Sie sind auf Seite 1von 16

PLANO DE CONTAS

O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos.

• ATIVO - CONTAS DEVEDORAS


• PASSIVO - CONTAS CREDORAS
• DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS
• RECEITAS - CONTAS CREDORAS
• APURAÇÃO DE RESULTADO

Estes grupos por sua vez também se dividem em sub grupos, os quais passaremos a
analisar:
CIRCULANTE (Bens e direitos realizáveis num prazo inferior a 365
dias)
ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO (Idem, num prazo superior a
365 dias)
PERMANENTE (Investimentos e bens destinados à manutenção
da atividade)
O ATIVO representa a parte positiva do patrimônio, a fonte de investimentos, as
aplicações de recursos (BENS E DIREITOS).

CIRCULANTE (Obrigações exigíveis num prazo inferior a 365 dias)


PASSIVOEXIGÍVEL A LONGO PRAZO (Idem, num prazo superior a 365 dias)
RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (Resultados
antecipados)

PATRIMÔNIO LÍQUIDO (Capitais próprios)

O PASSIVO representa a parte negativa do patrimônio, a fonte de financiamentos, as origens


dos recursos (OBRIGAÇÕES).

Com VENDAS
DESPESAS:ADMINISTRATIVAS
FINANCEIRAS
DESPESAS NÃO OPERACIONAIS
Despesas: Todo gasto despendido na manutenção da atividade da empresa.

VENDAS
RECEITAS: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS
FINANCEIRAS
RECEITAS NÃO OPERACIONAIS
Receitas: Todo valor obtido decorrente da venda dos produtos e serviços da sua
atividade.

MODELO DE UM PLANO DE CONTAS PARA EMPRESAS COMERCIAIS


1 – ATIVO
1.1 - CIRCULANTE
1.1.1 - Disponível
1.1.1.001 - Caixa
1.1.1.002 - Bancos Conta Movimento
1.1.2 - Realizações
1.1.2.001 - Clientes
1.1.2.002 - ( - ) Duplicatas Descontadas
1.1.2.003 – Aplicações Financeiras
1.1.2.004 – Impostos a Recuperar
1.1.2.005 - Despesas do Exercício Seguinte
1.1.2.006 - ( - ) Provisão para Devedores Duvidosos
1.1.3 – Estoques
1.1.3.001 - Estoque de Mercadorias
1.1.3.002 - (-) Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado
1.2 - ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
1.2.1 - Realizações
1.2.1.001 - Títulos a Receber
1.3. ATIVO PERMANENTE
1.3.1 - Investimentos
1.3.1.001 - Participações em Outras Cias
1.3.1.002 - Imóveis para Renda
1.3.2 – Imobilizado
1.3.2.001 - Equipamentos de Informática
1.3.2.002 - Imóveis
1.3.2.003 - Instalações
1.3.2.004 - Máquinas e Equipamentos
1.3.2.005 - Móveis e Utensílios
1.3.2.006 - Veículos
1.3.2.007 - (-) Depreciação Acumulada
1.3.3 - Diferido
1.3.3.001 - Despesas Pré-Operacionais
1.3.3.002 – Despesas com Desenvolvimento de Sistemas
1.2.2.002 – Despesas com Desenvolvimento de Novos Produtos
1.3.3.002 - (-) Amortização Acumulada

