Sie sind auf Seite 1von 21

Curso de Iniciação á Fotografia

Manual Teórico/Pratico

Grupo de Promoção Cultural de Montargil

Núcleo de Fotografia

Junta de Freguesia de Montargil

Formador: Artur Aniceto


Fotografo

FOTO CLIK – A sua loja de fotografia - Montargil

Fotografia Digital - Ponte de Sor


Índice

Breve historia da fotografia

A fotografia – temas básicos


 A beleza;
 A captura;
 Educar o olhar.

Analógico & Digital

Fotografia actual – regras básicas


 Maquinas fotográficas
Reflex e Compactas
 Lentes
Tipos de lente

Modos de disparo
 Modo automático
 Modo manual

Flash

Fotografia em condições especiais

Cuidados com o equipamento

Truques & Dicas


Breve historia da fotografia

EASTMAN-KODAK COMPANY

George Eastman introduz seus primeiros filmes flexíveis. Inventor,


industrial e filantropo norte-americano nascido em Waterville, New York,
criador do filme de rolo (patenteado em 1884) e da máquina fotográfica
Kodak (1888).

Aos 23 anos montou uma pequena oficina de fotografia, na época em fase de


grande desenvolvimento e em vias de converter-se em importante processo
técnico e meio expressivo.

Aperfeiçoou a chapa com gelatina de brometo e começou a fabricar chapas


secas (1880). Fundou a Eastman Dry Plate and Film Company (1884), em
Rochester, New York, localidade onde viveria até sua morte, a primeira
empresa a produzir equipamentos fotográficos padrões em série e também
filmes transparentes flexíveis, o primeiro filme em rolo, que deu grande
impulso a indústria cinematográfica.

Inventou a câmara Kodak (1888), que rapidamente adquiriu popularidade e,


no ano seguinte, introduziu a película transparente, que possibilitou o
desenvolvimento do filme cinematográfico e da poderosa indústria do
cinema.

Três anos depois fundou a poderosa indústria Eastman-Kodak Company


(1892), que se transformou numa das maiores empresas mundiais de
equipamentos e materiais fotográficos.

1
A Fotografia-Temas Básicos

Beleza

O que nos impele a fotografar é, acima de tudo, tentar registar para


sempre, um momento particularmente belo para nós. Seja uma simples foto
de família, seja a grande paisagem que nos deslumbra, representa a vontade
de preservar esse momento para mais tarde recordar…
A noção de estética e beleza é muito pessoal e mesmo
existindo padrões sobre o tema, o desafio que lançamos é…” faça com que
cada imagem seja importante para si”… e não se sinta condicionado pela
opinião dos outros sobre ela .

Captura
É absolutamente necessário saber e dominar algumas regras base da
fotografia e sobretudo conhecer bem a maquina fotográfica que possui.
Teste exaustivamente todos os programas e botões até saber tirar partido,
da tecnologia que está hoje ao serviço de qualquer fotógrafo, seja amador
ou profissional. Isto fará com que dê mais valor às suas fotos, e obtenha
maior prazer em fotografar.

Educar o olhar
Quantos de nós olhamos e não vemos …
Quantas vezes admiramos fotos de locais que conhecemos e nos
interrogamos como aquele lugar tão lindo nos passou despercebido…
É isso mesmo, repare no que o rodeia. Olhe á sua volta com olhos de ver e
sinta como a Natureza continua a surpreender-nos com a sua infinita beleza.
Irá verificar, que todo aquele ambiente do dia-a-dia ganhará outra dimensão
quando se repara verdadeiramente nele.

