Sie sind auf Seite 1von 29

TEORIAS DA APRENDIZAGEM E

DO DESENVOLVIMENTO
MEGA CURSO
Conhecimentos Pedagógicos
Prof.a. Sônia Nascimento
sonia.macario@hotmail.com
Concepções sobre a natureza do
Conhecimento
• INATISMO (OU APRIORISMO OU NATIVISMO): Platão, Descartes e Kant
• Condições para aprender e formas de conhecimento são pré-determinadas pela
herança genética e pela maturação (determinismo biológico).
• Reconhece diferenças individuais, que são dadas biologicamwnte. Desse modo, o
fracasso ou sucesso de alguém é atribuído a fatores internos.

• AMBIENTALISMO (OU EMPIRISMO): Bacon, Locke e Hume, Skinner


• Considera a mente como uma “tábula rasa” no nascimento e tudo se aprende pela
experiência.
• Condições para aprender estão nas experiências externas, não nos processos
mentais. (Determinismo ambiental)
• Defende o planejamento das condições ambientais.

• INTERACIONISMO
• Condições para aprender está na relação entre organismo e meio externo físico e
social, que exercem uma ação recíproca.
• A aquisição é um processo construído ao longo da vida.
• Combate o reducionismo das duas concepções anteriores.
Teorias do Desenvolvimento e
Aprendizagem
• TEORIAS BEHAVIORISTAS ou COMPORTAMENTALISTAS
(Teorias do comportamento estímulo-resposta)

• Nomes: Edward L. Thorndike, Watson e B.F. Skinner (1904-1990)


• Seu principal pressuposto consiste em explicar que o
comportamento complexo é a combinação de uma série de
condutas simples.
• Aprender é adquirir comportamentos. Ensinar é modelar
comportamentos.
• A aprendizagem acontece quando um dado comportamento é
adquirido, mantido, ou extinto, a partir das consequências que ele
produz (reforços, punições)
• Conceitos: comportamento, condicionamento clássico e operante;
modelagem, reforço, estímulo-resposta.
• O comportamento é sequencial, do mais simples ao mais complexo.
• TEORIAS DE CAMPO
(Teorias da Gestalt e Fenomenologia)

• Nomes: Gestalt (Wertheimer, Koffka e Köhler) e


Fenomenologia (Combs e Snygg)
• Conceito-chave: todo é mais que a soma das partes.
• Concepção de que as pessoas são capazes de pensar,
perceber e de responder a uma dada situação, de
acordo com as suas percepções e interpretações:
• O paradigma de aprendizagem é a solução de
problemas, do todo para as partes.
• TEORIAS PSICOGENÉTICAS
(Construtivismo e Sociointeracionismo)

• A aprendizagem é um produto resultante do ambiente,


das pessoas e de fatores externos a ela.
• Teoria Construtivista do biólogo suíço Jean Piaget
(1896-1980
• Teorias Sociointeracionista do psicólogo bielo-russo
Lev Vygotsky (1896-1934).
• Teoria Sociointeracionista do filósofo, médico,
psicólogo Henri Wallon (1879-1962)
“A criança tem um papel ativo em seu
aprendizado. Ela constrói conhecimento.”
Construtivismo, de JEAN PIAGET
• O conhecimento se constrói pouco a pouco, à medida em
que as estruturas mentais e cognitivas se organizam, de
acordo com os estágios de desenvolvimento da inteligência.
• O desenvolvimento anterior a aprendizagem.
• A inteligência é antes de tudo adaptação.
• Fatores determinantes do desenvolvimento cognitivo:
equilibração, maturação, interação social, experiência ativa
do individuo (Ulbritch)
• Piaget não desenvolveu uma teoria da aprendizagem, mas
sua teoria de como, quando e por que o conhecimento se
constrói, seus postulados sobre desenvolvimento da
autonomia, cooperação, criatividade e atividade centrados
no sujeito influenciaram práticas pedagógicas ativas
Construtivismo, de JEAN PIAGET
• Conceitos Básicos:
• Adaptação
• Esquemas de ação(estruturas cognitivas)
• Aprendizagem: Assimilação / Acomodação
• Desequilíbrio > Equilibração
• Estágios do desenvolvimento: operações
• Erro construtivo
Estágios de desenvolvimento da
inteligência, segundo Piaget
• “(...) não basta que os alunos deparem-se com conteúdos para
aprender, é necessário que diante dos conteúdos possam utilizar
seus esquemas de conhecimentos, contrastá-los com o que é novo,
identificar semelhanças e discrepâncias, integrá-los em seus
esquemas, (...)” (ZABALA, 2002, p.102)

