You are on page 1of 11

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS

INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

FORMULÁRIO DE DETALHAMENTO VÁLIDO SOMENTE PARA INSCRIÇÃO NO PIBIC

1. Identificação do Projeto

Título do Projeto PIBIC


A posição de Richard Rorty em relação à teoria da verdade como correspondência
Orientador
MARCIO JESUS VIEIRA BERNARDO

Recém-Doutor
Bolsista
VITOR FERREIRA LIMA

Aluno cursando Graduação no Interior do Estado


Sim Não X

Renovação de Projeto
Sim Não X

Projeto no Interior do Estado


Sim Não X

2. Introdução

Na História da Filosofia tornou-se tradicional explicar o tópico da verdade através


da teoria correspondentista. Várias objeções se fizeram a esse legado. Entre elas, a de
filósofos deflacionistas inseridos no contexto da “virada linguística”. Richard Rorty se
coloca nesse movimento e radicaliza suas conclusões, de forma a afirmar que os filósofos
tem pouco a dizer sobre essa questão e que, portanto, deveriam superá-la (no sentido
kuhniano). O objetivo geral deste estudo é analisar a posição de Rorty em relação à teoria
da verdade como correspondência e investigar a alternativa que o filósofo apresenta a
esta teoria.

Rorty absorve a tradição teórica dos movimentos analítico e pragmático. A partir


dessas posições, o autor perfaz seu discurso filosófico através da análise linguística e das
consequências práticas dos problemas postos sob investigação. É sob esse prisma que é
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

encarada a questão da verdade. Rorty sustenta que para que se faça uso do predicado
verdade não é necessário qualquer suporte metafísico. Então, partindo de suas raízes na
Filosofia da Linguagem, insere seu projeto deflacionista e, não separado disso, já na linha
do Pragmatismo, propõe que a verdade seja encarada antes através de seus usos
cotidianos que por um conteúdo inflado metafisicamente.

Dessa forma, o filósofo estabelece uma tipologia de caráter contingente que pode
ser usada para melhorar a previsibilidade de acontecimentos aos quais se associa o
predicado verdade. O autor enumera, pelo menos, três tipos: a) verdade como termo de
endosso, b) verdade associada a situações descitacionais; c) verdade servindo como
cautela. Rorty não pretende estabelecer outra teoria da verdade, no sentido tradicional,
mas sim fornecer uma maneira de se lidar com o comportamento humano, o
comportamento linguístico.

3. Justificativa

Para Rorty, a verdade é algo sobre o que não se deve teorizar, posto que se trata
de algo inalcançável. Isso porque sua noção possui unicamente uma concepção formal,
não sendo dado conhecer seu conteúdo. Nas palavras do filósofo “There are, to be sure,
what Lacanians call impossible, indefinable, sublime objects of desire […] On my view
truth is just such an object. It is to sublime, so to speak, to be either recognizable, and
therefore capable of being systematically worked for.” 1 Nessa linha, a teoria da verdade
como correspondência é a que mais sofre o ataque de Rorty. Para tanto, ele se insere na
mudança de paradigmas que se faz da epistemologia e da metafísica para a semântica. A
partir dai, empreende uma deflação da linguagem, objetivando retirar-lhe toda a carga
metafísica e epistemológica. Então, não separado dessa disposição, propõe não mais as
tradicionais questões fundacionalistas sobre a verdade, mas a investigação sobre os usos
do predicado verdade.

1 “Existem, para ser exato, aquilo que lacanianos chamam de objetos de desejo impossíveis, indefiníveis, sublimes
[…] Para mim, a verdade é apenas um objeto desses. É demasiado sublime, por assim dizer, para ser reconhecido ou
visado.” RORTY, Richard. Universality and Truth In: Rorty and his critics. Robert B. Brandom (ed.). Oxford:
Blackwell, 2000, p. 2. Também pode ser encontrada nesta versão brasileira: Verdade, universalidade e política
democrática (justificação, contexto, racionalidade e pragmatismo) In: SOUZA, José Crisóstomo de (org.). Filosofia,
racionalidade e democracia: os debates Rorty & Habermas. São Paulo: UNESP, 2005, p. 106.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