2
Analógico & Digital
Dois sistemas fotográficos, que na actualidade convivem entre si.
Um, o sistema ANALÓGICO, em fim de vida, com quase 2 séculos sobre a
sua utilização comercial, ainda mantém nesta geração uma legião de
admiradores nomeadamente utentes de maquinas fotográficas tipo “reflex”
que apreciam o lado criativo da película fotográfica e continuam a utiliza-la
sustendo por tempo ainda indefinido o seu desaparecimento.
De salientar que hoje em dia já só se utilizam negativos 135 m/m, com queda
muito acentuada na película de diapositivos (slides), que apesar de ser a
única película que garante a EXCELÊNCIA da qualidade fotográfica irá
fazer companhia aos agonizantes sistemas APS, médio e grande formato
profissional (tamanho 4.5 ×6; 6×6; 6×8; 9×12; 13×18 …)
A ruptura dar-se-á quando os grandes fabricantes decidirem que os custos
de produção, são demasiados elevados para manterem os dois sistemas em
paralelo. Aí terminará um ciclo de vida de 2 séculos que são, hoje em dia,
uma parte muito importante da memória colectiva de toda a Humanidade.
Por outro lado, o sistema DIGITAL, em franco progresso tecnológico,
assegura uma drástica mudança do ponto de vista da fotografia estática e
traz uma lufada de ar fresco sobre novas formas de fotografar, muito
diferentes do antigo sistema, nomeadamente o de poder ver imediatamente
todas as imagens registadas.
Esta possibilidade gerou um tremendo sucesso comercial e massificou a
utilização impelindo a industria a apostar cada vez mais nas novas
tecnologias.
A nova geração de utilizadores já assimilou como um lugar comum o
fantástico esforço do fabricante de hardware e software que permitem
hoje em dia, criar, manipular e partilhar a imagem com qualquer pessoa em
qualquer lugar do mundo, cruzando esses dados entre maquinas
fotográficas, computadores, telemóveis e outros periféricos, situação
impossível de acontecer á somente 10 anos atrás …

3
A fotografia actual – regras básicas

Apesar da era tecnológica em que vivemos é preciso compreender que os


conceitos básicos da fotografia mantêm-se inalteráveis

Maquinas fotográficas

Existem em duas vertentes principais, as máquinas COMPACTAS e as


máquinas REFLEX.

Compacta

Compactas:
São todas as máquinas de uso amador, pequenas e fáceis de utilizar que
partilham o dia a dia de milhões de utilizadores que as preferem pela sua
simplicidade. Existem em corpos básicos para utilização sem grandes
pormenores técnicos, mas outras há que são autênticas montras
tecnológicas.

4
Reflex

REFLEX:
São máquinas de uso semi-profissional ou profissional de médio ou grande
porte que exigem conhecimento por parte dos utilizadores.
Existem em corpos para amadores denominadas BRIDGES, que não são
reflex “puras”por não permitirem alterações da lente com que vêm
equipadas de fábrica, mas conseguindo manter uma qualidade muito
apreciada.
Os corpos reflex semi-profissional e profissionais contêm características
comuns, existindo basicamente diferenças nos software e programas de
utilização assim como na qualidade das lentes.
Para alem disso distinguem-se pela possibilidade de trocar as lentes,
qualidade das fotos, virtudes técnicas e possibilidade de ver as imagens
fotografadas através da lente utilizando um engenhoso sistema de espelhos
que reflectem (daí o nome reflex) a imagem para o visor.

5
Lentes
A fotografia vive da LUZ, e é através das objectivas da máquina
fotográfica e do seu complexo número de lentes que coabitam no seu
interior ( uma tele-objectiva 28~200 contem mais de 17 lentes no seu
interior) … que a luz chega até á película ou CCD.
A qualidade da lente define a qualidade da imagem, esta regra absoluta é
permanentemente distorcida pela publicidade dos fabricantes,
nomeadamente os das máquinas digitais, ao informarem o consumidor que
são os milhões de pixeis que definem a qualidade. Nada mais errado ..
A película, ou rolo fotográfico e os modernos CCD das máquinas digitais
registam e processam toda a informação vinda da lente, gravando na película
ou cartão digital o resultado.
Claro que é importante o rolo fotográfico ser de boa qualidade, ou o CCD
conter muitos milhões de pixeis. Eles contribuem para a qualidade da foto
no geral. Mas só terão interesse real se o forem em conjunto, num binómio
ideal . Uma boa lente com um bom rolo ou um grande CCD produzem uma
excelente foto.

