Sie sind auf Seite 1von 31

CRESCIMENTO E

DESENVOLVIMENTO
ECONÔMICO
VERSUS SAÚDE
Victor Nascimento de Faria
Residente de Gestão Hospitalar – Economia
residecoadm.hu@ufjf.edu.br
CRESCIMENTO ECONÔMICO
X
DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
Crescimento Econômico

Pode-se conceituar crescimento econômico como o aumento da capacidade produtiva


da economia (produção de bens e serviços). É medido principalmente pelo índice de
crescimento anual do Produto Nacional Bruto (PNB), de forma per capita. O
crescimento de uma economia pode ser dado também pelo aumento da força de
trabalho, pela receita nacional poupada e investida e pelo grau de aperfeiçoamento
tecnológico.
(Carlos Escóssia - 2009)
Desenvolvimento Econômico

O desenvolvimento econômico de um país ou estado-nação é o processo de


acumulação de capital e trabalho, incorporados de progresso técnico, que leva ao
aumento da produtividade, dos salários e do padrão médio de vida da população.
O aumento das rendas aqui, reflete numa nova situação econômica e social: A
melhoria da qualidade de vida da população.
O Desenvolvimento visa atender diretamente o objetivo fundamental das sociedades
modernas – o bem estar – e, apenas de forma indireta os outros quatro objetivos
almejados pelas sociedades – segurança, liberdade, justiça social e proteção do
ambiente.
Algumas correntes econômicas, por algum tempo, divergiram quanto à definição
conceitual de desenvolvimento. Desse modo, Confundiram os conceitos de
crescimento e de desenvolvimento ou então, passaram a atribuir a necessidade
premente da existência de crescimento para a ocorrência de desenvolvimento.

No século XX, no tocante a discussão entre desenvolvimento econômico e


crescimento econômico, os economistas estavam mais preocupados em tratar do tema
crescimento econômico, já que nesse momento havia a busca incessante de poder
econômico ou militar; sem o mínimo interesse em acrescentar melhorias na qualidade
de vida de suas populações, mesmo em nome da segurança e subsistência para a
estabilidade do sistema econômico. (NALI, 1993).
A partir da Grande Depressão Americana e, com muito mais ênfase, depois da
Segunda Guerra Mundial, o tema desenvolvimento econômico ganhou força,
exigindo uma maior presença e ações dos governantes, na busca de uma
política voltada ao combate do desemprego e redução da crise e,
principalmente, apresentar soluções para as diferenças econômicas e sociais
existentes entre os países ricos e os pobres, classificados como
subdesenvolvidos. (MAGALHÃES, 1998).
Doença Holandesa
A doença holandesa é um fenômeno decorrente da existência de commodites em
quantidade abundante que geram vantagens comparativas ao país exportador e, segundo os
mecanismos de mercado, podem levá-lo a se especializar na produção destes bens e não se
industrializar ou terminar se desindustrializando, o que inibiria o processo de
desenvolvimento econômico.
O que ocorre é que a demanda externa por um determinado produto pressiona a taxa de
câmbio do país exportador, aumentando o valor da moeda local e tornando menos
competitivos os outros produtos de exportação do país. Essa situação caracteriza uma
externalidade negativa nos setores que se tornam menos competitivos.
Somente quando a doença holandesa for neutralizada o mercado estará apto a tornar a taxa
de câmbio de mercado próxima do equilíbrio e, assim, alocar eficazmente os recursos e
encorajar, novamente, o investimento e a inovação.
Doença Holandesa
Ocorrência de Casos:
• Arábia Saudita, Venezuela e outros países subdesenvolvidos → ela sempre existiu e
impediu a industrialização e, portanto, o desenvolvimento econômico, como é o caso de
muitos países produtores de petróleo;

