Sie sind auf Seite 1von 55

HISTÓRIA DA

CONTABILIDADE

Teoria Normativa da Contabilidade


Face UFMG 1º/2015
INTEGRANTES

Lara Alves
Patrícia Ribeiro
SUMÁRIO

Introdução;
Evolução Histórica;
A Escola Europeia;
A Escola Americana;
Common Law X Code Low;
Contabilidade no Brasil;
Conclusão;
Referências Bibliográficas
INTRODUÇÃO

“A contabilidade nasceu com a civilização e


jamais deixará de existir em decorrência dela;
talvez, por isso, seus progressos quase sempre
tenham coincidido com aqueles que
caracterizam os da própria evolução do ser
humano”.

Sá, Antônio Lopes de.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
INTRODUÇÃO

A contabilidade é o instrumento pelo qual


registramos e geramos informações que serão
utilizadas na tomada de decisão, como concluir
ou não um negócio, aumentar ou não a produção,
contratar ou não empréstimos, a evolução
patrimonial no tempo e muitas outras questões.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
INTRODUÇÃO

Surgiu das necessidades que as pessoas tinham de


controlar aquilo que possuíam, gastavam ou deviam.
Sempre procurando encontrar uma maneira simples de
aumentar suas posses.

Desta forma a contabilidade tem o objetivo de fornecer


informações úteis que auxiliam na tomada de decisão.
Mas será que foi sempre assim, os objetivos, métodos,
princípios empregados foram sempre os mesmos, em
todos os lugares do mundo? A contabilidade é algo
exata, imutável? Claro que não, sabemos muito bem
disso.
Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
INTRODUÇÃO

Este trabalho visa, portanto, apresentar a


história da contabilidade desde os seus
primórdios, bem como as teorias mais
expressivas que embasam as normas e padrões
contábeis atuais e por fim apresentar um
panorama da contabilidade no contexto
brasileiro.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Frederico Melis, na sua obra “Storia della


Ragioneria”, divide a história da contabilidade em
quatro períodos:
1.º A Contabilidade no mundo antigo;
2.º A Contabilidade nas origens do capitalismo
e aparecimento da partida dobrada;
3.º Período da literatura contábil;
4.º A Contabilidade científica.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
EVOLUÇÃO HISTÓRICA

A Contabilidade no Mundo Antigo:

Iudícibus e Marion (2002) afirmam que o


desenvolvimento da Contabilidade foi muito lento
ao longo dos séculos. Chamam a primeira etapa
de fase empírica da Contabilidade, durante a
qual foram utilizados desenhos, figuras e
imagens para identificar o patrimônio.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Para Lopes de Sá (1997, p. 12) “a escrituração


contábil nasceu antes mesmo que a escrita
comum aparecesse, ou seja, o registro da
riqueza antecedeu aos demais.”

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
EVOLUÇÃO HISTÓRICA

A Contabilidade nas origens do capitalismo e


aparecimento da partida dobrada

Antônio Lopes de Sá (1997), citando Melis, considera


ter ocorrido o nascimento das partidas dobradas na
região de Toscana, na Itália, entre os anos 1250 e
1280 da era cristã.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Schmidt (2000) aponta dois grandes motivos que


podem ter sido propulsores das partidas dobradas:
o desenvolvimento econômico de alguns centros
comerciais da Itália, como Veneza, Gênova e
Florença e o início da tecnologia de impressão de
livros na Alemanha bem como sua rápida dispersão
pelos grandes centros comerciais da Europa,
principalmente o norte da Itália.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Período da literatura contábil

Fato digno de nota desse marco divisório entre os


períodos da Contabilidade, é a publicação do
primeiro livro impresso que apresentava o sistema
contábil. L a S u m m a d e A r i t h m e t i c a , G e o m e t r i a ,
P r o p o r t i o n i e t P r o p o r t i o n a l i t á foi impresso em
1494, em Veneza, na Itália, e é de autoria do frei
franciscano Luca Pacioli.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
EVOLUÇÃO HISTÓRICA

A Contabilidade científica

Na busca de estabelecer teorias, a Contabilidade


passou por inúmeras etapas, da observação passou
à organização dos raciocínios, dela aos conceitos
que por sua vez produziram enunciados ou
teoremas que geraram, finalmente, as teorias.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Assim, surgiu uma série de escolas do pensamento


contábil, cada uma sucedendo à outra, fornecendo
cada vez mais conhecimentos que influenciaram no
estabelecimento definitivo da Contabilidade como
ciência.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
EVOLUÇÃO HISTÓRICA

Vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=qw5wbbPwXTg

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA EUROPEIA

Contismo

Preocupa-se basicamente com o funcionamento do


mecanismo das contas e subordinando-as aos
métodos de escrituração.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA EUROPEIA

Personalismo:

Deu personalidade para as contas para explicar as


relações de direitos e obrigações. Vê o
administrador como responsável pelo patrimônio,
fundamentando-se no relacionamento do
pensamento econômico, administrativo e contábil.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA EUROPEIA

Neocontismo:

Criação de grupos como bens patrimoniais e o


patrimônio líquido. Passa-se a dispor as contas do
ativo segundo o grau de disponibilidade e o
passivo com base na exigibilidade.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA EUROPEIA

Controlismo:

Deu à contabilidade a característica de disciplina


racional que estuda o desenvolvimento dos
controles. Preconizou o conceito de patrimônio que
até hoje é utilizado.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA EUROPEIA

Aziendalismo ou escola Italiana

Considera como vetor principal os conceitos de


valor, a natureza do resultado e sua ligação com
a riqueza.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA EUROPEIA

Patrimonialismo:

A contabilidade é vista como a ciência do


patrimônio e utiliza-se de instrumentos para a
memória de fatos ocorridos

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA EUROPEIA

Críticas

Peso excessivo da teoria;


Uso exagerado das partidas dobradas;
Grande preocupação em demonstrar que a
Contabilidade era uma ciência

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA AMERICANA

A partir de 1920, aproximadamente, inicia-se  a


fase de predominância norte-americana dentro da
Contabilidade.

