Sie sind auf Seite 1von 70

APRESENTAÇÃO

Olá! Seja bem-vindo! Meu nome é Eduardo.

Estamos começando o curso de Departamento Pessoal


Informatizado, o curso está estruturado em módulos.

Veja abaixo:

Módulo I – Introdução
Módulo II - Recrutamento, Seleção e Admissão de Pessoal
Modulo III - A Previdência Social – (INSS) Instituto Nacional do Seguro
Social
Módulo IV- Folha de Pagamento
Módulo V- 13o. Salário Integral e Proporcional
Módulo VI – Férias
Módulo VII - Punições Aplicadas pelo Empregador
Módulo VIII - Seguro Desemprego do Trabalhador
Módulo IX - Afastamento e Direitos do Empregado/Empregador

Neste curso, você aprenderá a atender a política empresarial e o mercado de trabalho


globalizado que é cada vez mais exigente.
Desejo que aproveite bastante o curso, não deixe dúvidas, estude todo o material e
faça todas as atividades!

2
MODULO I – INTRODUÇÃO
Organograma do departamento de Pessoal
O organograma é uma divisão ou órgão da empresa, encarregado de um conjunto
específico de tarefas ou atividades.
Numa grande empresa ou conforme a estrutura da mesma, o Departamento de
Pessoal poderá ser subdividido em diversas seções.

Um ponto importante na área do departamento pessoa é sobre as categorias dos


empregados, empregadores e suas leis.

Empregador: Considera-se empregador a empresa, individual ou


coletiva que assumindo os riscos da atividade econômica, admite,
assalaria e dirige a prestação pessoal de serviços.

Parágrafo primeiro – Equiparam-se ao empregador, para os efeitos


exclusivos da relação de emprego, os profissionais liberais, as
instituições de beneficências, as Associações recreativas ou outras
instituições sem fins lucrativos, que admitirem trabalhadores como
empregados.

Parágrafo segundo – Sempre que uma ou mais empresas, tendo,


embora, cada uma delas personalidades jurídica própria, estiveram
sobre a direção, controle ou administração de outra, constituindo grupo
industrial, comercial ou de qualquer outra atividade econômica, serão,
para os efeitos da relação de emprego, solidariamente responsáveis a
empresa principal e cada uma das subordinadas (Artigo 2 da CLT).

3
Empregado: Considera-se empregado toda a pessoa física que
prestar serviços de natureza não eventual (casual) a empregador, sob
a dependência deste mediante salário (Artigo 3 da CLT).

Parágrafo Único – Não haverá distinções relativas a espécie de


emprego e a condição de trabalhador, nem entre o trabalho
intelectual, técnico e manual.

Direito do trabalho é o conjunto das normas que regulam as relações


de trabalho entre empregado e empregador. O conjunto de leis
referentes ao Direito do Trabalho recebe o nome de Legislação
Trabalhista e estas leis encontram-se reunidas na CLT –
Consolidação das Leis do Trabalho.

Pessoa física ou jurídica, proprietária ou não que explore a atividade


agroeconômica, em caráter permanente ou temporário, diretamente ou
através de prepostos e com auxílio de empregadores. Sempre que uma
ou mais empresas, embora tendo cada uma delas personalidade jurídica
própria, estiverem sob direção, controle ou administração de outra,
mesmo guardando cada uma sua autonomia, integram grupo econômico
ou financeiro rural, serão responsáveis solidariamente nas obrigações
decorrentes da relação de emprego. Lei 5.889, de 08/06/73 e Decreto Lei
73.626, de 12/02/74.

Empregado Rural - Empregado rural é toda pessoa física que, em


propriedade rural ou prédio rústico, presta serviços de natureza não
eventual a empregador rural, sob a dependência deste e mediante salário.
Lei n° 5.889, de 08/06/73 e Decreto Lei 73.626, de 12102/74.

4
Considera-se empregador público, a União, os Estados, os
Territórios, os Municípios, as Autarquias e Fundações que.
assumindo os riscos de atividade econômica ou não, admite,
assalaria e dirige a prestação pessoal de serviços. O setor
público pode contratar o serviço público pela CLT ou por Regime
Jurídico Único dos Servidores Públicos (ESTATUTO) ou ainda,
através de Contratos Temporários.

Empregado de Empresa Pública - Considera-se empregado


público toda pessoa física que prestar serviços de natureza não
eventual a empresas que pertencem aos Municípios, aos
Estados, a União, isto é, empresas públicas onde o Estado é o
empregador e o empregado está sob a dependência deste
mediante salário.

5
Compreende-se como empresa de trabalho temporário a pessoa
física ou jurídica urbana. Cuja atividade consiste em colocar à
disposição seus serviços a outras empresas. Lei 6.019. de
03/01/74 e Decreto Lei 73.841 de 13/03/74.

Empresa Tomadora de Serviço ou Cliente - Considera-se


empresa tomadora de serviço, a pessoa física ou jurídica que em
virtude de necessidade transitória de substituição de seu pessoal
regular e permanente ou de acréscimo extraordinário de tarefas,
contrate locação de mão-de-obra com empresa de trabalho
temporário.
Ex.: empresa contratante de serviços de limpeza, conservação,
zeladoria, vigilância e segurança. Este tipo de contrato não dá
direito a Estabilidade Provisória prevista no artigo 118,
daiein°8.213/91. O contrato entre a empresa de trabalho
temporário e a empresa tomadora ou cliente, com relação a um
mesmo empregado, não poderá exceder de 3(três) meses, salvo
autorização conferida pelo órgão do Ministério do Trabalho e
Previdência Social.

Trabalhador Temporário - É aquele contratado por empresa


de trabalho temporário, para prestação de serviço destinado a
atender necessidade transitória de substituição de pessoas
regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de tarefas e
outra empresa. Lei n° 6.019. de 03/01/74 e Decreto Lei 73.841
de 13/03/74.

6
Considera-se Empregador Doméstico, a pessoa física que admite,
assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço e. que também explore
serviços de empregados domésticos, em caráter permanente ou
temporário.

FGTS Facultativo, Medida Provisória n° 1.986-2, de 1010212.0000 -


É facultativo ao empregador ou patrão a inclusão do empregado
doméstico no FGTS, efetivando o primeiro depósito na conta vinculada
do empregado, torna-se obrigatório a seu o recolhimento. O valor do
FGTS, a ser recolhido, é 8% sobre o salário contratual. O recolhimento
é na CEF até o dia 7 do mês seguinte ou anterior se for feriado neste
dia, o recolhimento é na GFIP.

Dispensa Sem Justa Causa - No caso de Dispensa Sem Justa Causa,


o empregador. além de ter que fazer os acertos da Rescisão no local de
trabalho, independentemente da quantidade de anos de trabalho do
empregado naquela residência. o patrão terá que depositar os 4O%.
calculado sobre o saldo do FGTS. existente na CEF. O recolhimento é
através da GRFC e o prazo é até o último dia do desligamento do
empregado doméstico.

7
Lei n° 5.869. de 11/12/72, Decreto Lei n° 71885, de 09/03/73 e Lei
n° 7.195, de 12/06/84. Constituição Federal do Brasil de 1988. artigo
7°. parágrafo único, Lei que regulamentou a Profissão de
Empregado Doméstico.
Considera-se empregado doméstico, homem e mulher, é aquele ou
aquela que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não
lucrativa a pessoa ou à família. no âmbito residencial.
Ex.: lavadeira, camareira, cozinheira, babá, jardineiro, caseiro de
pequeno sítio, serviços casual de motorista, etc.

Valor da contribuição/GPS Guia de Recolhimento da


Contribuição/Prazo de Recolhimento - a) Valor da Contribuição:
É o resultado das somas das alíquotas. do empregado e
empregador, com base no salário registrado na CTPS calculado,
conforme a Tabelado INSS.
b) GPS - Guia de Recolhimento e Prazo de- Recolhimento da
Contribuição: O recolhimento da contribuição para o INSS é através
da Guia GPS. O prazo para o recolhimento da contribuição é até o
dia 15 do mês seguinte, antecipando- se para o dia útil imediato
anterior, se neste dia não houver expediente bancário.

Seguro Desemprego do Doméstico - empregado doméstico fará


jus ao Seguro-Desemprego se for Dispensado Sem Justa Causa,
para isto deverá estar inscrita no FGTS. Direito ao Seguro-
Desemprego - Ter trabalhado, como empregado doméstico e ter
recolhido ao FGTS por um período mínimo de 15 meses, nos
últimas 24 meses contados da dispensa sem justa causa; o valor do
seguro-desemprego é igual a um salário mínimo; período de três
parcelas. de forma contínua ou alternada; declaração que não
possui renda própria de qualquer natureza,inclusive benefício da
Previdência, exceto pensão por morte ou auxílio-acidente, à sua
manutenção e de sua família; o Seguro Desemprego poderá ser
requerido de 7 a 90 dias contados da data da dispensa; o novo
Seguro Desemprego só poderá ser requerido a cada período de 16
meses decorridos da dispensa que originou o benefício anterior.

8
Considera-se estagiário curricular, as atividades de aprendizagem social,
profissional e cultural, proporcionada ao estudante pela participação em
situações reais de vida e trabalho de seu meio, sendo realizada na
comunidade em geral ou junto a pessoas de direito público ou privado, sob
responsabilidade e coordenação da instituição de ensino. Estagiário não
cria vínculo empregatício de qualquer natureza. Considera-se estagiário
somente para alunos matriculados em cursos do 2° grau e superior,
conforme determina a Lei n° 6.494, de 07/12/17 e Decreto nº 87.498, de
18/08/82.
Trabalhador autônomo: é aquele que exerce a profissão comercial ou
qualquer outro serviço autônomo a pessoa jurídica ou a pessoa física, sem
relação de emprego. É obrigatório o registro, nos órgãos Federais. Estadual
e Municipal, aos que exercem a atividade autônoma.
Considera-se o menor aprendiz, sujeito à formação profissional metódica do
ofício em que exerça o seu trabalho, e com vínculo à empresa par contrato
de aprendizagem, nos termos da legislação trabalhista cuja filiação será
permitida a partir de 14 e menor ria 18 anos de idade, conforme artigo 3° da
CLT alterado pela lei n° 6.086, de 15/07,74. artigo 6° OS/564/97. Entende-
se como sujeito a formação profissional metódica do ofício ou ocupação, o
trabalhador menor matriculado em curso cio SENA! ou SENAC ou em
cursos por eles reconhecidos nos termos da legislação que lhes for
pertinente.

Considera-se o trabalhador menor de idade é a partir de 16 anos e menor


de 18 anos de idade, eles podem trabalhar legalmente, conforme a Emenda
Constitucional nº 20, de 15112198, estando em vigor a lei a partir de
16/12/98. Conforme determina o artigo 405 e 407, da CL.T, trabalhador de
16 e menor de 18 anos de idade, é proibido trabalhar em:
- construção civil, fundações em terrenos, andaimes externos e internos;
- horário noturno de: 22:00 às 500 horas;
- local perigoso, insalubre ou penoso;
- local prejudicial à sua formação e ao seu desempenho físico, psíquico,
moral e social;
O trabalho do menor, deve ser realizado em horários e locais que permita a
freqüência à escola, conforme artigo 427 da CLT.
Na demissão, o responsável deve acompanhá-lo na homologação.

9
MODULO II - RECRUTAMENTO, SELEÇÃO E ADMISSÃO DE PESSOAL
Recrutar significa procurar, chamar ou ir ao encontro de pessoas que possuam
qualidades mínimas para atender às necessidades da empresa. A Emenda
Constitucional n° 20, de 15/12/98, diz que a partir de 16/12/98, a idade mínima para
ingresso ao mercado de trabalho é de 16 anos de idades.
O Recrutamento e a operação através da qual a empresa comunica de forma externa
ou interna as suas necessidades para preenchimento de vagas no quadro de pessoal.

Anúncios:
Anúncios em jornais, televisão, rádio ou outros meios de comunicação. Deve-se
observar a ocasião mais propícia à sua publicação e deverá conter os seguintes itens:
Nome da Empresa,Cargo ou Função, Requisitos exigidos para o cargo, Local e horário
de trabalho, oferecido pela empresa, Vantagens ou benefícios oferecidos aos que
forem admitidos: - Plano de Saúde, - Cesta básica, - Salário, - Cursos e Treinamentos.
etc. A Lei nº 13.088, de 11/01/99, proíbe aos anúncios publicitários a indicação de
requisitos relacionados com a: - boa aparência, - origem, raça, etnia, sexo, cor, credo
religioso ou qualquer outra forma de discriminação.

Agência de empregos:
As pessoas se dirigem a estas empresas para se escreverem ao emprego pretendido,
depois, conforme à disponibilidade serão chamadas para entrevistas. testes, etc.

Escola de cursos:
Escola de cursos profissionalizantes como: Senai, Senac. Compacto, onde mantém
convênios com diversas Agências de Empregos.

10
Indicação:
Através de outras pessoas que já trabalharam na empresa.
Uma vez recrutados os candidatos, apresentam-se a empresa para preencher a ficha
de "Inscrição ou Proposta de Emprego". Para preencher estes impressos o candidato
deve apresentar-se munido dos seguintes documentos:
- CTPS (carteira de trabalho e previdência social)
- CL (cédula de identidade ou carteira de identidade,
- CPF (cadastro de pessoa física)
-TE (título de eleitor), para maiores de 18 anos de idade e facultativo para maiores de
16 anos de idade,
- CDM (certificado de dispensa ou alistamento militar só para o sexo masculino,
currículo vitae.
Algumas empresas costumam exigir do candidato um resumo do seu currículo
profissional, neste caso, deverá anexá-la a ficha de inscrição ou proposta de emprego.

Proposta para Emprego


É um pedido de colocação feito por meio de formulário próprio da empresa,
preenchido e assinado, no setor de Recrutamento, pelo candidato, onde devem ficar
bem claro suas pretensões, ou seja, o cargo que pretende ocupar e outras
informações. A finalidade da Proposta para Emprego é identificar o candidato e colher
informações pessoal e profissional, documento valioso na seleção, ele é o espelho do
candidato, por isso deve ser analisando, criteriosamente pelo entrevistador.
O Currículum Vitae é o relatório detalhado da vida profissional do candidato, contendo
dados pessoais funções exercidas-anteriormente, experiências profissionais, cursos e
outros dados importantes. O Currículum-Vitae deve-ser confeccionado de forma bem
objetiva, no máximo com três folhas, é através dele que o entrevistador faz uma
análise do candidato mais profundo, na hora da seleção ao cargo pretendido.