• A aprendizagem não é em si mesma desenvolvimento, mas uma


correta organização da aprendizagem da criança conduz ao
desenvolvimento mental, ativa todo um grupo de processos de
desenvolvimento, e esta ativação não poderia produzir-se sem a
aprendizagem. Por isso, a aprendizagem é um momento
intrinsecamente necessário e universal para que se desenvolvam
na criança essas características humanas não naturais, mas
formadas historicamente (VYGOTSKY, 1977, p. 47)
“Na ausência do outro, o homem não
Sociointeracionismo, de VYGOTSKY
(1896-1934)
Conceitos-chave:

Sociointeracionismo
Internalização da cultura
Mediação entre eu e o mundo: Linguagem/signos
Zona de Desenvolvimento Proximal
Pensamento x linguagem
Sociointeracionismo, de VYGOTSKY
(1896-1934)
• Os trabalhos de Vygotsky centram-se principalmente
na origem social da inteligência e no estudo dos
processos sociocognitivos.
• Vygotsky distingue duas formas de funcionamento
mental: os processos mentais elementares (dependem
da maturação biológica e da interação da criança com o
meio) e os superiores (construídos ao longo da história
social do homem na sua relação com o mundo,
mediada pelos instrumentos e símbolos desenvolvidos
culturalmente).
• Aprendizado e desenvolvimento interagem
entrelaçados, um acelera ou completa o outro.
Sociointeracionismo, de VYGOTSKY
• Interação: todo mundo aprende e se desenvolve
através das interações e da troca com o outro, que
veicula a cultura. As funções mentais superiores são
socialmente formadas e transmitidas pela cultura. O
individual é impregnado do coletivo.
• Mediação: interação é feita pela Linguagem que faz a
mediação ente o individuo e a cultura).
• Internalização: momento em que o aprendizado se
completa (passagem entre o interpsíquico e o
intrapsíquico).
• Linguagem e Pensamento caminham juntos, mas antes
de se unirem, passam por processos distintos: fase pré-
linguística do pensamento e fase pré-intelectual da
linguagem.
Sociointeracionismo, de VYGOTSKY
• ZD Real, o que se sabe fazer sozinho.
• ZD Potencial, o que o sujeito consegue fazer
com apoio, aquilo que ele tem potencial para
fazer/ desenvolver/ aprender, com auxílio.
• ZD Proximal, distância entre Real e Potencial.
O ensino incide aqui.
Zona de Desenvolvimento
Conhecimento Proximal Conhecimento
REAL POTENCIAL
(ZDP)
ESPAÇO DAS INTERAÇÕES
O ato motor leva ao ato mental.
Sociointeracionismo, de WALLON
• Conceitos-chave:
• Homem organicamente social;
• Campos funcionais: afetividade, motricidade,
cognição e formação do eu
• Integralidade da pessoa;
• Estágios de desenvolvimento: alternância,
predominância, rupturas e não-linearidade.
Sociointeracionismo, de Henri
WALLON (1879-1962)
• A gênese da inteligência para Wallon é genética e organicamente
social, ou seja, "o ser humano é organicamente social e sua
estrutura orgânica supõe a intervenção da cultura para se atualizar“.

• Para Wallon, a evolução da espécie humana fez do homem um ser


geneticamente social, desenvolvendo nele aptidões específicas.
Ele considera o desenvolvimento da pessoa completa integrada ao
meio em que está imersa, com os seus aspectos afetivo, cognitivo e
motor também integrados.