6
Tipos de lente

Objectivas normais

• Apelidadas assim por pretenderem recriar o ângulo de visão humano


na perspectiva certa.
• Ideal para fotos de pessoas, existem entre os 35 m/m e 50m/m

Objectivas macro

• Destinam-se a fotos de pormenor pois permite a focagem de muito


perto com toda da precisão;
• Ideal para fotos de Natureza (flores, folhas, pétalas, gotas de
água, de pequenos insectos, joalharia e outros);
• Estão identificadas com o símbolo Macro (flor).

Objectivas Ultra grande – angular

• Mais conhecidas como “olho de peixe” permitem capturar ângulos


de 180º;
• Ideais para paisagens, arquitectura e espaços estreitos;
• Existem entre os 8m/m e 18 m/m

7
9
Objectivas grande angular

• Os mesmos benefícios da ULTRA, mas não tão radical; Já podendo


ser utilizadas para fotos de pessoas em grupo ou outras;
• Existem entre 18m/m e 35m/m

Tele - objectivas curtas

• Ideais para obter grandes planos a alguma distância e pormenores de


paisagens ou rostos;
• Existem entre 70m/m e 200m/m

Tele – objectivas longas

• Utilizam-se nomeadamente para fotografia de Natureza e desporto,


de difícil acesso;
• Existem entre 300m/m e 800m/m

8
Modo Manual / Composição
Nesta função a máquina é controlada manualmente e exige conhecimento na
sua utilização. Nomeadamente nos dois programas a seguir indicados, mas
vale a pena tentar…

Abertura/Profundidade de Campo
A profundidade do campo implica algumas leis da física, mas vale a pena
recordar que se estende 1/3 á frente do ponto focado e 2/3 atrás.
Uma abertura grande produz pouca profundidade de campo, e uma abertura
pequena produz uma imagem com maior profundidade de campo.
Perante o assunto a fotografar deve ser escolhida a profundidade de campo
para o tema, utilizando a opção MANUAL e rodando o anel da abertura para
a posição adequada.
Esta opção é essencial, e extremamente criativa sendo a que produz mais
fotos de intensa beleza.

12
Velocidade

Este programa manual permite o controle absoluto sobre a velocidade do


diafragma conseguindo congelar ou acelerar objectos em movimento.

13
14

Flash

Com a luz do dia está normalmente tudo bem, mas quando a luz se apaga as
coisas podem complicar-se…
Como vimos anteriormente a fotografia vive da luz, e nas ocasiões em que a
luz não é suficiente para fotografar deve utilizar-se um Flash. Como
consequência, essa luz geralmente muito forte, costuma resultar numa
iluminação muito dura que torna os rostos excessivamente brancos e olhos
vermelhos.
Se tiver a sorte de ter um flash externo (Só nas reflex, as compactas têm
flash integrado) então já poderá dominar esta fonte de luz e a maneira de
suavizar o seu efeito.

Dicas importantes:
-De preferência fotografe sempre com flash até naqueles dias de sol em
que as pessoas se colocam á sombra ou utilizam chapéus capazes de
projectar sombra sobre os rostos e estragar uma boa foto.
-Quando fotografar de perto, se puder dirija o flash para o tecto e coloque
um pequeno cartão branco no seu topo para reflectir alguma luz para a
frente. A reflexão de luz vinda do tecto ajudará a dar uma nova vida ao
ambiente
-Se o flash for do tipo fixo, experimente fixar com fita-cola um pedaço de
papel vegetal á frente do flash para difundir a luz.
15
Fotografia em condições especiais

