Sie sind auf Seite 1von 11

Universidade Católica de Moçambique

Instituto de Educação à Distância


Rua Correia de Brito, 613, Ponta Gêa
C.P 90 - Beira - Moçambique
Tel: (+258) 23 32 64 05 Fax: (+258) 23 32 64 06
E-mail: ied@ucm.ac.m

ANTROPOLOGIA CULTURAL
Guia Tutorial

Licenciatura em Administração Pública


2º ano

Tutor: _____________________________
e-mail ________________________________________
Cell ________________________________________
1

Índice
1 Introdução ................................................................................................................................ 2

2 Objectivos gerais de aprendizagem ......................................................................................... 2

3 Conteúdos a abordar ................................................................................................................ 3

4 Método de ensino – aprendizagem .......................................................................................... 4

5 Desempenho esperado ............................................................................................................. 4

6 Formas de Avaliação ............................................................................................................... 4

7 Actividades a realizar (prazos) ................................................................................................ 5

7.1 Actividade 1 ..................................................................................................................... 5

7.2 Actividade 2 ..................................................................................................................... 6

8 Sessões Presenciais/Síncronas ................................................................................................. 7

8.1 1a Sessão Presencial: 07 a 08 de Março ........................................................................... 7

8.2 2a Sessão Presencial: 16 a 17 de Maio ............................................................................. 8

9 Bibliografia Recomendada................................................................................................. 10
2

1 Introdução

Seja bem-vindo a disciplina de Antropologia Cultural. Esta disciplina faz parte do curso de
Administração Pública. Falar da Antropologia, é no fundo discutir e situar a nossa condição
humana entanto que produto cultural, ou seja, é ver e perceber que o homem é simultaneamente
produto e produtor da sociedade, visto que os comportamentos, crenças, hábitos e costumes do
homem resultam da convivência deste dentro de uma sociedade concreta e reflectem as aspirações
de cada povo em determinado momento.
Neste sentido, vemos que o homem biologicamente é um ser semelhante e que culturalmente
totalmente diferente, uma vez que a forma como cada sociedade organiza e concebe o seu modo
de vida não é o mesmo para diferentes sociedades e nem mesmo para uma mesma sociedade em
tempos diferentes.
Moçambique, a semelhança de alguns países africanos possui uma diversidade cultural bastante
interessante, pois que representa um mosaico cultural, em que diferentes povos interagem com os
seus hábitos e costumes ao longo do tempo dentro de um mesmo espaço, havendo influências
recíprocas em cada um destes grupos no que se refere aos seus valores.

O Material de apoio base é o Módulo da Disciplina mas deve ser enriquecido pelas bibliografias
que serão recomendadas e por outras que abordam os conteúdos das unidades relacionadas.

2 Objetivos gerais de aprendizagem

Ao terminar a cadeira de Antropologia Cultural, o estudante deverá ser capaz de:

Perceber os fundamentos da ciência antropológica entanto que ramo de conhecimento científico,


social e cultural,
Conhecer os principais conceitos, escolas teóricas e pensadores e problemas/questões tratadas pela
Antropologia como ciência;
Analisar os diferentes fenómenos socioculturais das nossas sociedades a luz dos conhecimentos
antropológicos;
3

Explicar a importância de se ter em conta as questões socioculturais no processo de interacção


entre indivíduos e grupos em cada momento e época concreta a partir da consideração das
diferenças socioculturais;
Despoletar nos estudantes a reflexão sobre a importância do saber antropológico na compreensão
da sociedade Moçambicana.

3 Conteúdos a abordar

Nesta disciplina iremos abordar os seguintes conteúdos:

• Antropologia como Ramo de Conhecimento


• Definição do Objecto, Método e Técnica de Estudo em Antropologia
• Teorias Antropológicas;
• Especificidade da Antropologia;
• Dinâmica Cultural;
• Organização Social;
• O Parentesco;
• Casamento;
• Ritos e Cerimónias Tradicionais;
• A Questão da Religião;
• A Sexualidade;
• Natureza das Raças;
• Conceitos de Linhagem, Clã e Etnia;
• A Diferenciação Social;
• O Mito.
• Processos identitários;
• Identidade cultural na época contemporânea;
• Constituição de etno espaço em contexto urbano;
• Representações de saúde e doença;
• Comunidades rurais e modos de produção.
4

4 Método de ensino – aprendizagem

O curso adota métodos inovadores centrados na aprendizagem do estudante. Isto significa que a
responsabilidade pelo processo de aprendizagem é do estudante. Quanto ao tutor, ele passa a ser,
sobretudo, um gestor/mediador/facilitador de situações de aprendizagem.

