Sie sind auf Seite 1von 24

1

APRESENTAÇÃO

O presente trabalho pretende mostrar a indicação de soluções dos danos mais


comuns em acervos bibliográficos. Descrevendo os processos de reparos em
livros, relacionando os materiais necessários, as técnicas e os procedimentos
inerentes.
Orienta para evitar as causas da deterioração objetivando o prolongamento da
vida útil dos livros e documentos.
2

SUMÁRIO

I. PRINCIPAIS AGENTES DEDETERIORAÇÃO DE ACERVOS DOCUMENTAIS

1. INSETOS, FUNGOS E ROEDORES ....................................................... 3


2. AÇÃO DO HOMEM.................................................................................. 3
3. UMIDADE E TEMPERETURA ................................................................. 5

II. TRATAMENTOS BÁSICOS PARA CONSERVAÇÃO DO ACERVO

1. TRATAMENTO DE HIGIENIZAÇÃO........................................................ 5
1.1 HIGIENIZAÇÃO COM SABONETE NEUTRO ......................................... 5

2. REPARAÇÃO DE LIVROS ...................................................................... 6


2.1 REMOÇÃO DE FITAS ADESIVAS ......................................................... 6
2.2 LIMPEZA DA LOMBADA ........................................................................ 7
2.3 DESMONTE DE LIVROS ........................................................................ 8
2.4 CONSERTO DAS FOLHAS .................................................................... 9
2.5 COSTURA............................................................................................. 10
2.6 COLOCAÇÃO DA LOMBADA ............................................................... 14
2.7 ACABAMENTODOS CORTES DO LIVRO ........................................... 15
2.8 CONFECÇÃO DA CAPA ...................................................................... 16

CONLUSÃO ..................................................................................................... 17

ANEXO1........................................................................................................... 18

ANEXO2........................................................................................................... 20

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................ 22


3

I. PRINCIPAIS AGENTES DE DETERIORAÇÃO DE ACERVOS DOCUMENTAIS

1. INSETOS, FUNGOS E ROEDORES

Dentre os agentes de degradação de acervos documentais, os agentes biológicos


como insetos, fungos e roedores constituem ameaças sérias devido aos danos
que podem gerar, muitas vezes irreparáveis. Em razão disso, vigilância e controle
de proliferação devem ser adotados permanentemente dentro da política de
preservação de acervos, pois a proliferação destes organismos ocorre de modo
bastante rápido se as condições da biblioteca forem inadequadas. Os métodos de
controle envolvem freqüentemente o emprego de produtos químicos que, quando
aplicados, necessita de orientação devido aos riscos de danos à integridade das
obras e à saúde dos funcionários e usuários da biblioteca.

2. AÇÃO DOHOMEM

Sem dúvida a ação do homem contribui demasiadamente para a degradação do


acervo, tanto pelo descuido que muitos têm com as obras, como pela ação de
vandalismo: furto, destruição, dano, mutilação, etc. Os danos causados são,
muitas vezes, irreversíveis,daí,a necessidade de um trabalho de educação do
usuário criando-lhe uma mentalidade preservacionista e desenvolvendo a noção
do valor do patrimônio da biblioteca para a coletividade. Não se deve esquecer
que a adoção de normas e procedimentos básicos contribuem consideravelmente
para melhor conservação do acervo:
¾Ao pegar um livro deve-se estar com as mãos sempre limpas;
¾Nunca usar fitas adesivas em virtude da composição química da cola;
¾Nunca retirar um livro da estante puxando-o pela borda superior da
lombada. O correto é retirar o livro segurando-o pela parte mediana da
lombada;
4

¾Nunca umedecer os dedos com saliva ou qualquer tipo de líquido para virar
as páginas de um livro. O ideal é virar a página pela parte superior da folha;
¾Evitar colas plásticas ou em bastão, pois além de serem irreversíveis,
favorecem a deterioração do papel devido aos componentes químicos;
¾Acondicionar os materiais em estantes próprias, com dimensões
adequadas, preferencialmente metálicas, dando espaço suficiente entre
uma e outra sem comprimi-las excessivamente;
¾Armários e estantes devem ficar afastados da parede 7 cm e 10 à 15 cm do
chão;
¾Os livros grandes e grossos de estruturas fracas devem ser guardados na
horizontal, sem empilhar.
¾Para evitar o declínio dos livros nas estantes, utilizar bibliocantos
adequados;
¾Os documentos devem ser desdobrados (se possível) retirando grampos,
alfinetes e clips metálicos para evitar que provoquem manchas de
ferrugem;
¾Nunca apoiar os cotovelos sobre os livros durante a leitura. Este
procedimento acarreta uma pressão nas costuras dos cadernos e nas
lombadas, provocando o rompimento e o desdobramento dos cadernos do
volume;
¾Não apoiar os livros em superfícies irregulares;
¾Não fumar ou alimentar-se em áreas destinadas ao trabalho e manuseio
das obras;
¾Não encostar as estantes em paredes úmidas;
¾Evitar a luz direta do Sol;
¾Utilizar transporte adequado para os livros. O ideal é fazer uso de carrinhos
construídos para esse fim.
5

