
Saúde da Família, que até o momento ainda não foi implementado.

AÇÃO :
8581
ESTRUTURACAO DA REDE DE SERVICOS DE ATENCAO BASICA DE SAUDE - NACIONAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
Financiamento para a adequação e ampliação da rede de serviços de a-
tenção básica de saúde; apoio técnico e financiamento para melhoria a-
dequação da rede de serviços caracterizada como de primeira referência
para a atenção básica.
ORDEM DE SERVIÇO : 251558
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Aquisição de Equipamentos Médico-Hospitalares.
AGENTE EXECUTOR :
CRATEUS
ADMINISTRACAO DIRETA MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
CONVÊNIO SIAFI 630884
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 250.000,00

2.2.12 CONSTATAÇÃO:
Equipamentos adquiridos com especificações em desacordo com o PLano de
Trabalho.

FATO:
Da inspeção física realizada nos equipamentos previstos no Plano de
Trabalho do Convênio nº original 629/2008, celebrado entre a
Prefeitura de Crateús e a União Federal, verificou-se que alguns
equipamentos foram adquiridos em desacordo com as especificações
técnicas previstas no Plano de Trabalho do Convênio em questão, a
seguir discriminados:
a)O freezer horizontal adquirido tem capacidade para 337 litros,
todavia o previsto era de 519 litros.
b)O bebedouro adquirido é de plástico de uso doméstico marca
britânia, todavia o exigido era de aço carbono galvanizado, tipo
gabinete.
c)A estufa tem capacidade para 40 litros, todavia o exigido foi de
50 litros.
d)O autoclave adquirido é horizontal, enquanto o exigido é
vertical.
e)A lavadora de alta pressão é de 400lbf/pol2 , enquanto o exigido
era de 1500 lbf/pol2.
f)A caixa necropsia possui apenas um gancho para encropsia,
enquanto o exigido eram 2 (dois); não possui tesoura smith de 23 cm
nem bisturi de esmarch e a caixa inoxidável não é perfurada, em
desacordo com o Plano de trabalho;
g)Estava previsto no plano de trabalho a aquisição de 1 (uma)
impressora multifuncionais laser COLOR, todavia foram adquiridas 2
(duas) impressoras jato de tinta multifuncionais, de acordo com as
notas-fiscais apresentadas na prestação de contas do convênio.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 76


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
EVIDÊNCIA:
Plano de Trabalho e Prestações de contas do convênio e inspeção
física.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Com relação a esta Constatação, ressaltamos que o Convênio 629/2008,
em epígrafe, passou por uma auditoria, em Maio deste ano, e de acordo
com as constatações, a Secretaria vem solucionando os problemas
encontrados na sua execução. Dentre eles, está a aquisição, fora das
especificações do Plano de Trabalho, de um freezer horizontal, um
bebedouro, uma estufa, uma lavadora de alta pressão, instrumentas da
caixa de necropsia e 02 impressoras jato de tinta enquanto deveriam
ser 01 a laser.
Desde o recebimento do Relatório da Auditoria, realizada em Maio, pela
Divisão de Convênios do Ceará/Ministério da Saúde, o Município se
comprometeu de regularizar esta situação, num prazo de até 120 dias.
A assessoria jurídica da Secretaria de Saúde está negociando a
devolução às Empresas vencedoras do certame e garantindo o recebimento
dos novos equipamentos, em conformidade com o PTA.
Ressaltamos que são problemas que serão brevemente solucionados, para
que possamos garantir, com rigor, o compromisso firmado conforme o
Plano de Trabalho, junto ao Ministério da Saúde. Ressaltamos,
outrossim, que o autoclave adquirido é horizontal, pois hoje em dia é
o exigido nos serviços de saúde e não mais o vertical."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


A manifestação da Prefeitura confirma a existência das irregularidades
identificadas e declara que as providências para corrigi-las estão
sendo tomadas. Em que pese a declaração da Prefeitura, as medidas para
correção das irregularidades ainda não foram concluídas, dessa forma,
permanece a constatação.

2.3 - PROGRAMA
1287
SANEAMENTO RURAL
AÇÃO :
3921
IMPLANTACAO DE MELHORIAS HABITACIONAIS PARA CONTROLE DA
DOENCA DE CHAGAS - NACIONAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
Implantação de Melhorias Habitacionais para Controle da Doença de
Chagas.
ORDEM DE SERVIÇO : 251965
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Melhorar as condições físicas e sanitárias das habitações por meio de
restauração (reforma) ou reconstrução. A restauração compreende os
seguintes serviços: reboco das paredes internas e externas e pintura
das mesmas; calçada de proteção em torno da casa; cobertura com
materiais adequados; piso cimentado ou de madeira; recuperação de
abrigo de animais e depósitos; substituição de cercas e implantação
e/ou recuperação de instalações sanitárias. Nos casos em que as
habitações não suportarem reformas, serão demolidas e reconstruídas.
AGENTE EXECUTOR :
CRATEUS
ADMINISTRACAO DIRETA MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 77
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
CONVÊNIO SIAFI 426388
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 540.000,00

2.3.1 CONSTATAÇÃO:
Moradias construídas parcialmente ou fora das especificações técnicas.

FATO:
Trata-se de fiscalização realizada na execução do convênio n° Original
356/01 - FUNASA, firmado entre a prefeitura de Crateús e a Fundação
retromencionada. O objeto do convênio é a transferência de recursos
para a referida municipalidade para construção de 92 casas para
combate à doença de chagas em diversas localidades do Município.
O referido convênio foi assinado em 17 de dezembro de 2001 e sua
vigência expirou em 15 de agosto de 2010. Da análise do processo de
acompanhamento disponibilizado pela FUNASA, verifica-se que a última
visita técnica realizada pelos técnicos da FUNASA foi em 06 de
novembro de 2002.
Os montantes de recursos transferidos para a Prefeitura foram de R$
360.000,00. As ordens bancárias têm datas de 27 dezembro de 2001 e
05 de fevereiro de 2002.
A Equipe de fiscalização realizou inspeção física em uma amostra de 19
(dezenove) residências em 3 (três) localidades diferentes, tendo sido
observadas as seguintes irregularidades em todas as casas visitadas:
- Fossa séptica construída com capacidade de aproximadamente 1 m3,
enquanto o projeto prevê mínimo de 2m3;
- O traço da argamassa utilizado no reboco das paredes está abaixo da
qualidade exigida nas especificações técnicas;
- As cintas superiores não foram construídas e as inferiores foram
construída com tijolo furado, enquanto as especificações técnicas
prevêem concreto armado;
- Portas e janelas de péssima qualidade;
- Os dois pilares da área de serviço da casa foram construídos com
tijolo furado, enquanto as especificações técnicas prevêem a
utilização de concreto armado;
- As paredes não receberam chapisco; e
- Não foi construído o fogão à lenha.
A seguir são descritas as irregularidades específicas de cada
residência inspecionada:
Localidade: Olinda
1)Residência do morador R. L. A.:
- As portas da residência não foram instaladas, o morador declarou que
as portas existentes foram compradas e instaladas por ele próprio;
- Não foi instalada a pia da área de serviço.
2)Residência do morador A. I. L.:
- As portas da residência não foram instaladas, o morador declarou que
as portas existentes foram compradas e instaladas por ele próprio;
- Não foi instalada a pia da área de serviço; e
- A casa de taipa não foi demolida.
3)Residência do morador F. V. L.:
- Não foram instaladas as pias da cozinha e da lavanderia.
4)Residência do morador A. A. S.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço.
Localidade de Betânia:
5)Residência do morador A. F. S.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço.
6)Residência do morador A. C.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço; e
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 78
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
- A casa de taipa não foi demolida.
7)Residência do morador A. E.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço; e
- A casa de taipa não foi demolida.
8)Residência do morador J. M. H.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço.
9)Residência do morador L. S.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço; e
- Não foi instalado o reservatório de água de 150 litros.
10)Residência do morador E. S.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço; e
- Não foi instalado o reservatório de água de 150 litros.
Localidade de Lameirão:
11)Residência do morador J. L. F.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço; e
- Não foi instalado o reservatório de água de 150 litros.
12)Residência do morador R. F. S. V.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço;
- Não foi instalado o reservatório de água de 150 litros; e
- Não foi instalado vaso sanitário.
13)Residência do morador J. E. S.:
- Não foram executados os serviços referentes a contrapiso, piso
cimentado liso, chapisco, reboco, instalações de todas as portas,
caiação, pintura de esquadrias, instalações sanitárias, vaso
sanitário, tanque de lavar roupa, pia de cozinha, reservatório de
água, sumidouro, armadores, calçada de contorno e demolição da casa de
taipa.
14)Residência do morador L. C. V. E:
- Não foram executados os serviços referentes a contrapiso, piso
cimentado liso, chapisco, reboco, instalações de todas as portas,
caiação, pintura de esquadrias, instalações sanitárias, vaso
sanitário, tanque de lavar roupa, pia de cozinha, reservatório de
água, sumidouro, armadores, calçada de contorno e demolição da casa de
taipa.
15)Residência do morador A. N. V.:
- Não foram executados os serviços referentes a contrapiso, piso
cimentado liso, chapisco, reboco, instalações de todas as portas,
caiação, pintura de esquadrias, instalações sanitárias, vaso
sanitário, tanque de lavar roupa, pia de cozinha, reservatório de
água, sumidouro, armadores, calçada de contorno e demolição da casa de
taipa.
16)Residência do morador F.C.V.M.:
- A inspeção física dessa residência demonstrou que a mesma está
finalizada e possui ampliações, todavia, segundo o morador, a empresa
contratada para realizar a obra deixou a construção com apenas 1,5
metro de alvenaria levantada.
17)Residência do morador A. M. S.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço;
- Não foi instalado o reservatório de água de 150 litros; e
- Segundo o morador diversos serviços nesta residência foram
executados por meio de mutirão, uma vez que a empresa contratada não
finalizou a maioria dos serviços. Ele não soube especificar quais os
serviços deixaram de ser realizados.
18)Residência do morador J. A. S.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço;
- Não foi instalado o reservatório de água de 150 litros; e
- Segundo o morador diversos serviços nesta residência foram
executados por meio de mutirão, uma vez que a empresa contratada não
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 79
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
finalizou a maioria dos serviços. Ele não soube especificar quais os
serviços deixaram de ser realizados.
19)Residência do morador A. F. V.:
- Não foi instalada a pia da área de serviço;
- Não foi instalado o reservatório de água de 150 litros;
- Não foi construído o sumidouro; e
- Segundo o morador diversos serviços nesta residência foram
executados por meio de mutirão, uma vez que a empresa contratada não
finalizou a maioria dos serviços. Ele não soube especificar quais os
serviços deixaram de ser realizados.
Assim, verificamos que pelo menos 3 (três) residências tiveram os seus
serviços de construção apenas iniciados, com o investimento realizado
se deteriorando sem que as famílias possam entrar. Registre-se que, de
acordo com entrevista com a comunidade, as obras estão paralisadas
desde 2003.
As demais residências apresentam diversos serviços executados com
baixa qualidade e outros que nem sequer foram executados.

