Sie sind auf Seite 1von 53

Angelo C.

Pinto
Instituto de Química
Universidade Federal do Rio
de Janeiro
www.iq.ufrj.br
angelo@iq.ufrj.br

Foto: Narciso
Os primeiros habitantes

Brasil: Maior floresta equatorial e tropical


úmida do planeta.

Smilax aspera
Copaifera sp (Salsaparrilha)
Cephaelis ipecacuanha A. Rich

ALENCASTRO, R. B.; PINTO, A. C.; SANTOS, N. P.; SILVA, S. M. M. A Pesquisa Química no Rio de Janeiro
Imperial (1847-1889) In.: ALENCASTRO, R. B.; PINTO, A. C.; SANTOS, N. P. A Monarquia do Brasil: 1808-
1889, reflexões sobre as Artes e as Ciências, Rio de Janeiro: Booklink Publicações Ltda, 2001, 26-61.
A Chegada da Família Real
Colônia = sede do governo
• Transferência de pessoal e material;
• Criação de instituições destinadas ao ensino profissional
superior;
• Surgimento de núcleos de pesquisas isolados ⇒ necessidades
imediatistas e conjunturais do país.

Faculdade de Instituto de
Laboratório Medicina - RJ Instituto de Química Agrícola
Químico-Prático Cursos de Farmácia Theodoro Peckolt Química (IQA)
1812 1832 1847 1918 1934

1808 1813 1838 1882 1931 1963


Chegada da Ezequiel Corrêa Wilhelm Michler Instituto Centro de Pesquisas
Academias
família real de óleos de Produtos Naturais
Médico-Cirúrgicas dos Santos
Criação das escolas (CPPN - NPPN)
de medicina
A Chegada da Família Real

Bahia – 22 de janeiro de 1808


Rio de Janeiro – 08 de março de 1808

Expedições científicas ⇒ fornecer


conhecimento aos europeus da fauna
e flora brasileira.

Bernardino Antônio Gomes


N
→Isolamento da cinchonina das cascas HO
da quina.
Expedição: Carl Friederich von Martius
e Johann Baptist Spix N

COSTA, A. Boletim da Sociedade Portuguesa de Química, 1986, 23, 37.


PINTO, A. C. e cols. Química Nova, 25, Supl. 1, 45-61, 2002.
Laboratório Químico-Prático
• Criação: 25 de janeiro de 1812 - Conde das Galveas (João de Almeida
de Melo e Castro, 1756-1814);

• Objetivo: tornar rentável o fabrico de sabão sólido, manufaturado da


ilha de São Tomé ⇒ primeiras operações químico-industriais no Brasil.

• Análise de:
Pau-Brasil (Caesalpinea echinata)– tinturaria;
Papoula (Papaver somniferum);
Aguardente obtida da cana-de-açúcar.

• Extinção: 22 de dezembro de 1819, devido


a incapacidade do governo em organizar e
sistematizar o laboratório.

SANTOS, N. P. Química Nova, 27, 2, 2004.


Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro
• 1808: Escola Anatômica, Cirúrgica e Médica do Rio de Janeiro
• 1809: Cadeira de matéria médica e farmácia
(Formação de cirurgiões)

• 1813: Academias Médicas-Cirúrgicas


• 1832: Faculdade de Medicina
- Cursos de medicina e cirurgia,
parteira e farmácia

• Cursos de Farmácia
substituição das boticas por farmácias
• Fórmulas “magistraes” X “officinaes”
Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro,
Praia Vermelha, 1918

VOTTA, R. Breve história da Farmácia no Brasil. Laboratórios Enila S. A. Rio de Janeiro, 1965.
SANTOS, N. P. Química Nova, 30, 4, 2007.
www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br
Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro
Criação da escola Anatômica, Cirúrgica e Médica - 5 de novembro de
1808 (hospital Militar do morro do Castelo, antigo colégio dos jesuítas);

• Instituição pioneira na Química de Produtos Naturais (QPN)


→ Faculdade de Medicina (1832)

• Grandes incentivadores: Médicos e


professores
Domingos José Freire Júnior (1842-1899) →
Isolamento da grandiflorina

solasonina
Solanum grandiflora

SOUZA, A. P. S. Notícia histórica da Faculdade de Medicina da Universidade do Rio de Janeiro, Revista da


Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, tomo 1, 195-250p, 1926.
Laboratório de Química Orgânica da Faculdade de Medicina do
Rio de Janeiro, instalado por Domingos Freire (1880).
RHEINBOLDT, H. A química no Brasil In.: AZEVEDO, F. As Ciências no Brasil, Rio de Janeiro, editora da UFRJ,
9-108p., 1994.
FACULDADE DE MEDICINA DO RIO DE JANEIRO
DOMINGOS JOSÉ FREIRE (1842-1891)

1874-76 Viagem a Europa – os laboratórios do Instituto de


Química da Universidade de Leipzig serviram de modelo para
a instalação do seu laboratório no Rio de Janeiro.