Noite
Neste campo habita o fantástico num mundo de sombras e cores
completamente diferentes da realidade diurna, que só nos é revelado
fotografando sem flash na maior parte dos casos.
Sem flash somos obrigados a baixar a velocidade do obturador, e quanto
mais mais baixa for, maior o risco da fotografia ficar tremida pelo que
devemos observar algumas regras essenciais:

1. Fotografar obrigatoriamente com um tripé, ele irá dar-nos uma


ajuda preciosa mantendo a máquina absolutamente imóvel;
2. Fotografe em Manual , dessa forma teremos o controlo absoluto da
máquina;
3. Quanto menos luz, mais tempo de exposição a máquina vai precisar.
Faça várias tentativas, com diferentes tempos de exposição até
acertar no correcto;
4. Não toque na máquina enquanto faz o disparo. Utilize o
temporizador ou o cabo de disparo;
5. Não use o flash! Ou se necessário faça-o só se for imprescindível.
Deixe vir ao de cima toda uma gama de tonalidades que só se dará a
conhecer dessa maneira
16

Pôr-do-sol

Um dos temas mais emblemáticos e procurados pelos apaixonados da


fotografia.
Tente chegar ao local onde pretende fotografar cerca de 30 minutos antes
para ter tempo de planear tudo.
Lembre-se que a máquina está equilibrada para a luz de dia normal, no
entanto o pôr-do-sol é uma enorme dominante cor, que produz magníficos
tons quentes que irão iludir o sensor. Devemos utilizar uma definição
programada para céu nublado ou sombra para intensificar as cores.
Se puder escolha locais onde exista água (Montargil, Maranhão …) para que
as cores intensas do céu fiquem reflectidas sobre a superfície.
Á medida que o sol for desaparecendo não desista…normalmente a auréola
que ainda fica sobre o horizonte enche de cor tudo a seu redor. Recorde
que a luz perdendo a força deve utilizar Tripé pois irá aumentar o tempo de
exposição.
Para fotografar pessoas na linha do horizonte utilize sempre o Flash,
excepto quando pretenda recortar as suas silhuetas a negro contra o fundo
vermelho.
17
Fogo de Artificio

Tema de difícil captação por se encontrar num fundo absolutamente negro


do céu, sem pontos de referência.
Uma das hipóteses é ir observando o local das explosões e fazer a focagem
numa delas. Quando acontecer o momento que espera faça o disparo.
Tente experimentar a nossa pequena cábula…
• Opção manual
• ISO 100
• Abertura média (~F8)
• Exposição (entre 3’ e 8’)
• Utilização obrigatória de tripé, cabo disparador ou relógio
temporizador

NOTA: Não tente fazer isto á mão…


18
Cuidados com o Equipamento

-Mantenha o seu equipamento guardado dentro de um saco ou


mochila respirável.
-Coloque alguns pequenos sacos de sílica junto ao equipamento
para lhes retirar a humidade.
-Limpe regularmente as lentes c/ um líquido apropriado para
retirar dedadas.
-Nunca utilizar detergentes domésticos para limpeza do
equipamento.
-Limpar unicamente c/ um pano macio sem pêlos (preferência
lençol velho)
-Nunca deixe as pilhas dentro da sua máquina ou flash. Se elas
rebentarem o ácido da sua composição destruirá o equipamento.
-Utilize unicamente pilhas de boa qualidade. Caso contrário
poderá sofrer avarias por problemas de tensão causada por
pilhas defeituosas.
-Na praia nunca deixe o equipamento ao sol.
-Evite abrir a máquina na praia. Lembre-se que esse ambiente
está carregado de pó e salitre do mar e qualquer um desses
elementos é francamente nocivo para o equipamento.
Truques e dicas