EVIDÊNCIA:
Verificação física em 19 unidades habitacionais nas localidades de
Olinda, Betânia e Lameirão.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Quanto a este ponto consignado, no caso, irregularidades na execução
do Convênio número 356/01, assinado em 17 de dezembro de 2001, com
vigência expirada em 15 de agosto de 2010. Ressaltamos que neste
período temporal aconteceram duas mudanças de gestão no Governo
Municipal, sendo a última iniciada em janeiro de 2009. Sendo assim,
ficamos impossibilitados de apresentar uma solução a contento, ou
tecer maiores informações ou comentários que venham a justificar
quaisquer inconformidades sobre este convênio. Mesmo assim, e em não
querendo fugir à responsabilidade de Gestor, estamos enviando toda a
documentação relativa e este Convênio para a Procuradoria Jurídica
deste Município, para que, junto com a FUNASA, venham a analisar os
problemas detectados e possam apresentar decisões a serem tomadas por
este Gestor, no sentido da apuração e identificação de
responsabilidades pelos prejuízos causados, para posterior devolução,
na forma administrativa ou judicial, conforme for o caso.
Posteriormente, daremos conhecimento à CGU da situação levanta e das
medidas adotadas ao caso concreto."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em que pese a Prefeitura informar que está tomando ações no intuito de
apurar os fatos apontados a fim de identificar responsáveis, não houve
apresentação de justificativas suficientes para elidir a constatação,
permanecendo o registro das irregularidades na sua totalidade.

2.3.2 CONSTATAÇÃO:
Ausência de fornecimento de documentos relativos ao Convênio nº 356/01
- FUNASA, prejudicando os trabalhos de fiscalização.

FATO:
A Prefeitura de Crateús não forneceu processo licitatório do
Convênio nº 356/01, realizado entre a FUNASA e a Prefeitura de
Crateús, cujo objeto é a construção de 92 (noventa e duas) casas para
combate à Doença de Chagas, no valor total de R$ 540.000,00.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 80
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Dessa forma, o Município descumpriu o art. 26 da Lei nº 10.180/2001, o
qual determina que "Nenhum processo, documento ou informação poderá
ser sonegado aos servidores dos Sistemas de Contabilidade Federal e de
Controle Interno do Poder Executivo Federal, no exercício das
atribuições inerentes às atividades de registros contábeis, de
auditoria, fiscalização e avaliação de gestão.".

EVIDÊNCIA:
Solicitação de Fiscalização n° 03, de 04/08/2010.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Com relação a este ponto consignado, informamos que, apesar da atual
administração ter empreendido os esforços necessários para repassar as
informações à Equipe de Auditoria da CGU, não conseguimos atender a
solicitação, pois este convênio foi executado por outra gestão do
Município, que não a atual. O que existe na verdade é escassez de
informações acerca da execução do referido objeto e todas as
informações disponíveis nos arquivos foi repassada para que a equipe
pudesse trabalhar. Mas temos a responsabilidade de garantir que as
poucas informações disponíveis sobre este convênio estejam sendo
arquivadas em local salubre, com vistas a mantê-las disponíveis a
quaisquer meios de fiscalização. Com relação ao fato do extravio de
parte da documentação, ressaltamos que já solicitamos ao Setor
Jurídico, as possíveis medidas cabíveis, para que sejam adotadas."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em sua manifestação, a Prefeitura justifica que o convênio ora em
análise fora firmado em Administração anterior e que a documentação
relacionada foi extraviada, restando, apenas, apurar as
responsabilidade de quem deu causa.
Consideramos que a causa apresentada não elide a constatação, uma vez
que é de responsabilidade da Administração atual verificar a
regularidade documental de todos os convênios vigentes durante a
mudança de governo e, caso, verificada irregularidade, tomar as
providências cabíveis tempestivamente.

2.4 - PROGRAMA
1293
ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS
AÇÃO :
20AE
PROMOCAO DA ASSISTENCIA FARMACEUTICA E INSUMOS ESTRATEGICOS NA ATENCAO
BASICA EM SAUDE - NO ESTADO DO CEARA
OBJETIVO DA AÇÃO :
Visa garantir o acesso dos pacientes aos medicamentos básicos por in-
termedio da racionalização e otimização da programação, armazenamento
controle de estoques e distribuição em todos os níveis de gestão.
ORDEM DE SERVIÇO : 251436
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Medicamentos pactuados no Plano Estadual de Assistência Farmacêutica-
PEAF para atendimento à Farmácia básica.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
FUNDO A FUNDO OU CONCESSãO
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 81
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 513.940,60

2.4.1 CONSTATAÇÃO:
Divergências nos quantitativos de medicamentos distribuídos pela
Secretaria de Saúde do Estado em relação aos recebidos pela Central de
de Abastecimento Farmacêuticos do Município.

FATO:
Da análise comparativa entre os quantitativos de medicamentos básicos
enviados pela Secretaria Estadual de Saúde, referentes aos exercício
de 2009 até o 1º trimestre/2010, em relação aos quantitativos
efetivamente recebidos na Secretaria Municipal de Saúde
correspondentes ao mesmo período, numa amostra obtida de 10(dez)
medicamentos básicos, foram verificadas as seguintes divergências:

O QUANT. QUANT. DIFEREN-


R APRESENTA- ENVIAD0 RECEBIDO ÇA ENTRE
D MEDICAMENTO ÇÃO. P/SES CE P/CAF (1) E (2)
(1) (2)
1 Albendazol 400 mg comp Cx c/100 CP 149 139 10
2 Benzilpenicilina benzatina Cx c/50 AMP 59 56 3
600.00o UI F/A c/ diluente
3 Carbonato de Cálcio 500mg + Cx c/600 CP 600 794 -194
Colicalciferol 200 UI
4 Captopril 25 mg comp Cx c/600 CP 6131 6831 -700
sulcado
5 Dexametasona 0.1% creme Cx c/50 276 216 60
bisnaga c/10g CREME
6 Ibuprofeno 20 mg/ml susp Cx c/1 FCO 3850 2800 1050
oral FR 100 ml
7 Metronidazol 4% susp fr Cx c/50 FCO 60 36 24
8 Paracetamol 500mg comp Cx c/500 CP 459 479 -20
9 Sulfato ferroso 40mg Fe Cx c/500 CP 750 840 -90
(II) comp.

EVIDÊNCIA:
Relatórios de distribuição obtidos na Secretaria Estadual de Saúde
relativos ao exercício de 2009 e 1º trimestre de 2010 e informações
disponibilizadas pela Central de Abastecimentos Farmacêuticos CAF da
SMS no mesmo período.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
apresentou a seguinte justificativa ("in verbis"):
"Quanto à Constatação em epígrafe, informamos que os motivos das
divergências entre o quantitativo de alguns poucos medicamentos
distribuídos pela Secretaria de Saúde do Estado e o recebido pela
Central de Abastecimento Farmacêutico do Município é devido, algumas
vezes, à Nota de Fornecimento da COASF ser emitida no final de um mês,
mas só chega ao Município no começo do mês seguinte, sendo dada
entrada no mês de recebimento. Se ocorresse uma divergência grande e
por um período de tempo grande, teríamos problema no abastecimento das
Unidades Básicas de Saúde, fato não observado, pois nosso sistema é
informatizado e só libera medicamentos para as unidades, após ser dado
entrada nos mesmo, onde temos que informar, entre outros dados, as
quantidades, data, procedência e número da nota fiscal. Ressaltamos
que, desenvolveremos os melhores esforços no sentido de buscar evitar
que erros desta natureza possam a vir a prejudicar a gestão da saúde
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 82
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
da comunidade."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


A regularização da falha fica condicionada as efetivas ações a serem
adotadas junto à Central de Abastecimento Farmacêutico no sentido de
eliminar tais divergências, portanto, a constatação fica mantida.

2.4.2 CONSTATAÇÃO:
Divergências nos quantitativos de medicamentos distribuídos pela
Central de Abastecimento Farmacêutico - CAF em relação aos recebidos
pelas Unidades Básicas de Saúde do Município.

FATO:
Verificamos que os quantitativos de medicamentos recebidos pelas
Unidades de Saúde divergem dos quantitativos entregues pela Central de
Abastecimento Farmacêutico - CAF do Município de Cratéus. Este fato
foi evidenciado mediante cotejamento realizado nas cinco unidades de
saúde do município, relativo ao período de janeiro a junho de 2010,
conforme demonstramos a seguir:

