You are on page 1of 35

Financiamentos

Públicos e
Mudança do Clima
Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos
Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima
Financiamentos Públicos
e Mudança do Clima
Análise das Estratégias e Práticas de Bancos
Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros
na Gestão da Mudança do Clima
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

Expediente Sumário

rEALIzAçãO 6 Sumário Executivo


FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas – GVces 10 Objetivo do estudo
Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA
10 Objeto do estudo
cOOrDEnAçãO GErAL
Mario Monzoni e Rachel Biderman, GVces 11 Metodologia
Cristina Montenegro, PNUMA
14 Setor financeiro público e a mudança do clima
EQUIpE
Gladis Ribeiro, Renata Loew Weiss e Paula Peirão, GVces 17 As Instituções Pesquisadas
ApOIO 17 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)
Embaixada Britânica
26 Caixa Econômica Federal (CEF)
cOLABOrAçãO
Luiz Andrade, Embaixada Britânica 30 Banco do Brasil (BB)
Bárbara Oliveira, Roberta Simonetti e Raquel Costa, GVces
Marina Bortoletti, PNUMA 32 Fundos Constitucionais
prOJETO GráfIcO 32 Fundo para a Região Norte (FNO)
Vendo Editorial
prODUçãO
35 Fundo para a Região Nordeste (FNE)
Bel Brunaro 36 Fundo para a Região Centro-Oeste (FCO)
rEVISãO
Marca-Texto Editorial
38 Análise comparada (gap analysis)
AGrADEcIMEnTOS AOS cOLABOrADOrES
54 Considerações finais
Este estudo é o resultado de um processo de consulta a inúmeros especialistas representantes de bancos públicos e privados, de
organizações da sociedade civil e de governo. As contribuições colhidas durante o processo de validação foram incorporadas ao estudo. 57 AnEXO 1: Análise comparada individual
O PNUMA E O GVCES AGRADECEM AS CONTRIBUIÇÕES DOS SEGUINTES
58 AnEXO 2: Questionário 1: Visão institucional e emissões operacionais
COLABORADORES (EM ORDEM ALFABÉTICA):
Adauto Modesto Junior Guilherme Martins raphael Stein
60 AnEXO 3: Questionário 2: Emissões de clientes e direcionamento da carteira
Alex Kamber
Ana Luiza champloni
Branca Americano
Gustavo Tosello pinheiro
Jean r. Benevides
José Maximiano Jacinto
renata clemente
rogerio fernandes Dias
roland Widmer
62 AnEXO 4: Solicitação de informações adicionais sobre produtos e carteira
Bruno Saraiva
Bruno Vio
Marcelo Battisti
Marcio costa
Sandra Stacioni Sato
Savio Mendonça 64 Referências
carlos henrique rosa Márcio rodrigues Lopes Sergio cortizo
carlos Mussi Maurik Jehee Shigeo Shiki
cláudia costa Myriam cristina Almeida rocha Sonia regina Bittencourt
Delio noel nilson figueiredo filho Tibério rômulo r. Bernardo
fernando rieche paulo Mouzinho Veronica Marques Tavares
Gabriel Martins priscila Bak Wagner de Siqueira pinto

4 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 5
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

cumprimento legal ambiental para a concessão como base as quatro dimensões sugeridas
de créditos no bioma Amazônia3. pelo CDP:
conscientização estratégica sobre mudança do clima;
METODOLOGIA especificidade e ambição das metas de redução de carbono;
A metodologia desta pesquisa combinou capacidade de realizar e publicar inventários;

Sumário Executivo (i) fontes primárias: consultas diretas com


as instituições-alvo, oficinas de avaliação e
validação e questionário estruturado com (ii)
capacidade de implementação de práticas, incluindo aspectos
de governança, equipe, instrumentos e comprometimento da
cadeia de suprimentos.
fontes secundárias: relatórios de gestão das Os resultados preliminares foram [2] A resolução
3545/08, do conselho
instituições-alvo e de benchmarks, bem como avaliados e validados em dois workshops: Monetário nacional,
referências bibliográficas. (i) em São Paulo, em 2 de setembro de determina a inclusão
de critérios ambientais
Os questionários foram baseados nas 2010, com a presença de representantes de para a contratação
de crédito agrícola
principais iniciativas globais que apresentam bancos públicos e privados, organizações no bioma Amazônia.
diretrizes para a avaliação de comprometimento da sociedade civil e especialistas; e (ii) em Disponível em: www3.
bcb.gov.br/normativo/
OBJETIVO DO ESTUDO Amazônia, Banco do Nordeste e Banco do Brasil. e práticas com a temática “Clima”: Climate Brasília, em 28 de setembro de 2010, com detalharnormativo.do
?n=108019002&me
O objetivo deste estudo é realizar uma Vale lembrar que existem grandes variações Principles, Carbon Disclosure Project (CDP), foco no público governamental. thod=detalharnormat
avaliação comparada (gap analysis) das estruturais entre as instituições avaliadas, Bank Track e Empresas pelo Clima (EPC). ivo. Acesso em 1º de
outubro de 2010.
políticas e práticas de bancos e fundos implicando em limitações em sua análise A estrutura da avaliação das emissões rESULTADOS
[3] Título da Terra,
constitucionais públicos brasileiros no que comparativa no tocante a impacto direto (rede de de gases de efeito estufa (GEE) operacionais Destacamos três aspectos críticos certificado de cadastro
se refere às ações de redução do impacto distribuição), missão, arcabouço de governança, (internas e de fornecedores) e financiadas diagnosticados nesta avaliação, para os quais do Imóvel rural (ccIr),
declaração de que
climático de suas operações e ao fomento gestão e volume de recursos alocados. Por (realizadas por clientes com crédito e/ou são explorados avanços, desafios não existem embargos
vigentes no uso
à transição para uma economia de baixo conseguinte, esta avaliação tem como referência investimento das instituições analisadas) teve e recomendações: econômico das áreas
carbono. O estudo analisa iniciativas e básica as melhores práticas internacionais, sem desmatadas ilegalmente
no imóvel e documento
procedimentos já implantados, bem como
programas em desenvolvimento.
Os resultados apresentados visam a
hierarquizar as práticas entre os bancos e fundos
de nossa amostra. 1 apesar da conscientização sobre o tema, existem grandes desafios para a formulação
de uma visão estratégica nas instituições. É baixo o nível de envolvimento da alta gestão
nessa temática, fundamental para viabilizar estratégias e práticas – desenho de produtos e
que comprove
a regularização
ambiental, o qual deve
ter sido protocolado no
órgão competente.
[1] O protocolo subsidiar os processos de tomada de decisão cOnTEXTO ferramentas de monitoramento e avaliação – capazes de responder à magnitude do desafio;
Verde ou protocolo
de Intenções pela na formulação de políticas públicas de Dada a elevada e crescente participação
responsabilidade combate aos efeitos da mudança do clima, em do setor financeiro público no segmento AVANÇOS LACUNAS RECOMENDAÇõES
Socioambiental “tem
por objeto estabelecer linha com os objetivos da Convenção Quadro bancário, sobretudo no financiamento de
a convergência de comprometimento poucos exemplos de liderança no tema desenvolvimento de linhas de base
esforços para o das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, longo prazo, é de extrema importância que o institucional formalizado comuns, incluindo inventário de emissões
empreendimento de Protocolo de Quioto, Plano de Bali e Acordo de tema da mudança do clima seja incluído no objetivos de curto prazo (produtos), desenvolvidos
financiadas e acompanhamento das
políticas e práticas envolvimento de áreas por níveis intermediários de gestão
bancárias que Copenhague. Espera-se ainda que a análise planejamento estratégico dessas instituições. ações listadas no pnMc
sejam precursoras, estratégicas
aqui proposta forneça informações relevantes Cabalmente sensibilizado por isso, no discurso Baixo envolvimento da alta gestão
multiplicadoras, atribuições de responsabilidade para a
demonstrativas ou para todo o setor financeiro nacional. e na prática, o setor financeiro público pode Grupos de trabalho
responsabilidade em níveis intermediários de alta gestão na criação de uma estratégia
exemplares em termos multidisciplinares e de
de responsabilidade – e deve – desempenhar um papel-chave no gestão transversal para o tema na instituição
socioambiental e áreas transversais
que estejam em OBJETO DO ESTUDO financiamento para uma economia de baixo desconhecimento do impacto agregado cooperação entre empresas públicas,
harmonia com o Os objetos desta análise são as principais carbono no Brasil. envolvimento da
institucional: evitando sobreposições de mandatos e
objetivo de promover sociedade civil no
um desenvolvimento instituições financeiras públicas do país, isto é, Todas as instituições da amostra são carência de linhas de base e compreensão das duplicidade de alocação de recursos para
monitoramento de ações e
que não comprometa
BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica signatárias do Protocolo Verde1, o que implicações de mudança do clima de forma desenvolvimento de ferramentas e ações
as necessidades das existência de marco legal
gerações futuras a Federal, bem como os Fundos Constitucionais pressupõe um reconhecimento institucional individualizada de mitigação e adaptação
partir da atualização adesão a uma
dos compromissos de Financiamento, desenhados visando à acerca da importância e urgência de atuarem estrutura de governança corporativa estabelecimento de metas de redução
metodologia comum para
previstos no protocolo
promoção do desenvolvimento regional no como precursores e multiplicadores em termos complexa de emissões operacionais e financiadas
Verde, firmado em emissões operacionais
1995”. O novo Norte, Nordeste e Centro-Oeste – o Fundo de responsabilidade socioambiental. Vale (GHG protocol) demanda da sociedade civil por maior consolidação e divulgação de
protocolo Verde foi
assinado por governo Constitucional do Norte (FNO), o Fundo ressaltar ainda que as instituições avaliadas transparência informações sobre os avanços no tema,
Metodologias de relato
e bancos públicos em
Constitucional do Nordeste (FNE) e o Fundo estão alinhadas com as exigências da resolução com dados quantitativos
1º de agosto de 2008 e engajamento de partes Falta de clareza sobre implicações práticas
e conta com cinco Constitucional do Centro-Oeste (FCO) –, 3545 do Banco Central (29/2/2008)2, que interessadas (Gri, cdp para os bancos e fundos das ações listadas no
princípios norteadores e
respectivas diretrizes. administrados respectivamente pelo Banco da estabeleceu a obrigatoriedade de verificação do etc.) pnMc

6 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 7
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

2 a eficácia de produtos e ferramentas para uma economia de baixo carbono é questionável.


Os produtos desenhados especificamente para esse tema têm baixa representatividade,
tanto do ponto de vista de alocação quanto de demanda. Produtos tradicionais podem
atender a necessidades de clientes no que se refere à redução de emissões, mas exigem
monitoramento de seu impacto, para que seja comprovada sua adicionalidade;

AVANÇOS LACUNAS RECOMENDAÇõES


disponibilidade de Baixa atratividade de produtos alinhamento de produtos verdes
crédito para reflorestamento, verdes com a estratégia da instituição na
energias renováveis, questão climática
Maior foco em riscos do que em
eficiência energética e
oportunidades Ferramentas que incentivem boas
programa de agricultura para
práticas para a questão do clima em
baixo carbono entraves com questões adjacentes
produtos tradicionais
(ex.: questão fundiária)
iniciativas pioneiras
simplificação do processo de
trabalham o produto verde ao Baixa disseminação do tema e
crédito de produtos verdes Os três aspectos críticos enfatizam as recursos, uma vez que a base da pirâmide [4] Mitigação refere-
longo da cadeia conscientização em mudança do se a atividades que
clima revisão de produtos pouco emissões financiadas, que representam um de renda sofrerá os maiores impactos das contribuam para a
patrocínio de eventos,
atraentes e processo de decisão volume mais expressivo e com impactos mudanças do clima. Recomenda-se o foco redução de gases de
elaboração de pesquisas e deficiências na cadeia de valor efeito estufa como apoio
estudos e capacitação de Monitoramento para comprovação de maior prazo do que as emissões em novos produtos nas áreas que ainda não ao desenvolvimento
processo de crédito para produtos operacionais. recebem a devida atenção em adaptação,
de baixo carbono
colaboradores de forma geral de adicionalidade socioambiental (energias renováveis),
verdes mais rigoroso e complexo
dos produtos verdes como agropecuária, segurança hídrica e uso de biocombustíveis,
aumento esperado no excesso de foco no
redução do
número de grandes projetos desenvolvimento constante de cOnSIDErAçõES fInAIS planejamento urbano e zonas costeiras. desmatamento,
desenvolvimento do produto final, Existe ainda um amplo espaço a ser Finalmente, destacamos que as
manutenção da
motivado por conscientização conhecimento técnico, mercadológico cobertura florestal,
sem análise de sua viabilidade
e possibilidade de barreiras e metodológico ocupado pelas instituições pesquisadas no instituições pesquisadas não consideram entre outras. Adaptação
diz respeito a ações
não tarifárias dificuldades com monitoramento – que se refere a monitoramento, consolidação a disponibilidade de recursos para
desenvolvimento de projetos de combate às
custo alto e falta de tecnologia e padronização de informações, promovendo investimentos numa economia de baixo
vulnerabilidades de
conjuntos e melhoria na países e/ou populações
comunicação com governo e onGs o alinhamento entre produtos/ferramentas carbono um entrave. A oferta de crédito no mais suscetíveis em
resposta aos efeitos das
dirigidos à mudança do clima e estratégias Brasil vem crescendo em ritmo acelerado. mudanças climáticas.
institucionais, o que evitaria ações dispersas Somente os desembolsos do BNDES entre

3 soluções para adaptação e vulnerabilidade à mudança do clima são oportunidades até o


momento pouco exploradas pelas empresas. As iniciativas promovidas pelas instituições
financeiras públicas mapeadas neste estudo estão na maioria associadas à mitigação4 dos
e contraditórias. Adicionalmente, recomenda-
se a criação de uma linha de base comum
para gestão de carteiras de clientes, incluindo
2008 e 2009 tiveram elevação de 50%
(em milhões: 2008, R$ 90.877,9; 2009,
R$ 136.356,4). Os produtos tradicionais têm
desafios climáticos. Foram encontradas poucas experiências de apoio à adaptação e às inventário de emissões financiadas e a capacidade de atender a necessidades
vulnerabilidades que o Brasil apresenta frente aos impactos da mudança do clima. acompanhamento das práticas relacionadas de clientes no que se refere à redução de
ao Plano Nacional sobre Mudança do Clima. emissões. Entretanto, o grande desafio
AVANÇOS LACUNAS RECOMENDAÇõES A cooperação entre instituições públicas neste momento é construir ferramentas de
poderá ainda ser um fator-chave para a avaliação e monitoramento que possam
linhas de crédito pouco foco e informações protagonismo das instituições financeiras
da caixa econômica limitadas em soluções de públicas em soluções de adaptação efetividade de políticas públicas associadas aferir adequadamente a adicionalidade
Federal, BB e adaptação a mudanças climáticas. Como exemplo, ambiental desses investimentos.
Foco em agropecuária, segurança hídrica e
Bndes com foco em uma aproximação entre instituições poderia
Falta de clareza na definição de planejamento urbano/zonas costeiras
adaptação ser catalisada pela Federação Brasileira de
prioridades governamentais SIGLAS MAIS UTILIZADAS
integração com diferentes instâncias Bancos (Febraban) e MMA, em alinhamento Banco do Brasil (BB)
ausência de capacitação governamentais e alinhamento com Banco do nordeste (BnB)
técnica planejamento de desenvolvimento local com os objetivos PNMC. Banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BnDES)
Além disso, soluções de adaptação caixa Econômica federal (cEf)
capacitação de profissionais estratégicos carbon Disclosure project (cDp)
são uma oportunidade até o momento Empresas pelo clima (Epc)
nas instituições sobre as soluções de fundo constitucional de financiamento do centro-Oeste (fcO)
adaptação pouco explorada pelas instituições. O fundo constitucional de financiamento do nordeste (fnE)
fundo constitucional de financiamento do norte (fnO)
desenvolvimento de iniciativas necessitaria fundo nacional sobre Mudança do clima (fnMc)
investimento em pesquisa e digitalização Gases de Efeito Estufa (GEE)
de maior grau de engajamento de partes
de dados Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)
interessadas, de informações e de aporte de plano nacional sobre Mudança do clima (pnMc)

8 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 9
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

OBJETIVO DO OBJETO
ESTUDO DO ESTUDO METODOLOGIA
E O A E
ste estudo tem por objetivo realizar s objetos de estudo são as principais metodologia desta pesquisa combinou ste estudo tomou como uma das principais
uma avaliação comparada (gap instituições financeiras públicas do (i) fontes primárias, obtidas a referências o trabalho do Grupo de Economia do Meio
analysis) das práticas de bancos país, isto é, BNDES, Banco do Brasil partir de consultas presenciais e Ambiente (Gema) – IE/UFRJ Avaliação dos Critérios de
públicos e fundos constitucionais brasileiros e Caixa Econômica Federal, bem como os telefônicas com as instituições-alvo; oficinas Sustentabilidade dos Financiamentos Apoiados pelos Fundos
no que se refere à redução do impacto Fundos Constitucionais de Financiamento de avaliação e validação; e questionário Constitucionais Brasileiros, realizado em 2008, com o apoio
climático de suas operações e ao fomento que foram desenhados visando à estruturado, com (ii) fontes secundárias, da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe
a uma economia de baixo carbono. O promoção do desenvolvimento regional no o que inclui relatórios da gestão das (Cepal), que estudou fundamentos de sustentabilidade dos
estudo analisa iniciativas e procedimentos Norte, Nordeste e Centro-Oeste – Fundo instituições-alvo e de benchmarks e financiamentos apoiados pelos fundos constitucionais.
já implantados, bem como programas em Constitucional do Norte (FNO), Fundo referências bibliográficas. Entre os principais desafios para a inserção de
desenvolvimento. Constitucional do Nordeste (FNE) e Fundo Os questionários encaminhados às sustentabilidade no processo decisório dos fundos
Os resultados apresentados visam Constitucional do Centro-Oeste (FCO) –, instituições foram padronizados, sem constitucionais ressaltados pelo estudo da Cepal estão:
a subsidiar os processos de tomada de administrados respectivamente pelo Banco diferenciação entre bancos e fundos heterogeneidade de critérios de análise de impacto
decisão na formulação de políticas da Amazônia, Banco do Nordeste e Banco constitucionais, e contemplam avaliação das socioambiental;
públicas de combate aos efeitos da do Brasil. Vale lembrar que existem grandes emissões operacionais e financiadas, tendência de concentração de recursos em grandes projetos;
mudança do clima, em linha com os variações estruturais entre as instituições a saber (página 13). falta de monitoramento pós-financiamento, de fiscalização
objetivos da Convenção Quadro das avaliadas e, portanto, limitações em sua e de estrutura do setor ambiental;
Nações Unidas sobre Mudança do Clima, análise comparativa no tocante a impacto distanciamento entre os agentes financeiros e bancos
Protocolo de Quioto, Plano de Bali e direto (rede de distribuição), missão, gestores, responsáveis pela operação dos fundos, e os
Acordo de Copenhague. Espera-se ainda arcabouço de governança, gestão e volume órgãos públicos vinculados a sua gestão estratégica.
que a análise aqui proposta forneça de recursos alocados. Por conseguinte, Entre as recomendações do relatório, que se estendeu
informações relevantes para todo o setor esta avaliação tem como referência básica a todas as práticas associadas à incorporação de
financeiro nacional. as melhores práticas internacionais, sem sustentabilidade, estão:
hierarquizar as práticas entre os bancos padronização de critérios de análise de impacto
e fundos de nossa amostra. socioambiental, metodologias e procedimentos entre os fundos;
ampliação de critérios de indução para projetos
sustentáveis, priorizando sua alocação de recursos;
ênfase nos pequenos projetos;
melhoria dos canais de comunicação entre os agentes
financeiros e clientes, assim como entre os bancos gestores
e os órgãos públicos.
Como recomendações de ordem geral, o estudo sugere
o fortalecimento dos órgãos ambientais e a melhoria do
sistema de licenciamento ambiental brasileiro.