2- PASSIVO
2.1 – CIRCULANTE
2.1.1 - Obrigações
2.1.1.001 - Fornecedores
2.1.1.002 - Aluguéis a Pagar
2.1.1.003 - Empréstimos a Pagar
2.1.1.004 - ICMS a Recolher
2.1.1.005 – Imposto de Renda a Pagar
2.1.1.006 - IR Fonte a Recolher
2.1.1.007 - Contribuições Previdenciárias a Recolher
2.1.1.008 - FGTS a Recolher
2.1.1.009 - Honorários da Diretoria a Pagar
2.1.1.010 - Salários a Pagar
2.1.1.011 - Dividendos a pagar
2.1.1.012 - Outras Obrigações a Pagar
2.2 – EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
2.2.1 – Obrigações
2.2.1.001 - Financiamentos a Pagar
2.3 – RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS
2.3.1 – Resultados Futuros
2.3.1.001 - Receitas de Exercícios Futuros
2.3.1.002 - ( - ) Custos e Despesas
2.4 – PATRIMÔNIO LÍQUIDO
2.4.1 – Capital
2.4.1.001 - Capital
2.4.1.002 - ( - ) Capital a Realizar
2.4.2 - Reservas de Capital
2.4.2.001 – Ágio na Emissão de Ações
2.4.3 – Reservas de Reavaliação
2.4.3.001 – Reavaliação do Permanente
2.4.4 - Reservas de Lucros
2.4.4.001 – Reserva Legal
2.4.5 - Lucros ou Prejuízos Acumulados
2.4.5.001 – Lucros Acumulados
2.4.5.002 – ( - ) Prejuízos Acumulados

3 - DESPESAS
3.3 – DESPESAS OPERACIONAIS
3.3.1 – Despesas com Vendas
3.3.1.001 - Comissões sobre Vendas
3.3.1.006 - Fretes e Carretos
3.3.1.007 - Material de Embalagem
3.3.1.008 - Propaganda e Publicidade
3.3.1.009 – Despesas c/ Devedores Duvidosos
3.3.2 – Despesas Administrativas
3.3.2.001 - Aluguel
3.3.2.002 - Energia Elétrica
3.3.2.003 - Água
3.3.2.004 - Correios
3.3.2.005 – Depreciações
3.3.2.006 - Amortizações
3.3.2.007 - Fretes e Carretos
3.3.2.008 - Material de Expediente
3.3.2.009 - Prêmios de Seguro
3.3.2.010 - Comunicações
3.3.2.011 - Impostos e Taxas
3.3.2.012 - Serviços de Terceiros
3.3.2.013 - Multas Fiscais
3.3.2.014 - Salários
3.3.2.015 - Honorários da Diretoria
3.3.2.016 - Décimo Terceiro Salário
3.3.2.017 - Encargos Sociais
3.3.2.018 - Férias
3.3.3 – Despesas Financeiras
3.3.3.001 - Despesas Bancárias
3.3.3.002 - Juros Passivos
3.3.3.003 - Descontos Concedidos
3.3.4 – Outras Despesas Operacionais
3.3.4.001 – Prejuízo de Participação em outras Cias
3.3.4.002 – Despesas Eventuais
3.4. DESPESAS NÃO OPERACIONAIS
3.4.1 - Perdas não Operacionais
3.4.1.001 – Perdas na Alienação de Bens

4 - RECEITAS
4.1 – RECEITAS OPERACIONAIS
4.1.1 – Receitas de Vendas
4.1.1.001 – Venda de Mercadorias
4.1.1.002 - ( - ) Vendas Anuladas
4.1.1.003 - ( - ) ICMS sobre Vendas
4.1.1.004 - ( - ) PIS sobre Faturamento
4.1.2 – Receitas Financeiras
4.1.2.001 - Rendimentos de Aplicações Financeiras
4.1.2.002 - Descontos Obtidos
4.1.2.003 - Juros Ativos
4.1.3 – Outras Receitas Operacionais
4.1.3.001 - Lucros de Participações em Outras Cias
4.1.3.002 - Reversão de Provisão Para Devedores Duvidosos
4.1.3.003 - Receitas Eventuais

