You are on page 1of 79

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS - ICE


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA – PPGQ

SEMINÁRIOS I e II

COMO APRESENTAR UM
SEMINÁRIO

Alunos: Doutorandos do PPGQ


Profª. Drª. Larissa Silveira Wiedmann

Manaus – AM, 2018 1


ARTIGO CIENTÍFICO

2
NORMAS PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS

3
Publicação periódica científica impressa

Um dos tipos de publicações seriadas, que se apresenta sob a


forma de revista, boletim, anuário etc., editada em fascículos com
designação numérica e/ou cronológica, em intervalos pré-fixados
(periodicidade), por tempo indeterminado, com a colaboração, em
geral, de diversas pessoas, tratando de assuntos diversos, dentro de
uma política editorial definida, e que é objeto de Número Internacional
Normalizado (ISSN).

4
5
COMO IDENTIFICAR UM PERIÓDICO INDEXADO NAS
PRINCIPAIS BASES DE DADOS

 Periódico indexado: Revista que faz parte de uma base de dados.

 Possui corpo editorial, revisores especializados que qualificam e


credenciam os artigos para publicação.

 Critérios de publicação claros e rigorosos.

 O principal objetivo de um serviço de indexação é assegurar a


recuperação de qualquer documento ou informação no momento
em que um usuário busca um assunto em sistema de informação.

6
BASES DE DADOS PARA A ÁREA DA QUÍMICA E AFINS

7
https://www.scopus.com
BASES DE DADOS: SCOPUS

8
9
10
11
12
BASES DE DADOS: SCIELO https://www.scielo.br

Biblioteca eletrônica

13
14
15
16
Qualis periódicos

17
 A classificação de periódicos é realizada pelas áreas de avaliação
e passa por processo anual de atualização.

 Indicativos de qualidade de periódicos científicos:


 A1 – o mais elevado.
 A2; B1; B2; B3; B4; B5;
 C – peso zero.

18
19
20
21
ARTIGO CIENTÍFICO

DEFINIÇÃO: Parte de uma publicação com autoria declarada, que


apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados
nas diversas áreas do conhecimento.
O artigo pode ser:

 Original: parte de uma publicação ou tema que apresenta temas ou


abordagens originais. Relato de experiência de pesquisa ou estudo de
caso.

 Revisão: parte de uma publicação que resume, analisa e discute


informações já publicadas.

22
Exemplo de artigo original ARTIGO CIENTÍFICO

23
Exemplo de artigo de revisão ARTIGO CIENTÍFICO

24
ESTRUTURA DE UM ARTIGO

É constituída de elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais.


o Elementos pré-textuais:

Título e subtítulo (se houver)

Nome dos autores


acompanhado(s) de breve
currículo que o(s) qualifique
na área de conhecimento do
artigo.
25
o Elementos pré-textuais:

Resumo na língua do texto:


elemento obrigatório, constituído
de uma sequência de frases
concisas e objetivas e não de uma
simples enumeração de tópicos,
não ultrapassando 250 palavras.
palavras-chaves
26
o Elementos textuais: Parte do trabalho em que é exposta a matéria

27
o Elementos pós-textuais: Elementos que complementam o trabalho.

28
ABNT

29
Referências – NBR 6023
As recomendações da ABNT são importantes nos trabalhos de
pesquisa porque criam uma uniformidade, ou seja, um padrão
que é facilmente compreendido por pesquisadores do mundo
todo. (MORETTI, 2017).

Créditos: Shutterstock.com

30
LIVRO
O que deve conter na referência: sobrenome do autor em caixa alta,
nome do autor, título em negrito, edição, cidade, editora e ano de
publicação.

CAREY, F. A. SUNDBERG, R. J. Organic Chemistry Structure and mechanisms. 5th


ed. Plenum Press: NY, 2007.
SITE
O que deve conter na referência: sobrenome do autor, nome do autor,
título do texto, ano, link e data de acesso.

MORETTI, I. Regras da ABNT para TCC: conheça as principais normas. 2017.


