Sie sind auf Seite 1von 16

Referências

Jonathan Hartlyn, Jennifer McCoy and Thomas M. Mustillo. Electoral Governance


Matters : Explaining the Quality of Elections in Contemporary Latin America.
Comparative Political Studies, 2008 41: 73.

Questões de governança eleitoral: explicando a qualidade das eleições na América


Latina contemporânea

Jonathan Hartlyn, Jennifer McCoy and Thomas M. Mustillo

Este artigo fornece uma análise sistemática transnacionais do papel da administração


eleitoral na explicação aceitável eleições presidenciais democráticas em 19 países da
América Latina desde o ano de 1980 ou a primeira eleição, crucial de transição. Os
autores apresentam duas medidas alternativas de administra-ção da eleição, uma
centrada sobre o grau de partidarismo ou independência profissional e outro formal-
legal independência institucional, bem como de outros fatores-chave para teste de
chances proporcionais parciais, modelos logito ordenado, prevendo o probabilidade de
um aceitáveis, falhos, ou não processo eleitoral. Os resultados mostram um papel
importante e positivo para o profissional, às comissões eleitorais independentes sobre os
resultados eleitorais na América Latina, o controle de outros fatores socioeconômicos e
políticos, as questões da independência formal-legal quando as regras do jogo são
susceptíveis de ser respeitado. Além disso, as eleições de baixa qualidade são
encontrados desproporcionalmente onde operadores buscam a reeleição e onde as
margens de vitória são extremamente ampla e não restrita.

Palavras-chave: administração eleitoral; governança eleitoral; democratização;


América Latina

A euforia da terceira onda de transição democrática no mundo em desenvolvimento e


ex-repúblicas soviéticas, foi ultrapassado por uma visão mais sóbria que muitos regimes
políticos permanecerá em uma zona cinzenta entre a democracia liberal eo
autoritarismo, a título definitivo (Carothers, 2002; Zakaria, 2003) . Na literatura
crescente sobre a natureza destes regimes de zona cinzenta, a linha divisória entre um
mínimo de democracia eleitoral e uma autocracia eleitoral é definido principalmente
pela qualidade de seus processos eleitorais (ver Munck, 2006; O'Donnell, 2002;
Schedler, , 2006). Do mesmo modo, estabelecido democracias liberais, a governança
eleitoral foi uma questão amplamente tida como certa até o controverso eleições
presidenciais de 2000 nos Estados Unidos, o que levou a um novo enfoque sobre a
qualidade eleitorais em análises acadêmicas e círculos políticos (Gillman, 2001;
Comissão Nacional de Reforma Eleitoral Federal, 2001).
Neste artigo, vamos examinar o impacto das instituições centrais do órgãos de gestão
eleitoral governança eleitoral (EMB) sobre a qualidade das eleições na América Latina.
Queremos saber se essas instituições têm um efeito independente sobre a qualidade das
eleições e, em caso afirmativo, qual o tipo de EMBs funcionar melhor. Em termos
teóricos, isso é importante que os cientistas políticos se esforçam para deter-mina o
impacto causal independente das instituições. Em termos políticos, é importante que os
governos nas democracias novo design, os seus organismos eleitorais e como doadores
de dar conselhos e assistência financeira.
Os cientistas sociais empregando uma perspectiva institucionalista estão tentando
avaliar a relativa independência política e os possíveis efeitos dos mecanismos de
responsabilização e de instituições como bancos centrais, tribunais e outros organismos
de superintendência (Cukierman & Webb, 1995; Moreno, Crisp, e Shugart, 2003;
Schedler , Diamond & Plattner, 1999). No que respeita aos organismos de gestão
eleitoral, há alguns anos Pastor (1999) pode lamentar o fato de que a parte
administrativa das eleições "parece ter sido ignorada sistematicamente" (p. 80) devido a
suposições sobre a eficiência burocrática e de fiscalização efetiva por meio da mídia e
da Judiciário nas democracias mais institucionalizada.
Durante esta última década, porém, a governança eleitoral tem sido o foco de maior
atenção. Governança eleitoral envolve a interação de normas constitucionais, legais e
institucionais e práticas organizacionais que determinam as regras básicas para os
procedimentos de eleição e competição eleitoral, organizar campanhas, registro de
eleitores, e registra o dia da eleição e resolver os conflitos e certificar os resultados (o
que Mozaffar & Schedler 2002, tornando regra chamada, aplicação de regras e
julgamento regra). EMBs, fazem parte de um conjunto de instituições e regras que
definem em conjunto a probidade dos processos eleitorais, e nas democracias
emergentes, onde os processos administrativos são fracos e desconfiança entre os atores
políticos é alta, o seu papel no centro dos processos eleitorais tende a ser mais visível.
Além da atenção ampliada pela comunidade política, que está convencido de que grande
parte independente, EMBs profissionais desempenham um papel importante na garantia
de eleições competitivas na democratização contextos (por exemplo, do Instituto
Internacional para a Democracia e Assistência Eleitoral [IDEA], 2002; Organização
para a Segurança e Coope-ração na Europa e no Gabinete para as Instituições
Democráticas e Direitos Humanos, 2003), uma literatura acadêmica que explora a
importância dos independentes, profissionais dos órgãos eleitorais também é emergente.
Isso inclui uma edição da International Political Science Review, com dois artigos
importantes conceptual e empírica (Mozaffar, 2002, examinando EMBs como variável
dependente, ver também Lehoucq, 2002; Mozaffar e Schedler, 2002), e um estudo de
López Pintor (2000 ) que opiniões diferentes formas de organização dos órgãos
eleitorais. Análises recentes têm dado uma atenção especial à forma como a criação de
instituições independentes eleitoral avançados processos de democratização na Costa
Rica e México (Eisenstadt, 2004; Lehoucq & Molina, 2002), e os estudos dos processos
de democratização de outros países têm ressaltado como fraca administração eleitoral
tem inibido curso (ver Hartlyn, 1998).
Independente EMBs podem surgir em uma variedade de contextos políticos. Os partidos
políticos normalmente dispostos a manipulação eleitoral pode calcular mal e acredito
que independente dos órgãos eleitorais não vai impedir a fraude ou pré-cluir sua vitória,
ou eles podem ter medo de sua eficácia, mas relutantemente concordar com eles em face
da mobilização da oposição política e social ou por razões de legitimidade. Dentro dos
partidos políticos, atores-chave também podem ser divididos em conta-ção a sua
disposição para empregar a fraude, proporcionando uma abertura para o
estabelecimento de maior autonomia dos órgãos eleitorais. Os tipos de EMBs que
supervisionam eleições são, portanto, se o resultado de condições prévias e conflitos; ao
mesmo tempo, são temporalmente prévia a processos eleitorais, e há razões para
acreditar que eles são susceptíveis de ter consequências importantes para os eventos
subseqüentes (cf. JM Carey, 2000).
No entanto, os argumentos sobre o potencial impacto de organismos eleitorais sobre a
qualidade dos processos eleitorais ainda não foram testadas empregando transnacional
análise quantitativa. Do argumentos aparentemente plausíveis sobre a importância dos
diferentes tipos de administração eleitoral na democratização contextos desaparecer
uma vez que se considera outros factores políticos e institucionais e ao nível do país, do
desenvolvimento econômico? Não EMBs que são independentes da influência partidária
desempenho melhor do que os que foram concebidos explicitamente para representar as
forças partidárias? Nós encontramos a evidência forte para o argumento de um papel
importante e positivo para o profissional, às comissões eleitorais independentes sobre os
resultados eleitorais na América Latina, o controle de outros fatores políticos e
socioeconômicos.
Ao mesmo tempo, como a literatura de governança eleitoral também indica, podemos
confirmar que as comissões eleitorais não podem ser considerados independentes do
contexto sociopolítico: Nós achamos que formal-legal independência institucional deve
ser conjugada com o respeito pelas regras do jogo para ter um impacto sobre qualidade
eleitoral, e nós achamos que outros fatores também são importantes.
Na primeira seção seguinte, vamos explicar como podemos operacionalizar nossa
variável dependente, a qualidade das eleições. Em seguida, fornecer um quadro dos
principais fatores institucionais consideradas importantes na compreensão de que as
variações de qualidade e apresentar as medidas que utilizam para esses fatores, com
destaque para a adopção de medidas alternativas à natureza do EMBs. Na segunda
seção, apresentamos e discutimos os resultados de análises estatísticas usando parcial
proporcional odds-modelos logito ordenado. A conclusão resume os resultados e
considera caminhos para novas pesquisas.

Quadro de Análise

Variável Dependente

Nosso primeiro objetivo é determinar uma medida para a qualidade das eleições na
América Latina. Determinar a medida em que as eleições permitem uma concorrência
efectiva e reflecte a vontade dos eleitores (em termos populares, quer sejam livres e
justas) é um exercício complicado, devido à necessidade de considerar preelection dia,
dia da eleição, e questões do dia pós-eleitoral; dificuldades em saber quanto peso a
aplicar a cada um, e as múltiplas dimensões envolvidas em cada (cf. Boneo, 2000;
Elklit, 2000; Elklit & Svensson, 1997; Mozaffar e Schedler, 2002). Dado que a
democracia pode sempre ser melhorado, as eleições também podem ser feitas mais
plenamente livres e justas.
Como uma análise sumária da extensa literatura sobre eleitorais obser-vação e da
qualidade dos processos discute eleitoral, nas eleições de julgar um pode assumir uma
perspectiva de legitimidade ou numa perspectiva de qualidade (Hartlyn & McCoy,
2006). Uma medida da legitimidade de uma eleição é centrada nas opiniões dos
principais atores políticos relevantes, e uma eleição pode ser considerada livre e justa se
"todos os grandes partidos aceitar o processo e respeitar os resultados" (Pastor, 1998, p.
159). Isto tem a vantagem da simplicidade e alta confiabilidade. No entanto, devido à
fragilidade organizativa do partido ou cálculo político estratégico, a avaliação parte de
uma eleição pode não se correlacionar com os de observadores independentes.
Liderança de um partido perdedor pode acusar o partido vencedor da fraude, ao invés de
admitir a derrota, como um meio de manter a sua posição dentro do partido, o que é
alegado para ter ocorrido no México em 1994 (Eisenstadt, 2004) e na Nicarágua, em
1996 (Booth , 1998). Por sua vez, em alguns casos, perdendo partes pode julgar uma
eleição com menos severidade do que os observadores independentes fazem, como
aparentemente foi o caso do Paraguai, em 1989 (Freedom House, 1989) e no Haiti no
processo eleitoral 1990-1991 (HF Carey, 1998 ).
Uma perspectiva centrada na qualidade, por outro lado, gira em torno de julgamentos e
avaliações de observadores eleitorais informadas com base em um conjunto de normas.
Observadores independentes basear suas decisões em informações fornecidas pelos
partidos políticos e outros actores relevantes. Embora observadores independentes
também podem ter motivos para distorcer seus julgamentos públicos, baseado em
padrões de mudança, preconceito, ou interesses escusos, utilizando uma variedade de
fontes, deve minimizar o risco de viés potencialmente sistemática, evitando a armadilha
óbvia de se basear exclusivamente nas decisões do partido atores. Esta é a perspectiva
que adotamos.
As principais normas são de que as eleições democráticas deve ser processualmente
justa e tecnicamente sólida. Eles devem ser abrangentes em termos de eleitor eligibil
dade e aberto e competitivo em termos de partido e participação candidatos. As
campanhas eleitorais não devem ser excessivamente parcial em favor de partidos ou
candidatos, e os resultados devem refletir a vontade dos eleitores expressa nas urnas. O
processo deve reforçar a confiança pública no sistema eleitoral como um todo devido à
sua equidade percebida, precisão e eficiência (Elklit & Reynolds, 2002; Elklit &
Svensson, 1997; IDEA, 2002; Schedler, 2002).
Se os elementos básicos para a equidade processual e adequação técnica estão presentes
em um grau importante, então a eleição é considerada aceitável. Se o processo é
considerado pelos observadores a ser notoriamente deficiente processual ou
tecnicamente, ou suficientemente deficiente para evitar que os resultados das eleições de
refletir a vontade dos eleitores expressa nas urnas, a eleição é codificado como
inaceitável. A categoria intermediária de falhas é reservado para as eleições em que o
processo vivenciado significativas deficiências processuais ou técnicos (quer devido à
incompetência, abuso de recursos do Estado ou de energia ou outros recursos
extralegais, fraude ou violência), mas estes não são claramente suficientes para afetar o
resultado da votação para a eleição presidencial, embora possam ter afetado algumas
raças locais ou legislativas.
Nós medimos a variável dependente, analisando as declarações e inions expressas pelos
atores sem partido, principalmente os relatórios de observadores nacionais e
internacionais, quando estes estavam presentes e, se não, por meio de avaliações pela
mídia e outros observadores, nós olhamos para caracterização geral do processo
eleitoral e para a identificação de deficiências específicas e seu impacto sobre o
resultado, se houver. Estes códigos, em seguida, foram submetidos a uma verificação de
validade ainda com pelo menos um perito país, levando a pequenas alterações em
apenas dois casos.
Neste artigo, vamos nos concentrar nas democracias presidenciais na América Latina e
no Caribe e examinar apenas eleições importantes a nível nacional (presidencial, ou, se
for realizada no mesmo dia, presidencial combinado com outros níveis) a partir do ano
de 1980 ou a primeira eleição crucial associados à transição democrática (em que todos
os principais partidos políticos da oposição participou) até abril de 2003 (McCoy, 1998,
p. 54). O conjunto de dados, portanto, inclui 104 eleições em 19 países durante um
período de 23 anos. Nós nos concentramos na América Latina por várias razões: A
região abriga muitas das democracias início da terceira onda, com uma média de duas
décadas de experiência eleitoral, o continente tem claramente articulada normas de
direitos a fiscalização eleitoral e eleição através da organização de documentos de
Estados Americanos e da Inter-Carta Democrática Interamericana, o que representa um
contexto internacional comum, há uma abundância de relatórios de observação eleitoral
(mesmo se não para todos os países e as eleições), e temos conhecimento de muitos dos
casos, a capacidade de acessar especialistas do país para a validade cheques
(minimizando o Bowman, Lehoucq & Mahoney, 2005, termo "dados induzida erro de
medição").

Explicando a qualidade das eleições: variáveis independentes e resultados


esperados

Passamos agora para os fatores que parecem mais importantes para explicar a qualidade
das eleições, com especial ênfase sobre o papel das autoridades eleitorais do país.

Instituições eleitorais: Os estudos de caso e análises comparativas da América Latina e


em outros contextos em que a democratização desconfiança e polarização tendem a ser
mais pronunciados têm apontado para a centralidade da EMBs profissional, permanente
e autónomo para a realização de êxito, de eleições credíveis. Como observado pelo ECA
(2000), os países são frequentemente instado por organizações ocidentais a estabelecer
permanente às comissões eleitorais como uma forma de melhorar as eleições.
Comissões Permanentes eleitoral são considerados especialmente importantes em
situações de baixa capacidade do estado administrativo onde existe um alto grau de
desconfiança entre os atores políticos e poucos, se houver, os mecanismos alternativos
para ajudar a garantir honesto, eleições imparciais. Essas comissões e, em alguns casos,
os seus associados instituições judiciais, se destinam a realizar atividades complexas
regulamentares e administrativas; gerir as relações com os partidos políticos de forma
equilibrada; projetar uma imagem de neutralidade, profissionalismo pró-e eficiência; e
julgar os litígios de forma justa. Na busca do equilíbrio dessas várias tarefas, os
analistas consideram frequentemente dois modelos: o primeiro é o modelo de autonomia
profissional, na qual os indivíduos são escolhidos por causa de suas credenciais
profissionais, com o entendimento de que, independentemente das simpatias partidárias
inicial que pode ser titular, uma vez nomeado eles devem agir com autonomia e
imparcialidade, o segundo é o modelo de representação partidária equilibrada, em que
os grandes partidos têm representação e de entrada (cf. Schedler, 2000, p. 30).
Argumentamos que o modelo de autonomia profissional é preferível, particularmente
em contextos de polarização política. Placas de representante do Partido pode funcionar
bem se tiverem burocracias permanentes do serviço público com eles e se eles estão em
um contexto em que as partes podem esperar que seus colegas vão respeitar as regras do
jogo. Mas mesmo que o modelo de representação partidária seja a preferida para uma
dominada por um único partido (normalmente dos operadores incumbentes), as
autoridades eleitorais neste modelo pode ainda permitir a fraude e conluio das partes
representadas, sobretudo na ausência de um poder judicial independente, poder para
verificar o abuso de autoridade e em face das ameaças percebidas a partir de desafios de
terceiros. Falta de experiência também pode prejudicar a sua eficácia, e em casos
extremos, a desconfiança entre as partes pode conduzir à nomeação dispendiosa e
ineficiente de representantes dualparty em todos os postos de decisão.
Medir a autonomia eo profissionalismo dos EMBs é um desafio. Nós utilizamos dois
tipos diferentes de medidas de independência do controle partidário, cada uma com
diferentes pontos fortes e fracos, de modo que, se percebermos que a natureza dos
organismos de gestão eleitoral afeta a qualidade eleitoral com ambas as medidas, então
nós podemos estar mais confiante do encontro. Na primeira medida, vamos determinar
uma pontuação EMB simples partidária. É baseado em uma análise do caráter da
instituição (ou instituições) que os nomes dos membros da EMB e independência
psicológica dos nomeados no seu momento de nomeação. Este sistema mede
diretamente a medida em que um EMB é partidário em qualquer eleição. Este método
de marcar também um equilíbrio entre uma abordagem formal-legal, quais os riscos
lacunas vista formal entre pro-cedimentos e prática, e uma abordagem que analisa o
comportamento real dos atores EMB, que se arrisca a ser muito próxima à qualidade de
o processo eleitoral (a nossa variável dependente). A pontuação EMB partidária é uma
medida simples e direta de independência EMB, em comparação com a pontuação
formal-institucional discutido mais tarde. Assim, se não achar que EMBs afetar
significativamente a qualidade das eleições empregando esta medida, ficaria seriamente
pôr em causa a importância da natureza da composição partidária dos EMBs aos
processos eleitorais em contextos de democratização.
Existem quatro tipos de EMBs nesta medida categórico:
1. De partido único dominado: Uma parte, geralmente o titular, tem assentos suficientes
para fazer a maioria das decisões sozinho (se ele realmente faz ou não).
2. Partidária mista: Há tanto uma representação equilibrada dos partidos políticos no
conselho ou suficientemente representação mista que nenhum partido pode tomar as
decisões sozinho.
3. Independente / partidária mista: Alguns membros são nomeados com base na
representação partidária e algumas como independentes (por exemplo, Uruguai).
4. Independente das partes: EMB Os membros podem ser nomeados pelo Congresso
(ou, mais comumente, juízes ou grupos cívicos), mas eles são conscientemente
apartidária e profissional, nomeado em qualificações mérito e não na simpatia
partidária.
Tivemos o cuidado na coleta de informações para a nossa consideração separada da
pontuação EMB partidário de que a natureza da eleição. Em adição, nós tivemos as
nossas medidas validadas por especialistas do país para cada eleição em nosso país 19
casos. Para a nossa segunda medida, nós planejamos um índice de independência dos
organismos de gestão eleitoral com base na natureza do seu processo de nomeação e no
gestões no cargo de nomeados os dois EMB e nomeadores. Para isso, adaptamos o
método e sistema de codificação aplicada por Moreno, Crisp e Shugart (2003) para
tribunais superiores e do que as agências prazo de superintendência. É baseado na noção
simples de que, EMB independência da estreita parti-san controle deve aumentar à
medida que o número de atores envolvidos no processo aumenta nomeação e as
mudanças da sua natureza, a menos agências autônomas são nomeados por uma câmara
do legislador só , com auton-nomia aumentando à medida que as agências são
nomeados através de processos que envolvem vários ramos do governo, a processos
dominado pelo Poder Judiciário, para aqueles dominados pela sociedade civil. Da
mesma forma, uma maior independência formal deve ser encontrada nas circunstâncias
em que o mandato do membro do EMB é maior do que a posse do nomeadores quando
o nomeadores são os poderes legislativo e / ou informações (executivo adicionais sobre
codificação de procedimentos está disponível nos sites listados na Nota 4). Moreno et
al. utilizar estes dois conceitos-o processo de nomeação ea relação de posse para criar
duas pontuações que combinam em um índice geral. Aqui, estamos a testar o efeito da
pontuação individualmente como combinados em um índice EMB formal, porque o
mecanismo pelo qual a independência é conseguida varia entre os dois e é possível que
basicamente é uma condução o efeito.
Empregando essa abordagem, a pontuação varia nomeação empiricamente em nossa
amostra, 0-8, ea posse da razão de pontuação varia de 0-2, com valores mais altos
indicando maior independência. O combinado índice varia de 1 a 10 em nossa amostra,
com EMB Peru está a ser o mais independente (com uma pontuação de 10) e com o
Paraguai, Equador e República Dominicana, cada um tendo pelo menos uma eleição
durante o qual sua EMB recebeu o menor valor de 1. Esse esquema de codificação tem
duas vantagens importantes que aumentam a confiabilidade: (a) alta transparência nas
regras de codificação e (b) o acesso somente aos textos constitucionais e legais
necessários ao invés de requerer pareceres de peritos com base em relatórios sobre o
processo de nomeação efectiva seguido eo caráter dos nomeados. De uma perspectiva
política, mas também aponta para os mecanismos de seleção para diretores EMB que
são susceptíveis de conduzir a organizações mais profissionais e independentes.
Ao mesmo tempo, este indicador por si só é susceptível de revelar-se deficiente por um
motivo amplamente reconhecido por analistas de governança eleitoral e praticantes da
mesma forma: há, por vezes, "fraco acoplamento entre as instituições formais e prática"
(de um Mozaffar e Schedler, 2002, p. 15), na administração eleitoral, como existe em
outras áreas institucionais, tais como a independência dos bancos centrais, órgãos de
auditoria, ou a Suprema Corte. Embora a distinção entre processos de jure e de facto
pode parecer evidente, alguns estudos ainda dependem exclusivamente de medição
formal, seja porque o modelo foi criado para as democracias desenvolvidas, onde as
normas e as leis são mais susceptíveis de ser respeitada, ou porque é difícil reunir os
dados de medição de processos de facto. Porque a independência formal de instituições
da administração elec-eleitorais pode muito bem não importa onde as normas públicas e
as leis não são respeitadas, mas deve importa onde eles estão, em nosso modelo de teste
para este interagindo uma medida de corrupção com as pontuações para a independência
formal. Nossa lógica é de que a nomeação e posse, processos de independência são mais
intimamente ligado com a prática real em circunstâncias em que os líderes são mais
respeitadores das normas públicas e corrupção é menor. Nesta perspectiva, importa
instituições formais em um contexto mais amplo que facilita a sua eficácia (cf. Helmke
& Levitsky, 2004, p. 732, mais amplamente, Mozaffar e Schedler, 2002, em relação à
governança eleitoral). Para aproximar isso, nós empregamos uma medida de cor-rupção
do governo desenvolvido pela Political Risk Services, que é a melhor medida disponível
para o período de tempo integral de nossa análise (cf. Lambsdorff, 2004). Nossa
expectativa é que, quando os níveis de corrupção são baixos, como o formal indepen-
dência de aumento EMB, então a probabilidade de uma eleição aceitável também deve
aumentar, quando os níveis de corrupção são altos, qualquer relação é possível e nós
não temos nenhuma expectativa clara.
Os factores políticos do partido. Políticos intenção de cometer fraude e à capacidade
de detectar ou impedir que são as questões centrais. Se nenhum partido político está
interessado em fraudes com-mitting e todas as partes são suficientemente bem
organizado, que eles são capazes de detectá-lo, a possibilidade de fraude deve ser baixa.
No entanto, é um desafio para determinar a intenção de cometer a fraude do que
transparece durante o processo eleitoral, e não tentar medir diretamente. Ao invés disso,
medimos indiretamente através de vários meios. Como primeiro passo, temos de
controle para o nível global da democracia no ano anterior à eleição, com escores Polity
defasados (Centro para o Desenvolvimento Internacional e Gestão de Conflitos, 2006).
Nosso uso dos escores Polity também nos permite determinar se as instituições da
administração eleitoral tem um impacto sobre a quali-dade das eleições separado do
nível geral de democracia, como nós, de facto, a hipótese.
Também levamos em consideração se os operadores históricos estão buscando a
reeleição, uma vez que as análises país Vários trabalhos têm enfatizado a relação entre
as eleições pro-deixam os povos livres e operadores à reeleição (por exemplo, Hartlyn,
1998; Schmidt, 2000). Incumbentes são mais propensos a ter uma oportunidade para
manipular as eleições ea vontade de fazê-lo em contextos socioeconômicos de tensões,
acusações de corrupção, os números das pesquisas pobres e outras questões. No
conjunto de nossos dados, vemos que em 40% dos processos eleitorais em que o partido
incumbente ou do operador foi vitorioso, o processo eleitoral foi falha ou inaceitável,
em comparação com apenas 15% dos processos em que compete derrotas aconteceram,
quer através das urnas ou por não terem enviado um pré-candidato (a diferença
estatisticamente significativa, Qui-quadrado, p <0,01). Quebrar esta mais para baixo, os
casos mais problemáticos são aqueles em que o presidente em exercício tentaram a
reeleição e venceu. Destes casos, 71% envolviam falha ou inaceitáveis processos
eleitorais. Assim, incluímos duas variáveis em nosso partido análise compete executar e
presidente em exercício correndo para testar a hipótese de que eleições fraudulentas ou
inaceitáveis são encontrados desproporcionalmente nos processos eleitorais em que
compete candidatas ou partidos participar. A capacidade de organização dos partidos
políticos para detectar e prevenir a fraude também é importante. No entanto, existem
problemas de difícil medição e coleta de dados, mesmo se nos centrarmos apenas nas
práticas do dia das eleições, tais como a extensão da capacidade das partes para colocar
monitores nos postos de votação. Portanto, medir a força do partido organizacional
indiretamente com uma medida de volatilidade eleitoral da casa mais próxima menor
eleições legislativas, sob o pressuposto de que os partidos em geral deveria ser mais
organizado da e têm maior capacidade para detectar e prevenir fraudes em escores de
volatilidade é menor.
Margem de vitória. Nós também incluímos margem de vitória no nosso modelo para
testar o argumento de que as eleições problemáticas ocorrem desproporcionalmente em
eleições próximas. Todas as outras coisas iguais, seria de se esperar que as eleições são
mais susceptíveis de serem considerados falhos ou inaceitável que as margens são
estreitas vitória, pois nestes casos, níveis relativamente baixos de incompetência ou
tentativas de fraude pode afetar o resultado. Da mesma forma, algumas das eleições
pode ter sido em última instância, aceite pelos partidos políticos e observadores, a
despeito das falhas técnicas e processuais, devido a ampla margem de vitória que
poderia impedir os problemas de afetar o resultado. Melhora sobre time.We incluir uma
variável dummy indicando se a eleição ocorreu entre 1980 e 1989 ou após 1989, para
testar se há um efeito período correspondente com o fim do conflito bélico ostensiva
frio e com o ponto em que a observação eleitoral internacionais tornou-se mais prática
comum.

Padrões de Qualidade de Eleições na América Latina

Modelo e Análise Estatística

Nesta seção, estimamos parcial proporcional odds-modelos logito ordenado, para prever
a probabilidade de que uma eleição será aceitável, falho, ou inaceitáveis. Primeiro,
estimou um convencional (restrito) ordenou modelo logit, mas determinada com um
teste de Wald (Brant, 1990), que três variáveis vio-final da regressão paralela (ou odds
proporcional) suposição, que afirma que o efeito dos indicadores é o mesmo em todos
os níveis das variáveis dependentes. A parcial proporcional odds-modelos logito
ordenado que adotamos nos permitirá relaxar a suposição de regressão paralela para
estas três variáveis, mantendo as restrições de regressão paralela sobre as demais
variáveis (Williams, 2006).
Ao empregar um logit proporcional parcial odds-ordenada, o modelo estima n - 1
coeficientes exclusivo para cada variável independente, onde n é o número de categorias
da variável dependente. Para as variáveis independentes que não violam a suposição de
regressão paralela, nós restringimos as estimativas dos coeficientes de ser igual e,
portanto, apenas um relatório de estimativa. Para cada um dos três indicadores que estão
sem restrições (nível de desenvolvimento económico, a presença de um partido no
poder nas eleições, ea presença de um presidente em exercício na eleição), o modelo
estima dois coeficientes, porque a nossa variável dependente tem três categorias. A
primeira estimativa indica se o indicador afeta significativamente a probabilidade de
que o processo eleitoral é aceitável ou falhas ao invés de inaceitável. A segunda
estimativa fornece a evidência do efeito do preditor da probabilidade de que o processo
eleitoral é aceitável e não falho ou inaceitáveis.
Nós empregamos duas abordagens diferentes para a medição do EMB inde-pendência
que foi descrito anteriormente, a pontuação EMB partidária e as medidas EMB formal.
Nossos modelos incluem também as seguintes variáveis políticas: duas medidas
dicotômicas da participação de um partido no poder e um presidente em exercício, o
nível da democracia no ano anterior à eleição, a volatilidade eleitoral, ea margem de
vitória. Dada a forte associação encontrada entre o desenvolvimento econômico e da
democracia, que incluem o PIB per capita como variável de controle. Finalmente,
incluímos uma variável dummy período para deter-minar se o período pré-1990 é
distinto do período subsequente. Os resultados dos modelos estimados utilizando as
abordagens EMB partidária e formal de independência EMB são apresentados nas
Tabelas 1 e 2, respectivamente. Em ambos os casos, com pseudo R2 é de 0,46 e 0,40, o
ajuste do modelo geral é boa e confirma a relação esperada entre EMBs e aceitabilidade
eleitoral, embora não para todas as outras variáveis.
No que diz respeito ao Modelo 1, observa-se na Tabela 1 que os coeficientes de um
EMB independente e um EMB partidárias mistas são positivas e significativas em
comparação com a categoria omitida de um EMB de partido único dominado. Para
interpretar o tamanho do efeito, nós relatamos a diferença máxima em primeiro lugar.
Isso indica a mudança na probabilidade de uma eleição aceitável quando varia-ção uma
variável independente de seu valor mínimo para o valor máximo e mantendo todas as
outras variáveis constantes no seu dizer, exceto as duas variáveis dummy incumbência
ea variável categórica partidarismo EMB, que temos constante em zero
(respectivamente, partido histórico e histórico da data-candidato não apresentar para a
eleição presidencial, e EMB de partido único dominante). Ter um EMB independente
aumenta a probabilidade de uma eleição aceitável de 50% em relação a quando o EMB
é de partido único dominante, 0,48-0,98. Como esperado, com um EMB-partidária
mista no lugar tem um efeito menor, mas ainda impressionante, aumentando a
probabilidade de uma eleição aceitável de 37%, 0,48-0,85. A categoria intermediária
não difere significativamente da categoria de partido único dominante (apenas 5,8% dos
nossos casos foram classificados como tal).
Para as variáveis incumbência, os rendimentos nossa abordagem dois coeficientes para
cada um. No Modelo 1, o primeiro coeficiente de ambas as variáveis incumbência é
altamente significativa e negativa, indicando que ambas as variáveis diminuir a
probabilidade de que a eleição será aceitável ou falhas ao invés de inaceitável. Além
disso, quanto maior o coeficiente negativo da variável dummy incumbência presidencial
indica que a presença de um presidente em exercício é mais prejudicial para o processo
eleitoral do que a presença de um partido no poder executar um outro candidato que o
presidente em exercício. O segundo coeficiente é não significativo para ambas as partes
e as variáveis do mandato presidencial, o que indica que a presença de um operador
histórico não aumenta nem diminui a probabilidade de ter um processo eleitoral
aceitável e não uma falha ou inaceitáveis. Em suma, o efeito da incumbência funciona,
aumentando a probabilidade de uma eleição inaceitável, e fá-lo se o partido no poder
está executando o seu presidente sentado ou algum outro candidato, mas o efeito é mais
forte quando ele executa o presidente em exercício.
Contrariamente às nossas expectativas iniciais, descobrimos que, como a margem de
vitória aumenta, a probabilidade de uma eleição aceitável realmente diminui (p <0,01).
Nesse modelo, não há relação estatisticamente significativa entre as outras variáveis da
democracia defasados um ano, a volatilidade eleitoral, o PIB per capita, eo boneco
período e os resultados eleitorais. Por sua vez, emprega o modelo 2 alternativo EMB
índice de independência formal (ver Quadro 2). Nós estimamos o modelo utilizando o
índice combinado EMB formal e, em seguida, à nomeação e à posse de pontuação em
separado. Quando testados em conjunto, o resultado é significativo, quando testados
individualmente, apenas a pontuação da nomeação é significativo, levando-nos a
concluir que este é o principal componente do índice. Estes são os resultados que nós
relatório (resultados com o índice completo são substancialmente similares).
O primeiro conjunto de colunas da Tabela 2 mostra o modelo sem o termo de interação
entre o escore de nomeação formal e corrupção. Neste caso, nenhuma destas duas
variáveis é estatisticamente significativa, ainda reforçam a visão de que a interação da
lei e da prática é essencial (a variável EMB também não é significativa quando a
variável corrupção é deixado de fora).
Por sua vez, os resultados no segundo conjunto de colunas mostram que o termo de
interação entre o tipo de EMB e corrupção é estatisticamente significativa. Para
interpretar o efeito da interação, calculamos as médias ajustadas da variável dependente,
enquanto variando de corrupção e as contagens nomeação através de seus intervalos
observados e mantendo todas as outras variáveis constantes na média da amostra.
Ajustado significa calcular a média que seria esperado se todas as eleições em nossa
amostra foram semelhantes em todos os sentidos, exceto a corrupção e os processos de
nomeação EMB. Como podemos esperar, os processos de nomeação EMB ter o efeito
mais forte e mais positivo significativo sobre a probabilidade de que um processo
eleitoral vai bem quando a corrupção é baixa. O efeito é mais fraco e menos
significativas nos níveis intermediário e superior da corrupção.
Relatamos o resultados efeito do nível de desenvolvimento econômico com dois
coeficientes porque essa variável viola a suposição regressão paralelo. Compatível com
o modelo 1, o primeiro coeficiente é não significativo, o que indica que a mudança do
nível de desenvolvimento não altera significativamente a probabilidade de que a eleição
será aceitável ou imperfeito, em vez de inaceitável. No entanto, diferentemente do
modelo 1, o segundo coeficiente é significativo, o que significa que o PIB per capita
aumenta, a probabilidade de que uma eleição será aceitável, ao invés de falha ou
inaceitável, aumenta.
As variáveis incumbência operar da mesma forma como no modelo 1, ou seja, a
presença de um presidente ou um partido histórico, aumenta significativamente a
probabilidade de que uma eleição será aceitável ou imperfeito, em vez de inaceitável, eo
efeito quando um presidente em exercício está sendo executado é maior do que quando
apenas um partido no poder está sendo executado. Margem de vitória também é
significativa (p <0,01), mas novamente na direção oposta do que esperávamos
inicialmente: A pontuação negativa significa que, como a margem de vitória se torna
maior, a probabilidade de uma eleição diminui aceitável. Como no modelo 1, a
democracia defasados, a volatilidade eleitoral, eo efeito do período não são
estatisticamente significativos.
Discussão dos Resultados e Material da caixa

Os resultados destes dois modelos de tomadas em conjunto fornecem fortes evidências


para apoiar a tese de que o tipo de agência que supervisiona as eleições presidenciais
processos eleitorais tem um forte impacto sobre a qualidade das eleições no contexto
mais amplo das instituições de governança eleitoral. Nosso primeiro modelo utiliza uma
medida que examina a medida em que os diretores que chefiam EMBs são nomeados
pelos grupos ou instituições dependentes de um ou mais forças partidárias e são eles
mesmos vistos como partidários no momento da sua nomeação. Esta medida demonstra
que o EMB partidária independente, EMBs profissional é muito mais provável para
supervisionar eleições aceitável que são EMBs de partido único dominante, com os
modelos EMB fornecendo resultados intermédios entre esses dois. O tipo do EMB tem
um impacto sobre a qualidade das eleições, mesmo controlando para nível de um país
da democracia no ano anterior à eleição, ainda reforçam a visão de que EMB
independência daqueles da dominação de um partido fornece uma importante
contribuição adicional institucional com a qualidade das eleições. Mesmo sendo um
país se torna mais democrática, a existência de uma agência eleitoral que é
comprovadamente apartidária e profissional contribui claramente para o reforço da
probabilidade de um processo mais livre e justa, democrática.
Estes resultados também sugerem que o foco dos profissionais de orientação sobre a
natureza do EMB parece ser inteiramente merecido. Na verdade, uma revisão dos casos
dos países com base na medida EMB partidária mostra que organismos independentes e
profissionais estão perto de ser uma condição suficiente para o sucesso das eleições.
Houve apenas três casos com profissionais autoridades eleitorais que tiveram processos
eleitorais irregulares: Haiti (em 1990), Peru (em 1995) e Venezuela (em julho de 2000).
No caso do Haiti, a falta de capacidade técnica, talvez devido à natureza provisória do
nível do corpo e baixa dos recursos nacionais, conduziu a eleições tecnicamente
imperfeito, mas os resultados não foram contestados pelas partes. No Peru, a natureza
imperfeita das eleições reflete a capacidade de manipular as eleições de trabalho em
torno das autoridades eleitorais por um presidente em exercício após a sua reeleição
autogolpe em 1992. E, no caso da Venezuela, as negociações finais, levou à criação de
um conselho mais profissional apenas dois meses antes da eleição, tornando impossível
para o novo órgão para controlar totalmente a administração eleitoral ou à ade-
quadamente preparar para as eleições tecnicamente competentes.
Ao mesmo tempo, é claro que independente, EMBs profissional não é uma condição
necessária para as eleições aceitável em democracias emergentes. Como uma revisão
dos casos dos países indica, em vários países, partido misto (como no Equador e El
Salvador) ou independente / partidária mista (como no Uruguai), órgãos eleitorais
também podem fornecer a necessária confiança e confiança para um bom resultado. Em
períodos de transição do regime autoritário, levando a eleições central, as negociações
entre as partes, muitas vezes têm levado a EMBs partido misto. Este tipo de EMB pode
trazer confiança, se todos os grandes partidos políticos se sentem representados, mas
também pode levar a impasses ou menor competência técnica, se os conselheiros são
escolhidos pela sua afiliação política, em vez de competências. A análise dos dados
indica que a negociação, autoridades partidárias equilibrada pode ter sucesso, mas
geralmente com a forte presença de observadores internacionais para fornecer
mecanismos adicionais de prestação de contas, como em El Salvador em 1994 (ou na
Nicarágua em 1990 com um partido único, EMB dominante). Em alguns casos de
transição, autônomos, profissionais organismos eleitorais, com um caminho do serviço
público de carreira, têm surgido, e estes quase uniformemente levaram às eleições aceito
por todos os lados. Guatemala tem uma experiência considerável com as ordens
profissionais e as eleições aceite por todas as partes. processos eleitorais do Panamá têm
desfrutado de confiança desde a criação do seu corpo profissional, em 1994. Entre
nossos casos, EMBs de partido único dominante foram criados por hegemonia de
partido único no México antes de 1994, no Haiti, em 1995 e 2000, e na Venezuela, em
Maio de 2000, bem como por um regime híbrido, no Peru, em 2000, levando em todos
os casos de eleições fraudulentas ou inaceitáveis. EMBs de partido único também foram
estabelecidas em comum, na República Dominicana, facilitada pelo fato de que EMBs
são eleitos por maioria simples no Senado, levando em três (de cinco) eleições presi-
denciais a resultados que eram falhos ou inaceitáveis.
Por sua vez, a nossa segunda abordagem estatística examina se os procedimentos de
nomeação e comprimentos prazo destina-se a ajudar a gerar mais matéria EMBs
independente. Ela fornece evidências de que esse mecanismo formal-institucional (em
particular, o processo de nomeação) destinada a promover obras de independência e
profissionalismo, embora, como seria de esperar, apenas em um contexto mais amplo
em que as regras do jogo são respeitadas. Assim, no caso da Venezuela, melhorias
substanciais nos mecanismos de seleção formal quanto ao EMB no final de 1990 não
impediu a sua repolitização do presidente Hugo Chávez, assim como ter um mecanismo
de seleção quase ideal formal para o EMB no Peru não impediu sua politização do
presidente Alberto Fujimori. Em contraste, o México é um exemplo no qual um
processo interativo de pressão contínua da sociedade civil, partidos da oposição e
dissidentes do partido no poder em si, reforçada com a promoção internacional, levou a
uma abertura gradual do espaço político. Estas mesmas pressões resultou no surgimento
concomitante de leis novas e importantes (se ainda modesto) mudanças nos mecanismos
de seleção que facilitou o surgimento de uma agência profissional e independente
eleitoral. Essa agência, por sua vez, ajudaram a garantir a realização bem sucedida de
eleições credíveis, a partir das eleições de 1988 rejeitadas as eleições amplamente aceita
de 2000.
Logicamente, temos muitas razões para acreditar que a qualidade das eleições está
associada com o comportamento do partido, a vontade de cometer uma fraude, ea
capacidade de detectá-lo. Contudo, a nossa medida indireta da organização partidária
destina-se a tocar estas questões-eleitoral significado volatilidade não atingir estatística
em qualquer modelo. Parte do problema pode ser que esta medida é melhor para
determinar a capacidade do partido em potencial para detectar a fraude do que está em
determinar a disposição do partido potencial para cometer fraudes. De fato, a
democratização das eleições ocorridas na América Latina sob os sistemas de partidos
variados, e regime de deslizamento também ocorreu em diversas condições de
volatilidade eleitoral. Eleições nos países com relativamente baixa volatilidade eleitoral,
como a República Dominicana e Nicarágua, foram falhos ou inaceitáveis, que eles não
tenham sido falho ou inaceitáveis em países com níveis extremamente elevados de
volatilidade, como o Brasil eo Equador. Ainda resta muito trabalho a ser feito na busca
de uma medida de melhoria do fator-chave de comportamento que afetam a qualidade
do partido eleitoral.
Achamos, sim, que a presença de um líder histórico impugnar a eleição tem um impacto
sobre a qualidade da eleição, com uma probabilidade significativamente maior de
eleições inaceitável quando o executado histórico. Isso ressalta o fato de que os atores
parecem ter os meios e incentivos para tentar manipular as eleições, especialmente em
contextos econômicos e políticos desfavoráveis à sua reeleição. Partidos que correr com
os outros candidatos que o titular também tem uma significativa embora menor impacto
sobre a probabilidade de uma eleição inaceitável. Margem de vitória alcança
significância estatística em ambos os modelos, embora em sentido oposto do que
esperávamos. Uma análise mais atenta dos padrões de dados indica que há, de fato,
muitas eleições relativamente perto, a apenas alguns dos quais são problemáticos.
Grupos de observadores internacionais e os meios de comunicação tendem a dar mais
atenção sobre as eleições próximas problemática. Eleições Inaceitável e imperfeito,
também ocorrem no contexto de boicote da oposição que geram margens extremamente
desequilibrada a favor dos vencedores (como no Haiti, em 1995 e 2000 e no Peru em
2000), explicando o resultado observado estatística.
Por fim, também testamos para um efeito de tempo possível internacionais por meio de
uma variável dummy para as eleições realizadas durante e após a guerra fria, não
encontramos um resultado estatisticamente significativo, e inclusão da variável teve
pouco impacto sobre o modelo global. Nós testamos para isso com base na opinião de
que tem havido um maior enfoque na promoção da democracia nos EUA e na política
externa europeia na era pós-guerra fria. Se, de fato este efeito tem sido importante para
a qualidade eleitoral na região, pode muito bem ter sido ofuscado por duas dinâmicas.
Uma delas é que um certo número de transições democráticas na América Latina
precedeu o fim da guerra fria e estava em restaurações de fato democrática e não o
estabelecimento de novas democracias. A outra é que os problemas com as eleições
continuaram até o presente com o ressurgimento de regimes patrimoniais ou híbrido na
região, que têm corroído muitos aspectos da governança eleitoral, incluindo a
independência da administração eleitoral, muitas vezes afetando a qualidade das
eleições.

Conclusão

Processos eleitorais que persistentemente gozar da confiança do eleitorado ainda não


foram universalmente estabelecidos na América Latina. Empregando duas medidas
muito diferentes da natureza de órgãos eleitorais, a pesquisa conclui que a natureza da
administração eleitoral tem um impacto sobre a qualidade dos processos eleitorais na
região de maneiras esperadas pela literatura de governança eleitoral. Profissionais e
EMBs independentes, livres da influência partidária e controle do governo oferecem
uma chance muito maior de eleições bem sucedidas, especialmente em relação aos
dominados por um único partido. EMBs Tais informações não são, contudo, uma
condição necessária, na medida em que alguns países com EMB-partidária mista ou
combinada, também consolidou seus processos eleitorais. Em alguns casos, baixos
escores formal da independência jurídica realmente resultar em prática nas eleições de
alta qualidade, no contexto dos sistemas multipartidários, que chegaram a acordo sobre
as regras básicas do jogo.
Na América Latina durante este período de tempo, quando os operadores históricos
reeleição, eleitoral = processos são significativamente mais propensos a ser inaceitável.
Embora em alguns casos (por exemplo, na Nicarágua em 1996) a margem de vitória
podem afetar julgamentos feitos por observadores internacionais quanto à qualidade de
um processo eleitoral, nossos resultados indicam que o problema mais significativo é o
processo eleitoral boicotado pela oposição. Estes processos eleitorais são geralmente
consideradas pela oposição e por observadores independentes tenham garantias
insuficientes.
Os trabalhos futuros deverão procurar encontrar reforço das medidas de variáveis tais
como a capacidade do partido para detectar a fraude e de cometer fraudes e para
incorporar a análise formal de elementos adicionais, quando meios adequados para
quantificá-las são identificadas. Estes incluem o papel de uma mídia livre, bem como as
formas que a sociedade civil nacional e pressão internacional (observadores eleitorais ea
pressão dos doadores) pode facilitar eleições aceitável. Isso também irá permitir uma
maior especificação do papel da administração eleitoral, em interação com outros
importantes fatores institucionais na promoção de eleições competitivas.
Também seria proveitoso ampliar a análise para considerar as eleições parlamentares e
ao nível local. Em vários países (por exemplo, México, Haiti e Venezuela), a
insatisfação com a qualidade eleitoral muitas vezes surge primeiro, a este nível, em que
os partidos da oposição emergentes podem ter uma chance maior de vitória. Os partidos
da oposição também pode mobilizar a rejeição pública de eleições fraudulentas de
forma mais eficaz a partir deste nível. Em alguns destes países, as reformas de
descentralização fiscal e política das últimas duas décadas permitiu eleições para cargos
como os governadores ou prefeitos, pela primeira vez, enquanto a elevar as apostas dos
resultados. Tais medidas de reforma, destinada a aplacar opositores do regime, em vez
serviram como catalisador para maiores desafios e pressões para a mudança.
Os resultados neste artigo reforçam a visão de que uma política centrada sobre a
composição partidária dos EMBs é apropriado. Mudanças na lei para os procedimentos
ajudando a garantir a independência formal é desejável e pode facilitar as eleições de
maior qualidade, com a ressalva óbvia de que as regras formais não são suficientes,
especialmente quando as instituições públicas estão crivados de corrupção e Estado de
Direito é fraco. Consolidação das instituições eleitorais, não surpreendentemente, tende
a paralela de outras importantes instituições democráticas. Pressão de baixo (sociedade
civil), puxa de cima (direção), e observação inter-nacionais e mediação são importantes
neste desenvolvimento. Melhorar a qualidade das eleições em democracias emergentes,
portanto, requer gerando um círculo virtuoso entre as instituições do Estado, a
sociedade civil, do Estado de direito, ea aceitação das regras do jogo por partidos
políticos.

Notas

1. Neste artigo, usamos os termos comissões eleitorais, órgãos eleitorais, e os órgãos de


gestão eleitoral (EMB) indiferentemente para designar a unidade estadual ou unidades
que são os principais responsáveis para os aspectos centrais da governança eleitoral
regular de voto e de competição eleitoral e que pode também têm associado
administrativas e judiciais / funções judiciais.
2. Porque a violência não-estatal está fora da alçada das autoridades estaduais e
eleitoral, temos códigos que é ligeiramente diferente do estado de violência e abuso do
poder estatal. Foram consideradas as eleições presidenciais seriamente afetada pela
violência não-estatal (como na Colômbia, em 1990) como falhos, ao invés de
inaceitável, e os processos eleitorais em que a violência não-estatais em grande parte
afetada raças legislativas e autárquicas, mas não a eleição presidencial, como aceitável.
3. Nosso conjunto de dados e informações sobre como ele foi construído estão
disponíveis no http://www.unc.edu/depts/polisci/hartlyn/downloads.html e
http://www.gsu.edu/ ~ poljl / index.html.
4. Codificação e partituras estão disponíveis no downloads.html
http://www.unc.edu/depts/polisci/hartlyn/ e poljlm http://www.gsu.edu/ ~ / index.html.
5. Cukierman, Webb e Neyapti (1992, especialmente p. 354-356), considerando
diferentes medidas de independência do banco central, achar que aqueles baseados na
independência legal que um bom desempenho nos países industrializados fornecem
poder explicativo pobres nos países em desenvolvimento, indicativo de maior
divergência entre a lei ea prática no último conjunto de países (cf. Cukierman & Webb,
1995; & Stasavage Keefer, 2003).
6. As estatísticas descritivas são apresentadas no Apêndice A, e uma lista das variáveis
utilizadas e suas fontes é apresentada no Apêndice B. Há 20 casos em que a eleição
presidencial foi a um segundo turno e, portanto, onde a hipótese de independência das
observações é provável violados ; que corrigir os erros padrão das estimativas dos
parâmetros, especificando robusta erros Huber-White-padrão agrupado em círculos
eleitorais.
7. Também fizemos um modelo que incluiu apenas o escore independência formal, sem
a variável de corrupção, e não foi a variável mais significativa.
1. Neste artigo, usamos os termos comissões eleitorais, órgãos eleitorais, e os órgãos de
gestão eleitoral (EMB) indiferentemente para designar a unidade estadual ou unidades
que são os principais responsáveis para os aspectos centrais da governança eleitoral
regular de voto e de competição eleitoral e que pode também têm associado
administrativas e judiciais / funções judiciais.

2. Porque a violência não-estatal está fora da alçada das autoridades estaduais e


eleitoral, temos códigos que é ligeiramente diferente do estado de violência e abuso do
poder estatal. Foram consideradas as eleições presidenciais seriamente afetada pela
violência não-estatal (como na Colômbia, em 1990) como falhos, ao invés de
inaceitável, e os processos eleitorais em que a violência não-estatais em grande parte
afetada raças legislativas e autárquicas, mas não a eleição presidencial, como aceitável.

3. Nosso conjunto de dados e informações sobre como ele foi construído estão
disponíveis no http://www.unc.edu/depts/polisci/hartlyn/downloads.html e
http://www.gsu.edu/ ~ poljl / index.html.

4. Codificação e partituras estão disponíveis no downloads.html


http://www.unc.edu/depts/polisci/hartlyn/ e poljlm http://www.gsu.edu/ ~ / index.html.

5. Cukierman, Webb e Neyapti (1992, especialmente p. 354-356), considerando


diferentes medidas de independência do banco central, achar que aqueles baseados na
independência legal que um bom desempenho nos países industrializados fornecem
poder explicativo pobres nos países em desenvolvimento, indicativo de maior
divergência entre a lei ea prática no último conjunto de países (cf. Cukierman & Webb,
1995; & Stasavage Keefer, 2003).

6. As estatísticas descritivas são apresentadas no Apêndice A, e uma lista das variáveis


utilizadas e suas fontes é apresentada no Apêndice B. Há 20 casos em que a eleição
presidencial foi a um segundo turno e, portanto, onde a hipótese de independência das
observações é provável violados ; que corrigir os erros padrão das estimativas dos
parâmetros, especificando robusta erros Huber-White-padrão agrupado em círculos
eleitorais.

7. Também fizemos um modelo que incluiu apenas o escore independência formal, sem
a variável de corrupção, e não foi a variável mais significativa.
8. Testamos especificações alternativas de modelos para avaliar o efeito indireto que as
variáveis dos modelos podem ter sobre o tipo de EMB. Encontramos algumas
evidências em ambos os modelos 1 e 2, que um maior nível de desenvolvimento
econômico exerce um efeito indireto positivo sobre os processos eleitorais conducentes
a uma maior EMBs independente, no modelo 2, como observado no texto, ele continua
a exercer um efeito direto sobre qualidade das eleições, bem como quando o tipo de
EMB está incluído no modelo. No entanto, não encontramos evidências de que a
democracia defasados ou qualquer outra variável tem esse efeito. Quando a variável
EMB partidária é removido do Modelo 1, o R2 pseudo gotas 0,46-,35, por sua vez,
quando a designação EMB e variáveis de interação são removidos do Modelo 2, as
pseudo R2 gotas,40-0,35.

9. No entanto, quando corremos o modelo sem a variável incumbência, a pontuação da


democracia foi significativa, sugerindo que, quando incluídos, incumbência é um
poderoso indicador de vontade para cometer fraudes.