A teoria da verdade como correspondência alega isto: “X é verdadeiro sse X


corresponde a um fato”. O problema levantado por teorias deflacionistas é que essa noção
se baseia na comparação de coisas heterogêneas. Em outras palavras, de um lado há
algo linguístico – uma expressão, um enunciado, uma frase. – e de outro há algo não
linguístico – o fato. No limite, argumentam seus críticos, essa posição leva a uma
tautologia, posto que a noção de fato contém a noção de verdade e vice-e-versa, o que
faz com que a noção de verdade apresente uma forma ausente de conteúdo.
Rorty endossa essa ideia e oferece esta alternativa: que se deixem de lado os
procedimentos tradicionais de busca da verdade e se comecem a observar
comportamentos possíveis de serem mensurados, os comportamentos linguísticos. Rorty
se insere no contexto inaugurado pelo que ficou conhecido como “virada linguística” para
sair do território das teorias tradicionais da verdade. O filósofo, de forma sucinta, descreve
tal movimento, nos termos seguintes: “I shall mean by 'linguistic philosophy' the view that
philosophical problems are problems which may be solved (or dissolved) either by
reforming language, or by understanding more about language we presently use.” 2 Assim,
ele prefere ultrapassar (em um sentido kuhniano) as teorias de fundo epistemológico e
metafísico e se estabelecer em posições que se envolvam com a semântica.
Partindo dessa concepção, Rorty vai mais além. Contrapõe-se a qualquer tipo de
dualismo que se coloca diante de perguntas de ordem epistemológica, metafísica e, até
mesmo, algumas de ordem semântica. O que o filósofo não concorda é que, uma vez
respondidas, tais questões favorecem a hierarquização do conhecimento, das frases: as
mais importantes ficam sendo as mais próximas da “realidade como ela é” ou da “validade
universal”.
Para manter uma teoria como verdadeira, junto da questão semântica, Rorty adota
uma posição pragmática, na medida em que ultrapassa a questão tomando o uso das
sentenças e teorias. Esse uso é posto por Rorty em uma tipologia de caráter contingente
que pode ser usada para melhorar a previsibilidade de acontecimentos aos quais se
associa o predicado verdade. O que Rorty faz é trocar a pergunta dualista “o que é a
verdade?” pela pergunta pragmática “quais os usos da palavra verdade?” Rorty afirma que
“ We can […] isolate a sense for the term 'pragmatism' which will consist simply in the

2 “Por 'filosofia linguística', referir-me-ei àquela posição em que problemas filosóficos são problemas que podem ser
resolvidos (ou dissolvidos) tanto por uma reforma na linguagem quanto pelo maior entendimento da linguagem em
uso.” RORTY, Richard (ed.). The linguistic turn: essays in philosophical method. Chicago: The University of
Chicago Press, 1992, p. 3
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

dissolution of the traditional problematic about the truth, as opposed to a constructive


'pragmatist theory of truth'. This dissolution would start from the claim that 'true' has no
explanatory use, but merely the following uses...” 3 A partir dai, enumera, pelo menos, três
tipos: a) verdade como termo de endosso (endorsing use) ex.: “verdade, vá em frente!”; b)
verdade associada a situações descitacionais (disquotational use), ex.: “é verdadeiro para
o centro de pesquisa X que a úlcera tem causa virótica”; c) verdade servindo para atrair
cuidado (cautionary use), ex.: “sua tese é justificável, mas não verdadeira”. Através dessa
tipologia, Rorty leva adiante seu projeto deflacionista de tirar a substantividade da verdade
e de, no limite, retirar da verdade qualquer carga metafísica.
Dessa forma, o que Rorty faz com a sua tipologia é deixar de lado perguntas sobre
a natureza da verdade, típicas da teoria da verdade como correspondência, substituindo-
as por perguntas sobre seus usos em determinados contextos e momentos. Rorty não
pretende estabelecer uma outra teoria da verdade, no sentido tradicional, mas sim
fornecer uma maneira de se lidar com o comportamento humano, o comportamento
linguístico. E para tanto se insere no campo da “virada linguística”, empreendendo o seu
projeto pragmático e deflacionista.
A relevância deste estudo está no fato de Richard Rorty ter sido um dos principais
construtores da filosofia atual, fornecendo especial contribuição à discussão sobre as
teorias da verdade. A respeito desse tema, Rorty debateu publicamente com filósofos de
reconhecimento internacional, como Jürgen Habermas, Donald Davidson, Hilary Putnam e
John Searle. Investigar a posição defendida por Rorty é estar a par das mais recentes
posições que vêm reformulando a visão que a filosofia tem de si própria.