Disponível em: <https://viacarreira.com/regras-da-abnt-para-tcc-conheca-principais-
normas>. Acesso em 31 de março de 2018.
CAPÍTULO DE LIVRO
O que deve conter na referência: sobrenome do autor em caixa alta,
nome do autor do capítulo. Título do capítulo. In: sobrenome do
organizador do livro em caixa alta, nome do organizador do livro. Título da
obra em negrito. Local: Editora, ano, página inicial – página final

RECUERO, Raquel. Atos de ameaça à face e à Conversação em Redes Sociais na


Internet. In: PRIMO, Alex (Org.). Interações em Rede. Porto Alegre: Editora Sulina,
2016. p. 51-69
ARTIGO CIENTÍFICO
O que deve conter na referência: sobrenome do autor do artigo em
caixa alta, nome do autor. Título do artigo. Nome da revista em negrito,
volume, número, página inicial-final, mês abreviado, ano.

BOTHA, G. E., OLIVEIRA, J. C., & AHRNÉ, L. Microwave assisted air drying of
osmotically treated pineapple with variable power programmes. Journal of Food
Engineering V. 108, N. 2. P. 304-311. Janeiro, 2012.
ANAIS ELETRONICOS DE
EVENTOS
O que deve conter na referência: sobrenome do autor em caixa alta,
nome do autor. Título do anal. In: nome do evento em caixa alta e sem
negrito, mês, ano, local de realização. Escreva Anais eletrônicos em
negrito. Local, ano. Escreva Disponível em: <endereço eletrônico>
Acesso: mês abreviado e ano

BICALHO, K. U. et al. Indicadores ácido-base naturais para o ensino de


funções inorgânicas no ensino médio. In: 48° CONGRESSO BRASILEIRO
DE QUÍMICA, outubro, 2008, Rio de Janeiro. Anais Eletrônicos. Rio de
Janeiro: 2008. Disponível em: <http://www.abq.org.br/cbq/2008/trabalhos/6/6-
186-4672.htm> Acesso em 15 de maio de 2011.
TESES E DISSERTAÇÕES E
MONOGRAFIA
O que deve conter na referência: sobrenome do autor em caixa alta,
nome do autor. Título. Ano da apresentação. Número de folhas. Categoria
– Instituição, Local, ano.

MUSSI, L. P. Secagem do resíduo de jambolão em leito de jorro. 2014. 85 f.


Dissertação de mestrado em Produção Vegetal. Universidade Estadual do Norte
Fluminense Darcy Ribeiro – UENF. Campos dos Goytacazes. 2014.
VALE LEMBRAR!

Alinhado a
esquerda,
espaçamento
simples, ordem
alfabetica
Como apresentar um
seminário

38
Seminário, o que é?
 Definição:

Apresentação pública, didática e formal,


que tem por finalidade transmitir e/ou
comunicar conhecimentos a um público
especifico.

DISCURSO + MATERIAL DE APOIO VISUAL

39
OBJETIVOS DO SEMINÁRIO

• Proporcionar aprendizagem através da pesquisa;

• Estimular o caráter investigativo, crítico e intelectual do aluno;

• Socializar o conhecimento;

• Dominar a metodologia científica de uma disciplina ou tema;

• Interpretação e crítica de trabalhos mais avançados.

40
Principais Recomendações
1. Não leia;
2. Chegue cedo;
3. Prepare sua apresentação;
4. Cuide da sua aparência;
5. Deixe claro o tema e a estrutura da apresentação;
6. Não economize exemplos;
7. Use do bom humor, mas não abuse;
8. Atente para a postura;
9. Não aponte suas falhas;
10. Cuidado com os vícios de linguagem.
41
Três fatores importantes:
 A identificação do público e do ambiente
A quem e onde transmitir?

 O conteúdo
O que transmitir?

 A formatação

Como transmitir?

42
A identificação do ambiente e público
A apresentação do seminário está relacionada com a identificação
do ambiente por parte do apresentador.

