Sie sind auf Seite 1von 14

A PRECE

• A prece ou oração é uma forma de comunicação com


Deus, com seus prepostos, com a espiritualidade superior.

• A prece nada tem de mística ou de ritualística, sendo um


recurso valioso a disposição das pessoas como forma de
ligação direta com os planos superiores da Criação.

• A prece é na verdade um chamamento àquele a quem


oramos, para uma conversa íntima, onde se abre a mente e
o coração, onde a verdade do que somos, do que sentimos
e do que pensamos deve aflorar, num processo de
confiança, de fé, de certeza e de verdade.

• A prece verdadeira, é aquela que vem do fundo do


coração, do interior do espírito, repleta de verdade e
sinceridade, sentida e vivida em cada uma de suas
palavras.
• Prece é, sem sombra de dúvida, comunicação, da mais
sublime, da mais elevada.

• Por isso, necessita ser entendida em suas características,


para que possa propiciar o máximo efeito.

• Num processo de comunicação normal, de nosso dia-a-dia,


temos sempre três elementos:

 o emissor da mensagem (emitente)

 o receptor da mensagem (destinatário)

 a mensagem em si (conteúdo da comunicação)


• No processo de comunicação normal, o emissor ou
remetente manda um conteúdo (mensagem) para um
destinatário (receptor).

• Para que a mensagem chegue ao destinatário ou receptor,


é necessário que a mensagem tenha o endereço ou
sintonia correta:

de Tal
Fulano
4
ouro 23
R. do T
- Pr
0 0 0 - 0 00 Ctba
80
• Na comunicação normal, é necessário que a mensagem
tenha “força” ou “potência” necessária para chegar a seu
destino:

Mr. B
eltran
o Ro n
St. Ne cador
ew Tr
eck, 1
New J 23
ersey
- USA
• Finalmente, na comunicação normal, a mensagem enviada
tem de ser inteligível por que a recebe:

CELE? What is
this? Where is Alo, aqui é do CELE
e eu quero falar com
COEM???? o responsável do
COEM aí !!!!
• A prece, enquanto comunicação, deve atender a essas
mesmas condições da comunicação normal para que a
mensagem enviada pelo emissor (nós) chegue ao receptor
(aquela a quem oramos):

– a) endereçamento ou sintonia correta:

tem-se que “sintonizar” para quem oramos,


“endereçar” corretamente a nossa prece;
para tal, temos que mentalizar a quem oramos. Se
oramos a Deus, o mentalizaremos através de seus
atributos, e não através de uma imagem ou figura;
temos que ter claro o “alvo”, o “endereço” de nossa
mensagem;
não basta “orar por orar”.
– b) força ou potência para atingir aquele a quem oramos

no caso da prece, sua força está diretamente ligada a


alguns fatores determinantes:

 o mérito de quem ora;


 a fé de quem ora;
 a sinceridade de sentimentos e propósitos de
quem ora;
 a veracidade do que se coloca na prece.

– C) ser inteligível, compreensível


simples, direta, objetiva
sem palavras vazias, sem prolixidade
conteúdo, e não forma
repetição de nada adianta
• Na prece, a concentração é condição muito importante
para possibilitar a maximização de nossa potencialidades.
A prece sempre deve ser precedida da concentração, de
modo que possamos expandir nosso s potenciais
energéticos e de comunicação com o plano espiritual
• A prece é um processo de comunicação em duas vias, que
estabelecido, nos traz como retorno a energização positiva
do plano espiritual superior. O fato de orar verdadeiramen-
te, renova, fortifica, sendo um dos maiores recursos que a
bondade Divina colocou a nossa disposição, como fonte
de refazimento, como porto seguro nos momentos de
tempestade.
• A prece pode ser utilizada para diferentes finalidades:

– a) pedido: por nós ou por outra pessoa


é necessário saber o que pedir, o que se deve e o
que não se deve pedir;
é muito importante perceber a resposta, que muitas
vezes não é a que nós queremos, mas é a que nós
necessitamos.
– b) reconhecimento ou agradecimento
agradecer àquilo que temos, que recebemos, as
oportunidades, os talentos, as bênçãos.

– c) Louvor, Contemplação ou Glorificação


prece de louvor a Deus pela beleza, pela natureza,
pela perfeição, por puro amor ao pai, é uma
mensagem de carinho, de afeto e de ternura, por
entender o que é amar a Deus sobre todas as coisas.
• Algumas considerações correlatas:

 a prece não tem uma fórmula. Não existe uma “prece”


mais “poderosa” no que se refere a sua fórmula ou
forma;

 a simples repetição de palavras não constitui uma


prece. Recitar palavras de nada adianta. É preciso que
cada palavra tenha um profundo significado e nossa
mente e coração;

 Quantidade e repetição não tornam a prece mais


eficiente. Apenas a ritualiza e faz com que perca sua
eficácia;

 A prece só tem valor pelo pensamento que lhe está


conjugado. Uma só palavra pode ser poderosa prece;
 A prece não tem finalidade de barganhar com o plano
maior, que não necessita de “trocas” materiais, mas
socorre a quem verdadeiramente tem bons propósitos,
manifestados de forma inequívoca nas energias que
emitimos ao orar;

 a prece, por ser uma atitude íntima, independe de hora,


local ou companhia. Sempre que possível, deve-se
buscar condições que propiciem o recolhimento e a
concentração;

 a prece não necessita de gestos, de atitudes


específicas, de sacrifícios, de qualquer espécie de ritual
preparatório ou ainda de velas, flores, imagens, objetos,
etc.
Roteiro de Palestra de Carlos Augusto P. Parchen

Apresentado no Centro Espírita Luz Eterna - CELE,


Curitiba, Pr - www.cele.org.br

www.parchen.hpg.com.br
www.parchen.cjb.net

Verwandte Interessen