You are on page 1of 8

Cooperativa de

artesãos de Guaragueçaba 1

Boletim Informativo da Cooperativa de Artesãos de Guaraqueçaba Setembro 2008 Edição nº 1

Cooperativa lança jornal


A Cooperativa dos Artesãos de
Guaraqueçaba, com o apoio
do Provopar Ação Social, está
lançando seu jornal
informativo. O nosso objetivo é
divulgar o trabalho realizado
pelos artesãos e artistas
populares do Litoral do Paraná,
que tanto sucesso têm feito em
feiras, nas lojas do Provopar e
em nossa loja em
Guaraqueçaba. Nesta primeira
edição, o leitor vai conhecer
pessoas que tiveram sua vidas
mudadas a partir do artesanato.
Hoje, o artesanato, além de
ajudar na renda familiar, atrai
visitantes e divulga
Sede da Cooperativa de artesãos
de Guaraqueçaba
Guaraqueçaba. Boa leitura...

N esta edição
PARCERIA
OFICINAS

Durante o II Encontro de Fandango O belo trabalho feito pelos artesãos


e Cultura Caiçara, a Cooperativa de Arte- PROVOPAR, PUC E COOPERADOS de Guaraqueçaba têm despertado o in-
sãos e o Provopar promoveram uma ofi- teresse de clientes importantes, como a
cina de rabeca. A oficina foi realizada na Convênio firmado entre o Provopar Ação Social e o Projeto Co- Itaipu Binacional, que adquiriu 100 ta-
sede da cooperativa e serviu para mos- munitário da PUC – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, pos- petes de fibra da bananeira, 100 caixas
trar aos presentes a arte e a técnica usada sibilitou a participação dos cooperados da Cooperativa de Artesãos de papel reciclado e 100 porta cartões
na confecção deste instrumento musical. de Guaraqueçaba em diversos cursos e oficinas. revestidos com fibra da bananeira
22 Cooperativa de
Cooperativa de
artesãos de artesãos de Guaragueçaba
Guaragueçaba
Editorial
A busca por melhores dias
O associativismo ou cooperativismo é uma forma
Salão de Cerâmica
de participação social, onde os benefícios Cooperados se preparam para expor
resultantes da atuação coletiva têm provocado o no mais tradicional evento ceramista do Paraná
desenvolvimento da nossa sociedade. Podemos
afirmar que a prática da cooperação demonstra
que o grupo é muito mais do que a simples soma de Eles não vêem a hora de expor suas peças no
indivíduos, e permite conquistar melhores dias, ao II Salão Nacional de Cerâmica, II Congresso Na-
invés de esperar por eles.
cional de Cerâmica e III Feira de Arte Cerâmica,
É importante no associativismo ter como fundamento que serão realizados simultaneamente de 6 a 9
básico a preocupação em buscar continuamente o de novembro, no Museu Alfredo Andersen, em
comprometimento das pessoas envolvidas, assim Curitiba. Este é um dos eventos mais tradicio-
como a participação responsável de cada um na nais de cerâmica no Brasil, sendo realizado a cada
busca de resposta.
dois anos pelo museu e a Secretaria de Estado da
Acreditando nisso, o Provopar-PR, através do ARTE Cultura.
NOSSA, iniciou seu projeto piloto “Cooperativa de O Provopar Estadual através do programa
Artesãos de Guaraqueçaba” há 4 anos. Foram Arte Nossa identificou talentos e levou a gera-
investidos na capacitação continuada dos cooperados ção de renda a este paraíso no litoral do Paraná.
e comunidades e também em infra-estrutura. Hoje, a E já colheu frutos positivos revelando artistas da
cooperativa encontra-se legalizada, com vários
resultados positivos, tanto social quanto econômico. região que participaram e foram premiados no Escultura em argila de Anabel
SALÃO NACIONAL DE CERÂMICA BRASI-
Não podemos deixar de registrar que nesse processo LEIRO que acontece no Paraná, como os cera- cerâmica, que hoje faz parte de minha vida”.
obtivemos vários apoios e parcerias, mas que esse é mistas Renato Caiçara, Ivan A cerâmica faz parte também
um processo contínuo e novas parcerias e apoios são Cordeiro Gonçalves, Jamile C. da vida de Jamile Pereira, 59
necessários para o desenvolvimento desta
cooperativa. Existe a necessidade de sensibilização
Pereira. anos. “É a minha fonte de renda
da união de esforços técnicos e financeiros para o Anabel Maria Gaudino de e me deu condições de participar
desenvolvimento social e econômico dos moradores Amorim, 39 anos, já participou do salão nacional. Confesso que
do município de Guaraqueçaba. O poder público local, de oficinas no Congresso de Ce- isto levantou a minha auto-esti-
as mais de 90 ONGs (Organizações Não râmica, mas não esconde sua an- ma e deu forças para continuar
Governamentais), empresários, associações de siedade em participar do próxi-
moradores e a comunidade podem tornar-se uma
trabalhando”, afirma.
fonte inesgotável de parceria e cooperação. mo. Neta de pescador, ela conta
que nunca tinha feito cerâmica Iolanda Moraes Tomas
Gostaria de registrar que, em quatro anos, também antes e agora vai participar de ¨Fazia artesanato em argila e
enfrentamos dificuldades, o que aliás é natural uma exposição coletiva com queimava em casa na cinza, era
nesse processo, mas que poderão servir de Onofre da Silva e Manoel Jesus pouco o que vendia, saía pela rua
exemplo para outros empreendimentos sociais.
Para encerrar gostaríamos de dizer que a
Silva, na Casa do Artista Popu- vendendo, agora tenho um lugar
Cooperativa de Artesãos de Guaraqueçaba lar, de 22/10 07/12, em Curiti- para fazer e vender o que faço.¨
pertence a comunidade e que ela estará sempre ba. O próximo passo é justamen- Dona Iolanda também faz ar-
aberta para adesão de novos cooperados e te o salão e o congresso nacio- tesanato com fibra da bananeira e
disponível para contribuir no desenvolvimento nal de cerâmica. “Depois que vai participar do Salão de Cerâmi-
socioeconômico do município e região. entrei para a cooperativa, comecei a pegar gosto pela ca este ano na categoria arte popular.
Lúcia Arruda - Presidente do Provopar

