Sie sind auf Seite 1von 29

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

19 a 22 de março de 2012 | Foz do Iguaçu-PR

Sobre o Evento

Apresentação

A metodologia aplicada na realização do Congresso Brasileiro de Pregoeiros, a troca de experiências, de conhecimentos e as inovações das práticas tornaram este evento um ícone no cenário nacional, no que diz respeito à capacitação dos agentes de compras públicas.

Tudo pelo Pregoeiro

Com recorde de público a cada nova edição, o 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros foi estruturado para levar a maior quantidade possível de conhecimento com qualidade, possibilitando melhoria no desempenho, qualificação e avanços dos atos e práticas nas compras públicas, em especial ao Pregoeiro, hoje o principal agente público nas licitações.

Objetivo

Difundir e atualizar os conhecimentos necessários à realização de certames licitatórios eficazes, que garantam observância ao princípio da economicidade e que, sobretudo, atendam ao interesse público.

Carga Horária

O 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros terá 26 (vinte e seis) horas de capacitação.

Investimento

R$ 2.985,00 por participante. Ligue e solicite uma proposta personalizada. Fone: (41) 3778-1706 – Fax: (41) 3778-1752

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

falecom@npeventos.com.br

Pagamento

O pagamento da inscrição deverá ser efetuado em nome de NP EVENTOS E SERVIÇOS LTDA (CNPJ 07.797.967/0001-95). Nos seguintes bancos credenciados:

Banco do Brasil Agência: 6992-2 Conta Corrente: 463-4. Agência: 6992-2 Conta Corrente: 463-4.

Caixa Econômica Federal Agência: 0372 Op.: 003. Conta Corrente: 724-0 Agência: 0372 Op.: 003. Conta Corrente: 724-0

Local do Evento

0372 Op.: 003. Conta Corrente: 724-0 Local do Evento Av. das Cataratas, 3175 CEP 85853-000 Foz

Av. das Cataratas, 3175 CEP 85853-000 Foz do Iguaçu - Paraná - Brasil Tel: 55 45 3521 2000 / Fax: 55 45 3529 6361

Planta

- Auditório principal para aproximadamente 2 mil pessoas;

- Stands para expositores/fornecedores públicos;

- Salas exclusivas para oficinas de capacitação e treinamento;

- Público estimado: 2.000 pessoas.

Estrutura Operacional

10.000m2 de área totalmente planejada para tornar o evento uma experiência memorável. A maior infraestrutura do Paraná, com capacidade para mais de 5.000 pessoas. E tudo isso com o padrão de excelência Mabu em estrutura e serviços para eventos.

Material Didático

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Material exclusivo elaborado para o evento, incluindo o material de apoio para as oficinas, Livro de Legislação atualizado e acesso a conteúdo complementar das palestras ministradas.

O material será entregue na secretaria do evento no ato do credenciamento.

Palestrantes

secretaria do evento no ato do credenciamento. Palestrantes Joel de Menezes Niehbur Currículo Doutor em Direito

Joel de Menezes Niehbur

Currículo

Doutor em Direito Administrativo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina; Advogado especialista em licitação pública, contrato administrativo e demandas ambientais; Professor de Direito Administrativo nas Escolas da Magistratura do Tribunal de Justiça de Santa Catarina e do Ministério Público de Santa Catarina.

Santa Catarina e do Ministério Público de Santa Catarina. Jorge Ulisses Jacoby Currículo Advogado, mestre em

Jorge Ulisses Jacoby

Currículo

Advogado, mestre em direito público, professor de direito administrativo, escritor, consultor, conferencista e palestrante. Além das experiências descritas acima, tem ainda, as desenvolvidas ao longo de sua carreira no serviço público: Conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal, Procurador e Procurador-Geral do Ministério Público junto ao TCDF, Juiz do Trabalho do TRT/10ª Região, Advogado e Administrador Postal da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.

Postal da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Benjamin Zymler

Benjamin Zymler

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Currículo

Ministro do Tribunal de Contas da União desde 2001, onde ingressou no cargo de Ministro-Substituto em 1998 por meio de concurso público de provas e títulos. Mestre em Direito e Estado pela Universidade de Brasília, com vasta experiência em Direito Administrativo e Direito Constitucional. Ministrou cursos na Escola da Magistratura do Distrito Federal e Territórios, Escola da Magistratura do Trabalho, Escola Superior do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, Instituto Superior de Brasília - IESB, Centro Universitário de Brasília - UniCeub, Instituto Serzedello Corrêa, entre outros. É autor das obras “Direito Administrativo e Controle”, “O Controle Externo das Concessões de Serviços Públicos e das Parcerias Público-Privadas", “Direito Administrativo” e “Política & Direito: uma visão autopoiética”. Formado em Engenharia Elétrica pelo Instituto Militar de Engenharia - IME e em Direito pela Universidade de Brasília.

- IME e em Direito pela Universidade de Brasília. Mario Spinelli Currículo Mestre em Administração

Mario Spinelli

Currículo

Mestre em Administração Pública. Secretário de Prevenção da Corrupção e Informações Estratégicas da CGU. Professor em cursos de pós-graduação. Professor da disciplina "Fraudes em Licitações e Contratos Administrativos" no Programa Nacional de Capacitação para o Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro. Membro titular do grupo de trabalho que elaborou a nova legislação federal que regulamentou os Convênios e Contratos de Repasse. Autor de estudos acadêmicos e obras sobre corrupção, sendo as mais recentes participação nos livros "Corrupção: Ensaios e Críticas", publicado pela UFMG e "Lei de Responsabilidade Fiscal – Ensaios em Comemoração aos 10 anos da Lei Complementar n.º 101/00", publicado pela Editora Fórum. Premiado, em 2009, pelo CLAD (Centro Latinoamericano de Administração para o Desenvolvimento) em concurso internacional, em função de haver desenvolvido pesquisa sobre a importância da participação dos cidadãos no controle das ações do governo como forma de prevenção da corrupção.

ações do governo como forma de prevenção da corrupção. Paulo Rui Barbosa Currículo Bacharel em Ciências

Paulo Rui Barbosa

Currículo

Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Cursou Matemática na PUC-RS e Engenharia Mecânica na UNISINOS. Recebeu certificado de Capacitação de Pregoeiros, dentro dos padrões estabelecidos pelo Ministério do Planejamento e participou também de diversos cursos de especialização na

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

área de licitações e contratos administrativos. Desenvolveu atividades como coordenador do departamento técnico de empresa de assessoria, consultoria e

informações sobre licitações, e também foi colaborador, redator, de artigos em revistas especializadas em licitações e contratos. Autor do Livro “Sistema de Registro de Preços

– SRP” usado como ferramenta no III Congresso Brasileiro de Pregoeiros em Foz do Iguaçu.

no III Congresso Brasileiro de Pregoeiros em Foz do Iguaçu. Simone Zanotello Currículo Advogada, escritora, professora

Simone Zanotello

Currículo

Advogada, escritora, professora universitária e consultora jurídica na área de licitações e contratos administrativos. Especialista em Direito Administrativo pela PUC-SP e extensão em Administração Pública. Mestra em Direito da Sociedade da Informação pela UniFMU- SP. Diretora Técnico-Administrativa da Secretaria de Administração da Prefeitura de Jundiaí-SP. Autora das obras: “Redação: reflexão e uso – Ed. Arte & Ciência”, “Recursos administrativos – Ed. Negócios Públicos” e “Manual de redação, análise e interpretação de editais de licitação – Ed. Saraiva”.

de editais de licitação – Ed. Saraiva”. Paulo Sérgio de Monteiro Reis Currículo Bacharel em

Paulo Sérgio de Monteiro Reis

Currículo

Bacharel em Direito e Engenheiro Civil, com mais de 42 anos de experiência na Administração Pública, especialmente em processos de contratação de bens e serviços, como Presidente de Comissão de Licitação, Pregoeiro, Diretor-Geral de Tribunal Eleitoral

e Diretor de Departamento de Engenharia, entre outras. Professor aposentado da

Universidade Federal do Pará. É doutrinador na área de licitações e contratos administrativos, sendo colaborador de diversas revistas especializadas na área. Ministra cursos, seminários, workshops e outros eventos em diversos Estados da Federação.

e outros eventos em diversos Estados da Federação. Gerson dos Santos Currículo

Gerson dos Santos

Currículo

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Administrador de Empresas com especialização em Administração de Material, Consultor na área de Administração de Material em diversas organizações públicas e privadas, Autor de cinco livros sobre a área Patrimonial e de Almoxarifados.

cinco livros sobre a área Patrimonial e de Almoxarifados. Rosane Memória Aguiar Currículo Engenheira Civil pela

Rosane Memória Aguiar

Currículo

Engenheira Civil pela Universidade de Fortaleza (1996).e de Almoxarifados. Rosane Memória Aguiar Currículo Pós Graduada em Gestão e Tecnologia de Obras Civis

Pós Graduada em Gestão e Tecnologia de Obras Civis -Universidade Federal doEngenheira Civil pela Universidade de Fortaleza (1996). Ceará(2008). Membro do Instituto Brasileiro de Auditoria de

Ceará(2008).

Membro do Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas(IBRAOP).de Obras Civis -Universidade Federal do Ceará(2008). Consultora e Palestrante na área de Licitação e

Consultora e Palestrante na área de Licitação e Contratação de Obras e Serviços de Engenharia.Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas(IBRAOP). Atua como docente em Pós-Graduação,Treinamentos,Cursos e

Atua como docente em Pós-Graduação,Treinamentos,Cursos e Seminários em Faculdades e empresas nacionais na área de Capacitação de Gestores do Setor Público.(Consultre e One Cursos)e Contratação de Obras e Serviços de Engenharia. Palestrante do Grupo Negócios Públicos – Curitiba PR

Palestrante do Grupo Negócios Públicos – Curitiba PR (Empresas Capacitação Legal,Negócios Públicos e Licidata).de Gestores do Setor Público.(Consultre e One Cursos) Atuou durante 10 anos no Setor Privado na

Atuou durante 10 anos no Setor Privado na área de Obras Civis, como Engenheira Controller de Planejamento e Monitoramento de Qualidade em Projetos e Obras de Engenharia.Capacitação Legal,Negócios Públicos e Licidata). Coordenou desde 2008 o Setor de Infraestrutura em Projeto de

Coordenou desde 2008 o Setor de Infraestrutura em Projeto de Desenvolvimento Urbano com financiamento internacional do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) na Secretaria das Cidades, junto ao Governo no Estado do Ceará.de Qualidade em Projetos e Obras de Engenharia. Atua como Consultora na área de Projetos, Licitações

Atua como Consultora na área de Projetos, Licitações e Contratos de Obras, e possui diversas publicações nos principais periódicos e congressos técnico-científicos na referida área.das Cidades, junto ao Governo no Estado do Ceará. Atualmente na Procuradoria Geral do Estado do

Atualmente na Procuradoria Geral do Estado do Ceará (PGE) chefiando o Setor de Avaliações e Perícias, membro da Central de Licitações, e apoio ao setor de Patrimônio e Meio Ambiente.e congressos técnico-científicos na referida área. Alessandro Kozics Reis Currículo Atua na Elaboração de

e apoio ao setor de Patrimônio e Meio Ambiente. Alessandro Kozics Reis Currículo Atua na Elaboração

Alessandro Kozics Reis

Currículo

Atua na Elaboração de Projetos, capacitado pelo SEBRAE/NA, desde agosto de 2007 e especificamente para captação de recursos, por meio das Transferências Voluntárias pelo Ministério do Orçamento, Planejamento e Gestão, desde agosto de 2008.

