Sie sind auf Seite 1von 3

Quimeras

Homens-porcos, homens-cães, homens-hienas. A Ilha do Doutor Moreau

era repleta de criaturas híbridas, também chamadas para-humanas ou quimeras.

Embora H. G. Wells tenha escrito essa história fantástica há mais de 100 anos,

criaturas híbridas parecem que sempre fizeram parte do nosso imaginário.

Da mitologia grega, por exemplo, temos o Minotauro (cabeça de touro e

corpo de homem), o Centauro (parte humano, parte cavalo), e os Sátiros

(metade humano, metade bode), entre outras criaturas; e da mitologia egípcia,

temos a Esfinge, que é um felino com cabeça humana.

Hibridismo ocorre quando os descendentes são geneticamente

dissimilares dos pais, especialmente quando as plantas ou animais são

produzidos a partir de espécies diferentes. É um processo que pode ocorrer

naturalmente ou em laboratório. Um exemplo de hibridismo em plantas

manipuladas por cientistas é o milho híbrido, resultado da aplicação de técnicas

de melhoramento genético. Um caso conhecido de hibridismo natural entre

animais é a mula, resultado do cruzamento do jumento com a égua.

Hibridismo natural entre espécies não é considerado tão raro como se

pensa. O que contribui para a nossa falta de conhecimento de espécies híbridas,

me parece, é que os descendentes de duas espécies diferentes são, quase

sempre, inférteis (a mula, por exemplo, é infértil). A evolução desta terceira

espécie, então, não ocorre.

E processos envolvendo humanos? Em 2005, a revista National

Geographic divulgou o primeiro caso de quimera conhecido até então: cientistas

chineses haviam fecundado células humanos em óvulos de ratos. Os embriões

foram divulgados como as primeira quimeras humanas-animais criadas com

sucesso. Os cientistas tiveram a permissão de desenvolver esses embriões por

alguns dias antes de destruí-los.

Embora esses tipos de pesquisas geralmente criem muita controvérsia,

os cientistas tem continuado a fazer seus experimentos em laboratório. Existe

hoje uma série de animais híbridos que são geneticamente manipulados. Entre

os famosos casos de hibridismo animal manipulado por cientistas, encontram-se

os zorses (zebra e cavalo), criados desde o século XIX; os beefalo (búfalo e boi),

desenvolvidos nos Estados Unidos; liger (leão e tigre), considerados os maiores

felinos do planeta; e leopon (leopardo e leão), criados no Japão, Alemanha e

Itália.

Hibridismo é uma questão controvertida porque involve princípios éticos;

é especialmente polêmica se a questão se refere à fusão de genes humanos

com genes de animais. Envolve também princípios religiosos, direitos humanos

e animais, além de conceitos de integridade humana e animal. Qual é o

propósito em criar as quimeras? Até que ponto a criação de híbridos não estaria

infringindo o ecossistema e a integridade das espécies? Existe um perigo

quando nós interferimos no processo natural das espécies? Até agora, ninguém

encontrou respostas definidas para estas questões.

Denise M. Osborne é araxaense, doutoranda pela Universidade do Arizona (USA) em Aquisição e Ensino de Segunda Língua, e professora pela

mesma universidade.

dmdcame@yahoo.com

Artigo originalmente publicado pelo Jornal Clarim online (Minas Gerais, Brasil):

Osborne, D. (2012, March 19). Quimera. Retrieved from

http://www.clarim.net.br/colunistas/colunista/1