3. UMIDADE E TEMPERATURA

A umidade e a temperatura são fatores climáticos que contribuem


significativamente para a deterioração do material bibliográfico. São fontes de
umidade: Chuvas, rios, limpezas aquosas, infiltrações por janelas, paredes e tetos.
Existem diversos equipamentos para controle climático, desde um simples ar
condicionado até os sistemas mas sofisticados como: Sistemas centrais de
resfriamento, calefação, umidificação e desumidificação do ar. Locais que não
disponibilizam essas aparelhagens pode-se utilizar ventilação natural ou forçada
como meio de controle simultâneo da umidade e da temperatura.

II. TRATAMENTOS BÁSICOS PARA CONSERVAÇÃO DO ACERVO

1. TRATAMENTO DE HIGIENIZAÇÃO

Esse tratamento é muito importante para a conservação do acervo, pois irá retirar
do livro os agentes responsáveis pela sua deterioração como poeira, espórios e
detritos de insetos. O ideal seria que esse trabalho fosse realizado em uma mesa
apropriada, local ventilado e afastado das estantes para evitar que a poeira seja
transferida para as outras obras.

1.1 HIGIENIZAÇÃO COM SABONETE NEUTRO

Utilizar sabonete neutro para limpeza das capas plastificadas e de material


sintético. Proceder da seguinte maneira:

Material necessário:
6

o Sabonete
o Tecido de algodão (fralda)

Procedimento:

• Colocar água em um balde;


• Molhar a fralda e torcer bem;
• Passar a fralda sobre o sabonete neutro (nunca molhar o sabonete);
• Aplicar sobre as capas removendo toda a sujeira;
• Passar uma fralda seca para retirar o excesso de umidade.

2. REPARAÇÃO DE LIVROS

O desgaste e a degradação do acervo é muito rápido, sobretudo quando se trata


de coleções públicas maciçamente utilizadas.
Por isso, faz-se necessário o reparo das obras para prolongar a vida útil do acervo
nas bibliotecas.
Os livros devem ser analisados para determinação do tratamento adequado a ser
utilizado. Antes de começar o trabalho de reparação do livro devemos saber como
ele é formado. Geralmente o livro é constituído por cadernos separados e em
alguns casos são formados por páginas coladas juntas uma a uma (folhas soltas).

2.1 REMOÇÃO DE FITAS ADESIVAS

Os adesivos possuem componentes que com o tempo se degradam e descolam.


A retirada dos mesmos merece atenção especial, considerando que em alguns
casos nem com a utilização de solventes, se consegue remove-los. Neste caso,
não insistir, pois o papel poderá ser danificado.
7

Material necessário:

o Cotonete ou vareta de madeira (usado por manicures)


o Algodão
o Acetona acetato de etila;
o Pedaço de vidro ou celulóide (chapa de radiografia)
o Papel absorvente
o Bisturi

Procedimento:

• As fitas adesivas podem ser removidas com uma espátula ou bisturi;


• O resíduo do adesivo que ficar no papel deve ser removido com acetona e
espátula ou, se não tiver a espátula remove-las somente com a acetona ou
acetato de etila.
• Colocar a folha com a fita adesiva sobre um papel absorvente e as duas
sobre um vidro ou celulóide;
• Umedecer o cotonete na acetona;
• Passar na fita adesiva pelos dois lados da folha (verso e direito);
• Com a ponta do bisturi, soltar cuidadosamente a fita adesiva para não
danificar o papel.

2.2 LIMPEZA DA LOMBADA

É o processo onde se retira o excesso de cola, restos de papéis, fitas adesivas,


etc... É usado quando a costura está perfeita e não necessita desmonte do livro.
8

2.3 DESMONTE DOS LIVROS

É importante a conferência de páginas. Quando necessário numerá-las a lápis, no


canto inferior direito. Na falta de algumas páginas, providenciar as fotocópias para
serem incluídas na recuperação e montagem do livro. Antes de começar o
processo, deve-se saber como ele é formado. Muitas vezes os livros
encadernados são constituídos por cadernos separados, variando o número de
folhas dos cadernos e em alguns casos são formados por páginas coladas juntas
uma a uma, por isso deve-se prestar muita atenção no desmonte para
compreender a formação do livro.