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Inicia, em 1994, estudos na Gestão Pública, assessoramento para prefeitos e atendimento técnico para os Municípios , ampliando o atendimento para servidores do Estado e Federações de Municípios no ano de 2005, pela Confederação Nacional de Municípios. Desde 2008, ministra cursos para que os servidores públicos, os agentes sociais e as entidades sem fins lucrativos tenham autonomia ao utilizarem uma metodologia adequada para a proposição de um projeto.

Experiência baseada em cursos ministrados entre o Rio Grande do Sul, pela Escola de Gestão Pública da FAMURS, pela Escola de Governo da FDRH - Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos, em Santa Catarina pela FECAM - Federação Catarinense de Municípios, em Rondônia pela Associação Rondoniense de Municípios, no Rio de Janeiro pela AEMERJ - Associação de Municípios e FIRJAN. No grupo Negócios Públicos ministra capacitações sobre o Portal de Convênios para concedentes e convenetes, Desenvolve junto ao Consórcios públicos trabalho de planejamento estratégico para captação de recursos. Totaliza mais de 130 turmas no Portal de Convênios em todo país.

mais de 130 turmas no Portal de Convênios em todo país. Marcus Alcântara Currículo Bacharel em

Marcus Alcântara

Currículo

Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Sergipe – UFS. Pós graduado em Perícia Contábil pela Fundação Visconde de Cairu, Salvador/BA. Pós graduado em Gestão Estratégica de Pessoas pela Faculdade de Negócios de Sergipe – FANESE. Professor dos cursos de "Licitações e Contratos" e "Pregão Presencial e Eletrônico" do SENAC/SE. Secretário de Controle Interno do TRT da 20ª Região - Sergipe. Pregoeiro desde 2001.

do TRT da 20ª Região - Sergipe. Pregoeiro desde 2001. Luciano Elias Reis Currículo Formado em

Luciano Elias Reis

Currículo

Formado em Direito pela Faculdade de Curitiba Especialista em Processo Civil pelo

Instituto de Direito Romeu Felippe Bacellar Especialista em Direito Administrativo pelo Instituto de Direito Romeu Fellipe Bacellar Mestre em Direito Administrativo na PUC – PR

.

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Daniel Ferreira Currículo É laureado pela Faculdade de Direito de

Daniel Ferreira

Currículo

É laureado pela Faculdade de Direito de Curitiba (FDC - 1993), Mestre (PUCSP - 1999) e Doutor (PUCSP - 2008) em Direito do Estado (Direito Administrativo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, além de graduado em Engenharia Industrial Elétrica pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR - 1988). Atualmente é diretor acadêmico do Instituto Brasileiro de Estudos da Função Pública (IBEFP), membro do Instituto Brasileiro de Direito Administrativo (IBDA), do Instituto Internacional de Estudos de Direito do Estado (IIEDE), do Instituto Paranaense de Direito Administrativo (IPDA) e do Instituto dos Advogados do Paraná (IAP). Ex-Coordenador (2009-2011) e, ainda, professor do Corpo Docente Permanente do Mestrado em Direito Empresarial e Cidadania do Centro Universitário Curitiba (UNICURITIBA); ex-Coordenador (2001-2003) e ex-Chefe do Departamento de Direito Público (1999-2001) da Faculdade de Direito de Curitiba (do UNICURITIBA), na qual é Professor Titular de Direito Administrativo (desde 1996). É, também, parecerista e sócio-fundador do FERREIRA & KOZICKI DE MELLO Advogados Associados (desde 1996), onde exerce a advocacia consultiva e contenciosa. Atua, principalmente, com os seguintes temas: poder de polícia; infrações e sanções administrativas; serviço público; parcerias público-privadas; agências reguladoras; processo administrativo geral, sancionador e disciplinar; licitações e contratos administrativos; sustentabilidade; desenvolvimento sustentável; função social da propriedade, da empresa, do contrato, das licitações e dos contratos administrativos; direito empresarial.

e dos contratos administrativos; direito empresarial. Paulo Teixeira Currículo Advogado, graduado em Ciências

Paulo Teixeira

Currículo

Advogado, graduado em Ciências Jurídicas e Sociais, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS, Presidente da Comissão Permanente de Licitação e Pregoeiro Oficial da PROCERGS – Cia. De Processamento de Dados do Rio Grande do Sul. Há 9 anos atua na área de compras governamentais, tendo realizado mais de 600 sessões de Pregão. Articulista da Revista O Pregoeiro. Instrutor de diversos cursos sobre Licitações, junto ao Grupo Negócios Públicos.

cursos sobre Licitações, junto ao Grupo Negócios Públicos. www.negociospublicos.com.br/congresso/print.php 8/29

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Jonas Lima

Currículo

Advogado especialista em licitações internacionais, sócio do escritório Lima & Curvello Rocha Advogados, ex-assessor da Presidência da República, possui mais de 17 anos de atuação em contratos governamentais, é autor de 5 livros, entre eles "Governança de TI Aplicada a Administração Pública" (Editora Negócios Públicos) e o bilíngüe Licitação Pública Internacional no Brasil / International Public Bidding in Brazil (Editora Negócios Públicos), co-autor do guia legal How To do Governmental Contracts in Brazil (da série How To do Business in Brazil 2010, da Câmara Americana de Comércio AMCHAM), ministrou quase 100 treinamentos em 17 estados brasileiros e 3 norte-americanos, para mais de 3000 participantes.

e 3 norte-americanos, para mais de 3000 participantes. Karine Machado Currículo Analista de controle externo do

Karine Machado

Currículo

Analista de controle externo do Tribunal de Contas da União, onde exerce a função de assessora do Ministro Benjamin Zymler. É co-autora do livro Licitações & Contratos:

Orientações Básicas, editado pelo Tribunal de Contas da União

Básicas, editado pelo Tribunal de Contas da União Tulio Bastos Barbosa Currículo Graduado em Ciências

Tulio Bastos Barbosa

Currículo

Graduado em Ciências Econômicas, MBA em Gestão Executiva Empresarial pela FGV e especialista em gestão de estoques.Atuou na CSN na área de casdastramento, planejamento e compra de materiais. Na FGV/ IBRE foi Coordenador Nacional de Pesquisa de Preços e Coordenador Técnico de Projetos, tendo atuado em grandes empresas no setor público e setor privado - Associação Brasileira do Alumínio; Agência Nacional de Telecomunicções; Câmara dos Deputados; Ministério das Minas e Energia; Prefeitura da Cidade de São Paulo; Valec Engenharia, Constuções e Ferrovias S/A; Sindicato Nacional do Cimento; entre outras. Atualmente é Gerente Comercial do IBRE/ FGV.

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Ronny Charles Currículo Advogado da União. Ex-Coordenador Geral de

Ronny Charles

Currículo

Advogado da União. Ex-Coordenador Geral de Direito Administrativo do Ministério da previdência Social. Professor universitário. Mestre em Direito Econômico. Pós-graduado em Direito tributário. Pós-graduado em Ciencias Jurídicas. Autor do livro "Leis de licitações públicas comentadas" (3ª edição. Ed. Jus Podivm). Autor do livro "Licitações públicas: Lei nº 8.666/93". Autor de diversos artigos publicados nas áreas de Direito Administrativo e Direito econômico.

nas áreas de Direito Administrativo e Direito econômico. Luiz Eduardo Lippel Braga Currículo Administrador de

Luiz Eduardo Lippel Braga

Currículo

Administrador de Empresas, graduado pela ESAN – Escola Superior de Administração de Negócios – PUC/SP e Pós-Graduado em Administração de Recursos Humanos pela EAESP-FGV. Consultor Empresarial nas áreas de Negociação e Gestão Estratégica de Recursos Humanos – Remuneração, tendo assessorado empresas como VCP – Votorantim Celulose e Papel, Moto Honda da Amazônia, Honda Automóveis, COELCE – Companhia de Eletricidade do Ceará, CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, CELG – Centrais Elétricas de Goiás, Companhia Iguaçu de Café Solúvel, Toyobo do Brasil – Indústria Textil, COTEMINAS – Companhia de Tecidos Norte de Minas, SHELL do Brasil e KSB – Bombas Hidráulicas, entre outras. Atuou em funções técnicas e executivas nas empresas: METRO; GE; LIGTH e COFAP. Professor de cursos de Pós-Graduação e MBA da FAAP – Fundação Armando Álvares Penteado – SP.

Público Alvo

Pregoeiros e Equipes de Apoio, Presidentes e Membros de Comissões de Licitação, assessores jurídicos, ordenadores de despesa, fiscais e gestores de contrato, autoridades superiores, servidores integrantes do controle interno e de Tribunais de Contas, bem como agentes públicos em geral que atuem, direta ou indiretamente, na área de Licitações e Contratos Administrativos.

Agenda

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

19/03

8h-9h

9h-10h

10h-10h30

10h30-16h

16h-16h30

16h30-18h

À partir das 15h

Credenciamento / Entrega do Material de Trabalho

19h30

Palestra de Abertura - "Prêmio 19 de Março" VI Edição - Jantar de Abertura

20/03

Função Social da Licitações - Contratação de Egressos do Sistema Prisional

Pregão e as Contratações do Terceiro Setor

Coffee Break

Pregão e as Contratações do Terceiro Setor Coffee Break Coffee Break 21/03 22/03 Cautelas para Evitar

Coffee Break

Contratações do Terceiro Setor Coffee Break Coffee Break 21/03 22/03 Cautelas para Evitar a    

21/03

22/03

Cautelas para

Evitar a

 
 

Ocorrência de

RDC

Fraudes em

 

Pregão

Processos

Judiciais

 

Relacionados a

Tribunais de Contas e sua Atuação Preventiva

Licitações,

Pregão,

Impetração de

Mandados de

 

Segurança

Coffee Break

Coffee Break

de   Segurança Coffee Break Coffee Break Coffee Break Coffee Break Palestra de Encerramento

Coffee Break

Segurança Coffee Break Coffee Break Coffee Break Coffee Break Palestra de Encerramento Programação
Segurança Coffee Break Coffee Break Coffee Break Coffee Break Palestra de Encerramento Programação

Coffee Break

Palestra de

Encerramento

Programação sujeita a alteração sem aviso prévio. Intervalo de almoço das 12h às 14h.