Tipos de ambiente :

 Formal e oficial

 Formal, mas descontraído O PÚBLICO

 Informal e descontraído

43
Conteúdo
As etapas prévias relevantes na criação de uma apresentação bem
sucedida são fundamentalmente quatro:

 Elaboração prévia de um resumo sobre o assunto

 Desenvolvimento lógico da ideias

 Criação da metodologia de apresentação

 Treino da apresentação

44
O conteúdo da apresentação
É essencial a elaboração de um resumo, pois neste momento
ocorre a organização das ideias.
Tópicos Gerais
O que me faz pensar no assunto? Por que
Introdução
apresenta-lo?

Objetivos
Por que fiz esta pesquisa?

Como eu fiz a pesquisa e o que usei?


Metodologia

Resultados
O que encontrei e o que significam?

Conclusões
O que aprendi? O que é importante enfatizar?
45
O conteúdo da apresentação

Se for um seminário científico a ênfase recaíra


naturalmente nos resultados e discussão.
46
Formatação do conteúdo
A maioria dos seminários utilizam o recurso de slides.

O que deve ser levado em conta da preparação?

 Número de Slides

 Tamanho e Tipo de letra/fontes

 Gráficos, Figuras e Tabelas

47
Número de slides
Número de itens e tempo disponível: COMPATIBILIDADE.

Menos de 1 min/slide: apresentação corrida


Ex.:
 Apresentação
Difícil oral:clara
entender de forma 40 minutos
o apresentador
 Respiração
 Número deacelerada
slides eeconteúdo:
falta fôlego em
30 alguns momentos
 Por vezes a apresentação termina muito antes do tempo
 1(vácuo)
a 1,5 minuto por slide
 5 minutos: título, identificação, resumo, agradecimentos, etc.
Mais de 2 min/slide: apresentação lenta
 Impressão de indolência ou incapacidade de pensar rápido
 Tempo talvez seja insuficiente
 Conforme vai chegando ao fim, a tendência é aumentar o
ritmo, em descompasso com o restante da apresentação.

48
Volume de Informações
Tópicos Curtos e Claros Não tentar reproduzir o trabalho
global!
Concentrar as idéias em mensagens
curtas
Tornará a apresentação maçante e irritante,
O tópico deve remeter ao assunto a ser além de longa
exposto
Evitar “dissertações” nos itens
Não tentar reproduzir o trabalho
Permitir criatividade na apresentação global!
Adaptar a apresentação a diferentes Tornará a apresentação maçante e irritante,
plateias além de longa

Prender a atenção da audiência

49
50
51
Tamanho e tipo de fonte
Tipo de letra (Fonte)
É escolha pessoal
Evitar os “artísticos” e os com detalhes e riscas
Letras Legíveis
Alguns exemplos de fontes:
Arial Arial
Verdana Verdana
Uso deArial Black
Cores Arial Black
Times New Roman Times New Roman
•Recomendado,
Century Gothic
com cautela Century Gothic
•Exagero:
Comicsconfusão
Sans MS e ridículo Comics Sans MS
•Cuidados
Abadiespeciais conforme o recurso
Abadi
Copperplate Gothic CopperplateGothic
Monotype Corsiva MonotypeCorsiva
Mistral Mistral
52
ERRADO

53
Tamanho e tipos de fonte
Arial 12 pontos
Arial 14 pontos
Tamanho de fonte para título geral do
Arial 16 pontos slide:
Arial 18 pontos 28pontos.
Arial 20 pontos
Arial 22 pontos
Arial 24 pontos Tamanho de fonte para título
específico do slide:
Arial 26 pontos
22~24pontos.
Arial 28 pontos
Arial 30 pontos
Lembrar que exagero no tamanho da fonte
Arial 40 pontos também torna difícil e cansativa a leitura
se projetado em telas grandes

54
Figuras
São recursos visuais imprescindíveis que auxiliam na fixação e exposição
de ideias.

Figuras
Alto Nível de Resolução
 Evitar figuras que necessitem de muitos detalhes
 Difícil visualização e confusão

Títulos e Legendas Claras e Minimizadas


 Na parte de baixo da figura (quando necessário)
 Há figuras que falam por si mesmas!