1875-77 Realizou e publicou pesquisas fitoquímicas


Jahresbericht der Chemie.

1874 Ocupou a cadeira de Química Orgânica


Biológica.
DESCOBERTA DO ALCALÓIDE

GRANDIFLORINA – publicação no Berichte der


Deutschen Chemischem Gesellschaft
Ezequiel Corrêa dos Santos (1801-1864)
• 1817: Academia Médica-Cirúrgica
(Botica de José Caetano de Barros)

• 1819: Diplomado boticário


“Livro para registrar cartas dos facultativos,
boticários e parteiras deste município (1817-
1830)”.
• 1823: Sociedade Secreta dos Amigos Livres
• 1829-1831: Periódico ⇒ Nova Luz Brasileira
• Sociedade Farmacêutica do RJ (1851-1864)
• Filho homônimo: Ezequiel Corrêa dos Santos
(1825-1899) Ezequiel Corrêa dos Santos, s/d.

• 1855: “Laboratório Nacional para uma Escola Prática de Pharmacia e


Chimica Médica e Industrial”
• Isolamento da pereirina, síntese de CHCl3, alcalóides da Atropa belladona,
esporão do centeio, café, mate, chá, guaraná, ...
Ezequiel Corrêa dos Santos (1801-1864)

“Na botica vende tudo.


Vende da purga ao sudário.
Só não vende, por cautela,
A língua do boticário…”1

Carta de aprovação para a profissão de


boticário concedida por D. João VI em 1819
(col. Sr. Pedro Alves de Azevedo - RS)2

Recorte de anúncio publicado no Almanak


Laemmert (1870).
1.SANTOS, N. P. Química Nova, 30, 4, 2007.
2. http://www.areliquia.com.br
Do grego: Geisson = telha

spermum = semente

Sinonímias Científicas
Geissospermum vellosii Fr. All.,
Geissospermum laevis Miers,
Tabernaemontana laevis Vell.

Família: Apocynaceae

Localização: Bahia, Minas


Jardim Botânico - RJ.
Gerais, Espírito Santo e Rio de
Janeiro.
CORRÊA, M. P., Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas, 1984.
O Sucedâneo da quina

Indígenas:
Recomendações ⇒ Impaludismo, má digestão, inapetência,
tontura, prisão de ventre, estimulante sexual.
Aplicações ⇒ Febrífugo e excelente madeira.

Antônio Muniz (“Homem Natureza”) X Isaías de Oliveira1

Dr. Joaquim José da Silva (1831) → febres intermitentes.


Banhos com a casca do Pau-pereira
⇒ Tratamento de erisipelas, diarréias crônicas, hemorragias
passivas, astenia e febres de outras origens2.

1. RIEDEL, L..; TAUNAY, C. Manual do Agricultor Brasileiro, 1839; FERREIRINHA, 1884, op. cit.
2. SILVA, J. J. A Elephantiasis dos gregos, 1847.
Pereirina: Uma Glória Brasileira?

1838 → Ezequiel Corrêa dos Santos: Pereirina1

“Guerra” pelo monopólio da descoberta



Âmbito europeu X brasileiro

Pietro Perreti (Prof. de Farmácia - Roma)2 ⇒ Análise em 1839.


Pelletier (França)3 ⇒ Recebimento das cascas em 1840.
Charles Henry Pfaff e Behrend Goss4 ⇒ Recebimento 1837;
Análise em 1840.
1. SANTOS, E. C. Monografia do Geissospermum vellosii, vulgo Pau-pereira, 1848.
2. PERRETI, P. Journal de Chimie Médicale de Pharmacie et de Toxicologie, 1845.
3. PELLETIER, J. Journal de Pharmacie et des Sciences Acessoires, 1840.
4. REVISTA MÉDICA FLUMINENSE, 1838 (5); 1840 (6).
Alcalóides do Pau-Pereira
Ação
anticolinesterásica, ação
depressora do SNC, + anticolinesterásica,
N
hipotermizante e N tratamento da AIDS
antipirética H e câncer de
Flavopereirina
2 próstata.
N
H
H H
N H
H H H NCH3
CH3OOC O
O
CH3O
H
H H
N CH3O N
N H H
H
Geissovelina3
Geissospermina 1