Oficinas Online

Termo de ReferênciaIntervalo de almoço das 12h às 14h. Oficinas Online Contratação Direta Elaboração de Editais Recursos

Contratação Diretadas 12h às 14h. Oficinas Online Termo de Referência Elaboração de Editais Recursos Administrativos Sistema de

Elaboração de EditaisOficinas Online Termo de Referência Contratação Direta Recursos Administrativos Sistema de Registro de Preços

Recursos Administrativosde Referência Contratação Direta Elaboração de Editais Sistema de Registro de Preços Entre Pontos Entre Pontos

Sistema de Registro de PreçosDireta Elaboração de Editais Recursos Administrativos Entre Pontos Entre Pontos é um debate entre dois

Entre Pontos

Entre Pontos é um debate entre dois especialistas acerca de uma questão polêmica encontrada no cenário do Pregão.

Oficinas Simultâneas

Programação sujeita a alteração sem aviso prévio.

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Contratos Administrativos

Palestrante

de Pregoeiros Contratos Administrativos Palestrante Luciano Reis Conteúdo Contratos administrativos

Luciano Reis

Conteúdo

Contratos administrativos

IntroduçãoPalestrante Luciano Reis Conteúdo Contratos administrativos Características Aspectos pontuais e polêmicos de algumas

CaracterísticasReis Conteúdo Contratos administrativos Introdução Aspectos pontuais e polêmicos de algumas cláusulas

Aspectos pontuais e polêmicos de algumas cláusulas exorbitantesContratos administrativos Introdução Características Alterações quantitativas e qualitativas Existe limite para

pontuais e polêmicos de algumas cláusulas exorbitantes Alterações quantitativas e qualitativas Existe limite para

Alterações quantitativas e qualitativas

Existe limite para a alteração qualitativa?exorbitantes Alterações quantitativas e qualitativas Quais são as exceções para a superação do limite e o

Quais são as exceções para a superação do limite e o entendimento do Tribunal de Contas da União?e qualitativas Existe limite para a alteração qualitativa? Fiscalização do contrato administrativo fiscal do contrato

Fiscalização do contrato administrativodo limite e o entendimento do Tribunal de Contas da União? fiscal do contrato administrativo e

fiscal do contrato administrativo e suas característicasContas da União? Fiscalização do contrato administrativo O responsabilidade do fiscal do contrato e o Enunciado

O

responsabilidade do fiscal do contrato e o Enunciado nº 331 do TST,fiscal do contrato administrativo e suas características O A com sua alteração em 2011. Sanções administrativas

A

com sua alteração em 2011.

Sanções administrativase o Enunciado nº 331 do TST, A com sua alteração em 2011. Quais são as

Quais são as sanções administrativas que podem ser aplicadas num contrato administrativo?A com sua alteração em 2011. Sanções administrativas Existe um limite para a multa moratória e

Existe um limite para a multa moratória e para a multaque podem ser aplicadas num contrato administrativo? compensatória? Qual é a extensão dos efeitos da

compensatória?

Qual é a extensão dos efeitos da aplicação da penalidade da suspensão do direito de licitar e contratar conforme os Tribunais Pátrios.para a multa moratória e para a multa compensatória? Considerações Finais Carga Horária 4 Horas. Termo

Considerações Finaisde licitar e contratar conforme os Tribunais Pátrios. Carga Horária 4 Horas. Termo de Referência Palestrante

Carga Horária

4 Horas.

Termo de Referência

Palestrante

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Marcus Alcântara Conteúdo Introdução. O que é Termo de Referência?

Marcus Alcântara

Conteúdo

Introdução.Brasileiro de Pregoeiros Marcus Alcântara Conteúdo O que é Termo de Referência? Obrigatoriedade do Termo de

O que é Termo de Referência?de Pregoeiros Marcus Alcântara Conteúdo Introdução. Obrigatoriedade do Termo de Referência. Finalidades.

Obrigatoriedade do Termo de Referência.Conteúdo Introdução. O que é Termo de Referência? Finalidades. Conteúdo: Planejamento da contratação

Finalidades.de Referência? Obrigatoriedade do Termo de Referência. Conteúdo: Planejamento da contratação Definição do

Conteúdo:Obrigatoriedade do Termo de Referência. Finalidades. Planejamento da contratação Definição do objeto

Planejamento da contrataçãodo Termo de Referência. Finalidades. Conteúdo: Definição do objeto Orçamento detalhado em planilhas

Definição do objetoFinalidades. Conteúdo: Planejamento da contratação Orçamento detalhado em planilhas Logística da

Orçamento detalhado em planilhasPlanejamento da contratação Definição do objeto Logística da contratação Cronograma físico-financeiro

Logística da contrataçãoDefinição do objeto Orçamento detalhado em planilhas Cronograma físico-financeiro Critério de aceitação do

Cronograma físico-financeirodetalhado em planilhas Logística da contratação Critério de aceitação do objeto Deveres das partes,

Critério de aceitação do objetoLogística da contratação Cronograma físico-financeiro Deveres das partes, Fiscalização e gerenciamento, Prazo de

Deveres das partes,físico-financeiro Critério de aceitação do objeto Fiscalização e gerenciamento, Prazo de execução

Fiscalização e gerenciamento,Critério de aceitação do objeto Deveres das partes, Prazo de execução Sanções Elaboração do Termo de

Prazo de execuçãoobjeto Deveres das partes, Fiscalização e gerenciamento, Sanções Elaboração do Termo de Referência: atividade

Sançõespartes, Fiscalização e gerenciamento, Prazo de execução Elaboração do Termo de Referência: atividade complexa.

Elaboração do Termo de Referência: atividade complexa.e gerenciamento, Prazo de execução Sanções Atores no Termo de Referência. Carga Horária 4 Horas.

Atores no Termo de Referência.Elaboração do Termo de Referência: atividade complexa. Carga Horária 4 Horas. Contratação e Manutenção de

Carga Horária

4 Horas.

Contratação e Manutenção de Veículos e Combustível

Palestrante

e Manutenção de Veículos e Combustível Palestrante Marcus Alcântara Conteúdo Legislação aplicável

Marcus Alcântara

Conteúdo

Legislação aplicávelVeículos e Combustível Palestrante Marcus Alcântara Conteúdo www.negociospublicos.com.br/congresso/print.php 13/29

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Fundamento legal da licitação2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Modalidades de licitação Pregão Modalidades tradicionais (Lei

Modalidades de licitaçãoBrasileiro de Pregoeiros Fundamento legal da licitação Pregão Modalidades tradicionais (Lei 8.666/93)

Pregão

Pregão

Modalidades tradicionais (Lei 8.666/93)

Modalidades tradicionais (Lei 8.666/93)

MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS: Definição do objeto : Definição do objeto

Especificação de materiais

Especificação de materiais

Detalhamento dos serviços

Detalhamento dos serviços

uantitativos

uantitativos

Termo de referênciade materiais Detalhamento dos serviços uantitativos Elaboração do TR: Competência, conteúdo, aspectos

Elaboração do TR: Competência, conteúdo, aspectos relevantesdos serviços uantitativos Termo de referência Tabelas referenciais Tabela de preços de peças Tabela de

Tabelas referenciaisdo TR: Competência, conteúdo, aspectos relevantes Tabela de preços de peças Tabela de preços de serviços

Tabela de preços de peçasconteúdo, aspectos relevantes Tabelas referenciais Tabela de preços de serviços Tempo padrão de mão-de-obra

Tabela de preços de serviçosrelevantes Tabelas referenciais Tabela de preços de peças Tempo padrão de mão-de-obra Exigências editalícias

Tempo padrão de mão-de-obraTabela de preços de peças Tabela de preços de serviços Exigências editalícias Cuidados na elaboração do

Exigências editalíciasTabela de preços de serviços Tempo padrão de mão-de-obra Cuidados na elaboração do edital Cláusulas

Cuidados na elaboração do edital

Cuidados na elaboração do edital

Cláusulas obrigatórias

Cláusulas obrigatórias

Clausulas essenciais

Clausulas essenciais

O que se deve exigir e o que se pode solicitar

O

que se deve exigir e o que se pode solicitar

Qualificação técnicaO que se deve exigir e o que se pode solicitar O que exigir Critério de

exigir e o que se pode solicitar Qualificação técnica O que exigir Critério de julgamento Menor

O que exigir

Critério de julgamentoo que se pode solicitar Qualificação técnica O que exigir Menor preço Maior desconto sobre tabela

Menor preçoQualificação técnica O que exigir Critério de julgamento Maior desconto sobre tabela Registro de Preços O

Maior desconto sobre tabelatécnica O que exigir Critério de julgamento Menor preço Registro de Preços O que registrar Tipos

Registro de Preçosde julgamento Menor preço Maior desconto sobre tabela O que registrar Tipos de contrato Manutenção com

Menor preço Maior desconto sobre tabela Registro de Preços O que registrar Tipos de contrato Manutenção

O que registrar

Tipos de contratodesconto sobre tabela Registro de Preços O que registrar Manutenção com peças Manutenção Fornecimento de

Manutenção com peças

Manutenção com peças

Manutenção

Manutenção

Fornecimento de peças

Fornecimento de peças

Duração dos contratoscom peças Manutenção Fornecimento de peças Regra geral (Art. 57) Serviços continuados Gestão e

Regra geral (Art. 57)Fornecimento de peças Duração dos contratos Serviços continuados Gestão e Fiscalização dos contratos

Serviços continuadosde peças Duração dos contratos Regra geral (Art. 57) Gestão e Fiscalização dos contratos : Definição

Gestão e Fiscalização dos contratos: Definição do objeto : Definição do objeto

Especificação dos combustíveis

Especificação dos combustíveis

Detalhamento dos serviços

Detalhamento dos serviços

Quantitativos

Quantitativos

Termo de referênciaDetalhamento dos serviços Quantitativos Elaboração do TR: Competência, conteúdo, aspectos

