Sie sind auf Seite 1von 97

Linha do tempo : 47 anos

46 anos

Prof. Ademir Rocha


Redução de empregos e salários!
Falta qualificação de profissionais!
Escassez de Líderes!
Reduzida quantidade de talentos!
Y da questão

O quê fazer?
Como fazer?
Prof. Ademir Rocha
A resposta

Propósito

4 P´s
Princípio
Prática
Prof. Ademir Rocha
Persistência
5
®

S ensibilidade
E ducação e espiritualidade
t ecnologia e trabalho no estado da arte
o rganização- disciplina
Rusticidade, generosidade, história, conversação e contradição

R ealização
Pontos
Sociográficos

Retorno - 5
Prof. Ademir Rocha
Retorna
Manda Simples Gestão : Academia da Arte do Trabalho :
América do Sul América do Sul
Brasil Brasil
Nordeste Nordeste
CE-Fortaleza CE-Fortaleza
Sudeste - SP-São Paulo Sudeste
SP-SP-Reg.Nororeste SP-São Paulo

Prof. Ademir Rocha


Retorna
Academia da Arte do Trabalho
Brasil-Sudeste-São Paulo-Capital

Prof. Ademir Rocha


Retorna
Academia da Arte do Trabalho
Brasil-Nordeste-Ceará-Fortaleza-Capital

Prof. Ademir Rocha


Retorna
Mandala – Simples Gestão
Brasil-Sudeste-São Paulo-SP

Prof. Ademir Rocha


Retorna
Mandala – Simples Gestão
Brasil-Sudeste-São Paulo-Região Nororeste

Prof. Ademir Rocha


Retorna
toR
SE

Momentos de

Ademir
TV

es Prática do
õ
luç Conhecimento
So

Prof. Ademir Rocha


Retorna
ões
luç
So

Prof. Ademir Rocha


Retorna
Em 24/07/2016, seremos
reconhecidos como a
1ª Academia de Prática da
Arte do Trabalho

Vi

o
Ademir

Luis
Retorna
Bosco

Ética
Auto
Nossos valores Generosidade Realização

Auto
Estima

Pertencimento
Ouvir

Física Segurança
Quântica

Tempo: Fisiológicas
Escasso
Prof. Ademir Rocha
Retorna
Evolucionar o mundo da arte do trabalho

Ademir

são
s
Mi

Retorna
Prática do conhecimento
Luciana
Sa
be
do
ri a

Retorna
Processos
Luis

Retorna
e s o s
t n
lien x t er
Liduína C E
e
nos
In ter

Retorna
Target

Bosco
c ial
So
s aico
Mo

Retorna
Ubaldina

Expansão

Retorna
Resultados
Erizeny

Retorna
O “Y” da questão

Prof. Ademir Rocha

Retorna
Retorna 6

iteratura e lazer

- Saúde

Retorna 3
Prof. Ademir Rocha
Retorna
1o-SEtoR - Público: Um protetor para os desprotegidos,
2o-SEtoR- Privado: Um guia para os que perderam o rumo,
SEtoR Social :
3o SEtoR: Um navio, para os que têm um oceano a cruzar,
4o SEtoR: Uma ponte para os que têm rios a atravessar,

5o SEtoR: Uma bússola para os PROTAGONISTAS SOCIAIS:

Operadores : Públicos, Privados-Econômicos e Sociais


Prof. Ademir Rocha
Grupo Grupo
Individuo Individuo
Social Social
A A A
Antes A Depois

Gestão da Sabedoria
Após
Investimento Comunidade
Gestão do
Conhecimento Prática
Capital Social
Capital Intelectual Tia
Capital Estrutural
CELEA
Experiência Prática de Vida

Em busca da grandeza-Expomanagement-2008-Stphen Covey – Pg. 150


Prof. Ademir Rocha Ampliação do Índice de Obscuridade
Grupo Grupo
Individuo Individuo
Social Social
A A A
Antes A Depois
Máximo Máximo
Máximo

Máximo
Gestão da Sabedoria
Após
Investimento Comunidade
Gestão do
Conhecimento Prática
Mínimo
Capital Social
Capital Intelectual Mínimo Tia
Capital Estrutural
Mínimo CELEA Mínimo
Experiência Prática de Vida

Em busca da grandeza-Expomanagement-2008-Stphen Covey – Pg. 150


Prof. Ademir Rocha Ampliação do Índice de Obscuridade
IMPORTANTE: Três colunas que norteiam nossas ações
Energia 80% 20% Tempo