10 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 11
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

O s questionários foram baseados em iniciativas de


instituições que apresentam diretrizes para a avaliação de
comprometimento e práticas com a temática “Clima”:
Questionário 15:
Sobre emissões de gases de efeito estufa
(GEE) no âmbito de suas operações: avalia
1. conscientização estratégica sobre mudança do
clima;
2. especificidade e ambição das metas de redução
Climate Principles: iniciativa liderada por cinco instituições o comprometimento institucional com o de carbono (no questionário 2, foi considerado o
financeiras (HSBC, Credit Agricole, Munich Re, Standard tema da mudança do clima, além das alinhamento dos objetivos de redução de carbono
Chartered e Swiss Re) que busca estabelecer padrões e práticas de gestão de emissões internas versus o impacto direto de sua atuação, bem como a
melhores práticas para endereçar impactos associados à e de fornecedores, como a realização de customização de ferramentas e produtos);
mudança do clima em todos os seus serviços (empréstimos, inventários de emissões operacionais e o 3. capacidade de realizar e publicar inventários;
investimentos, assessoria e seguros); estabelecimento de metas de redução de 4. habilidade de implementação de práticas, incluindo
Carbon Disclosure Project (CDP): organização sem fins emissão de GEE. Avalia ainda oportunidades aspectos de governança, equipe, instrumentos e
lucrativos que opera um sistema de comunicação de mudança de engajamento interno e com fornecedores comprometimento da cadeia de suprimentos (neste
do clima, onde cerca de 3 mil instituições mensuram e para uma economia de baixo carbono; estudo, considerado como “engajamento de partes
reportam suas emissões de gases de efeito estufa. Conta com interessadas”).
a maior base de dados de informações corporativas primárias Questionário 26:
em mudança climática do mundo. Os ativos mapeados Sobre emissões de GEE financiadas: Os resultados preliminares foram [5] Anexo 2

totalizaram US$ 41 trilhões em 2009. Adicionalmente, em avalia a gestão das emissões de GEE avaliados e validados em dois workshops: [6] Anexo 3
seu relatório sobre cadeia de fornecedores, sistematiza produzidas pelas atividades fins – crédito e (i) em São Paulo, em 2 de setembro de
a análise sobre a capacidade de uma instituição se investimento – das instituições financeiras, 2010, com a presença de representantes de
comprometer com o tema da mudança do clima; assim como a disponibilidade de recursos bancos públicos e privados, organizações
Bank Track: coalizão de organizações da sociedade civil e produtos para adaptação e mitigação, da sociedade civil e especialistas; e (ii) em
focada no acompanhamento da incorporação de práticas que representam o volume mais expressivo Brasília, em 28 de setembro de 2010, com
socioambientais em atividades do setor financeiro no de emissões da atividade bancária e foco no público governamental. Nessas
mundo. Propõe parâmetros para o segmento no tocante impactos de mais longo prazo. Avalia ocasiões, constatou-se que as informações
à mudança do clima e afere práticas bancárias por meio ainda se a instituição tem inventário de quantitativas relativas às carteiras de
de um sistema de pontuação. O Bank Track estabelece GEE para emissões financiadas, processos produtos relacionadas à mudança do clima
indicadores rigorosos, o que explica a baixa pontuação de monitoramento da carteira de crédito recebidas primeiramente não permitiam
recebida pelas instituições avaliadas em seu último e metas de redução de GEE. Identifica uma comparação adequada entre as
relatório; a forma de engajamento do banco com instituições e que a análise deveria ser
Grupo Temático de Instituições Financeiras do Empresas clientes e outros atores da sociedade frente aprofundada. Assim, foi enviada aos
pelo Clima (EPC): grupo de trabalho criado pela FGV no a aspectos relevantes para uma economia bancos e fundos constitucionais uma nova
âmbito do Programa EPC que tem por meta construir um de baixo carbono. solicitação de dados mais customizada,
conjunto de sugestões para o estabelecimento de políticas A estrutura dos questionários teve como conforme o anexo 4. As contribuições
públicas em mudança do clima para o setor. base as quatro dimensões sugeridas pelo colhidas durante o processo de validação
CDP, o que engloba: foram incorporadas ao estudo.

12 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 13
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

QUADRO 1: SIStEMA FINANCEIRO PÚBLICO (EXCEtO BNDES) (JUNHO DE 2010)


BANCO DA
BB CEF BNB tOtAL
AMAZÔNIA
caixa econômica
Segmento Banco Múltiplo Banco Múltiplo Banco comercial
Federal
Operações de
O SETOr

FONTE: Banco Central do Brasil (Bacen)


crédito 249.642 139.448 8.963 1.619 399.672
(R$ milhões)
fInAncEIrO Número de
4.980 2.087 184 105 7.356
pÚBLIcO E A agências
Região com
MUDAnçA DO maior número sudeste (44%) sudeste (51%) nordeste (91%) norte (76%)
cLIMA de agências
Ativos

O
[7] Government setor financeiro público pode ser apresentada no âmbito do Plano Real, (R$ milhões) 651.752 381.238 19.854 8.052 1.060.896
Banking: new
perspectives definido como o conjunto de agentes em 1994, quando foi reconhecido
on Sustainable financeiros que, de forma completa explicitamente o papel estratégico dos
Development and Social
Inclusion from Europe
and South America.
ou segmentada (caso dos bancos de bancos federais. O documento afirma que as instituições federais têm sido responsáveis GRÁFICO 2: COMPARAtIVO ENtRE INStItUIÇõES
economia mista), desempenha funções “agências da administração financeira por uma parte expressiva do crédito em
fundação Konrad
Adenauer. relacionadas ao financiamento das políticas federal se justificam como instrumentos oferta, conforme mostra o gráfico 1.
(DE JUNHO DE 2009 A JUNHO DE 2010)
públicas brasileiras. Essas instituições têm para a execução de sua política de crédito No que se refere à oferta de crédito no 100%
participação ativa no fomento às atividades e como agentes do Tesouro Nacional como país em termos absolutos, as instituições 26% 28% 16%
90%
econômicas definidas como prioritárias nas complemento ao sistema financeiro em financeiras governamentais desempenham
estratégias de desenvolvimento. geral, por razões de segurança estratégica”7. papel principal, sendo o Banco do Brasil o 80%

A definição mais apurada da estrutura Entretanto, a natureza “complementar” líder do sistema nacional. O quadro 1 acima 70%
financeira governamental brasileira foi atribuída parece inadequada, uma vez que oferece uma breve comparação entre as
60%
instituições, excetuando-se o BNDES, pois, 34% 44% 47%

dadas suas características específicas, 50%

GRÁFICO 1: OPERAÇõES DE CRÉDItO operaÇÕes de crÉdito do setor pÚBlico não possui rede própria de distribuição, 40%

tOtAIS DO SIStEMA FINACEIRO realizando operações de menor porte por

FONTE: Banco Central do Brasil (Bacen)


operaÇÕes de crÉdito totais 30%
1.600 repasse a outras instituições financeiras
1.583 públicas e/ou privadas e desembolsando 20%

1.400 diretamente somente para grandes projetos 10% 40% 28% 37%
1.414 ou investimentos em participações através
0%
1.200 da BNDESPar. Em 2009, o total de Operações de crédito Ativos número de agências
1.227
desembolsos do BNDES foi da ordem de
BB, ceF, BnB, Banco da aMaZÔnia
1.000 R$ 136 bilhões. itaÚ-uniBanco, Banco Bradesco e Banco santander
936 A crise de liquidez internacional de 2008 deMais instituiÇÕes listadas no Bacen
FONTE: Banco Central do Brasil (Bacen)
R$ BILHÕES

800 fez com que empresas brasileiras de grande


733 porte voltassem a depender de recursos
600 607
668 financeiros no mercado interno, reforçando
588
499 a posição dos bancos públicos nacionais. A
400 384
418 445 representatividade total das operações de
327 336
319 crédito, ativos e agências das instituições
269
200 192 223 pesquisadas é significativa, sobretudo
167
144 116 144 quando comparada aos maiores grupos
0 financeiros privados, como demonstrado no
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010* gráfico 2, ao lado.

14 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 15
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

QUADRO 2: DESEMBOLSOS DO BNDES DE


JULHO DE 2009 A JULHO DE 2010 (R$ MILHõES)
DESEMBOLSO POR SEtOR

Agropecuária 8.794 6,5%

Indústria 48.333 35,8%

Infraestrutura 52.252 38,7%

Comércio e serviços 25.580 19,0%


AS InSTITUIçõES total 134.959 100,0%
pESQUISADAS
A
ssim, dada a relevância que ocupa do desenvolvimento sustentável no Brasil. DESEMBOLSO POR REGIãO
no sistema financeiro nacional, em Mais do que uma contribuição voluntária, a BANCO NACIONAL Norte 10.645 7,9%
termos relativos ou absolutos, e a
urgência de ações de mitigação e adaptação
atuação do setor bancário público no que se
refere ao tema precisa estar alinhada com a DE DESENVOLVIMENtO
à mudança do clima, as instituições Política Nacional de Mudanças Climáticas e ECONÔMICO E Nordeste 16.011 11,9%
financeiras públicas podem desempenhar
um papel relevante no financiamento de uma
o Plano Nacional sobre Mudança do Clima
(PNMC), coordenado pelo Ministério do Meio
SOCIAL (BNDES) Sudeste 71.089 52,7%

economia de baixo carbono e na promoção Ambiente (MMA). DESTAQUES: Sul 27.021 20,0%
Aprovações de crédito em 2009 –
r$ 170,2 bilhões Centro-Oeste 10.192 7,5%
A POLÍtICA NACIONAL DE MUDANÇAS CLIMÁtICAS E O PLANO NACIONAL Desembolso de crédito em 2009 –
r$ 136,3 bilhões total 134.958 100,0%
SOBRE MUDANÇA DO CLIMA (PNMC) 52,7% dos desembolsos na região
DESEMBOLSO POR PORtE
A Política Nacional de Mudanças Climáticas, em populações com maior vulnerabilidade a Sudeste nos últimos 12 meses
aprovada por lei federal em 2009, visa a reduzir oscilações climáticas, sobretudo a base da 71,7% dos desembolsos destinados às
Pessoa física 7.220 5,3%
voluntariamente, entre 36,1% e 38,9%, as emissões pirâmide socioeconômica. grandes empresas nos últimos 12 meses
nacionais projetadas até 2020, por meio de ações O Plano prevê ainda o apoio a pesquisa Aprovações para segmento de energia Micro e pequena empresa 19.315 14,3%
como: redução do desmatamento nos biomas e desenvolvimento, educação, capacitação, renovável em 2009 – r$ 13,9 bilhões
Amazônia (80%) e Cerrado (40%); plantio direto, comunicação e elaboração de instrumentos Apenas r$ 480,86 milhões aprovados Média empresa 11.811 8,8%
recuperação de pastos, integração lavoura-pecuária econômicos, de cooperação internacional e legal, em 2009 são produtos relacionados ao
e fixação biológica de nitrogênio na agropecuária; para implementação das ações. meio ambiente Grande empresa 96.613 71,6%
eficiência energética, biocombustíveis, expansão O PNMC tem como fontes de recurso para
total 134.959 100,0%
de oferta de energia renovável na área de energia; atuação o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima
e a substituição do carvão de desmatamento por (FNMC) e o Fundo Amazônia, geridos pelo BNDES.
DEMAIS DESEMBOLSOS
plantado na siderurgia. O FNMC foi criado em 2009 e encontra-se ainda
Já o Plano Nacional Sobre Mudança do Clima em processo de regulamentação. Será o primeiro Social 10.373
(PNMC) foi construído a partir de duas metas centrais: mecanismo a usar recursos provenientes da
MITIGAçãO de emissões de GEE nos setores de energia; exploração de petróleo no combate à mudança do Exportação no segundo setor 10.049

FONTE: BNDES Transparente


florestas, outros biomas e agropecuária; indústria; clima. Seu orçamento poderá chegar a R$ 1 bilhão
resíduos, transporte e saúde. no Brasil, os principais por ano e há alocações previstas em pesquisas, Operações automáticas 41.056
desafios são a redução das emissões provenientes do ações de mitigação e de adaptação. O primeiro
uso do solo, mudança do uso do solo e floresta; aporte sinalizado para compor o FNMC seria da
total 61.478
ADApTAçãO à mudança do clima, com foco ordem de R$ 200 milhões. 196.437
tOtAL GERAL

16 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 17
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

RESUMO DE LINHAS, FUNDOS E PROGRAMAS DO BNDES RELACIONADOS ÀS equipamentos e insumos com maior crédito rotativo até
Cartão BNDES empresas
AtIVIDADES DO PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA (PNMC) eficiência energética e ambiental r$ 750 mil
FINANCIAMENtO FINANCIAMENtO
OBJEtIVO8 BENIFICIÁRIOS MODALIDADE9 OBJEtIVO8 BENIFICIÁRIOS MODALIDADE9
BNDES BNDES
AtIVIDADES RURAIS E FLOREStAIS BNDES
plantio comercial e recuperação de empresas de base indireta reembolsável até Desenvolvimento projetos do mecanismo de
Propflora empresas participação acionária
florestas nativas florestal r$ 200 mil Limpo (Fundos desenvolvimento limpo
agricultores indireta reembolsável até de Carbono)
Pronaf Eco tecnologias ambientais
familiares r$ 36 mil empresas, centros
atividades econômicas sustentáveis, c&t,
Refloresta direta e indireta Fundo Amazônia de pesquisa, ucs
reflorestamento com nativas proprietários rurais unid. de conservação e modernização direta não reembolsável

FONTE: Plano Nacional sobre Mudança do Clima


reembolsáveis e instituições
institucional governamentais
INOVAÇãO
Fundos de
desenvolvimento tecnológico e inovação instituição de
FUNtEC nas áreas de energias renováveis, meio pesquisa, centro direta não reembolsável investimentos em negócios ambientais empresas participação acionária
ambiente e saúde tecnológico; empresa participações
direta (financiamento e/ Programa
Capital desenvolvimento da capacidade ou participação acionária) de Produção estímulo a projetos de recuperação de
empresas agricultores
inovador de inovação de empresas reembolsável com mínimo áreas degradadas para reinserção no
Sustentável do empresariais e
de r$ 1 milhão processo produtivo e adoção de práticas
Agronegócio – familiares
sustentáveis
direta reembolsável Produsa
Inovação projetos de inovação de produtos e (financiamento
empresas
tecnológica processos e/ou participação acionária)

c
com mínimo de r$ 1 milhão omo principal instituição de seus objetivos estratégicos, o BNDES [8] Descritos apenas os
objetivos ligados aos
financiamento de longo prazo para todos tem associado a esses projetos créditos temas do pnMc.
ENERGIA, SANEAMENtO E tRANSPORtE
os segmentos da economia, o BNDES ou recursos não reembolsáveis visando à
[9] Modalidade direta –
escos e empresas atua por meio de créditos diretos, repasses mitigação e adequação socioambiental. via BnDES; modalidade
direta e indireta
Proesco eficiência energética (consumidoras ou de e investimentos em capital. Adicionalmente, Em agosto de 2010, foi publicada pelo
indireta – via agente

oferta de energia) reembolsáveis financeiro.


oferece fundos não reembolsáveis a projetos Banco Central a Resolução 3896, que institui
[10] Inventário
investimentos em infraestrutura, direta reembolsável acima que, segundo critérios estabelecidos o Programa para Redução da Emissão Brasileiro das Emissões
Finem indústria, comércio e serviços
empresas de r$ 10 milhões de Gases de Efeito Estufa na Agricultura
e remoções Antrópicas
internamente, contribuam para o de Gases de Efeito
desenvolvimento social, cultural e tecnológico. (Programa ABC). Esse programa de crédito Estufa do Ministério da
SOCIOAMBIENtAL ciência e Tecnologia.
Em seu Planejamento Corporativo conta com volume de recursos do Sistema
Linha de meio saneamento ambiental, Mdl, sistemas 2009/2014, o BNDES indica como aspectos BNDES de até R$ 1 bilhão para aplicação até
de gestão, ecoeficiência, reciclagem e empresas direta reembolsável mais relevantes de sua missão a inovação junho de 2011, em linha com o inventário
ambiente
recuperação de áreas degradadas e o desenvolvimento local, regional e nacional de GEE10 e o PNMC. Essa resolução
Investimento projetos e programas sociais no âmbito socioambiental, que devem ser promovidos tem por objetivo promover a redução das
empresas direta reembolsável
social da empresa e/ou das comunidades em todos os empreendimentos apoiados emissões de GEE oriundas das atividades
pelo banco. agropecuárias e contribuir para a diminuição
Modernização da gestão Órgãos estaduais de
Pmae Ambiental direta reembolsável O BNDES é o principal financiador da do desmatamento líquido por meio de
e do licenciamento meio ambiente
indústria de base e de grandes grupos financiamentos para a recuperação de áreas
Pmat Modernização da gestão Órgãos municipais direta reembolsável
e do licenciamento de meio ambiente brasileiros. Em 2009, 72% de seus créditos e pastagens degradadas, a implantação de
concedidos diretamente foram direcionados sistemas de integração lavoura-pecuária,
BNDES empreendimentos energéticos indireta reembolsável até
empresas para empresas de grande porte e lavoura-floresta, pecuária-floresta ou
Automático e ambientais r$ 10 milhões
38,7%, para projetos de infraestrutura, lavoura-pecuária-floresta, a implantação e
empreendimentos com significativos a manutenção de florestas comerciais ou
equipamentos com maior eficiência
Finame empresas indireta reembolsável potenciais de emissões de GEE e impactos destinadas à recomposição de reserva legal
energética e ambiental
socioambientais adversos. Em linha com ou de áreas de preservação permanente.

