Sie sind auf Seite 1von 16

Gestão Ambiental

UNIÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA


FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS
CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

MANUAL DO PROJETO INTEGRADOR


(Política, regulamentação e orientação)

1a edição

PALMAS

2009
Gestão Ambiental

MsC. Clarete de Itoz


Diretora Geral

MsC. Ana Beatriz de Oliveira Pretto


Vice-Diretora de Ensino, Pesquisa e Extensão

Aparecido Camelo de Oliveira


Vice-Diretor de Planejamento e Desenvolvimento

Rudinei Spada
Vice-Diretor Administrativo e Financeiro

Prof. Flávio Augustos da Mota Pacheco


Coordenador de Curso

Pe. Helenes de Oliveira Lima


Coodenador de Pastoral e Extensão

Profa. Adriana Magna Souza da Silva Ramalho


Coordenadora NADIME

Elaboração

N. D. E.

NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE

Profo. CID TACAOCA MURAISHI, DSc.


Profa.ELIZABETH RODRIGUES BRITO, DSc..
Profo.FLÁVIO AUGUSTUS DA MOTA PACHECO, MSc
Profo.GIULLIANO GUIMARÃES SILVA, MSc.
Profo.JOSÉ LOPES SOARES NETO, MSc.
Profa.MARIA BEATRICE MANNO BOULANGER, MSc.
Gestão Ambiental

APRESENTAÇÃO

O exercício da interdisciplinaridade é de fundamental importância ao profissional em


construção que almeja a atuação num planeta em que políticas, programas e projetos
governamentais e não-governamentais, estão cada vez mais globalizados e
interdependentes.

É crescente a percepção humana da interação dos fatores físicos, bióticos e sócio-


econômicos que regem os processos ecológicos e que influenciam o contexto sócio-
econômico em que vivemos. O atual mercado de trabalho exige profissionais com o
perfil que exibe uma formação neste contexto.

Assim, este manual apresenta em sua estrutura, um conjunto de orientações voltadas


ao esclarecimento do aluno do curso de Tecnologia em Gestão Ambiental da
Faculdade Católica do Tocantins, quanto às diretrizes, etapas, normas, formatos e
cronograma aplicáveis ao projeto integrador.

Sucesso a todos!

Flávio Augustus da Mota Pacheco, Coordenador de Curso


Gestão Ambiental

01 - INTRODUÇÃO

A interdisciplinaridade é o exercício da correlação entre as diversas áreas e subáreas


do conhecimento.

A compreensão e a prática desta habilidade são de fundamental importância para a


eficiência, mas em especial, para a eficácia e otimização da atuação profissional.

O projeto integrador visa promover ao aluno do curso de Tecnologia em Gestão


Ambiental, a percepção e compreensão da correlação entre as diversas subáreas da
Gestão Ambiental, a partir da idealização, elaboração, execução e defesa de projetos
nas quatro grandes áreas de qualificação do curso: Educação Ambiental; Manejo de
Áreas Conservadas; Manejo de Áreas Rurais e Manejo de Áreas Urbanas.

Esta atividade de integração curricular configura-se como uma das três avaliações de
desempenho, atividade obrigatória e prevista no projeto pedagógico do curso de
Tecnologia em Gestão Ambiental.
Gestão Ambiental

02 - CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO DISCENTE NO PROJETO INTEGRADOR

Para a efetiva participação no Projeto Integrador, atividade esta caracterizada como


uma das três avaliações de desempenho, deverão ser observados pelos alunos como
critérios mínimos:
a) O discente deverá estar regularmente matriculado no semestre a ser cursado;
b) O discente ou grupo de discentes deverá contar com a orientação de um professor
do curso de Tecnologia em Gestão Ambiental;
c) Como parâmetro temporal referencial, deverá ser observado o calendário
acadêmico da Faculdade Católica do Tocantins, aprovado pelo CEPE – Conselho
de Ensino Pesquisa e Extensão na data de 01/06/2009.

03 - CORRELAÇÃO ENTRE O PROJETO INTEGRADOR E O ESTÁGIO


SUPERVISIONADO.