Material necessário:

o Faca multi-uso sem corte


o Estilete
o Bisturí

Procedimento:

• Separar completamente a capa do miolo do livro com cuidado;


• Retirar cuidadosamente com a ajuda da faca ou bisturi a cola que restou no
lombo;
• Pegar o primeiro caderno abrindo ao meio e cortar todos os fios da costura;
• Com a mão direita, manter bem firme o livro e com a esquerda destacar o
caderno;
• Repetir esta operação com todos os cadernos do livro
• Retirar com o auxílio da faca (sem corte) ou bisturi a cola seca da lombada
de cada caderno e os fiapos da linha da costura

Procedimento para desmonte de livros por páginas coladas:


9

• Separar a capa do miolo;


• Retirar com o auxílio da faca ou bisturi o excesso da cola seca da lombada;
• Desmontar o livro separando folha por folha e limpando as crostas
existentes individualmente;
• Se o livro estiver grampeado, abrir os grampos antes de retira-los e
proceder a separação de folha por folha.

2.4 CONSERTO DAS FOLHAS

O conserto pode ser de folhas soltas, rasgadas ou somente um reforço central.

Material necessário:

o 50% de cola branca Cascorex e 50% de Metil (CMC);


o Pincel;
o Peso ou prensa;
o 1 par de tábuas (tipo eucatex)
o Tiras de papel de seda

Procedimento:

Folhas soltas

• Passar a cola na tira de papel de seda;


• Recolocar a folha no lugar;
10

• Aderir à fita parte da folha solta e parte da folha presa;

Folha rasgada e cortada

• Colocar a folha rasgada sobre um vidro ou folha de celulóide;


• Cortar uma folha de papel de seda respectivo ao rasgo;
• Passar Metil Celulose sobre a tira, sobrepondo-a sobre o rasgo cuidando
para coincidir letras e desenhos quando houver.
• Pressionar suavemente
• Deixar secar e recortar o excesso de papel.

2.5 COSTURA

A costura pode ser por livros de folhas soltas ou por cadernos.

Material necessário:

o Agulha n 2/0;
o Linha Urso n 0 e 1;
o Tesoura
11

o Martelo
o Estilete
o Furadeira
o Lápis
o Prensa
o Pincel
o Cola PVA + CMC

Procedimento

Livros por cadernos

• Não se deve usar os mesmos furos da antiga costura, para evitar que a
mesma fique solta;
• Una todos os cadernos prestando a atenção para que eles estejam
dispostos em ordem numérica crescente;
• Colocar na prensa para acomodar o lombo antes da costura;
• Multiplicar o comprimento da linha a ser usado em um caderno pelo número
de cadernos existentes. Este sistema resultará o comprimento total de linha
a ser utilizado na costura de todos os cadernos e evitará o uso de nós.
• Assinalar com um lápis sobre a lombada do livro os pontos para marcar a
costura. Geralmente a lombada deve ser dividida em seis partes iguais (ou
sempre número par);
• Iniciar a costura pelo último caderno. Segurar o caderno aberto com a mão
esquerda. Com a direita segurar a agulha (no caso de destra);
• Costurar pelo lado direito, de fora para dentro;
• O último caderno deve ser amarrado ao penúltimo por um nó duplo, para
que a costura não se solte e assim sucessivamente.
12

Livros com caderno único

• Marcar com lápis a divisão da costura (sempre com números ímpares);


• Colocar a agulha de fora para dentro no meio do caderno;
• Colocar a agulha na marca seguinte de dentro para fora;
• Colocar a agulha na última marca de fora para dentro;
• Colocar a agulha outra vez no meio do caderno de dentro para fora
• Dar um nó nas pontas da linha. Cortar as pontas cerca de 1 cm do livro.
13

Livros por folhas soltas

• Una todas as folhas prestando a atenção para que estejam com a


numeração em ordem;
• Prensar o livro entre um par de tábuas. Colocar um peso para firmar.
• Passar cola na lombada e deixar secar. Repetir o processo.
14

• Colocar o livro em cima de um papelão ou madeira;


• Fazer uma marcação de cinco furos usando um lápis;
• Furar o livro com uma furadeira
• Costurar o livro com fio o ou oo’
• A costura começa pelo furo do meio, de baixo para cima e deixando uma
sobra de linha para posteriormente amarrar as pontas.

2.6 COLOCAÇÃO DA LOMBADA

O reforço da lombada tem como finalidade fortalecer o livro, garantindo a


durabilidade da encadernação.

• Cortar uma tira de cartolina americana com a medida igual à largura da


lombada mais 4 cm de cada lado;
15

• Marcar o meio desta tira;


• Vincar, acentuando o vinco com o auxílio de um clips;
• Aplicar cola na lombada e aplicar a tira de cartolina por cima
• Deixar secar;
• Colar a capa na sobra da lombada (4 cm).