• As capacidades biológicas são os condicionantes da vida em


sociedade, mas o meio social é o condicionante do
desenvolvimento destas capacidades. Os processos mentais são
organicamente sociais e eles vão sendo atualizadas a partir da
cultura.
Sociointeracionismo, de WALLON
• A teoria do desenvolvimento cognitivo de Wallon é centrada na
psicogênese da pessoa completa.

• Wallon apresenta quatro elementos interativos e interdependentes que


constituem a psicogênese da pessoa: (campos funcionais): afetividade,
motricidade, cognição (raciocínio simbólico e linguagem) e o Eu e o Outro
(consciência e identidade do eu)

• A Teoria de Wallon considera desenvolvimento como sinônimo de


identificar-se em oposição ao mundo exterior. Esse processo é
eminentemente social.

• O processo de desenvolvimento acontece em etapas, e se dá de forma


descontínua não linear, sendo marcado por rupturas e retrocessos. A cada
estágio de desenvolvimento infantil há uma reformulação e não
simplesmente uma adição. Em cada estágio há a dominância alternada de
uma dimensão – ora a emocional, ora a cognitiva, ora a motora.
http://conhecerliterato.blogspot.com.br/2015/03/diferentes-enfoques-
teoricos-da.html
Sociointeracionismo, de WALLON
ETAPA PERÍODO CARACTERÍSTICAS
Impulsivo- Primeiro ano A afetividade orienta as primeiras reações do
emocional de vida bebê às pessoas, às quais intermediam sua
relação com o mundo físico;
A afetividade é impulsiva, emocional.
Sensório-motor vai até o 3º. O interesse da criança se volta para a exploração
ou projetivo ano de vida sensório-motora do mundo físico e dos objetos.
Acontece nesta fase a aquisição da marcha e da
preensão, que dão à ela maior autonomia , assim
como o desenvolvimento da função simbólica e
da linguagem
A inteligência é pratica e simbólica.
O ato mental "projeta-se" em atos motores,
desenvolvendo-se a partir deles
Sociointeracionismo, de WALLON
ETAPA PERÍODO CARACTERÍSTICAS
Personalismo dos três aos Tarefa central é formação da personalidade.
seis anos. Desenvolve-se a construção da consciência de si
mediante as interações sociais, reorientando o
interesse das crianças pelas pessoas, definindo o
retorno da predominância das relações afetivas
Categorial por volta dos Os progressos intelectuais dirigem o interesse da
seis anos criança para as coisas, para o conhecimento e a
conquista do mundo exterior;
Predomina o cognitivo sobre o afetivo.
Adolescência puberdade Ocorre nova definição dos contornos da
personalidade, desestruturados devido às
modificações corporais resultantes da ação
hormonal. Vêm à tona várias questões.
Retomada da preponderância da afetividade.
TEORIAS COGNITIVAS MODERNAS

• Teoria das Aprendizagens Significativas


(David Ausubel)
• Conceitos-base
• Aprendizagens significativas;
• Conhecimentos prévios;
• Conflitos cognitivos;
• Pontos de ancoragem (subsunçores);
• Pontes cognitivas;
• Motivação para aprender.
Teoria das Aprendizagens Significativas
(David Paul Ausubel)

