Sie sind auf Seite 1von 7

APRESENTAÇÃO E DEFESA DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Sua monografia está pronta! Chegou o momento da apresentação! O


nervosismo toma conta, o medo do famoso "branco"! Relaxe! Apresentar um
trabalho acadêmico é muito fácil!

Todos esses fantasmas envolvendo apresentação de trabalhos acadêmicos


decorrem da falta de conhecimentos sobre o que é uma apresentação, o que
se deve falar na apresentação e como se portar diante de uma Banca que
tem a finalidade de avaliar o pesquisador!

Normalmente as universidades não preparam o acadêmico para a


apresentação e defesa de seu estudo, situação que provoca ansiedade e
insegurança!

Porém, o momento de defesa de um trabalho acadêmico deve ser prazeroso,


pois significa o coroamento de um longo processo de estudo e pesquisa,
uma oportunidade única de tornar público, levar à discussão e ouvir a opinião
de especialistas sobre seu estudo!

Para ajudá-lo, elaborei este singelo "Manual de Apresentação de Trabalhos


Acadêmicos"

1 INFORMAÇÕES PRÉVIAS

Para a preparação de uma apresentação de estudo acadêmico, deve-se


proceder a uma busca prévia de informações para saber qual o nível de
formação acadêmica de cada um dos argüidores.

1.1 É “Banca", "Bancada" ou "Mesa?

Banca: mesa de trabalho; comissão examinadora de exame ou concurso;

Bancada: representação de um Estado na Câmara ou no Senado, de um


Município na Câmara de Vereadores, de uma agremiação, partido ou facção;

Mesa: conjunto de presidente e secretários de uma assembléia.

Portanto o correto é “Banca”, mas é “Banca Argüidora", "Banca Examinadora”


ou "Banca Julgadora"?

Argüir: examinar interrogando.

Examinar: analisar com atenção e minuciosamente.

Como em uma Banca se examina interrogando, o mais correto é “Banca


Argüidora”.

1.2 Formação Acadêmica


Nível graduado (bacharelado e licenciatura)

Graduação: grau acadêmico que se refere ao primeiro título universitário


recebido por um indivíduo.

Diploma: documento emitido por uma instituição de ensino que confere um


grau acadêmico.

Bacharelado ou bacharelato: é um tipo de diploma acadêmico conferido em


nível de graduação. Estes diplomas são aqueles que permitem aos seus
possuidores (os bacharéis) o exercício profissional em alguma área do
conhecimento humano.

Licenciatura: é um tipo de diploma que habilita seu titular a exercer o


magistério em diversos níveis de ensino, de acordo com a licenciatura cursada.

Nível pós-graduado (especialização, mestrado, doutorado, pós-doutorado)

Especialização: também conhecida como especialização lato sensu (em


sentido amplo), é um curso de pós-graduação que pode ter duração de um ou
dois anos. Tem como pré-requisito a conclusão de um curso superior. A
especialização dá oportunidade ao graduado de se especializar em uma área
específica, podendo ser uma área diretamente ligada à primeira graduação ou
não.

Mestrado: é o primeiro nível de pós-graduação stricto sensu (em sentido estrito


ou específico). No Brasil, sob a orientação de um doutor na área escolhida e
durante um período usualmente de dois anos, o mestrando realiza pesquisas
que deverão resultar em uma dissertação sobre o assunto escolhido. O
mestrado pode ser referido como especialização stricto sensu, que é uma
especialização num tema mais específico que o lato sensu.

Doutorado: em Portugal diz-se “doutoramento”, no Brasil “doutorado” e nas


universidades anglo-saxônicas “PHD” (Philosophiae Doctor). Trata-se de um
grau acadêmico concedido por uma universidade que, idealmente, certifica a
capacidade do candidato em desenvolver investigação num determinado
campo da ciência.

Pós-Doutorado: quem termina um doutorado e quer continuar se aprimorando


como pesquisador, tem a opção de fazer um pós-doutorado, que lhe dará um
nível de excelência em determinada área do conhecimento.

1.3 Monografia

A palavra "monografia" decorre de "especificação", isto é, abordagem de um


único assunto. No sentido etimológico quer dizer monos (um só) e graphein
(escrever), o que significa escrever a respeito de um único tema.

A palavra "monografia" tem dois sentidos: o stricto - escrito de um tema


específico que resulte de pesquisa científica com o escopo de apresentar uma
contribuição relevante ou original e pessoal à ciência e o lato - escrito
aprofundado de um só assunto, de maneira descritiva e analítica, basicamente
fundada em bibliografia e documentação, onde a reflexão é a tônica.

2 INTRODUÇÃO

A apresentação de um trabalho acadêmico engloba três fases: cumprimento,


apresentação e defesa.