As sessões serão ministradas segundo métodos de exposição aberta do tutor da disciplina e trabalho
independente dos estudantes, durante os intervalos das presenciais seguidas de partilhas na sala de
aula.

5 Desempenho esperado

No fim da disciplina, espera-se que o estudante desenvolva bases científicas sobre como entender
cada indivíduo entanto que um produto cultural, olhando para aquilo que são as nossas
especificidades decorrentes da pertença a determinada sociedade, e a partir destes valores estarmos
em condições de interagir com os demais.
Iremos nos centrar essencialmente na definição da Antropologia, discutir o conceito de cultura e
sociedade, etnias sociais: parentesco, casamento, família, etc., e questões tais como género e raça
que se afiguram como parte integrante da disciplina e de destaque no nosso dia á dia.

6 Formas de Avaliação

Ao longo da disciplina o estudante deverá realizar todas actividades propostas para auto –
avaliação, pois constitui uma avaliação de carácter formativo. Os trabalhos individuais ou de
campo (teóricos ou práticos) realizados pelo estudante têm sobre a média de frequência o peso de
40% e são indicados pelos tutores. No final do ano será realizado um exame de Múltipla escolha
que terá o peso de 60% sobre a média final. A nota final será calculada através da seguinte fórmula:
NF = MF x 40% + NE x 60%; onde:

NF -Nota Final; MF - Média de frequência; NE - Nota de Exame.


5

7 Atividades a realizar

Os exercícios de autoavaliação abaixo descritos, são actividades que visam desenvolver o estudo
individual do estudante e garantir o desenvolvimento formativo. As actividades que serão
classificadas (Somativas), serão indicadas pelo tutor durante as sessões.

7.1 Atividade 1– (1a Sessão Presencial)

1. O que é Antropologia Cultural?


2. De forma clara, indique o objecto, método e técnica da Antropologia numa perspectiva
histórica?
3. Enumere as teorias antropológicas e os seus respectivos pensadores.
4. Fala do funcionalismo e do seu desenvolvimento.
5. Qual é a especificidade da Antropologia Social e da Cultural?
6. Porque é necessário termos os conhecimentos sobre a dinâmica cultural?
7. Qual é a diferença entre a cultura e civilização?
8. Fale da importância da Dinâmica Cultural.
9. Escolher um grupo étnico dentre vários que há em Moçambique e fazer um estudo
etnográfico da sua organização familiar, social e política.
10. Em muitas culturas nacionais existe o factor identitário que a antropologia designou por
Totem. Caracterize o que é, sua constituição e importância na identificação dos grupos na
estruturação social de certos povos.
11. Fale da Organização Social.
12. Relacione a organização social com o conceito de família.
13. Quais são os principais tipos de famílias?
14. Defina o parentesco e fale da sua importância social.
15. Como é que podemos classificar a família quanto a autoridade?
16. Mencione os tipos de filiação que estudou?
17. Explique os sistemas de parentesco que estudou?
18. Nas funções da família, explique os dois principais objectivos que têm sido considerados?
19. Fale resumidamente sobre a filiação e descendência.
6

20. Defina o casamento. E em função dos conhecimentos por si obtidos fale do casamento tendo
em conta a actual situação da sociedade moçambicana (Princípios e Modalidades)
21. Mencione as classificações do casamento quanto a residência e participação na herança.
22. Fale do rito e mencione os tipos de ritos que conheces.
23. Quais são as funções dos ritos?
24. Estabelecer relações entre a educação cultural da sexualidade e os ritos de iniciação, de
passagem e de purificação.
25. O que entendes por Religião?
26. A antropologia afirma que não existe um povo sem religião, isto é, sem crença no infinito.
Faça um estudo sobre a Religião Tradicional Africana.

