Sie sind auf Seite 1von 2

Núcleo Gerador 4

Núcleo Gerador 4 DR3 Políticas Públicas de Inclusão N a década de 90 Portugal passou de

DR3 Políticas Públicas de Inclusão

Na década de 90 Portugal passou de um país de emigração para um

país de imigração, ou seja os contingentes de imigrantes atingiram valores superiores ao da emigração Portuguesa. Assim é pertinente que se dê uma opinião a este aumento significativo de estrangeiros em Portugal, Os imigrantes em maior número em Portugal são:

Africanos, Brasileiros Europa de Leste e da China. Parece-me evidente que face à conjectura económica que se vive em Portugal, que a integração de cidadãos imigrantes se está a tornar cada vez mais difícil. Concordo com a livre circulação de pessoas e que estas têm os mesmos direitos que a população Nacional. No entanto é necessárias quotas para cada grupo de imigrantes de modo a garantir as condições de trabalho e de vida necessárias à sua integração. Apesar de as estatísticas associarem os imigrantes a situações de violência e crimes, considero que nem todos são iguais, ou seja, existe seres humanos bons e maus em todas as Nações. Na minha região existem imigrantes Chineses e da Europa de Leste pelo meu conhecimento. Vejo que estes imigrantes estão bem integrados no resto da sociedade, desempenhando actividades profissionais no comércio e vivem inseridos na comunidade local. Na região Centro existem poucas associações que promovem o acolhimento destas diferentes comunidades. Destaque a nível Nacional é Alto Comissariado para a Imigração e o Diálogo Intercultural (ACIDI) que tem como missão colaborar na concepção

execução e avaliação das políticas públicas relevantes para a integração dos imigrantes coordenado pelo ACIDI tendo em vista a melhor integração na sociedade Portuguesa. Apesar do ACIDI, estabelecer apoios às associações, conceder ajuda de carácter, técnico e financeiro, promover programas, projectos e acções para integração de cidadãos de imigrantes considero que muito há a fazer, para colocar em prática o que foi legislado. O Estado Português tem feito esforços em estabelecer acordos Internacionais que permitem facilitar a Legalização e a Nacionalização desta população. Contudo verificamos que as máfias continuam a iludir e a enganar a população que entra em Portugal. A vinda destes imigrantes permite enriquecer a cultura Portuguesa, ou seja, existe uma troca de influência cultural que promove a diferença e a tolerância. Assim o multiculturalismo promove a educação para a cidadania, onde se tenta compreender as diferenças nas respectivas comunidades, promovendo cidadãos informados, activos responsáveis na sua acção cívica, críticos e cooperativos. No entanto considera-se necessário alertar para cada individualidade e proteger a cultura à qual pertencemos, não deixando que se perca a raiz cultural à qual pertencemos.