O cumprimento é o momento em que o autor faz as apresentações e


cumprimentos dos membros da Banca Argüidora, do orientador e dos demais
presentes, nessa ordem.

A apresentação é o momento em que o autor apresenta o tema, o objeto, a(s)


justificativa(s), o(s) objetivo(s), o(s) problema(s), a(s) hipótese(s), a
metodologia, e a(s) conclusão(s) do estudo.

A defesa é o momento em que o autor é argüido pelos membros da Banca.


Nessa fase da apresentação de seu estudo, o pesquisador literalmente
"defende" sua pesquisa e seu ponto de vista. Além de transmitir seu saber, tem
a oportunidade de expor seu trabalho às críticas de especialistas no assunto, o
que, ao final, certifica a produção de conhecimento. O estudo
recebe credibilidade científica!

3 CUMPRIMENTO

No momento da apresentação, o primeiro passo é a


apresentação/cumprimento dos membros da Banca Argüidora.

No cumprimento aos membros da Banca, quatro passos devem ser


observados:

não esqueça de olhar para a pessoa apresentada, para que todos a


identifiquem. Pode-se fazer indicação gestual, estendendo-se a mão na direção
da pessoa apresentada com gesto amplo e suave, ou abaixando levemente a
cabeça cumprimentando-a.

o tratamento dispensado pelo aluno aos Membros da Banca é apenas


"professor(a)" e "senhor(a)", não importando se um dos membros da Banca de
Argüição é, por exemplo, o Presidente da República, eis que, nesse momento,
existem apenas professores e alunos, nada mais que isso. Utiliza-se Doutor,
Mestre, Especialista, apenas no momento da apresentação, quando deve ser
feita a devida qualificação acadêmica dos membros da Banca Argüidora.
Quanto ao reitor, como os alunos das Universidades, sejam públicas ou
particulares, não pertencem à Instituição, devem tratar o reitor apenas
como "senhor reitor", e nada mais.

Primeiro passo - apresentação acadêmica: para o mundo acadêmico não


interessa a profissão do argüidor, mas sua formação acadêmica (se é doutor,
mestre ou especialista, e não se é desembargador, juiz, promotor ou advogado,
por exemplo).

Segundo passo - ordem de apresentação: do mais graduado ao menos


graduado; inicia-se a apresentação pelo Doutor, depois apresenta-se o Mestre,
em seguida o Especialista e por fim o Bacharel ou Licenciado.

Terceiro passo - apresentação do orientador: o orientador é o último


membro da Banca Argüidora a ser apresentado, independentemente de sua
formação.

Quarto passo - cumprimento dos demais presentes: cumprimento geral aos


demais professores, colegas, amigos e familiares presentes (nessa ordem). Se
o reitor da Instituição de Ensino estiver presente, sua apresentação, nesse
quarto passo, deve ser em primeiro lugar, seguido dos professores, e os
demais.

Exemplo:

Primeiramente cumprimento os senhores membros da Banca Argüidora:

Prezado professor João da Silva, pós-doutorado em direito civil pela


Universidade Paulista, atual professor das disciplinas de direito civil I e II, nesta
Instituição de Ensino.

Prezada professora Maria da Silva, doutora em direito constitucional pela


Universidade Federal de São Paulo, atual professora de direito constitucional I,
nesta Universidade (faculdade etc);

Prezado professor Paulo da Silva, mestre em direito de família pela


Universidade Estadual de São Paulo, atual professor da disciplina de direito de
família, neste Estabelecimento;

Prezada professora Ana da Silva, especialista em direito constitucional pela


Universidade Paulista, atual professora da disciplina de direito constitucional I,
nesta Instituição de Ensino;

Prezada professora e orientadora desse trabalho, Joana da Silva, doutora em


direito constitucional pela Universidade Paulista, atual professora da disciplina
de direito constitucional II, nesta Universidade. Agradeço-a imensamente pela
dedicação e empenho pessoal na orientação que tornou possível o
desenvolvimento deste estudo científico.

Meus cumprimentos também ao reitor dessa Universidade, senhor Pedro da


Silva, obrigado(a) pela presença;

Aos demais professores, colegas, amigos e familiares, agradeço a presença e


o prestígio.
É com grande satisfação que nesse momento tão importante para minha vida
acadêmica, passo a apresentar minha primeira produção acadêmica...

4 APRESENTAÇÃO PROPRIAMENTE DITA

Muito embora exista o entendimento de que a apresentação de um trabalho


acadêmico é a apresentação de um "resumão" do relatório, ou seja, da
introdução, do desenvolvimento e da conclusão, essa informação não é
correta, pois o conteúdo da monografia já é conhecido pela Banca Argüidora.

Na apresentação o que interessa é o projeto (se tiver), a introdução, o


sumário e a conclusão do trabalho.

