Sie sind auf Seite 1von 5

MATÉRIA: Direito Internacional PROFESSOR: Emerson Malheiros AULA E DATA: Aula 01 – 01.12.2010

Espécie de Direito Internacional

- Direito Internacional Público:

de Direito Internacional - Direito Internacional Público : É o ramo do direito internacional que regula

É o ramo do direito internacional que regula e estuda normas consuetudinário, convencionais, que regem relações de direito e deveres difusos e coletivos mediante tratados, convenções, acordos entre nações e cuida dos vínculos entre os Estados e Organizações Internacionais, intergovernamentais, pessoas e demais entes das relações exteriores.

- Direito Internacional Privado:

É o ramo do direito internacional que regula o estudo num estudo do conjunto das regras que determinam a lei e/ou jurisdição aplicável as relações exteriores particulares.

Princípios Sociológicos:

Previsto no artigo 59 da CF.

Ausência de autoridade superior;

Ausência de hierarquia entre as normas;

Manifestação do consentimento (concordar);

- Descentralização: as relações jurídicas regem de coordenação. - Sistema de sanções precário.

FONTES DE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

Estão delineados em um tratado internacional, é o Estatuto da Corte Internacional de Justiça, artigo 38, de 1945.

Fontes Primárias:

Tratados Internacionais

Costumes Internacionais

Princípios Gerais de Direito

Fonte Secundaria:

Jurisprudência Internacional

Principio equivalente

Doutrina

Não há hierárquica entre as normas e as fontes.

Costume:

Não há hierárquica entre as normas e as fontes. Costume: Quando é internacionalmente reconhecido, ele vincula

Quando é internacionalmente reconhecido, ele vincula as partes como uma norma não escrita (é uma exceção do consentimento).

Principio Geral do Direito:

Os tratados regularmente firmados.

Jurisprudência Internacional: é considerada jurisprudência internacional é o conjunto de decisões que forem proferidas por tribunais internacionais.

Doutrina Internacional:

É a mais aceita, mais ampla e generalizada.

Equidade:

É o ponto de equilíbrio entre as duas partes conflitantes só pode ser aplicada se as partes

concordarem.

MATÉRIA: Direito Internacional PROFESSOR: Emerson Malheiros AULA E DATA: Aula 02 – 01.12.2010

Emerson Malheiros AULA E DATA: Aula 02 – 01.12.2010 Decisões da O.I.I – As decisões da

Decisões da O.I.I – As decisões da O.I.I as fontes, pois detém abstração e generalidade. Exemplo Resolução da ONU.

Atos Unilaterais – os estados realizam seus atos sem anuência de outros estados, agindo de forma unilateral, sendo uma norma perante o direito internacional. Exemplo:

delimitação do mar Brasileiro que foi delimitado em 12 milhas náuticas, além dela delimitou a zona exclusiva.

Tratados Internacionais é um acordo, ajuste, convenção, declaração formal entre pessoas jurídicas de direito internacional público, que firmam o compromisso de cumprimento e respeito às cláusulas e condições elaboradas por escrito, com a finalidade de produzir efeitos jurídicos, criando preceitos de direito positivo de acordo com as regras das relações exteriores.

São os representantes dos Estados nos Tratados Internacionais:

Chefe de Estado e/ou Chefe de Governo = Representante Originário do Estado, podendo elebrorar o Tratado Internacional.

Plenipotenciário é o representante derivado do Estado, sendo ele escolhido pelo chefe do governo, sendo confirmado pelo ministro das relações exteriores, para assinar e fazer tratados. Vide que geralmente são os diplomatas, mas pode ser outra pessoa. Observação: o plenipotenciário deve portar a carta de plenos poderes, onde constam as regras que ele deverá seguir.

Delegação Nacional – é um grupo em missão especial para negociar e assinar tratados, a representação é derivada, sendo a carta de representação de cunho do chefe do grupo, sendo ele escolhido pelo chefe do governo, sendo confirmado pelo ministro das relações exteriores, para assinar e fazer tratados

Ministro das Relações Exteriores – detém representação, não precisa de carta de plenos poderes, pois é intrínseco da sua função, sendo a representação intermediária.

Representação da Organização Internacional:

Secretário Geral – negocia e assina os tratados de acordo com as regras do estatuto da organização;

Autos Funcionários – são os funcionários escolhidos pelo secretario geral na forma do estatuto para negociar e assinar tratados, também detém instrumento de mandato com as regras para assinar e negociar tratados.

Posição Hierárquica dos Tratados Internacionais: Os tratados ingressam em nosso ordenamento jurídico como Lei

Posição Hierárquica dos Tratados Internacionais:

Os tratados ingressam em nosso ordenamento jurídico como Lei Ordinária – Decisão tomada pelo STF em 1997 no RE 8004.

O legislador constitucional originário estabeleceu de plano o artigo 5º, § 2º da CF, onde previa inicialmente a previsão dos direitos fundamentais também em tratados internacional. Assim os direitos humanos previstos nos tratados internacionais cuidam da matéria, como se fosse parte da CF.

Com o advento da EC 45. Foi criado no artigo 5º o § 3º da CF, que equivaleu os tratados como emenda constitucional, após aprovado por 3/5, nas duas casas em dois turnos. Assim, os tratados são materialmente e formalmente constitucionais, assim podem ser denunciados.

Extinção dos Trados Internacionais:

Iremos estudas as três mais importantes.

1. Condição Resolutiva: esta vinculada a um evento futuro e incerto – Exemplos:

Tratado Vinculado por situação de Guerra; diminuição das partes que compõe o tratado

2. Termo – é o prazo de validade do tratado, é o tratado com prazo certo

3. Destrato – ocorre quando todos os integrantes se reúnem e decidem por unanimidade a extinção do tratado, caso não seja unanime cada parte poderá denunciar o tratado, que é o equivalente a retirada da assinatura.

COOPERAÇÃO JURÍDICA EM MATÉRIA PENAL

1. Tribunal Penal Internacional – foi criado pelo estatuto de Roma quem o criou, sendo incorporado pelo Brasil através do Decreto 4388/02.

O tribunal começou a funcionar no Brasil em 2002, sendo um tribunal permanente, este segue princípios importantes, como o principio da legalidade e anterioridade.

O tribunal julga pessoas e não estado, e julga apenas crimes ocorridos após a sua criação (2002)

São os crimes julgados pelo TPI:

Genocídio

Crimes contra Humanidade

Crimes de Guerra

Crime de Agressão Internacional

O complementaridade, exemplo quando o estado não julgar. tribunal IPI só vai agir se o

O

complementaridade, exemplo quando o estado não julgar.

tribunal

IPI

vai

agir

se

o

estado

for

inerte,

é

o

principio

da