18 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 19
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

A
ser lançado em novembro de 2010. O [11] Tribunal de Contas
redução do impacto de investimentos O programa foi desenhado para oferecer no tocante ao clima. Tem como objetivo da União. Adaptação
índice corresponde ao IBrX50, índice de do setor agropecuário.
potencialmente associado ao condições diferenciadas para empresas tornar o BNDES um agente de destaque no Relator: ministro Aroldo
desempenho do mercado de ações da Cedraz. Brasília: TCU,
desflorestamento é de alta relevância em cidades em situação de emergência processo de fomento à economia de baixo
Bovespa, ponderado pelas emissões das 2009a, 47 p.
para o BNDES, uma vez que o banco ou calamidade pública. Até o momento, carbono e é liderado pelo diretor das áreas
empresas listadas. Essa iniciativa, além
é, atualmente, o principal investidor do a maioria das solicitações foi feita por de Meio Ambiente, Capital Empreendedor
de incentivar as empresas a contabilizar
setor frigorífico brasileiro, tendo injetado microempresas para capital de giro; porém, e Mercado de Capitais.
suas emissões por meio de inventários
no segmento, por meio de participações os recursos existem para ser utilizados Hoje, a superintendência de Meio
de carbono, fomentará procedimentos de
diretas, cerca de R$ 10 bilhões entre 2008 também na compra de maquinário e Ambiente atua por meio de três
gestão do tema climático, à medida que
e 2010. Relatório de auditoria do Tribunal construção civil. O BNDES Emergencial departamentos que possuem atribuições
a redução de emissões representará a
de Contas da União indica que existe uma pode ainda ser distribuído através de de analisar o apoio financeiro a projetos
possibilidade de inclusão ou ampliação
alta correlação entre desmatamento e repasses para o Banco do Brasil, Caixa relacionados à mudança do clima:
de sua representatividade no índice. Uma
pecuária em anos recentes11. Econômica Federal ou Banco do Nordeste.
vez que grande parte das empresas com
No que se refere a produtos específicos A alocação total para o programa é de Departamento de Operações de Meio
potencial para compor o ICO2 são clientes
para energias renováveis, o BNDES possui R$ 1 bilhão, mas até setembro de 2010 Ambiente:
do BNDES, o banco considera essa ação
em seu portfólio projetos de energia eólica, foram aprovados somente R$ 3,6 milhões. operações com recursos reembolsáveis,
um passo importante para a contabilização
biomassa e pequenas centrais hidrelétricas A partir de 2009, o BNDES ampliou seu produtos de renda fixa e renda variável
de suas emissões financiadas;
(PCHs) e oferece condições de crédito escopo de atuação no segmento ambiental, (participação direta);
por meio do Fundo de Investimento
comparativamente mais vantajosas para as criando uma Área de Meio Ambiente que adequações ambientais de projetos
em Participações – FIP Brasil
fontes energéticas renováveis em relação a se reporta diretamente à diretoria do banco. de grande porte através de linhas
Sustentabilidade, o banco apoia empresas
projetos de alto potencial de emissões, como Essa superintendência passou a englobar socioambientais para mitigação de
que têm como linha de atuação a
termoelétricas a carvão. Adicionalmente, foi atividades operacionais, de crédito e impactos diretos do empreendimento.
formulação de projetos com potencial
criado um departamento de bicombustíveis investimento e a gestão do Fundo Amazônia O apoio inclui: eficiência energética,
de obtenção de crédito de carbono, seja
no mesmo nível hierárquico dos – um dos pilares do PNMC. A nova área energias renováveis, saneamento,
no âmbito do MDL, seja no de mercados
departamentos de hidrelétrica e indústria também expandiu atividades da antiga reflorestamento e projetos no âmbito
voluntários. A participação do banco neste
automotiva, sinalizando a importância gerência de meio ambiente, anteriormente do Mecanismo de Desenvolvimento
fundo é de 48,66%, o que corresponde
do tema para a instituição. Até julho de focada em assistência técnica, para uma Limpo (MDL);
a R$ 200 milhões.
2010, o banco aprovou R$ 5,6 bilhões em missão de construção de conhecimento estruturação de ações que contribuam
recursos para projetos nesses segmentos, institucional e suporte a projetos e para impulsionar o desenvolvimento
em comparação com os R$ 13,98 bilhões investimentos em participações diretas do mercado de carbono brasileiro,
aprovados em 2009. nas empresas. como projetos de crédito de carbono,
No que se refere à adaptação, o BNDES Essa superintendência coordena ainda a construção do projeto Exchange
desenvolveu linhas de crédito, como o o Projeto Corporativo de Economia de Baixo Traded Funds (ETF), lastreado no ICO2
BNDES Emergencial, em operação desde Carbono, criado em 2009, que integra Índice Carbono Eficiente, desenvolvido
julho de 2010 em Alagoas e Pernambuco. o planejamento corporativo do BNDES em conjunto com a BMF & Bovespa, a

20 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 21
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

c
onforme o quadro 3, a seguir, em reflorestamento da Mata Atlântica. A Conservação, desenvolvimento científico
2009, R$ 480,86 milhões em iniciativa BnDES Mata Atlântica (IBMA), e tecnológico, modernização e
produtos de baixo carbono foram de reflorestamento de áreas de proteção eficiência institucional.
aprovados, valor ainda restrito quando permanente e unidades de conservação
comparado aos R$ 170,2 bilhões de na Mata Atlântica, conta com 26 projetos MODALIDADES OpErAcIOnAIS:
recursos aprovados na instituição. ainda em estágio de análise. O IBMA utiliza I gestão de florestas públicas e áreas
DEpArTAMEnTO DE MEIO AMBIEnTE recursos não reembolsáveis do fundo protegidas;
Operações com recursos não reembolsáveis Social do BnDES, cuja fonte orçamentária II controle, monitoramento e fiscalização
ligadas à inovação tecnológica e ao é o lucro do BnDES; ambiental;
Suporte técnico às áreas operacionais III manejo florestal sustentável;
QUADRO 3: APROVAÇõES POR MECANISMO do BnDES na análise das operações de
financiamento; construção de capacidade
IV atividades econômicas desenvolvidas
a partir do uso sustentável da floresta;
DE COLABORAÇãO FINANCEIRA* técnica interna; elaboração de guias V zoneamento ecológico e econômico,
de procedimentos ambientais em bases ordenamento e regularização fundiária;
setoriais que já foram elaboradas, mas VI conservação e uso sustentável da
EM R$ MILHõES 2007 2008 2009 2010 ainda não estão em operação. biodiversidade;
VII recuperação de áreas desmatadas.
DEpArTAMEnTO DE GESTãO DO fUnDO
DESENVOLVIMENtO LIMPO - - - 6,00 AMAzÔnIA As iniciativas apoiadas pelo Fundo
FUNDO AMAZONIA - - - 15,92 O Fundo Amazônia é um mecanismo devem estar alinhadas com o Plano
contábil de natureza financeira, não Amazônia Sustentável (PAS), o Plano de
FUNtEC 42,92 124,60 108,03 17,48 incluído no orçamento da União. Criado Prevenção e Controle do Desmatamento
MEIO AMBIENtE 137,29 192,00 50,29 16,33 pelo decreto 6527/2008 da União e gerido na Amazônia Legal (PPCDAM), os Planos
pelo BNDES, o fundo capta doações Estaduais de Combate ao Desmatamento,
PRODUSA - 5,10 223,42 230,67 para investimentos não reembolsáveis as diretrizes e os critérios do Comitê
PROESCO 1,85 10,56 13,77 2,04 destinados a: prevenção e combate ao Orientador do Fundo Amazônia (Cofa)
desmatamento, promoção da conservação e políticas operacionais do BNDES.
PRONAF ECO - - 1,44 0,70 e do uso sustentável das florestas no
PROPFLORA 65,65 66,10 83,91 40,73 bioma amazônico e investimento em novas
tecnologias de monitoramento (em todos
tOtAL GERAL 247,70 398,36 480,86 329,85 os biomas brasileiros). As iniciativas para a
FONTE: BNDES – dados de 2010 até agosto aplicação dos recursos são categorizadas
* Conjunto de instrumentos financeiros usados pelo BNDES (financiamento de como: atividades produtivas sustentáveis,
projetos, repasses, participações em linhas de crédito diretas etc.). conservação e proteção de Unidades de

22 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 23
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

GRÁFICO 3: POSIÇãO DO FUNDO AMAZÔNIA


EM 30 DE SEtEMBRO DE 201013

FONTE: Fundoamazonia.org.br
NÚMERO DE PROJEtOS POR NÍVEL OPERACIONAL

sendo analisados
níveis 3 + 4
29 (41 %)

aproVados
níveis 1 + 2
8 (11 %)

apresentados
níveis 5 + 6
34 (48 %)

total: 71 projetos
sancionados, não necessariamente PROJEtO: INStItUtO DO HOMEM E MEIO 12 municípios integrantes do programa
atividades em operação. Até setembro de AMBIENtE DA AMAZÔNIA – IMAZON prAzO DE UTILIzAçãO DOS rEcUrSOS:
2010, R$ 109 milhões foram aprovados VALOr: r$ 9,7 milhões 36 meses
pelo contrato com o governo da Noruega, rEGIãO: 11 municípios do pará
ABRANGÊNCIA tERRItORIAL DOS PROJEtOS (quantidade de projetos) assinado em 2009, que garantiu até US$ AçãO: mobilização da sociedade PROJEtO: SEMENtES DO PORtAL,
107 milhões de desembolsos, com direito local (produtores rurais, sindicatos, INStItUtO OURO VERDE
estados nÃo- a dois aditivos de US$ 134 milhões cada associações) e governos (estadual e VALOr: r$ 5,4 milhões
aMaZÔnicos (1)
rr (1)
um nos anos consecutivos. O contrato federal), com o objetivo de levantar rEGIãO: Mato Grosso
ro (2)
tem vigência até 201512. Apesar das dados ambientais e fundiários de AçõES: recuperação de 1.200 hectares de
to (2)
aprovações já realizadas pelo Fundo, o propriedades rurais e acelerar a adesão áreas degradadas (recomposição de áreas
ac (3)
processo de governança, bem como de dos proprietários ao cadastro Ambiental de preservação permanente e reserva
aM (5)
desembolso e formalização de contratos, rural. Incentivo à regularização ambiental legal) e resgate da agricultura familiar em
Mt (11)
tem sido bastante complexo, sobretudo da cadeia produtiva da madeira, seis municípios que compõem o Território
Vários estados
para instituições da sociedade civil e para o pecuária e soja nos 12 municípios portal da Amazônia, no extremo norte de
aMaZÔnicos (16) governo federal (que, esperava-se, seria o integrantes do programa. Essas atividades Mato Grosso, por meio da introdução de
pa (30) grande cliente do Fundo Amazônia). são consideradas estimuladoras do sistemas agroflorestais (formas de uso da
desmatamento terra que reúnem um conjunto de espécies
prAzO DE UTILIzAçãO DOS rEcUrSOS: de árvores, cultivos agrícolas
[12] www. EXEMpLOS DE prOJETOS cOnTrATADOS 36 meses e criação de animais numa mesma área

E
fundoamazonia.gov.br.
ntre os possíveis doadores para pELO fUnDO AMAzÔnIA e simultaneamente)
[13] www.
fundoamazonia.gov.br.
o fundo estão governos, ONGs, PROJEtO: tHE NAtURE CONSERVANCY DO prAzO DE UTILIzAçãO DOS rEcUrSOS:
As informações empresas e a sociedade em geral. PROJEtO: ÁREAS PROtEGIDAS DA BRASIL – tNC BRASIL 36 meses
sobre a carteira do
fundo Amazônia A captação adicional de recursos do AMAZÔNIA (ARPA) – FUNDO BRASILEIRO VALOr: r$ 16 milhões
são atualizadas
quinzenalmente: www.
Fundo Amazônia está condicionada PARA A BIODIVERSIDADE (FUNBIO) rEGIãO: Mato Grosso e pará PROJEtO: BOLSA FLOREStA, FUNDAÇãO
fundoamazonia.gov.br. à redução das emissões de gases de VALOr: r$ 20 milhões AçãO: mobilização da comunidade AMAZONAS SUStENtÁVEL – FAS
efeito estufa oriundas do desmatamento rEGIãO: toda a Amazônia (associações, sindicatos e produtores VALOr: r$ 19,2 milhões
associadas a sua carteira de projetos, AçãO: recursos destinados à segunda fase do rurais, além de governos estaduais e rEGIãO: Amazonas
validada através do parecer de um programa áreas protegidas da Amazônia federal) em 12 municípios, sendo sete em AçãO: manutenção de 10 milhões de
comitê técnico. Dessa forma, o (Arpa) de combate ao desmatamento Mato Grosso e cinco no pará, visando à hectares de florestas (6,4% do território
monitoramento de seus projetos é a partir da criação e consolidação de adesão ao cadastro Ambiental rural e ao do estado do Amazonas) por meio de
um dos elementos centrais para o Unidades de conservação (Uc). na monitoramento do desmatamento na região pagamento às comunidades pelos serviços
crescimento do Fundo. primeira fase, o projeto criou 62 Uc por meio de imagens de satélite. Incentivo ambientais de manutenção das florestas
Os gráficos acima (gráfico 3) prAzO DE UTILIzAçãO DOS rEcUrSOS: à regularização ambiental da cadeia prAzO DE UTILIzAçãO DOS rEcUrSOS:
refletem o volume de projetos 48 meses produtiva da madeira, pecuária e soja nos 60 meses

24 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 25
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

CAIXA ECONÔMICA QUADRO 4: CARtEIRA DE RESUMO DAS LINHAS DE CRÉDItO, FUNDOS E PROGRAMAS
CRÉDItO – PESSOA JURÍDICA DA CEF RELACIONADOS ÀS AtIVIDADES DO PNMC
FEDERAL (CEF)
DESTAQUES: MONtANtE CONtRAtADO tIPOLOGIA DE AÇãO DESCRIÇãO BENIFICIÁRIO
SEtORES
contratações totalizaram r$ 154,5 bilhões (2009) EM R$
FUNDOS
em 2009; Agropecuária 300.000.000,00
As contratações habitacionais registraram Gestão da execução financeira do projeto nacional MMa – agente operador
r$ 49,3 bilhões, incluindo repasses, um Florestal - de ações integradas público-privadas para e gestor do programa.
Probio II
crescimento de 105,2% em relação a 2008; Óleo e gás 519.000.000,00 Biodiversidade, com recursos do Fundo Mundial para comunidades e instituições
As contratações para saneamento e
o Meio ambiente de us$ 22 milhões de pesquisas
infraestrutura registraram r$ 17,1 bilhões, Energias renováveis 3.708.576.247,05 Programa Carbono Fundo destinado ao replantio de espécies produtores rurais
representando crescimento de 51,9% em Outros - Seguro nativas em áreas desmatadas
relação a 2008;
total 4.527.576.247,05 PRODUtOS
foram executadas 77 análises de risco de
crédito socioambiental para projetos, que MONtANtE CONtRAtADO Financiamento de projetos de pequenas centrais
REGIõES Energias renováveis Hidrelétricas (pcH) e usinas de geração de energia por empresas privadas
totalizaram r$ 9,67 bilhões; (2009) EM R$ MIL
recebeu doação de € 500 mil da GTz, fontes alternativas, como eólica e biomassa
Norte 1.494.192,00
agência de fomento do governo alemão, para Aquecedor solar de Financia a aquisição do equipamento de pessoas físicas
apoio a empreendimentos habitacionais com Nordeste 6.399.643,00 água aquecimento termosolar
aquecedores solares.
Centro-Oeste 4.122.967,00 Governos estaduais e
municipais, empresas
A Caixa Econômica Federal (CEF), instituição Sudeste 23.557.185,00 Desenvolvimento adoção de soluções de eficiência energética e públicas de administração
financeira com 100% de controle governamental, sustentável de cidades  redução de desperdício
Sul 10.377.057,00 direta e indireta, estaduais ou

FONTE: Plano Nacional sobre Mudança do Clima


foi constituída com objetivos específicos e uma municipais, empresas privadas
estrutura de governança fechada. O foco de sua total 45.951.044,00
Linhas de crédito para aquisição de máquinas e equipamentos para
atuação é o financiamento da adequação da empresas privadas
OBS.: Valores por região consideram somente crédito empresas produção mais limpa
infraestrutura urbana (limpeza e desenvolvimento comercial PJ, sem incluir produtos de desenvolvimento
da habitação etc.), a gestão dos fundos e programas urbano (saneamento, infraestrutura, habitação) Financiamento de projetos de Mdl em
Crédito de carbono empresas públicas e privadas
focados no apoio à melhoria estrutural e redução do e gestão pública aterros sanitários
FONTE: Iged/Vicor
déficit habitacional no país. Adicionalmente, a CEF
SERVIÇOS
é responsável pela gestão de ativos de terceiros,
operacionalização das loterias federais e fundos Financiamento de apoio para aprimoramento e desenvolvimento de Finep – órgão gestor,
instituídos pelo governo federal, incluindo o Fundo pesquisas de inovações novas tecnologias e eficiência produtiva e energética universidades e centros de
de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). tecnológicas nas áreas de saneamento e habitação pesquisas públicos

26 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 27
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