1.RAPOPORT, H. e cols. J. Am. Chem. Soc., 1958, 1601-1604; LIMA, J. Geissospermina, o alcalóide responsável pela
atividade anticolinesterásica do extrato etanólico de G. vellosii, 2005. AUROSSEAU, M. Ann. Pharm. Fran., 1961, 175-180.
2. RAPOPORT, H. J. Am. Chem. Soc., 1958,1604-1608 ; ABRAXAS BIO LABS SA, 1994; NATURAL SOURCE INTERNAT, 2005
3. MOORE, R. E.; RAPOPORT, H. J. Org. Chem., 1973, 215-230.
Pao V FM (mistura de pau-
pereira e quassia amara)
preço: US$75 – com 100
cápsulas

Pao V (somente pau-


pereira)
preço: US$85 – com 100
cápsulas

PP40 (somente
pau-pereira)
preço: 72.00 €
Theodoro Peckolt (1822- 1912)
• 1847: Brasil – Vinda para o Brasil por
sugestão de von Martius;
• 01/1848: Fármacia Mariolino Fragoso;

• 09/1848: exploração do país;

• 1851: Exame farmacêutico da Escola


de Medicina do RJ;
Fármacia em Cantagalo – RJ (1868)
• Flora Brasiliensis
• 04/1868: Farmácia Peckolt (Rua da
Quitanda, 157)

• Título de Farmacêutico da Corte – Duque de Saxe


Theodoro
Peckolt

Vista da cidade de
Cantagalo – RJ (século XIX)
Folha de rosto do bloco de
notas da Fármacia de
Peckolt

Anúncio da farmácia de
Peckolt
Theodoro Peckolt
• 1861-1869: Sapucainha ou chalmoogra brasileira
Carpotroche brasiliensis Endlicher

(CH2)12COOH (CH2)10COOH

ácido chaulmúgrico - 24,2% ácido hidnocárpico - 45%

(CH2)6 (CH2)4COOH

ácido górlico - 6,6%

• 1863: leite da Gameleira


Isolamento da doliarina
Gazeta Médica do Rio de Janeiro
SANTOS, N. P.; PINTO, A. C.; ALENCASTRO, R. B. Química Nova,1998, 666-670.
Cole, H. I.; Cardoso, H. T.; J. Am. Chem. Soc.
1938a, 60, 612.

Cole, H. I.; Cardoso, H. T.; J. Am. Chem. Soc.


1938b, 60, 614.

Cole, H. I.; Cardoso, H. T.; J. Am. Chem. Soc.


1938c, 60, 617.

ÁCIDOS CICLOPENTÊNICOS DO ÓLEO DA SAPUCAINHA


(Carpotroche brasiliensis Endl, Flacourtiaceae), O
PRIMEIRO ANTILEPRÓTICO USADO NO BRASIL
Adriana S. Oliveira, Claudia M. Rezende, Josélia Alencar
Lima e Angelo C. Pinto. Quim. Nova 32, 000 (2009)
Theodoro Peckolt

• 1870: Estudo do plumerídio


“agoniadina”
• 1956: Estrutura química da
agoniadina por Halpern e
Schimid.
CO2Me

O O

O OGlc

OH
H
"agoniadina"
Theodoro Peckolt

• 1874: Seção de química


analítica do museu Nacional;

• Análise de 6000 plantas


~ 400 trabalhos científicos.

• Obras:
“Análises da Matéria Médica
Brasileira” (1868);
“História das Plantas Alimentares
e de Gozo do Brasil” (1871-1888);
“História das Plantas Medicinais
e Úteis do Brasil” (1888-1914)
Receituário da farmácia de Peckolt
Wilhelm Michler (1846-1889)

• 1881: América do Sul


• 1882: Rio de Janeiro
• Antônio Ennes de Souza (Faculdade de
Zurique) ⇒ Álvaro de Oliveira (Escola
Politécnica)

• Publicações: Revista de Engenharia - RJ

• 1883: Série
“Investigações Químicas dos Produtos
Naturais do Brasil”

SANTOS, N. P.; PINTO, A. C.; ALENCASTRO, R. B. Química Nova, 2000, 418-426.


