Sie sind auf Seite 1von 17
O O GA GA TO TO D D A A S S

OO GAGATOTO DDAASS

Era uma vez um moleiro muito pobre que, à hora da morte,

deixou o pouco que tinha aos três filhos. Assim, o mais velho ficou com o moinho, o do meio com o burro e o mais novo com… o gato !

-Olha que pouca

sorte

a

minha! Os

meus irmãos ainda

podem ganhar a vida, agora eu… o que é que faço com um gato? O gato ouvia as lamentações do jovem dono e sorria. De repente, começou a falar

“Pois

bem

este

gato

tem

um

ar

espertalhão”, pensou o rapaz. “Vou dar-lhe as botas e logo se vê. Se for capaz de me ajudar tanto melhor

as botas, pegou no no Daí a nada, um
as
botas, pegou no
no
Daí
a
nada,
um

O

gato enfiou

e

foi

do

saco

meio

coloca-lo bem aberto

campo.

coelho descuidado entrou no saco. O gato das botas apertou os cordões e… zás!

Todo vaidoso com a caçada, dirigiu-se ao palácio do rei. Um guarda mandou-o entrar na sala do trono.

-Majestade! – exclamou o Gato das Botas – O marquês de Carabás, meu amo, faz-vos a oferta deste coelho.

(Está claro

que

o

belo

do

nome para o filho do moleiro

foi

inventado

 

ali

naquele

momento.)

-Agradece

ao

teu

amo

da

minha

parte

disse

o

rei,

satisfeito com

o presente.

O Gato das Botas voltou aos campos, abriu novamente o saco e desta vez foram duas perdizes a cair na ratoeira. O gato apertou os cordões e… zás! Apanhou-as.

Depois correu a oferecê-las ao rei que as aceitou, muito satisfeito, mandando agradecer a esse tal famoso Marquês de Carabás.

Um belo

dia,

o

Gato das Botas

ouviu dizer no

palácio

que

o

rei

tencionava ir passear para os lados do rio acompanhado da sua

filha, a mais linda princesas

de

todas as

O

gato

teve

imediatamente uma ideia e disse ao dono:

-Dispa-se e mergulhe no

rio, pois se fizer com lhe

digo

tem

a

fortuna

assegurada.

 

O

pobre

filho

 

do

moleiro(o falso Marquês

de Carabás) não muito de

se

meter na água,

mas

fez

tal

e

qual

o

gato

pediu.

Tirou

a

roupa

e

mergulhou

no

rio!

N

l

i

t

t

-Socorro! Socorro! O meu amo, o Marquês de Carabás, está a afogar-se! - berrou o gato.

-Socorro! Socorro! O meu amo, o Marquês de Carabás, está a afogar-se! - berrou o gato. O rei espreitou pela janela da carruagem e reconheceu logo aquele que várias vezes lhe levara peças de caça.

-Depressa!

Salvem

o

marquês!

ordenou

aos

guardas.

E enquanto estes tiravam o

jovem do

rio,

o

Gato

das

Botas correu a esconder as

roupas debaixo

De

de

um

edre ulho

se uida

-Roubaram

as

vestes

do

meu

amo,

Majestade! O Marquês de Carabás está quase nu!

Então o rei deu a seguinte ordem:

-Que os oficiais do guarda-roupa real tragam os meus trajes mais belos para o

Assim fizeram e, sem demora, trataram de vestir o dono do gato. Sendo este um bonito rapaz e possuidor de uma boa figura as roupas reais assentaram-lhe às mil maravilhas… Mal a princesa o viu, achou-o encantador! -Meu caro marquês, faça o favor de subir para a minha carruagem – convidou o rei

Foi deste modo que a princesa se apaixonou perdidamente pelo filho do moleiro. O Gato das Botas, esse, não podia esta mais contente! Desatou a correr à frente da carruagem e, ao passar por uns camponeses que ceifavam uma seara, ordenou-lhes:

-Eh! Boa gente, vocês que andam aí a ceifar digam ao rei que estes campos pertencem ao Marquês de Carabás, senão ficam feitos em carne picada!

Mais adiante, encontrou

outro

grupo

a

colher

trigo.

-Eh!

que

Boa gente, andam aí

vocês a ceifar

digam ao rei que estes

campos pertencem

ao

Marquês

de

Carabás,

Quando o rei passou, mandou parar a carruagem e perguntou aos camponeses:

-Dizei-me, boa gente, a quem pertencem estes campos? -Ao Marquês de Carabás! – responderam os camponeses assustados com as ameaças do Gato das Botas. “Este marquês deve ser muito rico…” pensou o rei.

Correndo sempre na dianteira, o gato avistou finalmente um castelo magnífico. -De quem é aquele castelo? – perguntou ele a um camponês. -É do ogre, bem como todas as terras lt

i à

Sem hesitar um segundo, o Gato das Botas foi bater à porta do castelo e pediu para ser recebido pelo ogre, pois vinha em visita de cortesia. Porém, as suas intenções eram outras…

Sem hesitar um segundo, o Gato das Botas foi bater à porta do castelo e pediu

Os guardas deixaram entrar o Gato das Botas. Depois de atravessar uns salões enormes, entrou muito decidido na sala de jantar, onde o ogre se preparava para cear. O gato cumprimentou-o. -Senhor ogre, disseram-me que tendes o poder de vos transformardes em todas as espécies de animais de grande porte, mesmo aterradores… Será verdade?

-Hic! Hic! – guinchou o ogre transformado num

ratinho

-EXACTO! – Rugiu o ogre já

transformado num leão. O gato, todo assustado, só por milagre conseguiu escapar.

-Hic! Hic! – guinchou o ogre transformado num ratinho - EXACTO! – Rugiu o ogre já

Mal o ogre voltou à forma normal, o gato tornou a provocar:

- E será verdade, senhor Ogre, que também vos podeis transformar num animal pequenino, assim como uma ratazana ou um rato, por exemplo? Custa-me a crer tal coisa!

E era uma vez o ogre, senhor daquele castelo e das terras em redor! O gato acabava de conseguir uma proeza de se lhe tirar o chapéu! Ouvindo a carruagem do rei precipitou-se ao seu

-Que vossa majestade seja bem-vindo ao castelo do meu amo, o Marquês de Carabás! – saudou o gato

O rei espantou-se: “Pois quê? Este castelo também lhe pertence? Ah! Então é muito, mas muito rico…” O rei estava encantado com o Marquês de Carabás! Então, convencido das suas enormes riquezas, concedeu-lhe a mão da filha. Nessa noite, o filho do moleiro casou com a mais bonita das princesas!

O

Gato das

botas passou a

ser uma figura importante e nunca mais precisou de

correr atrás dos ratos… bem,

a

não

ser para

se divertir,

FI

FI

Verwandte Interessen