As atividades planejadas e previstas para execução no âmbito do Estágio


Supervisionado poderão ser desenvolvidas e apresentadas como Projeto Integrador,
desde que previamente submetidas ao deferimento do Colegiado do Curso.

04 - ESCOLHA DO TEMA

A escolha do tema do projeto integrador deverá ser realizada entre o aluno ou grupo de
alunos juntamente com o orientador, e deverá estar correlata à área de qualificação do
módulo, em que o aluno ou grupo de aluno estiver(em) matriculado(s), a saber:

Módulo I: Educação Ambiental Módulo II: Manejo de Áreas Conservadas


Módulo III: Manejo de Áreas Rurais Módulo IV: Manejo de Áreas Urbanas
Gestão Ambiental

05 - ESCOLHA DO PROFESSOR ORIENTADOR

Todos os professores do Curso de Gestão Ambiental poderão ser orientadores de


projetos integradores, lembrando que os professos: Elizabethe Brito, Beatrice Manno,
Cid Tacaoca e José Lopes Soares Neto são os professores de estágios
supervisionados, respectivamente aos 1, 2, 3 4 módulos do curso.
O professor orientador, depois de procurado pelo discente ou grupo de discentes,
deverá identificar-se formalmente perante o colegiado de curso, até o dia 25 de agosto
de 2009.

06 - ORGANIZAÇÃO DISCENTE PARA PARTICIPAÇÃO NO PROJETO


INTEGRADOR

Os alunos regularmente matriculados nos Módulos I, II e III, deverão se organizarem


em grupos de no máximo 05 alunos, devendo cada um dos grupos apresentar tema
distinto aos demais.

Os alunos regularmente matriculados no IV módulo deverão, individualmente,


elaborarem e desenvolverem o Projeto Integrador.

Os discentes de cada um dos grupos ao módulo a que pertencem, no caso dos


módulos I ao III, assim como cada um dos alunos do módulo IV, deverão ter seus
nomes e orientadores apresentados formalmente junto ao colegiado de curso.

07 – ORGANIZAÇÃO DOCENTE PARA O PROJETO INTEGRADOR

Os professores do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental estarão disponíveis para


a orientação dos projetos integradores, orientando até dez projetos por semestre.
Gestão Ambiental

Cada professor orientador dedicará duas horas aulas semanais para a orientação ao
aluno ou grupo de alunos, em horários consensualmente acordados entre orientador e
orientados.

08 - ORIENTAÇÕES AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO DO PROJETO


INTEGRADOR

Em relação a todas as fases do projeto integrador e a redação do artigo científico, o


aluno ou grupo de alunos deverão observar e cumprir as normas de redação e
formatação científica apresentadas pela Revista de Integralização Universitária – RIU,
com as seguintes complementações:

a) O projeto integrador a ser elaborado no início do semestre a ser cursado; deverá


conter no máximo dez páginas; assim estruturado: capa; sumário; introdução;
revisão bibliográfica; objetivos; materiais e método; resultados esperados;
cronograma físico-financeiro e Referências Bibliográficas.

b) Ao final da execução do projeto integrador, o mesmo deverá ser apresentado em


formato de artigo científico ou trabalho, contendo no máximo treze páginas.

c) Constam no anexo deste manual as orientações pertinentes ao conteúdo de cada


item do conteúdo do projeto integrador, artigo científico, trabalho de revisão
bibliográfica e estudo de caso, assim como formatação dos mesmos.

09 – ENTREGA DO ARTIGO CIENTÍFICO À COORDENAÇÃO DE CURSO

Os artigos científicos deverão, inadiavelmente, ser protocolados junto à Coordenação


do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental até às 21h do dia 13/11/2009, no
Campus II da Faculdade Católica do Tocantins, em três vias impressas, anteriormente
à defesa e uma via impressa e uma digital após a defesa, com sugestões de correção
devidamente inseridas, até o dia 04/12/2009.
Gestão Ambiental

10 – CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOS ARTIGOS CIENTÍFICOS, TRABALHOS DE


REVISÃO BIBLIOGRÁFICA E ESTUDO DE CASO.