Política e práticas socioambientais em mudança do clima: gestão da água, práticas sociais, conservação
A proposição de políticas e práticas está Bens de Consumo Duráveis (BCD) de recursos e materiais, além de estabelecer
a cargo da Gerência de Meio Ambiente Ecoeficiência: linha de crédito para 53 critérios de construção e desenho de
e do Comitê de Responsabilidade Social, fomento de ecoeficiência empresarial; projetos, 19 deles obrigatórios para todos os
que se reporta à diretoria da instituição. Financiamento à geração de energia de projetos habitacionais financiados pela Caixa.
Desde 2008, a CEF vem desenvolvendo fontes renováveis; A implementação de um maior número
políticas específicas para a incorporação apoio à construção de aterros sanitários de critérios é reconhecida como adicional
das ferramentas de gestão socioambiental associados à cogeração de energia, em socioambiental, sendo premiada com
diretamente associada a sua missão, além linha com a Lei para Resíduos condições especiais de crédito.
de ser o segundo banco público brasileiro Sólidos15, recentemente aprovada pelo O principal projeto focado
signatário dos Princípios do Equador14. Congresso Nacional; exclusivamente na temática “Clima” é
Entre as ações específicas sobre mudança projetos habitacionais de baixo impacto o programa de fomento à aquisição de
do clima, a CEF publica seu inventário de para casas populares, com opção de aquecedores solares para as Regiões
emissões diretas, tendo ampliado esse incorporação de aquecedores solares Sul, Sudeste e Centro-Oeste, associado
mapeamento para parte de sua cadeia de (Minha Casa, Minha Vida); ao Programa Minha Casa, Minha Vida. O
valor utilizando a metodologia GHG Protocol. parceria com o Banco Mundial por meio projeto, que conta com a parceria técnica
A CEF também é um dos apoiadores do do Carbono Caixa, que dá apoio a projetos da Agência Alemã de Cooperação Técnica
Carbon Disclosure Project (CDP) no Brasil. O de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (GTZ), tem como meta 40 mil unidades
inventário de emissões diretas publicado em (MDL), financiando e oferecendo suporte instaladas em 2010, demonstrando a
2009 foi acompanhado ainda por um conjunto técnico e legal, desde a estruturação do preocupação com a mensuração de suas
de metas e propostas que deram origem projeto (PDD) até a venda dos créditos iniciativas. Além de oferecer financiamento
a uma Política de Eficiência de Operações na forma de Reduções Certificadas de diferenciado, a CEF investiu na construção
[14] Tratado voluntário Diretas, que está, no momento, em avaliação Emissão (RCE). de parcerias para proporcionar condições
que tem o intuito de pelo conselho da instituição. Ainda na esfera operacionais para toda a cadeia, incluindo
garantir que os projetos
financiados na modalidade de seu impacto direto, a Caixa incorporou Como a principal atividade da CEF está assistência técnica, peças de reposição e
Project Finance (método
de financiamento no práticas de compras públicas sustentáveis, associada à construção civil, nos últimos dois estrutura de distribuição em parceria com
qual o financiador que gradativamente têm sido ampliadas anos a instituição desenvolveu um sistema Associação Brasileira de Refrigeração,
considera somente as
receitas geradas por dentro da organização, que conta com 2.237 de certificação ambiental por meio de um Ar-Condicionado, Ventilação e
aquele único projeto)
sejam desenvolvidos com agências e 81.437 funcionários. amplo processo de consulta a especialistas Aquecimento (Abrava).
boas práticas de gestão e pesquisa de padrões nacionais e A CEF possui ainda linhas de trabalho
socioambiental.
Produtos e serviços internacionais de construção sustentável, com foco específico em adaptação, por
[15] Lei 12305, de 2 de
agosto de 2010. www. socioambientais dando origem ao “Selo Casa Azul”. Essa meio de linhas de repasse de produtos
planalto.gov.br/ccivil_03/_ Destacamos a seguir algumas iniciativas, certificação é extensiva a seis categorias: emergenciais oferecidos pelo BNDES
ato2007-2010/2010/lei/
l12305.htm. apresentadas pela própria CEF, com foco qualidade urbana, eficiência energética, e programas próprios.

28 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 29
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

[16] Associação
Brasileira de
BANCO DO BRASIL (BB) Política e prÁtica interna
Desde 2004, o BB tem buscado
política, dadas as limitações estabelecidas
pelo Tribunal de Contas da União (TCU)
prioridade estratégica. O setor agrícola, como
o maior consumidor de água para irrigação
Instituições Financeiras
DESTAQUES:
de Desenvolvimento. incorporar a temática socioambiental a suas no que se refere à lei 8666, que versa e um dos principais responsáveis pela
O BB é o líder de mercado em crédito
[17] Government diretrizes de atuação, tendo sido o primeiro sobre a administração pública. Por causa poluição dos recursos hídricos, tem elevada
Banking: New rural. Detém 58,1% de participação do
Perspectives banco de economia mista a se tornar da magnitude de seu público interno – potencialidade de contribuição, tanto para
mercado; sua carteira total em 2009 foi
on Sustainable signatário dos Princípios do Equador. 100 mil funcionários e 12.382 pontos de atividades de mitigação (redução de consumo,
Development and Social de R$ 66,4 bilhões;
Inclusion from Europe A postura de responsabilidade atendimento (3.155 agências e 9.227 postos recomposição de nascentes e cobertura
and South America, 25% da carteira de crédito de agronegócio
Fundação Konrad socioambiental do Banco do Brasil é de atendimento) –, o banco possui impacto florestal, descontaminação de corpos d’água
é destinada ao Norte e ao Centro-Oeste;
Adenauer. orientada pelos seguintes direcionadores: direto considerável e tem buscado não afetados por produtos agroquímicos, uso de
16% da carteira de crédito de agronegócio
I incorporar os princípios socioambientais na somente reduzir sua pegada, mas também equipamentos e defensivos de menor emissão
corresponde à bovinocultura e 9%, à soja;
prática administrativa e de negócios; capacitar sua estrutura administrativa para etc.) quanto de adaptação, na prevenção
66% dos recursos contratados na safra
II implementar visão articulada e integradora multiplicar as ações socioambientais. da desertificação. Essa estratégia acaba de
2009/2010 foram de médias e grandes
de responsabilidade socioambiental; ser lançada; portanto, não existem ainda
empresas.
III disseminar os princípios socioambientais Produtos e serviços estatísticas sobre resultados. O BB é ainda um
Também é líder em repasse do BNDES16 e
e criar uma cultura de responsabilidade; socioambientais dos líderes do programa “Agricultura de Baixo
na ampliação da oferta de crédito no país,
IV ouvir e considerar a diversidade dos O BB tem como um dos focos Carbono”, do governo federal.
com carteira de R$ 326,52 bilhões em
interesses dos públicos de relacionamento; de sua estratégia de negócios o Ainda para a agricultura, o banco oferece
agosto de 2010 e 20,1% de participação
V influenciar a incorporação dos princípios de chamado Desenvolvimento Regional algumas linhas exclusivas, como o BB
de mercado.
responsabilidade socioambiental no país. Sustentável (DRS), que busca apoiar Florestal, cujo objetivo é ampliar a produção
Linhas socioambientais:
atividades produtivas rurais e urbanas, florestal, o BB Produção Orgânica, que oferece
BB Produção Orgânica contabilizou R$
A proposição de políticas e práticas está ovinocaprinocultura, apicultura, artesanato apoio às despesas de investimento, custeio e
14 milhões em operações contratadas
a cargo da Unidade de Desenvolvimento e reciclagem de lixo, com o objetivo de comercialização do segmento, e o BB Biodiesel,
estáveis em relação a 2008;
Sustentável, que, por sua vez, se reporta à fortalecer o associativismo de pequenos que visa a apoiar a produção, a comercialização
BB Florestal cresceu 42% em 2009,
vice-presidência de Gestão de Pessoas e empreendedores, cooperativas e da e o uso do biodiesel, além de repasses de
atingindo R$ 598 milhões.
Desenvolvimento Sustentável, subordinada agricultura familiar, respeitando a recursos do BNDES para o setor. O Banco
ao conselho diretor da instituição. diversidade cultural. do Brasil tem investido substancialmente em
O Banco do Brasil (BB) é um
O Banco do Brasil publica seu inventário Como o maior financiador do agronegócio produtos e iniciativas para atender o mercado
conglomerado financeiro federal de economia
de emissões diretas dede 2008, utilizando brasileiro (na safra de 2008/2009, o BB de biocombustíveis, com a criação de um
mista e ações negociadas no mercado de
a metodologia GHG Protocol. O BB é um destinou R$ 30,9 bilhões para o setor rural, departamento especializado, com linhas de
capitais. “O banco tem funções específicas
dos apoiadores-fundadores do Carbon sendo R$ 7,5 bilhões para a agricultura financiamento preferenciais.
de desenvolvimento agrícola e agroindustrial,
Disclosure Project (CDP) e do Programa familiar), o banco tem buscado desenvolver O BB possui ainda linhas de trabalho
promoção do comércio exterior e relação com
GHG Protocol no Brasil. Incorporou práticas estratégias e critérios que reduzam o impacto com foco específico em adaptação, por
o mercado financeiro internacional, além de
de compras sustentáveis, mas ainda não do setor sobre o avanço da fronteira agrícola. meio de linhas de repasse de produtos
atuar como o principal agente financeiro do
obteve a aprovação completa de sua Para isso, elegeu o tema “água” como uma emergenciais oferecidos pelo BNDES.
Tesouro Nacional.”17

30 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 31
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

PERFIL DA CARtEIRA DE CRÉDItO DO FNO


(SOMENtE CARtEIRA DE FOMENtO)
2008 (A) 2008 (A) 2009 (B) 2009 (B) Evolução %
r$ mil % r$ mil % (B/A)

SEtOR RURAL 6.443,9 100,0 6.529,6 100,0 1,3


Agropecuária 5.005,5 77,7 5.398,7 82,7 7,9
Pesca e agricultura 43,0 0,7 38,6 0,6 (10,3)
Floresta (biodiversidade) 848,5 13,2 723,0 11,1 (14,8)
fUnDOS Outros recursos
cOnSTITUcIOnAIS (poupança, RPL)
546,9 8,5 369,3 5,7 (32,5)

O
[18] Inventário s Fundos Constitucionais de fundos, sendo 0,6% para o FCO, 1,8% para SEtOR NãO RURAL 2.969,6 100,0 4.086,1 100,0 37,6
Brasileiro das Emissões
Financiamento foram criados em o FNE e 0,6% para o FNO. A operação dos
e remoções Antrópicas
Indústria 1.033,3 34,8 1.394,7 34,1 35,0
de Gases de Efeito 1989 com o objetivo de promover o Fundos foi dividida entre três instituições
Estufa do Ministério da
ciência e Tecnologia. desenvolvimento regional através de atividades financeiras federais: do Centro-Oeste, pelo Agroindústria 162,2 5,5 187,5 4,6 15,6
produtivas nos setores agropecuário, mineral, Banco do Brasil (BB); do Nordeste, pelo
turismo 294,0 9,9 360,7 8,8 22,7
industrial, agroindustrial, turístico, comercial Banco do Nordeste do Brasil (BNB); e do
e de serviços nas Regiões Norte, Nordeste e Norte, pelo Banco da Amazônia. A partir das Cultura 81,5 2,7 80,9 2,0 (0,7)
Centro-Oeste. A determinação de diretrizes e normas gerais do Ministério da Integração,
critérios de gestão dos Fundos está a cargo do cada uma dessas instituições desenvolve
Infraestrutura 206,7 7,0 1.109,4 27,2 436,8

FONTE: Banco da Amazônia


Ministério da Integração Nacional. Os recursos critérios próprios de aplicação de recursos Exportação 11,9 0,4 3,7 0,1 (68,5)
são provenientes da arrecadação dos impostos e diretrizes de sustentabilidade, inclusive
Comércio e serviços 492,9 16,6 724,7 17,7 47,0
sobre a renda e proventos de qualquer estabelecendo programas específicos voltados
natureza sobre produtos industrializados. ao desenvolvimento sustentável, como, por Outros recursos (BNDES, 224,4 5,5 (67,3)
FAt, poupança, RPL) 687,1 23,1
Segundo a Constituição de 1988, 3% do exemplo, o Pronatureza (FCO), FNE Verde
total dessa arrecadação é direcionado aos (FNE) e FNO Amazônia Sustentável (FNO). tOtAL 9.413,4 100,0 10.615,7 100,0 12,8

FUNDO PARA A REGIãO NORtE (FNO) QUADRO 7: CRItÉRIOS SOCIOAMBIENtAIS APLICADOS PARA

O
Fundo Constitucional de Financiamento da Amazônia. Em razão dessa alta contribuição
do Norte (FNO) é gerido pelo Banco regional para as emissões brasileiras, toda A AVALIAÇãO DE PROJEtOS DO FNO
da Amazônia e segue as diretrizes a estratégia de fomento a atividades de INStRUMENtOS tIPO DE CRÉDItO SEtOR VALOR DA PROPOStA (R$)
estabelecidas nos planos federais para o menor impacto socioambiental e redução de SOCIOAMBIENtAIS
desenvolvimento da Amazônia, como (i) o Plano desflorestamento do FNO representa uma rural projetos acima de 2 milhões
Amazônia Sustentável (PAS), que sugere linhas contribuição direta para a redução de Fomento

FONTE: Banco da Amazônia


de ação prioritárias para órgãos de governos impactos climáticos. QSA não rural projetos acima de 10 milhões
no âmbito municipal, estadual e federal; e (ii) a Os projetos beneficiados pelo FNO são proponentes com receita bruta
sustentação econômica
Política Nacional de Desenvolvimento Regional segmentados por setor de atuação, pelo valor anual acima de 100 milhões
(PNDR), focada na redução da desigualdade da proposta e pelo porte do projeto. Com base Fomento demais propostas
e no fomento à diversidade. No Brasil, de nessas subdivisões, o banco define se os critérios Fisa
acordo com o Inventário Nacional18 de 2005, socioambientais serão aplicados por meio de uma sustentação econômica demais propostas
as emissões correspondentes à mudança do avaliação mais detalhada através do Questionário
uso da terra e florestas alcançaram 57,5% das Socioambiental (QSA) ou no formato mais conciso
emissões nacionais de CO2 equivalente. Elas do Formulário de Informações Socioambientais
referem-se ao desmatamento, principalmente (Fisa), conforme quadro 7, a seguir:

32 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 33
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

O
s recursos do FNO são destinados a não-governamental, comércio e prestação Eco – receberam um montante de verbas para o exercício (R$ 80,4 milhões). As
três programas de financiamento: o de serviços. bastante reduzido em relação ao montante contratações para o FNO Pronaf totalizaram
Programa Nacional de Fortalecimento O FNO Biodiversidade é dirigido a total do FNO, e ainda assim possuem baixa R$ 453,7 milhões (84,7% do previsto de
da Agricultura Familiar (Pronaf), o Programa produtores rurais e populações tradicionais utilização. Em 2009, os financiamentos aplicação). A estimativa para 2010 do FNO
de Financiamento do Desenvolvimento não contempladas pelo Pronaf. Possui concedidos por meio do Programa FNO Biodiversidade é de R$ 87,46 milhões, e
Sustentável da Amazônia (FNO tratamento diferenciado para a recuperação Biodiversidade corresponderam a R$ 20,3 do FNO Pronaf, de R$ 583,06 milhões,
Amazônia Sustentável) e o Programa de reserva legal, com taxa efetiva de apenas milhões – 25,2% da dotação definida conforme quadro 8.
de Financiamento para Manutenção e 4% ao ano, independentemente do porte do
Recuperação da Biodiversidade Amazônica
(FNO Biodiversidade).
cliente. Entretanto, dadas as incertezas do
marco legal (geradas pela expectativa de um FUNDO PARA A REGIãO NORDEStE (FNE)
O
O FNO Amazônia Sustentável foi criado enfraquecimento do Código Florestal) e as Fundo Constitucional do Nordeste socioambientais, estimulando a conservação
em 2006, com o objetivo de consolidar pendências fundiárias, essas linhas têm, até (FNE) é gerido pelo Banco do dos recursos naturais. Entretanto, a exemplo
as diversas linhas de financiamento antes o momento, utilização reduzida. Nordeste e oferece financiamentos das outras instituições pesquisadas, a
operadas pelo Banco da Amazônia com Em 2009, o setor rural representou com prioridade a municípios de menor representatividade do FNE Verde em relação
recursos do FNO não ligados ao Pronaf. 35% do montante de recursos aplicados população e renda da região semiárida, com aos desembolsos totais é reduzida, embora
Esse programa apoia empreendimentos pelo Banco da Amazônia, correspondente o objetivo de promover o desenvolvimento tenha crescido consideravelmente nos últimos
com componentes socioambientais. Os a R$ 854 milhões, e agroindústria/ regional. O foco da atuação do FNE são três anos (2008: R$ 387 milhões; 2009: R$
setores contemplados são: agricultura, indústria, 22% (R$ 536 milhões). Os atividades de pequenos e microprodutores 630 milhões; previsão para 2010: R$ 1,2
pecuária, silvicultura, aquicultura, captura programas especificamente voltados para rurais e de microempresas urbanas. Apesar bilhão).
e transformação de pescado, agroindústria, atividades ambientais – tais como o FNO de a estrutura do fundo ser bem definida Adicionalmente, o FNE também destina
turismo, indústria, infraestrutura econômica Biodiversidade, Pronaf-Floresta e Pronaf- e a organização possuir um histórico de recursos para linhas de crédito do Pronaf com
incorporação da temática socioambiental, foco climático: Pronaf Eco, Pronaf Floresta,
existem desafios na alocação de recursos e Pronaf Semiárido e Pronaf Agroecologia. O
QUADRO 8: PREVISãO DE APLICAÇãO DE RECURSOS DO monitoramento dos projetos. banco também possui linhas especiais no
FNO POR AtIVIDADE ECONÔMICA PARA 2010 O Programa de Financiamento à âmbito do Programa Cresce Nordeste, que
Conservação e Controle do Meio Ambiente oferece juros menores e prazos maiores
PREVISãO DE APLICAÇãO POR AtIVIDADE ECONÔMICA (R$ MILHõES)
– FNE Verde está entre as linhas de crédito comparativamente a produtos tradicionais.
AtIVIDADES ECONÔMICAS Ac AM Ap pA rO rr TO TOTAL oferecidas pelo FNE com foco socioambiental. Entre as linhas desse programa destacam-se o
fnO-prOnAf 29,87 56,37 36,11 250,35 92,53 46,43 71,40 583,06 O FNE Verde direciona recursos a diversas Cresce Nordeste Reflorestamento & Sistemas
agricultura familiar 29,87 56,37 36,11 250,35 92,53 46,43 71,40 583,06 áreas de atividades produtivas, desde que os Agroflorestais, Cresce Nordeste Meio Ambiente,
409,74 2.244,79 projetos contenham ênfase em adicionalidades Cresce Nordeste Recuperação Ambiental e
fnO-Amazônia Sustentável 153,55 478,26 108,75 600,28 395,78 98,43
empreendimentos rurais 42,00 9,78 17,46 256,69 76,77 71,64 311,47 785,81
agropecuária 40,45 5,07 15,91 247,09 74,13 69,56 309,92 762,13 QUADRO 9: PROGRAMA DE FINANCIAMENtO QUADRO 10: CARtEIRA DE
pesca e aquicultura 1,55 4,71 1,55 9,60 2,64 2,08 1,55 23,68 À CONSERVAÇãO E CONtROLE DO MEIO CRÉDItO – PESSOA JURÍDICA
empreendimentos não-rurais 111,55 468,48 91,29 343,59 319,01 26,79 98,27 1,458,98
AMBIENtE (FNE VERDE) SEtOR R$ MILHõES
FONTE: Programação de Financiamento FNO, 2010

agroindústria 1,70 0,56 6,07 7,94 9,11 0,86 2,91 29,15


indústria 3,77 161,13 4,87 50,74 35,72 2,08 34,54 292,85 PROGRAMA DE FINANCIAMENtO À CONSERVAÇãO E Agropecuária 702,6
CONtROLE DO MEIO AMBIENtE (FNE VERDE)
turismo* 3,78 34,86 4,79 9,12 2,55 1,44 1,77 58,31
cultura 2,04 5,54 1,46 8,75 4,96 1,45 4,96 29,16 Montante disponibilizado Florestal 28,1
r$ 375 milhões
(2009)
infraestrutura 13,59 31,72 13,59 111,65 221,43 13,59 31,73 437,30
Óleo e gás 0,8
exportação 0,57 10,58 0,45 16,12 0,67 0,31 0,45 29,15 Montante contratado (2009) r$ 628,2 milhões
comércio e serviço 86,1 224,09 60,06 139,27 44,57 7,06 21,91 583,06 energias renováveis, Energias renováveis 304,4
fnO-Biodiversidade 20,65 19,28 0,91 23,96 7,29 0,91 14,46 87,46 Setores foco florestamento e
14,46 87,46 reflorestamento, silvicultura Outros 5.961,0

