Sie sind auf Seite 1von 17

CURSO EFA NS III,

TECNICO/A
COMERCIAL,
NÍVEL III

STC1
TRABALHO REALIZADO POR:

Alexandre Palavra Nunes


Outubro de 2010
Bascos
Eskualdunak

Euskaldunak

Vascos
INDICE

Orientação

História e Relações Culturais

Assentamentos

Economia

Parentesco

Casamento e Família

Organização Sociopolítica

Religião e Cultura Expressiva

Bibliografia
ORIENTAÇÃO

Identificação
Os Bascos habitam a região do sudoeste da Europa, onde o extremo ocidental dos
Pirenéus se encontra com o litoral da Cantábria. O seu território estende-se pela fronteira
franco-espanhola, possibilitando a distinção entre o basco espanhol e os bascos franceses.
Existem quatro regiões tradicionais (Bizkaia, Gipuzkoa, Nafarroa, Araba), no lado espanhol e
três (Lapurdi, Behe Nafarroa e Zuberoa) do lado francês. Os Bascos referem-se à sua terra
natal como "Euskal Herria," (terra dos bascos) ou "Euskadi" (país dos bascos). Enquanto as
sete regiões não se unificam (há quase um milénio), os bascos continuam a ser um dos
mais distintos grupos étnicos da Europa.

Localização
O País Basco está localizado entre 41 ° a 43 ° N e 0 ° a 3 ° W. Ele contém 20.747
quilómetros quadrados, dos quais 17.682 km ² estão no lado espanhol da fronteira. O País
Basco tem três zonas ecológicas. A zona norte é composta pelo litoral Cantábrico e a
Cordilheira interior. Possui um clima marítimo e é uma das regiões mais húmidas na Europa.
Os cumes dos Pirenéus constituem uma zona central com um clima alpino. A zona sul, ou
cerca de dois terços do País Basco, está na sombra da chuva dos Pirenéus e tem um clima
continental.

Demografia
A densidade populacional é muito variável por região. Altamente urbanizada Biz kaia
tem 533 pessoas por quilómetro quadrado, enquanto a rural Behe Nafarroa tem apenas 22
anos. Há uma estimativa de 828.000 falantes do idioma basco. A proficiência em língua
basca é distribuída de forma desigual, concentrando-se principalmente nas zonas norte e
centro ecológico. Também é mais pronunciada nas comunidades rurais e de pesca do que
nos centros urbanos. Nos últimos anos tem havido uma vigorosa campanha por
nacionalistas bascos para incentivar a aquisição da linguagem Basco.

Os bascos são fluentes em francês ou espanhol (alguns em ambos), dependendo de


qual lado da fronteira em que habitam. O uso da língua basca tem diminuído ao longo dos
séculos em locais onde se falava anteriormente, e a utilização de francês e espanhol
aumentou por causa do afluxo de pessoas que não falam basco na área. O Basco é uma
língua aglutinante e emprega o alfabeto romano. É o único representante de sua língua. Os
estudiosos têm procurado demonstrar afinidades entre Basco e linguagens de diferentes
partes do mundo, particularmente as línguas nas montanhas do Cáucaso da Rússia. Outra
possibilidade é que o Basco está ligado a Ibero, uma língua falada na Península Ibérica nos
tempos pré-romanos.
HISTÓRIA E RELAÇÕES CULTURAIS

Na singularidade da linguagem ressalta o mistério das origens dos bascos. Alguns


estudiosos têm sugerido que eles podem até ser os descendentes directos dos Cro-Magnon
e dos pintores em cavernas paleolíticas no sudoeste da Europa, cerca de 15 mil anos atrás.
Até a Idade Média os Bascos foram um enclave, os povos pastoris, ferozes em resistir a
invasões de estranhos e considerados bárbaros por eles. Romanos, Godos, Francos e
Mouros partem do País Basco, sem nunca subjuga-los. Foi uma força Basca que atacou a
retaguarda de Carlos Magno, atravessando a passagem de Roncesvalles, matando Roland
e dando origem ao famoso épico “A Canção de Rolando”.