4.2 – RECEITAS NÃO OPERACIONAIS


4.2.1 - Ganhos não Operacionais
4.2.1.001 – Ganho na Alienação de Bens

5 – CONTAS DE APURAÇÃO DE RESULTADOS


5.1 – APURAÇÃO DE RESULTADO
5.1.1 – Apuração de Resultado
5.1.1.001 - Custo das Mercadorias Vendidas (CMV)
5.1.1.002 - Resultado com Vendas de Mercadorias (RVM)
5.1.1.003 - Apuração do Resultado do Exercício (ARE)
MODELO DE UM PLANO DE CONTAS PARA EMPRESAS
INDUSTRIAIS
1 - ATIVO
1.1 - CIRCULANTE
1.1.1 - Disponível
1.1.1.001 - Caixa
1.1.1.002 - Bancos Conta Movimento
1.1.1.003 - Aplicações de Liquidez Imediata
1.1.2 - Realizações
1.1.2.001 - Clientes
1.1.2.002 - ( - ) Duplicatas Descontadas
1.1.2.003 - ICMS a Recuperar
1.1.2.004 - IPI a Recuperar
1.1.2.005 - Despesas do Exercício Seguinte
1.1.2.006 - ( - ) Provisão para Devedores Duvidosos
1.1.3 - Estoques
1.1.3.001 - Estoque de Produtos Acabados
1.1.3.002 - Estoque de Produtos em Elaboração
1.1.3.003 - Estoque de Matérias-primas
1.1.3.004 - Estoque de Materiais Secundários
1.1.3.005 - Estoque de Materiais de Embalagem
1.1.3.006 – Estoque de Subprodutos
1.1.3.007 - (-) Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado
1.2 - ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
1.2.1 - Realizações
1.2.1.001 - Títulos a Receber
1.3 - ATIVO PERMANENTE
1.3.1 - Investimentos
1.3.1.001 - Participações em Outras Cias
1.3.1.002 - Imóveis para Renda
1.3.2 - Imobilizado
1.3.2.001 - Equipamentos de Informática
1.3.2.002 - Imóveis
1.3.2.003 - Instalações
1.3.2.004 - Máquinas e Equipamentos Industriais
1.3.2.005 - Móveis e Utensílios
1.3.2.006 - Veículos
1.3.2.007 - (-) Depreciação Acumulada
1.3.3 - Diferido
1.3.3.001 - Despesas Pré-Operacionais
1.3.3.002 - (-) Amortização Acumulada

2 - PASSIVO
2.1 - CIRCULANTE
2.1.1 - Obrigações
2.1.1.001 - Fornecedores
2.1.1.002 - Aluguéis a Pagar
2.1.1.003 - Empréstimos a Pagar
2.1.1.004 - ICMS a Recolher
2.1.1.005 - IPI a Recolher
2.1.1.006 - IRR Fonte a Recolher
2.1.1.007 - Contribuições Previdenciárias a Recolher
2.1.1.008 - FGTS a Recolher
2.1.1.009 - Honorários da Diretoria a Pagar
2.1.1.010 - Salários a Pagar
2.1.1.011 - Dividendos a pagar
2.1.1.012 - Outras Obrigações a Pagar
2.2 - EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
2.2.1 - Obrigações
2.2.1.001 - Financiamentos a Pagar

2.3 - RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS


2.3.1 - Resultados Futuros
2.3.1.001 - Receitas de Exercícios Futuros
2.3.1.002 - ( - ) Custos e Despesas

2.4 - PATRIMÔNIO LÍQUIDO


2.4.1 - Capital
2.4.1.001 - Capital
2.4.1.002 - ( - ) Capital a Realizar
2.4.2 - Reservas de Capital
2.4.2.001 - Ágio na Emissão de Ações
2.4.3 - Reservas de Reavaliação
2.4.3.001 - Reavaliação do Permanente
2.4.4 - Reservas de Lucros
2.4.4.001 - Reserva Legal
2.4.5 - Lucros ou Prejuízos Acumulados
2.4.5.001 - Lucros Acumulados
2.4.5.002 - ( - ) Prejuízos Acumulados

