Sie sind auf Seite 1von 4

c 

c
   

 
     
  
   
        

! 
  "       
  

Como bem leciona Humberto Theodoro Júnior: #$ 


 
 % &  
'  
   (     )  '  
      
  
   
      (    
  

G procedimento de consignação para pagamento de quantia em dinheiro difere-se do procedimento para


entrega de coisa. Isso porque, quando se trata de uma obrigação em dinheiro, há a possibilidade de
consignação extrajudicial, mediante depósito em estabelecimento bancário.

Assim, a lei concede ao devedor de obrigação em dinheiro a faculdade de escolher se ajuíza diretamente a ação
judicial de consignação em pagamento ou consigna extrajudicialmente o valor devido.

Caso opte pelo depósito extrajudicial, este deve ser feito em estabelecimento bancário oficial (onde houver),
situado no lugar do pagamento, em conta com correção monetária.

Deverá o devedor cientificar o credor por carta de aviso de recepção, assinando o prazo de 10 (dez) dia s
(contados a partir da data que o credor receber a cientificação) para a manifestação de recusa.

A carta de cientificação válida deve conter necessariamente qual é o objeto do depósito, bem como
expressamente o prazo de 10 dias para a recusa, sob pena de reputar-se o devedor liberado da obrigação.

Decorrido o prazo de 10 dias sem manifestação de recusa, o devedor reputa-se liberado da obrigação e a
quantia depositada fica à disposição do credor.

Contudo, havendo a recusa do credor, que deve ser feita por escrito ao estabelecimento bancário onde o
depósito houver sido efetuado, o devedor ou o terceiro (pessoa legitimada para propor a ação) poderá propor a
ação de consignação em pagamento dentro do prazo de 30 (trinta) dias, contados da data do conhecimento da
recusa, instruindo a petição inicial com a prova do depósito e da recusa.

Se a ação não for proposta no prazo de 30 (trinta) dias, deve o devedor levantar o depósito efetuado pois este
perde sua eficácia.

Havendo ou não o procedimento extrajudicial anterior, a propositura de uma ação de consignação em


pagamento deve ser feita no lugar do pagamento. Se o lugar do pagamento não tiver sido fixado, nem houver
foro de eleição, segue-se a norma geral: a ação deve ser proposta no domicílio do réu.

Na inicial deverão ser preenchidos todos os requisitos do art. 282 do CPC, e, ainda, o requerimento de:

c *+,


-   


       %#

$  
  
    ) - . *+/ 


 '   -  
     

É importante lembrar que a partir do momento em que o devedor efetua o depósito, os juros e os riscos,
cessam. Entretanto, estes não cessam caso a ação seja julgada im procedente.

Com a citação válida, o réu (credor da obrigação) pode:

- oferecer contestação;

- receber o valor depositado e dar quitação;

- não contestar e sofrer os efeitos da revelia.

Caso o réu não receba o valor depositado e não conteste a ação, o j uiz julga procedente o pedido, declara
extinta a obrigação e o condena nas custas e honorários advocatícios.
Caso o réu opte por contestar a ação, pode alegar em suas razões de defesa, as preliminares enumeradas no
art. 301 do CPC, e, no mérito que:

- não houve recusa ou mora em receber a quantia ou coisa devida;

- foi justa a recusa;

- o depósito não se efetuou no prazo ou no lugar do pagamento;

- o depósito não é integral. Neste caso, a alegação será admissível se o réu indicar o montante que entende
devido, possibilitando, assim, que o autor da ação complemente o depósito.

Apesar do CPC não mencionar, o réu pode apresentar todos os tipos de resposta que podem ser formuladas no
procedimento ordinário.

Apresentada a resposta, a consignação em pagamento segue os passos do procedimento ordinário.

No entanto, se o réu alegar insuficiência de depósito, o procedimento ganha algumas particularidades,


conforme informa o art. 899 do CPC:

c *++, 0  


   ' -  '  '(
 
1 
  2/#%$    
      
   
  


  

.2c 
3
-  1 '     
  


 4   
     
  &

     

.5c   

  
3
-    1   (  
   
  1
( 6
 

   )6
    
 . 

Sobre a consignação em pagamento de prestações periódicas, a lei processual diz:

c *+5, 7     8  -


 %
      

   
      
         
   
-    '#

$  
  
  

Existe uma divergência jurisprudencial no que tange ao momento em que deve cessar o depósito das
prestações periódicas. Algumas jurisprudências demonstram que estes depósitos podem ser feitos até o
trânsito em julgado da decisão final e outros, até que seja proferida a sentença (neste sentido encontra -se o
art. 67, III da Lei do Inquilinato).

