Sie sind auf Seite 1von 2

DEIXA-TE MODELAR...

“Feliz, mas cansado, o menino contemplava extasiado aquele mundo que se descortinava atrás do muro que
acabara de escalar. Estátuas, grandes pedras, blocos de mármore e um homem sério e aplicado.
Em suas mãos um martelo e um cinzel. O menino olhava encantado tudo aquilo e observava o homem que com
seu martelo e cinzel golpeava, ora devagar, ora mais energicamente o bloco de mármore.
O menino não conteve a curiosidade e perguntou repentinamente:
- “O que o senhor está fazendo?”
- “Meu filho – respondeu calmamente o escultor – volte daqui a dois meses e verás”.
Dois meses foram dois séculos para o impaciente menino.
Enquanto isso o escultor continuou trabalhando lentamente, tirando pedaços de mármore, alisando, polindo,
para que surgisse, daquele bloco de mármore, a imagem sonhada. Todo cuidado era pouco, pois um golpe em
falso, uma martelada mais forte, uma cinzelada fora do lugar poderia arruinar toda a obra.
Cada movimento era estudado, cada particular contemplado. Quando o menino surgiu novamente em cima do
muro, no lugar do bloco de mármore estava uma linda estátua de Anjo.
- “Onde o senhor foi buscar isto?”- perguntou o menino.
- “Ela estava dentro do bloco de mármore” – respondeu sorrindo o escultor.
Dentro de cada ser humano há um Anjo; basta descobrí-lo, com trabalho
cuidadoso e com amor

Todo ser humano possui dentro de si uma profundidade, que é o seu mistério
íntimo e pessoal; trata-se do “eu original”, aquele lugar santo, intocável,
original...
É o lugar do coração: lugar das riquezas pessoais, das decisões vitais, dos
sonhos e intuições, da criatividade... onde reside o lado mais positivo da pessoa,
onde ela vive o melhor de si mesma, onde se encontram os dinamismos do seu
crescimento, etc...
É aqui onde a pessoa encontra a sua identidade pessoal, seu rosto verdadeiro,
seu anjo escondido...
É no coração, “última solidão do ser”, que Deus marca encontro conosco.
A oração é o lugar natural da descoberta da nossa imagem real: dentro da Palavra
de Deus
está escondida nossa identidade. Diante de Deus não há o que esconder... a oração
nos faz
transparentes, nos ajuda a identificar-nos, para saber “quem somos”.
“QUEM SOU EU diante do Senhor?”

Por isso, a oração cristã não é só adoração e culto; é também descoberta do


‘eu’, da própria realidade pessoal, do “mistério” que habita cada um de nós.
Na experiência de oração a pessoa “descobre-se a si mesma”; ela começa
a ter uma percepção maior de seu ser (único, original, sagrado...) quando
“mergulha” no misterioso relacionamento com Deus e quando permite que
o “mistério experimentado” se torne fonte de sua identidade.
“Minha identidade está escondida com Cristo em Deus” (Col. 3,3).

Texto bíblico: Jo. 1,19-30

Na Oração: coloque-se diante de Deus, na transparência e na verdade de si mesmo...


- que resposta você daria, agora, se um repórter lhe perguntasse: “Quem é você?”
- o que você colocaria na sua carteira de identidade que lhe diferenciasse de todas as
ou-
tras pessoas? Quais seriam os seus sinais digitais mais originais?
- Quais os seus sinais digitais divinos? ( as “marcas” de Deus em você?).
- Quais são as qualidades e dons que existem dentro de você ainda estão
precisando de
um “trabalho cuidadoso” para se tornarem imagem?

S. Inácio crê na ação direta de Deus no coração de cada pessoa, transformando-


a, tornando-a criativa, ti-
rando-a da acomodação, dinamizando sua capacidade para o bem,
para o “mais”. Ele afirma:
“Poucas pessoas entendem o que Deus faria em seus corações se se rendessem
inteiramente
em Suas mãos e permitissem que a Sua graça atuasse nelas.
O tronco bruto e sem forma de uma árvore, se fosse capaz de pensar, não poderia nunca
crer-
se apto para receber a forma de uma estátua – um milagre da escultura – nem se
exporia à
mão do escultor; enquanto que este, que domina sua arte, aprecia o que pode tirar do
tronco.
Assim também, muitas pessoas, que apenas vivem como cristãs, estão longe de
imaginar-se
que poderiam chegar a ser grandes santos(as), se permitissem que a Graça de Deus
as mol-
dasse e não resistissem à sua benéfica influência”.

Verwandte Interessen