DISTRIB RECEB DIF


UBS MEDICAMENTOS UNID
CAF(A) P/UBS(B) (A)-(B)
Lagoa Carbonato de Cálcio CX 3720 2880 840
das 500mg + Colicalcifeol C/600 -
Pedras 200UI COMP
Albendazol 400 mg comp CX - 100 -100
C/100 -
COMP
Benzilpenicilina CX C/50 5 - 5
benzatina 600.000 UI - AMP
F/A c/ diluente
Carbonato de Cálcio CX 4440 3360 1080
500mg + Colicalciferol C/600 -
200 UI COMP
Irapuá Captopril 25 mg comp CX 13800 10200 3600
sulcado C/600 -
COMP
Dexametasona 0.1% creme CX C/50 100 150 -50
bisnaga c/10g - CREME
Ibuprofeno 20 mg/ml CX C/01 15 10 5
susp oral FR 100 ml - FRS
Paracetamol 500mg comp CX 1800 1600 200
C/500 -
COMP
Albendazol 400 mg comp CX 400 700 -300
Poty C/100 -
COMP
Benzilpenisilina CX C/50 23 13 10
benzatina 600.00 UI F -
/A c/diluente AMPOLAS
Carbonato de Cálcio 599 CX 2760 3060 -300
mg + Colicalciferol C/600 -
200UI COMP
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 83
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
DISTRIB RECEB DIF
UBS MEDICAMENTOS UNID
CAF(A) P/UBS(B) (A)-(B)
Captopril 25 mg CX 32400 34800 2400
C/600 -
COMP
Dexametasona 0.1% creme CX C/50 190 140 50
bisnaga c/10g - CREME
Eritromicina estereato CX C/50 10 - 10
-125mg/5ml susp. Oral - FRS
Frasco
Paracetamol 500mg com CX 1000 1500 -500
C/500 -
COMP
Ibuprofeno 20 mg/ml CX C/1 61 96 -35
susp.oral - FRS
Carbonato de Cálcio CX 7500 8100 -600
500mg + Colicalciferol C/600
200 UI - COMP
Captopril 25 mg comp CX 42600 42000 600
sulcado C/600 -
COMP
Ibuprofeno 20 mg/ml CX C/01 100 78 22
Curral susp oral FR 100 ml - FRS
Velho Metronidazol 4% susp fr CX C/50 100 58 42
- FRS
Paracetamol 500mg comp CX 5250 4750 500
C/500 -
COMP
Sulfato ferroso 40mg Fe CX 5000 2500 2500
(II) comp. C/500 -
COMP
Carbonato de Cálcio CX 5400 5160 240
500mg + Colicalciferol C/600
Venânc 200 UI - COMP
ios I
Dexametasona 0.1% creme CX C/50 370 350 20
bisnaga c/10g - CREME
Ibuprofeno 20 mg/ml CX C/01 117 112 5
susp oral FR 100 ml - FRS
Metronidazol 4% susp fr CX C/50 370 310 60
- FRS
Paracetamol 500mg comp CX 5500 4500 1000
C/500 -
COMP

EVIDÊNCIA:
Movimentação de Material por Aplicação, bem como entrevistas e dados
coletados nas farmácias das unidade de saúde (Lagoa das Pedras,
Irapuá, Poty, Curral Velho e Venâncos I).

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 84
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
apresentou a seguinte justificativa ("in verbis"):
"Com relação a esta Constatação, consignada no Relatório de
Fiscalização, os motivos das divergências nos quantitativos de
medicamentos distribuídos pela Secretaria Municipal de Saúde e algumas
Unidades Básicas de Saúde é porque alguns itens que são enviados às
Unidades Básicas no final do mês, às vezes a CAF considera o
medicamento referente ao mês seguinte, enquanto a Unidade Básica de
Saúde ainda a considera no mesmo mês, fato que pode ser facilmente
constado pela quantidade pequena da diferença entre o registrado de
envio da CAF e o recebimento da Unidade Básica de Saúde, outra fato
que pode ser verificado para comprovar tal ocorrência é pegar os
envios dos meses subseqüentes que verá que a diferença é corrigida. O
fato de ter sido encontrado medicamento vencido em apenas uma Unidade
Básica de Saúde mostra que houve uma pequena falha, mas que isso não
se observa na grande maioria das Unidades Básicas de Saúde, tendo em
vista que trabalhamos com aproximadamente 150 tipos diferentes de
medicamentos e com 17 Unidades Básicas de Saúde e em apenas uma
Unidade Básica de Saúde e somente um medicamento foi observado tal
fato.
Ressaltamos que já determinamos ao Secretário de Saúde que efetue
cobranças veementes aos responsáveis pelo Setor, sob pena de
responsabilização e aplicação de punibilidade, já tendo sido tomadas
as medicadas cabíveis para evitar que fato desta natureza venha a
ocorrer novamente."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


A regularização da pendência fica condicionada a efetiva adoção das
providências necesárias para eliminação das divergências mencionadas.

2.4.3 CONSTATAÇÃO:
Existência no estoque das UBASF de medicamentos vencidos ou com
validade próxima do vencimento.

FATO:
Durante a inspeção in loco nos Postos de Saúde de Atenção Básica foram
constatados medicamentos com prazo de validade vencidos e outros
próximos a vencer, conforme descrito:
1) No Posto de Saúde do Distrito de Irapuá foram encontrados
medicamentos "Neoceflex" com data de vencimento de 07/2010, conforme
mostra o registro fotográfico, bem como o produto "Sulfato ferroso" a
vencer já em 08/2010;
2) Nos postos de saúde dos Distrito de Poty, Curral Velho e Venâncios
também o produto "Sulfato ferroso" a vencer já em 08/2010.

EVIDÊNCIA:
Visitas "in loco" e registro fotográfico.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 85


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:
Por meio do Documento s/n, datado de 20/09/2010, a Prefeitura
apresentou a seguinte justificativa ("in verbis":
"Com relação a este fato consignado, informamos que, quando do
recebimento do Relatório, determinamos, imediatamente, ao Secretário
de Saúde que realize visita pessoal aos Postos de Saúde nominados e
busque uma solução rápida e viável para que seja evitado o vencimento
de tais medicamentos, efetivando, caso necessário, o remanejamento
para outro Posto de saúde onde este medicamento possa ser deficitário
ou realizar a devolução destes remédios à Central de Medicamentos,
para remanejamento com outro Município, a seu critério, evitando-se,
assim, prejuízos ao erário. Recomendamos, também, na qualidade de
Gestor Médico, que se faça, mensalmente, uma triagem para o
conhecimento e o controle da validade dos medicamentos, por parte do
Almoxarifado Central, com vistas a enviar primeiro, aos Postos de
Saúde, aqueles medicamentos que tiverem datas de validade mais
próximas."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em que pese a justificativa apresentada e a disposição manifestada no
sentido de corrigir a falha, a constatação fica mantida, tendo em
vista
a falta de controle por parte dos responsáveis pelas farmácias em cada
Posto de Saúde.

3 - 38000 MINISTERIO DO TRABALHO E EMPREGO


3.1 - PROGRAMA
0104
RECURSOS PESQUEIROS SUSTENTÁVEIS
AÇÃO :
0585
PAGAMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO AO PESCADOR ARTESANAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
Promover o uso sustentável dos recursos pesqueiros, conciliando os in-
teresses da exploração comercial com a necessidade de sua conservação.
ORDEM DE SERVIÇO : 252547
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Efetividade do seguro-desemprego, modalidade pescador artesanal.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 86
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
AGENTE EXECUTOR :
SPPE/MTE
ADMINISTRACAO DIRETA
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: Não se aplica

3.1.1 CONSTATAÇÃO:
Ausência de fiscalização por parte do Instituto Brasileiro do Meio
Ambiente - IBAMA.

FATO:
Das diligências realizadas junto aos beneficiários do seguro-
desemprego na Colônia de Pescadores Z-39, bem como das entrevistas
realizadas com 18 pescadores, verificamos que o Instituto Brasileiro
do Meio Ambiente - IBAMA jamais realizou qualquer fiscalização junto
àquela comunidade, visando coibir o desrespeito ao período do defeso.
Todos os entrevistados relataram que há muitos pescadores que
desenvolvem suas atividades de pescaria de forma clandestina, sem
qualquer responsabilidade para com a comunidade, bem como desrespeitam
o período do defeso constantemente, sendo imprescindível a
fiscalização
por parte do poder público a fim de que não ocorram as irregularidades
no período de proibição da pesca.

EVIDÊNCIA:
Diligências realizadas na Z-39 e entrevistas realizadas com os
pescadores constantes da amostra disponibilizada.
MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:
.

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


.

4 - 49000 MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO AGRARIO

4.1 - PROGRAMA
0351
AGRICULTURA FAMILIAR - PRONAF
AÇÃO :
1086
ASSISTENCIA FINANCEIRA A PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA E
SERVICOS MUNICIPAIS
OBJETIVO DA AÇÃO :
Viabilizar investimentos pelos municípios na implantação, na ampliação
e na modernização da infra-estrutura e dos serviços necessários à dina
mização do setor produtivo agrícola e à melhoria da qualidade de vida
dos agricultores familiares.
ORDEM DE SERVIÇO : 252953
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
PRONAF - Infra-estrutura e serviços.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
CONTRATO DE REPASSE
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 93.000,00

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 87


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
4.1.1 CONSTATAÇÃO:
Morosidade excessiva na execução do objeto do Contrato de Repasse,
pondo em risco o investimento já realizado.

FATO:
Trata-se de fiscalização na execução do Contrato de Repasse n°
0157377-52/2003, celebrado entre a União, por intermédio do Ministério
do Desenvolvimento Agrário, representado pela Caixa Econômica Federal,
e o município de Crateús, cujo objeto é a transferência de recursos
para a execução dos serviços de construção de Centro Apícola
(Administração e Capacitação e Beneficiamento e Comercialização),
aquisição de equipamentos para o Centro Apícola e Capacitação em
criação de abelhas para a população, no valor máximo de 92.070,00. A
título de contrapartida o município se comprometeu a alocar o valor de
R$ 930,00.
Dessa forma, o Plano de Trabalho do Contrato de Repasse em questão
prevê duas metas, a seguir discriminadas:
Meta 01: Serviços de construção civil e aquisição de equipamentos;
Meta 02: Capacitação em criação de abelhas.
Para viabilizar a contratação dos serviços referentes à execução dos
serviços de construção civil do centro apícola, o município de Crateús
realizou a Licitação n° 06/01R/CC/O na modalidade carta-convite.
Nenhuma outra licitação foi disponibilizada à equipe de fiscalização
referente ao contrato de repasse em questão.
Complementarmente, foi realizada inspeção física no centro apícola,
tendo demonstrado que as edificações foram concluídas, todavia as
mesmas não estão equipadas com os equipamentos previstos no plano de
trabalho. Dessa forma, verifica-se que a meta 01 está incompleta, pois
não foram instalados os equipamentos necessários para deixar o centro
apícola em condição de funcionamento, embora as instalações do centro
apícola tenha sido finalizada em data anterior a 6 de julho de 2007,
data em que a CAIXA realizou sua última medição.
Portanto, passados aproximadamente 37 meses após a construção dos 2
(prédios) que compõem o Centro Apícola, e, decorridos aproximadamente
7 (sete) anos desde a assinatura do Contrato de Repasse, os
equipamentos ainda não foram sequer adquiridos, denotando excessiva
morosidade das diversas administrações municipais que geriram a
execução desse contrato de repasse ao longo desses 7 anos.
Agrava-se o fato de que a inspeção física realizada também demonstrou
que, antes mesmo de ser utilizado pela 1ª vez, o centro apícola está
se deteriorando rapidamente, pois apresenta-se com o forro de gesso
com umidade e parcialmente destruído, luminárias desalinhadas,
bancadas sujas, pintura externa descascada, pavimento ao redor do
centro cedendo, muro de contorno rachado, denotando total abandono do
empreendimento:
Quanto à META 02, verifica-se que a capacitação foi realizada, como
demonstra as cópias de certificados de participação em curso anexas ao
processo da CAIXA - Volume Principal.
Verifica-se portanto acentuada morosidade das administrações
municipais que estiveram à frente da Prefeitura Municipal de Crateús
desde a assinatura do Contrato de Repasse em 2003, o que penaliza
desnecessariamente a população carente daquela municipalidade, ávida
por oportunidades de gerar renda para o seu sustento, bem como põe em
risco o investimento já realizado.