Após o ano 1000 as diversas regiões bascas vieram cada vez mais sob a influência
de emergentes reinos europeus e ducados. Posteriormente, os estados embrionários da
Inglaterra, França e Espanha lutaram pelo controle da região, que frequentemente se
tornaram peões em execuções maior de poder. A soberania sobre as diversas regiões
bascas variou de acordo com as fortunas de batalha ou dos caprichos de alianças
matrimoniais entre a realeza da Europa.

Os Bascos mantiveram, contudo, um grau considerável de autonomia em seus


próprios assuntos, codificada nos foros escritos ou cartas. Essa relativa autonomia reflectiu-
se no costume pelo qual os reis de Castela, após subir ao trono, eram obrigados a viajar
para a cidade de Guernica e jurar debaixo de um carvalho sagrado de respeitar as leis
Basco. Os Bascos costeiros foram os primeiros baleeiros da Europa. A sua construção naval
e habilidades de navegação marítima eram das mais notáveis da Ibéria. No início do século
XV (e possivelmente antes) os Bascos faziam a travessia do Atlântico para a caça e pesca
do bacalhau ao largo da costa do Lavrador. Os Bascos tripularam os navios de Colombo e
Magalhães. (O Basco Elcano foi o primeiro a navegar o globo.) Marinheiros bascos,
mercenários, comerciantes e missionários nas fileiras da elite colonial da Espanha,
forneciam a maior parte do transporte marítimo no comércio americano e de importância
capital para o desenvolvimento das colónias e se tornar grandes figuras em ambas as
administrações civis e eclesiásticas.

A Revolução Francesa, com suas tendências centralistas fortes, destruiu a


autonomia política de Lapurdi, Behe Nafarroa-e Zuberoa. Muitos de seus moradores
resistiram e foram enviados para a guilhotina ou para campos de concentração.

No século XIX, os bascos lutaram no lado perdedor da Guerra de Espanha,


renunciando muito de sua autonomia política na derrota. Isso, juntamente com o afluxo final
do século XIX dos trabalhadores espanhóis para as indústrias Bascas, ameaçaram fazer
dos Bascos uma minoria em seu país, o que causou preocupação.

Em 1900, um movimento nacionalista basco moderno surgiu para enfrentar as


políticas de Madrid. Os nacionalistas impugnam eleições quando autorizados a fazê-lo,
ganhando o controlo de muitos municípios e as assembleias provinciais de Gipuzkoa e
Biscaia. Quando da Guerra Civil Espanhola começou em 1936, estas duas províncias
permaneceram leais à república. Em campo, um exército, é eleito um governo autónomo e
emitiu passaportes e cunhou sua própria moeda.
Em nove meses os bascos foram derrotados por Franco, muitos foram executados
ou presos, milhares foram exilados e o governo Basco tinha sido removido para Paris.
Durante os anos de Franco, houve repressão sistemática da cultura basca.

Consequentemente, no final de 1950 jovens Bascos descontentes fundaram uma


organização conhecida como "ETA (Euskadi Ta Azkatasuna, ou" País Basco é Liberdade")
com o objectivo de independência da Espanha. Sua oposição a Franco escalou para a
violência e dotaram a Europa de um dos seus mais virulentos movimentos terroristas. A
morte de Franco em 1975 inaugurou uma era de democracia em Espanha. Nacionalistas
Bascos colaboraram na elaboração da nova Constituição, e dispõem de autonomia
considerável para as regiões.
ASSENTAMENTOS

Na zona ecológica nortenha existem grandes cidades como Bilbo (Bilbau), Donastia
(San Sebastian), e Baiona, bem como centros de produção regional de grande importância
(Eibar, Mondragon e Irun).

Há muitas aldeias de pesca costeira com 5.000 a 10.000 habitantes. Nos sopés
interiores têm aldeias de camponeses que vão de 500 a 3.000 habitantes. A aldeia
geralmente inclui um vale de rio e as encostas circundantes. O núcleo, com escola, igreja,
bares, Câmara Municipal, andebol ou frontão (jai alai arena), armazéns gerais, e escritórios
de alguns profissionais (médico, farmacêutico, veterinário) estão localizados no vale.