Wilhelm Michler (1846-1889)

1º - “Sobre a matéria graxa da Urucuba”


Pernambuco
CH3(CH2)12COOH e glicerídeo
ácido mirístico Virola gardeneri

2º - “Sobre a matéria graxa do Tingui”


Piauí e Ceará
Tristearina e trioleína
Magonia pubescens

3º - “Sobre o alúmen do Piauhy”


Comparação com alúmen de Napóles e Roma
Wilhelm Michler (1846-1889)

Análise para Ministério da agricultura:


• Fécula do Mucunã (Ceará)
• alimento nos períodos de seca

Revista de Engenharia – 1885


“Trabalhos do laboratório Químico Industrial da Escola
Politécnica”
• “Sobre a matéria graxa das sementes
da trepadeira Fevillia trilobata L.
(andiroba ou nhandiroba)”
• Análise: Michler e Peckolt
H H
CH3(CH2)14COOH C=C
H3C(CH2)7 (CH2)7COOH
ácido palmítico
ácido oléico
Instituto de Química Agrícola – IQA (1934-1962)
• Origem: Laboratório de análises do IQ;
(Manteiga industrial importada até 1921)
• 1934: Nova denominação e novo
regulamento
• Seções: Química, Mineralogia e
Gênese dos solos, Alimentação Vegetal
e pesquisas, Agentes Corrosivos e
Defensivos da Lavoura, Plantas
Medicinais ⇒ Controle dos gêneros de Mário Saraiva
exportação e fiscalização de inseticidas (1885-1950)
e fungicidas.
1938: Incorporação ao Centro Nacional de Ensino e
Pesquisas Agronômicas (CNEPA) ⇒ Desenvolvimento
da agricultura
INSTITUTO DE QUÍMICA AGRÍCOLA
1918

ORIGEM: LABORATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO DE DEFESA


DA MANTEIGA

MÁRIO SARAIVA: TRANSFORMAÇÃO DO PEQUENO


POSTO DE ANÁLISE LABORATORIAL NO INSTITUTO DE
QUÍMICA QUE MANTEVE, ATÉ 1921, A ATRIBUIÇÃO DE
ANÁLISE DOS LATICÍNIOS.

VÍNCULO: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, INDÚSTRIA E


COMÉRCIO – NOVAS ATRIBUIÇÕES ALÉM DA QUÍMICA
ALIMENTAR, O ESTUDO DOS SOLOS E DE VEGETAIS.
SOLOS

QUÍMICA VEGETAL: WALTER MORS


E OSCAR RIBEIRO

QUÍMICA ALIMENTAR

ANÁLISES AGRÍCOLAS

FÍSICO-QUÍMICA

TECNOLOGIA AGRÍCOLA
Instituto de Química
(1918)

• Fundador: Mário Saraiva


• Ensino oficial de química
• Início das atividades: 1921
• Término: 1931
• Prédio cedido ao Instituto
de Pesquisas Industriais
• Vínculo: Ministério da
Agricultura, Indústria e
Comércio

RHEINBOLDT, H. A química no Brasil In.: AZEVEDO, F. As Ciências no Brasil, Rio de Janeiro, editora da UFRJ,
9-108p., 1994.
Instituto de Química Agrícola – IQA (1934-1962)
• I Guerra Mundial (1914-1918)
↓Gêneros importados

• Revolução de 30
(1937-1945) – Estado Novo
Integração ensino-pesquisa
• Década de 50 (Plano de
metas - Juscelino Kubitschek)
Química Vegetal e estudo de
solos – Fundação Rockefeller
• 1962: Extinção
IQA 1950 não atendiam aos interesses
imediatos de elevação da
produtividade e modernização
agrícola.
Centro de Pesquisas em Produtos Naturais
CPPN - 1963

Walter Baptist Mors


Paulo da Silva Lacaz
FF - UFRJ Benjamin Gilbert

Otto Richard Gottlieb


Departamento de
Química Orgânica do
Instituto Central de
Química (UnB)

1963 – 1972: Estudo fitoquímico de plantas brasileiras


FARIA, L. R. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 3, 51-74, 1997.
__________. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 14 , 347-362, 2007.
Os Anos Cinquenta e Sessenta
Anos 50
Cromatografia em Papel 48 horas
Ultravioleta Algumas horas
Ponto de Fusão , Ponto de Fusão Grau de Pureza
Misto
Análise Elementar Determinação de Pureza
A Elucidação Estrutural era baseada na degradação química e
identificação de partes da molécula. Depois Montava-se o quebra-
cabeça.