EVIDÊNCIA:
Processo licitatório 06/01/R/CC/O, Relatório de Acompanhamento de
Execução emitido pela CAIXA e Relatório Fotográfico:
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 88
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Existênica de umidade na alvenaria

Pavimento cedendo ao redor do prédio e paredes rachando

HUmidade no forro de gesso

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 89


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Banheiro bandonado e sujo

Forro danificado e luminária desalinhada

Bancadas acumulando poeira, de notando abandono

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 90


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
PLacas de gesso danificadas

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"O ponto consignado, qual seja, a morosidade na execução do objeto do
Contrato de Repasse, tem os seguinte dados e justificativa

Dados: Discriminação:
Plano de Trabalho 0157377-52 ATIVA
Descrição do objeto CONSTRUÇÃO DE CENTRO APÍCOLA E CAPACITAÇÃO
EM CRIAÇÃO DE ABELHAS E COMERCIUALIZAÇÃO
CONTRATAÇÃO-VIGÊNCIA 21/12/20013-30/01/2010
1º FASE Escolha de local inadequado para o
funcionamento deste Centro, próximo ao
Centro de Zoonose, na Administração do Dr.
Paulo Nazareno, sendo a obra inicialmente
interditada.
2º Fase Mudança de local para próximo ao Açude
público Municipal, na Gestão do Dr. José
Almir, onde iniciou e concluíram-se as
obras de Construção Civil.

Faltando à aquisição dos equipamentos e a


aplicação de curso de capacitação em
criação de abelhas para apicultores do
Município.
3º Fase A atual Gestão tem buscado solucionar as
pendências burocráticas junto à Caixa
Econômica Federal, e, dessa forma,
finalizar a conclusão deste Plano de
Trabalho, concluindo o objeto, que, com
certeza trará grandes benefícios para os
apicultores da Região. Ressaltamos que é
compromisso de nossa Gestão entregar, o
mais rápido possível, o Centro de
Apicultura em perfeito funcionamento, para
corrigir, assim, o ponto consignado.

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


A manifestação da Prefeitura se resume a apresentar o histórico do
empreendimento até o momento, não apresentando qualquer motivo que
justificasse a não aquisição dos equipamentos até o momento. Ademais,
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 91
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
não justificou o fato de que o empreendimento apresenta diversos danos
físicos e se encontra abandonado.
Em face do exposto, mantém-se a constatação como originalmente
registrada.

4.1.2 CONSTATAÇÃO:
Não disponibilização de processos de pagamentos do Convênio

FATO:
Por meio da Solicitação de Fiscalização nº 03, de 04 de agosto de
2010, foi solicitado,
dentre outros documentos, os processos de pagamentos relativos ao
Contrato de Repasse nº 0157377-52/2003.
A documentação apresentada pela Prefeitura como sendo os pagamentos
referentes à execução do referido Contrato de Repasse corresponde, na
verdade, à contratação dos serviços de construção de muro de arrimo do
centro apícola, os quais não fazem parte do objeto do contrato de
repasse ora analisado.
A conta do Contrato de Repasse n° 0157377-52/2003 possui a conta-
corrente específica n° 331-0, da agência CAIXA n° 747. Ao cotejar os
lançamentos existentes no extrato bancário fornecido pela GIDUR/CAIXA,
verificamos total incompatibilidade entre os documentos
disponibilizados e os lançamentos bancários.
Em face de todo o exposto, não foi devidamente comprovada a legalidade
da formalização dos pagamentos realizados no âmbito do Contrato de
Repasse.

EVIDÊNCIA:
Extrato bancário da conta-corrente específica n° 331-0 da agência
CAIXA n° 747 e SF nº xxx.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Quanto a este ponto de Fiscalização, informamos que empreendemos os
esforços necessários para repassar as informações à Equipe de
Auditoria da CGU. Se levarmos em consideração que este Convênio foi
executado por outra Gestão do Município, que não a atual, não haveria
porque dificultarmos o trabalho da Auditoria. O que existe, na
verdade, é escassez ou extravio de informações e documentos, acerca da
execução do referido objeto.Ressaltamos que todas as informações
disponíveis nos nossos arquivos foi repassada para que a Equipe
pudesse trabalhar. Mas temos a responsabilidade de garantir que as
poucas informações disponíveis sobre este Convênio estejam sendo
arquivadas em local salubre, com vistas a mantê-las disponíveis a
quaisquer meios de fiscalização, bem como, encaminhar o presente fato
para a Consultoria Jurídica do Município, para que possa se
posicionar, quanto às medidas que devem ser adotadas, para a
responsabilização pelo extravio de tais documentos, se for o caso.
Ficamos no aguardo da manifestação da Procuradoria, para que venhamos
a adotar as medidas cabíveis, no caso, Sindicância, quando daremos
conhecimento à Controladoria."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em sua manifestação, a Prefeitura justifica que o convênio ora em
análise fora firmado em Administração anterior e que a documentação
relacionada foi extraviada, restando, apenas, apurar as
responsabilidade de quem deu causa.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 92
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Consideramos que a causa apresentada não elide a constatação, vez que
é de responsabilidade da Administração atual verificar a regularidade
documental de todos os convênios vigentes durante a mudança de governo
e, caso, verificada irregularidade, tomar as providências cabíveis
tempestivamente.

5 - 54000 MINISTERIO DO TURISMO

5.1 - PROGRAMA
1166
TURISMO SOCIAL NO BRASIL: UMA VIAGEM DE INCLUSÃO
AÇÃO :
10V0
APOIO A PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA TURISTICA - NACIONAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
Desenvolver o turismo nos Municípios brasileiros, principalmente por
meio de adequação da infraestrutura de forma que permita a expansão
das atividades turísticas e a melhoria da qualidade do produto para o
turista, por meio da identificação das necessidades de infraestrutura
básica dos destinos turísticos; apoio à execução de projetos de
interesse e de relevância para a melhoria do destino turístico.
ORDEM DE SERVIÇO : 252013
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Pavimentação em pedra tosca
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
CONTRATO DE REPASSE
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 146.250,00

5.1.1 CONSTATAÇÃO:
Habilitação indevida do licitante vencedor do certame licitatório.

FATO:
Trata-se de fiscalização na execução do Contrato de Repasse n° 280324-
11/2009, celebrado entre a União, por intermédio do Ministério do
Turismo, representado pela Caixa Econômica Federal, e o município de
Crateús, cujo objeto é a transferência de recursos para a execução de
pavimentação em pedra tosca nas ruas do distrito sede,no valor de
de R$ 146.250,00. A título de contrapartida o município se comprometeu
a alocar o valor de R$ 7.697,37.
Para viabilizar a contratação dos serviços referentes à execução da
pavimentação, o município de Crateús realizou a Licitação n° 09/12/TP
na modalidade Tomada de Preços cujo objeto foi dividido em 3 (três)
lotes a seguir descritos:
Lote I: Construção de uma creche para 50 crianças com lactário,
berçário, material e sala de atividades na Rua Gal. Gentil Falcão,
Bairro dos Patriarcas na sede do município de Crateús, tendo como
valor estimado o montante de R$ 159.106,36.
Lote II - Pavimentação em pedra tosca sem rejuntamento (agregado
adquirido) em diversas ruas da Sede do Município de Crateús - CE,
tendo com valor estimado o montante de R$ 763.300,01.
Lote III - Pavimentação em pedra tosca sem rejuntamento (agregado
adquirido) no bairro Cidade 2000 na sede do Município de Crateús,
tendo com valor estimado o montante de R$ 153.947,37.
O Lote III se refere ao objeto do convênio ora analisado.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 93
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
De acordo com informações registradas pela Comissão de Licitação no
processo licitatório, 10 empresas retiraram o Edital de licitação,
tendo enviado documentação para análise 6 (seis) dessas empresas.
A ata de julgamento de habilitação da TP n° 09/12/TP, datada de 22 de
julho de 2009, registra que das 6 (seis) empresas que enviaram
documentação, 5 (cinco) delas foram inabilitadas por vícios na
documentação apresentada ou não apresentação de documentação exigida.
A única licitante habilitada foi a empresa individual de CNPJ n°
10.661.119/0001-69, a qual veio a ser a vencedora dos três lotes do
certame.
Da análise da documentação fornecida pela licitante vencedora do
certame, verificou-se que a mesma não apresentou documentação exigida
pelo Edital para qualificação técnica operacional, alínea b) do item
5.2.1.4 do Edital, o que ensejaria a inabilitação da empresa
declarada vencedora do certame. Registre-se que a Comissão de
Licitação inabilitou as outras licitantes por não apresentar
qualificação técnico-operacional.
A documentação de habilitação da licitante vencedora do certame está
acostada ao processo licitatório da fl. 274 a 307. Todas as certidões
de acervo técnico apensadas ao processo dizem respeito ao responsável
técnico da empresa individual, atestando sua capacidade técnico-
profissional, o que não se confunde com a capacidade técnico-
operacional da empresa, mesmo sendo essa individual.
Vale ressaltar que a empresa vencedora do certame foi criada em
30.01.2009, conforme informação no Cadastro Nacional de Pessoas
Jurídicas e a licitação ocorreu em 22.07.2009, ou seja, menos de seis
meses depois de sua criação. Tal fato, por um lado, explica a não
apresentação de atestados em nome da empresa, por outro, reforça a
necessidade de a administração pública se cercar de todas os
instrumentos legais para aferir se a empresa recentemente criada reúne
todas as condições necessárias para a execução do objeto contratado
de forma satisfatória.
Em face de todo o exposto, verificamos a existência de falha grave no
processo licitatório que atenta contra o princípio da impessoalidade
que deve reger todo o processo licitatório.