As encostas circundantes contêm “Baserria” (Fazendas), agrupadas em aldeias de


dez ou doze habitações cercadas pelos seus territórios colectivos. As habitações são
estruturas de pedra maciça, muitas vezes com três andares de altura. O piso térreo é para
estábulos de animais, o segundo andar para viver no espaço, enquanto o terceiro é usado
para armazenar feno e outros cultivos
ECONOMIA

Agricultura e actividades comerciais


Apenas cerca de 20 por cento da população está envolvida na agricultura. Na Bizkaia
e Gipuzkoa mais de 50 por cento da força de trabalho activa está empregada no sector
agrícola. Até recentemente a Baserria basca era uma empresa mista de agricultura na qual
a ênfase estava sobre a auto-suficiência. A família agrícola fez crescer o seu próprio trigo,
milho, legumes, frutas, nozes e criou aves, coelhos, porcos, vacas e ovelhas. Terreno
comum com a vila era uma importante fonte de pastagens de animais, calcário para
fertilizantes, madeira para combustível e materiais de construção.

Ao longo dos últimos cinquenta anos tem havido uma crescente comercialização da
agricultura. Áreas de cultivo foram convertidas, quer para produtos hortícolas de cultivo
intenso ou de produção de forragem para a produção leiteira para abastecer os mercados
urbanos. A agricultura é mecanizada, embora em pequena escala por causa do terreno
íngreme.

Na zona central há pouco assentamento permanente. Nos meses de verão pastores


sobem com seus rebanhos e madeireiros cortam espécies de madeira (carvalho e faia).

Na zona ecológica sul a agricultura é feita em grandes explorações e a variedade de


bens são a trilogia mediterrânica de trigo, azeitonas e uvas. Perto do rio Ebro há irrigação
extensiva, que permite crescimento vegetal em grande escala.

As vilas costeiras de pesca Bascas enviam as suas frotas para o mar Cantábrico e
para a Irlanda, para apanhar pescada e anchova assim como para a costa da África
ocidental em busca de atum. Alguns dos navios possuem redes mecanizadas, refrigeração,
localizadores de profundidade sonora e helicópteros para localizar suas presas.

Artes Industriais
O País Basco é uma das regiões mais industrializadas da Península Ibérica. A
cidade de Bilbo (Bilbau), abriga muitas indústrias pesadas, incluindo fábricas de aço e
equipamentos para a construção naval.

É também um dos principais portos da Europa Ocidental para o petróleo de super


petroleiros. Florescem pequenas cidades industriais especializados em bens de consumo
modernos como o plástico para máquinas de costura. Há também uma indústria de
armamentos.

A poluição industrial é um grande problema no País Basco, causando má qualidade


do ar nas cidades, que é agravada pelo congestionamento de tráfego. A maioria dos rios
está poluída.
Comércio
Enquanto alguns agricultores e pescadores do mercado vendem os seus produtos
directamente nas cidades próximas, o País Basco tem agora uma eficiente rede de
estabelecimentos comerciais, incluindo supermercados.

Divisão do Trabalho
Há igualdade considerável entre os sexos. Na agricultura, as mulheres
frequentemente trabalham nas mesmas tarefas que os homens. Nas zonas urbanas as
mulheres são cada vez mais empregadas na indústria e serviços. Afazeres domésticos,
contudo, permanecem em grande parte só ao alcance das mulheres.