11
Seleção
As técnicas de seleção mais usadas são os testes e as provas. A ordem usual dos
instrumentos de seleção é o seguinte:
-Triagem (pequena entrevista inicial);
-Formulário de inscrição ou Proposta para Emprego (já preenchida);
-Currículum Vitae (se houver);
- Aplicação de testes: Psicológicos(Tipo de exame onde se apuram várias aspectos da
personalidade da pessoa como: grau de inteligência, rapidez de raciocínio,
comportamento emocional, aptidões. Habilidades, temperamento, vocações ou
inclinações. ), conhecimentos gerais e profissionais(Os testes ou provas de
conhecimentos gerais, são de português. matemática, etc. Visam aferir a cultura geral
e a nível de instrução do candidato.
Os testes ou provas de conhecimentos profissionais é para medir a capacidade
profissional para exercer o cargo pretendido. );
- Entrevista Final (após as provas e testes).
O objetivo da entrevista é conhecer as características do candidato. Para isso, o
entrevistador faz perguntas abordando os seguintes aspectos:
Vida Profissional – verificar-se o candidato já trabalhou, quantas vezes mudou de
emprego e quais os motivos das mudanças e verificar a experiência profissional do
candidato.
Vida escolar – verificar se o candidato estuda, se parou de estudar e qual o motivo.
Se pretende continuar estudando, quais as matérias que mais gosta.
Vida Familiar e Social — verificar se o relacionamento do candidato com a família e
os amigos é bom ou não. Verificar seus principais interesses: esportes, música, leitura,
cinema, televisão, etc.
Pretensões profissionais — verificar o que o candidato espera e o que pretende
oferecer a empresa.

12
Dicas que podem ajudar na hora da Entrevista:

Cuide de sua aparência, ela está sendo “Vendida”.EIa é o seu cartão de visita; - Vista-
se com sobriedade e de acordo com o estilo da Empresa;

Não use roupas colantes, decotadas e saias muito curtas. Use cores neutras; - O que
está na moda nem sempre é conveniente;

• Evite excesso de maquilagem ou perfume muito forte;

• Evite camiseta sem manga, chinelo, bermuda, brinco para o sexo masculino;

• Procure manter sempre a calma;

• Ao entrar ou sair da sala de entrevista, cumprimente o entrevistador;

• Mostre-se simpático(a), gentil, cortês e use sempre o tratamento de Senhor e


Senhora;

• Procure postar corretamente na frente do entrevistador (sentar


adequadamente);

• Procure o máximo de informações sobre a empresa: ramo de negócios,


colocação no mercado, etc;

• Prepara-se para responder não só sobre seu sucesso, mas também sobre
situações desagradáveis que lhe aconteceram;

• Ouça com atenção as perguntas e não interrompa o entrevistador, se não


entender a pergunta peça para repetir, ex.: por gentileza, por favor, etc.

• Procure ser claro em suas respostas, fale em tom de voz normal, com
entonação e segurança, olhando sempre nos olhos do entrevistador;

• Evite fazer gestos excessivos, usar gírias, mentir nunca;

• Evite falar mal de empresas e chefes anteriores;

• Evite perguntar sobre o salário, deixe por conta do entrevistador;

• Não fique como uma estátua e nem muito impaciente na hora da entrevista.

13
Assim que o candidato é convidado para fazer parte do
quadro de funcionários de uma empresa, inicia-se o
preenchimento de vários documentos para cumprir
exigências legais, veja abaixo:

Exame Médico: O artigo 168 da CLT e Portaria da Secretaria Segurança e Saúde do


Trabalho, n° 024, de 29/1211994, diz que o trabalhador deve ser submetido a exame
médico antes da contratação por conta da empresa.

CTPS: A CTPS é obrigatória: Ninguém poderá exercer um emprego, inclusive rural,


mesmo em caráter temporário, sem que disponha da CTPS assinada pelo
empregador. A empresa ao admitir o empregado, tem prazo de 48 horas (2 dias úteis)
para anotar na CTPS todos os dados fundamentais que configuram a relação de
empregado:
- A data de admissão do empregado e duração do contrato de trabalho;
- O salário que receberá pelos serviços prestados;
- A função que exercerá e o número do C.B.O - Classificação Brasileira de
ocupações.
O C.B.O é de grande importância, porque nenhum trabalhador poderá ocupar uma
função, se não estiver relacionada com o respectivo número do CBO, até mesmo, nos
casos de reclamação trabalhista. A CTPS servirá de prova nos seguintes casos:
- de dissídios na Justiça do Trabalho;
- junto ao INSS;
- para efeitos de indenização por acidentes de trabalho e moléstias profissionais.

14
Atualizações e Anotações ria CTPS:
A CTPS deve ser entregue, contra recibo, a empresa para acertos, conforme
determina o art. 28. da CLT. No que se refere as alterações salariais, determina a
portaria MTPS n° 3.626, de 13/11/93, que atualização será efetuada na data da
categoria a que pertença o empregado, salvo na rescisão contratual ou a seu pedido,
para fins previdenciários. Também, deverão ser atualizadas quando ocorrer alterações
das cláusulas contratuais, tais como: função, mudança no local de trabalho, renovação
de contrato a prazo, férias, valor da contribuição sindical, etc. É proibido a empresa
anotar na CTPS, às causas que motivaram a dispensa do empregado.

Verificar na CTPS se descontou a Contribuição Sindical A empresa ao admitir o


empregado, deverá verificar no Campo da CTPS se foi anotado a Contribuição
Sindical deste ano, caso, ainda, não tenha pago a contribuição, neste ano, a Empresa
deverá providenciar para o desconto no mês subseqüente a sua admissão.

Verificar se há o número do PlS na CTPS O novo modelo da CTPS, a partir de


janeiro de 1997, já consta o número do PIS, este número será usada em toda vida
profissional do empregado. O PIS - Programa de Integração Social e o PASEP -
Programa de Formação do Patrimônio do Serviço Público, ambos foram criados em
1970, pelo Governo Federal e unificados a partir de 01/07/76, sob PIS/PASEP, têm por
objetivo integrar os trabalhadores na vida e no desenvolvimento das empresas e
entidades, sem fins lucrativos, no país.

Recolhimento do PISIPASEP efetuados pelas Empresas As empresas


particulares e públicas, são obrigadas a recolher, mensalmente, uma certa importância
no Fundo de Participação. Esta importância corresponde a uma porcentagem fixa pelo
Governo Federal sobre o total do faturamento da empresa ou total da folha de
pagamento mensal.

Retiradas dos Rendimentos ou Abono Anualmente Desde que a empregado


esteja cadastrado, no PIS/PASEP, pelo menos 5 ou mais anos ele poderá retirar todos
os anos, os Rendimentos ou Abono, na Caixa Econômica Federal ou representante,
conforme o calendário de pagamento distribuído, anualmente, pela CEF. Para isso,
basta apresentar a CTPS e comprovante de inscrição do PISP/PASEP.

15
RAIS - Relação Anual de Informações Sociais A RAIS serve para fins de
distribuição das cotas o PIS/PASEP aos empregados. ela deve ser preenchida através
de disquete, uma vez por ano, relacionando-se todos os empregados que trabalham
ou trabalharam naquele ano, informando todas as remunerações recebidas durante o
ano, de janeiro a dezembro de cada ano.

Prazo para entrega do disquete da RAIS O prazo de entrega do disquete da RAIS


a CEF.será conforme o número de empregados: - de 4 de janeiro a 22 de fevereiro.
com base no ano anterior. empresa com até 50 empregados. - de 4 de janeiro a 31 de
março, com base no ano anterior, empresa com mais de 50 empregados.

Preencher o Contrato de Trabalho por Experiência ou outro tipo de contrato,


conforme o caso: Período de vigência desse contrato tem como objetivo fazer com
que ambas as partes, empregador e empregado, se conheçam profissionalmente e
examinem a capacidade de ajuste entre as partes.O período máximo de duração,
desse contrato, é de 90 (noventa) dias corridos, ele poderá ser feito por 30, 60 e 90
dias corridos, podendo-se fazer uma única prorrogação, respeitando o prazo máximo
de 90 dias. Após este prazo, ele transformará em contrato por prazo Indeterminado
caso o empregado permaneça na empresa.

Gravidez durante o Contrato de Experiência


A empregada que venha a engravidar durante a vigência do contrato de trabalho por
experiência, ou que tenha sido admitida já grávida, não goza de nenhuma
estabilidade, e poderá ser dispensada pelo empregador durante o período do contrato
por experiência.
O Contrato de trabalho é o acordo tácito quando realizado verbalmente ou expresso
quando feito por escrito. Outros tipos de contrato de trabalho:
- Contrato por Prazo Determinado ou por Obra Certa:
É aquele no qual se estabelece o prazo para seu término,normalmente aplicado em
serviços não eventual.
- Contrato por Prazo Indeterminado: É o conjunto feito sem fixação de seu término ou
sem previsão de data. De uma maneira geral, é a modalidade mais largamente
adotada na maioria das empresas que têm atividades contínuas. É nesse contrato a
concessão do Aviso Prévio pela parte que tomar a iniciativa da Rescisão Contratual.

16
No artigo 452 da CLT diz que deve haver um espaço mínimo de 6 meses entre 2
contratos, para essa renovação.

Preencher a Ficha de Salário-Família e a Declaração de Salário-Família: A Ficha


de Salário Família somente deverá ser preenchida se a Remuneração enquadre na
Tabela do INSS e o empregado tiver filhos menores de 14 anos de idade ou inválidos.
A invalidez dos filhos deverá ser comprovada, através de atestado médico, expedido
pelo INSS. O Salário Família é pago todo mês na Folha de Pagamento do empregado
e mesmo que o casal trabalhe, ambos receberão todo mês. A empresa paga o Salário
Família, depois descontará quando for recolher as contribuições para o INSS. Através
da GPS (Guia da Previdência Social).

Para o Empregado ter direito ao Salário Família, é necessário que apresente o


seguinte:
- cópia da Certidão de Nascimento dos filhos menores de 14 anos de idade(se houver)
se houver filho inválido maior de 14 anos de idade,declaração expedida pelo INSS
para comprovar esta invalidez. Com aplicação da nova lei n° 9.876, de 26/11/1999. e
instrução Normativa n° 4/99, fica condicionado à apresentar, ainda, o seguinte:
- atestado anual de vacinação obrigatória, nos meses de maio, do filho menor de 7
anos de idade;
- comprovação de freqüência escolar, nos meses de maio e novembro, de cada ano,
do filho de 7 a 14 anos de idade;
- se houver filho inválido, de 7 a 14 anos de idade, que não poderá freqüentar a
escola, apresentar o atestado médico comprovando o fato.
O pagamento efetuado pela empresa. sem a comprovação da documentação exigida,
poderá ser cancelado pelo fiscal do INSS. E essa documentação deverá ser guardada
pela empresa durante dez anos, para efeito de fiscalização.

Preencher o Registro de Empregado ou Livro: No momento em que o empregado


começa a prestar serviço, tem que ser feito o seu registro. imediatamente. O Livro de
Registro de Empregados ou Fichas de Registros manual, não é mais necessário levar
a D.R.T, para ser autenticados. O Livro ou Fichas, tem que ter uma numeração
seqüente. Para usar as Fichas de Registro de Empregados informatizadas, é preciso
solicitar autorização da DRT, através do Memorial Descritivo, conforme Portaria nº
3.626/96, elas não serão autenticadas. Esta Portaria permite que a atualização da

17
Fichas ou Livro, em uso, pode ser armazenada no computador, o que não pode é
destruí-las, após lançar no computador, deverá ser guardada por um período de 30
anos ou mais. As Fichas ou Livro devem ser prontamente atualizadas, no caso de
aumentos de salários, promoções, férias, licenças e qualquer outro tipo de alteração.

Incluir o nome do empregado no quadro de Horário de Trabalho: O quadro deverá


ser fixado em lugar bem visível. Para as empresas com mais de 10 empregados, será
obrigatório a Função, a Hora de Entrada e Saída, os intervalos para refeição, conforme
o horário de cada empregado, o dia de repouso, geralmente considera o Domingo ou
outro dia.

Preencher a Declaração de Encargos de Família: A Declaração é obrigatória ser


preenchida pelo empregado, toda vez que for necessária, para fins do imposto de
renda mensal, sobre os rendimentos do trabalho assalariado. Para saber se o
empregado pagará o imposto de renda, deverá consultar a Tabela do Imposto de
Renda, da Receita Federal, porque existe o limite mínimo de isenção desse imposto.

Os dependentes para fins de Imposto de Renda na Fonte, são:


O cônjuge sem rendimentos ou quando declarar em conjunto.
A companheira que viva com o empregado há 5 anos ou mais e que esteja incluída
como dependente perante a Previdência Social, desde q impedidos de se casar, em
decorrência de desquite de qualquer um deles.
Filho (a) enteado ou menor pobre que contribuinte crie e:
- tenha menos de 21 anos de idade
- tenha 24 anos de idade e esteja cursando estabelecimento de ensino superior e não
aufira rendimentos próprios, suficientes para o seu sustento.Independente de idade,
filhas solteiras sem rendimentos próprios. As filhas abandonadas sem recursos pelo
marido ou viúvas sem rendimentos. Pais ou avós incapacitados para o trabalho, sem
rendimento próprio. Netos ou bisnetos menores de 21 anos ou inválidos, sem
rendimentos, sem arrimo de seus pais. Filho (a), irmã ou irmão inválido, incapaz para o
trabalho.

18
Confeccionar o Cartão de Ponto: O cartão de ponto é o controle de entrada e saída
do trabalhador na empresas onde trabalham mais de 10 empregados, é obrigatório de
se ter o registro das horas trabalhadas por estas empresas, por meio de cartão de
ponto, podendo a empresa adotar ou não relógio de ponto. Só ficam excluídos, de
marcar o cartão de ponto, os empregados que exerçam cargo de confiança, como:
- Diretores
- Gerentes, Chefes de Seção, etc.
- Vendedores, Viajantes e Promotores de Vendas
- Outros empregados não sujeitos a horários
Estes empregados, devem assinar o livro de ponto uma vez por mês, para comprovar
o trabalho na empresa.