ço
Iramar Diório Hermógenes - Coordenador

Espa n a
da Área de Artesanato do Provopar-Pr
Lélia Loyola e Luís Lopes - equipe técnica

n d i ge
i
EXPEDIENTE VOCÊ TAMBÉM PODE
COOPERATIVA DE ARTESÃOS DE GUARAQUEÇABA ENCONTRAR
Endereço: Av. Agrícola, nº 30 - Guaraqueçaba ARTESANATO INDÍGENA
Jornalista responsável: Antonio Simplício
Editoração gráfica: Sérgio Schelles DE ETNIA GUARANI
Colaboradores: Lélia Loyola, Luís Lopes e Iramar Dió- FEITOS NA ALDEIA DE
rio Hermógenes
Fotos: Jader Rocha e Macaxeira
CERCO GRANDE,
GUARAQUEÇABA
Cooperativa de
artesãos de Guaragueçaba 3
Cooperativa, a busca pelo
desenvolvimento sustentável
Buscar o desenvolvimento sustentável de Guaraque-
çaba, ilhas e área rural, considerada de preservação am-
biental, é o principal objetivo da Cooperativa de Arte-
sãos de Guaraqueçaba, um projeto piloto iniciado pelo
Provopar Ação Social e que, apesar do pouco tempo de
existência (menos de três anos), já tem apresentado ex-
celentes resultados.
A cooperativa, que conta atualmente com 35 associ-
ados, foi legalizada no dia 17 de dezembro de 2005,
através de assembléia geral com a participação de arte-
sãos da sede Guaraqueçaba, Ilha das Peças, Tibicanga,
Superagui e área rural. No dia 1º de fevereiro de 2008,
os cooperados voltaram a se reunir desta feita para ele-
ger a segunda diretoria:

Coordenação geral:
Ida Maria Oelke Alves
Coordenação administrativa:
Hiléia Cunha Martins
Coordenação de finanças e planejamento:
Willis Ribeiro Moraes
Conselho Fiscal:
Narzira das Neves
Sede da Cooperativa de artesãos
de Guaraqueçaba e Zilene Ventura Rita