4. Objetivos

Geral: Investigar a posição de Richard Rorty em relação à teoria da verdade como


correspondência.

Específicos:

• Esclarecer o contexto teórico inserido pela “virada linguística”.

3 “Podemos isolar o sentido do termo 'pragmatismo' que consistirá apenas na dissolução dos tradicionais problemas da
verdade, em oposição as 'teorias pragmáticas da verdade' construtivas. Essa dissolução partiria da afirmação de que
'verdade' não tem um uso teórico, mas somente os seguintes usos...” RORTY, Richard. Pragmatism, Davidson and
truth in his Objectivity, Relativism, and Truth: Philosophical Papers, Volume 1. Cambridge: Cambridge University
Press, 1991, p. 127/128
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

• Elucidar as objeções deflacionistas à teoria da verdade como correspondência.

• Explicar os usos do predicado verdade fornecidos por Rorty.

5. Metodologia

Para a realização deste trabalho, é necessário entender como a recente filosofia


pragmática vem discutindo a teoria da verdade tendo por base os escritos de Richard
Rorty. Para isso, esta pesquisa será bibliográfica e terá como instrumento fundamental de
análise os problemas levantados por Rorty a partir das discussões apresentadas no
contexto teórico da “virada linguística”. Após esta análise, será realizada uma síntese
problematizando as contribuições em torno do tema em questão. Desta forma, segundo
LAKATOS e MARCONI (2002):
Para Manzo (1971:32), a bibliografia pertinente “oferece meios
para definir, resolver, não somente problemas já conhecidos,
como também explorar novas áreas onde os problemas não se
cristalizaram suficientemente”, e tem por objetivo permitir ao
cientista “o reforço paralelo na análise de suas pesquisas ou
manipulação de suas informações” (Trujillo, 1974:230). Desta
forma, a pesquisa bibliográfica não é mera repetição do que já
foi dito ou escrito sobre certo assunto, mas propicia o exame
de um tema sob enfoque ou abordagem, chegando à
conclusão inovadora. (LAKATOS & MARCONI, 2002:71)

Assim, os procedimentos metodológicos serão os seguintes:


1. Levantamento bibliográfico e seleção da literatura especializada.
2. Análise das ideias de Rorty em relação à teoria da verdade como
correspondência. Leitura dos textos Philosophy and the Mirror of Nature,
Consequences of Pragmatism, Objectivity, Relativism and Truth, Philosophical
Papers, Volume 1, nos originais, para evitar problemas de tradução.
3. Identificação e análise das objeções deflacionistas à teoria da verdade como
correspondência.
4. Análise e interpretação dos usos do predicado verdade fornecidos por Rorty.
5. Sistematização dos dados para a elaboração de relatório final.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

6. Referências

AYER, Alfred J. Language, truth and logic. Victor Gollancz Ltd, 1936

ARCILLA, R. For the love of perfection – Richard Rorty and liberal education. New York:
Routledge, 1995.

BERNSTEIN, Richard J. The pragmatic turn. Cambridge: Polity Press, 2010.

BLACKBURN, Simon. Truth: a guide. London: Oxford University Press, 2007.

COSSUTTA, Frédéric. Elementos para leitura dos textos filosóficos. Coleção leitura e
crítica. Tradução de Ângela de Noronha Begnami [et al.]. Revisão da tradução e texto final
de Paulo Neves. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

DAVIDSON, Donald. Inquiries into truth and interpretation. Oxford: Clarendon Press, 1984.

DICKSTEIN, Morris (ed.). The revival of pragmatism: New Essays on Social Thought, Law,
and Culture. Durham, NC: Duke University Press.

DIGGINS, John Patrick. The promise of pragmatism: Modernism and the Crisis of
Knowledge and Authority. Chicago: University of Chicago Press, 1994.