FONTE: BNB

FONTE: BNB
Floresta e fauna silvestre 20,65 19,28 0,91 23,96 7,29 0,91
e recuperação de áreas
TOTAL 204,07 553,91 145,77 874,59 495,6 145,77 495,6 2.915,31 degradadas total 6.996,9

34 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 35
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

Cresce Nordeste Energias Renováveis. Como financiamento para os Setores comercial QUADRO 11: PREVISãO DE APLICAÇãO DE RECURSOS FCO 2010
os estados do Nordeste possuem o maior e de Serviços;
PREVISãO DE APLICAÇãO POR AtIVIDADE ECONÔMICA (R$)

FONTE: Programação de Financiamento FCO, 2010


potencial eólico do país, o produto de mais fnE proatur: programa de Apoio ao Turismo
destaque refere-se a energias renováveis, que regional; FCO Empresarial 744.559.618,38 710.270.688,59 710.270.688,59 563.318.132,33 2.728.419.127,89 55,70
representam hoje R$ 304 milhões de sua fnE Inovação: programa de financiamento industrial 179.024.522,44 284.392.383,79 123.942.235,13 263.610.353,14 850.969.494,50
carteira de crédito, de acordo com a estimativa à Inovação; infraestrutura 200.370.669,03 70.885.014,76 123.942.235,25 38.500.541,14 433.698.460,10
do Banco do Nordeste representará cerca de fnE Micro e pequenas Empresas: programa
turismo 179.024.522,32 70.885.014,76 178.277.942,82 35.879.985,09 464.067.465,00
R$ 1 bilhão em 2010. Para incentivar essas de financiamento às MpEs;
comércio e serviços 186.139.904,60 284.108.275,39 284.108.275,39 225.327.252,96 979.683.708,34
linhas, foi incluída no planejamento do BNB a fnE Aquipesca: programa de Apoio ao
meta de investir R$ 2,3 bilhões com recursos Desenvolvimento da Aquicultura e pesca FCO Rural 186.139.904,60 710.270.688,59 710.270.688,59 563.318.132,33 2.169.999.414,11 44,30
do FNE em programas ambientais de crédito do nordeste; pronaf-ra e pronaf demais 93.069.952,36 217.342.830,66 332.771.776,30 112.663.626,54 755.848.185,92
entre 2008 e 2011. fnE profrota pesqueira: programa de demais rurais 93.069.952,24 492.927.857,81 377.498.912,26 450.654.505,79 1.414.151.228,18
financiamento à Ampliação e Modernização Subtotal 930.699.522,98 1.420.541.377,18 1.420.541.377,18 1.126.636.264,66 4.898.418.542,00 100
prOGrAMAS DE fInAncIAMEnTO DO fnE: da frota pesqueira nacional;
fnE rural: programa de Apoio ao fnE procultura: programa de financiamento fcO rUrAL o Pronatureza, destinado a projetos de
Desenvolvimento rural do nordeste; à cultura; programa de Desenvolvimento rural; agricultura ecológica e conservação
fnE Industrial: programa de Apoio ao Setor pronaf: programa nacional de fortalecimento programa de Desenvolvimento de Sistema ambiental. Entretanto, o volume de recursos
Industrial do nordeste; da Agricultura familiar (com 13 linhas de de Integração rural – fcO convir; alocados a esse programa é bastante
fnE Agrin: programa de Apoio ao crédito específicas). programa de conservação da natureza – restrito, conforme demonstra o gráfico 4
Desenvolvimento da Agroindústria do pronatureza; a seguir. Ainda, a maioria dos projetos
nordeste; O BNB é o único entre os três gestores de programa de retenção de Matrizes na aprovados é de reflorestamento, e não existe
fnE Verde: programa de financiamento à fundos constitucionais cuja metodologia de planície pantaneira; qualquer tipo de monitoramento após o
conservação e controle do Meio Ambiente; avaliação de financiamento foi aprovada pelo programa nacional de fortalecimento da financiamento, o que reduz a capacidade do
fnE pró-recuperação Ambiental: programa Ministério da Integração Nacional. A avaliação Agricultura familiar – pronaf; fundo de garantir a adicionalidade potencial
de financiamento à regularização e de seus resultados ocorre desde 2006 e a programa nacional de fortalecimento da dessas linhas. Dadas as características do
recuperação de áreas de reserva Legal e específica do Programa FNE Verde está prevista Agricultura familiar – pronaf reforma FCO, existe alta probabilidade de que os
de preservação permanente Degradadas; para 2011. Contará com indicadores de Agrária (planta Brasil). recursos do fundo sejam direcionados a
fnE proinfra: programa de financiamento execução, efetividade, resultados e impactos, grandes produtores de soja e pecuaristas
à Infraestrutura complementar da desenvolvidos a partir de pesquisas de campo Apesar do foco estabelecido em projetos do Centro-Oeste, atividades com
região nordeste; junto aos empreendimentos financiados, além de menor porte, parte considerável dos alto impacto climático, uma vez que
fnE comércio e Serviços: programa de de informações secundárias internas e externas. recursos é destinada a grandes projetos, exercem forte pressão para a expansão
sem a utilização de critérios de avaliação da fronteira agrícola, com consequente

FUNDO PARA A REGIãO CENtRO-OEStE (FCO) de impactos socioambientais. Esse


cenário indica um elevado potencial de
desflorestamento.

O GRÁFICO 4: CONtRAtAÇõES DE OPERAÇõES FCO


Fundo Constitucional do Centro- favorece projetos voltados à recuperação e efeitos adversos, sobretudo no tocante ao
Oeste (FCO) é gerido pelo Banco conservação dos recursos naturais. Entre comprovado avanço da fronteira agrícola,

(não foi encontrado relatório de gestão FCO para


FONTE: Relatório de Gestão FCO 2006, 2007, 2008
do Brasil e oferece financiamentos as atividades assistidas, destacam-se a tema central para a avaliação de riscos de 4.000.000
3.470.064
exclusivamente para o setor privado, agricultura ecológica e a recuperação de atividades agropecuárias na Região Centro- 3.500.000

seguindo diretrizes específicas para áreas degradadas. Oeste por todos os agentes financeiros em 3.000.000
alocação. O foco da atuação do FCO são operação no país. 2.500.000
2.092.490
fcO EMprESArIAL

r$ mil
atividades de pequenos e microprodutores Outro elemento a se enfatizar é que 2.000.000
1.573.840

rurais e de microempresas urbanas. programa de Desenvolvimento Industrial; as políticas e os critérios socioambientais 1.500.000
1.444.350 1.377.574

As alocações são destinadas, na maioria, programa de Infraestrutura Econômica; adotados por seu gestor, o Banco do 1.000.000
953.164
1.166.963

a dois programas: o FCO Empresarial, que programa de Desenvolvimento do Turismo Brasil, não são estendidos ao FCO. Os 491.186 806.877
500.000
apoia atividades como comércio e serviços, regional; procedimentos restringem-se à verificação 5.548 55.886 59.877
0
e o FCO Rural, que financia atividades programa de Desenvolvimento dos Setores de licenças ambientais específicas às 2006 2007 2008
relacionadas à agricultura, entre elas o comercial e de Serviços; atividades financiadas. O único programa

2009)
Fco total Fco eMpresarial Fco rural pronatureZa
Pronaf e o Pronatureza. O Pronatureza programa de Incentivo às Exportações. que estabelece critérios ambientais é

36 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 37
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

AnáLISE
cOMpArADA (GAP
ANALYSIS)
A
s instituições foram avaliadas nas financiadas sem que exista aferição do relevância das emissões financiadas e pela GRÁFICO 6: QUEStIONÁRIO 2:
quatro dimensões descritas na
metodologia no tocante à gestão de
impacto dessas ações comparativamente ao
dos respectivos portfólios.
inexistência de ações de destaque em
relação a esse tema, podemos ressaltar três
EMISSõES FINANCIADAS E
emissões de gases de efeito estufa (GEE) São apresentados a seguir diagramas- aspectos críticos para o desenvolvimento de DIRECIONAMENtO DA CARtEIRA
operacionais e financiadas. Inicialmente, resumo da pontuação das instituições estratégias nas instituições pesquisadas:
será apresentado o resultado agregado. A pesquisadas em relação às melhores 1. apesar da conscientização sobre o CONSCIENTIZAÇÃO
ESTRATÉGICA
pontuação individual encontra-se no anexo 1. práticas internacionais selecionadas como tema, existem grandes desafios para a 2

Os critérios de pontuação foram: benchmarks. formulação de uma visão estratégica nas


o tema tem abordagem muito limitada ou instituições, com intenso risco de haver
1
não é considerado;
GRÁFICO 5: QUEStIONÁRIO 1: um descolamento entre discurso e prática,

FERRAMENTAS E
o tema é abordado, mas as ações estão em uma vez que o nível de envolvimento da

ENGAJAMENTO
VISãO INStItUCIONAL E

PRODUTOS
0
desenvolvimento; alta gestão nessa temática é fundamental
o tema teve encaminhamento interno e as EMISSõES OPERACIONAIS para viabilizar estratégias e práticas –
ações foram estabelecidas. desenho de produtos e ferramentas de
CONSCIENTIZAÇÃO
ESTRATÉGICA monitoramento e avaliação – que suportem
De forma geral, existe uma variação 2
os desafios;
INVENTÁRIO DE
bastante representativa no estágio de 2. a eficácia de produtos e ferramentas EMISSÕES DE GEE

desenvolvimento do tema da mudança para uma economia de baixo carbono é


METAS DE REDUÇÃO DE

1
do clima entre as instituições avaliadas, questionável. Os produtos desenhados
EMISSÕES DE GEE

essencialmente ligadas à mitigação dos


ENGAJAMENTO

principalmente no que se refere a especificamente para esse tema têm


0
desafios climáticos. foram encontradas
“inventários” e “metas de redução” de baixa representatividade, tanto do ponto
poucas experiências de apoio à adaptação
emissões operacionais, bem como em de vista de alocação quanto de demanda.
e às vulnerabilidades frente aos impactos
relação a “conscientização estratégica” produtos tradicionais podem conter
da mudança do clima.
e “ferramentas e produtos” de emissões necessidades de clientes no que se refere
financiadas. Nenhuma instituição se à redução de emissões, mas necessitariam
INVENTÁRIO DE
Para cada um desses itens, foi
destacou no tema “engajamento” nos EMISSÕES DE GEE de um monitoramento de impacto, para
desenvolvida uma avaliação comparada, na
questionários. Todas obtiveram baixa que sua adicionalidade ambiental seja
qual foram identificados avanços, desafios a
pontuação no quesito “inventário” de nota MáXiMa MÉdia das notas nota MÍniMa comprovada;
serem superados e recomendações.
emissões de GEE financiadas, uma vez 3. soluções para adaptação e
que esse é um processo mais complexo e Em média, os bancos tiveram melhor vulnerabilidades à mudança do clima são
de menor prioridade entre as instituições desempenho no Questionário 1: Visão uma oportunidade até o momento pouco
pesquisadas. Isso se revela um paradoxo, já institucional e emissões operacionais do que explorada pelas empresas. As iniciativas
que, na média, há presença de ferramentas no Questionário 2: Emissões financiadas promovidas pelas instituições financeiras
e produtos para a redução de emissões e direcionamento da carteira. Pela grande públicas mapeadas nesse estudo estão

38 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 39
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

Quadro 12: Estratégia de atuação dos bancos e fundos públicos


brasileiros em mudança do clima
Avanços Lacunas Recomendações
Comprometimento Poucos exemplos de liderança no tema Desenvolvimento de linhas de base
institucional formalizado comuns, incluindo inventário de emissões
Objetivos de curto prazo (produtos),
financiadas e acompanhamento das
Envolvimento de áreas desenvolvidos por níveis intermediários de gestão
ações listadas no PNMC
estratégicas
Análise
Baixo envolvimento da alta gestão.
Atribuições de responsabilidade para
Grupos de trabalho Responsabilidade em níveis intermediários
alta gestão na criação de uma estratégia
comparada 1 multidisciplinares e de áreas
transversais
de gestão
Desconhecimento do impacto agregado
transversal para o tema na instituição
Estratégia de atuação em bem como fornecer informações
Envolvimento da sociedade institucional: carência de linhas de base e
Cooperação entre instituições públicas,
mudança do clima (quadro 12) para priorização de investimentos e civil no monitoramento de ações compreensão das implicações de mudança do
evitando sobreposições de mandatos e

A
inserção do tema de mudança do financiamentos, oferecendo ainda potencial duplicidade de alocação de recursos para
e existência de marco legal clima de forma individualizada
clima no planejamento estratégico para uma atuação com diferenciais
desenvolvimento de ferramentas e ações
Adesão a uma metodologia Estrutura de governança corporativa de mitigação e adaptação
deve considerar o desenho de metas competitivos. comum para emissões complexa
de redução de emissões mensuráveis tanto No âmbito internacional, instituições Estabelecimento de metas de redução
operacionais (GHG Protocol)
Demanda da sociedade civil por maior de emissões operacionais e financiadas
no que se refere a seu impacto operacional financeiras ainda estão em fase de
Metodologias de relato transparência
quanto de sua carteira de crédito e desenvolvimento de ferramentas e estratégias Consolidação e divulgação de
e engajamento de partes
investimentos. Um programa de metas e relacionadas à mudança do clima, o que Falta de clareza sobre implicações práticas informações sobre os avanços no tema,
interessadas (GRI, CDP etc.)
para os bancos e fundos das ações listadas com dados quantitativos
acompanhamento de resultados constitui oferece aos bancos e fundos avaliados a
no PNMC
uma ferramenta importante para aferir oportunidade de engajamento e liderança
efetividade do desempenho institucional, nesse tema.

Referências internacionais Exemplos de boas práticas HSBC: estudos de caso como catalisadores energias renováveis, gestão e tratamento de resíduos,

E m um estudo publicado em março de 2009 –


Banking & Climate Change: Opportunities and Risks
– An Analysis of Climate Strategies, o grupo Sustainable
indicados pelo SAM:

Dexia: serviços públicos de baixo carbono


Desenvolve estudos de caso setoriais para
destacar a inserção de mudanças climáticas nos
diversos segmentos do comércio, infraestrutura,
florestamento e reflorestamento;

ANZ, Citigroup, Santander, HBOS, UBS e Westpac:


Asset Management (SAM) avaliou 114 bancos de Foca em financiamentos de entidades públicas. projetos e financiamento de exportações. Os Avaliação de preços
capital aberto em todo o mundo em quatro categorias: Transporte público e eficiência energética foram resultados são usados como base na sensibilização Desenvolve ratings e pesquisas específicas
estratégia climática, redução de emissões em suas o centro de suas ações junto a autoridades locais, de clientes para soluções de baixo carbono; relacionadas aos impactos potenciais das mudanças
operações, incorporação do tema em seus negócios e incluindo reposição de frotas de ônibus e estruturação climáticas sobre seus clientes. No UBS, questões
governança climática: risco e gerenciamento de dados. de financiamentos para especiais, bem como apoio Sumitomo Trust & Banking: a propriedade e climáticas relevantes são monitoradas de forma
O estudo classificou os bancos avaliados em à eficiência energética dos edifícios e unidades de mudança climática contínua e incluídas nas decisões de investimento;
quatro grupos, segundo as diferentes abordagens serviços públicos; Com atenção em investimentos imobiliários,
sobre o tema: indecisos (48,2%), inovadores focados oferece consultoria através de seu departamento Co-operative Bank
em produtos (20,2%), foco em desenvolvimento de Fortis: carbono de arquitetura e consultoria, fundado em junho Definiu mudança do clima como tema
processo (26,3%) e líderes (5,3%). Apesar de destacar Banco de carbono e start green (venture capital de 2006. Seus serviços abrangem temas como estratégico, dirigindo suas ações para a redução
o desempenho de seis instituições financeiras, em segmentos de menor impacto) e incorporação do energia, paisagismo e construção de expansão de de investimentos em combustíveis fósseis e seus
a pesquisa do SAM ressalta que nenhuma das carbono em modelos de fluxos de caixa futuros de ciclos de vida, desenvolvendo um sistema derivados, o que tem representado perdas de
organizações avaliadas tem uma abordagem completa finanças de projetos; de reciclagem; oportunidades de negócios no setor. Adicionalmente,
sobre o tema. A consultoria acrescenta que o ponto estabeleceu compensações equivalentes a 1
de partida para a construção de estratégia robusta é o ANZ, Westpac e outros bancos: carbono agrícola Banco Espírito Santo: Luso Carbon Fund tonelada de dióxido de carbono (CO2) para cada
envolvimento direto da alta gestão. Projetos em agricultura de baixo carbono; Investe em projetos de eficiência energética, automóvel financiado;

40 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 41
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