Devem chamara atenção para o assunto que está sendo tratado


 Didáticas(o uso de tirinhas/charges pode ser usado com moderação)
 Auto-explicativas
 Interessantes
55
56

Gráficos
Permite destacar características essenciais
Múltiplas variáveis podem ser visualizadas
Permite o efeito de realce em algum ponto do gráfico

Requer clareza na apresentação oral

Legendas e título claros e minimizados

Gráficos muito carregados podem ser divididos

56
EXEMPLO 1

57
EXEMPLO 2

58
Tabelas
Preferir gráficos!!!
Usar tabelas somente quando indispensáveis
Difíceis para visualizar a correlação dos dados
Os dados importantes devem ser realçados!!
Se o volume de dados for grande quebrar em tabelas menores ou tabelar a penas os dados
que realmente importam.

Legendas e título claros e minimizados

Refaça tabelas publicadas, se inadequadas


Nem sempre as tabelas de artigos publicados são adequadas para apresentação

59
Resistencia
Temperatura
Potencial (Ω.cm-2)
Campo de fluxo de operação
(V)
da célula
1:1 2:2 2:3
bar bar bar
oC
0,6 1,0128 0,6523 0,5771
80
0,7 2,4936 1,4614 1,2594
Serpentina
0,6 0,8821 0,5207 0,5024
85 oC
0,7 2,3159 1,0947 1,0357
0,6 1,1540 0,7959 0,6251
80 oC
0,7 3,4728 1,5902 1,3457
Interdigital
0,6 1,0737 0,6894 0,5558
85 oC
0,7 3,1642 1,5988 1,2589
0,6 0,8873 0,6013 0,5558
80 oC
0,7 2,3261 1,3545 1,2583
Trapezoidal
0,6 1,2365 0,5378 0,5008
85 oC
0,7 3,1732 1,0988 0,9747
60
EXEMPLO 2

61
ESTÉTICA

• Cuidado com as cores e fontes; • Usar no máximo dois tipos de fonte;


• Exemplificar sempre que possível; • Cuidar da estética e da funcionalidade dos
• Usar mais a imagem do que o texto; elementos gráficos;
• Evitar a poluição visual; • Harmonizar a cor da letra com a cor do
• Combinar cor do fundo e dos elementos fundo;
gráficos; • Comedir-se nos efeitos especiais;
• Dimensionar o tamanho da fonte em • Evitar o uso de fotos como pano de fundo;
função da distância do observador; • Ensaiar antes de apresentar;
• Cuidar da ortografia; • Calcular no máximo um slide por minuto
• Comunicar-se com a linguagem das de apresentação.
cores.

62
Aspectos relevantes na hora
da apresentação
Clareza

Equilíbrio emocional

Senso de ridículo

63
Aspectos relevantes na hora da
apresentação Postura
Bom tom de voz ( mediano)

Uso de um linguagem corporal (moderaido e


respeitoso)

Comportamento ante o publico


1. Transmitir segurança
2. Demonstre tranquilidade
3. Mostre respeito

64
Aspectos relevantes na hora da
apresentação: Linguagem adequado
Clara, positiva, apropriada e bem conjugada

Gírias
Termos vulgares
Linguagem pedante
Frases duvidosas

65
Aspectos relevantes na hora da
apresentação:
Posicionamento/movimentação
Falar de frente ao publico
Evitar os síndromes tais como: robô, João Bobo e
outros
Buscar interagir com a plateia

66
Aspectos relevantes na hora da apresentação

O que evitar
1. Leitura indiscriminada dos slides
2. Leitura e uso errado da palavra
3. Palavras e expressões fora do contexto ou inapropriadas, inexistentes

Tres pecados mortais


1. Não fique entre o projetor e a tela
2. Não subestime ou engane o público
3. Não se julgue um astro ou centro das atenções
67
Aspectos relevantes na hora da
apresentação:
Final da apresentação
Agradecimentos: poucos, mas sinceros.
Dê as graças, Obrigado, e faça com um sorriso.