Se a empresa adotar o uniforme obrigatório, na hora da entrada da empresa:


- Primeiro bate o cartão de ponto, depois é que veste o uniforme.

Na hora da saída:
- bate o cartão de ponto, depois é que tira a roupa do uniforme.
A marcação do cartão de ponto deve ser feita pelo próprio empregado, é proibido
terceiro marcar o cartão, se isso acontecer poderá da Dispensa por Justa Causa.

Obter do empregado a Declaração de Opção do Vale- ransporte: O Vale –


Transporte é um direito do trabalhador, é obrigatório fazer sua opção por recebê-lo ou
não, através de declaração preenchida na empresa e assinada pelo empregado.
O uso do vale – transporte é exclusivo da residência ao trabalho e vice – versa, o uso
indevido do vale – transporte, como vender ou trocar por mercadorias, dá o direito da
empresa dispensar o empregado por justa causa.

Solicitar a Carta de Fiança: Deverá ser solicitada, no caso de Caixa, Tesoureiro e


Cobrador.

Incluir o nome do empregado no CAGED: Trata-se de todos os empregados


admitidos e desligados durante o mês e informado até o dia 7 do mês subseqüente,
através de disquete ao Ministério do Trabalho.

19
MODULO III - A PREVIDÊNCIA SOCIAL (INSS) INSTITUTO NACIONAL DO
SEGURO SOCIAL.

Segurados da Providência Social


É o vínculo que se estabelece entre a Previdência Social e as pessoas do qual
decorrem direitos e obrigações, são os contribuintes:
Segurado Empregado É aquele que presta serviço de natureza urbana ou rural à
empresa em caráter não eventual. A contribuição mensal para a Previdência é
calculada mediante a aplicação da alíquota sobre o seu salário de contribuição, de
acordo com a tabela do INSS.
Segurado Empresário É o titular de uma firma individual urbana ou rural. A
contribuição mensal para a Previdência é sobre o salário de contribuição, mediante a
aplicação da Tabela do INSS.
Segurado Autônomo e Equiparado É aquele que trabalha por conta própria e
comprove o exercício da atividade profissional liberal e pessoal que exerce pequena
atividade comercial em via pública ou de porta em porta, como comerciante
ambulante, nos termos da Lei n°8 586 de 06/11/78.
Empregado e Trabalhador Avulso É aquele que presta serviço a diversas empresas
cadastrado e formalizado pelo contrato de trabalho, junto ao Sindicato ou Órgão
Gestor de Mão-de-obra. Ex.: trabalhador que exerce atividade portuária, ensacador de
café, cacau, sal, etc. A contribuição mensal para a Previdência é calculada mediante a
aplicação da alíquota sobre o salário de contribuição de acordo com a tabela do INSS.
Empregado Doméstico É a pessoa empregada em residência, de ambos os sexos. A
contribuição mensal para a Previdência é de acordo com a tabela do INSS, tomando
por base o salário contratual da CTPS.
Segurado Especial São os produtores rurais que exercem suas atividades no campo
em regime de economia familiar. A contribuição mensal para a Previdência é de
acordo com o Artigo 200, Seção III, do novo regulamento da Previdência Social.
Segurado Facultativo É aquele ou aquela que quiser contribuir para o INSS, desde que
tenha 16 anos de idade. Ex.: Dona-de-casa, estudante, Síndico de condomínio, etc. A
contribuição mensal para a Previdência é sobre o salário de contribuição, mediante
aplicação da Tabela do INSS.

20
São os que dependem economicamente do Segurado, comprovadamente, como: -
Cônjuge, o companheiro, a companheira; - Filhos e filhas, legítimos, ilegítimos e
adotivos, menores de 21 anos ou inválidos, qualquer idade, sem rendimentos próprio; -
Pais e avós, sem renda própria, incapacitados para o trabalho;- Irmão e irmã, menores
de 21 anos, sem rendimentos próprios.

Benefícios da Previdência Social

a) aposentadoria por tempo de contribuição


b) aposentadoria especial
c) aposentadoria por Invalidez
d) aposentadoria por idade
e) auxílio-doença
f) salário-família
g) salário-maternidade
h) auxílio-reclusão
i) reabilitação profissional

Aposentadoria por Tempo de Contribuição De acordo com a Emenda


Constitucional n°20, de 15/12/98, quem filiou a Previdência Social, terá direito à
aposentadoria, conforme:
a) Trabalhadores Urbanos:
- Se homem aos 65 anos de idade e 35 anos de contribuições para com a Previdência
- Se mulher aos 60 anos de idade e 30 anos de contribuições para com a Previdência.
b) Trabalhadores Rurais:
- Se homem aos 60 anos de idade a 30 anos de contribuições pia Previdência
- Se mulher aos 55 anos de idade e 25 anos de contribuições p1 Previdência

Aposentadoria Especial:
De acordo com a Emenda Constitucional n°20, de 15112198, ficou definido, assim:
c) Professores(as) suas funções de magistério na Educação Infantil, Ensino
Fundamental e Médio:
- Se homem aos 30 anos de contribuições para com a Previdência
- Se mulher aos 25 anos de contribuições p1 Previdência
d) Serviços considerados Insalubres ou Agentes Nocivos à Saúde-:

21
São os serviços prejudicais à saúde, somente para os homens, determinado pela
Delegacia Regional do Trabalho o grau de insalubridade. Conforme a saúde do
trabalhador e comprovado em exames médicos pelo SUS, ele poderá aposentar com:
15. 20 ou 25 anos de contribuição com a Previdência Social.

Acidente do trabalho

Conforme disposto do Regulamento dos benefícios da Previdência Social. Decreto


611, de 21/07/92, Doença do Trabalho ou Acidente do Trabalho é o que ocorre:
- pelo exercício do trabalho, bem como, em viagens de serviço da empresa;
- no percurso da residência para o local de trabalho e vice-versa;
- nos períodos destinados a refeição ou descanso, independente do meio de
locomoção utilizado;
Conforme Decreto n° 3.048,de 06/05/1999, artigo 104, novo Regulamento Previdência
Social diz o seguinte:
O auxílio-acidente será concedido, como indenização, ao segurado empregado,
exceto doméstico, após a consolidação das lesões decorrentes de acidente de
qualquer natureza, resultar seqüela definitiva que implique:
- redução da capacidade para o trabalho que habitualmente exercia;
- Lesão corporal ou perturbação funcional que causa a morte.

Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT)

A empresa deverá comunicar o acidente do trabalho a Previdência Social até o


primeiro dia útil seguinte o da ocorrência e em caso de falecimento do empregado a
autoridade competente.
A comunicação deverá ser feita através do formulário próprio CAT (Comunicação de
Acidente do Trabalho).

CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes)


A CIPA, foi criada pela Portaria n° 3.214, de 08/06/78, e com a publicação da Portaria
SSST(Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho) n° 8, de 23/02/99.
Sabendo da importância da segurança para a produção e dos prejuízos financeiros
causados por acidentes, o Governa estabeleceu normas regulamentos- sobre
segurança e medicina cio trabalho ria empresa. Partindo do pressuposto de que o
acidente do trabalho é fruto de causas que podem ser eliminadas ou atenuadas, às
vezes pelo empregado, às vezes pela própria empresa ou em alguns casos pelas ação

22
conjugada de ambos. concluiu pela criação da CIPA, é formada por representantes
dos empregados e do empregador.
Suas principais funções são:
- sugerir medidas de seguranças-e prevenção de incêndio;
- fiscalizar a colocação de extintores de incêndio e hidrantes e verificar o seu
funcionamento;
- periodicamente, promover a realização de cursos de prevenção;
- mensalmente lavrar Ata em livro próprio,devidamente registrado no Ministério do
Trabalho. e encaminhar, trimestralmente, relatório ao Ministério do Trabalho, de
acordo com formulário fornecido pelo órgão.

Livro de inspeção do Trabalho


É obrigatório para todas as empresas. O agente de Inspeção nele registrará sua visita
ao estabelecimento, o resultado da Inspeção, isto é as irregularidades encontradas e
as exigências a serem feitas, com os respectivos prazos de cumprimento. O livro
deverá ser autenticado na Delegacia Regional do Trabalho ou no Posto de
Fiscalização do INSS.

23
MÓDULO IV- FOLHA DE PAGAMENTO

Ficha financeira
É um impresso adotado na maioria da empresas, sua finalidade é facilitar o cálculo da
Folha de Pagamento e fornecer a primeira vista todos as dados referentes aos
empregados individualmente. Funciona como rascunho e é um grande auxiliar da
Folha de Pagamento mensal.
Jornada de Trabalho e Quadro das atividades
A duração normal do trabalho para os empregados em qualquer atividade privada, ou
seja, empresa particular, não excederá de 7 horas e 20 minutos por dia, sendo que
poderá transformar em 8 horas. Sendo 44 horas por semana, perfazendo o total de
220 HJ por mês, ou seja: (2 a 6) 5 dias x 8 =40h + 4 h no sábado = 44 H/p/ semana x
5(semanas=1 mês) = 220 por mês. Veja abaixo o Quadro de Atividades de Trabalho.

24
Período de Descanso

a) Entre 2 (duas) jornadas de trabalho, ou seja, um dia e outro de serviço prestado, na


mesma empresa haverá um período mínimo de 11 (onze) horas consecutivas de
descanso.
b) Em cada período de mais de 4 (quatro) horas e menos de 6 (seis) horas de
trabalho, na mesma empresa, o empregado terá direito a 15(quinze) minutos de
descanso, da sua hora normal.
c) Quando a duração do trabalho exceder a 6(seis) horas .de trabalho contínuo,
haverá, um período mínimo de 1(uma) hora e, no máximo, de 2(duas) horas para
alimentação e repouso. Estas horas não são pagas pela empresa, referem-se a
intervalo de almoço.
d) Será assegurado a todo empregado um descanso semanal remunerado de 24
horas consecutivo, que deverá coincidir com o Domingo ou outro dia conforme a
atividade da empresa. Se o empregado for convocado para trabalhar no dia do
repouso, receberá em dobro ou terá outro dia no lugar do repouso.
e) Os médicos obedecem a uma jornada de 2 (duas) horas no mínimo e 4 (quatro)
horas no máximo, com intervalo de 10(dez) minutos a cada 90(noventa) minutos de
trabalho.
f) Os professores obedecem a uma jornada de 4 (quatro) aulas contínuas ou 6 (seis)
intercaladas, no mesmo estabelecimento de ensino.
g) Os empregados que trabalham dentro de câmaras frigoríficas, no caso de entrar e
sair com mercadorias, descansam 20 minutos após 100 minutos de trabalho -e
ganham esses descansos.
h) Os digitadores têm 10 minutos de intervalos após cada 50 minutos de digitação. na
entrada de dados. Portaria no 3.751 de 23/11/80 do Ministério do Trabalho.

25
Prazo de Pagamento de Salários
A CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) estabelece três formas de pagamento de
empregados:
a) Semanalista — O pagamento deverá ser efetuado até o 5° dia útil do vencimento
da semana.
b) Quinzenalista — O pagamento deverá ser efetuado até o 5° dia útil do vencimento
da quinzena
c) Mensalista — O pagamento deverá ser efetuado até o 5° dia útil do mês
subseqüente
Salário
Salário mensal é a contraprestação do serviço, devida e paga diretamente pelo
empregador, isto é, valor equivalente ao trabalho de 220, 180 ou 150 horas
trabalhadas no mês, ou outro fixado em contrato. O pagamento do salário deve ser
efetuado contra-recibo, onde serão discriminadas todas as parcelas pagas e o
pagamento poderá ser feito por crédito em conta corrente bancário ou no local do
trabalho. A retenção dolosa consiste no crime de apropriação indébita. Artigo 168, do
Código Penal.
Remuneração
A Remuneração compreende-se a soma das seguintes parcelas:
O Salário, Tempo de Serviço, Horas Extras mais RSR, Comissões/RSR, Gratificações,
Adicional Noturno/RSR, Adicional de Insalubridade ou Adicional de Periculosidade. O
resultado será a Remuneração.
Jornada de Trabalho Noturno – De 22 Horas às 5 Horas
O trabalho noturno é aquele compreendido entre às 22 horas e 5 horas. A hora
noturna é de 52 minutos e trinta segundos, ou seja, 7 minutos e 30 segundos a menos
do que a hora diurna.

26
Adicional Noturno
É o horário de 22 horas às 5 horas e estas horas trabalhadas são reduzidas, de
acordo com o Quadro do Horário Noturno, sobre elas terão um acréscimo mínimo de
20% ou outro, conforme a Convenção Sindical da Categoria é chamado de
ADICIONAL NOTURNO. Só os maiores de 18 anos de idade. que poderão trabalhar
no horário noturno de 22h às 5 horas.
Base de Cálculo do Adicional Noturno
Será a soma das seguintes parcelas:
O Salário, mais Comissão, mais Gratificação, mais Tempo de Serviço(se houver,),
mais Adicional de Insalubridade ou Periculosidade. O resultado será a Base de
Cálculo (BC).
Como calcular o Adicional Noturno
Dividir a Base de Cálculo do Adicional Noturno, pela Jornada Mensal(220, 180 ou
150,). O resultado multiplicar pelo fator 1.20( 20%). O resultado multiplicar pelos
números de horas trabalhadas noturnas. O resultado será o do Adicional Noturno, em
seguida calcula-se o RSR. (Para achar o Fator: 100 + 20 = 1.20).
100
Cálculo do RSR (Repouso Semanal Remunerado
Dividir o resultado do Adicional Noturno, pelos dias úteis do mês e multiplicar pelos
dias não úteis do mês. Exemplo: um empregado fez 2 horas noturnas, com o
acréscimo de 20% do Adicional Sendo a Base de Cálculo do Adicional R$ 400,00.
(Cálculo BC = 400,00: 221) = 1,82 X 1.20(fator) = 2,18 X 2h = 4,36, em seguida,
calcular RSR).

