Sie sind auf Seite 1von 9

Numa casa muito estranha

Numa casa muito estranha

toda feita de chocolate

vivia uma bruxa castanha

que adorava o disparate

Punha os copos no fogão

as panelas na banheira

os sapatos nas gavetas

as meias na frigideira;

escrevia com fios de água

dor sempre de pé

cozinhava numa cama

e comia no bidé.

Varria a casa com garfos

Limpava o pó com farinha

deitava cem gatos na sala

e dormia na cozinha.
Numa casa muito estranha

Numa casa muito estranha

Toda feita de chocolate

Vivia uma bruxa castanha

que adorava o disparate.

Punha os copos no fogão

As panelas na banheira

os sapatos nas gavetas

as meias na frigideira;

escrevia com fios de água

dormia sempre de pé

cozinhava numa cama

e comia no bidé.
Varria a casa com garfos

Limpava o pó com farinha

Deitava cem gatos na sala

E dormia na cozinha.

Bruna Ferreira Pires

2010-11-19

Numa casa muito estranha

Numa casa muito estranha

Toda feita de chocolate

vivia uma bruxa castanha

que adorava o disparate.

Punha os copos no fogão

As panelas na banheira

Os sapatos nas gavetas

As meias na frigideira

Escrevia com fios de a´gua

Dormia sempre de pé

Cozinhava numa cama

E comia no bidé.
Varria a casa com garfos

Limpava o pó com farinha

Deitava cem gatos na sala

E dormia na cozinha.

Janardo, 19 d Novembro de 2010.

Diogo Fonseca bastos.

Numa casa muita estranha


Numa casa muito estranha

Toda feita de chocolate

vivia uma bruxa castanha

que adorava o disparate.

punha os copos no fogão

as panelas na banheira
os sapatos nas gavetas

as meias na frigideira;

escrevia com fios de água

dormia sempre de pé

cozinhava numa cama

e comia no bidé.

Varria a casa com garfos

Limpava o pó com farinha

deitava cem gatos na sala

e dormia na cozinha.
Numa casa muito estranha

Numa casa muito estranha

Toda feita de chocolate

Vivia uma bruxa castanha

Que adorava o disparate

Punha os copos no fogão

As panelas na banheira

Os sapatos nas gavetas

as meias na frigideira

escrevia com fios de agua

dormia sempre de pé

cozinhava numa cama

e comia no bidé

varria a casa com garfos Diogo 2010- 11- 19

limpava o pó com farinha


deitava cem gatos na sala

e dormia na cozinha.

Numa casa muito


estranha

Numa casa muito estranha

toda feita de chocolate

vivia uma bruxa castanha

que adorava o disparate

Punha os copos no fogão

As panelas na banheira

Os sapatos nas gavetas

as meias na frigideira;

escrevia com fios de ‘agua

dormia sempre de pe’

cozinhava numa cama


comia no bide.

Varria a casa com garfos

Limpava o po’ com farihna

Deitava cem gatos na sala

E dormia na cozinha.

N
uma casa muito

Numa casa muito estranha

Toda feita de chocolate

vivia uma bruxa castanha

que adorava o disparate

Punha os copos no fogão

As panelas na banheira

Os sapatos nas gavetas

As meias na frigideira;

escrevia com fios de água


dormia sempre de pé

cozinhava numa cama

e comia no bidé .

Varria a casa com garfos

limpava o pó com farinha

deitava cem gatos na sala

e dormia na cozinha.

Beatriz Fernandes Pereira

Janardo, 19 de Novembro de 2010