Sie sind auf Seite 1von 3

As Características do Desenho Infantil

Por : Roberto Villani


Embora o desenho infantil sofra influências do meio ambiente no qual
Vive a criança, criando às vezes maiores ou menores divergências entre a
idade cronológica e a idade gráfica, as características mais típicas e formais
do traçado da criança continuam as mesmas. Assim, encontraremos poucas
diferenças individuais nos tipos e “técnicas” usados pelos pequenos no que
diz respeito ao desenho infantil.

Catalogamos, então, as características mais marcantes:

1 – A Transparência
Principalmente na Etapa do Realismo
Lógico, a transparência faz-se
notar em quase todos os desenhos
infantis. Se não aparece de maneira
clara, objectiva, ocorre sutilmente, quase
imperceptível.
A razão dessa característica prende-se ao
fato de que toda criança, no
período em que ocorre o que chamamos de realismo lógico, preocupa-se
muito com o modelo interno das coisas que desenha, o que nos leva a
considerar efetivamente que ela, a criança, desenha muito mais o que pensa
e muito menos o que vê.
Através dessa característica, podemos ver o que ocorre dentro de uma
casa, por exemplo, com suas paredes transparentes. Mesmo os móveis que
se encontram no interior dessa casa desenhada, sendo transparentes, põem
à nossa visão os objetos ali guardados.
Conforme opinião dos estudiosos no assunto, a transparência é a fase mais
interessante do desenho infantil, considerando-se como o apogeu da
linguagem gráfica da criança.

2 – O Rebatimento
Podemos considerar o
rebatimento como a superposição de
uma figura sobre um plano, por
movimento de rotação em torno de um
eixo imaginário.
Trata-se de um fenômeno de
perspectiva, quando a criança, liberta
das convenções técnicas, rebate
imagens que estão num plano vertical para ohorizontal, ou vice-versa.
Evidentemente, essa “técnica” arbitraria de perspectiva é a solução
encontrada pela criança no sentido de oferecer, ao seu desenho, maiores
possibilidades de detalhamento. A criança, através do rebatimento, oferece á
sua arte maior soma de pormenores funcionais.

3 – O Sincretismo

1
O Sincretismo espacial, muito comum em todas as atividades infantis é outra
das características mais interessantes no desenho infantil. Obviamente
através do Sincretismo, todas as coisas podem ser fundidas num mesmo
espaço outra atitude arbitrária da imaginação infantil.

Trata-se evidentemente, do fenômeno da condensação, através do qual


cenas, objetos, situações etc, são amalgamadas em torno de uma idéia
principal, dando-nos a impressão de uma verdadeira “ anarquia gráfica” e
uma acentuada falta de lógica. Contudo, devemos levar em consideração, na
análise do desenho infantil, a mentalidade Sincrética da infância.

4 – A Sobreposição

Desconhecendo a terceira dimensão, a criança através de seus desenhos,


não demonstra os valores de espaço, de volume e da perspectiva. Análogo
aos primitivos, os desenhos da crianças aparecem soltos no espaços, uns
sobre os outros, dando-nos a impressão de que estão todos num mesmo
plano, sem os sentidos de afastamento ou aproximação.

4 – Pormenores Funcionais

2
Se na representação gráfica do adulto os detalhes obedecem a uma
hierarquia visual, no desenho infantil os detalhes obedecem a uma espécie
de “ hierarquia da importância funcional” . Ou seja, no desenho de uma
escola, por exemplo , a representação gráfica da campainha de assinala a
hora de recreio pode ser muito mais evidente, em tamanho e destaque, que
os demais traçados de desenho, uma vez que ela, a campainha, representa
momentos de lazer e entretenimento. É muito comum vermos, num desenho
infantil que focaliza cenas de um aniversário, um bolo com velhinhas
desproporcionais em relação ao resto da imagem gráfica.
Através dos pormenores funcionais, a criança evidencia o que é mais
importante para ela, o que mais lhe agrada ou até mesmo desagrada.

Netgrafia:
http://www.teatroeducativo.org/desenhoinfantil.pdf