Abaixo são discriminados os critérios de avaliação do trabalho escrito e da


apresentação oral a ser realizada por uma banca composta por 02 avaliadores,
podendo ser esta composta por professores da Faculdade Católica do Tocantins ou de
uma outra instituição.
Cada apresentação oral terá a duração máxima de 25 minutos.

Critérios para avaliação do trabalho escrito (nota 1) Valor


Clareza de objetivos 0,8
Respeito das normas de edição e qualidade gráfica 0,7
Ortografia, gramática, coesão e coerência 0,7
Adequação e qualidade da pesquisa bibliográfica 0,7
Consistência teórica 0,7
Abordagem metodológica e interpretação dos resultados 0,7
Pertinência e coerência das conclusões com o trabalho realizado 0,7
Total 5,0

Critérios para avaliação da apresentação oral (nota 2) Valor


Adequação ao tempo disponível 1,0
Clareza da apresentação 1,0
Linguagem adequada 0,5
Coerência das respostas dadas 1,0
Qualidade e uso adequado de material de apoio 0,5
Postura ética durante a apresentação 1,0
Total 5,0

Total Geral (Nota 1 + Nota 2) 10,0

OBS. As notas dos avaliadores são somadas e divididas pela quantidade de


avaliadores na banca.
Gestão Ambiental

11 – SÍNTESE DAS PRINCIPAIS DATAS INERENTES AO PROJETO INTEGRADOR

DATA
COMPROMISSO LOCAL
LIMITE
Entrega de três vias impressas do artigo Coordenação do
13/11/2009
científico Curso
Período de realização das apresentações orais,
25 a
conforme cronograma futuro publicado pela Campus II
28/11/2009
coordenação.
Entrega da via impressa e digital do artigo
Coordenação do
04/12/2009 científico com as adequações devidamente
Curso
inseridas.
Gestão Ambiental

12 – ANEXOS

O texto integral do artigo não poderá exceder 15 (quinze) páginas para Artigo Técnico,
atendendo ao formato estabelecido nos itens a seguir.

12.1 - O ARTIGO TÉCNICO DEVERÁ SEGUIR A SEGUINTE SEQÜÊNCIA DE


APRESENTAÇÃO:

• Título do artigo em português e em inglês

• Nome do(s) autor(es)

• Endereço para correspondência (profissional)

• Resumo em português (10 linhas) e em inglês (10 linhas)

• Palavras-chave em português e em inglês

• Texto do artigo (sem divisão em colunas)

Agradecimentos, se houver, deverão ser incluídos somente na versão final do artigo


aprovado para publicação.

O texto deverá ser formatado para um tamanho de página A-4, com margens superior,
inferior, esquerda e direita de 3 cm X 2 cm X 3 cm X 2 cm, respectivamente. As
páginas deverão ser devidamente numeradas. Deve ser empregada fonte Times New
Roman, corpo 12, exceto no título que deverá ter corpo 14. O espaçamento entre as
linhas deverá ser 1,5 cm.

Após o título deverão aparecer o nome e formação, centralizados. No caso de mais de


um autor, cada nome deverá iniciar em uma nova linha.
Gestão Ambiental

12.2 ESTRUTURA DO ARTIGO

O corpo do artigo deve ser organizado segundo um encadeamento lógico, segundo


subtítulos "Introdução", "Referencial Teórico", "Metodologia", "Resultados e Discussão",
"Considerações Finais ou Conclusões" e "Referências". Na redação não deve ser
empregada à primeira pessoa e o estilo a ser adotado deve ser objetivo e sóbrio,
compatível com o recomendável para um texto científico. A linguagem utilizada deve
ser na impessoalidade. Ficando assim enumerados:

1. Introdução
2. Referencial Teórico
3. Metodologia
4. Resultados e Discussão
5. Considerações Finais ou Conclusões
6. Referências

Deverá ser evitada a subdivisão do texto em um grande número de subtítulos ou itens,


admitindo-se um máximo de cabeçalhos de terceira ordem. Termos grafados em itálico
ou negrito poderão ser utilizados no corpo do artigo.

O conteúdo do trabalho deve ser submetido a criteriosa revisão ortográfica.