DUSSEL, Enrique and Eduardo Mendieta (eds.). The underside of modernity: Apel,
Ricoeur, Rorty, Taylor, and the Philosophy of Liberation. Atlantic Highlands, NJ:
Humanities Press, 1996.

EVNINE, Simon. Donald Davidson. Stanford: Stanford University Press, 1991.

FOLSCHEID, Dominique, WUNEMBURGER, Jean-Jaques. Metodologia filosófica.


Tradução de Paulo Neves. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas técnicas para o trabalho científico: explicitação das
normas da ABNT. 15 ed. Porto Alegre: s.n., 2001.

GHIRALDELLI Jr., Paulo. Richard Rorty – a filosofia do Novo Mundo em busca de mundos
novos. Petrópolis: Vozes, 1999.

_____________________. Introdução à filosofia de Donald Davidson. Rio de Janeiro:


Luminária, 2010.

_____________________. O que há de real e de irreal com o realismo Searle versus


Rorty. Trans/Form/Ação, São Paulo, 21/22: 119-129, 1998/1999

_____________________, PETERS, Michael (eds.). Richard Rorty: education, philosophy,


politics. Lanham, MD: Rowman and Littlefield, 2002.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

_____________________, RODRIGUES, Alberto Tosi. Rorty: da filosofia da liinguagem à


filosofia política democrática. In: RORTY, Richard. Contra os chefes, contra as oligarquias.
Entrevista a Derek Nystrom e Kent Puckett. Tradução de José Abreu. Rio de Janeiro:
DP&A, 2001.

_____________________, RORTY, Richard. Ensaios pragmatistas - sobre subjetividade e


verdade.

GUIGNON, Charles, HILEY, David (ed.). Richard Rorty. Cambridge: Cambridge University
Press, 2003.

HAACK, Susan. Evidence and inquiry: towards reconstruction in epistemology. Oxford:


Blackwell, 1993.

HALL, David L. Richard Rorty: prophet and poet of the new pragmatism. Albany State:
University of New York Press, 1994.

HAHN, L. E. (ed.) The philosophy of Donald Davidson. Chicago: Southern Illinois


University at Carbonalle, 1999.

HORWICH, P. Truth. Oxford: Clarendon Press, 1998.

HOUSE, D. Vaden. Without god or his doubles: realism, relativism, and Rorty. New York:
E. J. Brill, 1994.

JAMES, William. Pragmatism's conception of truth. The Journal of Philosophy, Psychology


and Scientific Methods, Vol. 4, No. 6 (Mar. 14,1907), pp. 141-155.

KIRKHAM, Richard L. Theories of truth: A Critical Introduction. Massachusetts: MIT Press,


2001.

LAKATOS, Eva Maria & MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de pesquisa:


planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas,
elaboração, análise e interpretação de dados. 5a ed. São Paulo: Atlas, 2002.

LETSON, Ben H. Davidson’s theory of truth and its implications for Rorty’s pragmatism.
New York: P. Lang, 1997.

LYNCH, Michael P. (ed.). The nature of truth: Classic and Contemporary Perspectives.
Massachusetts: MIT Press, 2001.

MOUNCE, H. O. The two pragmatisms: From Peirce to Rorty. New York: Routledge, 1997.

MURPHY, John P. Pragmatism: From Peirce to Davidson. Boulder, CO: Westview Press,
1990.

NIZNIK, Jozef, SANDERS, John T. (eds.). Debating the state of philosophy: Habermas,
Rorty, and Kolakowski. Westport, CT: Praeger, 1996.

PORTA, Mario Ariel Gonzáles. A filosofia a partir de seus problemas. São Paulo: Edições
Loyola, 2002.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

QUINE, Willard V. “Two dogmas of Empiricism”. From a logical point of view. MA: Harvard
University Press, 1961.

RAMBERG, B. Donald Davidson's philosophy of language. Oxford: Blackwell, 1987.

RORTY, Richard. Contra os chefes, contra as oligarquias. Entrevista a Derek Nystrom e


Kent Puckett; prefácio, organização e notas, Paulo Ghiraldelli Jr. E Alberto Tosi Rodrigues.
Tradução José Abreu. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

______________. Objectivity, relativism and truth, philosophical papers, volume 1.


Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

______________. Contingency, irony, and solidarity. Cambridge: Cambridge University


Press, 1989.