• Holanda → a forte demanda por gás natural aumentou o valor da moeda holandesa em
relação ao dólar, em consequência todos os demais produtos de exportação ficaram em
situação de desvantagem competitiva nos mercados mundiais e os produtores, para
manter a competitividade, tiveram de conviver com margens de lucros mais baixas.
Economia de Enclave
Economia de enclave se trata de um modelo econômico onde, em um mercado
globalizado, as atividades se localizam em regiões pertencentes a países em
desenvolvimento, possuindo alta concentração de capital e tecnologia estrangeira, porém
se destinam para exportação e não há integração com o mercado local.
A região da economia de enclave se Enquanto a economia que o rodeia:
caracteriza: •Existe baixo nível de emprego
•O nível de emprego é elevado (desemprego)
•Os salários são altos •Baixos salários
•Tecnologia moderna •Tecnologia obsoleta
•A força de trabalho é hábil •Baixo uso de mão de obra qualificada
•Investimento de capital estrangeiro •Empresas com baixo investimento de
elevado capital
•Todo capital gerado é remetido para o
país de origem
RELACIONANDO SAÚDE
Diferentemente da perspectiva do crescimento econômico, que vê o bem-estar
de uma sociedade apenas pelos recursos ou pela renda que ela pode gerar, a
abordagem de desenvolvimento humano procura olhar diretamente para as
pessoas, suas oportunidades e capacidades. A renda é importante, mas como um
dos meios do desenvolvimento e não como seu fim. É uma mudança de
perspectiva: com o desenvolvimento humano, o foco é transferido do
crescimento econômico, ou da renda, para o ser humano.
A relação entre estado de saúde e crescimento econômico pode ser pensada através
de pelo menos dois canais mais importantes: da relação entre o estado de saúde
médio da economia e o estoque de capital humano, e através da presença de
externalidades em saúde.
Primeiro caso: Introdução do capital humano no modelo de crescimento econômico de Solow por
Mankiw, Romer e Weil (1992). Para esses autores o capital humano é entendido basicamente como
escolaridade e as diferenças desse fator seriam responsáveis pelas diferenças na renda per capita.

Então, para incorporar o estado de saúde médio da economia ao modelo de crescimento tem-se o
relacionado com o estoque de capital humano. As conclusões dessa relação são similares às do
modelo MRW, ou seja, países com maiores níveis de saúde teriam maior renda per capita de
equilíbrio e maior taxa de crescimento.

O estado de saúde, como parte do estoque de capital humano, altera diretamente a capacidade
produtiva dos trabalhadores. Contudo, o “estoque” de saúde dos indivíduos diminui ao longo do
tempo (Taxa de Depreciação do Estoque de Capital Humano), sendo de maior intensidade ou menor,
dependendo do nível tecnológico da sociedade que permite a introdução de novos tipos de cuidados e
medicamentos, do acesso aos serviços médicos, do perfil demográfico (distribuição etária e por sexo),
dos hábitos de vida e consumo, entre outros.
Segundo caso: O fator saúde pode afetar o crescimento econômico através da
presença de externalidades em saúde, introduzidas pelos modelos endógenos de
crescimento. O mais relevante para tal discussão é o modelo de Lucas (1988).

Essas externalidades estão presentes na medida em que o nível de saúde individual


depende não só do próprio estado de saúde do indivíduo, como também do estado
de saúde médio da sociedade, que é afetada por doenças transmissíveis, doenças
evitáveis por saneamento básico, doenças evitáveis por vacinação. Esse efeito é
mais presente em países menos desenvolvidos, nos quais se observa uma relação
estreita entre o estado de saúde e pobreza.
O aumento do PIB torna um país mais rico, mas se as condições de vida das pessoas,
incluindo seus níveis de saúde, não melhoram, o país não se torna desenvolvido. Nesse
sentido, o crescimento do volume de riquezas, medido pelo PIB, não é suficiente para
produzir bem-estar social (Luiz Eugenio Portela Fernandes de Souza, ex-presidente da
ABRASCO, 2012).

Richard Wilkinson e Kate Pickett divulgaram extensa documentação para comprovar, no


livro The Spirit Level, que a riqueza média de uma nação, medida pelo produto interno
bruto, tem pouco impacto sobre uma longa lista de males sociais, enquanto a forma como
essa riqueza é distribuída influencia profundamente na dispersão e intensidade dos males. Por
exemplo, Japão e Suécia são países administrados de maneira muito diferente; a Suécia é um
grande Estado de bem-estar social, enquanto o Japão oferece pouquíssimos programas de
previdência social. O que os une, todavia, é uma distribuição relativamente equitativa da
renda, e, portanto, uma defasagem pequena entre o padrão de vida dos 20% mais ricos e dos
20% mais pobres da população. Mais importante ainda é que nesses países há menos
“problemas sociais” que em outras sociedades altamente industrializadas (Zygmunt Bauman).
A maioria dos economistas clássicos diz que a saúde de uma população melhora quando a
economia melhora. Mas o que a OMS aponta é que a saúde não é só consequência do
desenvolvimento: é um requisito para ele. Com saúde, vive-se mais, falta-se menos ao
trabalho, ao estudo, então produz-se mais, e a economia ganha (Morel C., 2010).