Horas Extras por Serviços Inadiáveis


São horas extras obrigatórias, refere-se certo serviço a ser entregue no prazo
determinado pela empresa, a empregado convocado não poderá recusar de prestar
este tipo de horas extras. Somente os maiores de 18 anos de idade que poderão fazer
estas horas extras e não poderão exceder a. 4 horas por dia. Estas horas extras terão
um acréscimo mínimo de 50%, sobre a hora normal, ou outro conforme a Convenção
Sindical da Categoria. Também, calcula-se o Repouso Semanal Remunerado nas
horas extras, parágrafo 2º, art. 61 da CLT.

27
Horas Extras por Motivo de Força Maior
São casos de horas extras por motivo. de: incêndio., inundação, acidente na empresa:
colisão, vendaval, etc.Este tipo de horas extras não há limite de horas trabalhadas e
nem o acréscimo mínimo de 50%, sobre a hora normal. O trabalhador menor de idade
(de 16 e menor de 18 anos),poderão fazer este tipo de horas extras e somente eles
que terão o acréscimo mínimo dos 50%, sobre a hora normal: para isso, deverá
comunicar a DRT, até 10 dias após o fato.

Horas Extras de Compensação – Acordos e Convenções Coletivas


São outros tipos de horas extras compensadas com o dia de serviço. A CLT, Artigo 59,
parágrafo 2° determina que esse tipo de horas extras não pode ultrapassar a 10 horas
diárias.

Horas Extras Contratada – Acordo de Prorrogação


As empresas firmam acordo por escrito, individual ou coletivo, com os empregados,
maiores de 18 anos de idade, durante 10 dias, 4, 5 ou 6 meses, renovando se
necessário o prazo, para fazer horas extras, estipulando o acréscimo ou o valor da
hora extra. O acordo de prorrogação será apresentado a fiscalização sempre que for
necessário. Calcula-se o RSR sobre as horas extras contratadas.

Hora Extra Diurna – De 5 às 22 Horas


São as horas que ultrapassam a jornada normal contratada, ou seja, o horário normal
de trabalho. Estas horas extras tem o acréscimo mínimo de 50% (fator:1.50), ou outro,
conforme Convenção Sindical da Categoria. Os menores de 18 anos de idade poderão
fazer este tipo de hora extra. (Nota: saber o Fator: 100+50=1.50) 100
a) Base de cálculo da Hora Extra Diurna — será a soma das seguintes parcelas:
O Salário + Comissão/RSR + Gratificação + Adicional Noturno/RSR + Adicional de
Insalubridade ou Periculosidade. O resultado será Base de Cálculo (BC).
b) Fórmula para cálculo da Hora Extra Diurna (HED):
Dividir a BC, pela JM (220,180 ou 150) o resultado será igual, 1 hora normal X o fator
1.50 o resultado será igual, 1 Hora Extra Diurna X(vezes) N°s Horas Trabalhadas o
resultado será igual, Total Horas Extras, em seguida, calcula-se o Repouso Semanal
Remunerado, conforme letra C.

28
BC (Base de Cálculo) = 1 Hora Normal X Fator 1.50 (50%) = HED X N°s Horas
Trabalhadas = Total Horas Extras
JM(220, 180 ou 150) (JM = Jornada Mensal)

Hora Extra Diurna – De 5 às 22 Horas


c) Cálculo do Repouso Semanal Remunerado(RSR) das Horas Extras Diurnas
Dividir o Total das Horas Extras pelos dias úteis do mês e multiplicar pelos dias não
úteis do mês. O resultado, será o RSR, em seguida, lançar em separados os
resultados: Horas Extras e RSR na Folha de Pagamento.
Os dias não úteis do mês são: Domingos — Feriados — Dias Santos

Comissão
O percentual, sobre a produção ou vendas, é estabelecido pela empresa e combinado
com o empregado no ato da sua contratação. Quando se tratar e comissionistas têm
que calcular o RSR.

Gratificação
É a forma de remunerar os empregados com uma quantia extra. A gratificação é uma
remuneração variável, mas a sua habitualidade, pelo período de 2 anos, poderá torná-
la fixa. Ex. de gratificação: Cumprimento de produção ou vendas, Chefia,
Representação, etc.

Diárias para Viagem


É uma quantia paga para cobrir despesas com execução de serviços externos
realizados pelo empregado. A Diária para viagem integra no salário do empregado
quando exceder de 50% do Salário total do empregado incidirá INSS, FGTS e IRRF,
sobre a Diária. Exemplo de Diárias: para alojamento, para alimentação. etc.

Gorjetas Espontâneas
É uma remuneração que o empregado recebe de terceiros (clientes). Este tipo de
remuneração é mais comumente adotada em bares, restaurantes, hotéis,
churrascarias, estações rodoviárias, aeroportos, supermercados, etc. artigo 457,
parágrafo 3°, da CLT.

29
Gorjeta Compulsória
É a importância cobrada pela empresa do cliente como adicional na Nota de
despesas.

Adicional de Insalubridade
É o trabalho realizado em condições insalubre, ou seja, em Minas de subsolo, esgotos,
poeiras ou outras substâncias que possam prejudicar o aparelho respiratório. O nível
de insalubridade é medido por Técnico da Delegacia Regional do Trabalho, em graus:
Mínimo. Médio e Máximo. O Adicional de Insalubridade é calculado com base no
“Salário Mínimo”
a) Se o Grau for Mínimo, será: 10% sobre o Salário Mínimo
b) Se o Grau for Médio, será: 20% sobre o Salário Mínimo
c) Se o Grau for Máximo, será: 40% sobre o Salário Mínimo.
Os empregados que executam este trabalho insalubre, deverá submeter a exame
médico pulmonar semestralmente.
Adicional de Periculosidade
É o trabalho em contato com inflamáveis ou explosivos, em condições de risco
acentuado. Se o empregado trabalha em serviços Insalubre e Periculosidade, ao
mesmo tempo, a empresa pagará o mais vantajoso.
A base de cálculo do Adicional de Periculosidade, será a soma das parcelas: O Salário
+ tempo de serviço + Gratificação Fixa + Adicional Noturno e RSR. O resultado
multiplicar por 30%. O resultado será o Adicional de Periculosidade.
Salário Maternidade
O início do afastamento do trabalho da empregada será determinado por atestado
médico fornecido pelo SUS (Serviço Único de Saúde), ou outro autorizado. O Salário
Maternidade será devido durante 120 dias corridos e a renda mensal será igual a
remuneração integral da empregada. A empresa paga o Salário Maternidade, na Folha
de Pagamento, depois, será reembolsada através da dedução da GPS. A empresa
deve elaborar a Ficha de Salário-Maternidade para empregada gestante, na qual será
lançado os registros de controle mensal de concessão desse auxílios.

30
Normas Especiais para o Trabalho da Mulher
De acordo com a Constituição Federal do Brasil, a mulher é proibida de trabalhar em
locais, considerados perigosos, como:
- contatos com produtos inflamáveis;
- contatas com explosivos;
- contatos com produtos químicos;
- locais insalubres, subterrâneos, como: minas de carvão, pedreiras, obras de
construção civil.

Outras Proibições, como:


- carregar peso superior a 20 quilos, em serviços contínuos;
- carregar 25 quilos, para serviço ocasional;
- trabalhar permanente aos Domingos, neste caso, a empresa deverá fazer escala
quinzenal de revezamento, de maneira que a empregada descanse no Domingo,
conforme Artigo 386, da CLT.
Faltas Legais que não Serão Descontadas no Salário Mensal
O artigo 473 da CLT, determina que o empregado pode deixar de comparecer ao
serviço sem prejuízo do salário nos seguintes casos:
a) Até 2 (dois) dias consecutivos, em caso de falecimento (apresentar a Certidão de
Óbito):
- companheira ou companheiro;
- cônjuge(esposo ou esposa);
- ascendentes(pai, mãe, avó, avô, bisavó., bisavô) ;
- descendentes(filho(a), neto(a) e bisneto(a));
- irmão, irmã ou pessoa declarada na CTPS, que viva sob a dependência econômica.
b) Até 3(três) dias consecutivos (apresentar a Certidão de Casamento):
- em virtude de casamento do empregado, no civil
c) Até 5(cinco) dias consecutivos (apresentar a Certidão de Nascimento).
- em caso de nascimento de filho do empregado, na primeira semana
d) 1(um) dia em cada 12(doze) meses (apresentar o Atestado do Banco de Sangue)
- em caso de doação de sangue voluntária, uma vez por ano
e) 2(dois) dias consecutivos ou não, apresentar o comprovante da Justiça Eleitoral
- em caso de alistamento eleitoral. Esta falta para tirar ou transferir o Título de Eleitor

31
Outras Faltas Legais sem Limites de Dias
a) Faltas no período de tempo em tiver que cumprir com as exigências do Serviço
Militar, como por exemplo:
- apresentação para alistamento militar e seleção de recrutamento;
- dia do reservista.
b) Faltas para servir de testemunha ou Jurado quando devidamente convocado pelas
autoridades legais.
c) Faltas para trabalhar na época de eleição, quando devidamente convocado. Se
trabalhar no dia do repouso remunerado, direito a falta será em dobro.
d) Faltas durante a suspensão preventiva para responder a inquérito administrativo ou
prisão preventiva quando for impronunciado ou absolvido.
e) Faltas nos dias em que estiver, comprovadamente, realizando provas de exame
vestibular, para ingresso em estabelecimento de ensino superior. Lei n° 9.471, de
14107/97, conforme art. 473 da CLT, inciso VII.

Faltas Legais por motivo de Licença Médica


a) Por motivo de Acidente de Trabalho e Doença
Neste casos, os primeiros 15 dias de afastamento do empregado ao serviço, são
pagos pela empresa. A partir do 16° dia em diante, o empregado recebe o benefício de
Auxilio Doença ou Acidente de Trabalho através do INSS. São considerados Acidentes
do Trabalho:
- doenças decorrentes e acidentes do exercício do trabalho;
- acidente ocorrido no percurso que o empregado faz para o trabalho, de ida e volta;
- percurso de ida e volta para o almoço;

b) Licença da Mulher por Motivo de Gestação ou Parto


A licença terá a duração de 120 dias corridos, sendo 28 dias corridos antes do parto e
92 dias corridos após o parto. Não se altera, esses dias, em caso de óbito do bebê ou
parto antecipado. Até que o filho complete 5 meses de idade, a mulher terá direito a
dois descansos especiais de meia hora cada um, durante a jornada de trabalho, para
que possas amamentar a criança. No caso de aborto não criminoso, a mulher terá o
direito a um repouso remunerado de 2(duas) semanas.

32
A falta poderá ser em dia ou em horas por atrasos, que o trabalhador não conseguiu
justificar e dará o direito da empresa descontar no salário do empregado, conforme
determina a Lei. Para calcular esta falta, será necessário obter a Base de Cálculo.
A Base de Cálculo será a soma das seguintes parcelas:
O Salário, Anuênios, Comissão e RSR(se houver), Gratificação, Adicional Noturno e
RSR, Adicional de Insalubridade ou Periculosidade. O resultado será a Base de
Cálculo (BC).
a) Cálculo da falta em dia por atraso:
Dividir a Base de Cálculo por 30. Multiplicar o resultado pelo dia ou dias que faltou. O
resultado será o valor a ser descontada na Folha de Pagamento.
Fórmula BC: 30 X N° Dia(s) ) = Valor a descontar
Conforme a CLT, a Empresa poderá descontar o RSR, da semana junto com a falta.

b) Cálculo da falta em hora por atraso:


Dividir a Base de Cálculo por 220, 180 ou 150. O resultado multiplicar pelos números
de horas que faltou. O resultado será o valor das horas a ser descontada na Folha de
Pagamento.
Fórmula BC: 220 X N° Horas Valor a descontar

c) Descontos das faltas de Horistas - Diaristas - Semanalistas

Se a forma do pagamento horista - diarista - semanalista é


semanal, o desconto da falta será o dia que o empregado, faltar ao
serviço, mais o repouso remunerado, bem como o desconto do
feriado e dia santo da semana. Lei 605, de 1949, da CLT.

Soma de Rendimentos da Folha de Pagamento


A Soma de Rendimento será a soma das seguintes parcelas:
O Salário + Horas Extras e RSR + Comissão/RSR + Gratificação + Adicional
Noturno/RSR + Adicional de Periculosidade ou Insalubridade (se houver), menos as
faltas e atrasos. O resultado é a Soma de Rendimentos, da Folha de Pagamento, que
será base para cálculo do seguinte:
- INSS dos Empregados e parte da Empresa;

33
- LRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte) dos empregados;
- FGTS dos empregados.

Cálculos do INSS e do IRRF dos Empregados


Os cálculos do INSS e do IRRF mensal dos empregados, serão calculados com base
na “Soma de Rendimentos” da Folha de Pagamento de cada empregada, da seguinte
forma:
a) O cálculo do INSS dos empregados é com base na Soma de Rendimentos
Consultar a Tabela do INSS com base na faixa do Salário de Contribuição, em
seguida, acha-se a alíquota correspondente que será multiplicada, o resultado será o
valor do INSS, obedecendo o teto máximo de contribuição para o INSS.
b) O cálculo do IRRF dos empregados é com base na Soma de Rendimentos
Primeiro deve-se fazer a dedução do valor da contribuição do INSS e do valor por
dependente (se houver), o resultado, consultar a Tabela do IRRF, de acordo com Base
de Cálculo, multiplicar a alíquota correspondente.O resultado, menos a Parcela a
Deduzir, o resultado, será o IRRE.
Se houver, Pensão Alimentícia judicial ou se o empregado for maior de 65 anos, ou
outros casos, conforme a Lei, deverá fazer a dedução, também, destes valores, da
Soma de Rendimentos.

Contribuição Sindical
A Contribuição Sindical é descontada no salário do empregado, uma vez por ano, a
partir do mês de março ou no mês subseqüente da admissão do empregado que não
tenha ainda pago a Contribuição Sindical, neste ano.