Elaboração do TR: Competência, conteúdo, aspectos relevantesdos serviços Quantitativos Termo de referência Tabelas referenciais Preços praticados no mercado (ANP)

Tabelas referenciaisdo TR: Competência, conteúdo, aspectos relevantes Preços praticados no mercado (ANP) Taxa de administração

Preços praticados no mercado (ANP)conteúdo, aspectos relevantes Tabelas referenciais Taxa de administração Exigências editalícias

Taxa de administraçãoTabelas referenciais Preços praticados no mercado (ANP) Exigências editalícias

Exigências editalíciasPreços praticados no mercado (ANP) Taxa de administração www.negociospublicos.com.br/congresso/print.php 14/29

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Cuidados na elaboração do edital2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Cláusulas obrigatórias Clausulas essenciais O que se deve exigir e

Cláusulas obrigatóriasBrasileiro de Pregoeiros Cuidados na elaboração do edital Clausulas essenciais O que se deve exigir e

Clausulas essenciaisCuidados na elaboração do edital Cláusulas obrigatórias O que se deve exigir e o que se

O que se deve exigir e o que se pode solicitardo edital Cláusulas obrigatórias Clausulas essenciais Qualificação técnica O que exigir Critério de julgamento

Qualificação técnicaessenciais O que se deve exigir e o que se pode solicitar O que exigir Critério

O que exigirexigir e o que se pode solicitar Qualificação técnica Critério de julgamento Menor preço Menor taxa

Critério de julgamentoo que se pode solicitar Qualificação técnica O que exigir Menor preço Menor taxa de administração

Menor preçoQualificação técnica O que exigir Critério de julgamento Menor taxa de administração Maior desconto sobre tabela

Menor taxa de administraçãotécnica O que exigir Critério de julgamento Menor preço Maior desconto sobre tabela (ANP) Modelos de

Maior desconto sobre tabela (ANP)de julgamento Menor preço Menor taxa de administração Modelos de contratação Cartão combustível Posto de

Modelos de contrataçãotaxa de administração Maior desconto sobre tabela (ANP) Cartão combustível Posto de abastecimento Posto exclusivo

Cartão combustívelMaior desconto sobre tabela (ANP) Modelos de contratação Posto de abastecimento Posto exclusivo Duração dos

Posto de abastecimentotabela (ANP) Modelos de contratação Cartão combustível Posto exclusivo Duração dos contratos Regra geral (Art.

Posto exclusivode contratação Cartão combustível Posto de abastecimento Duração dos contratos Regra geral (Art. 57) Duração

Duração dos contratosCartão combustível Posto de abastecimento Posto exclusivo Regra geral (Art. 57) Duração continuada Gestão e

Regra geral (Art. 57)de abastecimento Posto exclusivo Duração dos contratos Duração continuada Gestão e Fiscalização dos contratos

Duração continuadaexclusivo Duração dos contratos Regra geral (Art. 57) Gestão e Fiscalização dos contratos Carga Horária 4

Gestão e Fiscalização dos contratosdos contratos Regra geral (Art. 57) Duração continuada Carga Horária 4 Horas. Obras e Serviços de

Carga Horária

4 Horas.

Obras e Serviços de Engenharia

Palestrante

4 Horas. Obras e Serviços de Engenharia Palestrante Rosane Memória Aguiar Conteúdo ANTEPROJETO, PROJETO

Rosane Memória Aguiar

Conteúdo

ANTEPROJETO, PROJETO BÁSICO, PROJETO EXECUTIVO E ORÇAMENTO PARA LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA ASPECTOS JURÍDICOS QUE REGULAMENTAM A MATÉRIA Lei Federal n° 8.666/93, Lei nº 5.194/66 e Resoluções ASPECTOS JURÍDICOS QUE REGULAMENTAM A MATÉRIALei Federal n° 8.666/93, Lei nº 5.194/66 e Resoluções CONFEA)

Princípios Jurídicos e Legislaçãon° 8.666/93, Lei nº 5.194/66 e Resoluções CONFEA) Tipos de obra (construção, reforma, recuperação,

Tipos de obra (construção, reforma, recuperação, fabricação e ampliação)e Resoluções CONFEA) Princípios Jurídicos e Legislação Obra e serviço de engenharia Serviço Comum, Serviço

Obra e serviço de engenhariareforma, recuperação, fabricação e ampliação) Serviço Comum, Serviço Técnico, Serviço Técnico

Serviço Comum, Serviço Técnico, Serviço Técnico Profissional e Serviço Técnico Profissional Especializadofabricação e ampliação) Obra e serviço de engenharia www.negociospublicos.com.br/congresso/print.php 15/29

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Previsão e disponibilidade de recursos orçamentários2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Necessidade de orçamento detalhado. Obra ou serviço de engenharia de

Necessidade de orçamento detalhado.Previsão e disponibilidade de recursos orçamentários Obra ou serviço de engenharia de grande vulto. Anotação

Obra ou serviço de engenharia de grande vulto.orçamentários Necessidade de orçamento detalhado. Anotação de Responsabilidade Técnica -ART: Autoria e

Anotação de Responsabilidade Técnica -ART:detalhado. Obra ou serviço de engenharia de grande vulto. Autoria e Responsabilidade Preenchimento, Assinatura e

Autoria e Responsabilidadegrande vulto. Anotação de Responsabilidade Técnica -ART: Preenchimento, Assinatura e Recolhimento de Taxa ENGENHARIA

Preenchimento, Assinatura e Recolhimento de TaxaResponsabilidade Técnica -ART: Autoria e Responsabilidade ENGENHARIA – Parte I Estudo Preliminar, Anteprojeto,

ENGENHARIA – Parte IPreenchimento, Assinatura e Recolhimento de Taxa Estudo Preliminar, Anteprojeto, Projeto Básico e Projeto

Estudo Preliminar, Anteprojeto, Projeto Básico e Projeto ExecutivoAssinatura e Recolhimento de Taxa ENGENHARIA – Parte I Fases de um projeto na Iniciativa Privada

Fases de um projeto na Iniciativa Privada e na Iniciativa PúblicaPreliminar, Anteprojeto, Projeto Básico e Projeto Executivo Planejamento Fluxograma de Procedimentos do TCU modificado

Planejamentode um projeto na Iniciativa Privada e na Iniciativa Pública Fluxograma de Procedimentos do TCU modificado

Fluxograma de Procedimentos do TCU modificadona Iniciativa Privada e na Iniciativa Pública Planejamento Estudo Preliminar Programa de Necessidades Escolha do

Estudo PreliminarPlanejamento Fluxograma de Procedimentos do TCU modificado Programa de Necessidades Escolha do Terreno Estudo de

Programa de Necessidadesde Procedimentos do TCU modificado Estudo Preliminar Escolha do Terreno Estudo de Viabilidade Anteprojeto Projeto

Escolha do Terrenodo TCU modificado Estudo Preliminar Programa de Necessidades Estudo de Viabilidade Anteprojeto Projeto Básico.Projeto

Estudo de ViabilidadePreliminar Programa de Necessidades Escolha do Terreno Anteprojeto Projeto Básico.Projeto Executivo ENGENHARIA –

Anteprojetode Necessidades Escolha do Terreno Estudo de Viabilidade Projeto Básico.Projeto Executivo ENGENHARIA – Parte II:

Projeto Básico.Projeto ExecutivoEscolha do Terreno Estudo de Viabilidade Anteprojeto ENGENHARIA – Parte II: Caderno de Encargos e

ENGENHARIA – Parte II:de Viabilidade Anteprojeto Projeto Básico.Projeto Executivo Caderno de Encargos e Especificações, Orçamento e

Caderno de Encargos e Especificações, Orçamento e CronogramaProjeto Básico.Projeto Executivo ENGENHARIA – Parte II: Indicação de Marca Orçamento Classificação dos Custos

Indicação de Marcade Encargos e Especificações, Orçamento e Cronograma Orçamento Classificação dos Custos Serviço Insumo

OrçamentoOrçamento e Cronograma Indicação de Marca Classificação dos Custos Serviço Insumo Encargos Sociais

Classificação dos CustosOrçamento e Cronograma Indicação de Marca Orçamento Serviço Insumo Encargos Sociais Orçamentos: Estimativo e

ServiçoIndicação de Marca Orçamento Classificação dos Custos Insumo Encargos Sociais Orçamentos: Estimativo e Real

Insumode Marca Orçamento Classificação dos Custos Serviço Encargos Sociais Orçamentos: Estimativo e Real Requisitos

Encargos SociaisMarca Orçamento Classificação dos Custos Serviço Insumo Orçamentos: Estimativo e Real Requisitos para elaboração

Orçamentos: Estimativo e RealClassificação dos Custos Serviço Insumo Encargos Sociais Requisitos para elaboração de um Orçamento

Requisitos para elaboração de um OrçamentoInsumo Encargos Sociais Orçamentos: Estimativo e Real Orçamentação: passo-a-passo Custos Indiretos – BDI

Orçamentação: passo-a-passoe Real Requisitos para elaboração de um Orçamento Custos Indiretos – BDI Análise de Edital Análise

Custos Indiretos – BDIelaboração de um Orçamento Orçamentação: passo-a-passo Análise de Edital Análise de Projeto Visita Técnica

Análise de EditalOrçamentação: passo-a-passo Custos Indiretos – BDI Análise de Projeto Visita Técnica Peculiaridades de cada

Análise de Projetopasso-a-passo Custos Indiretos – BDI Análise de Edital Visita Técnica Peculiaridades de cada Projeto Cronograma

Visita TécnicaIndiretos – BDI Análise de Edital Análise de Projeto Peculiaridades de cada Projeto Cronograma Critérios de

Peculiaridades de cada ProjetoBDI Análise de Edital Análise de Projeto Visita Técnica Cronograma Critérios de Aceitabilidade de Preços ASPECTOS

Cronogramade Projeto Visita Técnica Peculiaridades de cada Projeto Critérios de Aceitabilidade de Preços ASPECTOS RELEVANTES

Critérios de Aceitabilidade de PreçosVisita Técnica Peculiaridades de cada Projeto Cronograma ASPECTOS RELEVANTES PARA DISCUSSÃO: Obrigatoriedade dos

ASPECTOS RELEVANTES PARA DISCUSSÃO:Projeto Cronograma Critérios de Aceitabilidade de Preços Obrigatoriedade dos Projetos Básico e Executivo

Obrigatoriedade dos Projetos Básico e Executivode Preços ASPECTOS RELEVANTES PARA DISCUSSÃO: Obrigatoriedade de Projeto Básico para obras e serviços de