Quanto as perguntas
1. Responder da melhor maneira possível
2. Se não souber, admitir o fato com elegância
3. Tenha cordialidade e tolerância
4. Tenha paciência com aqueles que não sabem se expressar.

68
COMO
APRESENTAR UM
ARTIGO
CIENTIFICO

69
 Apresentação: 1º slide

70
 Apresentação: 2º slide

INFORMAÇÕES DO ARTIGO

Focetola et al., 2012


Química Nova na Escola
Vol. 34, n° 4, p. 248-255, 2012

Fator de impacto ou qualis capes

71
 Deve-se ter o conhecimento das partes previamente divididas do artigo – domínio, didática;

 Extrair partes da introdução – contextualizar (livros, artigos etc..);

 Curta: 10-15% do total de uma apresentação - convencer a audiência da relevância do


problema;

 Na apresentação, evitar textos grandes – tópicos;

72
“Por que foi feita a pesquisa???”

• GERAL

 Relatar a experiência didática dos bolsistas do Programa PIBID da Universidade


Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) no conteúdo de ligações químicas e funções inorgânicas,
 Idéia central do artigo;
utilizando três diferentes jogos educacionais.
“Verbos no infinitivo”

• ESPECÍFICOS ???
 Foi feito a análise...  Analisar...
 Desenvolver...
 Avaliar...
 Contribuir para a formação
 Analisou-se... pedagógica dos licenciandos, preparando-os para a docência e
 Realizar...
o desenvolvimento de pesquisa em ensino nas escolas;

 Instrumentalizar os professores supervisores do PIBID, estimulando-os a dar continuidade


ao projeto de pesquisa desenvolvido;

 Avaliar a aplicação e contribuição dos jogos educacionais no ensino de química;


73
 Abordagem dos materiais e recursos utilizados na pesquisa
(de campo e laboratório);

 Apresentar os procedimentos experimentais;

74
 Apresentar de forma objetiva e direta os resultados;

 Procurar evitar o uso de textos na descrição dos


resultados;

75
 Apresentar em formato de tópicos;

76
FOCETOLA, P. B. M.; CASTRO, P. J.; SOUZA, A. C. J.; GRION, L. S.; PEDRO, N. C. S.;
IACK, R. S.; ALMEIDA, R. X.; OLIVEIRA, A. S.; BARROS, C. V. T.; VAITSMAN, E.;
BRANDÃO, J. B.; GUERRA, A. C. O.; SILVA, J. F. M. Os Jogos Educacionais de Cartas
como Estratégia de Ensino em Química. Química Nova na Escola, Brasil, v. 34, n. 4, p. 248-
255, 2012.

77
REFERÊNCIAS
MORETTI, I. Regras da ABNT para TCC: conheça as principais normas. 2017. Disponível em:
<https://viacarreira.com/regras-da-abnt-para-tcc-conheca-principais-normas>. Acesso em 31 de
março de 2018.

FOCETOLA, P. B. M.; CASTRO, P. J.; SOUZA, A. C. J.; GRION, L. S.; PEDRO, N. C. S.; IACK, R. S.;
ALMEIDA, R. X.; OLIVEIRA, A. S.; BARROS, C. V. T.; VAITSMAN, E.; BRANDÃO, J. B.; GUERRA, A.
C. O.; SILVA, J. F. M. Os Jogos Educacionais de Cartas como Estratégia de Ensino em Química.
Química Nova na Escola, Brasil, v. 34, n. 4, p. 248-255, 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6022. Informação e documentação –


artigo em publicação periódica científica impressa – Apresentação. 2003. Disponível
em:http://www2.unifap.br/ppcs/files/2017/06/6022-Artigo-em-publicao-peridica-cientfica impressa.pdf.
Acesso em: 31 de Maio de 2018.

78
OBRIGADO!!!

79

Related Interests