Posse da terra
Ser o proprietário de uma fazenda era socialmente prestigiado e representou a
segurança económica em uma sociedade em que a terra cultivável estava em dificuldades.
No entanto, a evolução ao longo dos últimos cinquenta anos produziram tanto um excesso
como depois uma escassez de terras. Por um lado, a incapacidade da agricultura
camponesa para gerar receitas suficientes para suportar uma do século XX, o estilo de vida
fez com que muitas famílias simplesmente abandonassem a agricultura e partissem para
uma cidade deixando sua Baserria em queda e em desuso e a plantação de pinheiros para
a venda para a indústria de celulose. Por outro lado, muitos habitantes das cidades estão a
comprar ou a alugar baserriak e a convertê-los em moradias de fim-de-semana.
PARENTESCO

Grupos de parentesco e descendência


A família urbana Basca é de variedade nuclear, mantendo o seu próprio
apartamento. O parentesco é contado a nível bilateral, há um líder central definido pelo
parentesco, mas é importante apenas no casamento ou morte do membro de definição.
Vizinhos, geralmente alheios, desempenham um papel fundamental na sociedade basca
rural. “Lenbizikoatia One”, ou primeiro do bairro, é a casa de primeiro recurso em caso de
crise. O maior “Auzoa” ou bairro, é a fonte de intimidade e apoio social.
CASAMENTO E FAMÍLIA

Casamento
Os Bascos são monógamos e exercem a escolha pessoal considerável na selecção
do conjugue. No entanto, as pessoas consideram o casamento do herdeiro designado do
sexo masculino ou feminino para o “Baserria” como um assunto doméstico. Os pais
transferem a propriedade da fazenda para os noivos, como parte do regime matrimonial. O
casamento entre primos não é anormal, incluindo algumas uniões entre primos de primeiro
grau.

Unidade Doméstica
O herdeiro do cônjuge Baserria forma uma família tronco, com seus pais. Irmãos
solteiros do herdeiro podem permanecer em sua residência como sendo a sua casa natal
até a morte, mas estão sujeitos à autoridade dos chefes activos masculinos e femininos. A
família trabalha os “Baserria” juntos, com as crianças e os idosos a contribuem para as
tarefas mais leves. Nas áreas urbanas de apartamentos/moradia de família nuclear,
possivelmente vivem num estilo de vida criado para os ricos. Neles também se pode
encontrar uma tia solteirona ou pais idosos.

Herança
A propriedade da “Baserria” é transferida para um único herdeiro de cada geração.
Em algumas partes do País Basco o costume dita a primogenitura masculina, a menos que
o candidato seja flagrantemente inadequado. Eles também participam igualmente na riqueza
"pessoal" dos seus falecidos pais (por exemplo, dinheiro, jóias, etc.) Nas áreas urbanas a
prole geralmente divide em partes iguais a herança do falecido, embora os códigos jurídicos
nacionais favoreçam um recipiente com um máximo de um terço do total.

Socialização
As crianças são levantadas por todos na casa. No caso dos citadinos ricos a casa
pode também ter uma serva doméstica que funciona como uma ama. As famílias “baserriak”
enfatizam a subordinação dos interesses individuais ao bem-estar da unidade doméstica.
Uma criança é socializada, o herdeiro, e seus irmãos são criados com o entendimento de
que eles deveriam sair. Este sistema fez com que o país rural Basco seja um viveiro de
emigrantes.
ORGANIZAÇÃO SOCIOPOLÍTICA

Organização Social
A sociedade basca está impregnada com um ideal igualitário. O proprietário de um
“Baserria” é exaltado como um “etxekojaun” ou senhor da casa, e sua esposa como
“etxekoandria” ou dona da casa.

Pescadores bascos são igualmente orgulhosos e independentes.

O País Basco foi praticamente intocado pelo feudalismo europeu ocidental e há uma
crença comum de que todos os bascos são nobres. Não há mobilidade social considerável,
e as diferenças de riqueza não determinam automaticamente o status social.

No entanto, há uma plutocracia urbana basca por parte de donos de fábricas,


banqueiros e profissionais ricos que se relacionam mais com as elites espanholas e
francesas nacionais do que com seus companheiros camponeses bascos, lojistas, etc.

Há uma divisão quase fronteiriça entre bascos e não bascos, que constituem grande
parte da classe baixa do proletariado urbano. Não bascos são os alvos frequentes de
ressentimento e de discriminação.