12.3 - FIGURAS E ILUSTRAÇÕES

As figuras e ilustrações devem observar os seguintes critérios:

Os arquivos das figuras e ilustrações, sem bordas ao redor, devem ser inseridas no
arquivo do texto, de maneira que possam ser editados através do MS Word for
Windows.
Gestão Ambiental

Os textos e legendas não devem ficar muito pequenos ou muito grandes em relação à
figura.

As figuras devem ser intercaladas nos locais apropriados, e apresentar um título.

A inclusão de fotografias não é aconselhável; porém se os autores julgarem que são


importantes para esclarecer aspectos relevantes do artigo, deverão ser inseridas em
resolução mínima de 300 dpi.

Todos os gráficos, desenhos, figuras e fotografias devem ser denominados de "Figura",


e numerados sequencialmente em algarismos arábicos. Toda figura deve ser
mencionada no texto.

O número e título da Figura devem ser colocados imediatamente abaixo da figura. O


título deve ser claro e autoexplicativo.

12.4 - QUADROS E TABELAS

Os quadros e tabelas deverão atender os seguintes critérios:

Os quadros e tabelas devem ser claros e objetivos, sem linhas externas de grade. As
unidades correspondentes a todos os termos usados devem ser claramente
identificadas.

Todos os quadros ou tabelas devem ser denominados “Quadro” ou “Tabela”,


numerados sequencialmente em algarismos arábicos e mencionados no texto.

Cada quadro e tabela, além da numeração, deve possuir um título. O número e o título
devem ser colocados imediatamente acima do quadro ou tabela. O título deve ser claro
e autoexplicativo.

Um quadro e uma tabela não poderão ser maiores do que uma folha A-4.

Quadros e tabelas devem aparecer, preferencialmente, intercaladas nos locais


apropriados do texto, a critério do autor.
Gestão Ambiental

12.5 - EQUAÇÕES

As equações devem ser claras e legíveis, e serem escritas com a mesma fonte do
corpo do texto, sem a utilização de itálico ou negrito.

As equações e fórmulas devem ser denominadas de “Equação” e numeradas


sequencialmente em algarismos arábicos. A numeração à direita da equação deve ser
entre parênteses. Todas as equações devem ser mencionadas no texto.

Todos os símbolos usados devem ser definidos imediatamente após a equação (caso
não tenham sido definidos anteriormente), incluindo as suas unidades ou dimensões.

12.6 - UNIDADES

Todas as unidades mencionadas no texto, tabelas, quadros e figuras devem ser


expressas de acordo com o Sistema Internacional de unidades (SI).

Deve-se evitar o uso da barra de fração na expressão das unidades. Exemplo: Ao invés
de mg/L ou m3/s, deve-se utilizar mg.L e m3.s .

12.7 - REFERÊNCIAS

As referências citadas no texto e listadas ao final do artigo deverão estar de acordo


com a norma NBR 6023/2002. A título de esclarecimento são apresentadas algumas
diretrizes:

As referências citadas no texto devem conter o sobrenome do(s) autor(es), em caixa


baixa, com inicial maiúscula, seguido pelo ano da publicação entre parênteses e em
caixa alta juntamente com o ano de publicação dentro dos parênteses, observando-se
os seguintes critérios:

Quando houver mais de um trabalho, as citações devem ser em ordem alfabética.

Trabalhos com mais de três autores devem ser referenciados ao primeiro autor,
seguido por “et al.” (em itálico e com ponto).
Gestão Ambiental

Quando houver mais de uma publicação do mesmo autor, no mesmo ano, o ano da
publicação deve ser seguido dos componentes “a, b, c...”, em ordem alfabética.

Exemplos: ... estudos efetuados por Silva (1994a, 1994b) e por Machado et al. (1995a)
revelaram...; ... estudos recentes (SOUZA, 1993; Silva, WILSON e OLIVEIRA, 1994;
MACHADO et al., 1995b) revelaram..

Ao final do trabalho deverá ser apresentada uma lista de todas as referências citadas
no texto, de acordo com os seguintes critérios, entre outros:

As referências devem ser relacionadas em ordem alfabética, de acordo com o


sobrenome do primeiro autor.

Devem ser referenciados todos os autores (independentemente do número de autores),


pelo sobrenome seguido pelas iniciais de cada autor, separados por vírgulas, todos em
caixa alta. Exemplo: SMITH, P.J.; WATSON, L.R.M.; GREEN, C.M..