-Revele os seus rolos fotográficos quanto antes. Depois de terem


sido expostos á luz (fotografados) a emulsão vai deteriorando-se
gradualmente e irá provocar problemas de qualidade alguns
meses depois.
-Imprima as suas melhores fotos digitais. Tenha sempre em
mente que todo e qualquer cartão de memória É VIRTUAL, assim
como os suportes em cd/ dvd/ ou hard disc também o são. Por
conseguinte corre-se um sério risco de acidentalmente, por
avaria ou vírus, perder-se todas as imagens armazenadas,
constituindo por isso uma perda irreparável para o utilizador.
-Quando está a transferir imagens da sua máquina fotográfica
para o computador, nunca dê instruções ao seu computador para
alterar ou anular imagens durante a transferência. Faça-o
posteriormente quando tiver criada uma pasta com essas fotos.
-Lembre-se que a eliminação ou alteração de ficheiros devem se
sempre realizados no equipamento que lhes deu origem.
-Não se esqueça de activar o seu flash quando, em dias de sol,
todos estiverem á sombra.
-A máquina fotográfica e seus componentes são instrumentos de
precisão e devem ser manuseados com todo o cuidado.
-Quando quiser fotografar o por do sol faça-o quando conseguir
olhar para ele. Se os seus olhos conseguem fazê-lo a sua máquina
também o fará.
-O número ISO significa a sensibilidade á luz, dos rolos
fotográficos. Quanto maior o valor, mais sensível á luz ( ex: 400
asa /iso é mais sensível que 100 asa ). Artificialmente as
máquinas digitais também utilizam o nº ISO para terem
possibilidade de alterar a sensibilidade para as diferentes
variações de luz.

19
Modo Retrato
Este programa, utilizando uma maior abertura do diafragma
desfoca o fundo, concentrando toda a acção e nitidez no primeiro
plano. É utilizado normalmente para fotografar rostos ou outros
motivos que exijam uma reduzida profundidade de campo.
Modo Retrato Nocturno
Ilumina o motivo em primeiro plano enquanto a exposição é
prolongada para captar também a luz ambiente. É utilizada em
fotografia nocturna onde exista iluminação ( Ex: ruas na época
natalícia; monumentos iluminados, etc.) Deve ser utilizado um
tripé, cabo disparador ou temporizador.
Modo Desporto/Acção
Neste programa é usada uma maior velocidade do obturador para
“congelar” o movimento, permitindo na maioria dos casos o
disparo continuo para captar o objecto que se desloca ( Ex:
Desportos motorizados, futebol, etc).
Modo Paisagem
Tende a melhorar a saturação dos verdes e aumenta o nível de
nitidez para melhorar os contornos regulando-se para o infinito.
( Ex: utilização exclusiva em paisagens, não utilizar com objectos
em primeiro plano).
Modo sem Flash
Desliga automaticamente o flash para trabalhar apenas com a luz
ambiente. (Ex: museus ou outros lugares onde não permitam
flash). Utilizar tripé, cabo disparador ou temporizador.
Modo Temporizador ( relógio)
Permite o disparo após algum tempo definido pelo fabricante.
Deve ser utilizado no retrato nocturno ou quando o utilizador
também pretende ficar na fotografia.

11
Modos de Disparo

Modo Programa (automático)


O nome diz tudo. Todas as máquina fotográficas da
actualidade possuem um programa de fábrica que faz quase tudo
automaticamente, utilizando os sensores de luz e o sistema auto-
focus para receberem informação e regularem-se para as
condições existentes no momento.

Nota muito importante :

A focagem automática, ou auto-focus, é activada pela suave


pressão do dedo sobre o botão de disparo da máquina
fotográfica, e é obrigatório fazê-lo sempre dessa forma. Quando
acender a luz avisadora do foco, ou receber informação no visor
ou display de que a focagem está feita, sem levantar o dedo,
continue a premir o botão até ao fim para efectuar o disparo.
Recorde que, se não der tempo á sua máquina para efectuar o
auto-focus, as imagens daí resultantes sairão inevitavelmente
desfocadas e na maioria das vezes inutilizadas.

10