Sie sind auf Seite 1von 16
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Laboratório de Desenvolvimento de Protótipos BELO HORIZONTE DEZEMBRO

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Laboratório de Desenvolvimento de Protótipos

BELO HORIZONTE DEZEMBRO – 2006

Kenner de Almeida Maia Fillippe Alerson Frade Costa

ÍNDICE

ÍNDICE

2

INTRODUÇÃO

3

FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO

4

PROGRAMA

5

FABRICAÇÃO DA PLACA

8

Método

Térmico

10

Método

Fotográfico

13

INTRODUÇÃO

As placas de circuito impresso constituem-se em componentes fundamentais dos produtos que fazem parte do complexo eletrônico. Sua presença é, ainda, um indicador da utilização da eletrônica num produto de qualquer setor. Desenvolver uma placa de circuito impresso significa saber especificar – e comprar – todo o conjunto de componentes eletrônicos, desde o mais simples resistor ao mais complexo circuito

integrado. Com a ajuda do Programa KiCad podemos desenvolver placas de circuito impresso com uma grande qualidade e exatidão, alem de ser um processo muito mais rápido que o convencional. Com o programa também podemos desenvolver placas de face única e dupla face, com isso

Alem disso ele é um programa FREE e que todos os

alunos de engenharia podem ter acesso em sua casa.

podendo fazer circuitos mais complexos

FUNCIONAMENTO DO LABORATÓRIO

Nesse segundo semestre de 2006 o Laboratório de Desenvolvimento de Protótipos foi aberto e tendo com orientador do projeto o Professor Martinho, com o propósito de ajudar os alunos da Engenharia em geral e os laboratórios do IPUC na fabricação de Placas de Circuito Impresso. Foram contratados os monitores Kenner de Almeida Maia e Fillippe Alerson Frade Costa que passaram por um período de aprendizagem com o Professor Elton que já tinha um conhecimento sobre o programa KICAD. No começo do projeto fizemos muitas pesquisas sobre qual programa poderíamos estar adotando para o funcionamento do laboratório. Optamos por usar o KICAD por ser um programa FREE e que todos os alunos poderiam ter acesso a ele em sua casa, e também por ter um manual muito didático, pois mesmo que a pessoa não tenha nenhum conhecimento sobre o programa irá conseguir fazer uma placa. O Laboratório de Desenvolvimento de Protótipos funcionou esse semestre em vários horários para atender todos os cursos de engenharia, com isso tivemos uma grande demanda de alunos para aprender a usar o programa, e um outro ponto muito importante foi também foi a convivência com alunos de outros cursos trabalhando juntos, pois muitas vezes uma duvida que um aluno tinha no laboratório e os monitores estavam ocupados, os próprios alunos estavam ajudando uns aos outros. No começo para divulgação do programa estavam ocorrendo mini palestras no laboratório para que os alunos tivessem uma noção do trabalho que estávamos desenvolvendo, na parte da tarde atendemos os alunos de Engenharia Mecatrônica, Engenharia de Controle e Automação e Engenharia Eletrônica. Já os alunos do curso Engenharia Eletrônica do turno da noite marcamos a mini palestra ao sábado para dar também oportunidade as pessoa que trabalham e estudam.

PROGRAMA

Para entendimento do funcionamento deste processo suponha o modo que usávamos para a fabricação do circuito, primeiro pegamos o circuito do projeto e simulávamo-lo em um programa, depois de simulado fazíamos o desenho em que queríamos em uma folha qualquer para servir de referência para fazer o desenho, o terceiro passo era pegar a canetinha de reto projetor e começar a faze o desenho na placa de fenolite, se a pessoa que estava fazendo as trilhas não tivesse uma mão firme poderia acontecer das trilhas ficarem tortas. Agora com o Programa KICAD, a fabricação de placas de circuito impresso esta um pouco mais fácil, pois o programa tem uma didática muito fácil e também possui um manual que explica passo a passo a fabricação de uma placa. A primeira janela que temos quando abrimos o KICAD (fig. 1), podemos ver que possui varias funções dentro de um mesmo programa.

o KICAD (fig. 1), podemos ver que possui varias funções dentro de um mesmo programa. (Tela

(Tela inicial do KICAD, fig. 1)

O primeiro passo para a produção de uma placa é fazer o desenho do circuito elétrico do projeto no programa, e esse desenho devera ser feito com muita atenção porque ele será a base de todo o projeto. Depois do desenho feito e conferido passamos pro segundo passo que é associar os componentes aos módulos usados no KICAD, isso quer dizer que vamos falar pro programa por exemplo “ que o capacitor C1 é um capacitor eletrolítico”( fig. 2).

o capacitor C1 é um capacitor eletrolítico”( fig. 2). (Dando nome aos componentes, fig. 2) O

(Dando nome aos componentes, fig. 2)

O terceiro é ultimo passo e o desenho das trilhas para a confecção das placas, logo após ter dado nome aos componentes vamos para a janela onde iremos fazer o layout do desenho, esse por sua vez é a parte mais importante, pois o desenho feito será impresso e depois passado para a placa (fig. 3).