O título do periódico referenciado deverá ser apresentado em itálico. As indicações de


volume, número e página deverão ser identificados pela letra inicial (“v”, “n” ou “p”),
seguida de ponto. Não devem ser utilizadas aspas antes e depois do título do trabalho.
Exemplo: JEWELL, W.J.; NELSON, Y.M.; WILSON, M.S. (1992) Methanotrophic
bacteria for nutrient removal from wastewater: attached film systems. Water
Environment Research, v. 64, n. 6, p. 756-65.

O título do livro deve ser apresentado em itálico. Devem ser incluídos a edição, o local,
a editora, o número de páginas e a data: Exemplo: FRANÇA, J.L.; VASCONCELOS A.
C. (2007) Manual para Normalização de Publicações Técnico-Científicas. 8ª. ed. Belo
Horizonte. Ed. UFMG, 255 p.

Em capítulos de livros e trabalhos de congressos, a obra principal (título do livro ou


denominação do congresso) é referenciado em itálico e vem precedida da expressão
“In”. Exemplos: Anais - CAIXINHAS, R.D (1992). Avaliação do impacto ambiental de
empreendimentos hidro-agrícolas. In: V Simpósio Luso-Brasileiro de Engenharia
Sanitária e Ambiental, Anais... Lisboa: APRH, p, 203-11.

Capítulo de Livro - KUKOR, J.J.; OLSEN, R.H.; IVES, K. (1989). Diversity of toluene
degradation following exposure to BTEX in situ. In: KAMELY, D.; CHAKABARTY, A.;
Gestão Ambiental

OLSEN, R.H. (EDS.) Biotechnology and Biodegradation. Portfolio Publishing Company,


The Woodlands, E.U.A., 405-421.

12.8 - DENOMINAÇÕES

ESTRUTURA DO ARTIGO

Os artigos para a turma de alunos do IV módulo serão compostos dos elementos


abaixo mencionados, na ordem de apresentação. Quanto aos artigos dos alunos do I
ao III módulo, seguirão estritamente o recomendando pela Revista Integralização
Universitária.

Elementos pré-textuais, isto é, tudo o que vem antes do texto principal:

• resumo.

Texto principal, composto de introdução, desenvolvimento e conclusão;

Elementos pós-textuais, isto é, tudo o que vem após o texto principal:

• referências bibliográficas.

Abstract ou resumo

Chama-se abstract ou resumo a síntese da monografia, inserida logo após o sumário,


escrita na língua portuguesa e, facultativamente, traduzida para língua estrangeira.
Servindo apenas como apresentação panorâmica da monografia, é exibida em um
único parágrafo e com a mesma formatação do texto principal. A palavra resumo ou
abstract deve estar centralizada e duas linhas acima do respectivo texto.

Texto principal
Gestão Ambiental

O texto principal é a monografia em si. No mínimo, divide-se em três partes: introdução,


desenvolvimento e conclusão.

Na introdução, o autor expõe o problema que motivou a pesquisa, situando-o espacial


e temporalmente, indicando a justificativa, a hipótese e o objeto neste empregado.
Recomenda-se uma breve descrição das partes de que se comporá o
desenvolvimento.

O desenvolvimento do trabalho, divisível em capítulos, é a parte principal do artigo. É


ali que o autor expõe a metodologia empregada, faz uma retrospectiva da situação
problemática, como ela vem sendo tratada pela comunidade científica (doutrina,
jurisprudência etc.), elabora sua crítica e apresenta suas teses, explicando,
detalhadamente, suas conclusões.

A conclusão do artigo científico destina-se à memorização e fixação das principais


partes do trabalho ou à articulação delas com o propósito inicial da pesquisa. É usual
que o autor faça uma síntese das conclusões parciais a que chegou, podendo
apresentá-las por meio de tópicos concisos.

Referências bibliográficas

Recebe o nome de referências bibliográficas a lista de obras explicitamente utilizadas


pelo autor no corpo do texto principal de seu trabalho. Obras consultadas, mas não
mencionadas, devem ser omitidas da lista.