Sie sind auf Seite 1von 80

TREINAMENTO EM SERVIÇO

SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO


HOSPITALAR
(SCIH) 2010

Cristiane C Araújo
Márcia Amélia
Enfermeiras do SCIH – HGWA

Dezembro de 2010
COMPOSIÇÃO DA CCIH/SCIH

 Médico Infectologista: Dr. Bráulio Matias


(Coordenador), Dra. Thaís Lobo e Dra.
Lícia Borges.
 Enfermeiras: Cristiane Costa e Márcia
Amélia
 Técnica de Enfermagem: Rita Maria
COMISSÃO DE CONTROLE DE
INFECÇÃO HOSPITALAR
CCIH

Órgão de assessoria à autoridade máxima da


instituição
DIRETORIA

C.C.I.H.

DIRETORIA DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO


CLINICA ENFERMAGEM ADMINISTRATIVO
COMISSÃO DE CONTROLE DE
INFECÇÃO HOSPITALAR

 COMPOSIÇÃO:

Núcleo consultor
 Composição multidisciplinar e multiprofissional.

Núcleo executor
 SCIH - encarregados da execução programada das
ações de controle de infecção hospitalar.
AÇÕES DO SCIH

 Vigilância Epidemiológica;
 Isolamentos;
 Educação Continuada;
 Microbiologia;
 Pareceres Técnicos;
 Padronização de Antimicrobianos;
 Controle de Antimicrobianos;
INFECÇÃO HOSPITALAR
PREVENÇÃO
 Vigilância e Uso Racional dos Antibióticos;
 Higienização das Mãos;
 Uso de Técnicas Assépticas;
 Medidas de Precauções (Isolamento);
 Evitar Procedimentos Invasivos;
 Observar data de Troca dos Dispositivos;
O QUE É INFECÇÃO HOSPITALAR?
INFECÇÃO HOSPITALAR É...

 É qualquer infecção após a internação do


paciente e que se manifeste durante a
internação ou após alta, podendo ser
relacionada com a internação ou com
procedimentos hospitalares
Ex: ITU, Sanguíneas, Pulmonares, Sítio
Ciúrgico e outras.
O que é necessário para ocorrer
uma infecção?

AGENTE
INFECIOSO
(FONTE DE TRANSMISSÃO
INFECÃO)

HOSPEDEIRO
SUSCEPTÍVEL
Como ocorre a transmissão?

• Através das mãos dos profissionais;

• Através do contato com o ambiente;

• Equipamentos, móveis e objetos contaminados;

• Através do ar;
Como ocorre a transmissão?

• Através do contato com o paciente suas


secreções e/ou excreções;
HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS
Transmissão pelas mãos: Passo 1
(Microorganismos presentes na pele do
paciente e nas superfícies do ambiente)
Transmissão pelas mãos: Passo 2
Transmissão pelas mãos: Passo 3
( Sobrevivência dos microorganismos
nas mãos)
Transmissão pelas mãos: Passo 4 (Higienização
deficiente das mãos resulta em mãos
que permanecem contaminadas)
Transmissão pelas mãos: Passo 5
( Mãos contaminadas fazem a transmissão
cruzada de microorganismos)
Restrição de tempo = principal obstáculo
para a higienização das mãos

• A higienização adequada das mãos com


água e sabonete leva 40 a 60 segundos
• Média de tempo gasto pelos profissionais de
saúde: < 10 segundos
Outros obstáculos relevantes em alguns ambientes:
falta de instalações
( pias ) e de acesso contínuo a água limpa,
sabonete e papel.
A fricção antisséptica das mãos é a solução para a
melhoria da adesão prática de higienização das
mãos
• Higienizar as mãos com água e sabonete
quando as mãos estiverem visivelmente
sujas ou após a exposição visível à fluidos
corporais;
• A fricção antiséptica das mãos com
preparação alcoólica é o padrão-ouro em
todas as outras situações clínicas;

POR QUE ?
Higienizar as mãos com preparação
alcoólica leva de 15 a 20 segundos
HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS E USO DE LUVAS
Luvas + higienização das mãos = mãos limpas e seguras
Luvas – higieniozação das mãos = transmissão de
microorganismos
TÉCNICA CORRETA DE HIGIENIZAÇÃO
DAS MÃOS
COM PREPARAÇÃO ALCOOLICA
TÉCNICA CORRETA DE HIGIENIZAÇÃO
DAS MÃOS
COM ÁGUA E SABÃO
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
PADRÃO
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
PADRÃO

• Aplicadas a todos os pacientes internados


Risco de contato com:
– Sangue
– Fluidos corpóreos
– Pele com solução de continuidade
– Mucosas
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
PADRÃO

• Higienização das mãos ( sabão comum );


• Uso de luvas;
• Máscara, protetor de olhos e protetor de face;
• Avental;
• Cuidados com artigos e equipamentos de
assistência ao paciente;
• Controle Ambiental;
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
PADRÃO

• Cuidado com roupas;


• Acomodação adequada do paciente;
• Saúde Ocupacional.
HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS
• Higienização das
mãos( sabão comum )
– Após contato com sangue,
fluidos corpóreos, secreções,
excreções e itens
contaminados;
– Após retirada de luvas;
– Após contato entre um
paciente e outro;
– Entre procedimentos em um
mesmo paciente;
PRECAUÇÃO PADRÃO
• Uso de luvas
– Luvas limpas, não necessariamente estéreis, na
possibilidade de contato com sangue, fluidos
corpóreos, secreções, excreções e itens
contaminados;
– Mudar de luvas entre duas tarefas e entre um e
outro procedimento no mesmo pcte (higienização
das mãos obrigatória);
– Retirar luvas após uso, entre um paciente e outro e
antes de tocar em itens e superfícies não
contaminadas;
PRECAUÇÃO PADRÃO
• Avental
– Usar avental limpo, não necessariamente estéril,
para proteção de roupas e superfícies corporais
quando procedimentos com risco de contaminação
com líquidos corporais e sangue.