Valorizando o artesanato do Litoral


A sede da cooperativa é o Centro de Artesanato de Guaraqueçaba, cons-
truído pelo Provopar e inaugurado pelo governador Roberto Requião. Fo-
ram investidos na construção de um barracão de 450 metros quadrados , na
compra de equipamentos e em cursos de capacitação dos artesãos, na área
da organização, gestão e produto.
Esses cursos foram fundamentais na descoberta de novos talentos e servi-
ram de impulso para a criação da cooperativa. Hoje, a loja do Centro de Arte-
sanato oferece produtos de cooperados e não cooperados, beneficiando várias
famílias do município. Artesãos de lugares mais isolados onde a venda do arte-
sanato é difícil, por não ter turistas tem a loja da Cooperativa para vender seus
produtos.
Ali são comercializados peças em cerâmica, papel reciclado e fibras de
bananeira, bolsas, passadeiras, jogos americanos e tapetes.
Atualmente, as peças artesanais tem sido valorizadas. Usadas como utensíli-
os ou mesmo na decoração de ambientes, dão um toque todo especial. Exem-
plos como o Restaurante do Polaco, que utiliza cerâmica da cooperativa, e o
Centro de Capacitação da Força Sindical, decorado com tapetes e luminárias
confeccionadas pelos nossos artesãos, devem ser seguidos. Assim, é necessária a
constante atualização dos cooperados em relação ao mercado externo para poder
apresentar produtos com qualidade e co m valores compatíveis.
Você que é artesão, se informe como deixar seu artesanato para vender na
loja da Cooperativa Arte Nossa de Guaraqueçaba!
Interior da sede - loja
4 Cooperativa de
artesãos de Guaragueçaba
Guaragueçaba Cooperativa de
artesãos de

Capacitação
profissional
Convênio firmado entre o Provopar Ação Social e o Projeto Comunitário
da PUC – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, possibilitou a partici-
pação dos cooperados da Cooperativa de Artesãos de Guaraqueçaba em di-
versos cursos e oficinas.
O Projeto Comunitário da PUC tornou-se disciplina inserida no currícu- Valdenei e Adriano da aldeia indígena de etnia Guarani de Cerco Grande, Guaraqueçaba
e Aldo e Eleonora
lo para os estudantes dos 53 cursos de graduação da universidade e, a cada
semestre, cerca de três mil alunos escolhem uma das 500 ações para cumprir
a carga horária de 36 horas. Com isso, a PUC busca, além da qualificação
profissional, a formação voltada à responsabilidade social de cidadãos efeti-
vamente comprometidos com um país melhor.
Assim, desde abril de 2007, foram realizados os seguintes cursos: rela-
ções de trabalho, designer de produtos, atendimento ao cliente, administra-
ção, relações de trabalho e empreendedorismo, história e cultura local, infor-
mática e inglês básico para atendimento aos turistas.

PRÓXIMAS OFICINAS
• Designer, de 18/08/2008 a 22/08/2008, onde será
criada a logomarca da cooperativa junto com os cooperados.
• Informática – Internet, de 20/10 a 24/10
• Informática (revisão geral), de 24/11 a 28/11
• Vendas, de 23/03 a 27/03