Bancos multilaterais Política de meio ambiente utilizada como


O Banco Inter-Americano de Desenvolvimento referência mundial para melhores práticas em
(BID), ao analisar os principais riscos da mudança avaliação de projetos. Os padrões de desempenho
do clima na América Latina e no Caribe, criou (Performance Standards – PS) oferecem
a Iniciativa de Energia Sustentável e Mudanças parâmetros para a construção de políticas
Climáticas, que conta com a participação de corporativas e para a avaliação de desempenho
diferentes áreas, mas se reporta diretamente socioambiental por instituições financeiras. Neste
à vice-presidência. A estratégia do banco em momento, a IFC está promovendo uma ampla
analisar a mudança do clima voltada para a revisão dos PS, que passará a incluir o tema clima
energia é concentrada em quatro frentes: energias de forma mais detalhada;
renováveis e eficiência, sustentabilidade em Prioridade ao combate às alterações climáticas
bioenergia, financiamento de projetos de carbono nos países em desenvolvimento;
e adaptação. Alocação de 20% de seus ativos para o apoio a
energias renováveis e eficiência energética. Até
Grupo Banco Mundial: Banco Mundial e 2011, a IFC pretende triplicar o investimento em ser um fator-chave para a efetividade de Alta transversalidade no
International Finance Corporation clima, alocando US$ 1 bilhão. políticas públicas associadas à mudança do tema da mudança do clima
clima, como o PNMC e a Política Nacional Em todas as instituições pesquisadas,
de Mudanças Climáticas. Como exemplo, existem canais internos de capacitação e
Comprometimento institucional institucionais, como inventários de emissões uma aproximação entre instituições poderia sensibilização ambiental que abordam o
difuso, sem abordagem financiadas, ou processos consistentes ser catalisada pela Febraban e MMA, em tema clima. Porém, não foram identificadas
estratégica de monitoramento de suas ações e alinhamento com os objetivos PNMC. iniciativas específicas para aprofundar o
Todas as instituições financeiras iniciativas implementadas. Dado o conteúdo conhecimento sobre as implicações do
pesquisadas neste estudo reconhecem a
importância do financiamento público como
indutor de melhores práticas, oferecendo
estratégico do tema, torna-se fundamental
que as instituições financeiras abordem
os impactos dos produtos ofertados de
N o Protocolo Verde19, os bancos públicos
reconheceram que podem cumprir
papel indispensável na busca de um
assunto no âmbito institucional.
O desafio não é simples e exige um
cruzamento de informações de diversas
não somente condições privilegiadas de forma institucionalmente integrada – do desenvolvimento sustentável. Constataram áreas de conhecimento. Para endereçar o
[19] O Protocolo crédito, mas também a oportunidade planejamento ao monitoramento. ainda a urgência e a importância das tópico, o BNDES criou o Projeto Corporativo
Verde ou Protocolo
de Intenções pela de parcerias público-privadas para a Existe ainda reduzida transparência no instituições financeiras como precursoras e “Economia de Baixo Carbono”, que tem
Responsabilidade catalisação de investimentos. Os bancos e que se refere às emissões financiadas pelas multiplicadoras do tema, comprometendo- como objetivo tornar o banco um agente
Socioambiental “tem
por objeto estabelecer fundos avaliados relataram, sem exceção, instituições pesquisadas, comprometendo a se com o desenvolvimento de critérios relevante nesse contexto. Composto de
a convergência de
esforços para o demandas formais de sua alta gestão avaliação de sua adicionalidade ambiental. e com transparência. Entretanto, ainda representantes de diferentes áreas, o
empreendimento de (presidências, conselho diretor, Ministério Para as instituições maiores, com estruturas não foram estabelecidas regras de grupo é liderado pelos diretores de Meio
políticas e práticas
bancárias que da Integração, no caso dos FCs) para departamentalizadas e complexas, a operacionalização. Buscando ampliar Ambiente, Capital Empreendedor e Mercado
sejam precursoras,
multiplicadoras, apresentar estratégias e respostas para o agregação de dados é um grande desafio. sua efetividade, o MMA, em parceria de Capitais e gestores da área de Meio
demonstrativas ou apoio à economia de baixo carbono. Com o objetivo de solucionar a questão da com a Febraban, lidera uma iniciativa Ambiente, que também assumem papéis
exemplares em termos
de responsabilidade Entretanto, o processo decisório contabilização das emissões financiadas, que busca incentivar a incorporação dos importantes na coordenação do grupo. O
socioambiental e
que estejam em ainda é orientado por objetivos pontuais o BB, por exemplo, tem como objetivo compromissos do Protocolo Verde por BB realiza o Fórum de Sustentabilidade
harmonia com o e de curto prazo, focados unicamente dividir esse processo por etapas, iniciando o meio da construção compartilhada de desde 2008, no qual gerentes executivos
objetivo de promover
um desenvolvimento no desenvolvimento de produtos que trabalho com inventários do setor agrícola e indicadores para os bancos. A iniciativa das diversas áreas estratégicas do BB e
que não comprometa
as necessidades das apresentam baixa alocação e demanda. De industrial, seguidos do desenvolvimento de conta com apoio técnico da Fundação da Fundação Banco do Brasil discutem
gerações futuras a forma geral, esse processo é delegado para indicadores e metodologia de cálculo. Getúlio Vargas e representa uma assuntos relacionados à sustentabilidade e
partir da atualização
dos compromissos áreas estratégicas, mas sem reporte direto à Um esforço conjunto das instituições oportunidade para o desenvolvimento de ao direcionamento estratégico referente à
previstos no Protocolo
Verde, firmado em alta gestão, fazendo com que produtos com financeiras para a construção de linhas de ferramentas de apoio e direcionamento responsabilidade socioambiental do banco
1995”. O Novo potencial adicionalidade climática, verdes ou base, incluindo inventários de emissões de iniciativas. de forma transversal. Apesar de ambas as
Protocolo Verde foi
assinado por governo tradicionais, não tenham acompanhamento financiadas, permitiria a proposição de instituições perceberem avanços em
e bancos públicos em
1º de agosto de 2008 de impacto nem estratégico. objetivos adequados para a gestão de seus suas iniciativas, os resultados ainda são
e conta com cinco Adicionalmente, não foi identificado o portfólios. Adicionalmente, a cooperação pouco tangíveis.
princípios norteadores e
respectivas diretrizes. fomento à construção de linhas de base entre instituições públicas poderia ainda O foco em estratégias específicas para

42 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 43
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

a questão climática também é dificultado uma ampliação de emissões – como maior interface entre instituições financeiras e o Apesar de as ações estabelecidas pelas
pela inserção do tema em uma agenda número de carros em circulação. Seria PNMC, o que tem levado a uma demanda instituições pesquisadas não estarem em
mais ampla de ações relacionadas à mais adequado, portanto, um olhar em por maior transparência no que se refere a descompasso com os objetivos do PNMC,
sustentabilidade, abordando informações ações que pudessem representar o apoio à seus portfólios. não existe um acompanhamento da
sobre produtos verdes em geral. O Banco economia de baixo carbono com um foco Em contrapartida, iniciativas como contribuição para as metas estabelecidas
do Nordeste e o Banco da Amazônia público, como, por exemplo, o investimento o Global Reporting Initiative (GRI) vêm pelo governo de forma agregada, o que
abordam redução de impacto em termos preferencial em transportes de massa de desenvolvendo ferramentas para o relato poderia ser um ponto de partida para
de mudança do clima dentro dos benefícios menor consumo de energia ou a associação socioambiental da gestão empresarial. De a criação de uma linha de base que
de seus produtos florestais e tratamento da entrada de novos veículos pesados à forma geral, a prestação de contas para pudesse monitorar as ações individuais
diferenciado para recuperação de reserva retirada ou à reciclagem de veículos antigos, essas partes interessadas ocorre na forma das instituições financeiras públicas.
legal. Não há uma abordagem específica altamente emissores, de circulação (a idade de relatórios de mercado e/ou ao governo, Há amplo espaço a ser ocupado pelas
para a temática do clima, apontando, por média da frota brasileira de caminhões entre como exemplo: instituições pesquisadas visando à melhoria
exemplo, oportunidades no mercado de caminhoneiros autônomos é de 23 anos). o BB realiza painéis com suas partes na consolidação e padronização de
carbono ou um mecanismo de Redução de Uma forma de reduzir a complexidade interessadas para a avaliação de informações, divulgando o alinhamento
Emissões por Desmatamento e Degradação de informações a serem encaminhadas assuntos específicos, bem como para a entre produtos e ferramentas dirigidos
(Redd). No caso específico do Banco da e absorvidas no sistema de gestão das apresentação do relatório anual, além à mudança do clima e à estratégia da
Amazônia, seu portfólio tem alto potencial instituições seria a construção estratégica de road shows com o mercado para a instituição e evitando ações dispersas
de adicionalidade, uma vez que grande em etapas: iniciando as ações por emissões demonstração do desempenho da empresa. e contraditórias.
parte de sua atuação está associada a operacionais – inventários e metas de Por ser uma instituição de capital misto
cadeias produtivas ligadas ao uso de redução – usando uma metodologia com ações na bolsa de valores, a estrutura
recursos florestais. consolidada no mercado (por exemplo, de prestação de contas é bastante
Muitos dos bancos fazem referência GHG Protocol) – e consultorias capazes de complexa;
a uma atuação em “bases sustentáveis”, auxiliar as instituições nesse processo. A o BNB reporta para órgãos de controle,
sem definições específicas sobre as CEF, por exemplo, tem inventário e está em Ministério da Integração Nacional e
implicações desse termo – o que pode vias de aprovar metas. O BB também tem Sudene, Ministério do Meio Ambiente
levar a interpretações variadas. Alguns dos seu inventário publicado. (dentro do âmbito do Novo Protocolo
produtos indicados repetem uma visão Verde) e sociedade civil, por meio
pontual sobre o tema climático (linhas Influência de partes interessadas de balanço social e relatório de
para carros com motor flex), e não uma e demanda por maior sustentabilidade;
abordagem estratégica apropriada a uma transparência o BNDES é a única instituição que não
instituição pública. Vale ressaltar que o Partes interessadas externas às possui relatório de sustentabilidade,
lançamento de um produto aparentemente instituições financeiras têm ampliado o foco embora tenha lançado o site BNDES
“verde” pode ampliar o acesso a bens de avaliação do componente clima no setor. Transparente, que amplia o acesso às
que, de forma agregada, representarão No Brasil, existe um acompanhamento da informações do portfólio do banco.

44 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 45
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

QUADRO 13: EFICÁCIA DE PRODUtOS E FERRAMENtAS


PARA UMA ECONOMIA DE BAIXO CARBONO
AVANÇOS LACUNAS RECOMENDAÇõES

disponibilidade de crédito Baixa atratividade de produtos alinhamento de produtos verdes


para reflorestamento, energias verdes com a estratégia da instituição na questão
renováveis, eficiência energética climática
Maior foco em riscos do que em
e programa de agricultura para
oportunidades Ferramentas que incentivem boas
baixo carbono
práticas para a questão do clima em
entraves com questões adjacentes
iniciativas pioneiras produtos tradicionais
(ex.: questão fundiária)
trabalham o produto verde ao
AnáLISE longo da cadeia Baixa disseminação do tema e
simplificação do processo de crédito de
produtos verdes e revisão de produtos pouco
cOMpArADA 2 patrocínio de eventos,
elaboração de pesquisas e
conscientização de mudança do clima
deficiências na cadeia de valor
atraentes e processo de decisão
EFICÁCIA DE PRODUTOS Dados do Banco Mundial apontam que estudos e capacitação de
Monitoramento para comprovação de
E FERRAMENTAS PARA os custos cumulativos de investimentos processo de crédito para produtos adicionalidade socioambiental dos produtos
colaboradores de forma geral verdes mais rigoroso e complexo verdes
UMA ECONOMIA DE BAIXO das opções de baixo carbono propostas
aumento esperado no número
CARBONO (QUADrO 13) para o Brasil são estimados em US$ 725 de grandes projetos motivado por
excesso de foco no desenvolvimento desenvolvimento constante de

é
possível aprimorar a eficácia de bilhões em termos nominais, de 2010 a do produto final, sem uma análise de conhecimento técnico, mercadológico
conscientização e possibilidade sua viabilidade e metodológico
produtos, mecanismos financeiros e 2030, ou aproximadamente US$ 34 bilhões de barreiras não tarifárias
ferramentas de avaliação para uma por ano20. Em nosso estudo, apuramos que dificuldades com monitoramento – desenvolvimento de projetos
economia de baixo carbono considerando existe neste momento um montante muito custo alto e falta de tecnologia conjuntos e melhoria na comunicação com
governo e onGs
diferentes parâmetros de gestão. O inferior ao apontado pelo Banco Mundial
desenvolvimento de estratégias de atuação em linhas direcionadas para a questão
pode ser ampliado pensando não somente o climática. Entretanto, segundo o relato da 2008, as linhas de crédito dos programas [20] Estudo de Baixo
carbono Brasil, coordenado
desenho de novos produtos, mas também a maioria das instituições pesquisadas, o de investimento em sistemas sustentáveis pelo Banco Mundial, 2010.
adequação de estruturas já existentes. volume de produtos tradicionais voltados e recuperação de áreas degradadas
[21] produtos verdes
para projetos de baixo carbono, apesar tiveram apenas 25% de utilização, mesmo são produtos de crédito
com adicionalidades
rEprESEnTATIVIDADE LIMITADA DE de não mensurável neste momento, é oferecendo custos subsidiados. socioambientais.
prODUTOS pArA UMA EcOnOMIA DE bastante superior. O montante adicional
BAIXO cArBOnO indicado pelo Banco Mundial, da ordem
Para avaliar a presente oferta de de US$ 34 bilhões por ano, dada a forte QUADRO 17: LINHAS DE CRÉDItO DOS PROGRAMAS DE INVEStIMENtO EM
produtos especificamente direcionados elevação da oferta de crédito no Brasil, não SIStEMAS SUStENtÁVEIS E RECUPERAÇãO DE ÁREAS DEGRADADAS (MAPA)
para o financiamento de uma economia é visto como um limitador. O desafio será
de baixo carbono, é preciso considerar o alinhamento entre recursos e estratégias
que cada instituição parte de um contexto institucionais. Vale ressaltar, entretanto, MOnTAnTE cOnTrATADO
MApA 75
distinto, com profundas diferenças em que, sem um monitoramento adequado dos
relação a porte, abrangência, missão, impactos advindos dos projetos tradicionais
governança corporativa, estrutura direcionados para ações de menor emissão, OrçAMEnTO MApA 300
organizacional, entre outras, o que torna a não há como avaliar o real engajamento do 1.150

comparação numérica entre elas um grande setor financeiro com esse tema.
pLAnO AGrÍcOLA E pEcUárIO 9.050
desafio. Adicionalmente, alguns produtos – cArTEIrA TOTAL DE
10.000
e iniciativas são construídos de forma BAIXA ATrATIVIDADE DOS prODUTOS/ InVESTIMEnTOS DA SAfrA

departamentalizada, não estando acessíveis LInhAS DE créDITO VErDES


em formato agregado. Ao longo do estudo, foram detectadas
baixas alocação e demanda para produtos 2007/2008 (eM r$ MilHÕes) 2008/2009 (eM r$ MilHÕes)
SErIA ESSE ApOrTE rELATIVAMEnTE verdes21. Um relatório do Tribunal de
pEQUEnO, MAS SUfIcIEnTE? Contas da União aponta que, entre 2007 e FONTE: Adaptado de TCU, 2009b: apud Plano Agrícola Pecuário 2007/2008 e 2008/2009

46 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 47
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

S
egundo as instituições financeiras de conhecimento do público-alvo sobre Os desafios do monitoramento
pesquisadas, o quadro 17 indicado as oportunidades do mercado de carbono Os benefícios do investimento na
anteriormente poderia ser explicado e de conscientização da sociedade sobre construção de sistemas de monitoramento
por dificuldades operacionais, tanto para o tema constituem um grande desafio no de impacto socioambiental das atividades
os tomadores de recursos quanto para os desenvolvimento e na entrega de produtos, incluem a possibilidade de mensurar a
agentes financeiros: principalmente em instituições mais adicionalidade e o impacto positivo agregado
percepção interna de que esses capilarizadas. As instituições também vêm de sua carteira, fornecendo informações
produtos financiam causas, não clientes, buscando reverter esse quadro por meio valiosas para a formulação de estratégias
demonstrando um desalinhamento de patrocínio de eventos, elaboração de e maior eficácia na alocação de recursos
no posicionamento estratégico das pesquisas e estudos e capacitação de e permitindo investimentos em projetos de
instituições em relação ao desenho colaboradores; elevado potencial de desenvolvimento local.
de produtos. O desenvolvimento de deficiências na cadeia de valor A melhoria do canal de comunicação
“bonificações” para clientes que adotam inviabilizando investimentos. A CEF, por das instituições financeiras públicas com
boas práticas em produtos tradicionais exemplo, contornou essa barreira com órgãos de governo e ONGs pode representar
por meio de critérios, adequações ou uma política de indução, identificando ganhos em eficiência, além da troca de
monitoramento poderia ajudar a tornar a necessidades de inversões em provedores experiências. O apoio a iniciativas que
questão climática mais atraente, sem a de serviços de instalação e manutenção viabilizem a interação entre instituições
necessidade de lançamento de produtos; de painéis solares para ampliar o seria um passo inicial para ampliar a
a disponibilidade de produtos e serviços financiamento de produtos finais. Políticas coordenação e a divisão de tecnologias.
subsidiados nem sempre representa um de indução demandam aprimoramento
incentivo suficiente para sua utilização. constante em conhecimento técnico,
A concessão de produtos verdes muitas mercadológico e metodológico;
vezes é mais complexa, exigindo um resistência à mudança para práticas
volume maior de licenças e documentos ou atividades mais sustentáveis. Para o
complementares comparada a produtos cliente, fazer algo diferente da prática
tradicionais, o que acaba se tornando tradicional envolve riscos. A linha
um entrave. Também existem problemas de crédito Produção Sustentável do
adjacentes, como é o caso da questão Agronegócio (Produsa), por exemplo,
fundiária, principalmente no Norte. que visa a disseminar o conceito de
É preciso reduzir o foco em riscos e agronegócio sustentável e responsável,
simplificar os critérios para esse tipo encontra muita resistência. Para reverter
de crédito; o quadro, uma das ações do Ministério da
baixa divulgação de produtos que Agricultura é trabalhar o tema em escolas,
colaborem com a questão climática e falta preparando jovens que p

48 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 49
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