2.7 ACABAMENTO DOS CORTES DO LIVRO

• Prensar o livro entre duas tábuas na mesa e lixar os cortes do livro até
torna-los em linha reta.
16

2.8 CONFECÇÃO DA CAPA

• Quando a capa do livro está em bom estado deve-se aproveitá-la,


reforçando-a com uma cartolina. Molda-se a cartolina no livro colocando-a
em seguida na capa original.
• Quando a capa original não está em condições de ser aproveitada deve ser
confeccionada uma capa com cartolina americana. Molda-se a cartolina no
livro cortando duas partes iguais (frente e verso), - neste caso será
confeccionado apenas a capa com a lombada já pronta;
• Fazer um vinco de 2 cm da lombada para o meio do livro e colar apenas a
parte do vinco ao livro.
• Repetir o procedimento com o outro lado (verso).
17

CONCLUSÃO

Este trabalho foi elaborado objetivando orientar quanto às atividades ligadas à


reparação e conservação de livros pertencentes a acervos de bibliotecas.
No entanto, o restauro utilizado em obras bibliográficas que exigem maior
conhecimento e cuidado, por se tratarem de obras raras e/ou documentos de
cunho histórico, só deve ser executado por especialistas com aprimoramento
técnico.
18

ANEXO 1

INSTRUÇÕES PARA PREPARO, MISTURA E DILUIÇÃO DE COLAS:

• CARBOX METIL CELULOSE (CMC)

É um adesivo neutro, sua natureza é de celulose modificada, encontrado como


pó branco que ao ser dissolvido forma um gel transparente. Usado como
encolante e consolidante em conservação – restauração de documentos,
fotografias, faceamentos e velaturas.

Procedimento:

o Colocar 1 litro de água morna deionizada, destilada ou filtrada em recipiente


de plástico ou vidro;
o Acrescentar aos poucos um copinho (cafezinho) como medida padrão de
Metil Celulose;
o Bater na batedeira;
o Deixar descansar mais ou menos 2 horas, até que a mistura esteja com
aparência homogênea e gelatinosa;
o Bater novamente na batedeira;
o A viscosidade do adesivo pode variar conforme a necessidade do uso,
acerscentando-se mais água.
o Guardar na geladeira em vidro com tampa.
19

• MISTURA DE PVA E CARBOX METIL CELULOSE (CMC):

Esta mistura é usada para remendos, colar folhas de guarda, colar dorso e
outras aplicações. O seu uso permite que o papel seja descolado, quando
necessário apenas usando a umidade.

Procedimento:

o Colocar em um recipiente partes iguais de cola PVA (cascorez) e Carbox


Metil Celulose (50% x 50%) ou duas partes de PVA para uma parte de
metilcelulose.
o Misturar bem e deixar no ponto da consistência de um iogurte;
o Se a mistura estiver muito espessa, acrescentar mais água para dissolve-la.
20

ANEXO 2

MATERIAIS USADOS PELA BIBLIOTECA DO CEFET NA REPARAÇÃO E


CONSERVAÇÃO DE LIVROS

ENDEREÇOS DE FORNECEDORES EM CURITIBA:

• Carbox Metil Celulose – CMC


• Acetona
• Acetato de etila
FARMANÍLQUIMA
Rua: Brasílio Itiberê, 1231
Fone: 3333-3921

• Bisturis, máscaras, aventais e luvas


CIRÚRGICA PASSOS
Rua Dês. Motta, 2330
Fone: 3222-4906
VICTÓRIA RÉGIA
Rua Lourenço Pinto, 11
Fone: 3222-4611

• Prensas
HAUER WERNER
Rua Mal. Deodoro, 1105 c. 51
Fone: 3226-1632 / 3222-5456 / 3225-5456
21

• Papéis diversos e embalagens


M.G.M. IND. E COM. de Papéis
Rua Francisco Torres, 583 lj. 02
Fone: 3264-7744
DISTRIBUIDORA DE PAPÉIS SANTA MARIA
Rua Conselheiro Laurindo, 865
Fone: 3322-5051
22

Referências Bibliográficas

DIVISÃO DE PRESERVAÇÃO; Preservação e Recuperação de Material


Bibliográfico. Biblioteca Pública do Paraná, Curitiba, 2001.

MILEVSKY, Robert J.; Manual de Pequenos Reparos em Livros; Conservação


Preventiva em Bibliotecas e Arquivos. 2ª edição, Rio de Janeiro, 2001.
23



























³8POLYURDEHUWRpXPFpUHEURTXHIDOD
)HFKDGRXPDPLJRTXHHVSHUD
(VTXHFLGRXPDDOPDTXHSHUGRD
'HVWUXtGRXPFRUDomRTXHFKRUD´
    9ROWDLUH
24