Sie sind auf Seite 1von 24

SAFETY DAY FCPq

2020
GUIA DE SEGURANÇA PARATUCA

CHECK DE EQUIPAMENTO
EMERGÊNCIAS, PANES E ANORMALIDADES

1ª Edição - Outubro de 2020


ÍNDICE

1 - APRESENTAÇÃO --------------------------------------- 2
2 - CHECK DE EQUIPAMENTO -------------------------- 3
3 - EMERGÊNCIAS ----------------------------------------- 7
3.1 Embarque -------------------------------- 7
3.2 Decolagem ------------------------------ 7
3.3 Saída -------------------------------------- 8
3.4 Queda Livre ------------------------------ 9
3.5 Comando ---------------------------- 9
3.6 Abertura ------------------------------ 11
4 - ANORMALIDADES ----------------------------------- 12
5 - PANES DE BAIXA VELOCIDADE ------------------- 14
6 - PANES DE ALTA VELOCIDADE -------------------- 16
7 - DUPLA ABERTURA ---------------------------------- 18

1
1 - APRESENTAÇÃO

O presente guia tem o objetivo de fornecer um passo a passo


de check de equipamento simplificado, portanto resumido, e
abordar de forma também simplificada panes, anormalidades e
emergências no nosso esporte, desde o equipar até o pouso. As
informações contidas aqui devem sempre ser discutidas com
seus instrutores e riggers diante de alguma dúvida.
Essas fases são divididas aqui em oito etapas, são elas...
- equipar,
- embarque,
- decolagem,
- saída de aeronave,
- queda livre,
- abertura,
- navegação,
- e pouso.
Busque sempre conversar com seus instrutores sobre o
esporte, ler seus manuais instrucionais, ler os manuais do seu
equipamento, dialogar com seus riggers, e com a sua
comunidade de uma forma geral sobre toda e qualquer dúvida.
Lembre-se que nosso esporte é um esporte coletivo. Que agir
de forma segura e preventiva pode salvar tanto sua vida como a
de um colega. No paraquedismo quanto mais informação você
tiver, mais seguro estará. Boa leitura.
2
2 - CHECK DE EQUIPAMENTO

Antes de tudo, devemos checar a caderneta do


equipamento a fim de verificar se a recertificação do nosso
reserva está em dia. Nossa norma nacional
prevê um ciclo de 180 dias de validade para a
dobragem do nosso reserva. Esse também é o
tempo de validade da dobragem do nosso
velame principal.

Em seguida, devemos começar por ligar nosso DAA, esperar


a contagem e checks da inicialização, e
o OK da unidade. Só então damos
prosseguimento ao check do nosso
equipamento.

Há diferentes abordagens ou métodos de check de


equipamentos que basicamente checam trios de componentes,
que são eles...

3 tirantes (perna, perna e peito)


3 argolas (grande, médias e pequena)
3 punhos (desconector, reserva e principal)
3 pinos (reserva, principal e desconector)

3
Um método objetivo de verificar todos esses componentes
do nosso equipamento é começando pela parte de trás do
equipo, de cima para baixo. E depois verificar a parte da frente,
também de cima para baixo. Assim temos um padrão.
Se seguirmos essa padronização devemos checar...
COSTAS
1. Pino do reserva
2. Pino do principal, (bridle e kill line)
3. Punho do pilotinho
FRENTE
1. Três argolas
2. Cabo amarelo do desconector – pino
3. DAA
4. Punho desconector
5. Punho reserva
6. Tirante de peito, perna, perna.
EXTRAS
1. RSL / MARD
2. COLLINS

RSL/MARD

SEMPRE EXCECUTE TRÊS CHECKS:


AO EQUIPAR - AO EMBARCAR – ANTES DO SALTO

Collins – fita auxiliar que garante a


desconectação do lado sem RSL
4
Pino do
reserva

Pino do principal
Bridle - Kill Line - Loop

Punho do pilotinho

5
RSL
3 Argolas
pino desconector
DAA

Punho
desconector Punho
reserva

Tirantes de peito, perna, perna

6
3 - EMERGÊNCIAS
3.1 EMBARQUE
Os cuidados aqui são muito simples...
1. Aproximação por trás em aviões;
2. Aproximação pela frente em helicópteros;
3. Checar o equipamento mais uma vez antes de embarcar;
Uma vez dentro da aeronave, cinto de segurança, capacete,
zerar altímetros e atenção ao mestre de salto.
3.2 DECOLAGEM

Caso pane, assumir posição de segurança e


Até 1500” -
pousar na aeronave

1500” Desafivelar cinto de segurança.


à - Saída solo com a mão no punho do reserva
3500” e comando imediato do mesmo

Acima de Saída solo e comando do principal


3500” -

Acima da Saída normal e abertura na altura prevista


altura de - caso PS favorável
comando
SEMPRE SEGUIR AS ORIENTAÇÕES DO PILOTO, INSTRUTOR OU
MESTRE DE SALTO

7
3.3 SAÍDA
Sempre executar todos os checks antes de entrar na reta.