De aluno, a mestre em artesanato


O convênio firmado entre a Cooperati-
va de Artesãos de Guaraqueçaba e a Eletro- Maria Silva é uma das instrutoras
sul, transformou cooperados, ex-alunos de “Para nós foi importante aprender tecelagem com a fibra
artesanato do Provopar Ação Social, em ver- da bananeira. Aliás, aprendi muita coisa e o artesanato passou
dadeiros mestres. a ser um meio de sobrevivência. E, agora, vamos repassar este
O projeto Artesanato no Litoral, elabo- conhecimento para outras pessoas, através dos cursos promo-
rado pela cooperativa, foi um dos vinte pre- vidos pela Eletrosul”, comemora.
miados entre mais de 2 mil projetos apre- Ela acredita que o artesanato pode ser fonte de renda para
sentados à concessionária de serviços públi- outras famílias, principalmente no inverno quando a pesca se
cos de transmissão e geração de energia elé- torna difícil. “Fica todo mundo sem recurso. O artesanato vai
trica. ajudar e muito”. Os produtos que Maria e os demais artesãos
A premiação no valor de R$ 45.000 pos- de Tibicanga produzem são levados para a sede da cooperati-
sibilitou que os cooperados confeccionas- va, para serem vendidos.
sem brindes para a Eletrosul, além de rea- RELAÇÃO DOS CURSOS
lizarem oficinas para a comunidade de Gua-
raqueçaba, com instrutores escolhidos en- AGOSTO: Curso: Artesanato com fibra da bananei- NOVEMBRO
Curso: Artesanato com fibra da bana- ra Curso: Papel Artesanal com fibras natu-
tre os cooperados. Assim, foram feitas vá- neira Local: Sebuí rais
rias visitas pela equipe técnica da Eletro- Local: Rio Verde Instrutoras: Hiléia e Ida Local: Sede da Cooperativa
Instrutoras: Iolanda e Lourdes Instrutores: Márcia e Onofre
sul, que por dois anos acompanhou a evo- SETEMBRO
lução da cooperativa, acreditando em seu Curso: Artesanato com escama de Curso: Tecelagem com fibra da bananeira Curso: Artesanato com poupa da fibra da
peixes e conchas Local: Potinga bananeira
potencial. Local: Ilha das Peças Instrutores: Narzira e Ida Local: Sede da Cooperativa
Agora, mais de 20 cooperados estarão Instrutoras: Zilene e Neli Instrutores: Luziana e Aldo
dando cursos para a formação de novos ar- OUTUBRO
Curso: Tecelagem com fibra da bana- Curso: Artesanato com fibra da bananei- DEZEMBRO
tesãos. As vagas são limitadas e os interes- neira ra Curso: Pintura em casca de ostra
sados poderão obter maiores informações Local: Tibicanga Local: Puruquara Local: Costão (Guaraqueçaba/sede)
Instrutoras: Maria Dias e Maria Silva Instrutores: Aldo e Eleonora Instrutores: Jamile e Anabel
na sede da Cooperativa.
Cooperativa de
artesãos de Guaragueçaba 5
Cooperativa
abriu as portas...
A Cooperativa de Artesãos de Guaraqueçaba foi junto e ter um espaço para criar, produzir e mostrar a
importante para a artista plástica Claudia Loureiro, que expressão cultural, que por sinal é muito forte no lito-
hoje vive em Curitiba, onde cursa “Artes Plásticas”. “O ral paranaense, foi fundamental”.
conhecimento que obtive na cooperativa me facilitou Ela lembra que a história continua e que é atra-
muito para abrir outras portas. Posso dizer que, nos vés das manifestações culturais que o mundo conhe-
meses que trabalhei em Guaraqueçaba, agreguei valo- ce a Europa e está ansioso por conhecer o Brasil.
res a meu trabalho. Se tivesse que ter pago por isso, “Guaraqueçaba é um lado deste Brasil, que encanta a
ficaria difícil”, revela a artista plástica. todos”.
Claudia diz que todo começo requer paciência, “Posso dizer que os meses que trabalhei por aqui
“mas quando as coisas se acertam tudo vai bem. Foi agreguei valores a meu trabalho que se tivesse que ter
o meu caso. A iniciativa de criar uma cooperativa em pago por isso, não teria condições. Confio que esta opor-
Guaraqueçaba foi de grande valor. Aprendi, por tunidade se fará valiosa para muitos que estão aqui e
exemplo, que a união é a faísca que alimenta o con- os que virão mais para frente”.