7.2 Atividade 2– (2a Sessão Presencial)

1. Defina a sexualidade a fale das suas perspectivas.


2. Fale do racismo e seus efeitos.
3. O que entendes por raça?
4. No seu ponto de vista, quais são os melhores métodos e/ou providências a se tomar para se
combater o racismo?
5. Debater a questão do racismo como uma prática social e estabelecer explicação do porquê
hoje em dia a antropologia e as ciências sociais a considerarem racismo um conceito sem
fundamentos científicos, argumente.
6. Qual é a diferença entre clã e etnia? E dê exemplo de ambos tendo como universo o teu
país.
7. O que entendes por Linhagem?
8. Fale da diferenciação social tendo em conta os modos vivendes das sociedades antigas e
actuais (comparação).
9. No que se refere a diferenciação do género, o pensador Martinez diz que “é inegável o
valor que se atribui a homens e mulheres nas várias sociedades. Em geral constatamos
uma certa superioridade cultural feminina sobre a masculina com um dado de facto, no
7

status que a mulher tem e nas funções que exerce nas várias sociedades…”. Argumente e
exemplifique se necessário.
10. Defina Mito e fale das suas características e funções.
11. O que realmente distingue a função social da educativa?
12. Defina a identidade social, e fale sobre as suas abordagens.
13. Com os conhecimentos adquiridos ao longo do módulo fale da época contemporânea e
identidade cultural, tendo como base o nosso país.
14. Explique onde na época contemporânea a questão da identidade social se torna mais
problemática e a razão desta?
15. Defina etno espaço e fale da sua importância.
16. Faça uma análise do processo Etno espaço versus Globalização.
17. Descreva os sistemas de saúde por si estudados.
18. Defina saúde e doença.
19. O que é uma comunidade, e quais são os seus modos de produção?
20. Quais são as características gerais que podem facilitar na identificação duma comunidade?

8 Sessões Presenciais/Síncronas

8.1 1a Sessão Presencial: 07 a 08 de Março

Nesta sessão inaugural, o tutor faz a apresentação do Guia de Estudo, os objectivos gerais da
disciplina, a metodologia a ser usada, as formas de avaliação, os resultados de aprendizagem
esperados, orienta o debate dos conteúdos das primeiras unidades do módulo, as actividades de
auto-avaliação, trabalhos teóricos ou práticos a serem realizados e define com os estudantes as
estratégias de interacção. O seu papel centra-se na motivação, mediação, orientação e promoção
de um contexto de aprendizagem conducente a formação da comunidade de aprendizagem.

Em relação aos estudantes, figuras autónomas na sua aprendizagem, apresentam dúvidas pontuais
referentes ao Guia de estudo e ao Conteúdo Básico de Referência (Módulo), criam laços sociais,
coordenam estratégias de interação entre eles, isto é, são responsáveis pela formação de grupos de
estudos, e sugerem estratégias de comunicação entre estes e o tutor.
8

8.2 2a Sessão Presencial: 16 a 17 de Maio

Nesta sessão, o tutor movido pela orientação de fazer com que o estudante assuma o seu processo
de aprendizagem de forma activa, concentra-se em esclarecer dúvidas, dar feedback das
actividades até então realizadas, monitorar actividades práticas e fornecer as directrizes na
preparação para o exame.

Os estudantes expõem as dúvidas encontradas durante o estudo individual ou em grupo e interagem


com os colegas e tutor, recebem o feedback do tutor, realizam actividades práticas, debatem em
torno das restantes unidades do módulo e partilham recursos.

8.3. Momento interregno

Neste período, o tutor faz o acompanhamento, que consiste em atender pelo telefone, internet ou
fisicamente os estudantes, dar feedback, reforçar o processo de auto aprendizagem. Nesta fase, o
tutor esclarece dúvidas, direciona conteúdos, promove o diálogo problematizador, modera,
acompanha as discussões nos grupos de estudo e actualiza o conteúdo pedagógico.