Base de Cálculo da Contribuição Sindical, será a soma das seguintes parcelas:


O Salário, Comissão Fixa, Gratificação, Adicional Noturno/RSR, Adicional de
Insalubridade ou Periculosidade. O resultado dividir por 30 (1730 avos). O resultado
será igual a um dia de serviço, que será o valor da Contribuição Sindical.
a) No caso de empregado afastado por motivo de licença não remunerada, auxílio
doença, a contribuição será descontada no mês seguinte ao retomo do trabalho.
b) Quando o salário for pago por tarefa, empreitada, comissão mais parte fixa, hora,
apura o salário do mês e desconta a contribuição sindical correspondente a 1/30 avos
da importância que serviu de base para cálculo do INSS.

34
Vale – Transporte
O Vale Transporte é um direito do trabalhador e que é
obrigado a fazer a sua opção, através da Declaração de Opção
do Vale Transporte, para ter ou não este benefício na empresa
onde trabalha. Toda vez que houver alteração de endereço ou
mudança de linhas de ônibus, o empregado deverá atualizar
estes dados, através da Declaração na empresa.
Para saber o valor total do Vale Transporte, para descontar no
salário do empregado, faz-se dois cálculos, a saber:
a) multiplica-se 6% sobre o “Salário Contratual”, excluindo
quaisquer vantagens;
b) Soma-se o total dos vales, pelo valor da condução diária.
O menor resultado, de uma das letras acima, que será
descontado no salário do empregado.

Pensão Alimentícia

A Pensão Alimentícia é um desconto feito em Folha de Pagamento


conforme decisão Judicial e a empresa apenas acata esta ordem.

Adiantamentos ou vales

São os adiantamentos que a empresa fazem aos seus empregados para desconto em
Folha de Pagamento mensal.

Outros descontos

São descontos de Seguros de Vidas, Planos de Saúde, Cooperativas, Associações


Recreativas, etc.

Salário - Família

O Salário-Família é um direito do empregado, desde que tenha filho menor de 14 anos


de idade ou inválido de qualquer idade e que a sua Remuneração enquadre, conforme
consta na Tabela do Salário-Família do INSS.
Base de cálculo da Remuneração — será o somatório das seguintes parcelas:

35
Salário, Comissão e RSR, Horas Extras e RSR, Gratificação, Adicional Noturno e
RSR, Adicional de Periculosidade ou Insalubridade, sem dedução de faltas ou atrasos.
O resultado será a Remuneração, em seguida,consultar a Tabela do SF, para saber se
tem direito de receber valor da Cota do Salário Família.

Cálculo da Cota do Salário-Família (SF):

Multiplicar o valor de uma Cota pelo número de Cota que tem direito. O resultado é o
valor do SF. O cálculo da 1(uma) Cota poderá ser integral ou proporcional,
considerando a data de admissão do empregado, para base de cálculo dos 1/30 avos
da cota. A empresa credita o valor do SF na Folha de Pagamento do empregado,
depois deduz este valor quando for recolher a GPS mensal.

FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço

Foi criado pela Lei 5.107, de 13/09/66 e Lei 8.036. de 11/05/90, para garantir ao
empregado uma indenização proporcional ao tempo que ele prestou serviços a
empresa. De acordo com a Lei Complementar n° 110/2001, de 29/06/2001,
regulamentou a Contribuição Social de 0,5%, incidente sobre a remuneração mensal
do empregado, a partir do mês de outubro de 2001 até ao mês de setembro de 2006.
Conforme determina a Lei a Contribuição de 0,5% será acrescida ao percentual de
8%, perfazendo o total de 8.5%, este será o percentual para calcular o valor do FGTS.
A conta vinculada do FGTS, em nome do trabalhador, receberá somente o depósito
dos 8% e a Contribuição Social de 0,5%, em favor do Governo Federal. O
recolhimento do FGTS é de responsabilidade da empresa

A) A Empresa é obrigada a recolher o FGTS, mensal, nos seguintes casos:

- Prestação de Serviço Militar (para o sexo masculino);


- Motivo de doença até 15 dias comprovado com atestado médico;
- Licença por Acidente de Trabalho;
- Licença Maternidade de 120 dias corridos;
- Outros motivos determinados por Lei.

B) Base de Cálculo do FGTS: A base de cálculo do FGTS será a “Soma dos


Rendimentos”, da Folha de Pagamento, de cada empregado. O cálculo será
8,5%.sobre a Soma de Rendimentos de cada empregado da Folha de Pagamento.

36
C) Empresas que estão isentas de recolher o acréscimo da Contribuição Social de
0,5%: Estas empresas recolhem mensalmente o FGTS, com o único percentual de
8%,a saber:
a) Empresas optantes pelo SIMPLES (Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e
Contribuições das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte) com faturamento
anual até R$ 1 .200.000,00
b) O Produtor Rural pessoa física, com faturamento anual até R$ 1.200.000,00
c) O Empregador Doméstico.

D) Prazo para recolhimento do FGTS mensal pelo sistema SEFIP/GFIP(Sistema


Empresa do Fundo de Garantia e Informações a Previdência Social.): O prazo para
recolhimento do FGTS é até o dia 7 do mês subseqüente ou anterior se este dia não
houve expediente bancário, com base no mês que consta na folha de pagamento.
Após confeccionar a Folha de Pagamento, providenciar o preenchimento, para
aprendizagem, do seguinte:
a) O Recibo de Pagamento de Salário, discriminando os Proventos e Descontos.
b) As Guias: GPS, GFIP, GRCS, DARF

37
MODULO V- 13º SALÁRIO INTEGRAL E PROPORCIONAL

13º Salário

O13º Salário foi instituído peia Lei n° 4.090, de 13/07/62. A Lei n°


4.749, de 12108/65, determinou que o 130 salário será pago em
parcelas:
- a primeira parcela do 130 salário devera ser paga a partir de
fevereiro até 30 de novembro de cada ano.
- a segunda parcela do 130 salário deverá ser paga até 20 de
dezembro de cada ano.
Existem dois tipos de 13° Salários, que serão estudadas, neste
assunto, a seguir:
- 13° Salário Integral
13º Salário Integral
- 13° Salário Proporcional

É quando o empregado for admitido, na empresa, até o dia 17/01/ deste ano e
permanece até o dia 15/12/ deste ano, que corresponde a 12/12 avos, ou seja, um ano
na mesma empresa.

Primeira parcela do 13º Salário Integral – Como Calcular

A primeira parcela do 130 salário corresponde a metade do salário do mês anterior ao


pagamento. Não há cobrança do INSS e IRRE na primeira parcela.A empresa recolhe
apenas o FGTS
O cálculo do FGTS será 8,5% multiplicado sobre o valor da primeira parcela do 13°
Salário Integral. O resultado será o valor do FGTS a recolher, pela empresa.

Segunda Parcela do 13º Salário Integral – Como calcular


Corresponde à maior remuneração, ou seja, o salário do mês de dezembro de cada
ano.
Na segunda parcela calcula-se o seguinte:
Cálculo do INSS
Será com base no salário bruto de dezembro, para calcular o valor da contribuição,
consultar a Tabela do INSS.

38
b) Cálculo do IRRF
Será com base no salário bruto do mês de dezembro de cada ano. Primeiro faz a
dedução da contribuição do INSS e o valor por dependente (se houver). O resultado,
consultar a base de cálculo na Tabela do IRRF, multiplica-se a alíquota, o resultado,
menos a parcela a deduzir, o resultado será o IRRF
c) Valor Líquido a Receber cio 13° Salário Integral
Será o Salário Bruto de dezembro, menos o valor do INSS, menos o valor do IRRF (se
houver) e menos o valor da primeira parcela do 13° salário Integral, já paga. O
resultado será o Valor Líquido a Receber do 13° salário Integral.
d) Cálculo do FGTS da segunda parcela do 13° salário Integral
O valor Bruto do 13° salário de dezembro, menos o valor da primeira parcela do 13°
salário. O resultado multiplica-se por 8,5%.O resultado será o valor do FGTS da
segunda parcela do 13° que é de responsabilidade da empresa.

13º Salário Proporcional (Parte)


O 13º salário proporcional será devido quando o empregado for admitido, na empresa,
a partir de 18 de janeiro em diante, deste ano.

Primeira Parcela do 13º Salário Proporcional – Salário Fixo


Primeiro calcular os meses adquiridos até o mês anterior ao pagamento da primeira
parcela do 13° salário proporcional, tomando-se por base a data da admissão do
empregado, neste ano. Considerar 1 (um) mês à fração igual ou superior a 15 dias.
Ex.:
O empregado foi admitido na empresa em 18/01/deste ano.
- O pagamento da primeira parcela será em: 30/11/deste ano
- O pagamento da segunda parcela será em: 20/12/deste ano.
Quadro com os cálculos dos meses adquiridos:
- Cálculo da primeira parcela de: 18/01/deste ano a 30/10/deste ano (mês anterior ao
pagamento): 9/12 avos.
- Cálculo da segunda parcela de 18/01/deste ano a 20/12/deste ano, resultado: 11/12
avos.

39
a) Cálculo do valor da primeira parcela do 13° salário proporcional:
Dividir o salário do mês anterior ao pagamento por 12, multiplicar o resultado pelos
meses adquiridos, depois dividir por 2. O resultado é a primeira parcela do 13º salário
proporcional.
b)Cálculo do FGTS da primeira parcela do 13° salário proporcional:
Multiplica-se 8,5% sobre o valor da primeira parcela do 13° salário proporcional. O
resultado será o valor do FGTS da primeira parcela.

Segunda Parcela do 13º Salário Proporcional – Salário Fixo


Primeiro calcular os meses adquiridos, com base na data da admissão do empregado,
até 20 de dezembro deste ano. Considerar 1(um) mês, a fração igual ou superior a 15
dias.
Ex.: o cálculo dos meses adquiridos da segunda parcelas de l18/01/deste ano a
20/l2/deste ano, o resultado é igual: 11/12 avos.
a)Cálculo do valor da segunda parcela do 13° salário proporcional:
Dividir o salário do mês de dezembro por 12, multiplicar o resultado pelos meses
adquiridos. O resultado será o valor da segunda parcela do 13° salário proporcional.
a)Cálculo do valor da segunda parcela do 13° salário proporcional:
Dividir o salário do mês de dezembro por 12, multiplicar o resultado pelos meses
adquiridos. O resultado será o valor da segunda parcela do 13º salário proporcionar.
b) Cálculo do INSS do 13° Salário Proporcional:
O cálculo do INSS será com base no resultado da segunda parcela do 13° salário
proporcional e o valor da contribuição, será calculado de acordo com a Tabela do
INSS.

40
c) Cálculo do IRRF do 130 Salário Proporcional:
Será com base no resultado da segunda parcela do 13° salário proporcional, menos o
valor do INSS, menos o valor por dependente (se houver). O resultado consultar a
Tabela do IRRF, para o cálculo do imposto correspondente.
d) Líquido a Receber do 13° Salário Proporcional:
O valor proporcional da segunda parcela, menos o INSS, menos o IRRF(se houver) e
menos o valor da primeira parcela do 13° Proporcional já paga. O resultado será o
líquido a Receber.
e) Cálculo do FGTS da Segunda Parcela do 13° Salário Proporcional
O valor da Segunda Parcela do 13° salário Proporcional. menos o valor da primeira
parcela do 13° salário proporcional. O resultado multiplica-se por 8,5%. o resultado
será o FGTS.

13º Salário Variável – Primeira e Segunda Parcela

São os casos de vendedores, que ganham comissões, mensais, sobre as vendas e


mais o salário fixo (se houver). O cálculo, da primeira e da segunda parcela é pela
soma das comissões com o RSR e salário fixo (se houver), já pagas, até o mês
anterior ao pagamento da primeira e segunda parcela, depois, dividir pelos meses
trabalhados, o resultado será a base de cálculo da primeira, segunda parcela, INSS.
IRRF e FGTS. Existem casos, que o cálculo do 13° salário variável, deve obedecer
conforme consta na Convenção Sindical da Categoria Profissional.

Cálculo da Terceira Parcela do 13º Salário Variável


O valor da comissão com o RSR e salário fixo (se houver), já paga.no mês de
dezembro, é a base de cálculo da 3ª Parcela do 13° salário variável. Deste resultado,
calcula-se o INSS, IRRF(sehouver, e FGTS. Em seguida. apura-se o valor líquido da
Terceira Parcela do 13° Salário Variável.

Prazo de Pagamento da 3 Parcela do 13° Salário Variável


O pagamento da 3º parcela será até o dia 10 de janeiro de cada ano, Decreto
n°57.155/65.

41
13º Salário nas Férias

Se o empregado deseja receber a Primeira Parcela do 13° Salário junto com as férias,
deverá se manifestar por escrito no mês de janeiro de cada ano. Neste caso, só é
válido para quem tirar férias a partir de fevereiro em diante. O cálculo da primeira
parcela obedece aos mesmos critérios, adotados anteriormente. Ex.: O empregado
saiu de férias em março, logo,receberá a 1º parcela do 13° salário, junto com as suas
férias.

13º Salário do Empregado Doméstico

O 13° salário do Empregado Doméstico será pago em uma única parcela, com base
no salário do mês de dezembro de cada ano. O prazo de pagamento será até 20 de
dezembro de cada ano.

42
MÓDULO VI – FÉRIAS
Férias Integrais

São estabelecidas pela Consolidação das Leis do


Trabalho(CLT) que concede aos empregados o
direito às férias após 12(doze) meses de vigência do
contrato de trabalho na mesma empresa.
O tempo que o empregado leva para adquirir o direito
as férias, ou seja, 1 ano de empresa, denomina-se
“Período Aquisitivo”. Os dias de férias que o
empregado tem direito denomina-se “Período
Concessivo”.
Para empresa calcular os dias de férias que o
empregado tem direito é preciso, antes de tudo,
calcular as faltas que o empregado deve durante o
“Período Aquisitivo”, conforme a CLT.

