Sie sind auf Seite 1von 44

Ansiolíticos: Benzodiazepínicos

Conceito
“A ansiedade caracteriza-se por um estado de
tensão, apreensão, desconforto, que se origina de
perigo interno ou externo iminente, podendo ser
resposta ao estresse ou estímulo ambiental.”
(Freitas, 2013)
Ansiedade Normal

Impulso Vital

Resposta adaptativa que prepara uma


reação adequada ante um evento

Alterações no
Apreensão Medo Hipervigilância
estado de ânimo
Ansiedade Patogênica

Apreensão
Resposta mal adaptativa que
Angústia
interfere no comportamento
Irritabilidade
Temor
Desequilíbrio Psicossomático
Sudorese
em ausência de perigo
Cefaleia
Palpitações
Insônia
Classificação
• Ansiedade Situacional: Stress, enfermidade orgânica; psíquica ou
abstinência;

• Ansiedade Generalizada: Estado persistente de medo e apreensão a


respeito de eventos futuros;

• Ataques de Pânico: Ansiedade severa e aguda com sintomas


psicológicos, sudorese, temor, taquicardia e outros sintomas viscerais;
Classificação
• Fobia: Medo excessivo a condições particulares: Agorafobia

• Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC): Obsessões persistentes,


recorrentes e impulsos.
Sintomas

 Preocupações;

 Tensões ou medos exagerados;

 Sensação contínua de que um desastre ou algo muito ruim vai


acontecer;

 Preocupações exageradas com saúde, dinheiro, família ou trabalho;


Sintomas
 Medo extremo de algum objeto ou situação em particular;

 Medo exagerado de ser humilhado publicamente;

 Falta de controle sobre pensamentos, imagens ou atitudes, que se


repetem independentemente da vontade;

 Pavor depois de uma situação muito difícil.


Tratamento

Medicamento Psicoterapia

Combinação
Tratamento Farmacológico
• Antidepressivos;

• Benzodiazepínicos;
• Buspirona;
• Gabapentina, pregabalina; tiagabina e valproato;
• Antipsicóticos atípicos: Olanzapina e risperidona;
• Antagonista do receptores Beta-Adrenérgico: Propranolol
Hidrato de cloral
Paraldeído
Clordiazepóxido
Uretano
Sulfonal

Metade do século XIX 1903 1912 1961

Fenobarbital
Brometo
Benzodiazepínicos

“Os Benzodiazepínicos (BDZs) são drogas com


atividade ansiolítica que começaram a ser
utilizadas na década de 60.“

(Orlandi & Noto, 2005 )


Estrutura Química
Estrutura Química
Benzodiazepínico R1 R2 R3 R4 R5

Clordiazepóxido --- -NHCH3 -H -Cl -H

Clonazepan -H =O -H -NO2 -Cl

Diazepam -CH3 =O -H -Cl -H

Lorazepan -H =O -OH -Cl -Cl

Oxazepan -H =O -OH -Cl -H


Estrutura Química

Diazepam Clonazepam Bromazepam


Clordiazepóxido

Alprazolam Nitrazepam Lorazepam Triazolam


Mecanismo de Ação
Ações Farmacológicos
• Ansiolítica;
• Hipnótica;
• Anticonvulsivante;
• Relaxante muscular;
• Amnésia (Anterógrada)
FARMACOCINÉTICA
Farmacocinética
• A escolha entre diferentes agentes é ditada pela sua velocidade no início
da ação, intensidade do efeito e duração da ação.

• A inativação pode ocorrer em única ou várias etapas. Ex: Diazepam

• Os produtos intermediários podem, em parte, ser farmacologicamente


ativos e, em parte, ser excretados mais lentamente do que a substância-
mãe.