O estudante realiza actividades de auto-avaliação e trabalhos individualmente ou em grupo, de


forma rigorosa conforme os objectivos preconizados em cada unidade. Interage com o conteúdo,
seus pares, tutor, realiza trabalhos práticos ou teóricos. A colaboração entre os estudantes é
estimulada de modo que juntos construam o conhecimento, pelo debate de ideias e partilha de
informações e recursos.

8.4. Recursos

As disciplinas são ministradas com o emprego de recursos que propiciem ao estudante a devida
autonomia e o desenvolvimento de sua capacidade de iniciativa. Assim sendo, dispõem-se os
seguintes recursos de aprendizagem: Guias de estudo, Conteúdo Básico de Referência (Módulo),
Bibliografias básicas e complementares e objectos de aprendizagem (Textos de apoio, PowerPoint,
Prezi, entre outros).

Também são usados suportes tecnológicos como recursos audiovisuais (projector multimídia, tela
interativa, Tablet, data-show e CD).
9

Com relação as aulas práticas desenvolvidas no decorrer do curso, cumpre salientar que as mesmas
são concebidas de acordo com as especificidades de cada disciplina, principalmente aquelas que
carecem de laboratórios de informática, com acesso a internet, laboratórios de química, física,
Biologia, Educação Física e Desporto, receptor GPS, Software SIG, aula-excursão, dentre outros,
com vista a dinamizar o aprendizado e incentivar a busca pelo conhecimento.

Sessão de Exames

Exame Normal de Cadeiras Gerais do 1º ao 3º Ano e Específicas do 4º Ano: 01 a 02 de Agosto.

Exame de Recorrência de Cadeiras Gerais do 1º ao 3º Ano e Específicas do 4º Ano: 05 a 06 de


Setembro.

Exame de Cadeiras Específicas do 1º ao 3º Ano incluindo Estatística: 31 de Outubro a 01 de


Novembro.

Exame de Recorrência de Cadeiras Específicas do 1º ao 3º Ano incluindo, Estatística: 05 a 06 de


Dezembro.
10

9 Bibliografias Recomendadas

Agier, Michel, “Distúrbios Identitários em Tempo de Globalização”, edições Mana; Brasil, 2001
Copans, Jean, “Antropologia: Ciência das Sociedades Primitivas?” Edições afrontamento; Lisboa;
1989, 3ª edição.
Cunha, Manuela Palmerim P, “ A Natureza da Raça”, in Sociedade e Cultura 2; Cadernos do
Noroeste, Série Sociologia, vol. 13 (2) 2000.
Iriart, Jorge Alberto B., “Concepções e Representações da Saúde e Doença: Contribuições da
Antropologia da Saúde para a Saúde Colectiva”, Universidade Federal de Bahia; 2003.
Lima, António Mesquitella, “Introdução a Antropologia Cultural”, presença, Lisboa 1991, 9ª
edição.
Napulula, Alamba Feliciano Napulula, “A Constituicao de Etno Espacos Makondes em
Nampula”; In: Analise das Dinamicas Socio-Espaciais em Mocambique; CEA (Centro de
Estudos Africanos) da UEM (Universidade Eduardo Mondlane) 2006.
Ribeiro, Eduardo M. Et al, “Agricultura familiar, Cultura Local e Políticas Públicas: O Caso dos
Lavradores do Alto Jequitinhonha”, Universidade de Federal do Brasil, 2004; Rio de Janeiro
Sevalho, Gil, “Abordagem Histórica das Representações Sociais de Saúde e Doença”, in Cadernos
de Saúde Pública, Rio de Janeiro 1993.
Segre, Marco, “O Conceito de Saúde”, Revista Saúde Pública; São Paulo, Volume 31, número 5,
1997.
Uchoa, Elizabeth e Vidal, Jean Michel, “Antropologia Médica: Elementos Conceituais e
Metodológicos para uma Abordagem
Antropologia Cultural Código: A0015 80 a Saúde e Doença”, in Cadernos de Saúde Pública, Rio
de Janeiro 1994.
Woortmann, Klaas, “O Modo de Produção Doméstico em Duas Perspectivas: Chayanov e
Shalins; Brasília, 200