Abertura prematura Principal preso ao avião,


fora do avião DESCONECTAR

Reserva preso ao avião,

- não realizar PE
- não desconectar o Principal
- não sendo possível se desprender da
aeronave, cortar com cuidado as linhas
do reserva. Após livre, comandar o
principal.

Abertura prematura Porta fechada, continua fechada


dentro do avião - Em aviões pequenos, todos devem
pousar a bordo
- Em aviões grandes, manter-se
afastado da porta, desequipar-se,
voltar na aeronave mantendo todo o
controle do velame ou bolsa abertos

8
3.4 QUEDA LIVRE

Colisões Procurar evitar;


Prevenção:
- Treinar seu voo
- Conhecer os grupos com os quais pretende
saltar.
Caso não possa evitar, usar os braços para se
proteger e amortecer o impacto, tendo maior
atenção com cabeça e cervical

AFS – abertura É a abertura do principal sem o


fora de sequência
comando do paraquedista;
- se a bolsa for extraída levará a uma
ferradura – IMEDIATAMENTE LANÇAR
O PILOTINHO
3.5 COMANDO

Velocidade Terminal
- Uma tentativa já foi realizada,
Não encontra - Segunda e última tentativa: percorrer a
o Punho do parte inferior direita do container a procura
Principal do punho
- Se encontrado, comandar,
- Se não, Reserva - PE
9
Punho duro
Uma tentativa já foi realizada;
Segunda e última tentativa
- Localizar o punho
- Usar o braço/cotovelo como alavanca
para extrair o punho/pilotinho.
Alavancando no container.

Caso não consiga, Reserva - PE

Trauma no ombro Comandar o Reserva com a mão


ou braço direito esquerda o quanto antes

Trauma no ombro Comandar o principal com a mão


ou braço esquerdo direita o quanto antes.

Em caso de pane, proceder o PE com a


mão direita

10
3.6 ABERTURA IDA – IDENTIFICAR, DECIDIR E AGIR

Paraquedas aberto

CHECK VISUAL

• velame retangular
• células infladas
• linhas esticadas e desembaraçadas
• slider baixo

CHECK FUNCIONAL

• flare 5 seg
• 90° direita
• 90° esquerda

OK PARA CHECK VISUAL E FUNCIONAL

• Onde estou?
• Para onde vou? E QUAL O TRÁFEGO?
• Qual é o vento?

VELAME QUE NÃO PASSOU NO CHECK VISUAL E


FUNCIONAL, PROCEDIMENTO DE EMERGÊNCIA - PE

11
PARA O PROCEDIMENTO DE EMERGÊNCIA ADOTAREMOS
A PADRONIZAÇÃO DOS NOSSOS CURSOS DE PRIMEIRO
SALTO:
OLHA – para o punho do desconector
PEGA – o punho do desconector
OLHA – para o punho do reserva
PUXA – o punho do desconector
PEGA – o punho do reserva
PUXA – o punho do reserva
SELA – retorna a box position
________________________________

4 - ANORMALIDADES

Check Visual
1. Células desinfladas; Resolver.
IDA – Identificar, decidir e agir
Check Funcional...

Check Visual
2. Slider alto; Resolver.
IDA – Identificar, decidir e agir
Check Funcional...

12
3. Uma linha arrebentada; Check Visual
Avaliar se é possível
IDA – Identificar, decidir e agir
conviver.
Check Funcional...

4. Twist Desfazer o Twist até 2500”


Após desfeita a anormalidade, proceder
check visual e funcional

Caso não resolvido até 2500”, Reserva - PE


NUNCA DESALOJAR OS FREIOS ANTES DE
DESFAZER O TWIST

5. Pilotinho passando Tentar conviver


na frente do velame
Check Visual
IDA - Identificar, decidir e agir
Check Funcional...

13
5 - PANES DE BAIXA VELOCIDADE

1. Slider Alto
Linhas
Embaraçadas

PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

2. Line Over

PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

3. Duas ou mais
linhas arrebentadas
PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA
14
4. Rasgo no velame

PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

5. Mais de duas
células fechadas

PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

6. Velame não está


com formato
retangular

PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

15
7. Freio solto, ou
linha de freio
arrebentada
PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

6 - PANES DE ALTA VELOCIDADE

1. Pilot chute in tow

PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

2. Bag lock

PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

16
3. Ferradura

PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

4. Slider Hung Up

PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

________________________________

17
7 – DUPLA ABERTURA

Biplano
Desconectar o RSL.
Não desfazer os
freios. Navegar
lenta e suavemente
com os tirantes
traseiros do velame
maior. Não fazer
flare no pouso e
realizar o
rolamento.

Side by Side
Desconectar o
RSL.
Navegar lenta e
suavemente usando
os tirante traseiros
de ambos os
velames, sempre os
deixando unidos. Não fazer o flare no pouso e realizar o
rolamento.

