Sie sind auf Seite 1von 17

RESUMO DO LIVRO DE

CARLA SCHWINGEL
• A SEGUINTE OBRA, CIBERJORNALISMO, DE CARLA SCHWINGEL, SURGIU DE
UMA APRESENTAÇÃO COMO TESE DE DOUTORADO NO PROGRAMA DE PÓS-
GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA, EM
2008, O QUE REPRESENTOU UMA CONTRIBUIÇÃO ORIGINAL ÀS PESQUISAS
NESTA ÁREA PIONEIRA DENTRO DO GRUPO DE JORNALISMO ON-LINE
(GJOL). O TRABALHO SURGIU EM MEIO ÀS LIMITAÇÕES QUE O JORNALISMO
PRECISAVA SUPERAR: ELEVAR PARA NÍVEL DE OBJETO DE ESTUDO CIENTÍFICO
QUE ATÉ ENTÃO, ENTRE OS ESTUDIOSOS DO JORNALISMO, NÃO PASSAVA DE
UMA FERRAMENTA AUXILIAR, DESPROVIDA DE QUALQUER INTERESSE HEURÍSTICO
(DO GREGO HEURÍSKO, MESMA ORIGEM DA EXCLAMAÇÃO HEURÉKA, QUE
INDUZ A UMA INVESTIGAÇÃO, APROFUNDAMENTO DE ALGO QUE ESTÁ
INCOMPLETO).
• 1° HISTORICIDADE, TERMINOLOGIA E CONCEITO DE CIERBJORNALISMO
(DEFINIÇÃO DE CIBERJORNALISMO);
• 2° ETAPAS EVOLUTIVAS DO CIBERJORNALISMO – AS GERAÇÕES DO
JORNALISMO DIGITAL;

• 3° CARACTERÍSTICAS DO CIBERJORNALISMO;
• 4° O PROCESSO DE PRODUÇÃO DO CIBERJORNALISMO (APURAÇÃO,
PRODUÇÃO E CIRCULÇÃO);

• 5° A DINÂMICAS DE TRABALHO NO CIBERJORNALISMO (DINÂMICAS DA


PRIMEIRA A TERCEIRA GERAÇÃO E DINÂMICAS DO CIBERJORNALISMO);

• 6° UM SISTEMA DE PRODUÇÃO PARA O CIBERJORNALISMO (SISTEMAS


INTEGRADOS)
• COMPREENDER O JORNALISMO CONTEMPORÂNEO PRATICADO NAS REDES
MUNDIAIS, NA INTERNET, NO CIBERESPAÇO: CIBERJORNALISMO.

• “SE ESTAMOS DIANTE DE UM MEIO EM QUE TODOS PODEM PUBLICAR


INFORMAÇÕES COM TAMANHA FACILIDADE, O QUE DIFERENCIA E
CARACTERIZA O FAZER JORNALÍSTICO?”

• PRODUTOS NO MERCADO JORNALÍSTICO E EXPERIÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DA


INTERNET DEMONSTRAM O CARÁTER PARADIGMÁTICO DOS TEMPOS QUE
ESTAMOS VIVENDO;

• OTRABALHO APRESENTADO RESULTA DA DA BASE TEÓRICA DA TESE “SISTEMAS


DE PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS NO CIBERJORNALISMO: A COMPOSIÇÃO E A
ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS
JORNALÍSTICOS. RECEBEU O PRÊMIO DE MELHOR TESE DA SOCIEDADE
BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, EM 2009.
• JORNALISMO ELETRÔNICO: UTILIZA EQUIPAMENTOS E RECURSOS ELETRÔNICOS;
• JORNALISMO DIGITAL: TODO PROCESSO DISCURSIVO QUE PERMITE A
MULTISSEQUENCIALIDADE; QUE CONSTRÓI A REALIDADE POR MEIO DA
SINGULARIDADE DOS EVENTOS COM USO DE TEXTO, ÁUDIO, IMAGEM FOTOGRAFADA
OU EM MOVIMENTO (MULTIMÍDIA)
• CIBERJORNALISMO: ENVOLVE TECNOLOGIAS QUE UTILIZAM O CIBERESPAÇO;
• JORNALISMO ONLINE: UTILIZA TECNOLOGIAS DE TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDE E
EM TEMPO REAL.
• WEBJORNALISMO: A NOMENCLATURA MAIS RESTRITA E DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO DE
UMA PARTE ESPECÍFICA DA INTERNET, QUE É A WEB.