Organização Política
As comunidades municipais são regidas por um prefeito eleito pela Câmara
Municipal. Cada uma das quatro províncias na Espanha tem a sua própria assembleia de
eleição popular ou “Diputación”. Nafarroa agora constitui a sua própria região autónoma
dentro do Estado espanhol. Gipuzkoa, Bizkaia e Araba, juntos, formam a Comunidade
Autónoma de Euskadi.

Este governo regional é financiado em grande parte pelas “Diputaciones”


participantes. Com sua capital em Vitória (Gasteiz), tem seu próprio presidente eleito pelo
povo, o parlamento e ministérios.

Ele controla alguns meios de comunicação de massa, o sistema educativo, o


desenvolvimento económico e cultural. Todas as relações externas são tratadas por Madrid.
Bascos elegem representantes para o parlamento espanhol e francês também.

Controle Social
O controlo social ao nível local é principalmente feito através da pressão dos padres.
O pároco exerce uma influência moral para além do âmbito estritamente religioso.
Conflito
A região basca é fortemente policiada, sobretudo no lado espanhol. A "Guardia Civil"
Espanhola é quase omnipresente e em grande parte desprezada.

Mesmo politicamente moderados tendem a considerar a sua pátria como "ocupados",


e a remoção desta força é uma das principais reivindicações dos nacionalistas bascos de
todos os quadrantes. Os confrontos entre a “Guardia Civil” e a ETA produziram já mais de
600 mortes ao longo das últimas três décadas.
RELIGIÃO E CULTURA EXPRESSIVA

Crenças religiosas
Com muito poucas excepções bascos são católicos romanos. Mesmo a pequena
aldeia tem a sua própria igreja. Existem vários mosteiros principais.

Embora, possivelmente, as últimas pessoas na Europa ocidental para se


converterem ao cristianismo, os bascos têm produzido titãs como Inácio de Loyola e São
Francisco Xavier. Até recentemente não havia tantas vocações religiosas que os padres e
freiras Bascos regularmente faziam missões católicas em África, Ásia e América Latina.

Uma vez que o comparecimento à igreja do Concílio Vaticano II e as vocações


religiosas fraquejaram, levaram ao encerramento de algumas igrejas. Os Bascos
anteriormente acreditavam em bruxas e no lendário sobrenatural.

Artes
Praticamente cada aldeia tem o seu grupo de dança folclórica. O txistu ou flauta, e
tambor, tocados simultaneamente por um único intérprete, são os instrumentos musicais.

Há “bertsolariak” ou versáteis, capazes de compor e cantar espontaneamente rimas


sobre qualquer assunto. Tais desempenhos são uma parte de cada festa da aldeia, e
campeonatos regionais e nacionais são realizadas periodicamente.

Nas artes plásticas, os Bascos têm produzido diversos compositores de nome


(Arriaga, Guridi, Ravel), escritores (Baroja, Unamuno), pintores e escultores (incluindo o
mundialmente famoso Eduardo Chillida).

Medicina
Mesmo as mais remotas aldeias têm acesso a cuidados médicos modernos. No
entanto, as crenças na eficácia de determinados tratamentos (normalmente à base de
plantas) persistem. Alguns da geração mais velha ainda temem o mau-olhado.

Morte e vida após a morte


O funeral é o ritual mais importante na sociedade basca, desencadeando ao longo de
anos, uma serie de cerimónias.
BIBLIOGRAFIA

Douglass, William A. Death in Murelaga: Funerary Ritual in a Spanish Basque Village.


Seattle: University of Washington Press.

Douglass, William A. Echalar and Murelaga: Opportunity and Rural Exodus in Two Spanish
Basque Villages. London: C. Hurst.

Greenwood, Davydd J. Unrewarding Wealth: The Commercialization and Collapse of


Agriculture in a Spanish Basque Town. Cambridge: Cambridge University Press.

Ott, Sandra. The Circle of Mountains: A Basque shepherding Community. Oxford: Clarendon
Press.

Zulaika, Joseba. Basque Violence: Metaphor and Sacrament. Reno: University of Nevada
Press.
Acreditada por:

Financiado por:

Reconhecido por: