You are on page 1of 9

MEDIÇÃO DO RUÍDO

Leonel Pires
1. INTRODUÇÃO
O ruído esta no nosso quotidiano, afectando os locais onde nos
encontra-mos muitas vezes. A sensibilidade do ouvido humano em relação a
diferentes frequências também varia, por conseguinte, o volume ou intensidade
do ruído.
O ruído pode ser identificado como barulho, poluição sonora e sons.
Sendo este um som ou conjunto de sons desagradáveis, cuja sua intensidade é
medida em decibéis (dB). A sua escala de decibéis é logarítmica, de modo que
um aumento no nível som de três decibéis representa um aumento da
intensidade de ruído para o dobro.
A intensidade do ruído não constitui o único factor que determina a
sua perigosidade, a duração da exposição é também muito importante. Para
considerar este factor, são empregues níveis médios de som ponderados em
função da sua duração. No caso do ruído no trabalho, esta duração é
geralmente de um dia de trabalho de oito horas.
2. CARACTERIZAÇÃO DO POSTO DE TRABALHO
A nossa avaliação foi efectuada a uma equipa de trabalhos de
reparação de condutas da empresa.
S empresa tem várias equipas para manter em boas condições as
ligações de águas, os trabalhadores para efectuarem os trabalhos aos quais
são expostos tem ao seu dispor diversa maquinaria.
As medições foram efectuadas numa das suas pequenas obras, na
qual estavam a fazer um ligação de água a uma habitação ainda em
construção, na qual tiveram de utilizar a máquina de cortar asfalto. O qual só
usou durante dez minutos para efectuar o trabalho.
3. METODOLOGIA
O sonómetro foi colocado num suporte, proximo da fonte de ruido e
a medição foi efectuada da parte da manhã, entre as 09h00 e as 09h30.
4. Equipamento de Medição
O equipamento utilizado para a medição dos níveis de ruído foi o
Sonómetro Integrador de Precisão, da marca Brüel & Kjaer do modelo 2236. O
calibrador é da mesma marca (Brüel & Kjaer) do modelo 4231.
5. Procedimento Experimental
1. Montou-se o suporte para colocar o sonometro perto da fonte de ruido,
mas de forma a não perturbar o decurso normal dos trabalhos;
2. Colocou-se o sonometro no suporte;
3. Fez-se a medição da dose de ruido (LAeq e LCpico) durante 10 minutos;
4. Apontou-se os resultados obtidos;
5. Procedeu-se á medição das bandas de oitavam durante 10 minutos
cada;
6. Apontou-se os resultados obtidos;
7. Desmontou-se o equipamento.
6. Resultados
6.1 CÁLCULO DE DOSE DE RUíDO
A máquina de asfalto de asfalto nunca chega a fazer as 8h de
funcionamento, esta é usada esporadicamente e nunca chega a ultrapassar as
duas horas aproximadamente.
Posto de trabalho LAeq (dB) LCpico (dB) Tempo de medição
(min)
Máquina de cortar 92,08 114,74 10
asfalto
Tabela 6.1 – valores de LAeq; LCpico e tempo de medição

6.2 BANDAS DE OITAVA:


63Hz 125Hz 250Hz 500Hz 1KHz 2KHz 4KHz 8kHz
64,09dB 69,66dB 79,27dB 82,17dB 83,9dB 85,70dB 90,28 85,16
Tabela 6. 1 – Valores de Banda de Oitava

6.3 CALCULO DAS BANDAS DE OITAVA


63Hz 125Hz 250Hz 500Hz 1KHz 2KHz 4KHz 8kHz
LAeq,f,Tk
(Espectro
64,09 69,66 79,27 82,17 83,9 85,70 90,28 85,16
ponderado
de A)
Atenuaçoes
17,9 20,6 23,7 29,7 35,0 33,1 39,0 34,7
medias
Desvio
padrao das 3,3x2 3,4x2 1,9x2 3,0x2 3,3x2 3,3x2 3,0x2 4,0x2
atenuaçoes
Ln (Niveis
globais, por
52,79 55,86 59,37 58,47 55,5 59,2 51,88 58,46
banda de
oitavas)
Tabela 6.3 – Valores do calculo da Bandas de Oitava
7. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS
Depois de efectuar todas as medições e cálculos, pode-se concluir
os valores medidos foram insuficientes para a elaboração deste relatório;
podíamos ter feito mais uma medida de ruído quando a maquina de cortar
asfalto se encontrava desligada na zona de intervenção, assim poderíamos
apresentar o valor de LEX,8h, podendo vir a ter um relatório mais conclusivo em
respeito ao trabalhador e a sua área de trabalho.
Sendo assim, ainda podemos verificar que os valores obtidos
ultrapassam o VLE permitido por lei e o LCpico também não ultrapassa o limite
legal de 140 dB.
Não foi possível saber qual o tipo de abafador é utilizado pelo
trabalhador quando este se encontra a manobrar a máquina, tendo sido esta
informação não facultada devido aos serviços de Higiene e Segurança serem
prestador por uma empresa exterior. Assim nos efectuamos alguns cálculos e
apresentamos uma proposta para abafador para usar quando o trabalhador
manobrar a máquina.
8. Medidas de Protecção e Correcção
Apesar de os resultados das medições não ultrapassarem os limites
legais para a obrigatoriedade de implantação de medidas de protecção, existe
sempre algo a melhorar. O ruido pode ser sempre atenuado tendo em vista o
melhoramento das condições de trabalho, para um maior conforto dos
trabalhadores, e assim também uma maior produção por parte destas.
Podemos então nomear algumas sugestões, como a de tentar convencer os
trabalhadores a utilizar os Equipamentos de Segurança Individual em
situaçoes como a de uso da maquina para cortar asfalto. E por fim envolver as
trabalhadoras no âmbito da segurança e higiene no trabalho de modo a fazer
perceber a sua tremenda importância, fazendo com que elas próprias apontem
melhorias.