Início de 60
TLC 30 minutos
RMN 60MHz Hidrogênios aromáticos,
olefinas, metoxilas e metilas
Sir;
Occurrence of 1-Nitro-2-phenylethane in Ocotea pretiosa and Aniba canelilla
Otto Richard Gottlieb and Mauro Taveira Magalhães
J. Org. Chem. 24, 2070 (1959)
OH
H2 H2 H
C C NO2 C C N
H
H O

OH

HC N OH

COOH C C N
H H
O
H2C NOH
-H2O

CH2OH2 H3C NO C C N
H H
O
MeO O

OH
O
O

O
HO OH O

α - Thujaplicinol, 1961 Pisatina, 1961-1962

O
O
OH O O O

HO OH O

Betulina, 1962 Morelina, 1963


Figura X: Primeiras estruturas de produtos naturais determinadas por Ressonância
Magnética Nuclear.
H
H
N
S

O
N
O

CO2H
Penicilina G, 1949
Longifoleno, 1953

H O

O
HO O
H CO2H OH
O
HO

Ácido Giberélico, 1962 Heliespirona B, 2007

Figura X: Primeiras estruturas de produtos naturais determinadas por difração de Raio-X. A


heliespirona B é o primeiro exemplo de elucidação da estereoquímica absoluta.
A 100 - Mc. Nuclear Magnetic Resonance and
Nuclear Magnetic Double Resonance Study of Puromycin

Sir

LeRoy F. Johnson and Norman S. Bhacca

J. Am. Chem. Soc 85,3700 (1963)


Terpenoids. XLVI. Copalic Acid
T. Nakano and Carl Djerassi
J. Org. Chem. 26, 167 (1961)
Chemoprophylatic Agent in Schistosomiasis :
14,15-epoxygeranylgeraniol. Walter B. Mors,
Miguel Fascio dos Santos Filho, Hugo J.
Monteiro and J. Pellegrino Science 157, 950-951
(1967)

OH
O

EPÓXI-GERANILGERANIOL
Ichthyotherol and its Acetate, the Active
Polyacetylene Constituents of Ichthyothere
terminalis (Spreng.) Malme, a Fish Poison
from the Lower Amazon
Seiva S. Cascon, Walter B. Mors, Bernard M.
Tursch, Robin T. Aplin, and Lois J. Durham
J. Am. Chem. Soc. 87, 5237 (1965)

A New L-α- Amino Acid from Lepidoptera


Sir:
Keith S. Brown, Jr.
J. Am. Chem. Soc. 87, 4202 (1965)
Núcleo de Pesquisas em Produtos Naturais - NPPN

Centro de Ciências da Saúde à esquerda;


Centro de Ed. Física e Desportos à direita

“Centro dentro de outro


centro...”
Vista aérea da cidade
universitária Reitor Alcides Caldas:
NPPN
www.imagem.ufrj.br
Carbon-13
Nuclear Magnetic Resonance Spectroscopy of
Naturally Occurring Substances. X. Pimaradienes
Ernest Wenkert & Brian L. Buckwalter
J. Am. Chem. Soc. 1972, 94
, 4368
.
16

15 R
12
20 11 13 R'
17 C
1 9 14
2 10 8
3
H H H A B
5 7
4 6

H H H H
R R CO2H
19 18
(I) (II) (III) (IV)

a , R = Me ; b , R = CH2OH ; c , R = CO2H
Catharanthus roseus N

N
N
H
MeO2C
OAc
MeO
N
Me

H2NOC OH

Vindensina

N
N
H
MeO2C
OAc
MeO
O N

MeO2C OH
H

Vincristina
FRITZ FEIGL: Sua obra e novos campos tecno-científicos por ela originados.
Espinola, A. Quim. Nova 27 (1), 169-176 (2004).
BIODIVERSIDADE VEGETAL E
BIOATIVIDADE: Agregando valor de BRASIL:
forma sustentável
22% da Biodiversidade
Vegetal do Mundo

>60.000 espécies de
vegetais superiores
Biomas
Andinos Floresta Só 1.400 espécies vegetais
Norte Amazônica bioativas conhecidas no
Cerrado & Brasil. Genômica,
Caatinga Proteômica e HTS poderão
Pantanal detectar muitas outras?
Mata
Atlântica
Pampas
Biomas
Andinos Patagonia
Sul
PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E
RETORNO DE BENEFÍCIOS

Centrais de
Plantas Extração
Controle Qualidade
Estocagem a –30oC
Taxonomia
Priorização
de Acertos
Detentores Triagem
da Terra Biológica
Conservação e Fracionamento
Desenvolvimento Produto
Sustentável Comercial
• Isolamento /
Instituições Purificação
Inventores • Estrutura do
Investidores Composto Ativo
PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E
RETORNO DE BENEFÍCIOS

Centrais de
Plantas Extração
Controle Qualidade
Estocagem a –30oC
Contratos Taxonomia
de Acesso Priorização
Triagem de Acertos
Detentores
da Terra $ Biológica
Conservação e Fracionamento
Desenvolvimento Produto
Sustentável Comercial
• Isolamento /
Instituições $ Purificação
Inventores • Estrutura do
Investidores Composto Ativo
OBRIGADO