Convívio
Convívio Social
Social e
utilização
e utilização da
da
Rede
Rede Internet
Mundial
Internet Mundial
Prof. Ademir
Prof. Ademir Rocha
Rocha 4 P´s
Em busca da grandeza-Expomanagement-2008-Stphen Covey – Pg. 150
Prof. Ademir Rocha
Pontos
Sociográficos

Índice de obscuridade

Prof. Ademir Rocha


Pontos
Sociográficos

Índice de obscuridade

Prof. Ademir Rocha


Prof. Ademir Rocha


1-Sensibilidade 3-Realização
Na liderança
– O tratamento com as – As pessoas teem por
pessoas, exige um do SERviço, três aspectos natureza, a expectativa de
relacionamento com devem nortear, no convívio realização como ser humano,
elegância e principalmente, através do seu trabalho.
observar os pontos fortes e com as pessoas:
-Propiciar a prática de atitudes, de
fracos de cada um, para
2-Educação e Espiritualidade modos a participar como efetivo
orientá-los e/ou sugerir
– É importante balizar-se nas protagonista, auxiliar no
pessoas que possam
características de educação bem desenvolvimento da auto-estima e
potencializar as suas
como no nível de desenvolvimento da autp-realização
facilidades e experiências.
do quoficiente de espiritualidade de
cada um.

Liderança coletiva – Otto Scharmer – Teoria “U” Mais artigos

Prof. Ademir Rocha


O Líder do SERviço
É Por
um novo estilo de Liderança, cujas características principais são:
aqui
.Construtor de constelações
.Atitude fundamental, o auxílio às pessoas, para ajudá-las a brilhar,
.É acima de tudo uma pessoa que constroi pontes,
.Conscientiza as pessoas, através dos próprios exemplos,
.Exerce naturalmente o papel de orientador, é sempre disponível para estar junto
com as pessoas.
Liderança distribuída – Thomas Malone

Prof. Ademir Rocha


A forma que a liderança terá. Srikumar Rao – Rvista HSM 72-JanFev/2009-Pg 76 \ 104
Darwin –Séc 21 – “Não são as espécies mais fortes que sobrevivem, nem as mais inteligentes, mas as mais sensíveis à mudança”.
Por
...funcionários e suas expectativas também teem mudado. Eles esperam mais do trabalho e querem contribuir de diferentes formas...
aqui
...Sete tarefas que estão diante do líder do futuro: 1-Estabelecer Missão inspiradora, 2-Persguir resultados depois da Missão, 3-
Remunerar com justiça, 4-Eliminar desmotivadores, 5-Compromisso com a comunidade, 6-Compromisso com o aprendizado e justiça,
7-Ser útil.
Lawrence Fisher : Inteligência Social, Transparência, Aprendizagem emocional e social...
Daniel Goleman : Inteligência emocional, 4 competências : 1-autoconhecimento, 2-autogestão, 3-consciência social, 4-gerenciamento
dos relacionamentos. Relação entre conexão social e resposta neural.
Otto Schamer-Teoria “U” – Liderança coletiva. Divisão do trabalho-200anos. “Consciência coletiva”. As pessoas querem ser parte de
uma história maior do que seu “eu” e liberar seus níveis mais profundos de conhecimento. Atenção: mente aberta, coração aberto e
vontade aberta.
Thomas Malone: colaboração horizontal, inteligência coletiva. Está surgindo outro tipo de liderança. “ordenar e controlar”, substituído
por “cultivar e coordenar”. Estamos na primeira etapa do aumento da liberdade humana. Continua...
Thomas Malone: Quando as pessoas tomam as próprias decisões, costumam estar mais motivadas, ser mais criativas,
flexíveis e inovadoras.
“Líderes distributivos”. Será cada vez mais comum, Quatro características do líder distributivo: 1-Achar sentido no que
acontece, 2-visualizar o futuro, 3-relacionar-se bem, 4- inventar. Cada vez será mais importante que todos exerçam essas
Por características. Gerar ambientes que faciitem a liderança, Colocar a informação ao alcance de muita gente. Os
quatro
líderes troquem de papéis, em uma etapa dirigem e em outra etapa se transforma em seguidores.
aqui

Prof. Ademir Rocha


Os grupos sociais devem se limitar com a quantidade IDEAL de oito pessoas.
Nele a liderança não é fixa, sendo flexível e compartilhada a cada situação e
oportunidade.

Seis graus de separação – 1967 - Stanley Milgram

Prof. Ademir Rocha


A estrutura de processos é convergente com a estrutura de organização
das pessoas.
Modelo de gestão celular, que propicia a organização das informações
e/ou conhecimentos, para depósito, garimpagem e recuperação das
mesmas.