Obrigatoriedade de Projeto Básico para obras e serviços de pequeno valorDISCUSSÃO: Obrigatoriedade dos Projetos Básico e Executivo Utilidade do Cronograma Físico-Financeiro Elementos de um

Utilidade do Cronograma Físico-Financeirode Projeto Básico para obras e serviços de pequeno valor Elementos de um Projeto Básico Possibilidade

Elementos de um Projeto Básicode pequeno valor Utilidade do Cronograma Físico-Financeiro Possibilidade de Indicação de Marca Normas relacionadas a

Possibilidade de Indicação de MarcaFísico-Financeiro Elementos de um Projeto Básico Normas relacionadas a elaboração de um orçamento

Normas relacionadas a elaboração de um orçamentode um Projeto Básico Possibilidade de Indicação de Marca Importância e características de um Orçamento Qualidade

Importância e características de um Orçamentode Marca Normas relacionadas a elaboração de um orçamento Qualidade / tempo / prazo na elaboração

Qualidade / tempo / prazo na elaboração de um Projeto Básicoorçamento Importância e características de um Orçamento Serviço X Insumo / Custo Direto X Custo Indireto

Serviço X Insumo / Custo Direto X Custo Indireto / Ordem de Grandeza X Estimativa X Orçamento Básico X Orçamento Detalhado/ tempo / prazo na elaboração de um Projeto Básico Etapas de elaboração de um Orçamento

Etapas de elaboração de um Orçamento e Planilha de CustosX Estimativa X Orçamento Básico X Orçamento Detalhado Quantificação de insumos de serviços ou serviços Preço

Quantificação de insumos de serviços ou serviçosEtapas de elaboração de um Orçamento e Planilha de Custos Preço Unitário e Preço Global Perdas

Preço Unitário e Preço GlobalCustos Quantificação de insumos de serviços ou serviços Perdas BDI Percentual máximo para BDI Elementos do

Perdasde serviços ou serviços Preço Unitário e Preço Global BDI Percentual máximo para BDI Elementos do

BDIou serviços Preço Unitário e Preço Global Perdas Percentual máximo para BDI Elementos do BDI Jogo

Percentual máximo para BDIou serviços Preço Unitário e Preço Global Perdas BDI Elementos do BDI Jogo de Planilha X

Elementos do BDIe Preço Global Perdas BDI Percentual máximo para BDI Jogo de Planilha X Alteração Contratual ART

Jogo de Planilha X Alteração ContratualGlobal Perdas BDI Percentual máximo para BDI Elementos do BDI ART www.negociospublicos.com.br/congresso/print.php 16/29

ARTBDI Elementos do BDI Jogo de Planilha X Alteração Contratual www.negociospublicos.com.br/congresso/print.php 16/29

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Carga Horária

4 Horas.

Capacitação e Formação de Pregoeiros

Palestrante

Horas. Capacitação e Formação de Pregoeiros Palestrante Paulo Teixeira Conteúdo Personagens envolvidos no Pregão e

Paulo Teixeira

Conteúdo

Personagens envolvidos no Pregão e suas atribuições:de Pregoeiros Palestrante Paulo Teixeira Conteúdo A autoridade competente O pregoeiro (sua

A autoridade competente

A

autoridade competente

O pregoeiro (sua capacidade, perfil, conhecimento e atribuições)

O

pregoeiro (sua capacidade, perfil, conhecimento e atribuições)

A equipe de apoio

A

equipe de apoio

O Licitante

O

Licitante

Estudo da Modalidade Pregão:e atribuições) A equipe de apoio O Licitante Legislação Aplicável: Lei 10.520/02; Decs. 3.555/00 e

Legislação Aplicável: Lei 10.520/02; Decs. 3.555/00 e 5.450/05, Legislação Estadual e Municipal e subsidiariamente a

Legislação Aplicável: Lei 10.520/02; Decs. 3.555/00 e 5.450/05, Legislação Estadual e Municipal e subsidiariamente a Lei 8.666/93.

Forma Presencial

Forma Presencial

Forma Eletrônica

Forma Eletrônica

Principais Características do Pregão

Principais Características do Pregão

Benefícios do Pregão

Benefícios do Pregão

A sessão publica do pregão

A

sessão publica do pregão

Regras e Dicas sobre como o Pregoeiro deve conduzir o Pregão.

Regras e Dicas sobre como o Pregoeiro deve conduzir o Pregão.

Pedidos de esclarecimento e Impugnações ao Edital de Pregão e seus reflexos.

Pedidos de esclarecimento e Impugnações ao Edital de Pregão e seus reflexos.

O Pregão e as Licitações com a participação de Micro Empresas e Empresas

O

Pregão e as Licitações com a participação de Micro Empresas e Empresas

de Pequeno Porte

Benefícios concedidos pela Lei Complementar 123/06 às ME e EPP’S.

Benefícios concedidos pela Lei Complementar 123/06 às ME e EPP’S.

O Recebimento das Propostas

O

Recebimento das Propostas

Etapa Competitiva

Etapa Competitiva

Envio e recebimento de lances

Envio e recebimento de lances

A questão da identificação do ofertante

A questão da identificação do ofertante

A Questão da Desconexão (na forma Eletrônica) - Encerramento da etapa

A Questão da Desconexão (na forma Eletrônica) - Encerramento da etapa

competitiva

A negociação

A negociação

A Habilitação

A Habilitação

Infrações e punições (aplicabilidade)

Infrações e punições (aplicabilidade)

O Recurso

O

Recurso

Adjudicação

Adjudicação

A ata

A ata

A homologação

A homologação

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Carga Horária

8 Horas.

Sistema de Registro de Preços e IRP

Palestrante

8 Horas. Sistema de Registro de Preços e IRP Palestrante Paulo Rui Barbosa Conteúdo O Sistema

Paulo Rui Barbosa

Conteúdo

de Preços e IRP Palestrante Paulo Rui Barbosa Conteúdo O Sistema de Registro de Preços Conceito

O Sistema de Registro de Preços

Conceito

Conceito

Suporte Legal

Suporte Legal

Diferenças das Licitações Convencionais

Diferenças das Licitações Convencionais

A Questão da Padronização

A

Questão da Padronização

Vantagens e Desvantagens

Vantagens e Desvantagens

Condições Básicas

Condições Básicas

As Modalidades de Licitações Admissíveis

As Modalidades de Licitações Admissíveis

As Diversas Etapas de Implantação

As Diversas Etapas de Implantação

 

Regulamentação 

Estruturação administrativaAs Diversas Etapas de Implantação   Regulamentação Levantamento de dados A Licitação A Ata de Registro

Levantamento de dados  Regulamentação Estruturação administrativa A Licitação A Ata de Registro de Preços A Questão do

A Licitação

A

Licitação

A Ata de Registro de Preços

A Ata de Registro de Preços

A Questão do Contrato

A Questão do Contrato

O Fornecimento

O Fornecimento

Os Preços

Os Preços

 

Revisão de preços 

Majoração de preçosO Fornecimento Os Preços   Revisão de preços Redução de preços O Reajustamento e a atualização

Redução de preçosPreços   Revisão de preços Majoração de preços O Reajustamento e a atualização financeira Considerações

O Reajustamento e a atualização financeiraO Fornecimento Os Preços   Revisão de preços Majoração de preços Redução de preços Considerações Gerais

Considerações Gerais

Considerações Gerais

Publicaçõese a atualização financeira Considerações Gerais Preferência do beneficiário do registro A obrigatoriedade

Preferência do beneficiário do registrofinanceira Considerações Gerais Publicações A obrigatoriedade do fornecimento Participação múltipla

A obrigatoriedade do fornecimentoPublicações Preferência do beneficiário do registro Participação múltipla no SRP órgão gerenciador O

Participação múltipla no SRPbeneficiário do registro A obrigatoriedade do fornecimento órgão gerenciador O órgão participante O órgão não

órgão gerenciadordo fornecimento Participação múltipla no SRP O órgão participante O órgão não participante O O

O

órgão participanteParticipação múltipla no SRP órgão gerenciador O O órgão não participante O O cancelamento do registro.

O

órgão não participanteno SRP órgão gerenciador O órgão participante O O O cancelamento do registro.

O

O

cancelamento do registro.gerenciador O órgão participante O órgão não participante O O www.negociospublicos.com.br/congresso/print.php 18/29

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Generalidades Carga Horária 4 Horas. Formação de Preços Palestrante

Generalidades

Carga Horária

4 Horas.

Formação de Preços

Palestrante

Carga Horária 4 Horas. Formação de Preços Palestrante Tulio Bastos Conteúdo Economicidade e Proteção

Tulio Bastos

Conteúdo

Formação de Preços Palestrante Tulio Bastos Conteúdo Economicidade e Proteção economico-financeira Conceitos e

Economicidade e Proteção economico-financeira

Conceitos e principios legaisConteúdo Economicidade e Proteção economico-financeira Especificação de materiais técnica de especificação de

Especificação de materiais técnica de especificação de materiaiseconomico-financeira Conceitos e principios legais Pesquisa de Preços Estruturação da pesquisa de campo

Pesquisa de Preçosde materiais técnica de especificação de materiais Estruturação da pesquisa de campo Tratamento dos preços

Estruturação da pesquisa de campotécnica de especificação de materiais Pesquisa de Preços Tratamento dos preços coletados Cálculo do Preço

Tratamento dos preços coletadosPesquisa de Preços Estruturação da pesquisa de campo Cálculo do Preço Referencial - metodologia utilizada por

Cálculo do Preço Referencial - metodologia utilizada por diversos Estados e Prefeiturasda pesquisa de campo Tratamento dos preços coletados Equilibrio economico-financeiro Institutos da manutenção

Equilibrio economico-financeiro- metodologia utilizada por diversos Estados e Prefeituras Institutos da manutenção do equilibrio economico

Institutos da manutenção do equilibrio economico financeiroEstados e Prefeituras Equilibrio economico-financeiro Índices de Preços Carga Horária 4 Horas. Contratação

Índices de Preçosda manutenção do equilibrio economico financeiro Carga Horária 4 Horas. Contratação Direta Palestrante

Carga Horária

4 Horas.

Contratação Direta

Palestrante

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Paulo Sérgio de Monteiro Reis Conteúdo O dever de licitar

Paulo Sérgio de Monteiro Reis

Conteúdo

de Pregoeiros Paulo Sérgio de Monteiro Reis Conteúdo O dever de licitar A contratação direta como

O dever de licitar

A contratação direta como exceção

A

contratação direta como exceção

Hipóteses de contratação direta: licitação dispensável e licitação inexigível

Hipóteses de contratação direta: licitação dispensável e licitação inexigível

Motivação para a licitação dispensável: em razão do valor, em razão da pessoa contratante, em