EVIDÊNCIA:
Processo Licitatório nº 09/12/TP.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Como bem ressalta o relatório da equipe técnica a empresa individual
"JOÃO TORRES FILHO", CNPJ 10.661.119/001-69, foi habilitada e
consagrou-se vendedora do certame.
A habilitação dessa empresa, notadamente quanto a sua capacidade
técnica estabelecida no subitem 5.2.1.4 do Edital, decorreu da
apresentação das Certidões de Acervo Técnico - ART n°s 1945/2007,
1947/2007, 327658 e 1153/2007, fls. 289/304 do processo licitatório,
em nome do engenheiro e empresário JOÃO TORRES FILHO.
A Comissão de Licitação quando do Edital de Julgamento da Habilitação
se deparou com esse fato e levantou dúvidas sobre o acatamento desses
documentos, diante da participação da empresa individual e não da
pessoa física, estando os documentos de acervo técnico em nome da
pessoa física do empresário.
Na ocasião, em consulta a assessoria jurídica da Comissão de Licitação
essa esclareceu que o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e
Agronomia do Ceará - CREA-CE não emite ART em nome de empresa, só o
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 94
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
fazendo em nome do profissional, em cumprimento a Resolução n° 317/86
do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CONFEA.
RESOLUÇÃO Nº 317, DE 31 OUT 1986.
Dispõe sobre Registro de Acervo Técnico dos Profissionais da
Engenharia, Arquitetura e Agronomia e expedição de certidão.
O Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, no uso das
atribuições que lhe confere o Art. 27, alínea "f", da Lei nº 5.194, de
24 DEZ 1966,
(..)
Art. 4º - O Acervo Técnico de uma pessoa jurídica é representado pelos
Acervos Técnicos dos profissionais do seu quadro técnico e de seus
consultores técnicos devidamente contratados.
Outro aspecto que merece ser ressaltado é o que a Lei 8.666/93 busca,
procura, almeja na qualificação técnica ser a capacitação técnico-
profissional (o inciso I do § 1º do art. 30 da Lei de Licitações) que
diz respeito ao profissional de nível superior registrado no órgão
competente, empregado da licitante, que irá gerenciar e se
responsabilizar tecnicamente pelo empreendimento, comprovando
experiência técnica anterior na execução de objetos similares e a
capacidade técnico-operacional que diz respeito à comprovação de que o
empresário tem capacidade para reunir de forma organizada os elementos
necessários para prestação dos serviços a serem executados pela
organização através de demonstração de suas experiências anteriores
que comprovem a qualidade dos serviços ou obras já realizadas.
Ao presente caso, trata-se de uma empresa individual tendo como
empresário e responsável engenheiro que comprova sua capacitação
técnica profissional e operacional ao desempenho do objeto licitado,
notadamente diante de sua natureza, no caso em espécie, pavimentação
em pedra tosca sem rejuntamento.
A empresa "JOÃO TORRES FILHO" foi constituída em janeiro de 2009,
tendo sido realizada a licitação em julho de 2009, não podendo por
esse fato ser descredenciada.
Diante desse entendimento, foi a empresa habilitada.
No tocante a desabilitação das empresas Arquétipo Construções Ltda, C
& N Projetos e Serviços de Construções Ltda ME, Construtora Danilo e
Daniel Ltda. ME, Eletrovil Projetos Construções e Serviços Ltda. e JPR
Construções e Empreendimentos Ltda. essas não foram desabilitadas
exclusivamente por não apresentarem a qualificação técnico-
operacional, consoante se pode observar no Termo de Edital de
Julgamento da Habilitação da TP n° 09/12/TP.
Arquétipo Construções Ltda., deixou de apresentar a garantia e a
qualificação técnica. C & N Projetos e Serviços de Construções Ltda.
ME, apresentou a Certidão Negativa de Débito com o Município vencida,
Balanço Patrimonial sem registro na Junta Comercial, falta de
comprovação da garantia, falta de comprovação de capacidade técnico-
operacional e falta de comprovação do vínculo empregatício do
responsável técnico com a empresa. Construtora Danilo e Daniel Ltda.
ME, Certidão Negativa de Falência e Concordata vencida, falta de
comprovação da garantia, falta de comprovação de capacidade técnico-
operacional e falta de comprovação do vínculo empregatício do
responsável técnico com a empresa. Eletrovil Projetos Construções e
Serviços Ltda., falta de comprovação da garantia, falta de comprovação
de capacitação técnico-profissional e falta de comprovação do vínculo
empregatício do responsável técnico com a empresa. JPR Construções e
Empreendimentos Ltda., Certidão Negativa de Falência e Concordata
vencida, falta de comprovação da garantia, falta de comprovação de
capacidade técnico-operacional, falta de comprovação de capacidade
técnico-profissional e falta de comprovação do vínculo empregatício do
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 95
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
responsável técnico com a empresa."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


No que diz respeito ao fato de que o Conselho Regional de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia do Ceará - CREA-CE não emitir ART em nome de
Empresa, informamos que a forma prevista pela Lei 8.666/93, no seu
parágrafo 1º do Art. 30, é a de fornecimento de atestados fornecidos
por pessoas jurídicas de direito público ou privado, devidamente
registrados nas entidades profissionais competentes, demonstrando que
a Empresa, entendida essa como o conjunto de fatores de produção
(máquinas, equipamentos, instalações, capital, pessoas etc.), já
realizou obra ou serviço pertinente e compatível em características,
quantidades e prazos com o objeto da licitação. Portanto, o fato
apresentado não justifica a falta de atestado de capacidade técnico-
operacional da licitante declarada vencedora da licitação.
Insistimos que os atestados técnicos apresentados dizem respeito à
atividade intelectual desenvolvida pelo Engenheiro João Torres Filho
no quadro de profissionais de diversas empresas, não dizendo respeito
a Empresa Individual João Torres Filho.
Melhor esclarecendo, a Empresa (atividade organizada de produção) pode
ser dirigida ou exercida tanto pela sociedade empresária (pluralidade
de sócios) como pelo empresário individual (unicidade).
Nesse contexto, os atestados técnicos profissionais dizem respeito à
atividade intelectual que o Engenheiro Joao Torres Filho desempenhou
nos quadros de diversas empresas, não a seu desempenho como empresário
individual.
Em face de todo o exposto, não se pode afirmar que a pessoa física e o
empresário individual se confundam para efeitos de comprovação de
capacidade técnica para efeitos de licitação.
É de causar estranheza o fato de que empresas experientes em
participar de procedimentos licitatórios tenham sido desabilitadas por
não fornecerem documentação ou garantias, exigências frequentemente
existentes em licitações dessa natureza.
Portanto, da análise de todos os argumentos apresentados pela
Prefeitura, verificamos que não são capazes de elidir a constatação.

5.1.2 CONSTATAÇÃO:
Edital conténdo exigências que frustram o caráter competitivo do
certame.

FATO:
O Edital da Tomada de Preço n° 09/12/TP faz exigência indevida
quanto à comprovação da capacidade técnico-profissional das empresas
licitantes quando exige, na alínea c) do item 5.2.1.4, que o licitante
deva possuir em seu quadro permanente profissional de nível superior
devidamente registrado no CREA, com qualificação necessária para o
objeto ora licitado, comprovada esse vínculo empregatício por meio de
carteira profissional de trabalho.
Quanto a esse assunto, a jurisprudência do Tribunal de Contas é
pacífica e contrária à exigência de que os responsáveis técnicos
pertençam ao quadro permanente da empresa. Em diversas oportunidades,
a Egrégia Corte de Contas da União manifestou o entendimento de que
essa previsão editalícia frustra o caráter competitivo, conforme se
observa no Acórdão n.º 727/2009, por exemplo:
Acórdão 727/2009 - Plenário
Voto do Relator
(...) Este Tribunal, em reiteradas decisões (Acórdãos nº 2.170/2008,
800/2008, 141/2008 e 1.100/2007, todos do Plenário), manifestou o
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 96
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
entendimento de que a compreensão mais adequada de quadro permanente,
mencionado no art. 30, § 1º, inciso I, da Lei nº 8.666/93, deve ser a
do conjunto de profissionais disponíveis para prestar os serviços de
modo permanente, durante a execução do objeto licitado. Não é
necessário o vínculo empregatício ou societário, bastando a existência
de um contrato de prestação de serviços, sem vínculo trabalhista e
regido pela legislação civil comum. A exigência editalícia impõe um
ônus desnecessário às empresas, na medida em que seriam obrigadas a
manter entre seus empregados um número muito maior de profissionais
ociosos.
(...)
ACÓRDÃO
VISTOS, relatados e discutidos estes autos de representações
formuladas pelas empresas EMIBM Engenharia e Comércio Ltda. e Walmetra
Projetos e Construção Ltda. (TC 001.165/2009-9, apenso), com
fundamento no art. 113, § 1º, da Lei nº 8.666/93, apontando possíveis
irregularidades no Edital da Concorrência nº 003/2008, promovido pelo
Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC.
ACORDAM os Ministros do Tribunal de Contas da União, reunidos em
Sessão Plenária, diante das razões expostas pelo Relator, em:
9.1. conhecer das presentes representações, com fundamento no art.
237, inciso III, do Regimento Interno do TCU, c/c o art. 113, § 1º, da
Lei 8.666/93, para, no mérito, considerá-las procedentes;
9.2. determinar ao Secretário-Executivo do Ministério do
Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior - MDIC que:
(...)
9.2.2.3. abstenha-se de exigir do licitante a comprovação de possuir
no quadro permanente, na data prevista para entrega da proposta,
profissional habilitado detentor de atestado de responsabilidade
técnica por execução de obra ou serviço de características semelhantes
ao do objeto a ser licitado, admitindo a possibilidade de comprovação
do vínculo do responsável técnico também por meio de contrato de
prestação de serviços, sem vínculo trabalhista e regido pela
legislação civil comum;"
Dessa forma, verifica-se irregularidade no Edital de licitação ao
fazer exigências que frustram o caráter competitivo do certame.