Henry Mintzberg – Expomanagement-200-Mapa errado mapa certo – Novos tempos, novas prioridades-Pag.139

Prof. Ademir Rocha


Seis graus de separação – 1967 - Stanley Milgram

Prof. Ademir Rocha


Comunidade Tia
prática CELEA

O aprendizado adequado à realidade das pessoas, com exercícios e


Comunidade
dinâmicas práticas, com o conteúdo tratado, potencializa a retenção ( 95%).
prática
A arte como base para o auxílio no desenvolvimento da criatividade,
percepção, sensibilidade, auto-realização, auto-estima.

Prof. Ademir Rocha


Comunidade Propiciar a participação e atitude das pessoas
prática
como forma de efetivamente, estimular o
protagonismo cotidiano.

Possibilitar aos integrantes


Comunidade
que escolham os itens das células, com os quais mais
se identificam. A definição
prática de responsabilidades prioritárias nos itens, porém com
co-responsabilidade nos demais itens, possibilita o desenvolvimento da visão mais
ampla do grupo social, sob o objetivo principal do mesmo.
Sundance-Robert Redford Pg18
“Aprender fazendo, praticando e ensinando”
Andragogia

Prof. Ademir Rocha


Tia
Acrônimo:
CELEA

Trabalho no estado da arte.


in – formação –Comunidade
possibilitar o desenvolvimento interior, através do trabalho.
atitude – estimuloprática
para tomada de posições, mesmo divergentes no grupo.

Continua...
Prof. Ademir Rocha
Tia
Acrônimo:
Cultura – como auxiliar no desenvolvimento CELEA

Educação-espiritualidade-Desenvolvimento interior como ser humano. (mais)


Literatura e lazer – complemento para o desenvolvimento pessoal
Comunidade
Esporte e jogos deprática
salão-potencializadores do desenvolvimento no trabalho.
Arte – desenvolvimento da sensibilidade, percepção, criatividade.

retorno

Prof. Ademir Rocha


Prof. Ademir Rocha
Específicações

Prof. Ademir Rocha


e r g ência
C onv
para
u lta d os
R es Palestras, Cursos, Workshop,...Eventos
Curso : Líder do SERviço
Liderança do presente-futuro
Tecnologia Social – Pessoas e Processos para Resultados
Simples Gestão – Gestão celular
Comunidade prática – Tia CELEA
FASE 01
34 hs 1-Tecnologia Social
2 hs Palestra DVD

32 hs 8 Módulos de 4 hs / Módulo 1-Líder do Século XXI


Wetware: contribuições humanas ( Revista HSm-72-JanFev/2009 – Pgs 46 a 54)
INOVAÇÃO – O fim das teorias - As possibilidades de encontrar respostas para questões fundamentais agora não dependem tanto do
uso do método científico. Com a coleção de fatos e números crescendo sem parar, “MAIS” deixa de ser apenas “MAIS” e passa a ser
“DIFERENTE”. É o que mostram os sete artigos deste dossíê WIRED.
Pg 47-RUMO A UMA CIÊNCIA SEM MODELOS: A atual avalanche de dados torna obsoleto o método científico.
...Tudo são apenas dados...’Venter”.
Esse tipo de pensamento está pronto para ser a principal corrente.nEm fevereiro de 2008, a National Science Foundation anunciou o
Cluster Exploratory, programa que financia pesquisas a serem realizadas em plataformas de larga escala desenvolvidas pelo Google e
pela IBM em conjunto com seis universidades. O Cluster consistirá de 1,6 mil processadores, diversos terabytes de memória e centenas
de terabytes de armazenamento, juntamente com o software, incluindo o Tivoli da IBM e as versões de código aberto do Google File
System e do MapReduce. Os primeiros projetos incluirão simuladores do cérebro e do sistema nervoso e outras pesquisas biol[ogicas
que se situam entre o wetware (as contribuições humanas) e o software.
Aprender a usar um “computador” nessa escala pode ser um desafio. Mas a oportunidade é ótima.
A nova disponibilidade de grandes volumes de dados, junto com ferramentas estatísticas para digerir tais números, oferece todo um novo
modo de compreender o mundo. A correlação substitui a causalidade e a ciência pode avançar mesmo sem modelos coerentes, teorias
unificadas ou qualquer explicação mecanicista.
Não há motivo para nos apegarmos a nosso velho modo de fazer as coisas. É tempo de perguntar: “O que a ciência aprende com o
Google?”.
Gestão da Sabedoria

Gestão do Comunidade
Conhecimento Prática
Capital Social
Capital Intelectual Tia
Capital Estrutural
CELEA
Experiência Prática de Vida

Prof. Ademir Rocha


Gestão da Sabedoria

Gestão do Comunidade
Conhecimento Prática
Capital Social
Capital Intelectual Tia
Capital Estrutural
CELEA
Experiência Prática de Vida

