Sie sind auf Seite 1von 31

Democracia Participativa, cidadania,

mobilização social e Solidariedade.


Democracia Participativa

• A população não sentia que os representantes escolhidos (por eleições


diretas) conseguiam abranger todas as necessidades da sociedade,
principalmente de alguns grupos sociais.

• A democracia participativa é uma alternativa às democracias


representativas, limitadas para abarcar a maioria das demandas da
sociedade, têm sido ineficazes em se comprometer na existência de um
regime democrático, que conceda poder à população. O diferencial
desse modelo é que atividades que são consideradas parlamentares,
passem a ser cotidianas do povo.

• Para resolver esta situação, a definição da democracia participativa está


direcionada à participação e comunicação de todos os diferentes grupos
e movimentos sociais que habitam uma mesma sociedade, com a
inteção de terem as suas questões ouvidas e que, consequentemente,
se desenvolvam ações para atender as necessidades de todos.
• Para que funcione, são utilizados mecanismos para
engajar a população nas questões políticas locais e
nacionais por meio de referendos, plebiscitos,
iniciativa popular, audiência pública, conselhos
municipais, orçamento participativo, consultas.
Como funciona no Brasil?
• De acordo com a Constituição de 1988, aos cidadãos
seria dada a “possibilidade de desenvolvimento
integral, liberdade de participação critica no sistema
político e condições de igualdade econômica, político
e social”.

• Na prática temos muitos espaços consultivos, ou


seja, independente do que for proposto pelos
cidadãos, os eleitos é tomam a decisão final. Isso cria
uma enorme distância entre o povo e as decisões.
Não é a toa que estamos diante de uma crise de
desemprego, alto custo da gasolina, insegurança
pública e cortes em orçamentos de políticas
públicas/sociais.
Pontos
Positivos

Com a abertura para maior participação dos cidadãos


comuns e da sociedade civil organizada, o poder público
tem contato ainda mais direto com as demandas da
população como um todo. Assim, o poder público adquire
maior credibilidade perante as pessoas. Já a população se
torna uma verdadeira interlocutora política da sua
comunidade e passa a ter grande influência nos espaços de
discussão de políticas públicas, por exemplo, e no processo
de decisão sobre como melhorar os problemas pontuais da
cidade.
E por fazer esse papel, pode-se dizer que os cidadãos
envolvidos com a “coisa pública” abandonam o
individualismo para agir a fim de melhorar a vida da
coletividade.
Negativos

• Muitos teóricos que estudam política colocam


dúvidas sobre a real possibilidade de existir um
regime democrático com plena participação dos
cidadãos. Um desses teóricos é Norberto Bobbio,
que colocou três fatores que dificultam a
realização de uma democracia participativa: a
especialidade, a burocracia e a lentidão do
processo.
• A especialidade: São especialista que lidam com as áreas pelas quais o poder
público é responsável. Por exemplo: saneamento básico, construção de pontes,
asfaltamento de estradas, canalização de água. Por conta das questões técnicas inerentes
a essas áreas, o cidadão comum dificilmente conseguirá palpitar em projetos de maneira
eficaz.

• A burocracia: Segundo Bobbio, todos os estados que se tornaram mais


democráticos tornaram-se ao mesmo tempo mais burocráticos, pois o processo
de burocratização foi em boa parte uma consequência do processo de
democratização. Porém, o problema da burocratização é que ela é um produto
do poder ordenado, hierarquicamente, de cima para baixo. Já a democracia
deveria ser um projeto ordenado de baixo para cima, ou seja, do povo para os
administradores públicos (mas não é assim).

• Lentidão do processo: Conforme os países foram democratizados, a


sociedade civil teve mais liberdade de se expressar, de agir e de demandar
questões do Estado. Por isso, a quantidade de requerimentos que os cidadãos
fazem para os administradores públicos aumentou muito e, por isso, o governo
tem de fazer escolhas quanto ao que será priorizado. Isso gera
descontentamento pelo não-atendimento ou pelo atendimento que não seja
satisfatório a uma parcela da população”. Existe, como agravante, o fato de que
os procedimentos de resposta do sistema político são lentos relativamente à
rapidez com que novas demandas são dirigidas ao governo”, diz Bobbio.
Exemplos de
propostas
interessantes
na reforma
política

Fonte:
http://www.reformapoliticade
mocratica.org.br/
Algumas informações interessante
sobre a participação do povo na
política.
Fé – Ciência – Política – Cidadania -
Participação

• Fé e ciência são antagônicas?