EVIDÊNCIA:
Processo de licitação n° 09/12/TP.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/9/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"O regramento do edital acerca da comprovação do vínculo dos
responsáveis técnicos aos quadros da empresa decorre de expediente
recebido, originário do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e
Agronomia do Ceará - CREA-CE, orientando, dentre outros, para a
exigência da comprovação do vínculo do responsável técnico com a
pessoa jurídica, através de documentação hábil, quando não fizerem
parte do contrato social, nos editais promovidos.
Inobstante o entendimento dado a matéria, a exigência em nada frustra
a competitividade, diante do disciplinamento do Conselho Federal de
Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CONFEA, Resolução n° 336/89, que
regulamenta que a pessoa jurídica ao realizar seu registro perante os
Conselhos Regionais deverá, dentre outros, indicar o responsável
técnico comprovando seu vínculo com a empresa, quando não fizeram
parte do contrato social.
RESOLUÇÃO Nº 336, DE 27 OUT 1989.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 97
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Dispõe sobre o registro de pessoas jurídicas nos Conselhos Regionais
de Engenharia, Arquitetura e Agronomia.
O Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, no uso da
atribuição que lhe confere a letra "f" do artigo 27, combinado com o
estabelecido no § 3º do artigo 59 da Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966,
(...)
Art. 6º - A pessoa jurídica, para efeito da presente Resolução, que
requer registro ou visto em qualquer Conselho Regional, deve
apresentar responsável técnico que mantenha residência em local que, a
critério do CREA, torne praticável a sua participação efetiva nas
atividades que a pessoa jurídica pretenda exercer na jurisdição do
respectivo órgão regional.
Art. 7º - Os Conselhos Regionais, atendendo às peculiaridades de cada
região, e de acordo com as condições das atividades neles
desenvolvidas pelas pessoas jurídicas, poderão, através de atos
próprios, fixar casos de dispensa de registro.
Art. 8º - O requerimento de registro deve ser instruído com os
seguintes elementos:
I - Instrumento de constituição da pessoa jurídica, devidamente
arquivado, registrado em órgão competente, bem como suas modificações
subseqüentes até a data da solicitação do Registro no CREA.
II - Indicação do ou dos responsáveis técnicos pelas diversas
atividades profissionais, bem como dos demais profissionais
integrantes do quadro técnico da pessoa jurídica.
III - Prova do vínculo dos profissionais referidos no item anterior
com a pessoa jurídica, através de documentação hábil, quando não
fizerem parte do contrato social.
(...)
Publicada no D.O.U., de 16 NOV 1989 - Seção I - Págs. 20.800 e 20.801.
Diante desse aspecto, observa-se que a normatização do próprio
Conselho Federal de Engenharia - CONFEA, dispõe da obrigatoriedade de
empresas (pessoa jurídica) ao realizarem seu cadastro perante o(s)
CREA(s), comprovarem o vínculo profissional do responsável técnico com
a mesma."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Da análise da manifestação da Prefeitura, depreende-se que não se
interpretou a constatação adequadamente, vez que, em síntese, há
defesa da obrigatoriedade de as empresas demonstrarem o vínculo
profissional de seus responsáveis técnicos, enquanto a constatação não
apresenta nenhum argumento contra o que é defendido pela
municipalidade.
O que se reputou como exigência que frustra o caráter competitivo do
certame foi o fato de o Edital da Tomada de Preço n° 09/12/TP
trazer apenas uma forma de comprovar o vínculo empregatício do
responsável técnico com a licitante, qual seja, o registro em carteira
profissional.
Dessa, não tendo apresentado argumentos refutando a constatação,
mantém-se como originalmente registrado.

6 - 55000 MINISTERIO DO DESENV. SOCIAL E COMBATE A FOME

6.1 - PROGRAMA
0068
ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL
AÇÃO :
2060
ACOES SOCIOEDUCATIVAS E DE CONVIVENCIA PARA CRIANCAS E
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 98
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
ADOLESCENTES EM SITUACAO DE TRABALHO
OBJETIVO DA AÇÃO :
Ação referente ao Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI,
destinada ao oferecimento de atividades socioeducativas com o fim de
garantir o direito ao não trabalho às crianças e adolescentes
com idade inferior a 16 anos e que se encontram em situação de traba-/
lho conforme identificado pelo Cadastro Único do Governo Federal.
ORDEM DE SERVIÇO : 252641
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Atuação do gestor municipal no planejamento, execução e acompanhamento
das atividades socioeducativas, principalmente quanto ao oferecimento
de infra-estrutura adequada para realização do serviço socioeducativo
e quanto à qualidade dos gastos realizados para custeio do serviço, --
assim como a gestão e o controle das frequências dos beneficiários.///
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
FUNDO A FUNDO OU CONCESSãO
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 133.500,00

6.1.1 CONSTATAÇÃO:
Deficiências na infra-estrutura dos núcleos de atividades socio-
educativas do PETI.

FATO:
Conforme consulta realizada em 06/08/2010, no Sistema SUAS-WEB, o
município de CRATEUS conta com 21(vinte e um) núcleos de atendimento
do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI em
funcionamento. Do total de núcleos, 7 (sete) estão localizados na sede
do município e os demais sediados em 14 (catorze) comunidades rurais.
Em inspeção física em 5 (cinco) endereços, em cujos locais funcionam
núcleos de atendimentos do PETI, foi a verificada a infra-estrutura
existente.
A seguir estão listadas as principais irregularidades identificadas
nos núcleos inspecionados:
a) madeiras armazendas na única sala de aula (linhas, caibros,
ripas, etc) comprometendo a segurança das crianças (PETI Assoc
Comunitária Fatima II);
b) ausência de água para limpeza e asseio, de torneiras e de lâmpadas
elétricas (PETI Assoc Comunit Fatima II);
c) banheiro com aparelho sanitário sem descarga ( PETI
Assoc Comunit Fatima II);
d) inexistência de área específica para recreação das crianças ( PETI
Assoc Comunit Fatima II);
e) paredes da sala de aula apresentando sinais de infiltrações ( PETI
Assoc Comunit Fatima II);
f) sala destinada à guarda dos alimentos e dos utensílios de cozinha
sem reboco e sem a porta de acesso (PETI Escola Manoel Mano);
g) banheiro sem reboco e dividindo espaço com outros objetos tais como
sacos, tábuas e papelões ( PETI Escola Manoel Mano);
h) cozinha improvisada sem torneira e pia para lavagem dos utensílios
(PETI Pov Santana);
i) fachada do prédio contendo fissuras e aprestando sinais de
infiltração (PETI Pov Santana);
Por fim, convém informar que a maioria dos núcleos visitados
apresentou espaço físico insuficiente, haja vista que os brinquedos
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 99
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
ficam amontoados na sala onde são realizadas as atividades de reforço
escolar, prejudicando as atividades recreativas.

EVIDÊNCIA:
- Inspeção da CGU nas sede dos PETI's Fatima II, Esc Manoel Mano,
Cidade Nova, Santana e Umburana:
- Registro fotográfico realizado em 5 unidades do PETI:

Madeira armazenada na sala de aula do PETI Fatima II.

Banheiro do PETI Fatima II.

Banheiro do PETI Esc Manoel Mano.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 100


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Fachada do PETI Pov Santana.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/09/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Quanto as constatações contidas neste ponto de Fiscalização, temos a
informar:
A Secretaria de Assistência Social viabilizou locação de um novo
espaço físico, adequado ao atendimento das crianças e adolescentes,
beneficiados com o serviço sócio-educativo do Programa de Erradicação
do Trabalho Infantil - PETI.
Vale ressaltar que a Escola Estadual Lions Club disponibilizou espaço
para as atividades recreativas com as crianças e adolescentes
atendidas pelo PETI, conforme farta documentação comprobatória, em
anexo. (Anexo 37 - Documentação Comprobatória)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em que pese o empenho do gestor em corrigir as deficiências nas
unidades mencionadas, a constatação será mantida, haja vista que o
município conta com mais de 20 unidades do PETI e somente ficou
comprovado correções naquelas identificadas pela CGU.

6.1.2 CONSTATAÇÃO:
Divergências entre a frequência informada no SISPETI e a constante na
lista de presença do Serviço Socioeducativo.

FATO:
De acordo com o manual do sistema, o SISPETI tem como objetivo
controlar e acompanhar a frequência mensal mínima de 85%, exigida como
condicionalidade para permanência no PETI, e o desenvolvimento do
Serviço Socioeducativo destinado ao atendimento de crianças e
adolescentes oriundas de situações de trabalho. Contatou-se, a partir
da análise das listas de presença dos núcleos sócio-educativos CRAS
II, Umburana, Santana, Cidade Nova e Fátima II, relativas a junho de
2010, divergências entre os dados dessas e aqueles informados no
SISPETI.
As inconsistências detectadas refere-se a existência de crianças
cadastradas no SISPETI, com frequência informada igual ou superior a
85%, as quais não constavam nas listas de frequência dos núcleos
Santana, CRAS II e CSU, conforme abaixo:
a) PETI Santana:
NIS Nº 1612079375-6; 1621442499-1; 1615838428-6; 1626992443-0;
1656426175-7; e 1658191390-2;
b) PETI Cras II:
NIS Nº 1626711386-9 e 1647273796-8;
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 101
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
c) PETI Escola Maria Jose Bezerra Melo (Atual CSU):
NIS Nº 1623601729-9; 1642505348-9 e 1660096594-1.
Além disso, constatou-se, também, que as frequências das crianças dos
núcleos socioeducativos Cidade Nova (Ilha) e Umburana, referentes a
junho de 2010, não foram lançadas no SISPETI.

EVIDÊNCIA:
- listas de presença de junho dos núcleos CRAS II, Umburana, Santana,
Cidade Nova e Fátima II;
- consultas ao SISPETI das frequências de junho de 2010 dos núcleos
CRAS II, Umburana, Santana, Cidade Nova e Fátima II.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/09/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Informamos, com relação a este ponto, que a divergência apontada
ocorre devido à demora da migração do nome das crianças e adolescentes
informadas no campo 270 do CADUNICO que se encontram na situação de
alteração, rejeitado e ativo. Nesse sentido, observa-se que muitas
crianças e adolescentes encontram-se indisponíveis no campo de
marcação do SISPETI o que impossibilita a informação da freqüência
virtual.
Tendo em vista essa dificuldade operacional do sistema, optamos em não
prejudicar a oferta de serviços a crianças e adolescentes. Garantindo
o atendimento prioritário as crianças e adolescentes. Acrescentamos
que disponibilizamos no município as freqüências em meio físico.
(Anexo 38 - Documentação relativa ao Ponto)"

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


As informações do código 270, do CADÚNICO, referem-se aos novos
beneficiários do bolsa família, cujas informações cadastrais, ao não
migraram para o SISPETI, impedem o cadastramento naquele sistema das
crianças recém-ingressadas no Programa de Erradicação do Trabalho
Infantil-PETI.
A constatação, entretanto, refere-se às crianças já cadastradas no
SISPETI, cujas frequências devem ser mensalmente informadas nesse
sistema. Por essa razão, mantêm-se a constatação, haja vista que as
justificativas apresentadas não a elide.