• - FORMA DE ORGANIZAÇÃO DE UM TEXTO QUE PERMITE LIGAR QUALQUER UMA DAS SUAS PARTES A OUTRO TEXTO OU
DOCUMENTO. SEGUNDO VANNEVAR BUSH, A MENTE HUMANA OPERA POR ASSOCIAÇÃO. COM UM DADO ITEM AO SEU
ALCANCE, SALTA INSTANTANEAMENTE PARA O SEGUINTE QUE LHE É SUGERIDO POR ASSOCIAÇÃO DE IDEIAS, SEGUNDO
ALGUM TIPO DE REDE INTRINCADA DE PISTAS TRANSPORTADAS PELAS CÉLULAS DO CÉREBRO.
• - VALORIZAÇÃO DA PROFUNDIDADE, TENDO COMO PONTO DE PARTIDA UMA SUPERFÍCIE BIDIMENSIONAL;

• PROCESSAMENTO (E DIFUSÃO) DE MENSAGENS COMPOSTAS POR DIVERSOS CÓDIGOS – TEXTUAIS, VISUAIS E


SONOROS – MAS DOTADOS DE UNIDADE COMUNICATIVA.

• POSSIBILIDADE DE TODOS OS INTERLOCUTORES NO PROCESSO COMUNICATIVO – FONTES, JORNALISTAS E PÚBLICO –
INTERAGIREM COM O MEIO E ENTRE SI.

• OS SITES OTIMIZAM O ARMAZENAMENTO DE CONTEÚDOS QUE PODEM SER UTILIZADOS
COMO BANCO DE DADOS OU MATERIAL DE PESQUISA.

• AGILIDADE NA ATUALIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES /

• OPÇÃO OFERECIDA AO USUÁRIO PARA CONFIGURAR OS PRODUTOS JORNALÍSTICOS DE ACORDO COM O SEU INTERESSE
(EXEMPLO: FLIPBOARD)
• DEFINIÇÃO DE CIBERJORNALISMO NARRATIVAS MULTIMIDIÁTICAS
(HIPERTEXTO), CONVERGÊNCIA NAS REDAÇÕES RESULTARAM EM NOVOS
PROCESSOS DE PRODUÇÃO; INCORPORAÇÃO DE CONTEÚDOS
COLABORATIVOS (PRODUTOS DESTINADOS PARA FORMAR CONSUMIDORES,
REDES SOCIAIS), NOVOS MODELOS DE NEGÓCIO; RITMOS PRODUTIVOS E
RECONFIGURAÇÃO DA MÍDIA TRADICIONAL
• EM DUAS DÉCADAS, A UTILIZAÇÃO DA INTERNET, DE CIBERESPAÇO E CIBERJORNALISMO CONFIGUROU UMA NOVA
MODALIDADE JORNALÍSTICA, ONDE O PONTO DE PARTIDA FOI BUSCAR UMA DEFINIÇÃO OPERACIONAL, ONDE A
AUTORA RECORRE AOS ARGUMENTOS DOS ESTUDIOSOS ELIAS MACHADO (ESPANHA, 2000) E LIZY ZAMORA
(MÉXICO, 2002).
• SEGUNDO ELIAS MACHADO, O PRODUTO DISCURSIVO CONSTRÓI A REALIDADE POR MEIO DA SINGULARIDADE
DOS EVENTOS E TEM COMO SUPORTE DE CIRCULAÇÃO REDES OU TECNOLOGIA QUE INCORPOROU A INTERAÇÃO
COM OS USUÁRIOS NO PROCESSO PRODUTIVO;

• LIZY ZAMORA DIZ A RESPEITO DE TER LEITURA NÃO SEQUENCIAL, ESTAR EM REDE MUNDIAL, SER INSTANTÂNEO,
ATUALIZÁVEL, INTERATIVO, PROFUNDO, PERSONALIZADO, DISPONÍVEL, MULTIMIDIÁTICO, CONFIÁVEL, TER UM NOVO
DESENHO, SERVIÇOS GRATUITOS, TER UMA NOVA RETÓRICA (ARGUMENTAÇÃO OU COMUNICAÇÃO CLARA) E ESTAR
EM TELA MULTISEQUENCIAL;