Saúde como fator do desenvolvimento Saúde como consequência do


impacta sobre: desenvolvimento é efeito de:
• Produtividade e renda; • Hábitos alimentares e educação;
• Qualidade do meio ambiente; • Saneamento e meio ambiente;
• Estado nutricional e aprendizagem; • Renda e pobreza;
• Teoria do Capital Humano. • Tecnologia médica;
• Transição demográfica e epidemiológica.
Circularidade entre renda e saúde
Melhores
condições de
saúde

Investimentos
Regularidade
públicos e
de trabalho e
privados em
educação Renda e saúde estão correlacionados,
saúde
mas não se sabe onde começa o círculo
virtuoso.

Melhor Maior
arrecadação produtividade,
pública e renda capital humano
familiar
Abrangência dos programas de saúde na América Latina
Como deveriam ser: Como são:
• Ajustados de acordo com as prioridades • Conceitos de integralidade incompatíveis
epidemiológicas de cada nível de com a realidade epidemiológica e
desenvolvimento e regulação de tecnologia; necessidades de financiamento, com baixa
• Baseados em estratégias custo efetivas com regulação de tecnologia;
efeitos de longo prazo (promoção e • Priorizam estratégias curativas com
prevenção); programas incompletos de promoção,
• Entregues através de instituições eficientes e prevenção e saúde pública;
efetivas e financiados de forma progressiva; • Entregues por instituições pouco eficientes e
• Baseados em uma filosofia de direito de forma fragmentada;
coletivo que proteja as prioridades definidas • Baseados em práticas de direito que
no orçamento. permitem processos jurídicos para a
apropriação individual dos recursos
públicos, aumentando a regressividade.
INDICADORES E ÍNDICES
Índice de Gini
É um dado estatístico utilizado, mais comumente, para avaliar o grau de concentração de renda em
determinado grupo, isto é, medir o grau de desigualdade que há em uma sociedade.
Ele consiste em um número entre 0 e 1 (ou 0 e 100), onde 0 significa uma situação de perfeita igualdade e
1 uma situação de desigualdade máxima.
Limitações:
• os dados informados nem sempre são precisos e referem-se a um período relativamente curto ao longo
do ano, o que diminui o seu grau de precisão;
• os dados são obtidos a partir de um fornecimento voluntário por parte dos governos e agências de
pesquisa, de forma que, conforme os diferentes interesses, as informações podem apresentar
distorções;
• esse dado não verifica a potencialidade de crescimento da população mais rica em face da população
mais pobre e vice-versa, apresentando apenas informações “estáticas”.

Contudo, esse índice é importante no sentido de fornecer uma melhor noção da desigualdade existente
no mundo, além de promover o embasamento necessário para medidas de inclusão de renda e melhorias
nas condições de vida da parcela mais pobre da população.
Índice de Gini

O cálculo do índice de Gini se baseia na


chamada Curva de Lorenz. Essa curva Reta de Total
mostra como a renda (eixo y) varia em Igualdade

função da população (eixo x). Curva de


Proporção Acumulada
Lorenz
de Renda
𝑎
• Cálculo:
𝑎+𝑏

Proporção Acumulada
de População
Índice de Gini

Rendimento Médio Mensal:


→ 10% mais pobre: R$256
→ 10% mais ricos: R$7.154
→ 1% mais rico: R$20.364

Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/11/1705824-


desigualdade-cai-em-2014-com-alta-de-renda-dos-mais-pobres-diz-ibge.shtml
IDH
IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) é um índice que serve de comparação entre os países, com
objetivo de medir o grau de desenvolvimento econômico e a qualidade de vida oferecida à população.

Mede o desenvolvimento humano por meio de três componentes básicos: esperança de vida ao nascer;
expectativa de anos de estudo; média de anos de estudo (da população até o momento); e renda nacional bruta
per capita (toda a renda do país dividida pelo número total da população).

Vai de 0 (nenhum desenvolvimento humano) a 1 (desenvolvimento humano total). Quanto mais próximo de 1,
mais desenvolvido é considerado o país.