• Os metabolitos irão se acumular com a dosagem regular e continuarão a


contribuir significativamente para o efeito final.
Vias de Administração e Uso terapêutico
Composto Via de Uso Pico de [ ] Doses
Administraç terapêutico Plasmática (h) habituais (mg)
ão
Alprazolam Oral Ansiedade 1-2 0,25 – 2
(3-4 vezes/dia)
Clordiazepóxido Oral, IM e IV Ansiedade, 0,54 50 – 100
Abstinência (1-4 vezes/ dia)
alcoólica
Clonazepam Oral Convulsões, 1–2 0,5 – 2
Ansiedade (2-3 vezes/ dia)
Diazepam Oral, IM, IV e Ansiedade, 0,5 – 2 5-10
Retal Relaxamento (3-4 vezes/dia)
muscular,
Epilepsia.
Lorazepam Oral, IM e IV Ansiedade 2–3 2-4
Midazolam IV e IM Pré-anestésico 0,33 – 1 ----
Triazolam Oral Insônia 1–2 0,125 – 0,25
Absorção
Fármaco Via de Administração Velocidade de Absorção

Triazolam Via Oral Extremamente rápida

Oxazepam, Lorazepam e Via Oral Lenta


Temazepam
Distribuição
Vd= 1,5 – 3,0
L/Kg
• Alta taxa de ligação a Proteínas Plasmáticas;

• Atravessam a barreira hematoencefálica;

• O diazepam e o clordiazepóxido atravessam rapidamente a placenta

• As suas concentração no cordão umbilical ou no sangue de recém-nato


pode ser maior que a encontrada no mesmo momento no sangue
materno;
Distribuição Droga
Taxa de Ligação a Proteína
Plasmática (%)
Alprazolam 80
Bromazepam 70
Clonazepam 85
Clorazepato 97
Clordiazepóxido 96
Diazepam 98
Estazomal 93
Flurazepam 97
Lorazepam 85
Midazolam 97
Nitrazepam 87
Oxazepam 97
Temazepam 96
Triazolam 89
Classificação: T1/2
Classificação Fármaco Tempo de meia-vida (h)

Ação ultrarrápida Midazolam 1,9 ± 6


Ação ultrarrápida Triazolam 2,9 ± 1
Ação curta Lorazepam 15 ± 5
Ação curta Alprazolam 12 ± 2
Ação curta Oxazepam 8±4
Ação longa Clonazepam 23 ± 5
Ação longa Diazepam 43 ± 13
Ação longa Flurazepam 74 ± 24
Metabolismo
Oxidação Conjugação

Produzem metabólitos Não produzem


ativos metabólitos ativos
Metabolismo
Metabolismo
Metabolismo
Metabolismo
Metabolismo
Excreção
• São eliminados principalmente através de biotransformação.

• Excretados pelos rins;

• Alguns benzodiazepínicos : Forma inalterada pela urina


Diazepam

EM: Metabolizador Extenso;


IM: Metabolizador Intermediário;
PM: Metabolizador fraco
Problemas com o uso dos
BZDs
1. Efeitos colaterais;
2. Efeitos paradoxais;
3. Tolerância;
4. Dependência;
5. Abuso;
6. Insônia de Rebote;
7. Acidentes;
8. Risco respiratório;
Precauções
1. Crianças;
2. Idosos;
3. Gravidez e amamentação;
4. Síndrome da apneia e hipopnéia obstrutiva do sono (SAHOS);
5. Miastenia grave;
6. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC)
Na Gravidez
Diazepam: Maior probabilidade de apresentarem fenda palatina e
lábio leporino associados

1º trimestre hérnia inguinal, estenose pilórica e defeitos cardíacos


congênitos

2º trimestre, hemangiomas e defeitos vasculares

Embriopatia, aumento de índice de perdas fetais, retardo no


crescimento intrauterino e alterações neurocomportamentais .
Na Gravidez
 Dismorfias, aberrações no crescimento e anormalidades no sistema nervoso central
de crianças expostas aos benzodiazepínicos durante o período intra-uterino;

 Foram descritas anormalidades do nervo facial e falta de expressão facial;

