Sie sind auf Seite 1von 7

MEMORIAL

Galão de água potável com formato novo

Características:

 Ser higiênico
 Ser prático para transportar
 Ser facilmente estocável
 Material reciclável e durável
 A legislação sob Lei Federal a parir de 1° de setembro de 2009 número 387/2008 do
Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) agora prevê 3 anos para a troca
da embalagem pelas distribuidoras.

Embalagem

A embalagem possui um impacto significativo sobre o custo e a produtividade dentro


dos sistemas logísticos. Seus custos mais evidentes se encontram na execução de operações
automatizadas ou manuais de embalagem e na necessidade subseqüente de descartar a
própria embalagem. A embalagem pode ser visualizada tanto dentro do sistema logístico total
e seu papel nos mercados industrial e de consumo; as três principais funções da embalagem
(utilidade e eficiência de manuseio, proteção contra avarias e comunicação); e materiais de
embalagem tradicionais, tecnologias emergentes e implicações ambientais.

O custo da embalagem afeta todas as atividades de logística desde o controle de


estoque até a forma como são transportadas para que cheguem ao seu destino final que seria
o consumidor final.
A embalagem é classificada em embalagem para o consumidor, com ênfase
em marketing, e embalagem industrial, com ênfase na logística.

Embalagem para o consumidor com ênfase no Marketing


O projeto da embalagem de consumo deve ser voltado para a conveniência do
consumidor, ter apelo de mercado, boa acomodação nas prateleiras dos varejistas e dar
proteção ao processo. A embalagem dos produtos de consumo precisa chamar a atenção no
ponto de venda, informar as características e atributos do produto e despertar o desejo de
compra no consumidor. Se ela falhar nesta função o produto corre o risco de desaparecer do
mercado. Pesquisa da AC Nielsem apresentada no Congresso Brasileiro de Embalagem
mostrou que cerca de 80% dos produtos lançados no Brasil saem do mercado em até dois
anos. A embalagem é uma poderosa ferramenta de marketing que pode ajudar o produto a
conquistar a preferência do consumidor e garantir seu lugar no mercado.

Embalagem industrial com ênfase na Logística


Os produtos e as peças são embalados geralmente em caixas de papelão, caixas,
sacos, ou mesmo barris, para maior eficiência no manuseio, são embalagens usadas pra
agrupar produtos e são chamadas de embalagens secundárias. O peso, a cubagem e a
fragilidade das embalagens secundárias utilizadas nas operações de linhas de produção
determinam as necessidades de manuseio e de transportes.

As embalagens secundárias eram projetadas de forma que sua cubagem deveria ser
totalmente preenchida para que não ficassem espaços evitando a avaria. A importância da
padronização da embalagem secundária proporcionou substancial redução do custo total,
bem como a adoção de um sistema de manuseio muito mais eficiente, tanto no depósito como
na loja varejista.

Classificação dos tipos de embalagens


1. Embalagem de venda ou embalagem primária: envoltório ou recipiente que se
encontra em contato direto com os produtos. Ex.: frasco ou blister de remédio;
2. Embalagem grupada ou embalagem secundária: é a embalagem destinada a conter
a embalagem primária ou as embalagens primárias. Ex.: caixinha de remédio que
contém o pote de remédio;
3. Embalagem de transporte ou embalagem terciária: utlizada para o transporte,
protege e facilita a amarzenagem dos produtos, Ex: palete.

Materiais de embalagem

A maioria dos materiais utilizados na confecção de embalagens surgiu no decorrer do


último século, graças ao desenvolvimento tecnológico. Muitas das embalagens modernas são
compostas de dois ou mais materiais.

Insumos utilizados na confecção de embalagens modernas:

 Adesivos, revestimentos e ceras: aditivos importantes, usados para fins funcionais e


decorativos.

 Celulose: produzido pelo tratamento químico de fibras de madeira, é usado como


revestimento de embalagem e de produtos.

 Cerâmica: utilizado somente para produtos especiais.

 Couro: utilizado para produtos duráveis. Tripas naturais são utilizadas para salsicharia.

 Metais: principalmente ferro e alumínio, são empregados na fabricação de latas e


tampas, e em formas de folhas flexíveis.

 Papel: um dos materiais de embalagens mais econômicos e versáteis. Produzido da


madeira ou de outros produtos vegetais fibrosos.

 Plástico: o mais versátil dos materiais. Utilizado em embalagens flexíveis, na


confecção de vasilhames e tampas rígidos e semi-rígidos entre outros produtos. Existe
atualmente grande variedade de plásticos, com diferentes propriedades.

 Tecidos: utilizados para transporte de farinhas, cereais e outros produtos vegetais.

 Tintas: sua importância cresce a cada dia. A tecnologia de preparo e aplicação de


tintas vem se desenvolvendo constantemente.

 Vidro: material totalmente reciclável, muito utilizado em embalagens primárias.