• AS PRIMEIRAS ATIVIDADES DESSA PRÁTICA JORNALÍSTICA SURGIU EM 1992, QUANDO OS JORNAIS IMPRESSOS NOS
ESTADOS UNIDOS DISPONIBILIZARAM SUAS PÁGINAS IMPRESSAS NA INTERNET (TRANSPOSIÇÃO DE CONTEÚDOS –
1°GERAÇÃO DO CIBERJORNALISMO). EM 1993, NA UNIVERSIDADE DA FLÓRIDA FOI LANÇADO O PRIMEIRO SÍTIO
JORNALÍSTICO NA WEB. EM 1999, CERCA DE SESSENTA JORNAIS DOS EUA ESTAVAM NA WEB, MESMO PERÍODO EM
QUE GRANDES JORNAIS BRASILEIROS COMEÇARAM A BUSCAR PROFISSIONAIS E ESTUDANTES PARA MONTAR EQUIPES
PARA TRABALHAR COM INTERNET (ABRIL/ FOLHA DE S. PAULO E REDE BRASIL).
• SENDO ASSIM, CIBERJORNALISMO É MAIS ESPECÍFICO QUANTO A
ESPECIALIDADE DO JORNALISMO QUE EMPREGA O CIBERESPAÇO
PARA INVESTIGAR, PRODUZIR E DIFUNDIR CONTEÚDOS, COM A
UTILIZAÇÃO DE NARRATIVAS MULTIMIDIÁTICAS (HIPERTEXTO),
CONVERGÊNCIA NAS REDAÇÕES RESULTARAM EM NOVOS
PROCESSOS DE PRODUÇÃO; INCORPORAÇÃO DE CONTEÚDOS
COLABORATIVOS (PRODUTOS DESTINADOS PARA FORMAR
CONSUMIDORES, REDES SOCIAIS), NOVOS MODELOS DE NEGÓCIO;
RITMOS PRODUTIVOS E RECONFIGURAÇÃO DA MÍDIA TRADICIONAL.
CAP.2 ETAPAS EVOLUTIVAS DO
CIBERJORNALISMO
(TRANSPOSITIVO, PERCEPTIVO E HIPERMIDIÁTICO)

• A PRIMEIRA FASE TEM UM CARÁTER MERAMENTE TRANSPOSITIVO

• NA SEGUNDA FASE DE DESENVOLVIMENTO, JÁ COMEÇAM A EXPLORAR AS POTENCIALIDADES DO CIBERMEIO

• NA TERCEIRA FASE, OS PRODUTOS JORNALÍSTICOS PASSAM A EXPLORAR TODAS AS POTENCIALIDADES DA WEB

• QUARTA FASE: ELEMENTOS INTERATIVOS


CAP.2 ETAPAS EVOLUTIVAS DO CIBERJORNALISMO
(O SISTEMA DE PRODUÇÃO DIFERENCIADO COMO
FATOR DO CIBERJORNALISMO)


CAP.3 CARACTERÍSTICAS DO CIBERJORNALISMO









• A HIPERTEXTUALIDADE

• A MULTIMIDIALIDADE

• A INTERATIVIDADE

• A INSTANTANEIDADE

• MEMÓRIA

• A CUSTOMIZAÇÃO OU PERSONALIZAÇÃO

• POR ÚLTIMO, A UBIQUIDADE


CAP.4 SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CIBERJONALISMO (APURAÇÃO,
PRODUÇÃO E CIRCULAÇÃO)
• - TEORIAS DE JORNALISMO PROCURAM ENTENDER OS MOTIVOS QUE LEVAM O PROCESSO DE PRODUÇÃO OU A
IMERSÃO SOCIAL DAS ORGANIZAÇÕES OU IDEOLOGIA DOS PROFISSIONAIS OU RELAÇÕES ENTRE AGENTES SOCIAIS
(ORGANIZAÇÕES, ENTIDADES CIVIS, CIDADÃOS) MAS NENHUMA DELAS ISOLADA RESPONDE ÀS QUESTÕES DO FAZER
JORNALÍSTICO;

• -O AVANÇO DA TECNOLOGIA PERMITE A INSERÇÃO DO USUÁRIO NO PROCESSO DE PRODUÇÃO, FACILIDADE NA


PUBLICAÇÃO/ SÃO INDICATIVOS COMPLEXOS ENFRENTADO PELAS TEORIAS DA INFORMAÇÃO DA COMUNICAÇÃO.

• - TEORIAS CONSTRUTIVAS VINCULA-SE DE NEWSMAKING – CULTURA PROFISSIONAL DOS JORNALISTAS;


ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO E PROCESSOS PRODUTIVOS;

• - GAYE TUCHMAN (1978) – O PROCESSO DE PRODUÇÃO É PLANEJADO COMO ROTINA INDUSTRIAL, ONDE
OCORREM IMPOSIÇÕES POR PARTE DA PRODUÇÃO, SENDO QUE A MÍDIA É SEMPRE UMA REALIDADE CONSTRUÍDA;
NOTÍCIAS É DEFINIDA E REDEFINIDA, CONSTITUINDO E RECONSTITUINDO FENÔMENOS SOCIAIS;

• - NEWSMAKING – NOTICIABILIDADE, SISTEMATIZAÇÃO DO TRABALHO (DIVISÃO DE TAREFAS) E APLICAÇÕES DOS


VALORES NOTÍCIA (INCORPORADOS COMO FORMA E FUNÇÃO PARA IDENTIFICAR O QUE É NOTÍCIA).