As informações para o tema são extraídas do título da monografia

A justificativa e importância, o objetivo, o problema, a hipótese e a


metodologia estão no projeto, que foi transformado na introdução da
monografia.

A apresentação da estrutura do relatório segue o sumário da monografia.

A conclusão da apresentação é a própria conclusão da monografia.

O relatório (desenvolvimento, apresentado, normalmente, na forma de


capítulos) é objeto da fase da defesa, ou seja, da argüição, e não da
apresentação.

O objetivo da apresentação da monografia é "apresentar" a produção


acadêmica aos membros da Banca Argüidora. A forma da apresentação
depende do aluno e dos instrumentos disponibilizados ou exigidos pela
Instituição. O importante é ter um roteiro a seguir, seja na forma de um
esquema rascunhado em uma folha de papel, ou mesmo a utilização do
“quadro negro”, ou até através de técnicas mais sofisticadas como projetores,
data-show, telão...

A apresentação da monografia deve conter os seguintes itens:

1. tema: delimitação e objeto de pesquisa (título da monografia).

2. justificativa e importância: as razões que levaram o autor a escolher o


tema e a importância do tema para o autor, para o mundo acadêmico, para o
direito e para a sociedade.

Nesse momento é importante que o autor destaque as dificuldades, os limites e


os aspectos positivos do estudo (dificuldades em encontrar fontes de pesquisa,
divergências doutrinárias, aprendizagem, amplitude do estudo, novidade do
tema ou da abordagem, etc.).
3. objetivo: qual o objetivo da pesquisa (normalmente são vários).

4. problema: qual a problemática que o estudo pretende solucionar (pode ser


um ou vários).

5. hipótese: é a resposta prévia do problema (pode ser uma ou várias).

6. metodologia: onde coletou os dados (livros, sites, leis); como fez a análise
dos dados para obtenção da informação e o conhecimento produzido (método
e técnica utilizados: indutivo, dedutito - qualitativa, quantitativa, descritiva); bem
como as dificuldades/facilidades encontradas nesse processo de construção do
conhecimento.

7. estrutura do relatório: o que consta em cada capítulo - não é um resumo


da monografia, mas os tópicos que são abordados em cada capítulo. Os
dados, aqui, são coletados no sumário da monografia.

8. considerações finais: enumerar as conclusões a que chegou com o estudo.


Ao final, enfatizar se confirmou ou não a hipótese previamente elaborada.

5 DEFESA

A defesa é o momento em que o autor é argüido pelos membros da Banca.


Nesse momento da apresentação o autor literalmente "defende" seu
trabalho. Precisa dominar o conteúdo e estar seguro de tudo o que escreveu no
corpo do trabalho.

O autor defende seu ponto de vista, mas deve aceitar críticas e opiniões
contrárias.

A Banca pode confundir opiniões com o desenvolvimento do estudo, o que


exige elucidações, esclarecimentos e firmeza do autor. Por exemplo:

Se o tema escolhido for "pena de morte" e o autor defende a pena capital no


cenário brasileiro, algum membro da banca pode entender de forma contrária e
dizer que o estudo está prejudicado por isso. O autor deve se posicionar no
sentido de defender seu estudo e argumentos, pois as opiniões, contrárias ou
não, devem ser respeitadas.

O mais importante nesse momento é a justificativa, ou seja, porque escreveu


determinado parágrafo, porque utilizou determinada forma, etc.

Quanto aos procedimentos da defesa, estes variam dependendo do estatuído


pela Instituição.

Porém, normalmente, depois de apresentar a monografia, o autor passa a


palavra ao orientador que dará prosseguimento ao processo de apresentação,
instruindo os argüidores sobre os procedimentos da Universidade. O orientador
deve instruir basicamente o seguinte:
que os questionamentos não podem extrapolar os limites do conteúdo do
estudo apresentado;

que os questionamentos podem ser sobre a forma e/ou conteúdo;

que as perguntas devem ser feitas de forma objetiva e com linguagem


simples e de fácil compreensão, não apenas pelo autor, mas pelos demais
ouvintes;

que sempre que possível, o argüidor informe a página da monografia de


onde extraiu a questão;

que os argüidores podem optar por abster-se de alguma pergunta se assim


o quiserem;

outras instruções que considerar importante ou exigidas pela Instituição.

A ordem quanto aos argüidores pode ser:

a) seqüencial: cada orientador faz todas as perguntas seqüencialmente.

b) intercalada: cada orientador faz uma pergunta e passa a palavra ao outro


argüidor e assim sucessivamente.

A ordem quanto às perguntas pode ser:

a) seqüencial: o argüidor faz todas as perguntas e depois passa a palavra ao


autor para as respostas.

b) intercalada: o argüidor faz uma pergunta e passa a palavra ao autor para


este proferir a resposta; depois faz outra pergunta e assim sucessivamente.