• Máscara, protetor de olhos e protetor de


face
– Proteção da mucosa de nariz, olhos e boca.
PRECAUÇÃO PADRÃO
• Cuidados com artigos e equipamentos de
assistência ao paciente
– Devem ser manuseados com cuidado se sujos de
sangue ou fluídos corpóreos, secreções e
excreções. Sua reutilização em outros pacientes
deve ser precedida de limpeza e desinfecção ou
esterilização.
PRECAUÇÃO PADRÃO
• Controle Ambiental
– Estabelecer e garantir procedimentos de rotina
adequada para a limpeza e descontaminação das
superfícies ambientais na presença de sangue e
líquidos corporais.
PRECAUÇÃO PADRÃO
• Cuidado com roupas
– Manipular, transportar e processar as roupas
usadas, sujas de sangue, líquidos corporais,
secreções e excreções, de forma a prevenir a
exposição da pele e mucosas e a contaminação de
roupas pessoais;
– Utilizar sacos impermeáveis para evitar
extravasamento e contaminação de superfícies
ambientais;
PRECAUÇÃO PADRÃO
• Saúde Ocupacional
– Prevenir acidente pérfuro-cortante: cuidado com o
uso, manipulação, limpeza e descarte de agulhas,
bisturis e outros materiais pérfuro-cortantes.

• Acomodação adequada do paciente


– Quando indicado usar quarto privativo.
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
POR CONTATO
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
POR CONTATO
• Internação em quarto privativo;
• Luvas e lavagem de mãos;
• Avental;
– Quando se prevê contato substancial com o
paciente, com superfícies ou itens do quarto
– Retirá-lo antes de deixar o quarto
– Assegurar que roupas pessoais não entrem em
contato com superfícies ambientais
• Equipamentos de cuidados com o paciente;
• Transporte do paciente;
VESTINDO O AVENTAL
ADEQUADAMENTE
CALÇANDO LUVAS
ADEQUADAMENTE
RETIRANDO LUVAS
ADEQUADAMENTE
RETIRANDO AVENTAL
ADEQUADAMENTE
COLOCANDO MÁSCARA
ADEQUADAMENTE
RETIRANDO A MÁSCARA
ADEQUADAMENTE
COLOCANDO O PROTETOR
OCULAR
RETIRANDO O PROTETOR
OCULAR
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
POR GOTÍCULAS
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
POR GOTÍCULAS

• Meningite, Coqueluche, Caxumba, Difteria, H1N1,


Rubéola e Pneumonia por Micoplasma;
• Internação:
– Quarto privativo;
– Distância mínima entre dois pacientes e
visitantes de 1 metro;
• Proteção respiratória:
– Máscara cirúrgica quando a proximidade do
paciente for menor que 1 metro;
• Transporte do paciente.
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
PARA AEROSSÓIS
MEDIDAS DE PRECAUÇÃO
PARA AEROSSÓIS
• Varicela (inclusive zooster), sarampo e
tuberculose;
• Internação:
– Quarto privativo;
– Filtro HEPA (6 trocas de ar/hora);
– Manter portas sempre fechadas;
• Proteção respiratória:
– Máscara N95
• Transporte de pacientes:
– Máscara cirúrgica
ACIDENTES PROFISSIONAIS
ACIDENTES PROFISSIONAIS

CUIDADOS

• Atenção nos procedimentos;


• Não utilizar dedos como anteparo;
• NUNCA reencapar agulhas;
• Desprezar pérfuro-cortantes em recipientes
adequados;
• Recipientes preenchidos até 2/3 da sua
capacidade total;
ACIDENTES PROFISSIONAIS

RISCOS

• HIV Percutâneo : 0,3 %


• HIV Mucocutânea : 0,09 %
• HVB : 40 %
• HVC : 1,8%
ACIDENTES PROFISSIONAIS

CONDUTA

• Cuidados com área da lesão;


• Identificar paciente-fonte;
• Comunicar a supervisora do plantão;
• Atendimento pelo plantonista da clínica médica
(plantão) ou CCIH (diurno);
• Profilaxias, se recomendado pelo médico;
• Comunicar SESMT - para a realização da CAT
(comunicação de acidente de trabalho);
ACIDENTES PROFISSIONAIS

CUIDADOS

• Lavagem exaustiva com água e sabão;


• Pode-se usar solução antisséptica degermante
PVP-Iodo ou Clorexidina;
• Lavagem com SF 0,9 % ou água se mucosas;
• Aumento da área exposta e utilização de
irritantes como éter, hipoclorito e glutaraldeído
são contra-indicados;
VACINAÇÃO DO PROFISSIONAL
DE SAÚDE

• Antitetânica: 3 doses
• Anti-hepatite B: 3 doses
• Anti-rubéola: 1 dose(mulheres idade
fértil);
• BCG: 1 dose (profissionais não
reatores ao PPD que queiram tomá-la)
• Anti-caxumba:
• Anti-varicela: 2 doses
• Anti-maralítica: 1dose
MÃOS LIMPAS, MÃOS SEGURAS.

• FILME
OBRIGADA!