3 - DESPESAS
3.3 - DESPESAS OPERACIONAIS
3.3.1 - Despesas com Vendas
3.3.1.001 - Comissões sobre Vendas
3.3.1.006 - Fretes e Carretos
3.3.1.007 - Material de Embalagem
3.3.1.008 - Propaganda e Publicidade
3.3.1.009 - Despesas c/ Devedores Duvidosos
3.3.2 - Despesas Administrativas
3.3.2.001 - Aluguel
3.3.2.002 - Energia Elétrica
3.3.2.003 - Água
3.3.2.004 - Correios
3.3.2.005 - Depreciação
3.3.2.006 - Fretes e Carretos
3.3.2.007 - Material de Expediente
3.3.2.008 - Prêmios de Seguro
3.3.2.009 - Comunicações
3.3.2.010 - Impostos e Taxas
3.3.2.011 - Serviços de Terceiros
3.3.2.012 - Multas Fiscais
3.3.2.013 - Salários
3.3.2.014 - Honorários da Diretoria
3.3.2.015 - Décimo Terceiro Salário
3.3.2.016 - Encargos Sociais
3.3.2.017 - Férias

3.3.3 - Despesas Financeiras


3.3.3.001 - Despesas Bancárias
3.3.3.002 - Juros Passivos
3.3.3.003 - Descontos Concedidos
3.3.4 - Outras Despesas Operacionais
3.3.4.001 - Prejuízo de Participação em outras Cias
3.3.4.002 - Despesas Eventuais
3.4 - DESPESAS NÃO OPERACIONAIS
3.4.1 - Perdas não Operacionais
3.4.1.001 - Perdas na Alienação de Bens

4 - CUSTOS
4.1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO
4.1.1 - Produtos em Elaboração
4.1.1.001 - Produto em Elaboração - A
4.1.1.002 - Produto em Elaboração - B
4.1.1.003 - Produto em Elaboração - C
4.1.2 - Materiais
4.1.2.001 - Matéria-prima
4.1.2.002 - Materiais Secundários
4.1.2.003 - Materiais de Embalagem
4.1.3 - Mão de Obra Direta
4.1.3.001 - Salários
4.1.3.002 - Encargos Sociais
4.1.3.003 - Décimo Terceiro Salário
4.1.3.004 - Férias
4.1.3.005 - Seguro Acidentes do Trabalho
4.1.3.006 - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço
4.1.3.006 - Lanches e Refeições
4.1.3.007 - Outros Gastos com Pessoal
4.1.4 - Mão de Obra Indireta
4.1.4.001 - Salários
4.1.4.002 - Encargos Sociais
4.1.4.003 - Décimo Terceiro Salário
4.1.4.004 - Férias
4.1.4.005 - Seguro Acidentes do Trabalho
4.1.4.006 - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço
4.1.4.007 - Lanches e Refeições
4.1.4.008 - Outros Gastos com Pessoal
4.1.5 - Gastos Gerais de Fabricação
4.1.5.001 - Energia Elétrica
4.1.5.002 - Aluguéis
4.1.5.003 - Depreciação
4.1.5.004 - Prêmios de Seguro
4.1.5.005 - Serviços de Terceiros
4.1.5.006 - Comunicações
4.1.5.007 - Água
4.1.5.008 - Conservação e Manutenção
4.1.5.009 - Combustíveis e Lubrificantes
4.1.5.010 - Materiais de Expediente
4.1.5.011 - Materiais de Limpeza
4.1.5.012 - Materiais Diversos

5 - RECEITAS
5.1 - RECEITAS OPERACIONAIS
5.1.1 - Receitas de Vendas
5.1.1.001 - Venda de Produtos
5.1.1.002 - ( - ) Vendas Anuladas
5.1.1.003 - ( - ) ICMS sobre Vendas
5.1.1.004 - ( - ) PIS sobre Faturamento
5.1.2 - Receitas Financeiras
5.1.2.001 - Rendimentos de Aplicações Financeiras
5.1.2.002 - Descontos Obtidos
5.1.2.003 - Juros Ativos
5.1.3 - Outras Receitas Operacionais
5.1.3.001 - Lucros de Participações em Outras Cias
5.1.3.002 - Receitas Eventuais

5.2 - RECEITAS NÃO OPERACIONAIS


5.2.1 - Ganhos não Operacionais
5.2.1.001 - Ganho na Alienação de Bens

6 - CONTAS DE APURAÇÃO DE RESULTADOS


6.1 - APURAÇÃO DE RESULTADO
6.1.1 - Apuração de Resultado
6.1.1.001 - Custo dos Produtos Vendidos (CPV)
6.1.1.002 - Resultado com Vendas de Produtos (RVP)
6.1.1.003 - Apuração do Resultado do Exercício (ARE)

Obs. Assim como o construtor precisa de uma planta para fazer uma casa, o
contador precisa do plano de contas para fazer a contabilidade.