Prof. Ademir Rocha


Gestão da Sabedoria

Gestão do Comunidade
Conhecimento Prática
Capital Social
Capital Intelectual Tia
Capital Estrutural
CELEA
Experiência Prática de Vida Retorna

Prof. Ademir Rocha


Gestão da Sabedoria

Gestão do Comunidade
Conhecimento Prática
Capital Social
Capital Intelectual Tia
Capital Estrutural
CELEA
Experiência Prática de Vida

Prof. Ademir Rocha


Gestão da Sabedoria

Gestão do Comunidade
Conhecimento Prática
Capital Social
Capital Intelectual Tia
Capital Estrutural
CELEA
Experiência Prática de Vida

Prof. Ademir Rocha


Você aprende...
Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre
dar a mão e acorrentar uma alma e você aprende que amar não significa
apaixonar-se, e que companhia nem sempre significa segurança, e
começa a aprender que beijos não são contratos, e presentes não são
promessas, e começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e os
olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma
criança. Aprende a construir todas suas estradas no hoje, porque o terreno
do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de
cair em meio ao vão.
Depois de um tempo, você aprende que o sol queima se ficar exposto por
muito tempo, e aprende que não importa o quanto você se importe,
algumas pessoas simplesmente não se importam; e aceita que não
importam quão boas seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando, e
você precisa perdoá-la por isso. Aprende que falar pode aliviar dores
emocionais, e descobre que se leva anos para construir confiança, e
apenas segundos para destruí-las, e que você pode fazer coisas em um
instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que
verdadeiras amizades continuam a crescer a longas distâncias, o que
importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida, e que
bons amigos são a família que nos permitem escolher.
Aprende que não temos que mudar de amigos, se compreendemos que os amigos
mudam.
Percebem que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e
terem bons momentos juntos. Descobre que as pessoas com quem você mais se
importa na vida, são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos
deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que
a vejamos. Aprende que as circunstâncias e os ambientes teem influência sobre
nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se
deve comparar com os outros, mas como melhor que pode ser. Descobre que se
leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.
Aprende que não importa aonde já chegou, mas onde está indo; mais se você não
sabe onde está indo, qualquer lugar serve. Aprende que ou você controla seus atos,
ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco, ou não ter
personalidade, pois não importa quando lhe cabe frágil.
Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer,
enfrentando as consequências, aprende que a paciência requer muita prática,
descobre que algumas vezes pessoas que você espera que o chute, quando você
cai, é uma das poucas que ajudam a levantar-se. Aprende que maturidade tem mais
a ver com o tipo de experiência que se teve, e o que você aprendeu com elas; do
que com quantos aniversários você celebrou.
Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha. Aprende que
nunca se deve dizer a uma criança, que as coisas são bobagens, poucas coisas são
humilhantes que seria uma tragédia se ela acredita-se nisso.
Aprende que quando está com raiva, tem o direito de estar com raiva, mas isso não
dá a você o direito de ser crua. Descobre que só porque alguém não ama do jeito
que você quer que ame, não significa este alguém não o ama com tudo que pode,
mas simplesmente não sabe como demonstrar ou viver isso.

O menestrel-Você aprende - William Shakespeare


Colaboração: Marcondes Ferreira de Andrade-12/11/09
Ambientes

Internos Internos
Ambientes

Internos Internos

Adaptação - Prof. Ademir Rocha


Ambientes
Internos Internos

Adaptação - Prof. Ademir Rocha


Retorna
Ética
Auto
Nossos valores Generosidade Realização

Auto
Estima

Pertencimento
Ouvir

Física Segurança
Quântica

Tempo: Fisiológicas
Escasso
Prof. Ademir Rocha
Retorna
om
t.c
p o
gs
bl o m
r . c o
e to a il.
os m
. 5 @ g
w w p e
w tri
5o
CRISE
S
S

S Retorna
CRIE
Retorna
CRI$E
Retorna
Diferença:

Mutação x Revolução
Existe uma diferença muito grande entre revolução e mutação.
Para Charpak e Omnès(2005) o termo mutação, emprestado da
biologia, quando empregado no sentido histórico se trata de um
fenômeno mais radical do que uma revolução, pois a revolução
implica num movimento circular cujos efeitos podem
sempre ser anulados por outra revolução. “Quando se produz
uma mutação numa sociedade podemos dizer que o destino se
bifurca: o que se segue é um novo esforço na busca de outros
horizontes, ou o declínio e a morte.”
Fonte: Maranhão, R.(2007) baseado em Charpak e Omnès(2005)