O pescador que virou artesão


Devido aos problemas de saúde, Adailton Bar- a rádio e a TV Paraná Educativa. Já fiz inclusive
bosa Gaudino, 60 anos, se viu obrigado a se apo- uma exposição na Casa do Artista Popular em Cu-
sentar por invalidez aos 40 anos. Era pescador des- ritiba e, este ano, vou fazer outra”.
de os 20 anos e tirava as horas vagas para pintar. A exposição - A nova exposição que Adail-
Sem lugar para serem expostos, os quadros ton Gaudino se refere teve início no dia 22 de
de Adailton na maioria das vezes eram dados aos julho e vai até o dia 31 de agosto, na Casa do
amigos ou jogados no lixo. “Pintava por brinca- Artista Popular, na Secretaria de Estado da Cul-
deira, para não ficar parado sem fazer nada. Ago- tura, em Curitiba. Ele estará expondo sua arte ao
ra, não. Tenho para onde mandar aquilo que faço”. lado de dois outros artistas populares de Guara-
Ele conta que, antes da existência da coopera- queçaba: Aurélio Pires Corrêa, de Superagüi, com
tiva, ninguém via ou conhecia seus trabalho. “Hoje, seus entalhes de madeira, e Marcel Squenini, com
comecei a ficar conhecido. Já dei entrevistas para pinturas em conchas.

Cooperativa: fonte de conhecimento


Além de ser uma fonte de renda para ALDO E ELEONORA
os cooperados, a Cooperativa de Artesãos Para Márcia Loureiro, a cooperativa
de Guaraqueçaba é uma fonte inesgotável tem sido um elo de união entre as pesso-
de conhecimento. É o que afirma o arte- as que moram no município. “Acho legal
são Onofre da Silva Junior: “A gente sem- ver várias senhoras reunidas, trabalhando
pre aprende coisas novas e o artesanato, por conta própria e gerando renda. A co-
que antes era um simples passatempo, pas- operativa serviu para estreitar os laços de
sou a ser encarado como um trabalho, que amizade”, declarou.
ajuda muito na renda familiar”.
ONOFRE
É o caso de Maria Eleonora Pontes,
40 anos, que antes de se tornar coopera-
da, trabalhava como doméstica. “Nunca CIDA
tinha feito artesanato. Agora, sei fazer ta- A dona de casa Aparecida Gonçalves,
petes e outros objetos com a fibra da 47 anos, nunca tinha trabalhado fora. Na
bananeira. Sempre estamos aprendendo cooperativa, aprendeu a trabalhar com a
alguma coisa nova”. fibra da bananeira e tecelagem e, hoje, con-
Aldo Aparecido de Souza, 44 anos, es- segue ajudar na renda familiar. “Estou há
tudou até a 7´série do ensino fundamental e cada dia aprendo algo novo e sempre gan- três anos na cooperativa. Estou gostando
trabalhava de pedreiro. “Pra falar a verda- ho um “dinheirinho” para ajudar a manter muito e me sinto recompensada quando
de, nunca tinha pensado em fazer artesana- a casa. Além do mais, me sinto importante vendo minhas peças. Depois que comecei
to. Depois que entrei para a cooperativa, ao ver meu trabalho reconhecido”. a trabalhar, tudo ficou melhor”.
6 Cooperativa de
artesãos de Guaragueçaba
Guaragueçaba Cooperativa de
artesãos de

DEPOIMENTOS
“TENHO ONDE VENDER MEUS PRODUTOS”
D. Narzira, Superagui
As flores feitas com escamas de pei-
xes produzidas pela artesã Narzira das
Neves Santos, 69 anos, tornaram-se mar-
ca registrada do núcleo de Superagüi da
Cooperativa dos Artesãos de Guaraque-
çaba. Na Fenearte – Feira de Negócios e
Artesanato de Pernambuco, em Olinda,
suas peças foram bastante requisitadas. D. Ida (sede de Guaraqueçaba), Maria Dias e Maria Silva (Tibicanga), Neli e Zilene (Ilha
das
das Peças)
Peças) ee Delma
Delma (Superagui),
(Superagui), novas
novas idéias
idéias no
no trançado
trançado com
com a
a fibra
fibra da
da bananeira.
bananeira.
“Agora, tenho onde vender meus
produtos. Tenho renda todo mês e isso
ajuda bastante”, comemora Narzira, feliz “A MATÉRIA PRIMA ESTÁ NA NOSSA PORTA”
com o surgimento da cooperativa de Lourdes Fontes Viana
artesãos, onde fez curso de tecelagem
de fibra da bananeira e outros cursos A fibra da bananeira é uma maté- bananeira no tear manual, no crochê,
de artesanato. “Hoje, também faço ta- ria prima abundante em Guaraqueça- no trançado, no papel reciclado entre
petes, que estão à venda na loja da coo- ba, que depois de retirado o cacho outras técnicas.
perativa em Guaraqueçaba e nas lojas da banana seu tronco pode se trans- Na cooperativa existe um espaço
do Provopar”. formar em lindas peças de artesana- para fazer tecelagem e sempre tem al-
Narzira fez questão de destacar ain- to, como, tapetes, bolsas, cestaria, guém disposto a ensinar, por isso apro-
da a cooperativa como elo para novas móveis revestidos com fibra e tudo veite a oportunidade, procure a coor-
D. Narzira,
amizades. “Por tudo isto, me sinto bem Superagui mais que a criatividade puder alcan- denação da cooperativa e se informe
fazendo parte da cooperativa”. çar. Pode-se trabalhar com a fibra da como você pode participar.