 Atraso no desenvolvimento psicomotor e crises de apnéia no período neonatal;

 defeitos ósseos, spina bifida, ausência de antebraço esquerdo, sindactilia e


ausência de ambos os polegares
Efeitos Adversos
• Sedação;
• Lassidão;
• Incoordenação motora;
• Diminuição da velocidade de raciocínio;
• Redução das funções físicas e mentais;
• Ataxia;
• Confusão;
• Disartria;
• Secura da boca e gosto amargo.
• Aumento do peso corporal;
Efeitos Adversos
Efeitos mais raros:

• Cefaleia,
• Visão turva;
• Náuseas e vômitos;
• Desconforto epigástrico;
• Diarreia.
Interações Medicamentosas
Fármaco Efeito Mecanismo
Ácido Valpróico Os parâmetros Diminuir o metabolismo
farmacocinéticos de hepático de alguns
benzodiazepínicos podem ser benzodiazepínicos
aumentados
Carbamazepina Os efeitos farmacológicos dos Presume induzir o metabolismo
benzodiazepínicos podem ser de benzodiazepínicos.
diminuídos.
Fenitoína A concentração da Fenitoína Possivelmente alterações do
pode ser aumentada, metabolismo de Fenitoína e
resultando em toxicidade. Benzodiazepínicos
Fenitoína pode aumentar a
liberação de Oxazepam e
Midazolam.

Fenobarbital Potenciação da depressão do Efeito aditivo.


SNC
Risperidona Aumento do efeito depressor Efeito aditivo
sobre o SNC
Flumazenil
• Antagonista: Inibição competitiva;
• Neutraliza os efeitos em caso de superdosagem;
• Disponível apenas na forma injetável;
• Reversão dos efeitos sedativos;
Flumazenil
• O Vd= 0,9 – 1,1 L/kg.
• Extensa metabolização hepática:
 Ácido Carboxílico
 Glucoronato
• Eliminação:
 Urina (90-95%)
 Fezes (5-10%)
 Clearance: 0,8 – 1,0 L/h/Kg
Considerações Finais

2ª Mais
Vendido
Referências
COELHO, F. M. S.; et al. Benzodiazepínicos: uso clínico e perspectivas. In: Revista Brasileira de
Medicina. V. 63. 2006.

FREITAS, Fernanda da Fonseca. Avaliação dos efeitos psicofisiológicos da L-Teanina em Modelo de


ansiedade em humanos. 2013. 76 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Nutrição) - Universidade
Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013.

GOLAN, David E. Principios de farmacologia: a base fisiopatologica da farmacoterapia. 2 ed. Rio de


Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, c2009. 952 p.

GOODMAN, Louis Sanford; GILMAN, Alfred. As bases farmacologicas da terapeutica. 12. ed. Rio de
Janeiro: McGraw - Hill Interamericana do Brasil, 2012. 2112 p

INOMATA, S.; et al. Cyp2C19 genotype affects diazepam pharmacokinetics and emergence from
general anesthesia. In: American Society for Clinical Pharmacology and Therapeutics 2005
Referências
KATSUNG, Bertram G. Farmacologia : basica & clinica. 12 ed Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.
1242 p

ORLANDI P; NOTO, A. R. Uso indevido de benzodiazepínicos: um estudo com informantes-chave no município


de São Paulo. In: Revista Latino-Am de Enfermagem. V.13. 2005. Disponível em<
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692005000700018 > Acesso em 04
de abril de 2016

RANG, H. P; DALE, M. Maureen. Rang & Dalle Farmacologia. 7. ed. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2011.
778 p.

SILVA, Penildon. Farmacologia. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. 1374p

SOARES, P. J. Uso de Medicação Psiquiatra na gravidez. In: Psychiatry on line Brasil [Online]. V.21.
2006. Disponível em<http://www.polbr.med.br/ano03/artigo0803_2.php> Acesso em 04 de abril de
2016