______________. Consequences of pragmatism. Minneapolis: University of Minnesota


Press, 1982.

______________. Essays on Heidegger and others, Philosophical Papers, Volume 2.


Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

______________. Philosophy and the mirror of nature. Princeton: Princeton University


Press, 1979.

______________. Philosophy and social hope. Harmondsworth: Penguin, 1999.

______________. Truth and progress, philosophical papers, volume 3. Cambridge:


Cambridge University Press, 1998.

RORTY, Richard. Truth and Universality In: BRANDOM, Robert B. (ed.). Rorty and his
critics. Oxford: Blackwell, 2000.

RORTY, Richard (ed.). The linguistic turn: essays in philosophical method. Chicago: The
University of Chicago Press, 1992.

RORTY, Richard and ENGEL, Pascal. What's the use of truth. New York: Columbia
University Press, 2007.

SAUNDERS, Clare [et al.]. Como estudar filosofia: guia prático para estudantes. Tradução
de Vinicius Figueira. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SOUZA, José Crisóstomo de (org.). Filosofia, racionalidade e democracia: os debates


Rorty & Habermas. São Paulo: UNESP, 2005.

ULHÔA, Joel Pimental de. Reflexões sobre a leitura em filosofia. Goiânia: UFG, 2000.

VATTIMO, Gianni. A farewell to truth. New York: Columbia University Press, 2011

7. Cronograma de Atividades
Nº Descrição Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

2011 2012
1 - Levantamento bibliográfico e X
seleção da literatura especializada.
- Leitura e fichamento de obras
2 sobre a Virada linguística. X
- Análise dos problemas e
3 conceitos construídos pela filosofia X X
pragmática de Rorty.
- Interpretação dos dados.
4 X X
- Elaboração do relatório parcial.
5 X X
- Entrega de relatório parcial
6 X
- Revisão do relatório parcial
7 X
- Identificação e análise das
8 objeções deflacionistas à teoria da X X
verdade como correspondência.
- Análise dos usos do predicado
9 verdade fornecidos por Rorty. X X
- Interpretação dos dados.
10 X X
11 - Elaboração do Resumo e X X
Relatório Final (atividade
obrigatória)
12 - Preparação da Apresentação X X
Final para o Congresso (atividade
obrigatória)

8. MATERIAIS

Obs:
Na página seguinte preencha a planilha de pontuação de currículo que deve ser entregue
impressa e assinada pelo Orientador, conforme edital..

PLANILHA DE PONTUAÇÃO DO CURRÍCULO

Nome do Orientador: MARCIO JESUS VIEIRA BERNARDO


UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

Grupo de Pesquisa da UFAM: CEFORT – Comunicação, Tecnologia e Cultura na


Educação Presencial e a Distância

OBS:
a) O Orientador deverá preencher a planilha com a produção dos últimos 3 anos;
b) Durante a seleção será verificada a conformidade com o descrito em seu CVLattes
ativo no CNPq.

Ítem PONTOS Qtde TOTAL


TITULAÇÃO: DR (15 PTS) MS (07 PTS) - somente o maior título MS ----- 7
PRODUÇÃO DOS ÚLTIMOS TRÊS ANOS:
PRODUÇÃO BIBLIOGRÁFICA
A) Artigos Científicos Publicados
ARTIGO COMPLETO EM PERIÓDICO INTERNACIONAL 12
ARTIGO COMPLETO EM PERIÓDICO NACIONAL 7 1 7
ARTIGO COMPLETO EM PERIÓDICO REGIONAL 4
ARTIGO COMPLETO EM PERIÓDICO LOCAL 4
B) Livros e Capítulos de Livros
AUTORIA DE LIVRO ESPECIALIZADO (Edição Internacional) 20
AUTORIA DE LIVRO ESPECIALIZADO (Edição Nacional) 10
AUTORIA DE LIVRO ESPECIALIZADO (Edição Regional/Local) 5
AUTORIA DE CAPÍTULO DE LIVRO ESPECIALIZADO (Edição Internacional) 10
AUTORIA DE CAPÍTULO DE LIVRO ESPECIALIZADO (Edição Nacional) 5
AUTORIA DE CAPÍTULO DE LIVRO ESPECIALIZADO (Edição Regional/Local) 2
ORGANIZAÇÃO DE LIVRO ESPECIALIZADO (Edição Nacional ou Internacional) 5
ORGANIZAÇÃO DE LIVRO ESPECIALIZADO (Edição Regional/Local) 2
C) Trabalhos em Eventos
TRABALHO COMPLETO PUBLICADO EM ANAIS DE EVENTO CIENTÍFICO INTERNACIONAL 5