Neli,
Zilen
eeR
osin
a

“NOSSO EMPREGO É O ARTESANATO”


Zilene Ventura Pereira
Acostumadas a tirar do mar seu
próprio sustento, algumas mulheres
Maria Silva e Maria Dias
da Ilha das Peças viram no artesana-
to a oportunidade de melhorar a ren-
da familiar.
“TEM APARECIDO MUITAS ENCOMENDAS” “O nosso emprego é o artesana-
Maria Dias to. Aqui, na Ilha, não tem trabalho,
por isso o artesanato representa tan-
Mulher de pescador, Maria Dias achou mais um jeito de ajudar na renda to para a gente”, afirma Zilene Ven-
familiar, fazendo parte da Cooperativa de Artesãos de Guaraqueçaba. tura Pereira, 38 anos, que ao lado de
“Só com a pesca, estava difícil viver¨, conta Maria que, ao fazer parte da Neli dos Santos de Carvalho e Rosi-
cooperativa, aprendeu a trabalhar com a fibra da bananeira. “Agora, eu mesma na Pereira faz parte do núcleo da Ilha Neli e Rosina
tiro e faço a fibra, com a qual faço tapetes e bolsas. É um meio de vida e que ajuda das Peças da Cooperativa de Arte-
bastante a gente”, afirma. sãos de Guaraqueçaba.
Segundo ela, os produtos são deixados na sede da cooperativa em Guaraque- Rosina Pereira diz que viver exclusivamente da pesca é difícil, porque “as vezes
çaba e são rapidamente vendidos. “Fiz um espelho em macramé, que já foi vendido tem peixe, mas as vezes não. Em maio, por exemplo, não pescamos praticamente
e o dinheirinho está lá me esperando”. O mais importante é que os vizinhos e nada, primeiro por causa do ciclone e, depois, por conta da Semana do Meio
amigos resolveram ajudar e “sempre que tem um pé de bananeira, eles me avisam Ambiente, quando a pesca é proibida”.
para pegar a fibra”. Para Neli, a existência da cooperativa é “muito importante para nós, em todos
os aspectos, mas principalmente porque, através dela, temos um ponto de referên-
cia. É um dos meios que faz com que nosso trabalho seja reconhecido lá fora”.
Cooperativa de
artesãos de Guaragueçaba 7
Itaipu adquire tapetes da cooperativa
Foram 100 tapetes de fibra da
bananeira com a logo de Itaipu borda-
da com a própria fibra
100 caixas de papel reciclado com
fibras naturais, papel reciclado confec-
cionado na própria cooperativa
100 porta cartões revestidos com
fibra da bananeira
“Foi muito bom para a cooperativa receber
esta encomenda este ano porque além de gerar
renda para várias pessoas da cooperativa, parti-
ciparam artesãos da Sede de Guaraqueçaba, Su-
peragui, Ilha das Peças e Tibicanga.
Fazer tantos tapetes com a fibra da ba-
naneira só veio melhorar cada vez mais nosso
artesanato.
Todos se esforçaram para entregar um ar-
tesanato de qualidade e isso só nos trouxe mais
confiança no que podemos fazer e certeza de
que podemos atender a novas encomendas,
tanto de Itaipu como de outras empresas que
se mostrem interessadas em nosso artesanato.
E que venham as encomendas!”