( Trilhas prontas para impressão, fig. 3) O programa esta disponível na pagina

( Trilhas prontas para impressão, fig. 3)

O programa esta disponível na pagina http://www.lis.inpg.fr/realise_au_lis/kicad/ e seu manual no pagina http://www.reniemarquet.cjb.net/kicad.htm#porque .

FABRICAÇÃO DA PLACA

Primeiramente pegamos o circuito elétrico do projeto e desenhamos no KiCad ( fig. 4), logo após damos nome aos componentes e geramos sua Netlist, depois da netlist gerada vamos para o editor de layout onde vamos ver como nossa placa vai ficar.

editor de layout onde vamos ver como nossa placa vai ficar. (fig. 4) O KiCad possui

(fig. 4)

O KiCad possui a função de autorotear a placa onde suas trilhas já são ligadas todas direto, logo após esse roteamento podemos ver a placa já pronta para ser impressa em algum tipo de papel ou transparência (fig. 5). Com isso temos uma visão de como o nosso projeto ira ficar.

em algum tipo de papel ou transparência (fig. 5). Com isso temos uma visão de como

(fig. 5)

Podemos ver também através do KICAD uma visão 3D do projeto (fig. 6), o que é muito interessante pois, podemos ver como os componentes estão distribuídos na placa e também se estarmos aproveitando toda a placa, ou se podemos aproveitar melhor o espaço da mesma.

a placa, ou se podemos aproveitar melhor o espaço da mesma. (fig. 6) Depois de tudo

(fig. 6)

Depois de tudo conferido vamos para o modo de impressão onde teremos a placa pronta para ser impressa e ser passada para a placa de fenolite (fig. 7). Essa impressão deve ser feita em impressora a Laser.

para ser impressa e ser passada para a placa de fenolite (fig. 7). Essa impressão deve

Método Térmico

(fig. 7)

1.º Passo – Desenhe o layout do circuito utilizando qualquer software para circuitos eletrônicos; o laboratório utiliza o KICAD. Caso você já tenha o desenho em algum formato de imagem, pode utilizá-lo normalmente. Imprima com impressora laser o desenho em uma folha de papel fotográfico para impressora jato de tinta (eu tenho utilizado com excelentes resultados o papel EPSON código S041117) e verifique se o tamanho e as trilhas estão corretos.

e verifique se o tamanho e as trilhas estão corretos. 2.º Passo – Prepare a placa

2.º Passo – Prepare a placa limpando a superfície de cobre de sujeira, oxidação e gordura, utilize algum produto químico ou se preferir, passe lã de aço (Bom-Bril) que dá o mesmo resultado. Coloque o papel com a face impressa sobre a placa já cortada no tamanho exato.

(Bom-Bril) que dá o mesmo resultado. Coloque o papel com a face impressa sobre a placa

3.º Passo – Com um ferro de passar roupas bem quente( ± 200°C ), pressione o papel sobre a placa, não é necessário friccionar, apenas faça pressão por aproximadamente 2 minutos. Escolha bem a superfície onde vai apoiar a placa, evitando estragar alguma superfície com o calor do ferro. Cuidado também para não exagerar ao fazer pressão e acabar danificando o ferro de passar.

ao fazer pressão e acabar danificando o ferro de passar. 4.º Passo – Feito isso, o

4.º Passo – Feito isso, o toner impresso no papel estará preso no cobre da placa. NÃO caia na tentação de puxar o papel nesse momento; calma, ainda restam alguns passos. Prepare uma pequena vasilha com água quente e um pouco de detergente, quantidade suficiente para cobrir a placa. Mergulhe sua placa na água e aguarde cerca de 5 minutos. Isso irá amolecer o papel e facilitar sua retirada.

a placa. Mergulhe sua placa na água e aguarde cerca de 5 minutos. Isso irá amolecer

5.º Passo – Agora sim é a hora de retirar o papel. Friccione as pontas dos dedos sobre ele - não é preciso muita força -, pois o papel molhado é fácil de sair. Se for preciso molhe algumas vezes a placa na água da panela e vá fazendo o movimento com os dedos até retirar todo o papel.

fazendo o movimento com os dedos até retirar todo o papel. 6.º Passo – Proceda a

6.º Passo – Proceda a corrosão do cobre não protegido pelo toner. Após a corrosão ele é retirado com auxílio mais uma vez da lã de aço. Passe uma fina camada de verniz protetor, perfure a placa e ela está pronta, tão perfeita quanto a produzida por métodos profissionais.

(para a corrosão utilizar percloreto de ferro ou outro que poderá ser adquirido nas lojas de eletrônica).

outro que poderá ser adquirido nas lojas de eletrônica). Para placas de dupla face, primeiramente faça

Para placas de dupla face, primeiramente faça um lado seguindo os seis passos descritos, porém na hora da corrosão proteja o lado sem toner com adesivo tipo papel contact, perfure a placa para ter referências na outra face e proceda novamente os seis passos, protegendo na hora da corrosão a face já pronta.