TRABALHO COMPLETO PUBLICADO EM ANAIS DE EVENTO CIENTÍFICO NACIONAL 4 1 4


TRABALHO COMPLETO PUBLICADO EM ANAIS DE EVENTO CIENTÍFICO REGIONAL 3
RESUMO PUBLICADO EM ANAIS DE EVENTO CIENTÍFICO NACIONAL/INTERNACIONAL 2 1 2
RESUMO PUBLUCADO EM ANAIS DE EVENTO CIENTÍFICO REGIONAL/LOCAL 1
D) Demais tipos de Produção Bibliográfica
PARTITURA MUSICAL (De sua própria autoria) 5
PREFÁCIO E POSFÁCIO DE LIVRO ESPECIALIZADO 4
TRADUÇÃO DE LIVRO ESPECIALIZADO (Edição Nacional ou Internacional) 6

PRODUÇÃO TÉCNICA
A) Trabalhos Técnicos
APRESENTAÇÃO DE TRABALHO CARTAS, MAPAS E SIMILARES 1
DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL 1
MANUTENÇÃO DE OBRA ARTÍSTICA 5
ORGANIZAÇÃO E PRODUÇÃO DE EVENTO (Técnico, cientifico e artístico) 5
PRODUÇÃO DE PROGRAMA DE RÁDIO, TV OU TEATRO 5
ELABORAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SITES NA INTERNET DE CUNHO DIDÁTICO OU 2
INSTRUCIONAL
PRODUÇÃO DE FILMES, VÍDEOS E AUDIOVISUAIS ARTÍSTICOS 10
C) Propriedade Intelectual (com registro de Patente)
PROCESSO OU TÉCNICA 10
PRODUTO TECNOLÓGICO 10
PRODUTO DE DESIGN 10
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA O PIBIC 2010-2011

SOFTWARE 5
D) Trabalho Artístico Cultural
APRESENTAÇÃO DE OBRA ARTÍSTICA 4
APRESENTAÇÃO EM RÁDIO, TV OU TEATRO 4
ARRANJO MUSICAL (Gravado ou publicado) 6
COMPOSIÇÃO MUSICAL (Gravado ou publicado) 10
OBRAS DE ARTES VISUAIS 10
SONOPLASTIA 6
CENÁRIO/FIGURINO 6
DIREÇÃO DE ESPETÁCULOS (teatrais/musicais) 8
CURADORIA DE EXPOSIÇÕES 8
E) Orientações Concluídas
TESE DE DOUTORADO ORIENTADA 12
TESE DE DOUTORADO CO-ORIENTADA 6
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ORIENTADA 7
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO CO-ORIENTADA 3
MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAÇÃO 2
TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO 2
INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2
F) Orientações em Andamento
TESE DE DOUTORADO ORIENTADA 6
TESE DE DOUTORADO CO-ORIENTADA 3
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ORIENTADA 4
DISSERTAÇÃO DE MESTRADO CO-ORIENTADA 2
MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAÇÃO 1
TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO 1
INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1

DADOS COMPLEMENTARES
COORDENAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA COM RECURSOS EXTERNOS À UFAM 10
PARTICIPAÇÃO EM PROJETO DE PESQUISA COM RECURSOS EXTERNOS À UFAM (máximo 5
de dois)
COORDENAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA COM RECURSOS INTERNOS À UFAM 5
PARTICIPAÇÃO EM PROJETO DE PESQUISA COM RECURSOS INTERNOS À UFAM (máximo 2
de dois)
PONTUAÇÃO TOTAL 20

__________________________________
Assinatura do Orientador