Segundo Ausubel, a aprendizagem é um processo que envolve


a interação da nova informação abordada com a estrutura
cognitiva do aluno. Dessa forma, sempre deve se considerar o
conhecimento prévio que o indivíduo possui como ponto de
partida para um novo conhecimento.
“ A aprendizagem significativa é o mecanismo humano, por
excelência, para adquirir e armazenar a vasta quantidade de
ideias e informações representadas em qualquer campo de
conhecimento”. Para que o mecanismo seja acionado, é
preciso que o aprendiz já possua algum conhecimento prévio,
ou seja, já deve existir uma estrutura cognitiva em
funcionamento.
Para Ausubel, o termo estrutura cognitiva tem o significado
de uma estrutura hierárquica de conceitos, semelhantes à
teoria dos esquemas de ação de Piaget.
Teoria das Aprendizagens Significativas
(David Ausubel)
• A aprendizagem ocorre quando a nova informação ancora-
se em conceitos ou proposições relevantes, preexistentes
na estrutura cognitiva do aprendiz, ou seja, quando o aluno
encontra significado no que ouve.
• Assim, são necessários pontos de ancoragem, ou
subsunçores de aprendizagem, que irão relacionar o novo
com o que o aluno já sabe. O termo SUBSUNÇOR pode ser
entendido como o ponto cognitivo do aluno que dará
sentido a um novo conhecimento
• Outro conceito é o de “Pontes Cognitivas”, que são elos
entre o que o aprendiz já sabe e o que ele deve aprender.
• Para que a aprendizagem significativa ocorra é necessária a
existência de três fatores, que são a existência de material
na estrutura cognitiva do sujeito, a predisposição para
aprender, e o esforço decidido para aprender, no sentido
cognitivo e afetivo.
Teoria das Aprendizagens Significativas
(David Ausubel)
• A definição de conteúdo deve ser feita por meio de uma série
hierárquica, a partir da avaliação do que o aluno previamente já
sabe. Ausubel Incentiva o uso de organizadores prévios que sirvam
de âncora para a nova aprendizagem. Mais o mais importante é o
que o aluno já sabe.
• De acordo com a sua teoria, surgem conflitos cognitivos quando
ocorrem contraposição de esquemas prévios e conceitos novos.
Não somente a nova informação, mas também o antigo conceito
acabam sofrendo modificações pela interação entre ambos.
• Ausubel é um defensor do construtivismo, ou seja, o aluno é o
principal agente construtor de sua aprendizagem.
• De acordo com a sua teoria, surgem conflitos cognitivos quando
ocorrem contraposição de esquemas prévios e conceitos novos.
• Não somente a nova informação, mas também o antigo conceito
acabam sofrendo modificações pela interação entre ambos.
In: MOREIRA, Marco Antônio; Teorias de Aprendizagens,
OUTROS TEÓRICOS
• Albert Bandura: abordagem de aprendizagem social e o papel das
influências sociais.
• J. S. Bruner: afirma que o desenvolvimento cognitivo se dá numa
perspectiva de tratamento da informação, que ocorre de três
modos: inativo ou habitual, icônico, e simbólica (esquema arbitrário
e abstrato.
• Maturana e Varela: sua teoria sobre o homem como sistema
autopiético tem influenciado a construção de modelos
computadorizados.
• Robert M. Gagné: define a aprendizagem como uma mudança
interior e tenta integrar os conceitos básicos das teorias cognitivas e
comportamentais. Identifica cinco categorias de aprendizado:
• Howard Gardner: defende que o ser humano possui múltiplas
inteligências, ou um espectro de competências manifestadas pela
inteligência - a lógico-matemática, a linguística, a espacial, a
musical, a corporal- sinestésica, a interpessoal e a intrapessoal.
Edgar Morin: criou a chamada Teoria da Complexidade. Faz uma crítica à
fragmentação, simplificação, especialização dos saberes, em defesa do pensamento
complexo, múltiplo, transdisciplinar. Defende que a escola atual tem a função de
formar o cidadão para o mundo, por intermédio de uma educação de qualidade,
sempre levando em consideração os saberes diversos e complexos.

Relacionou sete saberes indispensáveis à formação do cidadão do século XXI:


1. Estudo do próprio conhecimento, analisando erros e ilusões;
2. Estudo da pertinência do conhecimento;
3. Estudo da condição humana, entendida como unidade complexa da natureza dos
indivíduos;
4. Ensino da identidade terrena (abordagem das relações humanas do ponto de vista
global);
5. Enfrentamento das incertezas, com base nos aportes recentes da ciência;
6. Aprendizado da compreensão (entendida como respeito, tolerância)
7. Estudo da ética global, baseada na consciência do ser humano como individuo e
parte da sociedade e da espécie.