6.2 - PROGRAMA
1049
ACESSO À ALIMENTAÇÃO
AÇÃO :
11V1
CONSTRUCAO DE CISTERNAS PARA ARMAZENAMENTO DE AGUA - NACIONAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
A Ação " Construção de Cisternas Para Armazenamento de Água " tem como
finalidade ampliar as condições de acesso adequado à água potável por
populações rurais de baixa renda do semi-árido a partir do armazenamen
to de água em cisternas.
Descrição: Construção de cisternas de placas de cimento para possibili
tar a captação da água de chuva que escorre do telhado da casa, aliada
à capacitação de beneficiários para a adequada_utilização e manutenção
da cisterna. Construção de reservatório cilíndrico, ao lado da residên
cia, coberto e semi-enterrado, com capacidade de 16.000 litros de água
com utilização de placas de cimento produzidas no próprio local de im-
plantação. A água da chuva que cai no telhado, cuja área mínima de cap
tação deve ter 40m2, é captada por calhas e transportada por canos de
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 102
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
PVC até o reservatório, onde permanece armazenada sem o risco de con-
taminação ou evaporação. A capacitação de beneficiários compreende a
transmissão dos cuidados básicos para o adequado aproveitamento da cis
tais como a lavagem anual do reservatório, evitar armazenar a água das
primeiras chuvas e a utilizar o hipoclorito para o tratamento da água.
ORDEM DE SERVIÇO : 252560
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Execução do objeto da ação de acordo com o previsto no convênio.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
CONVÊNIO SIAFI 706564
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 1.196.932,00

6.2.1 CONSTATAÇÃO:
Informação incompleta das famílias selecionadas no Sistema Sig-
Cisternas.

FATO:
O aplicativo Sistema de Informações Gerenciais do Programa de
Cisternas-SIG CISTERNAS, disponibilizado pelo Ministério do
Desenvolvimento Social e Combate a Fome-MDS, foi desenvolvido com a
finalidade de permitir o acompanhamento dos convênios celebrados
pelo Ministério com os municípios. Nele os municípios obrigam-se a
alimentá-lo com informações relativas às famílias selecionadas,
capacitações realizadas e registro das cisternas construídas. Conforme
reza o Manual do Sig Cisternas, após a seleção das famílias
beneficiárias, estas deverão ser imediatamente cadastradas no
referido sistema. A Prefeitura de Crateús, contudo, não alimentou o
sistema com as informações dos beneficiários do Convênio nº 140/2009,
contrariando dessa forma as orientações emanadas do MDS.

EVIDÊNCIA:
Consultas ao sistema Sig-Cisternas;

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/09/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
" O ponto consignado nesta Constatação já está sendo objeto de acerto,
uma vez que já estamos conseguindo alimentar o Sistema SIGCISTERNA,
conforme formulários físicos apresentados à equipe de fiscalização."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


O gestor apresentou justificativa, contudo não anexou documentação de
suporte comprovando que a impropriedade foi sanada. Em razão disso,
mantêm-se a constatação.

AÇÃO :
11V1
CONSTRUCAO DE CISTERNAS PARA ARMAZENAMENTO DE AGUA - NACIONAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
Suprir a falta de água nos períodos de estiagem no Semi-Árido, por
meio do armazenamento de água em Cisternas.
ORDEM DE SERVIÇO : 252939
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Verificar se as cisternas foram construídas conforme Plano de
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 103
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
Trabalho, possibilitando a captação da água de chuva que escorre do
teto da casa.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
TERMO DE PARCERIA
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 665.085,00

6.2.2 CONSTATAÇÃO:
Família beneficiária do Programa "Um milhão de Cisterna" que não
atende as condicionalidades.

FATO:
Das visitas às cisternas constantes da amostra, com o objetivo de
verificar o cumprimento das condicionalidades dos beneficiários do
Programa Um Milhão de Cisternas, verificou-se que o beneficiário
A.V.P.C, da cisterna nº 310.488, não se enquadra no perfil do
Programa. A equipe de fiscalização indentificou sinais exteriores de
situação econômica incompatível com as condicionalidades exigidas pelo
programa, quais sejam: padrão da residência sinaliza para uma faixa de
renda superior à do programa e exixtência de veículo na residência.

EVIDÊNCIA:
Visita "in loco";
Entrevista com beneficiário do Programa um milhão de cisterna da
amostra disponibilizada por Brasília;

Identificação da Cisterna encontrada na casa.

Casa da família beneficiada com a Cisterna.

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 104


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:
Por meio do documento s/n, de 20/09/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Para a correção desta impropriedade detectada, no ponto retro,
determinamos, imediatamente à Secretária de Ação Social do Município
que realize, pessoalmente, visita ao endereço desta beneficiária
identificada, para levantar as suas condições sócio-econômicas, com
vistas a inferir se a mesma está posicionada na faixa econômica que
lhe garanta o benefício, posicionando-se, sobre eventual concessão de
benefício fraudulento, caso a beneficiária não pertença àquela faixa
de renda, apurando responsabilidade de quem autorizou ou incluiu o
nome da beneficiária, para receber a cisterna. Quando da realização
desta determinação, daremos conhecimento a esta Controladoria, bem
como das providências possíveis de serem adotadas."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


A providência adotada não elide o fato detectado por ocasião da
fiscalização, portanto permanece a constatação.

6.3 - PROGRAMA
1335
TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM CONDICIONALIDADES - BOLSA FAMÍLIA
AÇÃO :
8442
TRANSFERENCIA DE RENDA DIRETAMENTE AS FAMILIAS EM CONDICAO DE POBREZA E
EXTREMA POBREZA (LEI Nº 10.836, DE 2004) - NA REGIAO NORDESTE
OBJETIVO DA AÇÃO :
Melhorar as condições socioeconômicas das famílias pobres e extrema-
mente pobres por meio de transferência direta de renda.
ORDEM DE SERVIÇO : 252871
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Dados cadastrais dos beneficiários atualizados; renda per capita das
famílias em conformidade com a estabelecida na legislação do Programa;
cumprimento das condicionalidades das áreas da educação e saúde; e Pro
gramas/Ações municipais complementares ao Bolsa Família.
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
FUNDO A FUNDO OU CONCESSãO
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 17.037.512,00

6.3.1 CONSTATAÇÃO:
Alunos não localizados nas escolas constantes da amostra.

FATO:
Das visitas às escolas constantes da amostra, com o objetivo de
verificar o cumprimento da condicionalidade " Frequência escolar", dos
alunos das famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família, através
do Diário de Classe, verificamos que os alunos não estavam
matriculados nas escolas, relacionados abaixo:
ESCOLA: DE CIDADANIA SANTA ROSA JARDIM - INEP. 23086050
aluno de NIS 20.450.654.235: conforme declaração da Diretora da
escola, o mesmo foi transferido no final do ano letivo de 2009 para
outra localidade, não pertence a essa escola, mas consta no projeto
presença;
ESCOLA: DE CIDADANIA JOÃO AFONSO DE ALMEIDA VALE -INEP.23086122
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 105
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
alunos de NIS 21.229.966.392 e 16.101.362.842: conforme declaração da
Diretora da escola, os mesmos foram transferidos no final do ano
letivo de 2009 para outra localidade.
ESCOLA: UNIVERSIDADE DA CRIANÇA - INEP.23270659
alunos de NIS 16.270.035.229 e 16.683.162.736, conforme declaração da
diretora da escola, os mesmos foram transferidos no final do ano
letivo de 2009 para outra localidade.
ESCOLA: JOSÉ DE OLIVEIRA CAMERINO - INEP.23086530
alunos de NIS 16.445.855.556; 21.026.534.455; 16.214.319.136;
16.325.891.849; 16.142.145.879; 21.218.942.802; 16.273.948.632 e
16.234.661.980, não constam na lista de matrícula de 2010 nesta
unidade escolar, porém os mesmos fazem parte do Projeto Presença.

EVIDÊNCIA:
Visita "in-loco" e análise dos diários de classe das escolas da
amostra, bem como entrevista com as diretoras das escolas.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/09/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Quanto a este ponto consignado, temos a informar:
ESCOLA DE CIDADANIA SANTA ROSA JARDIM - INEP - 23086050
NIS: 20450654235
Cadastro atualizado em 2008, onde consta a escola que o aluno do NIS
referido acima, freqüentava. O beneficio foi bloqueado para que a
família compareça e regularize a situação.
ESCOLA DE CIDADANIA JOAO AFONSO DE ALMEIDA VALE - INEP 23086122.
Alunos de NIS: 21229966392 e 16101362842
Ambos foram cadastrados em 2009, as famílias ainda não compareceram
para atualizar o cadastro. O NIS primeiro foi bloqueado o benefício
para que a família procure regularizar. Quanto ao segundo, não
podemos bloquear o benefício, pois não é um beneficiário do Bolsa
Família.
ESCOLA UNIVERSIDADE DA CRIANÇA - INEP 23270659
Alunos de NIS: 16270035229 e 16683162736
O primeiro tem o cadastro atualizado em 2009, e não é mais
beneficiário do Bolsa Família. Já o segundo não foi encontrado em
nossa base, o mesmo também, não é mais beneficiário do Bolsa família,
não restando mais nada a fazer.
ESCOLA JOSE DE OLIVEIRA CAMERINO - INEP 23086530
Alunos de NIS: 16445855556 e 21026534455 foram atualizados em 2009, no
entanto já estão em outra escola e a família não veio informar no
Cadastro Único. Os Benefícios foram bloqueados, para que as famílias
regularizem a situação.
Já os alunos de NIS: 16214319136 e 16325891849, o primeiro já
atualizou o cadastro em fev/2010, onde tem informado a Escola Maria
Jose Bezerra de Melo - INEP 23225629, e segundo em ago/2010, que
informou a Escola Espaço do Saber LTDA - INEP 23199687, no entanto
apesar dos Cadastros estarem Processado Ativo - a informação do
Cadastro de Escola ainda não migrou para o Projeto Presença.
O NIS 16142145879 é invalido para o SIBEC e não localizado no Cadastro
Único;
Os alunos de NIS 21218942802; 16273948632 e 16234661980 estão
atualizados dentro do prazo legal, como as escolas não conferem, foram
todos bloqueados para que regularizem a situação do cadastro.
(Anexo 41 - Cópias de Cadastros de Alunos - NIS)."