Motivação para a licitação dispensável: em razão do valor, em razão da pessoa contratante, em razão da pessoa contratada e em razão do objeto

Licitação dispensável em razão do valor: cautelas em relação ao fracionamento da despesa

Licitação dispensável em razão do valor: cautelas em relação ao fracionamento da despesa

Licitação dispensável em razão da emergência: emergência real e emergência fabricada; possibilidade de aplicação

Licitação dispensável em razão da emergência: emergência real e emergência fabricada; possibilidade de aplicação nas duas hipóteses; princípios da supremacia e da continuidade do serviço público; necessidade de apuração da responsabilidade pela emergência fabricada

Contratação direta na licitação deserta e na licitação fracassada; necessidade de justificativa

Contratação direta na licitação deserta e na licitação fracassada; necessidade de justificativa

Licitação dispensável quando da apresentação de preços manifestamente superiores aos praticados no mercado;

Licitação dispensável quando da apresentação de preços manifestamente superiores aos praticados no mercado; necessidade de adequada apuração do valor de mercado

Aquisição de bens e serviços oriundos de órgão ou entidade que integre a Administração Pública:

Aquisição de bens e serviços oriundos de órgão ou entidade que integre a Administração Pública: exclusividade para pessoa jurídica de direito público

 

interno

Cuidados na locação ou aquisição de imóveis por licitação dispensável:

Cuidados na locação ou aquisição de imóveis por licitação dispensável:

necessidade de perfeita comprovação das necessidades da Administração

Contratação de remanescente de obra, serviço ou fornecimento: exclusiva

Contratação de remanescente de obra, serviço ou fornecimento: exclusiva

para contratos rescindidos; cautelas na aplicação das disposições literais da

 

Lei

Licitação dispensável para contratação de instituição dedicada ao ensino, pesquisa ou desenvolvimento

Licitação dispensável para contratação de instituição dedicada ao ensino, pesquisa ou desenvolvimento institucional; necessidade de nexo entre o objeto e a instituição; a perfeita conceituação de desenvolvimento institucional; a contratação da realização de concurso público

As hipóteses de inc. XVI do art. 24: quem pode contratar e quem pode ser

As hipóteses de inc. XVI do art. 24: quem pode contratar e quem pode ser contratado; o objeto da contratação

Aquisição de peças e componentes para manutenção de equipamentos:

Aquisição de peças e componentes para manutenção de equipamentos:

exclusividade durante o período de garantia

Licitação dispensável para aquisição de bens e insumos destinados à pesquisa científica e tecnológica

Licitação dispensável para aquisição de bens e insumos destinados à pesquisa científica e tecnológica

Contratação com subsidiárias ou controladas: perfeita conceituação; quem pode contratar; cautelas para evitar a burla

Contratação com subsidiárias ou controladas: perfeita conceituação; quem pode contratar; cautelas para evitar a burla ao dever de licitar

A licitação inexigível: característica fundamental; os exemplos legais

A licitação inexigível: característica fundamental; os exemplos legais

A inexigibilidade em decorrência da inviabilidade de competição

A inexigibilidade em decorrência da inviabilidade de competição

Cautelas na formalização da contratação com fornecedor exclusivo; comprovação de exclusividade

Cautelas na formalização da contratação com fornecedor exclusivo; comprovação de exclusividade

Contratação de serviços técnicos especializados: exigências legais

Contratação de serviços técnicos especializados: exigências legais

cumulativas; relação exaustiva do art. 13; a adequada definição de notória especialização; como definir um serviço como de natureza singular; possibilidade de aplicação quando houver mais de uma pessoa que poderia ser contratada; a posição do TCU

A formalização do processo de contratação direta

A

formalização do processo de contratação direta

Possibilidade de exigência de regularidade fiscal

Possibilidade de exigência de regularidade fiscal

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros A publicação do ato como condição de eficácia Carga Horária

A publicação do ato como condição de eficácia

Carga Horária

4 Horas.

Licitações Internacionais

Palestrante

Horária 4 Horas. Licitações Internacionais Palestrante Jonas Lima Conteúdo Regras brasileiras e de entes de

Jonas Lima

Conteúdo

Regras brasileiras e de entes de cooperação nas licitações internacionais (incluindo BID e BIRD)Licitações Internacionais Palestrante Jonas Lima Conteúdo Participação de empresas estrangeiras, isoladamente ou em

Participação de empresas estrangeiras, isoladamente ou em consórciosnas licitações internacionais (incluindo BID e BIRD) Modalidades licitatórias, inclusive o pregão

Modalidades licitatórias, inclusive o pregão internacional.de empresas estrangeiras, isoladamente ou em consórcios Contratações diretas internacionais Habilitação,

Contratações diretas internacionaislicitatórias, inclusive o pregão internacional. Habilitação, incluindo legalização de documentos

Habilitação, incluindo legalização de documentos estrangeiros e capacidade técnica estrangeirapregão internacional. Contratações diretas internacionais Propostas, incluindo INCOTERMS e equalização de preços

Propostas, incluindo INCOTERMS e equalização de preçosde documentos estrangeiros e capacidade técnica estrangeira Alterações decorrentes da Lei nº 12.349/2010

Alterações decorrentes da Lei nº 12.349/2010 (preferências nacionais)Propostas, incluindo INCOTERMS e equalização de preços Procedimentos para importações, incluindo SISCOMEX e

Procedimentos para importações, incluindo SISCOMEX e outros aspectosdecorrentes da Lei nº 12.349/2010 (preferências nacionais) Casos reais e editais de licitações internacionais

Casos reais e editais de licitações internacionaispara importações, incluindo SISCOMEX e outros aspectos Jurisprudência sobre licitações internacionais Carga

Jurisprudência sobre licitações internacionaisCasos reais e editais de licitações internacionais Carga Horária 4 Horas. Contratação de Serviços de

Carga Horária

4 Horas.

Contratação de Serviços de Informática IN 04

Palestrante

Contratação de Serviços de Informática IN 04 Palestrante www.negociospublicos.com.br/congresso/print.php 21/29

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Jonas Lima

Conteúdo

Sistema instituído pela IN 04/2010-MPOG7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Jonas Lima Conteúdo Planejamento Estratégico Institucional e Plano Diretor de

Planejamento Estratégico Institucional e Plano Diretor de TILima Conteúdo Sistema instituído pela IN 04/2010-MPOG Vedações de objetos de contratação, de condutas e de

Vedações de objetos de contratação, de condutas e de regras nos editaisEstratégico Institucional e Plano Diretor de TI Planejamento da contratação (viabilidade, estimativa e

Planejamento da contratação (viabilidade, estimativa e outras regras)de contratação, de condutas e de regras nos editais Termo de Referência, Edital e aplicação do

Termo de Referência, Edital e aplicação do Decreto nº 7.174/2010da contratação (viabilidade, estimativa e outras regras) Acordo de Nível de Serviço - ANS / SLA

Acordo de Nível de Serviço - ANS / SLAReferência, Edital e aplicação do Decreto nº 7.174/2010 Seleção do fornecedor (tipo de licitação, julgamento e

Seleção do fornecedor (tipo de licitação, julgamento e outras regras)nº 7.174/2010 Acordo de Nível de Serviço - ANS / SLA Preferências (Lei Complementar 123/06, Lei

Preferências (Lei Complementar 123/06, Lei 8.248/91 e Lei 12.349/10)fornecedor (tipo de licitação, julgamento e outras regras) Gestão e fiscalização do contrato (riscos trabalhistas,

Gestão e fiscalização do contrato (riscos trabalhistas, pagamentos, transição)(Lei Complementar 123/06, Lei 8.248/91 e Lei 12.349/10) Responsabilidades dos agentes públicos Aplicação

Responsabilidades dos agentes públicosdo contrato (riscos trabalhistas, pagamentos, transição) Aplicação subsidiária da IN 02/2008 Normas similares nos

Aplicação subsidiária da IN 02/2008transição) Responsabilidades dos agentes públicos Normas similares nos Estados, DF e Municípios Carga

Normas similares nos Estados, DF e Municípiosdos agentes públicos Aplicação subsidiária da IN 02/2008 Carga Horária 4 Horas. Patrimônio Público Palestrante

Carga Horária

4 Horas.

Patrimônio Público

Palestrante

Carga Horária 4 Horas. Patrimônio Público Palestrante GERSON DOS SANTOS Conteúdo Introdução Atividades básicas

GERSON DOS SANTOS

Conteúdo

IntroduçãoPatrimônio Público Palestrante GERSON DOS SANTOS Conteúdo Atividades básicas de patrimônio Principais

Atividades básicas de patrimônioPalestrante GERSON DOS SANTOS Conteúdo Introdução Principais questionamentos Livros Bandeiras Ferramental

Principais questionamentosConteúdo Introdução Atividades básicas de patrimônio Livros Bandeiras Ferramental Peças não incorporáveis a

Livrosbásicas de patrimônio Principais questionamentos Bandeiras Ferramental Peças não incorporáveis a imóveis

Bandeirasbásicas de patrimônio Principais questionamentos Livros Ferramental Peças não incorporáveis a imóveis

Ferramentalde patrimônio Principais questionamentos Livros Bandeiras Peças não incorporáveis a imóveis Aquisição de

Peças não incorporáveis a imóveisPrincipais questionamentos Livros Bandeiras Ferramental Aquisição de pen-drive e similares Aquisição de placas

Aquisição de pen-drive e similaresBandeiras Ferramental Peças não incorporáveis a imóveis Aquisição de placas de memória (informática) Despesas

Aquisição de placas de memória (informática)a imóveis Aquisição de pen-drive e similares Despesas com remodelação, restauração e manutenção

Despesas com remodelação, restauração e manutençãoe similares Aquisição de placas de memória (informática) Incorporações extra-orçamentárias Aquisição de

Incorporações extra-orçamentáriasDespesas com remodelação, restauração e manutenção Aquisição de softwares Aquisição de material de

Aquisição de softwarese manutenção Incorporações extra-orçamentárias Aquisição de material de distribuição gratuita Processos

Aquisição de material de distribuição gratuitaextra-orçamentárias Aquisição de softwares Processos de desfazimento Depreciações- panorama atual

Processos de desfazimentosoftwares Aquisição de material de distribuição gratuita Depreciações- panorama atual

Depreciações- panorama atualde material de distribuição gratuita Processos de desfazimento www.negociospublicos.com.br/congresso/print.php 22/29

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Legislações vigentes aplicadas aos questionamentos2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Portaria STN nº 448, de 13 de setembro de 2002

