Sie sind auf Seite 1von 2

ESTUDOS FILOLÓGICOS E LINGUÍSTICOS EM

DOCUMETAÇÃO SEISCENTISTA DO BRASIL HOLANDÊS


(1637-1654)
A partir de fac-símiles de documentos inéditos relacionados ao contexto da colonização
holandesa no Brasil, pretende-se apresentar algumas características paleográficas observadas na
documentação e estudos preliminares acerca do léxico nela utilizado. Dada a grande extensão do
córpus, serão selecionados fragmentos textuais para esta apresentação. As figuras que assinam
alguns documentos se evidenciam por sua participação ativa contra a colonização holandesa no
Brasil, por exemplo, Antonio Telles da Silva, Andre Vidal de Negreiros e Salvador Correia de Sá
e Benevides. Além disso, há documentos como cartas pessoais, petições, abaixo-assinados de
outros autores que não tiveram seus nomes destacados na história, mas que, assim como as
personalidades políticas, produziram documentação narrando fatos da história. Trata-se dos
moradores de cidades como Olinda e Recife, caracterizados como indivíduos marginalizados de
uma sociedade marcada pela oralidade que puderam estabelecer modos diferentes de relação
(linguística e social) com a cultura escrita a partir de suas formas caligráficas e domínios de
leitura e escrita. O objetivo da pesquisa é correlacionar estudos filológicos, linguísticos e
históricos para que se possa compreender práticas de escritas seiscentistas em contexto
administrativo. A associação entre essas disciplinas poderá contribuir com abordagens e
metodologias próprias, para que se conheçam outras perspectivas sobre o momento da história do
Brasil em questão.

ABBADE, Celina Márcia de Souza.O estudo do léxico. In: TEXEIRA, Maria da Conceição Reis;
QUEIROZ, Rita de Cássia Ribeiro de; SANTOS, Rosa Borges dos (org.). Diferentes
perspectivas dos estudos filológicos. Salvador: Quarteto, 2006. p. 213-225.

ACIOLI, Vera Lúcia Costa. A escrita no Brasil colônia: um guia para leitura de documentos
manuscritos. Recife: Massangana, Editora da Universidade Federal de Pernambuco, 1994.

BLANCO Y SÁNCHEZ, Rufino. Arte de la escritura y de la caligrafía: teoría y práctica, Madrid:


Edición de Archivos, Bibliotecas y Museos, 1914.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Diplomática e tipologia documental em arquivos. 2. ed. Brasília:


Briquet de Lemos, 2008.

BIDERMAN, Maria Thereza Camargo. As ciências do léxico. In: OLIVEIRA, Ana Maria Pinto
Pires de; ISQUERDO, Aparecida Negri (org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia,
terminologia. 2. ed. Campo Grande: Ed. UFMT, 2001a. p.13-22.

______. Dimensões da palavra. Filologia e Língua Portuguesa, São Paulo, n. 2, p. 81-118, 1998.

______. Léxico e vocabulário fundamental. Alfa, São Paulo, v. 40, p. 27-46, 1996.

BRÉAL, Michel. Essai de Sémantique: essai de signification. Paris: Hachette, 1897.


COSTA, Avelino de Jesus da. Álbum de Paleografia e Diplomática Portuguesa. Coimbra,
Universidade de Coimbra, 1976.

COSERIU, Eugenio. Das Phänomen der Sprache und das Daseinsverständnis des heutigen
Menschen. Die Pädagogische Provinz, n. 1-2, p. 11-28, 1967.

GECKELER, H. Semántica estructural y teoría del campo léxico. Madrid: Gredos, 1976. [1. ed.
al., 1971]

GOMES, Saul Antonio. Paleografia: passado e presente. In LOSE, Alícia Duhá. SOUZA,
Arivaldo Sacramento. Paleografia e suas interfaces. Salvador: Memória & Arte, p. 286-293,
2018.

GORDON, W. T. A history of semantics. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1982.


GREIMAS, A. J. La mode en 1830: essai de description du vocabulaire vestimentaire d’ après
les journaux de mode de l’époque. Paris: Université de Paris-Sorbonne, 1948. (Thèse, Doctorat
en Lettres).

GUIRAUD, P. A semântica. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989. [1. ed. fr., 1955]

NÚÑEZ CONTRERAS, Luis. Manual de paleografia. Madrid: Cátedra, 1994.

PETRUCCI, Armando. (1986) La scrittura. Ideologia e rappresentazione. Milano: Einaudi.

STROKES, Peter. Computer-Aided Palaeography, Present and Future. In HERHBEIN, P.


Kodikologie und Paläographie im Digitalen Zeitalter: Codicology and Palaeography in the
Digital Age. Norderstedt: Books on Demand. p. 309–338, 2009. Disponível em http://kups.
ub.uni-koeln.de/2978/ - Acessado em 05 de outubro de 2020.

VILELA, Mario Augusto do Quinteiro. O léxico da simpatia: estudos sobre o campo lexical da
“determinação substantiva de simpatia humana e social” (1850-1900) e respectivo contexto
cultural. Porto: INIC, 1980.

WOTZKOW, Helm. The art of handwritting. New York: Dover Publications, 1967.