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 106


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:
Acatam-se, parcialmente, as justificativas do gestor em relação aos
NIS nº 16101362842, 16683162736 e 16.142.145.879. Em relação às
constatações afetas aos demais NIS serão mantidas, uma vez que o
simples bloqueio pelo gestor não elimina o conjunto de
inconsistências cadastrais detectadas.

6.3.2 CONSTATAÇÃO:
Imposição de abertura de conta corrente na Caixa Econômica Federal
para retirada do benefício do Programa Bolsa Família.

FATO:
Constatamos, por meio de entrevista, que os beneficiários de NIS
16.040.957.337; 16.355.466.488; 21.207.619.479 e 16.180.255.106 foram
coagidos pela casa lotérica, onde recebem seus benefícios, a abrirem
contas em uma agência da Caixa Econômica Federal em Cratéus agência
0747.

EVIDÊNCIA:
Verificação "in-loco" e entrevista com os beneficiários.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/09/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Com relação a este ponto, qual seja, imposição de abertura de conta
corrente na Caixa Econômica Federal, para retirada do benefício do
Programa Bolsa Família, informamos que, surgem denúncias desta
natureza, enviando, imediatamente, ofícios à Caixa Econômica Federal -
Agencia de Crateús, pedindo explicações no sentido que se apure as
denuncias e que deixe os usuários do Bolsa Família à vontade para
receberem os benefícios com os cartões padrões ou se quiserem, optar
por uma Conta Corrente.
Estamos, também, enviando oficio ao Conselho Municipal de Assistência
Social, para que apure as denuncias e, se for o caso, procurar o
Ministério Público para a tomada das providencias cabíveis.
(Anexo 43 - Ofícios referentes ao Caso)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


Em que pese a ação proativa do Gestor Municipal, ao notificar a
agência local da Caixa Econômica Federal e o Conselho Municipal de
Assistência Social, mantém-se a constatação por entendermos que o fato
denunciado apresenta sinais de "venda casada", prática condenável
adotada por algumas instituições financeiras.

6.3.3 CONSTATAÇÃO:
Atuação deficiente da Instância de Controle Social no município de
Crateús.

FATO:
Mediante reunião realizada com os membros titulares e membros
suplentes da Instância de Controle Social, realizada no dia 18/08/2010
na Secretária Municipal de Assistência Social, constatamos que o
referido conselho não vem realizando visitas regulares às famílias e
às escolas beneficiadas pelo Programa.
O fato foi confirmado através de visitas às escolas, onde foi
constatado divergências nos diários de classe e Projeto Presença
visitas às famílias em diversas localidades, tendo encontrado
famílias com endereços diferentes do CADUNICO e ainda aquelas não
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 107
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
localizadas pela equipe de fiscalização. Isto sinaliza que o Conselho
não vem cumprindo plenamente as suas funções especificadas na
Instrução Normativa MDS nº 01, de 20/05/2005, uma vez que não
acompanha o cumprimento das condicionalidades, os procedimentos de
cadastramento das famílias no cadastro único, os procedimentos de
Gestão dos benefícios do PBF, assim como não acompanha a oferta de
Programa e Ações Complementares ao Programa.
Vale ressaltar que cabe à Prefeitura disponibilizar aos membros da
Instancia de Controle Social do Bolsa Família, que são os mesmo
membros que compõem o CMAS, os meios necessários ao exercício de suas
atribuições de acompanhamento do programa.

EVIDÊNCIA:
Reunião realizada com o Conselho de Assistencia Social;
Visita às famílias da amostra para entrevista;
Visita às escolas da amostra.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/09/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"O Conselho Municipal de Assistência Social foi instituído como
instancia de controle social do Programa Bolsa Família, por meio da
Portaria 173/2005 de 27 de julho de 2005.
A partir desta data, conforme documentação em anexo, foram realizadas
conferências e discussões sobre a Política de Assistência Social e
Controle Social, entretanto o Sistema Único de Assistência Social -
SUAS é uma construção que ainda se delineia com mudanças
significativas em relação a participação social, haja vista, o
projeto de lei de criação do SUAS ainda encontra-se em tramitação no
Congresso Nacional, enquanto a norma operacional básica - NOB passa
por consulta pública para reformulação.
Mesmo nessa conjuntura, o Município de Crateús não foge a sua
responsabilidade no que está instituído; realizando conferencias e
debates com a sociedade sobre o PBF.
Ressaltamos que a última Conferencia, realizada em 2009, teve como
tema: Participação e Controle Social no SUAS, onde contamos com a
presença da sociedade civil, conselheiros, representantes das
secretarias de saúde, educação e assistência social.
Entretanto conforme estabelecido em lei 8742/93 o mandato do
conselheiro é de 02 (dois) anos e Crateús teve sua última eleição em
08/04/2010 passando por processo de mudança na sua composição.
Diante da notificação da CGU e considerando que esta é uma ação
orientadora e educativa, estamos solicitando espaço no planejamento
mensal da secretaria de educação e saúde para conselheiros da
Instancia de Controle Social do Programa Bolsa Família e para o Gestor
do PBF possam está em constante interlocução com os setores que
integram as condicionalidades do PBF e nos comprometemos a realizar
ainda capacitações sobre instrução normativa 01, de 20 de maio 2010.
Segue, em anexo, vasta documentação que sugere, de forma inequívoca,
que o Órgão de Ação Social do Município de Crateús tem procurado
cumprir com as suas atribuições, embora tenhamos grandes desafios. (
Anexo 44 - Documentos Comprobatórios das Ações Sociais)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


A documentação apresentada pelo Gestor junto com as alegações não
servem para justificar a atuação deficiente da instancia de controle
social durante o período examinado. Dessa forma, mantém-se o registro
da constatação.
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 108
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
AÇÃO :
8446
SERVICO DE APOIO A GESTAO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA -
NACIONAL
OBJETIVO DA AÇÃO :
Transferir recursos financeiros aos estados e municípios com o propó-
sito de assegurar os recursos para a melhoria do desempenho da gestão
descentralizada do Programa Bolsa Família (PBF).
ORDEM DE SERVIÇO : 252790
OBJETO FISCALIZAÇÃO:
Recursos do Índice de Gestão Descentralizada (IGD) incluídos no orça-
mento municipal e aplicados na melhoria da gestão do Programa Bolsa
Família (nas áreas da saúde, educação e assistência social) e do Cadas
tro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).
AGENTE EXECUTOR :
MUNICIPIO DE CRATEUS/PREFEITURA MUNICIPAL
ORGAO PUBLICO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL
QUALIF. DO INSTRUMENTO DE TRANSF.:
FUNDO A FUNDO OU CONCESSãO
MONTANTE DE RECURSOS FINANCEIROS: R$ 371.557,23

6.3.4 CONSTATAÇÃO:
Movimentação irregular dos recursos do IGD.

FATO:
Conforme informações do Gestor municipal, os recursos do Índice de
Gestão Descentralizada-IGD são movimentados na conta-corrente nº
22.625-4, agência nº 0237-2, do Banco do Brasil. Do exame das
movimentações financeiras realizada no ano de 2009, verificaram-se
transferências consideradas irregulares, já que as saídas não se
destinavam a pagamentos.
O quadro abaixo lista os casos detectados:
ORIGEM: Ag. 0237-2 C.c 22.625-4
Data Valor Conta Favorecida
7/1/2009 50.000,00 5.452-6 PMC
Diversos
6/3/2009 67.000,00 8.197-3 PMC Cultura

Em que pesem os valores retornarem a conta original no mesmo mês, tal


procedimento revela-se irregular, uma vez que somente se justifica a
saída dos recursos da conta corrente para fazer face a pagamento de
fornecedores de produtos ou de prestadores de serviços.

EVIDÊNCIA:
Relatório Diário do Movimento Bancário da conta 22.625-4 (BB) ref. a
janeiro e fevereiro de 2009.

MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA:


Por meio do documento s/n, de 20/09/2010, a Prefeitura Municipal
apresentou a seguinte justificativa:
"Com relação a este ponto, temos a informar:
Acerca dos valores debitados da Conta do IGD - R$ 50.000,00 e R$
67.000,00 - consoante destaca o Relatório da CGU, os valores já
retornaram à Conta Corrente, dentro do mesmo mês, afastando qualquer
prejuízo a aplicação dos recursos. O que de fato aconteceu foi um erro
na utilização desse recurso, erro na movimentação dos recursos entre
contas, sendo os valores utilizados, tão logo percebido o equivoco,
Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 109
Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE
devidamente devolvidos a Conta Corrente do IGD. (Anexo 46 - Documento
de Devolução)."

ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO:


De fato, já havia sido detectada a devolução dos recursos à conta de
origem. Entretanto o Gestor não apresentou fatos novos que
justificassem a saída dos recursos da conta do IGD. Por essa razão,
mantém-se a constatação.

CONCLUSÃO

Concluídos os trabalhos, dentre as constatações registradas, destacamos


as seguintes:

26000 MINISTERIO DA EDUCACAO

ITENS:
1.1.1 1.1.2 1.1.3 1.1.4 1.1.5 1.1.6 1.1.7 1.1.8
1.1.9 1.1.10 1.1.11 1.1.12 1.1.13 1.1.14 1.1.15 1.1.16
1.1.17 1.1.18 1.1.19 1.1.20 1.1.21
36000 MINISTERIO DA SAUDE

ITENS:
2.1.1 2.2.1 2.2.2 2.2.3 2.2.4 2.2.5 2.2.6 2.2.7
2.2.8 2.2.9 2.2.10 2.2.11 2.2.12 2.3.1 2.3.2 2.4.1
2.4.2 2.4.3

38000 MINISTERIO DO TRABALHO E EMPREGO

ITENS:
3.1.1

49000 MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO AGRARIO

ITENS:
4.1.1 4.1.2

54000 MINISTERIO DO TURISMO

ITENS:
5.1.1 5.1.2

55000 MINISTERIO DO DESENV. SOCIAL E COMBATE A FOME

ITENS:
6.1.1 6.1.2 6.2.1 6.2.2 6.3.1 6.3.2 6.3.3 6.3.4

Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno 110


Missão da SFC: “Zelar pela boa e regular aplicação dos recursos públicos.”
33º Sorteio de Unidades Municipais – Crateús - CE