Tendências Emergentes
 Embalagens tipo sleeves é um tipo de embalagem aplicado sobre garrafas frascos e
potes, constituído por uma manga de filme termo-encolhível (o que permite que apos a
sua exposição ao calor se adapte a forma da embalagem primária: garrafa, pote etc)
este filme primeiramente decorado permite a empresa ter o maior canal de
comunicação com seus consumidores. Este tipo de embalagem já foi adotado por
grandes empresas para todo tipo de produtos principalmente industrias lácteas e
refrigerantes.
 Embalagem por acolchoamento é um tipo de proteção tradicionalmente utilizado por
empresas de mudanças, é ideal para embalar produtos de forma irregular. A
embalagem por acolchoamento é adotada por empresas que prestam serviços
especiais de transportes sem caixas. Elas possuem, fornecem e administram materiais
de embalagem, além de carregar e descarregar, assumindo a responsabilidade por
quaisquer avarias que ocorram. As vantagens são a ausência de quaisquer materiais
de embalagem e de seus resíduos, a redução da cubagem e maior facilidade ao
desembalar os produtos.
 Embalagens retornáveis sempre fizeram parte dos sistemas logísticos. Tais
embalagens geralmente são de aço ou plástico. A decisão de investir num sistema de
embalagem retornável requer estudo da quantidade de ciclos de embarques e de
custos de transporte versus custos de compra e descarte de embalagem sem retorno,
bem como os custos futuros de separar, rastrear e limpar as embalagens para
reutilização.
 Paletes podem ser de madeira, plásticos e refrigerados. Os paletes exigem grandes
investimentos, pois se mal construídos podem se desfazer e causar avarias nos
produtos. Existem estudos para aperfeiçoarem paletes de material plástico e
refrigerado, uma vez que estes paletes possuem as mesmas funções dos antigos
paletes de madeira, diferenciando destes por possuírem uma vida útil maior e serem
mais resistentes.
 Embalagem shrink-wrap é uma embalagem à vácuo. Ela é executada colocando-se
uma película pré-esticada sobre a carga unitizada de embalagens secundárias, película
essa que é encolhida por meio de aquecimento, para fazer as embalagens aderirem à
plataforma como um volume único.
 Embalagem stretch-wrap é uma embalagem também à vácuo. Ela é executada
envolvendo-se a carga a uma película plástica esticada, fazendo-se a carga rodar e ser
envolvida pela película, o que resulta numa carga única, embalada sob pressão.
Técnicas para embalagens

Um bom design na embalagem e a utilização do apelo de sensibilização adequado


são indispensáveis para o sucesso de vendas de um produto. Confira algumas dicas sobre o
assunto.

A relação entre o produto e sua embalagem é tão estreita que obriga que o
planejamento em relação a ambos seja realizado de forma conjunta, considerando aspectos
mercadológicos e de custo.

Vale lembrar que há legislações específicas que definem as características básicas


das embalagens. Elas devem ser seguidas, para que a empresa não esteja sujeita a sanções.

Recomendações

Para que a embalagem seja bem-sucedida na missão de auxiliar nas vendas dos
produtos, é bom levar em conta algumas recomendações, que são as que seguem.

Pesquisas demonstram que dois números são estratégicos em relação ao consumo


dos produtos: 3 e 85. Três segundos seria o tempo que o produto tem para atrair a atenção de
quem está passando em frente a uma gôndola. Uma vez atraído, a chance de que o
consumidor adquira o produto é de 85%.

É preciso diferenciar, chamar a atenção. A diferenciação pode ser feita pela forma,
cor, tipo e grafismo da embalagem.

O ponto de partida é identificar a característica do produto que deverá ser valorizada


para despertar o interesse do consumidor. Se o produto for destinado a suprir necessidades
básicas, como é o caso dos alimentos, devem-se destacar as características nutritivas e de
higiene. Se o consumidor vai adquirir o produto para presentear outra pessoa, a embalagem
deve ser a mais bonita possível, pois o ato de presentear traz consigo a vontade de causar
uma boa impressão.

É preciso identificar o melhor material para acondicionar o produto, como vidro, metal,
madeira, papelão ou plástico.

O design da embalagem é fundamental. De nada adianta um produto ter qualidade se


não tem um bom apelo de venda. Uma empresa especializada pode definir o design mais
adequado, bem como um rótulo que sensibilize o consumidor.
A embalagem deve ser de fácil uso e manuseio pelo consumidor. O órgão
responsável pelas embalagens no Brasil é a ABRE – Associação Brasileira de Embalagens.
Material utilizado:

PP – Polipropileno.
A opção pela escolha desse material segue por causa do das aplicações na área alimentícia e
por ser totalmente reciclável.

O polipropileno é um tipo de plástico que pode ser moldado usando apenas aquecimento, ou
seja, é um termoplástico. Possui propriedades muito semelhantes às do polietileno (PE), mas
com ponto de amolecimento mais elevado.

Principais propriedades:

 Baixo custo;
 Elevada resistência química e a solventes;
 Fácil moldagem;
 Fácil coloração;
 Alta resistência à fratura por flexão ou fadiga;
 Boa resistência ao impacto acima de 15 °C;
 Boa estabilidade térmica;

Aplicações:

 Brinquedos;
 Bumerangues;
 Copos Plásticos;
 Recipientes para alimentos, remédios, produtos químicos; etc.

Processo de fabricação:

Plástico termoplástico fabricado pelo processo de sopro em maquinário adequado.