Apesar de ampliar a perspectiva sobre o desenvolvimento humano, o IDH não abrange todos os aspectos de
desenvolvimento. Democracia, participação, equidade, sustentabilidade são alguns dos muitos aspectos do
desenvolvimento humano que não são contemplados no IDH.
IDH

Fonte: Relatório de Desenvolvimento Humano 2015 - O Trabalho como Motor do Desenvolvimento Humano, PNUD.
IDH
Evolução do IDH 1990-2014

O Brasil acumula trajetória constante de crescimento do IDH. De 1990 a


2014, o crescimento foi 24,2%, o maior no período entre os países da
América do Sul.
O Brasil se encontra em 13º entre os 15 melhores IDHs da América Latina.

Fonte: Relatório de Desenvolvimento Humano 2015 - O Trabalho como Motor do Desenvolvimento Humano, PNUD.
IDH
IDH-D – Índice de Desenvolvimento Humano Ajustado à Desigualdade

O IDH-D leva em conta a desigualdade social na distribuição do desenvolvimento


econômico, em relação aos três componentes.
Nesse quesito o Brasil fica abaixo da média da América Latina (0,570) e da média dos países
de seu grupo, os de alto nível de IDH (0,600).
Não existe um ranking mundial levando em conta o IDH-D porque, de acordo com o
PNUD, parte dos países não têm dados suficientes para elaborar esse índice.

Fonte: Relatório de Desenvolvimento Humano 2015 - O Trabalho como Motor do Desenvolvimento Humano, PNUD.
Indicadores de Saúde
Taxa de Mortalidade Infantil: é de fundamental importância para avaliar a qualidade de vida, pois, por
meio dela, é possível obter informações sobre a eficácia dos serviços públicos, tais como: saneamento
básico, sistema de saúde, disponibilidade de remédios e vacinas, acompanhamento médico, educação,
maternidade, alimentação adequada, entre outros.

Fonte: Relatório de Desenvolvimento Humano 2015 - O Trabalho como Motor do Desenvolvimento Humano, PNUD.
De maneira geral, os dados referentes ao Brasil são positivos.

Em relação ao Índice da Pobreza Multidimensional, que tem como base saúde, educação e
qualidade de vida, o Brasil chegou a 2,9% da população em 2013, demonstrando uma queda em
relação ao ano anterior (era 3,1% em 2012), o que mostrou que o país continua avançando em
relação a suas políticas sociais.

Contudo, o ritmo dos avanços sociais ainda é lento. Mesmo que o país esteja inserido na categoria
“alto desenvolvimento humano” a desigualdade social ainda é elevada, tendo grande variação em
seus níveis de desenvolvimento.

A Coordenadora do RDH no Brasil, Andrea Bolzon, avaliou que a crise ainda não tinha tido
impacto significativo no IDH do país, mas disse que era possível que isso acontecesse caso a
recessão econômica se agravasse e perdurasse por mais anos.
Vídeo 200 países, 200 anos, 4 minutos

https://www.youtube.com/watch?v=Qe9Lw_nlFQU
Referências
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; NAKANO, Yoshiaki. Uma estratégia de desenvolvimento com estabilidade. Revista de
economia política, v. 22, n. 3, p. 146-177, 2002.
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; MARCONI, Nelson; OREIRO, José Luís. A doença holandesa. ________. Globalização e
competição: por que alguns países emergentes têm sucesso e outros não. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 141-171, 2009.
DE ARAÚJO, José Duarte. Saúde e desenvolvimento econômico: atualização de um tema. Revista de Saúde Pública, v. 9, n. 4, p.
515-528, 1975.
FIGUEIRÊDO, Lízia; NORONHA, Kenya Valeria; ANDRADE, Mônica Viegas. Os impactos da saúde sobre o crescimento
econômico na década de 90: uma análise para os estados brasileiros. Texto para discussão, n. 219, 2003.
PNUD. O trabalho como motor do desenvolvimento humano. Relatório do Desenvolvimento Humano, 2015.

Links de Notícias:
http://www.valor.com.br/brasil/4355666/brasil-melhora-idh-em-2014-mas-cai-uma-posicao-no-ranking-mundial
http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/12/151214_idh_brasil_onu_avanca_cai_ms
http://www.jb.com.br/economia/noticias/2015/12/14/dados-de-indice-que-avalia-pobreza-sao-positivos-diz-secretario/
http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-fica-em-75-no-ranking-do-idh--atras-do-sri-lanka,10000004754
http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2015/12/14/desigualdade-no-brasil-tiraria-26-do-idh-e-deixaria-pais-
abaixo-de-vizinhos.htm
Acesso em 14/04/16.