Portaria STN nº 448, de 13 de setembro de 2002Legislações vigentes aplicadas aos questionamentos Portaria Conjunta STN/SOF nº03, de 15 de outubro de 2008

Portaria Conjunta STN/SOF nº03, de 15 de outubro de 2008 (com o Manual da Despesa Nacional)Portaria STN nº 448, de 13 de setembro de 2002 Lei nº 8.666, de 21 de

Lei nº 8.666, de 21 de Junho de 1993 (art. 17 – Alienações)de 15 de outubro de 2008 (com o Manual da Despesa Nacional) Decreto nº 99.658, de

Decreto nº 99.658, de 30 de outubro de 1990nº 8.666, de 21 de Junho de 1993 (art. 17 – Alienações) Decreto nº 6.087, de

Decreto nº 6.087, de 20 de abril de 2007Alienações) Decreto nº 99.658, de 30 de outubro de 1990 Lei nº 5700, de 01 de

Lei nº 5700, de 01 de setembro de 1971de outubro de 1990 Decreto nº 6.087, de 20 de abril de 2007 Normas NBC T

Normas NBC T 16.9 e 16.1020 de abril de 2007 Lei nº 5700, de 01 de setembro de 1971 Resoluções SIAFI

Resoluções SIAFI Macrofunção 0203305700, de 01 de setembro de 1971 Normas NBC T 16.9 e 16.10 Comentários Carga Horária

ComentáriosNBC T 16.9 e 16.10 Resoluções SIAFI Macrofunção 020330 Carga Horária 4 Horas. Elaboração de Planilhas

Carga Horária

4 Horas.

Elaboração de Planilhas IN 02/2008

Palestrante

4 Horas. Elaboração de Planilhas IN 02/2008 Palestrante João Delmiro Conteúdo A ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE

João Delmiro

Conteúdo

A ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E ESTIMATIVA DE

A

ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E ESTIMATIVA DE

PREÇOS DA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS CONTINUADOS

IN 02 versus Portaria 07

IN

02 versus Portaria 07

O Planejamento da contratação – Elaboração da Planilha de Composição de Custos e

O

Planejamento da contratação – Elaboração da Planilha de Composição de Custos e

Estimativa de Preços

A elaboração de Planilhas de Composição de Custos

A

elaboração de Planilhas de Composição de Custos

Classificação dos custos dos serviços terceirizados

Classificação dos custos dos serviços terceirizados

Mão-de-obra – salários profissionais, encargos sociais, obrigações trabalhistas e verbas indenizatórias

Mão-de-obra – salários profissionais, encargos sociais, obrigações trabalhistas e verbas indenizatórias

A implicação dos Decretos 6727/09 e 6957/09

A

implicação dos Decretos 6727/09 e 6957/09

Conta Vinculada

Conta Vinculada

A estimativa de preços dos materiais e equipamentos empregados no

A

estimativa de preços dos materiais e equipamentos empregados no

 

contrato

O cálculo da depreciação

O

cálculo da depreciação

O cálculo dos dias úteis

O

cálculo dos dias úteis

O cálculo do auxilio transporte e alimentação/refeição

O

cálculo do auxilio transporte e alimentação/refeição

O cálculo dos tributos incidentes sobre o contrato

O

cálculo dos tributos incidentes sobre o contrato

BDI ou LDI?

BDI ou LDI?

Como pesquisar preços?

Como pesquisar preços?

Apresentação de metodologia de cálculo dos diversos itens que compõem o preço do serviço terceirizado,

Apresentação de metodologia de cálculo dos diversos itens que compõem o preço do serviço terceirizado, baseada em pesquisas realizadas em diversos

contratos

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Qual a legislação aplicável no caso de terceirização de serviços?

Qual a legislação aplicável no caso de terceirização de serviços?

O acompanhamento do contrato e a negociação para prorrogação do prazo e

O

acompanhamento do contrato e a negociação para prorrogação do prazo e

repactuação dos preços.

As mudanças introduzidas pela Instrução Normativa nº 03/09 na Instrução Normativa

nº 02/2008 do MPGO.

As implicações da Portaria nº 07, de 09 de março de 2011, na composição de custos.

O Decreto 6727/09 e suas implicações na elaboração da planilha de composição de

custos.

A análise das propostas

Aspectos a verificar nas planilhas de composição de custos e preços apresentados pelos proponentesplanilha de composição de custos. A análise das propostas A Negociação para prorrogação de prazo e

A Negociação para prorrogação de prazo e repactuação dos preços em contratos de

terceirização

Quais os itens que poderão ser negociados na prorrogação do contrato?e repactuação dos preços em contratos de terceirização Quais as informações necessárias para o gestor do

Quais as informações necessárias para o gestor do contrato negociar a repactuação dos preços?que poderão ser negociados na prorrogação do contrato? Qual o papel do fiscal na negociação dos

Qual o papel do fiscal na negociação dos contratos?o gestor do contrato negociar a repactuação dos preços? Análise da Portaria nº 07/2011 no que

Análise da Portaria nº 07/2011 no que se refere ao acompanhamento dos contratos e possibilidades de prorrogação.Qual o papel do fiscal na negociação dos contratos? estabelecimento de parâmetros para negociação dos

estabelecimento de parâmetros para negociação dos preços.dos contratos e possibilidades de prorrogação. O O que levar em consideração na repactuação,

O

O

que levar em consideração na repactuação, considerando a contade parâmetros para negociação dos preços. O O vinculada e as determinações da Resolução nº 98

vinculada e as determinações da Resolução nº 98 do Conselho Nacional de

Justiça?

Carga Horária

8 Horas.

Recursos Administrativos

Palestrante

Carga Horária 8 Horas. Recursos Administrativos Palestrante Ronny Charles Conteúdo Fundamentos jurídicos Direito

Ronny Charles

Conteúdo

Fundamentos jurídicos

Fundamentos jurídicos

Direito de Petição

Direito de Petição

O Recurso Administrativo

O

Recurso Administrativo

Espécies de recursos

Espécies de recursos

Legitimidade recursal

Legitimidade recursal

Efeitos dos recursos

Efeitos dos recursos

Contagem dos prazos

Contagem dos prazos

Conhecimento do recurso

Conhecimento do recurso

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Coisa julgada administrativa2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Decadência, prescrição administrativa e preclusão Recursos nas

Decadência, prescrição administrativa e preclusãoBrasileiro de Pregoeiros Coisa julgada administrativa Recursos nas Licitações Recursos na Lei nº 8.666/93

Recursos nas LicitaçõesDecadência, prescrição administrativa e preclusão Recursos na Lei nº 8.666/93 Recursos na Lei nº 10.520/02

Recursos na Lei nº 8.666/93administrativa e preclusão Recursos nas Licitações Recursos na Lei nº 10.520/02 Espécies Competência

Recursos na Lei nº 10.520/02Recursos nas Licitações Recursos na Lei nº 8.666/93 Espécies Competência recursal Processamento Diligências

EspéciesRecursos na Lei nº 8.666/93 Recursos na Lei nº 10.520/02 Competência recursal Processamento Diligências Renúncia

Competência recursalna Lei nº 8.666/93 Recursos na Lei nº 10.520/02 Espécies Processamento Diligências Renúncia recursal Questões

Processamentona Lei nº 10.520/02 Espécies Competência recursal Diligências Renúncia recursal Questões polêmicas Carga

Diligênciasnº 10.520/02 Espécies Competência recursal Processamento Renúncia recursal Questões polêmicas Carga Horária 4

Renúncia recursalEspécies Competência recursal Processamento Diligências Questões polêmicas Carga Horária 4 Horas. Elaboração de

Questões polêmicasrecursal Processamento Diligências Renúncia recursal Carga Horária 4 Horas. Elaboração de Planilhas IN 02/2008

Carga Horária

4 Horas.

Elaboração de Planilhas IN 02/2008

Palestrante

4 Horas. Elaboração de Planilhas IN 02/2008 Palestrante João Delmiro Conteúdo A ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE

João Delmiro

Conteúdo

A ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E ESTIMATIVA DE

A

ELABORAÇÃO DA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS E ESTIMATIVA DE

PREÇOS DA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS CONTINUADOS

IN 02 versus Portaria 07

IN

02 versus Portaria 07

O Planejamento da contratação – Elaboração da Planilha de Composição de Custos e

O

Planejamento da contratação – Elaboração da Planilha de Composição de Custos e

Estimativa de Preços

A elaboração de Planilhas de Composição de Custos

A

elaboração de Planilhas de Composição de Custos

Classificação dos custos dos serviços terceirizados

Classificação dos custos dos serviços terceirizados

Mão-de-obra – salários profissionais, encargos sociais, obrigações trabalhistas e verbas indenizatórias

Mão-de-obra – salários profissionais, encargos sociais, obrigações trabalhistas e verbas indenizatórias

A implicação dos Decretos 6727/09 e 6957/09

A

implicação dos Decretos 6727/09 e 6957/09

Conta Vinculada

Conta Vinculada

A estimativa de preços dos materiais e equipamentos empregados no

A

estimativa de preços dos materiais e equipamentos empregados no

 

contrato

O cálculo da depreciação

O

cálculo da depreciação

O cálculo dos dias úteis

O

cálculo dos dias úteis

O cálculo do auxilio transporte e alimentação/refeição

O

cálculo do auxilio transporte e alimentação/refeição

O cálculo dos tributos incidentes sobre o contrato

O

cálculo dos tributos incidentes sobre o contrato

BDI ou LDI?

BDI ou LDI?

Como pesquisar preços?

Como pesquisar preços?

Apresentação de metodologia de cálculo dos diversos itens que compõem o

Apresentação de metodologia de cálculo dos diversos itens que compõem o

preço do serviço terceirizado, baseada em pesquisas realizadas em diversos

contratos

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Qual a legislação aplicável no caso de terceirização de serviços?

Qual a legislação aplicável no caso de terceirização de serviços?

O acompanhamento do contrato e a negociação para prorrogação do prazo e

O

acompanhamento do contrato e a negociação para prorrogação do prazo e

repactuação dos preços.

As mudanças introduzidas pela Instrução Normativa nº 03/09 na Instrução Normativa nº 02/2008 do MPGO.

As mudanças introduzidas pela Instrução Normativa nº 03/09 na Instrução Normativa nº 02/2008 do MPGO.

As implicações da Portaria nº 07, de 09 de março de 2011, na composição de

As implicações da Portaria nº 07, de 09 de março de 2011, na composição de custos. O Decreto 6727/09 e suas implicações na elaboração da planilha de composição de custos. A análise das propostas

Aspectos a verificar nas planilhas de composição de custos e preços apresentados pelos proponentes

Aspectos a verificar nas planilhas de composição de custos e preços apresentados pelos proponentes

A Negociação para prorrogação de prazo e repactuação dos preços em

A

Negociação para prorrogação de prazo e repactuação dos preços em

contratos de terceirização

Quais os itens que poderão ser negociados na prorrogação do contrato?