FONTE: Desenvolvido pelos autores


FONTE: Desenvolvido pelos autores
prOSpEcçãO prOSpEcçãO prOSpEcçãO
prOSpEcçãO
QUALIfIcADA QUALIfIcADA QUALIfIcADA
QUALIfIcADA
Lista de exclusão, • Apoio à cadeia de política de indução
• Apoio à cadeia
indução e projetos pLAnEJAMEnTO negócios através e exclusão
de negócios para
não reembolsáveis ESTrATéGIcO do programa
aquecedor solar
foco em recursos Desenvolvimento
pLAnEJAMEnTO pLAnEJAMEnTO • Crédito de
créDITO hídricos com ações rural Sustentável
ESTrATéGIcO ESTrATéGIcO carbono em
critérios para potenciais para • Programa créDITO
Mitigação e prODUTOS E Oportunidades de operações de créDITO
avaliação recuperação de Agricultura de prODUTOS E
adaptação fErrAMEnTAS atuação com foco aterros sanitários
de impacto áreas degradadas Baixo carbono fErrAMEnTAS
fomento à redução habitacional e energias
climático e combate à • Linhas de crédito Específicos
de emissões e renováveis créDITO
desertificação para pessoas pLAnEJAMEnTO
adaptação • Linha de crédito política de
físicas (carros flex) ESTrATéGIcO
ecoeficiência salvaguardas
empresarial com base
para parte de
nas diretrizes
MOnITOrAMEnTO MOnITOrAMEnTO seu portfólio
MOnITOrAMEnTO estabelecidas pelo
E AVALIAçãO DE E AVALIAçãO DE ADEQUAçãO DE
ADEQUAçãO DE E AVALIAçãO DE ADEQUAçãO DE Ministério
IMpAcTO IMpAcTO prOJETOS VIáVEIS
prOJETOS VIáVEIS IMpAcTO prOJETOS VIáVEIS da Integração
Linhas de base foco no setor
planos de ação
através de agropecuário
inventários

N o fluxograma acima [1], apresentamos


parâmetros para a formulação de estratégias de
baixo carbono, baseados em etapas capazes de
propostas;
pLAnEJAMEnTO ESTrATéGIcO: desenho e
revisão estratégica dos produtos com base nos
créDITO DE cArBOnO em operações de aterros
sanitários e energias renováveis;
LInhA DE créDITO EcOEfIcIêncIA EMprESArIAL: a
existem possibilidades concretas de elevação de
produtividade, reduzindo desperdícios.

reduzir a pegada de carbono institucional e ampliar resultados e desafios apresentados nas etapas cEf fixou acordos com entidades de classe visando à fLUXOGrAMA ApLIcADO AO BAncO DA
o envolvimento de vários segmentos na construção de monitoramento e avaliação de clientes e disseminação dos conceitos de sustentabilidade aos AMAzÔnIA/fnO, cOnSIDErAnDO O TEMA
de objetivos conjuntos. projetos e nos processos internos durante os clientes, para ofertar linha de crédito diferenciada DA MUDAnçA DO cLIMA [4]
ciclos de prospecção, aprovação e gestão. nessa para empresas que desejem trocar equipamentos O Banco da Amazônia vem desenvolvendo uma
prOSpEcçãO QUALIfIcADA: avaliação de projetos etapa, serão estabelecidas metas e prioridades antigos por novos, mais ecoeficientes. política de critérios de caracterização de clientes
com filtro para impacto climático (lista exclusão), considerando possibilidades de atuação em segundo os conceitos orientadores de indução,
bem como priorização de operações com alto mitigação e adaptação à mudança do clima. fLUXOGrAMA ApLIcADO AO BB [3] salvaguarda e exclusão:
potencial de adicionalidade ambiental positiva O BB identificou oportunidades para atuação InDUçãO: concessão de facilidades burocráticas
(indução) e alinhamento estratégico de projetos, Com base no fluxograma-padrão, solicitamos em cadeias de valor através do Programa e/ou redução de encargos para projetos
com linhas não reembolsáveis. O investimento às instituições analisadas que apresentassem seus Desenvolvimento Regional Sustentável e em escala classificados como promotores do desenvolvimento
em políticas de indução deve considerar o apoio processos no formato atual. Apresentamos a seguir individual por meio do recém-lançado Programa ABC. sustentável da região, com práticas inovadoras
à cadeia de negócios sustentáveis, que pode alguns exemplos: Atua ainda em produtos para pessoas e ambientalmente corretas;
enfrentar limitações consideráveis, sobretudo no físicas, dada sua elevada participação nesse SALVAGUArDAS: restrições de financiamento para
que se refere ao acesso ao capital; fLUXOGrAMA ApLIcADO À cEf [2] segmento de mercado. atividades produtivas tradicionais, desde que
créDITO: incorporação de critérios de avaliação A CEF identificou oportunidades para produtos A Unidade de Desenvolvimento Sustentável é se ajustem a determinadas restrições. Assim, o
de impacto climático, com foco setorial para que a verdes com foco habitacional. Assim, desenvolveu agente importante tanto na proposição de políticas banco incentiva a adoção de técnicas de produção
análise possa contar com conteúdos específicos; produtos focados em mudança do clima com quanto em sua implementação. Está a cargo da UDS sustentáveis em diversas atividades;
ADEQUAçãO DE prOJETOS VIáVEIS: apoio para critérios e condições diferenciadas e metas a avaliação de projetos e propostas de adequação EXcLUSãO: proibição do financiamento para
a adaptação de projetos com potenciais desenvolvidas a partir de análise mercadológica, que para viabilização de operações. atividades que não estejam comprometidas com
impactos climáticos visando à redução de sua envolve a cadeia de valor do produto: O BB reconhece a importância de sua atuação no as diretrizes ambientais do banco, apesar da
pegada de carbono; ApOIO À cADEIA DE nEGÓcIOS pArA AQUEcEDOr setor agropecuário e sua capacidade de incentivo a consonância com a legislação vigente. Exemplos
MOnITOrAMEnTO E AVALIAçãO DE IMpAcTOS: SOLAr: investimento em empresa de manutenção melhores práticas, tanto no que se refere à ampliação de restrições são programas como pecuária
acompanhamento de clientes e/ou projetos de aquecedor solar nas áreas em que o programa é da fronteira agrícola quanto à melhoria do uso de extensiva ou desmatamento de florestas, mesmo
financiados aferindo viabilidade de políticas ofertado; campanha de conscientização de clientes- recursos naturais. Reconhece que a agricultura é nos casos em que a legislação ambiental é
adotadas e adicionalidade de melhores práticas alvo; desenvolvimento de crédito de carbono; hoje o setor de maior consumo de água do país e que plenamente atendida.

50 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 51
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

voltados ao combate de enchentes,


sobretudo no ajuste de estruturas
sanitárias e de canalização urbanas para
S egundo o estudo do Tribunal de Contas de União22, é possível identificar três
temas prioritários para as ações governamentais em áreas de adaptação:
segurança hídrica na região do semiárido brasileiro. A vulnerabilidade em relação
[22] Brasil. Tribunal
de contas da União.
Adaptação das zonas
costeiras brasileiras.
relator: ministro Aroldo
que acompanhem as necessidades de à disponibilidade de água também deve afetar áreas urbanas mais intensamente na cedraz. Brasília: TcU,
2009c, 66 p.
vazão adicionais trazidas pelas oscilações América Latina e no caribe do que no resto do mundo. Motivos endógenos contribuem
pluviométricas. O BB também é repassador para o agravamento desse quadro: desmatamento em bacias hidrográficas e [23] fonte: www.
ipcc.ch/publications_
da linha emergencial do BNDES. Além desincentivo para a economia de água em diversas atividades produtivas (Unep, 2010); and_data/ar4/wg2/en/

AnáLISE
contents.html.
disso, ao trabalhar com o tema água e impactos da mudança do clima nas zonas costeiras;
agropecuária, indiretamente está tratando suscetibilidade da agropecuária, apontada como um dos ramos de atividade que
cOMpArADA 3 de adaptação, sobretudo em regiões mais sofrerão impacto das mudanças do clima. Esse setor também colabora
LIDERANÇA EM SOLUÇÕES DE potencialmente mais impactadas, como bastante com tais mudanças: é considerado o terceiro maior emissor de gases de
ADAPTAÇÃO À MUDANÇA DO o semiárido nordestino. A catalisação efeito estufa, responsável por 13,5% das emissões anuais, além de competir com
CLIMA (QUADrO 18) de atividades privadas com objetivos de biomas importantes para o equilíbrio do clima.

A
té o momento, as iniciativas pesquisadas adaptação, sobretudo nos setores que
neste estudo se concentraram em mais devem ser afetados – agropecuária, Apesar da importância do tema, o Brasil ainda tem poucos dados sobre o aporte
mitigação de emissões de gases de conservação da água e planejamento financeiro necessário para implementar uma estratégia de adaptação. Grande parte das
efeito estufa, tema que ganhou muita atenção urbano –, exige aportes de investimento séries históricas dos dados meteorológicos poderia ser digitalizada e permitir o incremento
com os mercados de crédito de carbono. geralmente superiores aos das atividades de estudos com um investimento um pouco superior a R$ 20 milhões (TCU, 2009).
Porém, as instituições financeiras públicas de mitigação. Para isso, a integração com A base da pirâmide de renda será o grupo mais afetados pela mudança do
deveriam ser também protagonistas em diferentes instâncias governamentais e clima, por causa de seu limitado acesso a recursos e a vulnerabilidade maior
soluções de adaptação, diferenciando sua o alinhamento com o planejamento de das regiões com menor IDH relativo. Previsões como intensificação de desastres
atuação dos bancos privados. desenvolvimento local são fundamentais. naturais, períodos de seca, elevação do nível do mar e maior competição por
O BNDES relatou atuação no A capacitação de profissionais recursos naturais podem ampliar movimentos migratórios, o que poderá impactar o
financiamento específico a situações específicos nas instituições em soluções país (Unep, 2010).
emergenciais, em linha com os objetivos de de adaptação seria o primeiro passo. Com Atualmente, mesmo a diferenciação entre investimentos tradicionais em
adaptação. A CEF, além de ser repassadora o apoio de pesquisas e o acesso a dados infraestrutura e em adaptação à mudança do clima pode ser dificultada, porque
da linha emergencial do BNDES, relatou digitalizados, as instituições poderão ocorrem gradualmente, tornando as decisões de aportes de investimento menos
possuir linhas de trabalho com foco em desenvolver sua estratégia e identificar estratégicas. Esses investimentos também são oportunidades para um modelo
adaptação através de produtos emergenciais oportunidades no tema. de crescimento sustentável, com melhor infraestrutura, pesquisa e aumento de
variedade de sementes, desenvolvimento de pagamentos por serviços ambientais,
QUADRO 18: LIDERANÇA EM SOLUÇõES DE ADAPtAÇãO À MUDANÇA DO CLIMA aprimoramento da gestão de reservatórios de água, entre outros.

AVANÇOS LACUNAS RECOMENDAÇõES Segundo o IPCC (2010)23, a preparação da população para os futuros desafios
impostos pela mudança do clima na região deve priorizar os desafios da:
linhas de pouco foco e informações protagonismo das instituições financeiras públicas em falta de conhecimento da própria população sobre o tema;
crédito da caixa limitadas em soluções de soluções de adaptação ausência de um sistema de observação confiável e bem distribuído territorialmente,
econômica adaptação
Foco em agropecuária, segurança hídrica e planejamento de integração de informações entre setores e de sistemas de monitoramento
Federal, BB e
Falta de clareza na urbano/zonas costeiras adequados;
Bndes com foco
definição de prioridades escassez de mão-de-obra qualificada (capacitação técnica);
em adaptação integração com diferentes instâncias governamentais e
governamentais
alinhamento com planejamento de desenvolvimento local carência de investimento e crédito para o desenvolvimento de estrutura em áreas rurais;
Falta de capacitação limitação de estudos sobre os impactos e variabilidade de cenários para a
capacitação de profissionais estratégicos nas instituições
técnica mudança do clima;
sobre as soluções de adaptação
imprecisão na definição de prioridades governamentais.
investimento em pesquisa e digitalização de dados

52 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 53
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

CONSIDERAÇÕES
FINAIS
A
[24] Adaptado de o avaliar o setor financeiro público base que direcione a gestão de carteiras de desenvolvimento de iniciativas necessitaria carbono um entrave. A oferta de crédito no
TCU, 2009b: apud
Plano Agrícola em relação a ações e estratégias clientes, incluindo inventário de emissões de maior grau de engajamento das partes Brasil vem crescendo em ritmo acelerado.
Pecuário 2007/2008 e associadas à mudança do clima, financiadas e acompanhamento das práticas interessadas, de informações e de aporte de Somente os desembolsos do BNDES entre
2008/2009.
pode-se afirmar que todas as organizações relacionadas ao PNMC. Adicionalmente, recursos, uma vez que a base da pirâmide 2008 e 2009 apresentaram elevação de
pesquisadas receberam demandas a cooperação entre instituições públicas de renda sofrerá os maiores impactos das 50% (em milhões: 2008, R$ 90.877,9;
específicas de sua alta gestão para a poderá ainda ser um fator-chave para a mudanças do clima. Recomenda-se o foco 2009, R$ 136.356,4). Os produtos
determinação de um posicionamento efetividade de políticas públicas associadas em novos produtos nas áreas que ainda não tradicionais têm a capacidade de atender
institucional, bem como para a proposição à mudança do clima. recebem a devida atenção em adaptação, às necessidades de clientes no que se
de ações diretas. Dessa forma, ressaltamos No tocante a produtos e ferramentas como agropecuária, segurança hídrica e refere à redução de emissões.
que já existe um mandato interno para para uma economia de baixo carbono, planejamento urbano e zonas costeiras. Entretanto, o grande desafio neste momento
empreender avanços no que se refere a existem grandes desafios. De forma geral, os Finalmente, destacamos que a totalidade é construir ferramentas de avaliação
essa questão. produtos desenhados especificamente são das instituições pesquisadas não considera e monitoramento que possam aferir
Apesar dessa conscientização, existem desenvolvidos por níveis intermediários de a disponibilidade de recursos para adequadamente a adicionalidade ambiental
grandes desafios para a elaboração de gestão com foco em ações de curto prazo, investimentos numa economia de baixo desses investimentos.
uma visão estratégica transversal entre o que resulta em baixa representatividade
as instituições e um restrito envolvimento tanto do ponto de vista de alocação quanto
da alta gestão, e, portanto, baixa de demanda. O relatório do Tribunal de DESAFIOS
representatividade do tema no planejamento Contas da União24 aponta que, entre 2008 Apesar de os desafios estarem dispostos ao tradicionais podem atender às necessidades
estratégico institucional. Adicionalmente, e 2009, as linhas de crédito do programas longo deste estudo, destacamos aqui três aspectos de clientes no que se refere à redução de
existe um desconhecimento do impacto de investimento em sistemas sustentáveis e críticos diagnosticados no trabalho: emissões, mas precisariam de um monitoramento
agregado das ações desenhadas pelas recuperação de áreas degradadas tiveram apesar da conscientização sobre o tema, de seu impacto, para que seja comprovada sua
organizações pesquisadas, bem como das apenas 25% de uso, mesmo oferecendo existem grandes desafios para a formulação de adicionalidade;
implicações de mudança do clima para a custos subsidiados. É preciso rever esses uma visão estratégica nas instituições. É baixo soluções para adaptação e vulnerabilidade
empresa. produtos subutilizados, avaliando sua real o nível de envolvimento da alta gestão nesse à mudança do clima são oportunidades até o
Consequentemente, as instituições adicionalidade. Caso sejam validados como assunto, fundamental para viabilizar estratégias e momento pouco exploradas pelas instituições.
pesquisadas devem empreender iniciativas produtos com potencial representativo, práticas – desenho de produtos e ferramentas de As iniciativas promovidas pelas instituições
no que se refere a monitoramento, é preciso simplificar procedimentos de monitoramento e avaliação – capazes de responder financeiras públicas mapeadas neste estudo
consolidação e padronização de contratação, capacitar pessoas-chave da à magnitude do desafio; estão, em sua maioria, associadas à mitigação
informações, divulgando o alinhamento instituição e trabalhar em parceria com a eficácia de produtos e ferramentas para uma dos desafios climáticos. Foram encontradas
entre produtos e ferramentas dirigidos clientes para a ampliação da demanda por economia de baixo carbono é questionável. Os poucas experiências de apoio à adaptação e às
à mudança do clima e a estratégia da produtos verdes. produtos desenhados especificamente para esse vulnerabilidades que o Brasil apresenta frente aos
instituição, evitando ações dispersas e Soluções de adaptação são uma tema têm baixa representatividade, tanto do ponto impactos da mudança do clima.
contraditórias. Esse processo deve ter como oportunidade até o momento pouco de vista de alocação quanto de demanda. Produtos
plataforma inicial a criação de uma linha de explorada pelas instituições. O

54 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 55
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

anexo 1
RECOMENDAÇÕES ANÁLISE COMPARADA INDIVIDUAL
Apesar de recomendações estarem dispostas ao longo
deste estudo, apresentamos a seguir uma síntese dos Algumas considerações sobre emissões trocou antigas centrífugas, com mais de 25
principais temas: operacionais: anos de operação, por outras mais eficientes.
  de forma geral, o monitoramento de emissões Adicionalmente, está substituindo salas por
construção de ferramentas para apoio a gestão operacionais é responsabilidade de níveis estações de trabalho em seus 22 pavimentos,
estratégica através da estruturação de linhas de base, intermediários de gestão. O risco associado o que leva ao aumento da incidência de luz
inventários de emissões operacionais e financiadas de a esse processo decisório é de metas mais natural e à redução da necessidade de ar-
forma a criar objetivos adequados para a gestão de seus agressivas, que envolveriam maiores aportes condicionado.
portfólios de forma customizada; de recursos ou mudanças de comportamento
investimento na construção de sistemas de monitoramento dentro dos bancos, não serem viabilizadas. Questionário 1: Visão institucional e emissões operacionais
de impacto das atividades (financiamentos e investimentos) Aspectos de mudança do clima, como Conscientização Metas de redução de inventáRIO de Engajamento
como ferramenta eficaz para aferir o impacto em termos eficiência energética, são considerados nas Estratégica emissões de gee emissões de gee

de contribuição para uma economia de baixo carbono políticas ambientais de todos os bancos; BNDES CEF BNDES CEF BNDES CEF BNDES CEF

e oferecer bases adequadas tanto para o planejamento a CEF contorna esse risco envolvendo o comitê MÉDIA MÉDIA MÉDIA MÉDIA
GERAL GERAL GERAL GERAL
estratégico quanto para o processo decisório em geral; de RSE e o conselho diretor na aprovação de FNO* 2,0 bb/ FNO* 0,8 bb/ FNO* 1,0 bb/ FNO* 1,0 bb/
fco fco fco fco
produtos com demanda reduzida devem ser revisados, tanto todas as ações institucionais e está em vias
FNE FNE FNE FNE
do ponto de vista de sua cadeia quanto do produto em si; de aprovar metas de redução de emissões
investimento em políticas de indução, apoiando a cadeia de GEE. Até o momento, nenhuma instituição TEMA ENCAMINHADO TEMA EM DESENVOLVIMENTO TEMA POUCO/NÃO DESENVOLVIDO

de negócios sustentáveis, que pode enfrentar limitações pesquisada possui metas de redução de
consideráveis, sobretudo no tocante ao acesso ao capital. emissões de GEE operacionais;
Essas políticas devem oferecer produtos de investimento e CEF, BB e Banco da Amazônia realizam Questionário 2: emissões de clientes e direcionamento da carteira
não somente financiamentos; iniciativas para mitigação de emissões Conscientização ferramentas inventáRIO de Engajamento
Estratégica e produtos emissões de gee
A cooperação entre instituições públicas poderá ser e sequestro de GEE de acordo com suas
BNDES CEF BNDES CEF BNDES CEF BNDES CEF
um fator-chave para a efetividade de políticas públicas especificidades institucionais: equipamentos
associadas a mudanças climáticas (ex.: PNMC); de teleconferência – BB e Banco da Amazônia MÉDIA
GERAL
MÉDIA
GERAL
MÉDIA
GERAL
MÉDIA
GERAL
a melhoria do canal de comunicação entre instituições realizam atividades em áreas remotas no FNO* 1,2 bb/
fco
FNO* 1,2 bb/
fco
FNO* 0,2 bb/
fco
FNO* 1,0 bb/
fco

financeiras e órgãos ambientais pode representar ganhos Brasil; critérios de eficiência energética na FNE FNE FNE FNE

em eficiência e troca de experiências. Como exemplo, uma construção de novas agências na Caixa, TEMA ENCAMINHADO TEMA EM DESENVOLVIMENTO TEMA POUCO/NÃO DESENVOLVIDO
aproximação entre instituições poderia ser catalisada pela que tem um trabalho intensivo na área de
Febraban e MMA, em alinhamento com os objetivos PNMC; habitação. Em quatro prédios obteve padrão
ampliação da capacitação dos bancos sobre oportunidades “A” Procel/Inmetro do Programa Brasileiro de
de mercado em soluções de adaptação. Eficiência Energética, gerando uma economia
de 35% no consumo de energia. BNDES