Aprenda como elaborar um modelo de fluxo de caixa


postado por Amanda Camasmie - 06/10/09 às 18:50

Um empreendedor que não sabe o que é fluxo de


caixa é quase como um pescador não saber o que é anzol. Ou seja, o fluxo de caixa é
uma ferramenta essencial no gerenciamento de uma empresa. O termo nada mais é do
que o controle das contas a pagar e a receber. Ou ainda: é a entrada ou saída de dinheiro.
E por que esse controle é importante? Justamente porque será muito mais fácil
movimentar o dinheiro e desenvolver um planejamento financeiro na sua empresa.
“Para o micro e pequeno empresário, a melhor opção é o fluxo de caixa da base direta,
isto é, aquele em que o empreendedor só registra numa planilha as ações que já tiverem
sido realizadas”, explicou ao Empreendedores Haroldo Mota, professor de finanças da
Fundação Dom Cabral, centro de desenvolvimento de executivos, empresários e
empresas, fundado em 1976. Ou seja, você só vai inserir o valor do dinheiro recebido
por determinada venda quando ela já estiver no caixa da empresa.
Base indireta
Existe outra opção, que é o fluxo de caixa da base indireta, no qual se pressupõe o
cálculo do lucro. Esse modelo costuma ser mais utilizado por empresas maiores, em que
as movimentações são em maior volume, e é preciso constantemente ter ciência das
ações que estão para acontecer.
“É melhor que o microempreendedor utilize a base direta por ser mais simples”,
aconselha Mota, que recomenda ainda o programa Excel. Ele também adverte: “Tenha
sempre uma reserva financeira.” Segundo ele, o erro mais comum é ser muito otimista
com os ingressos provenientes da receita e imaginar que os valores a receber são tão
previsíveis quanto os das despesas. “O salário do funcionário é um valor certo. Já a
receita que vai ingressar no caixa para pagar esse salário é só uma expectativa”, diz.
O Sebrae elaborou um modelo de fluxo de caixa em que considera importantes as
previsões e as ações realizadas. Na imagem abaixo, você verá um modelo de relatório
de fluxo de caixa. E se quiser saber mais sobre o tema, clique na figura para baixar o
Guia sobre Fluxo de Caixa, também produzido pelo Sebrae.
Entenda alguns termos
Saldo Inicial: é o valor constante no caixa no início do período considerado para a
elaboração do Fluxo. É composto pelo dinheiro
na “gaveta” mais os saldos bancários disponíveis para saque.
Entradas de Caixa: correspondem às vendas realizadas à vista, bem como a outros
recebimentos, tais como duplicatas, cheques
pré-datados, faturas de cartão de crédito etc., disponíveis como “dinheiro” na respectiva
data.
Saídas de Caixa: correspondem a pagamentos de fornecedores, pró-labore (retiradas
dos sócios), aluguéis, impostos, folha de pagamento, água, luz, telefone e outros, entre
eles alguns descritos em nosso modelo.
Saldo Operacional: representa o valor obtido de entradas menos as saídas de caixa na
respectiva data. Possibilita avaliar como se comportam seus recebimentos e gastos
periodicamente, sem a influência dos saldos de caixa anteriores.
Saldo Final de Caixa: representa o valor obtido da soma do Saldo Inicial com o Saldo
Operacional. Permite constatar a real sobra ou falta de dinheiro em seu negócio no
período considerado e passa a ser o Saldo Inicial do próximo período.
Tags: fluxo de caixa, modelo

111 comentários para “Aprenda como elaborar um modelo de fluxo de


caixa”
« Comentários mais antigos

1. ÉRICA CRISTINA CAMILO disse:


03/02/2011 às 20:26
Olá, gostaria de receber um modelo de fluxo de caixa para montar um salão de
beleza.Muito obrigado.
DEUS ABENÇÕE!