Faltas Legais que não Serão descontadas no Período de Férias


Não serão consideradas faltas para efeito de cálculos das férias, no “Período
Aquisitivo”, as relacionadas nos artigos 131, 473 e 822 da CLT, conforme segue:
a) Até 2 dias consecutivos, em caso de falecimento:
- Cônjuge (esposo/esposa), Companheiro(a), - Ascendentes: pai, mãe, avó, avô,
bisavó, bisavô, - Descendente: filho(a), neta(a), bisneto(a), - Irmã, irmã o ou pessoa
designada na CTPS, que viva sob sua dependência econômica.
b) Até 3 dias consecutivos
- em virtude de casamento do empregado, no civil
c) Até. 5 dias consecutivos
- por motivo de nascimento do filho, na primeira semana (licença paternidade)
d) 1dia em cada doze meses
- caso de doação de sangue voluntária, devidamente comprada
e) Até 2 dias consecutivos ou não
- caso de alistamento eleitoral ou tirar o título de eleitor

43
Outras Faltas legais, sem limite de dias, conforme segue:

a) No período de tempo em que tiver de cumprir com as exigências do Serviço


Militar(para sexo masculino);
b) Comparecimento para depor como testemunha, quando devidamente convocado
pelas autoridades legais;
c) Para servir o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) em época de eleição. Se trabalhar
no dia do Descanso Remunerado contará folga em dobro;
d) Durante a suspensão preventiva para responder a inquérito administrativo ou prisão
preventiva quando for impronunciado (denúncia não precedente à pessoa acusada) ou
absolvida;
e) Nos dias em estiver, comprovadamente, realizando provas de exame vestibular
para ingresso em estabelecimento de ensino superior, Lei n° 9.471, de 14/07/97 e
artigo 473, da CLT. Inciso VII.

Faltas Legais por Motivo de Licença Médica, através de atestado médico


a) Por motivo de acidente de trabalho ou doença
O empregado perde o direito ás férias, no período aquisitivo, se tiver recebido pelo
INSS auxílio acidente ou de doença, por período superior a 6 meses e 15 dias. Os
primeiros 15 dias de afastamento do empregado ao trabalho são pagos pela empresa
a partir do 16° em diante, o empregado recebe o benefício de auxílio acidente ou de
doença através do INSS.
b) Acidente durante as férias Para empregado que, no curso do gozo de férias
normais ou coletivas sofrem acidentes ficando sob cuidados médicos, deverão ser
tomadas as seguintes medidas:
- Se do acidente, o empregado ficou sob os cuidados médicos poucos dias, este
período aquisitivo estará abrangido normalmente dentro das férias.
- Se do acidente, o empregado ficar afastado por mais de 15 dias corridos as férias
ficam suspensas e o empregado passa a receber o benefício do INSS, tão logo receba
alta médica começa novamente a fluir suas férias.
c) Licença da mulher por motivo de gestação ao parto A licença terá duração de 120
dias corridos. Se a empregada entrou em gozo de férias antes do parto, e este
antecipou-se, interrompem-se as férias, começando a fluir, desde então, os 120 dias
de Salário Maternidade. No final desse período voltarão a correr suas férias.

44
Época de Férias
As empresas têm prazo de 12 meses para concederem férias ao empregado que
completar o “Período Aquisitivo” de 1 ano, na mesma empresa. A época da concessão
das férias fica a critério da empresa. Há empresas que adotam a programação de
férias.

Férias em Dobro
Conforme determina o artigo 137 da CLT e o Enunciado n° 81, do TST (Tribunal
Superior do Trabalho), o empregador (Empresa) que conceder férias fora do prazo
previsto pagará em dobro a respectiva remuneração, além de estar obrigado a permitir
o gozo da mesma.

Maiores de 50 Anos e Menores de 18 Anos


Os maiores de 50 anos de idade e os menores de 18 anos, não poderão tirar férias
partidas. Exemplo: O empregado tem direito a 30 dias de férias, ele tira 20 dias e mais
tarde tira 10 dias, isto é proibido por lei, ele tem que tirar os 30 dias de uma vez só.

Estudantes Menores de 18 anos de Idade


Os estudante de 18 anos terão direito de sair de férias no mesmo período da férias
escolares, somente para os Cursos Fundamental ou Médio.

Membros de uma Família que Trabalha na Mesma Empresa


Os membros de uma mesma família (casal) que trabalham na mesma empresa, terão
direito de sair de férias no mesmo período, se o serviço permitir.

Serviço Militar (Sexo Masculino)


O artigo 132 da CLT, diz que o tempo de serviço anterior à apresentação do
empregado para o serviço militar obrigatório será computado no período aquisitivo,
desde que ele compareça a empresa dentro de 90 dias da data da baixa do serviço
militar.

45
Aviso de Férias e Prazo de Pagamento das Férias
a) Aviso de Férias
A empresa deverá avisar ao empregado com antecedência de 30 dias sua época das
férias.
b) Prazo de Pagamento das Férias
O pagamento das férias deverá ser feito 2(dois) dias antes do empregado sair de
férias.

Direito de Férias
Para calcular o Direito de Férias, primeiro descontar as “Faltas não Justificadas”, pela
empresa, que o empregado teve durante ao Período Aquisitivo, conforme determina os
artigos 131 e 142, da CLT. Veja abaixo o “Quadro Direito de Férias”.

Férias Integrais sem o Abono Pecuniário


Para calcular as férias, primeiramente, deve-se obter as “Faltas não Justificadas, que
o empregado teve durante ao Período Aquisitivo, em seguida, consultar o “Quadro
Direito de Férias”, para apurar os dias, que são: 30, 24, 18 ou 12 dias corridos.
a) Base de Cálculo das férias é formada pela soma das parcelas:
O Salário + Gratificação + Comissão fixa + Adicional Noturno e RSR + Adicional de
Periculosidade ou Insalubridade. O resultado será a Base de Cálculo ou a
Remuneração.
b) Cálculo do valor bruto das Férias Sem Abono Pecuniário e o Adicional de 1/3 das
Férias. Se o Direito de Férias for 30 dias corridos, fazer o seguinte:
Lançar o valor da Remuneração bruta no recibo, em seguida, dividir, este valor por 3.
O resultado será o Adicional de 1/3 das Férias. Se o Direito de Férias for: 24. 18 ou 12
dias corridos, fazer o seguinte:

46
Dividir o valor da Remuneração por 30. O resultado multiplicar por um dos dias de
“Direito de Férias”, que são: 24, 18 ou 12 dias corridos. O resultado lançar no recibo
que será o valor bruto das Férias, em seguida, dividir, este resultado por 3. O
resultado será o Adicional de 1/3 das Férias.
c) Cálculo do INSS e do IRRF nas Férias Sem Abono Pecuniário:
O cálculo do INSS será com base na “Soma de Rendimentos’ e o cálculo será
conforme a Tabela do INSS.
O cálculo do IRRF, será com base na ‘Soma de Rendimentos, menos o valor do INSS,
menos o valor por dependente (se houver). O resultado consultar a Tabela do IRRF,
para o cálculo do IRRF.
d) Cálculo do FGTS nas Férias Sem Abono Pecuniário:
Multiplicar 8,5% sobre a “Soma dos Rendimentos”. O resultado será o valor do FGTS
das Férias Sem o Abono Pecuniário.
Todo empregado tem o direito de converter 1/3 do “Total dos Dias”, em dinheiro
correspondente ao “Abono Pecuniário”, desde que seja requerido 15 dias antes de
completar o Período Aquisitivo das Férias. Veja o “Quadro de Férias com Abono
Pecuniário”

Cálculos dos Dias de Férias e o Abono Pecuniário (1/3)


1º deve-se obter as “Faltas não Justificadas” no período aquisitivo das férias, acha-se
o Total dos Dias, Dias de Férias e o Abono Pecuniário (1/3), logo proceder os cálculos,
a seguir:
a) Cálculo do Valor dos Dias de Férias e o Adicional de 1/3:
Dividir a Base de Cálculo ou a Remuneração por 30, o resultado multiplicar por um dos
Dias de Férias( 20, 16, 12 ou 8 dias corridos). O resultado será o valor dos Dias de
Férias, em seguida, dividir, este resultado por 3. O resultado será o Adicional de 1/3
das férias.
b) Cálculo do Abono Pecuniário e 1/3 do Abono Pecuniário:

47
Dividir, a Base de Cálculo ou a Remuneração por 30. O resultado, multiplicar pelo
Abono Pecuniário (10, 8, 6 ou 4 dias corridos). O resultado será o Abono Pecuniário,
em seguida. dividir, este resultado por 3. O resultado será o Adicional de 1/3 do Abono
Pecuniário.
c) Cálculo do INSS das Férias:
O cálculo do INSS, será com base na Soma dos Rendimentos das Férias, em
seguida.aplica-se a Tabela para o cálculo do INSS.
d) Cálculo do IRRF das Férias com mais o Abono Pecuniário: O cálculo do IRRF será
com base na soma do seguinte:
Soma dos Rendimentos, mais o Abono Pecuniário e mais o Adicional de 1/3 do Abono
Pecuniário. O resultado será a Renda Bruta, deste resultado, menos o INSS e menos
o valor por dependente (se houver). O resultado, aplica-se a Tabela para o cálculo do
IRRF.
e) Cálculo do FGTS sobre as Férias:
Multiplicar 8,5% sobre a “Soma dos Rendimentos”. O resultado será o valor do FGTS
da férias.

Direito de Férias para Empregado Doméstico


Conforme determina a Lei 5.859 de 11/12/72, artigo 6°, apos 12 meses de serviço
contínuo, o empregado domestico, fará jus a 20 dias úteis e mais 1/3 das férias. Mas,
como ainda não existe uma definição a respeito dos dias de férias, seria ideai que os
patrões pagassem 30 dias corridos acrescidos de 1/3 das férias, para evitar
reclamações perante a Justiça do Trabalho. Não na desconto de faltas no período
aquisitivo das férias. Há desconto do INSS, conforme a tabela da Previdência.

Férias Coletivas
Determina o art. 139 da CLT, que constituem férias coletivas aquelas concedidas
simultaneamente, a todos empregados de uma empresa ou de determinado setores,
sendo que as férias poderão ser gozadas em dois períodos anuais, desde que
nenhum deles seja inferior a 10 dias corridos. O Empregador deverá comunicar ao
Ministério do trabalho e ao Sindicato da Categoria no prazo mínimo de 15 dias,
informando a data de início e do fim das férias. Os empregados contratados há menos
de 12 meses gozarão na oportunidade, férias proporcionais, na base de 1/12 avos por
mês ou período superior a 14 dias, iniciando-se então novo período aquisitivo,
conforme o art.140, CLT. Assim, por exemplo, o empregado que tem 4 meses na

48
empresa, equivale a 4/12 avos, tem direito a 10 dias de férias corridos. Veja o “Quadro
de Férias Promocionais”

Férias com Salário Variável (Comissionistas)


São os casos de vendedores que recebem comissões, mensais, sobre as vendas, e
houver) dos meses trabalhados, neste ano, o resultado, dividir pelos números de
meses trabalhados. O resultado será a média que servirá de base para o cálculo das
Férias e o Adicional de 1/3.
Existem casos, que o cálculo das comissões é conforme a Convenção Sindical da
Categoria Profissional.

49
MODULO VII - PUNIÇÕES APLICADAS PELO EMPREGADOR
As punições podem ser aplicadas verbalmente ou por escrito. Na maioria dos casos
são aplicadas por escrito e são em geral quatro a saber:
a) Advertência — É a mais branda, visa prevenir o empregado e considerada pena
corretiva.
b) Repreensão — É uma punição aplicada pelo superior aos seus subordinados.
Consiste em uma enérgica advertência e considerada pena corretiva.
c) Suspensão — Não pode exceder a 30 dias, conforme o artigo 474 da CLT.
Acarreta o afastamento temporário do empregado de sua função, com perda dos
respectivos direitos de não receber o Salário, Gratificação, vantagens, etc. É
considerada pena corretiva.
d) Demissão — É a mais severa das punições disciplinares. Implica no afastamento
definitivo do empregado na empresa.

Estabilidade Provisória
Gozam de estabilidade provisória, isto é, não podem sofrer Despedida Arbitrária ou
Sem Justa Causa, no sentido de garantia do emprego. Quanto aos empregados
mencionados no quadro, não é permitido a realização do acordo quanto à sua
dispensa, sendo entretanto admissível o pedido de Demissão.

50
Rescisão de Contrato de Trabalho
Rescisão significa rescindir, ou seja, encerrar o Contrato de Trabalho entre as duas
partes. Empregado e Empregador, pessoas componentes deste contrato. Para
proteger o interesse do empregado e empregador a CLT, no seu artigo 487, a parte
que, sem justo motivo, quiser rescindir o contrato deverá avisar a outra sua resolução
através da Notificação do Aviso Prévio, com antecedência mínima de 30 dias.

Aviso Prévio do Empregador

Se o empregado for dispensado Sem Justa Causa, pelo empregador. a CLT, em seus
artigos 488 e 491, diz que durante o prazo que o empregado tiver que cumprir o Aviso
Prévio 30 dias corridos, terá o seu horário de trabalho reduzido de 2(duas) horas
diárias ou 7(sete) dias corridos, sem prejuízo de seu salário, para procurar novo
emprego.

Aviso Prévio do Empregado

Quando é o empregado quem resolve solicitar sua dispensa, o empregador também


tem o direito de receber o Aviso Prévio de 30 dias, neste caso, o empregado deverá
aguardar a decisão do empregador de sua decisão sobre o Aviso Prévio Trabalhado
ou Dispensado

Tipos de Rescisões

E quando a empresa decide romper o Contrato de Trabalho, ou seja, dispensa do


Empregado sem motivo, neste caso, terá o Aviso Prévio de 30 dias corridos, pagos
pelo Empregador.
Pedido de Demissão
É quando o empregado pede para sair da empresa neste caso, o Aviso Prévio de 30
dias será pago pelo empregado a não ser que a empresa possa dispensá-lo.
Dispensa por Justa Causa
É quando o empregado comete uma falta grave,conforme a CLT, artigo 482, que são
os seguintes:

51
a) Ato de Improbidade — é a atitude indigna do empregado que prejudica o patrimônio
da empresa ou de outras pessoas, no local de trabalho. Exemplo: o roubo, a
falsificação de documentos, etc.
b) Incontinência de Conduta ou mau Procedimento — é o comportamento anormal do
empregado ofensivo moral e aos bons costumes. Exemplo: uso de palavrões, atitudes
pornográficas, desrespeito ao sexo oposto, etc.
c) Negociação Habitual sem a Permissão do Empregador – é quando o empregado
mantém negócios particulares no ambiente de trabalho, prejudicando o serviço ou
fazendo concorrência com a atividade da empresa.
Exemplos: vender roupas ou outras mercadorias no local de trabalho.
d) Desídia — é a preguiça, o desleixo, a inércia do empregado no desempenho de
suas funções.
e) Embriaguez habitual em serviço
f) Violação do segredo da empresa
g) Ato de indisciplina ou de insubordinação com seus superiores
h) Abandono do emprego ou faltas constantes sem avisar, prejudicando o serviço
i) Prática constante de jogos de azar, etc.