Atenção: Esse processo só funciona com impressões feitas a partir de uma impressora a laser, pois utilizam o toner na impressão que possui partículas metálicas que ficarão aderidas no cobre durante o aquecimento com o ferro de passar; portanto impressoras jato de tinta não funcionam. Acredito que uma cópia em máquinas de xérox deva dar o mesmo resultado, já que seu processo de impressão utiliza também o toner.

Já tentei várias maneiras para fazer minhas placas em casa, sem dúvida essa foi o melhor que encontrei, surpreendendo pelo resultado obtido. Tendo em vista também um outro processo muito eficiente, sugiro a confecção das placas pelo método fotográfico (descrito abaixo).

Método Fotográfico

“O que proponho aqui é um método bem barato e que dá resultados bastante razoáveis utilizando materiais facilmente encontrados no mercado. Só iremos precisar de um tubo (40g) de cola branca - à base de PVA - e um pouco de dicromato de potássio. “

1 º Passo - Imprima o desenho da placa em negativo (i.e. fundo preto e trilhas em branco) sobre um filme transparente, ou então o imprima no papel e depois tire um xérox (ou outro processo que utilize toner sólido) dele em filme de poliéster. Lembre-se de imprimir a imagem ESPELHADA, isto é, como vista pelo lado dos componentes. Detalhe: Não use trilhas ou espaçamentos menores que 0,5mm.

isto é, como vista pelo lado dos componentes. Detalhe : Não use trilhas ou espaçamentos menores

2 º Passo - Prepare a solução fotográfica:

Consiga um pouco de dicromato de potássio (K2Cr2O7) - encontrado em casas de material de silk screen - e prepare uma solução saturada deste sal em água. (1 colher de sobremesa de sal em um tubo de filme fotográfico cheio de água. Chacoalhe até cansar e mesmo assim ficará um pouco de sal no fundo). CUIDADO AO MANUSEAR, POIS PRODUTOS COM CROMO SÃO TÓXICOS. TOME AS PRECAUÇÕES NECESSÁRIAS! Adicione aproximadamente 1 ml desta solução num tubo (40g) de cola branca. Misture bem.

desta solução num tubo (40g) de cola branca. Misture bem . Aqui, uma gota de solução

Aqui, uma gota de solução salina em meia tampa de filme fotográfico 35 mm.

Não coloque muita solução na cola, pois senão ela ficará muito fina e será difícil "esticá-la" sobre a placa. Como esse preparado é fotossensível, lembre-se de prepará-lo e manuseá-lo em sala escura!

Detalhe sobre a cola: Utilize cola a base de PVA que seja lavável (Tenaz Azul funciona bem). Não utilize colas com plastificante (tipo Cascorex), pois estas NÃO SAEM com água depois de secas.

funciona bem). Não utilize colas com plastificante (tipo Cascorex), pois estas NÃO SAEM com água depois

º Passo - Pinte uma fina camada desta cola sobre a placa de circuito impresso virgem e deixe secar por completo numa gaveta ou outro local escuro.

3

4- º Passo - Coloque o desenho sobre a placa - com a face pintada em contato com a placa - e prenda-os entre duas placas de vidro e exponha o conjunto ao sol por aproximadamente 2 minutos. O tempo variará conforme a concentração da solução e da luz solar. Apenas as porções da cola que receberão sol polimerizarão num composto não-solúvel em água.

5 º Passo - Lave a placa em água corrente para remover a cola que não recebeu sol. A placa está

pronta para corrosão em percloreto. Se necessário, use uma pequena escova ou bucha para auxiliar na remoção, mas não esfregue muito forte. Fique esperto durante o processo de corrosão pois em

alguns casos as trilhas se levantam no final do processo e aí você pode perder tudo.

levantam no final do processo e aí você pode perder tudo. E aqui está a placa

E aqui está a placa pronta para furação e montagem. Às vezes são necessários alguns retoques antes da corrosão, mas todo cuidado é pouco. Use um estilete bem afiado e cuidado para não erguer as trilhas, pois assim o percloreto entra por baixo da cola e fura a trilha.

Abaixo os erros mais comuns e suas causas

Abaixo os erros mais comuns e suas causas Excesso de luz ou cola com muito sal.

Excesso de luz ou cola com muito sal. Até a porção que não tomou luz secou.

com muito sal. Até a porção que não tomou luz secou. Desenho do lado errado. O

Desenho do lado errado. O toner deve ficar virado para baixo, em contato com a placa para não "vazar" luz.

em contato com a placa para não "vazar" luz . Pouca luz ou solução fraca. As

Pouca luz ou solução fraca. As trilhas saem ao serem lavadas.

Outros problemas comuns (sem foto, entretanto):

- A camada de cola se cristaliza ao secar, mesmo no escuro. Causa: Muito sal na cola.

- A imagem grava, mas não sai ao ser lavada. Causa: Cola com plastificante.

- A imagem grava, mas sai tudo ao lavar. Causa: Pouca luz ou paciência na hora de lavar.