Quais os itens que poderão ser negociados na prorrogação do contrato?

Quais as informações necessárias para o gestor do contrato negociar a repactuação dos preços?

Quais as informações necessárias para o gestor do contrato negociar a repactuação dos preços?

Qual o papel do fiscal na negociação dos contratos?

Qual o papel do fiscal na negociação dos contratos?

Análise da Portaria nº 07/2011 no que se refere ao acompanhamento dos contratos e possibilidades

Análise da Portaria nº 07/2011 no que se refere ao acompanhamento dos contratos e possibilidades de prorrogação.

O estabelecimento de parâmetros para negociação dos preços.

O

estabelecimento de parâmetros para negociação dos preços.

O que levar em consideração na repactuação, considerando a conta

O

que levar em consideração na repactuação, considerando a conta

vinculada e as determinações da Resolução nº 98 do Conselho Nacional de

Justiça?

Carga Horária

8 Horas.

Elaboração de Editais

Palestrante

Carga Horária 8 Horas. Elaboração de Editais Palestrante Simone Zanotello Conteúdo CONCEITO DE EDITAL PRINCÍPIOS DA

Simone Zanotello

Conteúdo

CONCEITO DE EDITALde Editais Palestrante Simone Zanotello Conteúdo PRINCÍPIOS DA LICITAÇÃO APLICADOS AOS EDITAIS

PRINCÍPIOS DA LICITAÇÃO APLICADOS AOS EDITAISPalestrante Simone Zanotello Conteúdo CONCEITO DE EDITAL LEGISLAÇÃO PERTINENTE FASE INTERNA DE PREPARAÇÃO DOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTEDE EDITAL PRINCÍPIOS DA LICITAÇÃO APLICADOS AOS EDITAIS FASE INTERNA DE PREPARAÇÃO DOS EDITAIS – TERMO

FASE INTERNA DE PREPARAÇÃO DOS EDITAIS – TERMO DE REFERÊNCIA OU PROJETO BÁSICODA LICITAÇÃO APLICADOS AOS EDITAIS LEGISLAÇÃO PERTINENTE Questões Controvertidas Acerca dos Elementos que Compõem

Questões Controvertidas Acerca dos Elementos que Compõem os Editais:DOS EDITAIS – TERMO DE REFERÊNCIA OU PROJETO BÁSICO Objeto Prazos e Condições de Execução

Objeto

Objeto

Prazos e Condições de Execução

Prazos e Condições de Execução

Legislação Aplicável

Legislação Aplicável

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Condições de Participação2/3/12 7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros Formulação das Propostas Critérios de Aceitabilidade dos Preços

Formulação das PropostasBrasileiro de Pregoeiros Condições de Participação Critérios de Aceitabilidade dos Preços Amostras

Critérios de Aceitabilidade dos PreçosCondições de Participação Formulação das Propostas Amostras Exigências de Habilitação Processamento da

Amostrasdas Propostas Critérios de Aceitabilidade dos Preços Exigências de Habilitação Processamento da Licitação

Exigências de HabilitaçãoPropostas Critérios de Aceitabilidade dos Preços Amostras Processamento da Licitação Julgamento Contratação

Processamento da Licitaçãodos Preços Amostras Exigências de Habilitação Julgamento Contratação Condições de Recebimento

JulgamentoExigências de Habilitação Processamento da Licitação Contratação Condições de Recebimento Condições de

Contrataçãode Habilitação Processamento da Licitação Julgamento Condições de Recebimento Condições de Pagamento

Condições de RecebimentoProcessamento da Licitação Julgamento Contratação Condições de Pagamento Critérios de Reajustamento

Condições de PagamentoJulgamento Contratação Condições de Recebimento Critérios de Reajustamento caução Sancionatórios Outras

Critérios de ReajustamentoCondições de Recebimento Condições de Pagamento caução Sancionatórios Outras Exigências Contidas nos

cauçãoCondições de Pagamento Critérios de Reajustamento Sancionatórios Outras Exigências Contidas nos Editais

Sancionatóriosde Pagamento Critérios de Reajustamento caução Outras Exigências Contidas nos Editais Anexos ao Edital –

Outras Exigências Contidas nos EditaisCritérios de Reajustamento caução Sancionatórios Anexos ao Edital – Minuta do Contrato e Orçamento

Anexos ao Edital – Minuta do Contrato e OrçamentoSancionatórios Outras Exigências Contidas nos Editais Aprovação do Edital Assinatura do Edital Publicidade do

Aprovação do EditalEditais Anexos ao Edital – Minuta do Contrato e Orçamento Assinatura do Edital Publicidade do Eital

Assinatura do Edital– Minuta do Contrato e Orçamento Aprovação do Edital Publicidade do Eital Questionamento e Impugnações

Publicidade do Eitale Orçamento Aprovação do Edital Assinatura do Edital Questionamento e Impugnações Jurisprudências e Súmulas

Questionamento e Impugnaçõesdo Edital Assinatura do Edital Publicidade do Eital Jurisprudências e Súmulas dos Tribunais Carga Horária 4

Jurisprudências e Súmulas dos TribunaisEdital Publicidade do Eital Questionamento e Impugnações Carga Horária 4 Horas. Convênios Públicos Palestrante

Carga Horária

4 Horas.

Convênios Públicos

Palestrante

Carga Horária 4 Horas. Convênios Públicos Palestrante Alessandro Reis Conteúdo Recursos Públicos PPA 2012 –

Alessandro Reis

Conteúdo

Recursos PúblicosConvênios Públicos Palestrante Alessandro Reis Conteúdo PPA 2012 – 2015 Orçamento Geral da União 2012 Emendas

PPA 2012 – 2015Palestrante Alessandro Reis Conteúdo Recursos Públicos Orçamento Geral da União 2012 Emendas Parlamentares A

Orçamento Geral da União 2012Reis Conteúdo Recursos Públicos PPA 2012 – 2015 Emendas Parlamentares A Portaria 507/2001 e sua

Emendas ParlamentaresPúblicos PPA 2012 – 2015 Orçamento Geral da União 2012 A Portaria 507/2001 e sua aplicabilidade

A Portaria 507/2001 e sua aplicabilidade2015 Orçamento Geral da União 2012 Emendas Parlamentares As transferências da união para execução de obras

As transferências da união para execução de obras e serviços de interesse localParlamentares A Portaria 507/2001 e sua aplicabilidade Chamamento público ou concurso de projetos Vedações

Chamamento público ou concurso de projetospara execução de obras e serviços de interesse local Vedações Protocolo de intenções Plurianualidade

Vedaçõesinteresse local Chamamento público ou concurso de projetos Protocolo de intenções Plurianualidade Consórcio público

Protocolo de intençõeslocal Chamamento público ou concurso de projetos Vedações Plurianualidade Consórcio público Credenciamento e

Plurianualidadeou concurso de projetos Vedações Protocolo de intenções Consórcio público Credenciamento e cadastramento

Consórcio públicoprojetos Vedações Protocolo de intenções Plurianualidade Credenciamento e cadastramento

Credenciamento e cadastramentoProtocolo de intenções Plurianualidade Consórcio público www.negociospublicos.com.br/congresso/print.php 27/29

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Perfil de Usuários

Perfil de Usuários

Elaboração da proposta de trabalho

Elaboração da proposta de trabalho

O plano de trabalho

O plano de trabalho

Celebração de instrumentos

Celebração de instrumentos

Projeto básico e termo de referência

Projeto básico e termo de referência

Formalização do instrumento

Formalização do instrumento

Análise e assinatura do termo

Análise e assinatura do termo

Publicidade

Publicidade

Ajustes do Plano de Trabalho

Ajustes do Plano de Trabalho

Termo Aditivo

Termo Aditivo

Contrapartida

Contrapartida

Execução

Execução

Disposições gerais

Disposições gerais

Liberação dos recursos

Liberação dos recursos

Contratação com terceiros

Contratação com terceiros

Contratação por entidades privadas sem fins lucrativos

Contratação por entidades privadas sem fins lucrativos

Contratação por órgãos e entidades da administração pública

Contratação por órgãos e entidades da administração pública

Pagamentos

Pagamentos

Acompanhamento e da fiscalização

Acompanhamento e da fiscalização

Obras e serviços de engenharia de pequeno valor

Obras e serviços de engenharia de pequeno valor

Obras e serviços de engenharia de pequeno valor Procedimento simplificado de acompanhamento e fiscalização
Procedimento simplificado de acompanhamento e fiscalização

Procedimento simplificado de acompanhamento e fiscalização

Prestação de contas

Prestação de contas

Prestação de contas legal

Prestação de contas legal

Prestação de contas social

Prestação de contas social

Denúncia e da rescisão

Denúncia e da rescisão

Tomada de contas especial

Tomada de contas especial

Carga Horária

Numero de Horas.

Palestras Master

O melhores especialistas palestrando sobre os temas em maior destaque na área de Compras Públicas.

Talk Show

Debate instigante sobre questões polêmicas, comandado pelos palestrantes e com a participação dos congressistas.

Prêmio 19 de Março

O Prêmio 19 de Março é uma criação da Editora Negócios Públicos do Brasil, responsável pela Revista O Pregoeiro. A premiação é realizada pela NP Eventos com o apoio do Instituto Negócios Públicos e de outras entidades colaboradoras.

2/3/12

7º Congresso Brasileiro de Pregoeiros

Surgiu no ano de 2007 com a necessidade de valorizar os trabalhos e incentivar os profissionais pregoeiros de todo o país, proporcionando uma homenagem à classe dos que transformaram e dinamizaram o fenômeno das compras governamentais. A premiação é a única do gênero e sua importância se destaca a cada nova edição.

O Prêmio 19 de Março tem como missão promover, difundir e aprimorar a utilização da

modalidade pregão, uma das mais modernas e eficazes ferramentas de compras já colocadas à disposição da Administração Pública.

A Edição 2012 do Prêmio também tem o apoio da Consultoria Negócios Públicos,

formada por profissionais especialistas e colaboradores que integram as Comissões designadas para seleção e análise dos trabalhos enviados.

Contato

Grupo Negócios Públicos

Rua Lourenço Pinto, 196 - Centro CEP: 80010-160

Curitiba-PR

Telefone: (41) 3778-1706 Fax: (41) 3778-1752 E-mail: falecom@negociospublicos.com.br www.negociospublicos.com.br