Ida Maria Oelke Alves

G ente que faz


Capacitar é preciso...
Para atender um mercado cada vez mais exigente,
o Provopar tem procurado capacitar os artesãos de
Guaraqueçaba e região, promovendo cursos e ofici-
nas, com diferentes técnicas e instrutores.
Foram realizadas oficinas e cursos de cerâmica, te-
celagem com fibra de bananeira, linóleo gravura, lumi-
nárias com fibras naturais, costura, pachtwork, papel
reciclado com fibras naturais, além de artesanato com
escama de peixe e conchas, palha de milho, cipó, bam-
bu (confecção de móveis), entre outras.
A presidente do Provopar, Lucia Arruda, ficou tão
encantada com o resultado destas oficinas que esteve em
Superagui, Tibicanga e Tagaçaba para a entrega de certi-
ficados dos cursos de artesanato e de panificador. 25
alunas participaram do curso de artesanato para confec-
ção de flores e bichinhos, mediante o uso de escamas de Lucia Arruda, presidente do Provopar,
entrega certificado para formanda
peixes e conchas. O curso teve duração de dez dias e foi
ministrado pela professora Norma, do Espírito Santo.
Em Tibicanga, dez alunos receberam certificados do sede de Guaraqueçaba
mesmo curso. Capacitação que prepara os artesãos da cooperati-
Já em Tagaçaba, além dos certificados para 12 alu- va para repassarem o que aprenderam adiante. D. Nar- Todos já se acostumaram há mais de três anos
nos do curso de padaria, Lucia Arruda entregou para a zira fez o curso de artesanato com flores de escamas e a ver Seu Durvalino Cunha de Ipanema, área rural
associação de mulheres de pescadores um fogão de conchas em Superagui pelo Provopar com a professo- de Guaraqueçaba deixar seu artesanato na Coo-
oito esteira para assar pão, duas mesas inox e um cilin- ra Norma do Espírito Santo e agora no mês de julho perativa, sua cestarias já são conhecidas e procu-
dro de massa. O curso foi ministrado pela professora deu um curso de artesanato em Antonina para a Asso- radas tanto em Guaraqueçaba como em Curiti-
Beatriz Narciso. A padaria de Tagaçaba está sendo de- ciação de Moradores dos bairros Graciosa de Baixo, ba nas lojas do Provopar Ação Social Paraná.
corada com artesanato de Barbados, Ilha das Peças e Graciosa de Cima e Portinho. Ele faz cestaria em cipó, junco, taboa e ou-
tras fibras naturais.
8 Cooperativa de
artesãos de Guaragueçaba
E ncontro de Fandango

Cooperativa promove oficinas


Durante o II Encontro de Fandango e Cultura Caiçara, de 24 a
27 de julho, em Guaraqueçaba, a Cooperativa de Artesãos e o Pro-
vopar Ação Social promoveram uma oficina de rabeca, tendo como
instrutor Eraldo. A oficina foi realizada na sede da cooperativa e
serviu para mostrar aos presentes a arte e a técnica usada na confec-
ção deste instrumento musical, que faz parte da cultura caiçara.
O artesão Marcel, da Ilha de Superagüi, pintou camisetas com
desenhos inspirados no fandango e litoral de Guaraqueçaba, desper-
tando enorme interesse nas pessoas que por ali passaram nos quatro
dias de festa.
Também chamou a atenção dos visitantes as camisetas pintadas
com a técnica de linóleo gravura com motivos inspirados na nature-
za e no cotidiano das comunidades caiçaras. Não faltaram os dese-
nhos inspirados no fandango. As cooperadas tiveram a oportunida-
de de fazer parte das camisetas no dia do evento, com o objetivo de
Eraldo e Nilo Pereira difundir esta interessante técnica.

Produtos que encantam...


ENCOMENDAS

Cooperativa Arte Nossa Guaraqueçaba


Coordenação: Ida Oelke Alves
Endereço: Rua Dr. Fonseca Agrícola n° 30
Guaraqueçaba - sede
Telefone: (41) 3234-15-89
e-mail: artenossaguaraquecaba@gmail.com
Site: www.artenossa.pr.gov.br
(link Guaraqueçaba – projeto piloto)