• - AÇÕES QUE ATUAM NO PROCESSO DE PRODUÇÃO: PESSOAL, SOCIAL, IDEOLÓGICA, CULTURA, MEIO FÍSICO E
HISTÓRICO;
CAP.4 SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO CIBERJONALISMO
(APURAÇÃO, PRODUÇÃO E CIRCULAÇÃO)

APURAÇÃO PRODUÇÃO CIRCULAÇÃO


- Distribuição do conteúdo -
Sem fronteiras: maior
acesso aos leitores
Processo do produção no desassociados
ciberjornalismo - Composição geograficamente
corresponde na
adequação do fazer - Edição - Espaço: não há
jornalístico às dinâmicas do problemas de espaço –
ciberespaço; - Disponibilização permite mais informação,
de mais profundidade e
mais extensão.

(aspectos positivos do
ciberjornalismo)
• OS DESAFIOS DA CONSOLIDAÇÃO DAS PRÁTICAS DO
CIBERJORNALISMO ESTÁ NO FORNECIMENTO DA NOTÍCIA
EM PRAZOS CADA VEZ MAIS CURTOS COM UM RITMO DE
FLUXO CONTÍNUO. . NÃO HÁ UM SISTEMA DEFINIDO PARA
PRODUZIR CIBERJORNALISMO, O CONTEÚDO É ELABORADO
DE ACORDO COM O PROCESSO PRODUTIVO DE OUTRA
MODALIDADE.

CAPÍTULO 5 • 1°GERAÇÃO ESTÁ INTEGRADA AO IMPRESSO


(TRANSPOSITIVO), PELO CARÁTER DE TRANSPOSIÇÃO
(AS DINÂMICAS DE CONTEÚDOS DAS REDAÇÕES;
DO TRABALHO) • 2°GERAÇÃO É O COMEÇO DA DEFINIÇÃO DE PROCESSO
DE PRODUÇÃO PARA CIBERJORNALISMO E ELABORAÇÃO
DE MATERIAL ESPECÍFICO PARA O CIBERESPAÇO;
• 3°GERAÇÃO UTILIZAM SISTEMAS DE PUBLICAÇÃO PARA
FACILITAR A PRODUÇÃO CIBERJORNALÍSTICA.
CONSEQUÊNCIA DAS REDAÇÕES DO IMPRESSO COM O
ONLINE MAS COM PROCESSO DE PRODUÇÃO DISTINTO
(ADAPTAÇÃO DO CONTEÚDO PARA ONLINE);
• O SISTEMA DE PUBLICAÇÃO E O PROCESSO DE PRODUÇÃO NÃO ENCONTRAM
ELABORAÇÃO MAIS SISTEMÁTICA, APENAS ESPECULAÇÕES REFERENTES À
INCORPORAÇÃO TÉCNICA NA CONCEPÇÃO DOS PRODUTOS, SENDO EVIDENTE O
DISTANCIAMENTO ENTRE A PRODUÇÃO ACADÊMICA PIONEIRA E A PRÁTICA VIGENTE
NO MERCADO DE TRABALHO, MAS QUE, FELIZMENTE, HÁ ESFORÇOS DAS EMPRESAS
PARA MUDAR ESSA REALIDADE.
• MAS, AS VANTAGENS DO CIBERJORNALISMO SÃO INÚMERAS PARA QUE O USO
DESSAS FERRAMENTAS DOS CIBERMEIOS POSSAM TER CADA VEZ MAIS PROFISSIONAIS
CAPACITADOS (O JORNALISMO PRECISA DE NERDS) EM SE ATEREM AOS CUIDADOS DE
UMA PRODUÇÃO JORNALÍSTICA COM O USO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS
(DISPOSITIVOS MÓVEIS E DESKTOPS) PARA A ELABORAÇÃO DO PRODUTO
JORNALÍSTICO, ONDE NECESSITA-SE DE UM CONHECIMENTO VASTO NAS ÁREAS
TECNOLÓGICAS PARA SE ADEQUAREM AO NOVO AMBIENTE DIGITAL QUE ESTÁ A
CADA DIA MAIS A PRODUZIR NOVAS PLATAFORMAS MULTIMÍDIAS, ONDE A SUA
CIRCULAÇÃO NÃO OBEDECE FRONTEIRAS FÍSICAS.