18
Down Plane
Procedimento de
emergência
imediatamente.
Se houver tempo,
Desconectar o RSL.
PROCEDIMENTO
DE
EMERGÊNCIA

PARA SITUAÇÕES COM PRINCIPAL E RESERVA


ENGANCHADOS VAMOS TENTAR RECOLHER O VELAME
QUE ESTIVER MENOS INFLADO, E EXECUTAR ROLAMENTO
NO POUSO.
________________________________

8 – NAVEGAÇÃO
COLISÕES
PREVINIR
- Observar o tráfego,
- Sempre realizar curvas de tirantes ao abrir o
paraquedas,
- Respeitar o tráfego padrão para a final.
19
SE A COLISÃO FOR IMINENTE
- Ambos os paraquedistas devem realizar curva à
direita, energicamente.
-Caso colidam, ambos devem conversar antes de
agir.
- Se abaixo de 1000” ambos devem comandar o
reserva a fim de aumentar o arrasto.

POUSOS / OBSTÁCULOS

ÁRVORES
- Trazer os batoques a meio freio com os braços
cruzados a fim de proteger o tórax e pescoço
- Pés e joelhos firmemente juntos
- Tentar acertar a parte maior ou central da
árvore.
- Após o contato abrir braços e pernas a fim de
evitar cair.
- Caso caia da árvore executar o rolamento,
- Não desconectar e esperar socorro.

FRIOS ELÉTRICOS
- Procurar navegar paralelo aos fios para evitar o
contato.

20
- Trazer os batoques a meio freio cruzando os
braços.
- Se ficar pendurado, aguardar o resgate.
- Se cair dos fios executar o rolamento, se
desconectar e tentar evacuar a área com atenção
a possíveis fios no solo.

SUPERFÍCIE LÍQUIDA
- Inflar LPU
- Desacoplar o RSL
- Afrouxar tirantes de peito e pernas
- Pousar de vento de nariz, ou través
- Encher os pulmões de ar antes de tocar a água
- Mergulhar e, ou nadar para fora do velame
- Logo após pousar, desequipar-se e aliviar peso
- Se possível pouse próximo à margens,
embarcações, ou qualquer meio flutuante e
mantenha a calma
TELHADOS E PRÉDIOS
- Reduzir velocidade
- Proteger o corpo
- Flaire a 4m do impacto
- Tocar o obstáculo primeiro com os pés
- Pernas semi flexionadas e se possível executar o
rolamento
- Após o pouso desacoplar o RSL, desconectar o
principal, ou recolher o velame reserva.
21
FLAT TURN e CURVA A MEIO FREIO

Como último tópico desse guia vamos recordar os


princípios da Flat Turn, e da curva a meio freio.
A flat turn consiste resumidamente em acionar um batoque a
meio freio seguido imediatamente pelo outro batoque, o que
permite menor afundamento em uma curva.
Já a curva a meio freio traz os dois batoques juntos a meio freio,
seguido de leve diferença entre eles, abaixando levemente o
batoque para o lado que se pretende fazer a curva e levantando
levemente o batoque contrário, permitindo uma curva um
pouco mais lenta, e também com pouco afundamento. Ambos
os recursos são recomendados para correções quando já não se
têm tanta altura (abaixo dos 300 pés) para realizar uma curva
normal em uma manobra evasiva, no entanto servirá muito
bem como uma CURVA MENOR EFEITO, CONSEQUENTEMENTE
MENOR AFUNDAMENTO com mais altura. Tendo portanto
outras vantagens além de prevenir uma aproximação perigosa
do solo, como por exemplo;
- evitar afundamento em navegações quando estiver
distante da área de pouso.
- e agir preventivamente em tráfegos com muitos
atletas como em um big way ou lançamento com aviões
grandes realizando curvas mais lentas, afundando menos e
tendo mais tempo para avaliar o tráfego a sua volta.
_________________________________

22
POR FIM, NÃO SOMENTE SOBRE AS FLAT TURNS,
COMO SOBRE TODOS OS OUTROS TÓPICOS ABORDADOS
RESUMIDAMENTE NESTE GUIA, ENCORAJAMOS VOCÊ,
ATLETA, A SEMPRE VOLTAR À SUA APÓSTILA DE
PRIMEIRO SALTO, A BUSCAR NOVOS MATERIAIS
INSTRUCIONAIS, A LER CONTEÚDOS COMO O SIM –
SKYDIVE INFORMATION MANUAL DA USPA (UNITED
STATES PARACHUTE ASSOCIATION), A LER OS MANUAIS
DO SEU EQUIPAMENTO, E COMO DITO ANTERIORMENTE
A SEMPRE DISCUTIR SUAS DÚVIDAS COM SEUS
INSTRUTORES E PROFISSIONAIS DE MANUTENÇÃO DE
EQUIPAMENTO, E A AGIR PREVENTIVAMENTE.
BONS SALTOS E POUSOS SUAVE.

DANIEL OLIVEIRA - TUCA


CBPQ 81194 – D
REC CEM - TUK
USPA D – 37362
T.I SIGMA

paratucapqd@gmail.com

23