• Laicismo (n) Vs Laicidade (p).

• Laico é Anti-religioso?

• Ideias teológicas e a política.


Cristianismo – Solidariedade –
Mobilização.
• A Teologia da Libertação: é um movimento
apartidário que engloba várias correntes de
pensamento interpretando os ensinamentos de
Jesus Cristo como libertadores de injustas
condições sociais, políticas e econômicas. Um
cristo que tomava lado pelo povo.

• Cristianismo positivo: também conhecido


como cristianismo nazista, (em alemão Positives
Christentum) foi uma expressão adotada pelos
líderes nazistas para se referir a um modelo de
cristianismo coerente com o nazismo, tentando
construir uma Igreja Nacional do Reich.
Minorias, o que são?
E as maiorias?
Minorias ou maiorias?
• O termo minoria refere-se categoria de pessoas diferenciadas da maioria social,
aquelas que se apegam a grandes cargos de poder social em uma sociedade. Pode ser
definido por lei. A diferenciação pode ser baseada em uma ou mais características
humanas observáveis, incluindo: etnia, raça, religião, deficiência, gênero, riqueza,
saúde ou orientação sexual. O uso do termo é aplicado a várias situações e
civilizações na história, apesar de sua popular associação com uma minoria
numérica e estatística. Nas ciências sociais, o termo "minoria" é usado às vezes para
descrever as relações de poder social entre grupos dominantes e subordinados, em
vez de simplesmente indicar a variação demográfica dentro de uma população.

• Estudadas por profissionais de diversas áreas do conhecimento, as novas minorias


foram definidas nos séculos XX e XXI. Neste grupo, encontram-se os homossexuais,
idosos, negros, mestiços, mulheres, moradores de periferia, imigrantes e pessoas que
não possuem domicílio fixo. No caso dos homossexuais, são publicamente apontados
por sua diferenciação ainda hoje. Já os imigrantes, em muitos países, são
considerados parasitas. Entre os principais direitos clamados por estas minorias estão
o tratamento igualitário, autonomia e independência completa.

Fonte: https://www.infoescola.com/sociedade/minorias/
Fonte: https://blogdacidadania.com.br/2018/09/advogada-
negra-algemada-em-audiencia-diz-que-estado-brasileiro-e-
racista/

“O Estado é racista, entendeu? Mas


se eu falo isso é mimimi,
é vitimismo, por isso que eu não
queria atrelar esse caso a racismo,
porque eu não quero ouvir essa
resposta. A minha luta ali era
garantir o meu direito de trabalhar.
O racismo vai voltar a acontecer. Eu
tento abstrair, ignoro. Mas não dá
para tirar o meu ganha pão.”
LGBTQ+
“Ninguém escolhe ser humilhado socialmente em todos os
espaços de convívio”.

“E, sim, existem teorias médicas sobre quais motivos as


pessoas nascem transexuais ou travestis. Por exemplo,
alguns falam que hormônios usados durante a gravidez
podem ser a causa e outras pesquisas a􀂡 rmam que tem a
ver com a atividade cerebral. Mas a verdade é que, mais
importante do que o porquê, a comunidade de pessoas T
precisa nesse momento de aceitação e respeito.”

Fonte: https://mdemulher.abril.com.br/estilo-de-vida/7-mitos-sobre-pessoas-transexuais-
e-travestis-que-precisam-ser-combatidos/
(in)Conclusões
• A participação popular é uma maneira de
fortalecer a democracia efetiva, É expandi-la às
pessoas que não acreditam ter força decisória em
questões que tangem seu país, e oportunizar isso
a elas. É ir além do modelo de democracia
representativa que vigora: não se contentar
apenas com o voto.
• Toda a ideia de participação é que a cidadania
transcenda o momento de votação nas eleições e
seja aplicada socialmente na colaboração do
espaço público, na discussão de novas leis e
deliberação sobre demandas de políticas públicas.
INTERTEXTO
Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro
Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário
Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável
Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei
Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.
Bertolt Brecht
Gregório Duvivier
Como resolver o problema?

• Articulação heterogeneidade:
Ponto de conexão entre dois órgãos ou segmentos de
um mesmo órgão ou estrutura.

• Coalizão de forças:
¹acordo político ou aliança interpartidária para
alcançar um fim comum.
²aliança, liga ou união entre pessoas, grupos,
coletivos, nações, sentimentos etc.