2. Diana disse:
28/01/2011 às 1:21
Olá, Gentileza enviar um modelo de fluxo de caixa para ser utilizado na
Empresa que trabalho, e a maneira de como utilizar, inclusive alguma planilha se
for possivel
Agradeço desde já aguardo um retorno.
Diana Silveira

3. SANDRA C.D disse:


19/01/2011 às 16:51
Gostaria que me enviassem o modelos de fluxo de caixa para que possa utilizar
em minha empresa.
agradecida,
sandra costa dias

4. João Menezes disse:


06/01/2011 às 17:28
Olá! muito boas às dicas, obrgado! Gosto muito da área financeira! Estou
cursando ciências contábeis e cada vez me interesso mais pela área de exatas.
Se possível a equipe poderia enviar-me um modelo de fluxo de caixa para em
presa de médio porte?
Desde já muito obrigado.

5. joão rodrigues do nascimento disse:


02/01/2011 às 14:04
ola eu tenho uma oficina de reformas de baú para caminhões gostaria de receber
uma apostilha para controle de entrada e saida de dinheiro e controle das
reformas.

6. Patrícia disse:
27/12/2010 às 16:31
Gostaria de um modelo de fluxo de caixa para minha empresa. obg

7. renato paese disse:


26/12/2010 às 12:19
reiterando pedido anterior:
tenho uma micro do ramo construção, gostaria de receber por email um modelo
de fluxo de caixa e a forma de opera-lo obrigado

8. renato paese disse:


26/12/2010 às 12:15
gostaria de receber dicas de como montar e operar um fluxo de caixa – obrigado

9. Nadia J L Kieling disse:


19/12/2010 às 22:06
Gostaria de receber por email um modelo de relatório para fluxo de caixa de um
salão de beleza, sou microempreendedora, tenho uma funcionária registrada.
Grata!

10. Rosinete F.Cruz disse:


17/12/2010 às 9:23
Olá, gostaria de modelos de fluxo de caixa… seria possível me enviar por email?
Desde já, agradeço!

11. Kemeli disse:


16/12/2010 às 22:37
Olá, Boa Noite, parabéns pelas dicas de fluxo de caixa, gostaria de saber se há a
possibilidade de enviarem um modelo de fluxo de caixa para uma loja de roupas
e acessórios?, muito obrigada.!!
Parabéns..!!
« Comentários mais antigos
Deixe um comentário
Clique aqui para cancelar a resposta.
Parte superior do formulário

Nome (obrigatório)

Email (não será publicado) (obrigatório)

Site

Enviar Comentário 1653 0

Parte inferior do formulário





Parte superior do formulário

Pesquisar por:
Buscar

Parte inferior do formulário

• Sobre o blog
○ Saiba quem faz o Empreendedores

• Lista de Links
○ Blog do Endeavor
○ CAIXA
○ Faça Diferente
○ Papo de Empreendedor
○ Pensando Grande

• Posts Recentes
○ Insper lança portal para o empreendedor
○ Comprar a franquia em andamento é um bom negócio?
○ Por que o contador faz diferença no seu negócio
○ Como deve ser um bom plano de marketing?
○ Cinco dicas para enfrentar melhor a concorrência

• Comentários Recentes
○ Wanessa em Conheça franquias de sucesso e saiba como escolher
○ aline em Conheça a doce conquista de um distribuidor de balas
○ José Maria em Conheça franquias de sucesso e saiba como escolher

• Tags
APL Atendimento ao cliente CAIXA case comércio comércio eletrônico consumidor crédito curso
dicas E-commerce Empreendedor Individual endeavor estudo evento falência feira finanças

Franquias gestão grátis inovação internet investimento Liderança livro


fluxo de caixa
marketing Motivação oportunidades palestras PEGN pesquisa plano de negócios Recursos
Humanos redes sociais RH sebrae Serasa tecnologia tendências trabalho turismo varejo vendas