Despedimento Indireto
É quando o empregado decide encerrar o Contrato de Trabalho e pleitear a devida
indenização
a) Forem exigidos serviços superiores às suas forças, contrário ao Contrato de
Trabalho.
b) For tratado pelo empregador ou por seus superiores com rigor excessivo.
c) Correr perigo manifesto de mal considerável.
d) Não cumprir o empregador com as obrigações do contrato de trabalho.
e) Praticar o empregador ou seus prepostos, contra ele ou pessoas da família, ato
lesivo da honra e boa fama.
f) O empregador ou seus prepostos ofenderem-no fisicamente, salvo em caso de
legítima defesa.
g) O empregador reduzir o seu trabalho, qualquer que seja, de forma a reduzir o
salário.

52
Instruções para Calcular e Preencher o Termo da Rescisão do Contrato de Trabalho –
(TRCT)
Para você aprender como fazer o preenchimento passe o mouse em cada um dos
campos.

Campo 21 — Remuneração p/fins rescisónos: Escrever a maior Remuneração do


empregado, que é formado pela soma das parcelas: Salário, Gratificação, Adicional
Noturno e RSR, Adicional de Insalubridade ou Periculosidade, média das Horas Extras
e RSR, Comissões e RSR(caso de vendedores).
Campo 22— Data de Admissão: Escrever dia, mês e ano completo.(Ex.:O1/07/0000)
Campo 23— Data do Aviso Prévio: Escrever dia, mês e ano completo.
Campo 24— Data do Afastamento: Escrever o último dia. mês e ano completo que o
empregado trabalhou na empresa, com base no 2° dia, após a data do aviso prévio do
Campo 23.
Campo 25— Causa do Afastamento: Escrever o motivo da dispensa, que podem ser
a) Dispensa Sem Justa Causa Campo 26- Cód. Afastamento 01
b) Despedida Indireta Campo 26— Cód. Afastamento 02
c) Dispensa por Justa Causarn Campo 26- CÓd. Afastamento 03
d) Pedido de Demissão Campo 26— Cód. Afastamento 04
e) Extinção Total da Empresa Campo 26— CÓd. Afastamento 05
f) Culpa Recíproca Campo 26— Cód. Afastamento 06
g) Término Antecipado Contrato Campo 26- CÓd. Afastamento 08
h) Aposentadoha Campo 26- Cód. Afastamento 09

53
1) Falecimento Campo 26- Cód. Afastamento 12
jj Término de Contrato Experiência: Campo 26- Cód. Afastamento 13
Campo 27— Pensão Alimentícl(%): Preencher, este Campo, conforme decisão
judicial.
Campo 29 — Aviso Prévio Indenizado: Só preencher, este Campo, se o empregado
ficou dispensado, pela empresa. de trabalhar durante o aviso prévio.Valor será igual
ao Campo 21.
Campo 30— Saldo Salário: preencher este Campo, nos seguintes casos:
a) Se o Aviso Prévio for Trabalhado, o valor será igual ao do Campo 21.
b) Se houver fração dos dias do mês,conforme consta no Campo 24, o cálculo será
assim: dividir o valor do Campo 21, por 30, o resultado multiplicar pela fração dos dias
que o empregado trabalhou, conforme consta no Campo 24. O resultado, lançar no
Campo 30.
Campo 31 — 130 Salário(proporcíonal):
a)primeiro calcular os meses adquíridos(1112 avos), com base na data de admissão
do empregado ou de 1° janeiro desde ano, até a data que consta no
b)Campo 24. Depois, dividir o valor do Campo 21 por 12, o resultado multiplicar pelos
meses já calculados. O resultado lançar no Campo 31.
Campo 32— 13° Sal.lndenizado: somente preencher se tiver direito.
Campo 33— Férias Vencidas: preencher somente se for férias integrais, que não
foram gozadas pelo empregado, neste caso, a empresa pagará o período integral,
valor igual do Campo 21. Se houver faltas, no período aquisitivo, consultar o “Quadro
Direito de Férias”, pág. 32, item 10.
Campo 34— Férias Proporcional: primeiro calcular 1112 avos, com base na data de
admissão do do empregado, até a data do Campo 24. Considerar 1 mês a fração igual
ou superior a 15 dias.
Se não houver faltas: dividir o valor do Campo 21 por 12, o resultado, multiplicar pelos
meses adquiridos. O resultado lançar no Campo 34.
Se houver faltas:primeiro apurar as faltas, consultar página 32, item 10 -Quadro,
depois, dividir
valor do Campo 21 por 30, o resultado multiplicar por um, que são: 24, 18 ou 12 dias,
o resultado dividir por 12, vezes os meses adquiridos. O resultado lançar no Campo
34.
Campo 35 — 113 Salário slFérias:somar os valores dos Campos 33, mais o Campo
34, e oresultado dividir por 3. O resultado lançar no Campo 35.

54
Campo 36— Salário-Família: Se for integral é só multiplicar o valor da cota pelos n°s
de cotas. Se o SF for proporcional: Dividir o valor da Cota por 30, o resultado
multiplicar pela fração dos dias do mês, com base no Campo 24. O resultado
multiplicar pelo(s) n°(s) de Cota(s).
Camoo 37— Adicional Noturno e RSR: refere-se o trabalho realizado no período de 22
às 5 h.
Campo 38— Comissões: calcular a média das comissões, mais o RSR(se houver)
Campo 39— Gratificações: refere-se Gratificação por: Chefia, por Vendas, por Metas,
etc.
Campo 40— Horas Extras e RSR: se ainda não foi paga
Campo 41 — Adicional de lnsalubndadelPenculosidade: preencher conforme a
atividade do empregado na empresa(se houver).
Campos 42 a 45— Em branco: preencher em casos especiais
Campo 46— TOTAL BRUTO: somar os valores existentes nos Campos 29 a 45

55
DEDUÇÕES: Proceder os cálculos conforme segue:
Campo 47 — PrevidênciallNSS: somar os valores existentes nos Campos:
ampo iu, mais ampo ., mais ampo ., mais t.ampo 4U, mais ampo 41. O resultado
aplicar a Tabela do INSS, para o cálculo da contribuição devida.
Campo 46 — Previdência 1 3 saiário: somar os valores existentes nos Campos.
Campo 31, mais Campo 32, o resultado aplicar a Tabela do INSS, para o cálculo da
contribuição. O resuitado lançar no Campo 48.
Campo 49— Adiantamentos:lançar, neste Campo, os valores dos Adiantamentos de
salário ou da piiriieii pdi(eid uo 130 1áiio(s houvei) ou outio sos.
Campo 50 — Calcular os IRRFs, em separados, dos seguintes:
ii-.ti- aos 7J” saiarios
IRRF da Remuneração
C) Ii-<i-u- aas 1—erias
IRRF dos 130 Salários: somar os valores existentes nos Campos:
Campo 31 e mais Campo i, o resuitaao menos o vaior ao .ampo ireviaencia ii saiario,
menos o valor por dependente(se houver). O resultado aplicar a Tabela do IRRF, para
calcular o valor do imposto correspondente,
IRRF da Remuneração: somar os valores existentes nos Campos:
campo .u, mais ampo ..í, mais campo ., mais uampo .. mais uampo 4U e mais Campo
41. O resultado, menos o valor do Campo 47 e menos o valor por dependente(se
iiouvei).O ieuitado, apik.ai Tdbek do RRF, pai ciicuiai o valui do iniposto
coiiespoiiderite.
IRRF das Férias: somar os valores existentes nos Campos:
Campo 33, mais Campo 34 e mais Campo 35. O resultado menos o valor por
dependentese
houver), não há dedução do INSS(nas férias não se cobra o INSS). O resultado aplicar
a Tabela do
RRF, para o cálculo do imposto correspondente.
Depois, lançar separados todos os valores dos IRREs, calculados nas letras a, b e c,
Campo 50.
Campo 51 — Vaies Transporte: caicuiar conforme letras a e b:
multiplica-se 6% sobre o salário contratual,excluindo:Horas Extras/RSR, Adicionais:
Insalubridade Periouiosidadt ou Notunio/RSR, G çãu,Curiiiãu/RSR, k,
soma-se o total dos Vales, pelo valor unitário.

56
O menor resultado, de uma das letras a ou b, que será lançado no TRCT, Campo 51.
Campo 54 — TOTAL DAS DEDUÇÕES: Somar os valores existentes nos Campos 47
ao 53.
Campo 55-LIQUIDO A RECEBER: Proceder conforme segue:
O valor do Campo 46(TOTAL BRUTO), menos o valor do Campo 54(TOTAL DAS
DEDUÇÕES).O Resultado lançar no Campo 55.
Campo 56 — Local e data do recebimento:será preenchido pelo próprio punho do
empregado Para datar este Campo, observar o seguinte.
se o empregado trabalhou durante o Aviso Prévio, a empresa tem até o j0 dia útil
imediato do desiigamento(campo 24) do empregado na empresa, para o
pagamento do Rescisão.
Se o Aviso Prévio foi indenizado, ou seja, o empregado ficou dispensado de
trabalhar os 30 dias corridos, a empresa tem até o 100 dia corridos, contados da
data da dispensa do empregado da empresa, para fazer o pagamento da
Rescisão.
Campo 57— Carimbo e assinatura do empreqador ou preposto:Este Campo será
preenchido pela empresa ou seu representante legal.

Campo 58— Assinatura do Trabalhador Este Campo será a assinatura do empregado


Campo 59— assinatura do responsável leoal do trabalhador Quando o empregado for
menor de
18 anos de idade, será preenchido pelo responsável o representante legal do
empregado.
Campo 60— HOMOLOGACÃO: Escrever, neste Campo, local, data e assinatura do
Sindicato da Categoria do empregado ou Ministério do Trabalho e Emprego que
prestou assistência ao empregado. Este Campo somente será preenchido se o
empregado tiver 1 ou mais anos na mesma empresa onde ele trabalhou, caso
contrário ficará em branco.

57
Campos 61 e 62— Quando se tratar de empregado analfabeto(opor impressão digital)
Camoo 63 — Identificação do Órpão HomoloqadorEscrever os dados da entidade
Sindical, endereço,telefone e nome do Sindicato da Categoria do empregado.
Preenchendo o Campo 60, este também,será preenchido. Se isto não acontecer
ficar em branco.

Homologação do Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho


Homologar significa confirmar ou conferir os cálculos das verbas rescisórias do TRCT,
entre as partes, empregado e empregador,perante órgão representativo da classe ou
representante legal. Existem dois tipos de homologação:

a) Empregado com Menos de 1 (um) ano de Empresa


Se o empregado tem menos de 1 ano, na mesma empresa, deverá ter o seu
desligamento na própria empresa em que ele trabalhou. Se o empregado for menor de
18 anos de idade, é obrigatório a presença e a assinatura do responsável no TRCT

b) Empregado com 1(um) ano ou Mais anos de Empresa


Se o empregado tem 1 ano ou mais anos, na mesma empresa, deverá ter o seu
desligamento homologado no Sindicato representativo da classe ou, na falta deste, na
Delegacia Regional do Trabalho ou representante legal.
Quando se tratar de empregado falecido, são partes legítimas os dependentes
comprovados.

Multa por Atraso no Acerto da Rescisão

A inobservância dos prazos previstos, para o acerto da Rescisão, salvo quando o


trabalhador demitido tiver sido causador do atraso, sujeitará o empregador o seguinte:

- Multa por trabalhador, em favor da União, conforme percentual do Ministério do


Trabalho.
- Pagamento em favor do trabalhador do valor equivalente ao seu salário, conforme
sentença normativa do Ministério do Trabalho.

Forma de pagamento da Recissão:

O pagamento da Rescisão deve ser efetuado, integralmente, em moeda corrente,


depósito bancário em conta corrente em nome do empregado, ordem bancária de
pagamento ou cheque Administrativo.

Documentos Exigidos para Fazer a Homologação

a) Termo da Rescisão do Contrato de Trabalho (TRCT) preenchida em 4 vias.


b) Dar baixa na CTPS (prazo de 48 horas) devidamente preenchida quanto a relação
de trabalho.
c) Dar baixa no livro ou ficha de Registro de Empregado, colhendo a assinatura do
demissionário, conforme Portaria MTPS no 3.626,91, se informatizado.
d) Cópia do Aviso Prévio, que poderá ser do empregador ou dado pelo empregado.
e) Cópia do acordo ou Convenção Coletiva da Categoria Profissional, para verificação
das cláusulas.
No caso de Dispensa Sem Justa Causa, é de responsabilidade da empresa, a saber:

58
f) Submeter o demissionário a exame médico, conforme Portaria n° 08, de 08/05/96,
até a data da homologação
g) As 6 ultimas guias de recolhimento da GFIP ou extrato da conta do FGTS
atualizada.
h) Cópia da GRFC/FGTS, com o recolhimento da multa do FGTS
i) Requerimento do Seguro Desemprego e Comunicação de Dispensa (CD), anotando
o número do documento na CTPS, caso o empregado tenha direito.

59
MÓDULO VIII – SEGURO DESEMPREGO DO TRABALHADOR

O Seguro Desemprego, Lei n° 7.998/90. e alterada pela Lei n°


8.900/94, é um benefício concedido pelo Governo Federal aos
trabalhadores demitidos “Sem Justa Causa”.