Em caso de dúvida sobre quem detém a legitimidade para receber o pagamento, o procedimento segue de
forma um pouco diferente.

G autor, na petição inicial, deve requerer o depósito (que deve ser feito em 05 dias) e a citação dos credore s
que disputam o pagamento para provarem o seu direito.

G procedimento segue de forma diferente conforme as atitudes dos réus:

- não comparecendo nenhum dos potenciais credores, o depósito é convertido em arrecadação de bens de
ausentes e o juiz declara extinta a obrigação do devedor;

- comparecendo apenas um dos potenciais credores disposto a receber o valor depositado, o juiz, presumindo
que nenhum dos outros potenciais credores citados se consideram com direito, decide de plano;

Subentende-se, com a omissão do CPC que nenhum pretendente não ofereceu contestação, apenas
comparecendo um deles, disposto a receber o valor depositado;

- comparecendo apenas um dos potenciais credores oferecendo contestação sob a alegação de insuficiência do
valor do depósito, o juiz abre prazo de 10 dias para o autor complementar o depósito. Mas o juiz pode,
também, de plano autorizar o credor a levantar a quantia incontroversa;

- comparecendo mais de um, o juiz declarará efetuado o depósito e extinta a obrigação do devedor,
continuando o processo a correr unicamente entre os credores, pelo procedimento ordinário.
Com o prosseguimento do feito são dadas aos credores todas as oportunidades para provarem seus direitos.

c  3
97:
)        
   

  % 
'    & 
 '     
 7    )    %  % 
 1    )
         

 
   
       
  
 
   (STJ, REsp. 32.813-9 ac. de 04.05.93, 
:97:;7<= 52/188)

G ato judicial que julga a ação de consignação em pagamento tem natureza de sentença e é impugnável por
meio de apelação.

A apelação, por sua vez, é recebida em duplo efeito: devolutivo e suspensivo.


A Lei do Inquilinato dispõe sobre o procedimento para consignação d e alugueres e acessórios. G art. 67 da Lei
8.245/91 determina que este tipo de ação deve ser processada da seguinte forma:

- a petição inicial, além dos requisitos exigidos pelo art. 282 do Código de Processo Civil, deve especificar os
aluguéis e acessórios da locação com indicação dos respectivos valores;

- determinada a citação do réu, o autor é intimado a, no prazo de vinte e quatro horas, efetuar o depósito
judicial da importância indicada na petição inicial, sob pena de ser extinto o processo;

- o pedido envolve a quitação das obrigações que vencerem durante a tramitação do feito e até ser prolatada a
sentença de primeira instância, devendo o autor promover os depósitos nos respectivos vencimentos;

- não sendo oferecida a contestação, ou se o locador receber os valores depositados, o juiz acolhe o pedido,
declarando quitadas as obrigações, condenando o réu ao pagamento das custas e honorários de 20% do valor
dos depósitos;

- a contestação do locador, além da defesa de direito que possa caber, ficará a dstrita, quanto à matéria de fato,
a:

a) não ter havido recusa ou mora em receber a quantia devida;

b) ter sido justa a recusa;

c) não ter sido efetuado o depósito no prazo ou no lugar do pagamento;

d} não ter sido o depósito integral;

- além de contestar, o réu pode, em reconvenção, pedir o despejo e a cobrança dos valores objeto da
consignatória ou da diferença do depósito inicial, na hipótese de ter sido alegado não ser o mesmo integral;

- o autor pode complementar o depósito inicial, no prazo de 05 (cinco) dias contados da ciência do
oferecimento da resposta, com acréscimo de dez por cento sobre o valor da diferença.

Se desta forma ocorrer, o juiz declara quitadas as obrigações, elidindo a rescisão da locação, mas impõe ao
autor-reconvindo a responsabilidade pelas custas e honorários advocatícios de 20% sobre o valor dos
depósitos;

- havendo, na reconvenção, cumulação dos pedidos de rescisão da locação e cobrança dos valores objeto da
consignatória, a execução desta somente poderá ter início após ob tida a desocupação do imóvel, caso ambos
tenham sido acolhidos.

- o réu poderá levantar a qualquer momento as importâncias depositadas sobre as quais não penda
controvérsia.

G objetivo da ação de consignação em pagamento é permitir ao devedor o exercício do seu "direito de pagar".
Muito embora isso pareça estranho, o devedor tem o direito de se ver livre do vínculo obrigacional e esta foi a
intenção do legislador ao estabelecer este tipo de procedimento especial de jurisdição contenciosa.
V    


   
 
   

 

     

 
   
  

  V V    V 

V   ! 
 "#
 
 

"