56 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 57
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

anexo 2
QUESTIONÁRIO 1: VISÃO enchentes, secas ou ventanias anormais? inventário de carbono das emissões c) Qual (quais) o(s) departamento(s)
INSTITUCIONAL E EMISSÕES De que forma? operacionais do banco? envolvido(s) nessas iniciativas? Foram
OPERACIONAIS estabelecidos cronogramas para a
f) O banco usa alguma instituição como b) O banco segue ou tem familiaridade com apresentação de estratégias/ações? Já
1.1 CONSCIENTIZAÇÃO ESTRATÉGICA referência no desenvolvimento de práticas alguma metodologia de inventário de existem resultados concretos dessas
SOBRE A MUDANÇA DO CLIMA (MC) ambientais? (Multilaterais, bancos carbono? (Ex.: GHG Protocol.) iniciativas? Seria possível fornecer
Objetivo: Avaliar como a temática públicos e/ou privados internacionais, exemplos?
impacta tanto o planejamento estratégico do bancos públicos e/ou privados nacionais c) Caso o banco desenvolva um inventário,
banco quanto sua atuação usual. etc.) quais as áreas de avaliação e regiões
a) O banco reconhece sua posição como um priorizadas?
vetor de mudança para uma economia de 1.2 METAS DE REDUÇÃO DE CARBONO
baixo carbono? Quais são as principais Objetivo: Avaliar o comprometimento d) Foram estabelecidas metas de redução e
oportunidades identificadas para exercer com metas de redução de emissão de GEE avaliadas opções para o financiamento das
esse papel? de suas operações e o engajamento em ações associadas ao cumprimento dessas
iniciativas para mitigação de seu impacto metas? Seria possível fornecer exemplos?
b) Há uma política que trate explicitamente em termos climáticos.
de MC? Há aspectos explícitos sobre MC a) Há objetivos estabelecidos sobre como o 1.4 IMPLEMENTAÇÃO DE PRÁTICAS
no enquadramento de suas operações? banco deve abordar o tema MC? Objetivo: Aferir a origem das ações
c) Existe atribuição formal de algum estratégicas/práticas (demandas internas ou
profissional da empresa para a b) Realiza alguma iniciativa para sequestro externas), bem como se foram identificadas
implementação da redução de emissões ou mitigação de GEE? oportunidades para a contribuição com
operacionais diretas e/ou indiretas? Nesse iniciativas para uma economia de baixo
caso, onde se encontra o nível mais c) Desenvolve ou pretende desenvolver carbono em suas operações e como ações/
elevado de responsabilidade? operações direcionadas à geração de iniciativas/desenvolvimento de produtos
créditos de carbono? Recebeu ou pretende foram implementados.
d) Há possibilidade de alteração no marco receber crédito de carbono associado a a) Alguma oportunidade foi identificada
legal pelo qual o banco é regido – no que outras operações? para engajar o público interno e/ou
se refere a MC – que poderia afetar sua 1.3 REALIZAÇÃO E PUBLICAÇÃO DE fornecedores com a questão das MC? O
forma de atuação? (Ex.: mudanças sobre INVENTÁRIO que já foi realizado?
a forma de construir novas agências, Objetivo: Avaliar se realiza inventários
consumo de energia etc.) de emissões operacionais e em que estágio b) O banco recebeu alguma demanda
desse processo se encontra. formal do governo ou da sociedade para
e) Alguma agência do banco já foi afetada a) Em caso negativo, quais seriam os endereçar as MC em seus procedimentos e
por efeitos atribuídos a MC, como principais desafios para realizar um unidades físicas?

58 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 59
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

Anexo 3
QUESTIONÁRIO 2: EMISSÕES DE possam contribuir de forma direta ou indireta agropecuária, energético (com quebra a. Quais as ações internas?
CLIENTES E DIRECIONAMENTO DA para uma economia de baixo carbono. para óleo e gás), industrial (com quebra b. Quais as prioridades de atuação
CARTEIRA a) Em quais áreas de negócios do banco são para infraestrutura), florestal e outros? Há (setores, regiões, atividades)?
consideradas estratégias/ações/iniciativas outro setor relevante a ser considerado?
2.1 CONSCIENTIZAÇÃO ESTRATÉGICA relativas a MC? Foram solicitadas informações globais d) O banco possui uma política de atuação
SOBRE A MUDANÇA DO CLIMA (MC) a. Como são implementadas? sobre os ativos do banco. Caso essas específica para a região amazônica?
Objetivo: Detalhamento da b. Algum produto ou serviço do banco trata informações já tenham sido fornecidas, Como foi construída? Existem limites
operacionalização de iniciativas em MC, especificamente de MC em sua política favor desconsiderar esta questão. financeiros para a atuação na região
bem como produtos e serviços oferecidos ambiental? Seria possível fornecer b) A participação setorial variou ou apenas critérios? Qual o volume de
pelo banco desenhados com esse foco exemplos? significativamente em relação ao período recursos direcionado para essa região
temático. anterior? (porcentagem do portfólio total)? Existe
a) Existe atribuição formal de algum b) Há produtos e serviços disponíveis ao uma série histórica da destinação de
profissional da empresa com a público? 2.4 IMPLEMENTAÇÃO DE PRÁTICAS recursos para a região?
implementação da economia de baixo a. Seria possível fornecer listagem e os Objetivo: Identificar a forma de
carbono em produtos e serviços do banco? departamentos responsáveis por sua engajamento do banco com clientes e
Em quais departamentos? Onde se encontra gestão e entrega? outros atores da sociedade frente a aspectos
o nível mais elevado de responsabilidade? b. Quais setores e regiões são o foco relevantes para uma economia de baixo
desses produtos? carbono.
b) Foram identificadas possibilidades de c. Qual é o montante disponibilizado a) O banco recebeu alguma demanda
alteração no marco legal pelo qual o para cada linha de produtos? Existem formal do governo ou da sociedade para
banco é regido que poderiam afetar estatísticas de utilização? Seria possível endereçar as MC em seus produtos e
produtos e serviços do banco? fornecer listagem? serviços?
d. Quais são seus diferenciais?
c) Quais são os principais benchmarks/ e. Quais os principais desafios enfrentados b) Para quem e como o banco reporta os
referências (nacionais e internacionais) por sua instituição tanto no processo resultados de produtos e serviços que
utilizadas pelo banco no desenvolvimento de desenvolvimento quanto na entrega utilizam recursos públicos com critérios
de produtos e serviços? (Multilaterais, desses produtos? ambientais?
bancos públicos e/ou privados
internacionais, bancos públicos e/ou 2.3 REALIZAÇÃO E PUBLICAÇÃO DE c) Como os responsáveis pela gestão do
privados nacionais etc.) INVENTÁRIO tema dentro do banco têm atuado visando
Objetivo: Conhecer a composição a elevar o interesse por iniciativas de
2.2 METAS DE REDUÇÃO DE CARBONO das carteiras de investimento e crédito de baixo carbono tanto no âmbito interno
Objetivo: Mapear produtos e serviços pessoa jurídica do banco. (alta gestão) quanto de seu mercado-alvo
existentes ou em desenvolvimento que a) Qual é a participação dos setores de (clientes)?

60 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 61
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima AnálisE dAs EstrAtéGiAs E PrátiCAs dE BAnCos PúBliCos E Fundos ConstituCionAis BrAsilEiros nA GEstão dA MudAnçA do CliMA

AnEXO 4
SOLICItAÇãO DE INFORMAÇõES
ADICIONAIS SOBRE PRODUtOS 1.3 DEMAIS INFORMAÇõES DE CADA PRODUtO/LINHA DE CRÉDItO (EX.:
E CARtEIRA
PROPOStA DO PRODUtO, AÇõES DE COMUNICAÇãO EtC.):
1. PRODUtOS/LINHAS DE CRÉDItO COM CRItÉRIOS PARA UMA
ECONOMIA DE BAIXO CARBONO 2. CARtEIRA DE CRÉDItO – PESSOA JURÍDICA
1.1 DADOS GERAIS: SEtORES MONtANtE CONtRAtADO EM REGIõES MONtANtE EM 2009
2009 (R$) (R$)
POR QUE UM PRINCIPAIS
PRODUtO/ DEPARtAMENtOS MONtANtE MONtANtE SEtORES CLIENtE SE DESAFIOS DO agropecuária norte
LINHA DE RESPONSÁVEIS DISPONIBILIZADO CONtRAtADO E REGIõES INtERESSARIA POR PRODUtO/
POR SUA Florestal nordeste
CRÉDItO (2009) (2009) EM FOCO ESSE PRODUtO? LINHA DE
ENtREGA DIFERENCIAIS CRÉDItO Óleo e gás centro-oeste

energias renováveis sudeste

outros sul
total total

1.2 FERRAMENtAS E CARACtERÍStICAS DOS PRODUtOS:


FAZ PARtE DE UM SãO APLICADOS CRItÉRIOS HÁ EXIGÊNCIA É REALIZADO ALGUM
PRODUtO/ PLANO EStRAtÉGICO DIFERENCIADOS NA DIFERENCIADA DE MONItORAMENtO/
LINHA DE OU INICIAtIVA DE AVALIAÇãO DE CRÉDItO? ADEQUAÇãO DA AVALIAÇãO DE
CRÉDItO INDUÇãO? QUAL? QUAIS? AtIVIDADE? QUAL? IMPACtO? COMO?

62 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 63
Financiamentos Públicos e Mudança do Clima Análise das Estratégias e Práticas de Bancos Públicos e Fundos Constitucionais Brasileiros na Gestão da Mudança do Clima

Referências
Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Banco Mundial. Disponível em: www.worldbank.org. Acesso Cooperative Bank. Disponível em: www.co-operativebank. Salomon, Marta. “BNDES ajudou a patrocinar
Desenvolvimento. Disponível em: www.abde.org.br/003bb. em 1º de outubro de 2010. co.uk. Acesso em 1o de outubro de 2010. desmatamento da Amazônia, diz TCU”. In: O Estado
html. Acesso em 1º de outubro de 2010. de S. Paulo, 23 de outubro de 2010. Disponível em:
Banco Mundial. Estudo de Baixo Carbono para o Brasil. Fundação Konrad Adenauer. Government Banking: New
www.estadao.com.br/noticias/vidae,bndes-ajudou-
Banco Central do Brasil. Disponível em: www.bcb.gov.br. Washington: Banco Mundial, 2010. Perspectives on Sustainable Development and Social
a-patrocinar-desmatamento-da-amazonia-diz-
Acesso em 1º de outubro de 2010. Inclusion from Europe and South America. São Paulo:
Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. tcu,628829,0.htm. Acesso em 23 de outubro de 2010.
Konrad Adenauer Foundation, 2008.
Banco da Amazônia. Fundo Constitucional de Financiamento do Disponível em www.bndes.gov.br. Acesso em 1º de
Sustainable Asset Management. Banking & Climate Change:
Norte – FNO. Programação de Financiamento para 2010. outubro de 2010. Fundo Amazônia. Disponível em: www.fundoamazonia.gov.
Opportunities and Risks – An Analysis of Climate
Disponível em: www.integracao.gov.br/fundos/fundos_ br. Acesso em 1º de outubro de 2010.
Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Relatório Strategiesin More Than 100 Banks Worldwide. Março
constitucionais/index.asp?area=FNO-Programação de 2009.
gerencial trimestral. Recursos da lei 11048/09: quarto Fundos Constitucionais. Disponível em: www.mi.gov.br/
2010. Acesso em 1º de outubro de 2010.
trimestre de 2009. Disponível em: www.bndes.gov. fundos/fundos_constitucionais/index.asp. Acesso em
United Nations Environment Programme (Unep). Latin America
Banco do Brasil. Disponível em: www.bb.com.br. Acesso em br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/ 1º de outubro de 2010.
and the Caribean: Environment Outlook. Geo LAC 3.
1º de outubro de 2010. Arquivos/empresa/download/Relatorio_Recursos_
Governo Federal. Plano Nacional sobre Mudança do Clima. Unep, 2010, 380 p.
Financeiros_4trimestre2009.pdf. Acesso em 1º de
Banco do Brasil. Fundo Constitucional de Financiamento do Centro- Brasília: Comitê Interministerial sobre Mudança do
outubro de 2010. Young, Carlo E.F. Avaliação dos Critérios de Sustentabilidade
Oeste – FCO. Programação de Financiamento para 2010. clima, dezembro de 2008.
dos Financiamentos Apoiados pelos Fundos
Disponível em: www.integracao.gov.br/fundos/fundos_ Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social
IPCC. IPCC Fourth Assessment Report: Climate Change 2007. Constitucionais Brasileiros. Santiago: Cepal, 2009.
constitucionais/index.asp?area=FCO-Programação Transparente. Disponível em: www.bndes.gov.br/
Disponível em: www.ipcc.ch/publications_and_data/
2010. Acesso em 1º de outubro de 2010. SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/BNDES_
ar4/wg2/en/contents.html. Acesso em 1º de outubro de
Transparente/. Acesso em: 1º de outubro de 2010.
Banco do Brasil. Relatório de Administração 2009. Disponível em: 2010.
www.bb.com.br/portalbb/page215,136,10365,0,0,1,8. Brasil. Tribunal de Contas da União. Adaptação do Setor
Lei para Resíduos Sólidos. Lei 12305, de 2 de agosto de
bb?codigoNoticia=21759&codigoMenu=413. Acesso Agropecuário. Relator: ministro Aroldo Cedraz. Brasília:
2010. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_
em 1º de agosto de 2010. TCU, 2009a, 47 p.
ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em 1º de
Banco do Brasil. Relatório de Gestão FCO 2006. Disponível em: Brasil. Tribunal de Contas da União. Adaptação das Zonas outubro de 2010.
www.bb.com.br/docs/pub/gov/dwn/RelAnual2006.pdf. Costeiras Brasileiras. Relator: ministro Aroldo Cedraz.
Marcovitch, Jacques. Economia da Mudança do Clima
Acesso em 1º de agosto de 2010. Brasília: TCU, 2009c, 66 p.
no Brasil: Custos e Oportunidades. São Paulo: Ibep
Banco do Brasil. Relatório de Gestão FCO 2007. Disponível em: Brasil. Tribunal de Contas da União. Amazônia Legal e Emissão Gráfica, 2010.
www.bb.com.br/docs/pub/gov/dwn/RelAnual2007.pdf. de Gases de Efeito Estufa. Relator: ministro Aroldo
Ministério da Ciência e Tecnologia. Inventário Brasileiro das
Acesso em 1º de agosto de 2010. Cedraz. Brasília: TCU, 2009b, 60 p.
Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito
Banco do Brasil. Relatório de Gestão FCO 2008. Disponível em: Brasil. Tribunal de Contas da União. Segurança Hídrica no Estufa.
www.bb.com.br/docs/pub/gov/dwn/RelAnual2008.pdf. Semiárido. Relator: ministro Aroldo Cedraz. Brasília:
Política Nacional de Mudanças Climáticas. Lei 12187, de 29
Acesso em 1º de agosto de 2010. TCU, 2009d, 65p.
de dezembro de 2009. Disponível em: www.planalto.
Banco do Brasil. Relatório de Sustentabilidade 2009. Disponível Caixa Econômica Federal. Disponível em: www.caixa.gov.br. gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12187.htm.
em: www.bb.com.br/docs/pub/siteEsp/ri/pt/dce/dwn/ Acesso em 1º de outubro de 2010. Acesso em 1º de outubro de 2010.
sustentport.pdf. Acesso em 1º de agosto de 2010.
Caixa Econômica Federal. Relatório de Administração 2009. Princípios do Equador. Disponível em: www.equator-
Banco do Nordeste. Fundo Constitucional de Financiamento Disponível em: downloads.caixa.gov.br/_arquivos/ principles.com/documents/ep_translations/EP_
do Nordeste – FNE. Programação de Financiamento caixa/caixa_demfinanc/Relat%F3rio_da_ Portuguese.pdf. Acesso em 1o de outubro de 2010.
para 2010. Disponível em: www.integracao.gov.br/ Administra%E7%E3o_CAIXA_122009.pdf. Acesso em
Protocolo de Intenções pela Responsabilidade Socioambiental.
fundos/fundos_constitucionais/index.asp?area=FNE- 1º de agosto de 2010.
Disponível em: www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/
Programação 2010. Acesso em 1º de outubro de 2010.
Caixa Econômica Federal. Relatório de Sustentabilidade sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/empresa/
Banco Interamericano de Desenvolvimento. Disponível em: 2009. Disponível em: www1.caixa.gov.br/popup/ download/ProtocoloVerde.pdf. Acesso em 1º de outubro
www.iadb.org. Acesso em 1º de outubro de 2010. Generico/450x440_1.asp. Acesso em 1º de agosto de 2010.
de 2010.

64 www.pnuma.org.br www.fgv.br/ces 65
www.unep.org
United Nations Environment Programme
P.O. Box 30552 - 00100 Nairobi, Kenya
Tel.: +254 20 762 1234
Fax: +254 20 762 3927
e-mail: uneppub@unep.org
www.unep.org