Direito ao Seguro Desemprego


a)Ter recebido salários consecutivos no período de 6 meses imediatamente à data da
dispensa, de uma ou mais pessoas Jurídicas;
b) Ter sido empregado de pessoa jurídica durante pelo menos 6 meses nos últimos 36
meses que antecederam a data de dispensa, Sem Justa Causa, que deu origem ao
requerimento do Seguro Desemprego;
c) Não estar em gozo de qualquer beneficio previdência no continuado, previsto no
Regulamento da Previdência Social excetuando o auxílio-acidente e pensão por morte;
d) Não possuir renda própria de qualquer natureza suficiente à sua manutenção e de
sua família.

Para requerer o Seguro Desemprego é necessário apresentar á DRT os


seguintes documentos:

- CTPS atualizada, com registro do último emprego e com número do PIS.


- Cópia do Termo da Rescisão do Contrato de Trabalho, com a quitação do FGTS
- Duas vias do Seguro-Desemprego
- 3 últimos contracheques e Carteira de Identidade
A partir do 7° dia da data da demissão, pode-se entrar com o Seguro Desemprego.

60
Período para receber o Seguro-Desemprego
O trabalhador desempregado receberá o Seguro-Desemprego por um período, de 3 a
5 parcelas de forma continua ou alternada, a cada período aquisitivo de 16 meses por
Dispensa Sem Justa Causa, observando-se a seguinte relação:
a) 3 parcelas se o trabalhador comprovar o vínculo empregatício no mínimo de 6
meses e no máximo de 11 meses, nos últimos 36 meses.
b) 4 parcelas, se o trabalhador comprovar o vínculo empregatício no mínimo de 12
meses e no máximo de 23 meses, no período de referência.
c) 5 parcelas, se o trabalhador comprovar o vínculo empregatício no mínimo de 24
meses, no período de referência.

Valor da parcela do Seguro-Desemprego


Para encontrar o valor de cada parcela do seguro, calcula-se o valor do salário médio
dos últimos 3 meses, o valor não poderá ser inferior a um Salário Mínimo e o valor
Máximo será conforme Resolução n°209/99/MT, e pago pela CEF. O pagamento da
primeira parcela corresponderá aos 30 dias de desemprego, a contar da data da
dispensa. As parcelas subseqüentes serão recebidas a cada intervalo de 30 dias
contados a partir da emissão da parcela anterior, Artigo 13, Resolução n°64/94.

Cancelamento do Pagamento do Seguro-Desemprego


O Seguro-Desemprego será cancelado nas seguintes situações:
a) Admissão do trabalhador no novo emprego, mas continuará a receber as parcelas
anteriores a data da admissão no novo emprego.
b) Recebimentos de benefícios da Previdência Social, exceto o Auxílio-Acidente de
trabalho.
c) Por falecimento do trabalhador.

61
Instruções para Preenchimento das Guias:
A GPS é o documento único para o recolhimento mensal das contribuições
previdenciárias das empresas e dos seus empregados, também das Contribuições
Individuais e dos Empregados Domésticos.

Recolhimento das Contribuições na GPS.

a) E vedado o recolhimento inferior a R$ 25,00. Neste caso, recolhe no mês


seguinte o total, que será o resultado da soma dos valores.
b) O prazo de recolhimento das contribuições das empresas é o 2° dia útil do mês
posterior, ao que consta na “Folha de Pagamento.”
c) A partir de 01/12/200, as Empresas, somente poderão recolher as
contribuições para o INSS, por intermédio de débito em conta corrente na CEF,
não poderão mais usar a GPS.
d) O prazo de recolhimento das contribuições dos Contribuintes Individuais e
Empregado Doméstico é até o dia 15° do mês subseqüente ao da
competência(mês em referência).

62
A GFIP é o documento para o recolhimento do FGTS mensal, que as empresas fazem
na CEF ou Agentes conveniados, em conta vinculada do empregado, conforme
Circular da CEF nº 151, de 19/10/98. Também, recolhem nesta guia o FGTS
facultativo do Empregado Doméstico, conforme Medida Provisória nº 1.986-2, de
10/02/2000. Veja o exemplo.

A CEF e agentes lotéricos, só recebem a GFIP,através de Disque, sistema


SEFIP/Sistema Empresa de Empresa
de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social. O procedimento para
preencher é o mesmo
adotado da GFIP, (Portaria Interministerial, 226/200 de 19/01/2000, desde
agosto/2000).

63
A GRCS é o documento para o recolhimento da Contribuição Sindical, uma vez por
ano, descontados dos empregados assalariados, também das Contribuições de
autônomo/liberal. O recolhimento poderá ser feito no Banco do Brasil SIA ou CEF.
Veja o exemplo.

Relacionar no verso da GRCS ou em uma folha à parte.


a) Nome do Empregado que teve o desconto da Contribuição Sindical, que consta na
Folha de Pagamento.
b) Base de Cálculo será a soma de: o Salário, mais Comissão Fixa, mais Gratificação,
mais Adicional Noturno e RSR, mais Adicional de Periculosidade ou Insalubridade(se
houver), de cada empregado constante da Folha de Pagamento. O resultado será a
Base de Cálculo de cada empregado.
c) Contribuição Sindical, será o valor descontado de cada empregado, que consta na
Folha de Pagamento.
d) Totais,serão as somas das colunas: Base de Cálculo e Contribuição Sindical.

64
Exemplo:

a) Nome do Empregado b) Base do Cálculo c) Contribuição Sindical

Alice de Matos R$ 990,00 R$ (Escrever o Valor)

Maria Rocha R$ 1.600,00 R$ (Escrever o Valor)

Rildo Marques R$ 1.700,00 R$ (Escrever o Valor)

Totais R$ 4.290,00 R$ (Escrever o Valor Total)

A DARF é o documento utilizado para o recolhimento IRRF, descontado mensalmente


dos empregados sobre a remuneração recebida no mês. Também poderá ser
impresso por meio eletrônico ou reproduzido em copiadoras, com exceção de aparelho
fac-simile. Veja o exemplo.

A GRFC, somente será preenchida, no caso, de empregado dispensado “Sem Justa


Causa’, ou outro motivo, determinado por lei. A GRFC, refere-se ao recolhimento da
multa rescisória de 50% (40% do trabalhador e 10% do Governo Federal). A base de
cálculo da contribuição e o montante do saldo do FGT S, acrescidas das
remunerações existentes.

65
Este percentual de 10%, refere-se a Contribuição Social, conforme determina a Lei
Complementar nº110, de 26/09/2001. Esta Contribuição é a partir de 28/09/ 2001 até
ao mês de setembro de 2.006.
Estão isentas da Contribuição Social de 10% apenas calcula-se e recolhe a Multa
Rescisória dos 40% na GRFC, somente no caso de Dispensa Sem Justa Causa, as
seguintes empresas:
a) As empresas inscritas no SIMPLES, desde que o faturamento anual não ultrapasse
o limite de R$ 1.200.000,00;
b) As pessoas físicas, em relação à remuneração de Empregados Domésticos
c) As pessoas físicas, em relação à remuneração de Empregados rurais, desde que a
receita bruta anual não ultrapasse o limite de R$ 1.200.000,00.

66
MODULO IX - AFASTAMENTO E DIREITOS DO EMPREGADO/EMPREGADOR

Quadro para calcular TRCT

FÉRIA
S FGTS INDEN
CÓD. FÉRIA
PRO- MÉS FGT MULT I-
AVISO S
130 PORCI- ANTE S A zAçÃo
AFAS- PRÉViO SA-
VENCI- SAIARI
ONAL - MÉS Dos ART.9°
TA- CAUSA DO LÁ- DAS E O
E RIOR RES- 40% E DA LEI
AFASTAMENTO TRABA- RIO ADICI FAMILI
ADICI RES- CI- ÷ 10% 7.23818
MEN- LHADO O- NAL A
O- CISÃ SÃO FGTS
TO OU IND. DE 1/3
NAL O 41
1/3

A) RESCISÃO
POR:

PEDIDO DE NÃO T
04
DEMISSÃO
O SIM
(3)
NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO
SIM
(1)
Menos de 1 ano na
empresa

B) RESCISÃO
POR:

PEDIDO DE iÀO
04 O SIM SIM SIM NÃO NÃO NÃO SIM
DEMISSÃO SIM
(1)
Mais de 1 ano na
empresa

C) RESCISÃO
POR: DISPENSA
SEM JUSTA
01 SIM SIM NÃO SIM SIM SIM(7) SIM (2) SIM
CAUSA
Menos de 1 ano na
empresa

O) RESCISÃO
POR: DISPENSA
SEM JUSTA SIM
SIM
01 CAUSA SIM NÃ SIM SIM SIM SIM(7) SIM (2) SIM
NÃO
Mais O
de_1_ano_na_empr
esa

E) RESCISÃO
POR: DISPENSA
03 NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO SIM
POR JUSTA
CAUSA

F) RESCISÃO
POR: TÉRMINO
CONTRATO NÃ
13
EXPERIÉNCIA O
SIM NÃO SIM SIM SIM NÃo NÃO SIM
Empregado ou
Empregador

67
G) RESCISÃO:
ANTECIPADA
SIM NÃO 1
08 DE CONTRATO SIM SIM SIM SIM SIM(7) SIM (2) SIM
(4) (3)
PELO
EMPREGADOR

H) RESCISÃO

ANTECIPADA DE
O
08 CONTRATO
(1)
SIM NÃo NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO SIM
PELO
(5)
EMPREGADO

1) RESCISÃO
POR: FALECI-
MENTO DO NÃ
12 SIM NÃO NÃO SIM SIM NÃO NÃO SIM
EMPREGADO O
Menos de 1 ano na
empresa

J) RESCISÃO
POR: FALECI-
MENTO DO NÃ SIM SIM
12 SIM SIM SIM NÃO NÃO SIM
EMPREGADO O SIM SIM
Maisdel_ano na
empresa

K) RESCISÃO
0 POR:
APOSENTADORI
NÃO SIM (6) NÃO SIM NÃO NÃO SIM
9
A

Observação Complementar dos Itens Constantes no Quadro


(1)-O Aviso Prévio é devido pelo empregado, sob pena de descontá-lo na rescisão, a
não ser se o Emoregador dispensá-lo.
(2)- A indenização de um salário, caso a dispensa do empregado, for 30 dias antes da
data base Salarial da Categoria.
(3) - Não tem direito, porque não completou o Período Aquisitivo das férias
(4) - Deverá observar a cláusula do Contrato de Experiência se dará o direito do
empregado de receber a indenização de 50%, dos dias até o término do contrato, art.
479 da CLT.
(5) - Deverá observar a cláusula do Contrato de Experiência se dará o direito do
Empregador de descontar na rescisão ou receber do empregado, a indenização de
50% dos dias até o término do contrato, art. 479 da CLT.
(6) - Não terá direito o valor das férias o empregado que no curso do Período
Aquisitivo tiver percebido da Previdência Auxilio de Acidente de Trabalho ou Doença,
por mais de 6 meses, embora descontinuo, art. 133 da CLT.
(7) —Direito do empregado da multa somente os 40%, Isentas da Contribuição Social
de 10% do FGTS, conforme Lei complementar nº 110/2001 a saber:

68
a) Empresas Inscritas no SIMPLES com faturamento até R$ 1.200.000,00;
b) Empregados Domésticos.
Letras i) e j) “Rescisão por Falecimento do Empregado”, os valores são pagos aos
dependentes.

Incidências ou não para o INSS – FGTS - IRRF

RUBRICAS INSS FGTS


IRRF
LL
ADICIONAIS COMO: Noturno, Insalubridade, Periculosidade e Tempo
SIM SIM SIM
,de Serviço na empresa

AJUDA DE CUSTO. a titulo de transferência de local de trabalho NÃO NÃO NÃO

AUXÍLIO DOENÇA, paga pela empresa nos primeiros 15 dias SIM 1’ L SIM j
,
SIM NAO

AVISO PRÉVIO INDENIZADO(dispensado pela empresa de trabalhar os 30


NAO SIM
dias comdos)

AVISO PRÉVIO TRABALHADO(30 dias corridos) SIM IM SIM

BOLSA-DE-ESTUDO, paga a estagrio-estudante, não empregado NÃO


COMISSÕES E PERCENTAGENS SIM
DECIMO-TERCEIRO SALÁRIO(pago no Termo da Rescisão Contratual) SIM
NAO 1
DIÁRIAS, paga pela empresa,quando exceder a 50% do salario total SIM

SIM SIM
SIM SIM
SIM SIM

FÉRIAS Normais com mais 1t3 L L SIM


SIm Sim

FÉRIAS EM DOBRO: apenas a parcela referente á Dobra Não Não 1 SiM


FÉRIAS VENCIDAS OU PROPORCIONAIS com mais 113
NÃO NÃO SIM
(Pago no Termo da Rescisão Contratual do Trabalho)

GORJETAS, pagas pelo cliente, na Nota de Despesa SIM SIM SIM

GRATIFICAÇÃO: paga pela empresa a qualquer titulo SIM SIM SIM

INDENIZAÇÃO paga no caso de Rescisão Antecipada de:


-ContrdKJ de Experiência ou Determinado(Art. 479, da CLT,50% da remuneração NAO NAO 1
devida até os dias do término do contrato Experiência ou Determinado. NAO

ABONO(Pecuniário) DE FÉRIAS COM MAIS 113 NÃO NÃO SIM

69
C.B.O

O C.B.O é um sistema prático para ordenar conteúdos de trabalho em ocupações.


Cada categoria ocupacional é identificada por um título. Relações dos C.B.O e suas
funções:

C.B.O FUNÇÕES

241.035 Advogado (Direito do Trabalho)


252.405 Analista de Recursos Humanos
212.415 Analista de Sistema de Automação
212.420 Analista de Suporte Computacional
414.105 Almoxarife
411.005 Auxiliar de Escritório em Geral
411.030 Auxiliar de Pessoal
421.125 Operador de Caixa
412.110 Digitador
512.105 Empregador Doméstico nos Serviços Gerais
142.105 Gerente Administrativo
142.210 Gerente de Departamento Pessoal
317.110 Programador de Sistemas de Informações
142.205 Gerente de Recursos Humanos
233.215 Professor de Aprendizagem e Treinamento Comercial
317.205 Operador de Computador (inclusive Microcomputador)
422.320 Operador de Telemarketing Técnico
234.815 Professor de Contabilidade
422.105 Recepcionista em geral
422.205 Telefonista
413.110 Auxiliar de Contabilidade

70