Na vanguarda da Contabilidade mundial está a


Escola Norte-Americana que foi ganhando terreno
pouco a pouco no decorrer dos anos, desenvolvendo
inúmeras construções teóricas. Estudou dois
grandes campos de atuação: o progresso doutrinário
da Contabilidade financeira e dos relatórios
contábeis, e o desenvolvimento da Contabilidade
Gerencial.
Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA AMERICANA

O surgimento das grandes corporações,


principalmente no inicio do século XX, aliado ao
imenso desenvolvimento do mercado de capitais
e ao extraordinário ritmo de desenvolvimento que
o país experimentou constituiu um campo fértil
para o avanço das teorias e práticas contábeis
norte-americanas.
IUDÍCIBUS

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA AMERICANA

A escola norte-americana, além de propor uma


metodologia diferenciada para o ensino da
contabilidade, também o direcionou para dois focos
distintos:

 Geração de informações aos usuários externos;


 Geração de informação aos usuários internos.
( FAVERO et al.,2011)

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
A ESCOLA AMERICANA

Críticas

 Pouca importância à regularização do Plano de


Contas;
 Pouca consideração com os índices inflacionários;
 Os tópicos nos livros não são colocados de
maneira ordenada, dificultando o julgamento do
que é mais importante.
IUDÍCIBUS

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
COMMON LAW X CODE LOW

A tradição Commom Law originou-se Inglaterra.

Tem como predominância um direito


baseado em usos e costumes, ou seja, é um
direito consuetudinário, direito comum que
não passa por um processo de criação de leis,
sendo aplicadas soluções específicas para
cada situação.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
COMMON LAW X CODE LOW

A tradição Civil Law(Code Low), que tem suas


raízes no Direito Romano.

É um regime conhecido por sua visão


legalista, onde tudo tem que estar previsto em
lei e tem que ter um alto grau de
detalhamento das regras a serem aplicadas.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
COMMON LAW X CODE LOW

A contabilidade dos países de Common Law é


caracterizada por uma orientação de visão
justa, transparente e de evidenciação total,
com o mercado de capitais como a principal
fonte de financiamento das empresas e
informações contábeis destinadas
principalmente a atender as necessidades dos
acionistas externos.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
COMMON LAW X CODE LOW

A contabilidade dos países de  Code Law é


caracterizada por uma orientação legalista,
com evidenciação somente do que a lei
determina, com alinhamento entre a
contabilidade financeira e fiscal, com bancos e
outros credores como fontes mais significativas
de financiamento e informação destinada
principalmente para atender ao fisco e demais
credores por empréstimos.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
COMMON LAW X CODE LOW

Características Common Law Code Law


Escola Americana Escola Européia
Regulamentação Estruturas gerais de organização menos Estruturas gerais de organização
regulada. amplamente regulada

Estrutura Estrutura acionária dispersa entre um Controle acionários nas mãos de poucos
Acionária grande número de acionistas e acionistas e informação contábil menos
informação contábil relevante. relevante.

Força da Profissões contábeis auto-reguladas, Não abordado.


profissão contábil com enorme impacto social e prestígio.

Impacto tributário Grau de influência da legislação Influência da legislação tributária forte.


na contabilidade tributária pequena.

Regulamentação Contabilidade fora da esfera de Contabilidade regulada diretamente


contábil influência governamental pelo governo.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
COMMON LAW X CODE LOW

O Brasil, assim como outros países da América


Latina, segue a cultura do direito romano ou
code law, em que as normas e padrões contábeis
devem estar escritos e especificados na lei.

Os países de tradição britânica, como os EUA,


seguem o common law, que prioriza o respeito
aos costumes e tradições.
( LORANDI; PINHEIRO, 2011)

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

A doutrina Contábil é recente no Brasil, e até a


primeira metade do século XX sofreu grandes
influências da cultura contábil da Itália, país este,
que é considerado o berço da Contabilidade.

Com a vinda de indústrias estrangeiras norte-


americana para o país essa influência foi se
dissipando, ocorrendo uma evolução dos
conhecimentos contábeis.”
(Reis & Silva, 2007)
Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

Pode-se dividir a história da Contabilidade no


Brasil em três partes:

Parte I: Colônia (1500-1821)


Parte II: Império (1822-1888)
Parte III: República (1889-atual)
(LEITE, 2005 )

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

Colônia

No século XVIII, no ano de 1770, para ser mais


preciso que foi criada a primeira regulamentação
da profissão contábil no Brasil. Neste momento o
profissional contábil recebia o nome de guarda-
livros, termo este que foi utilizado até a metade
dos anos de 1970.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

Os primórdios do estudo comercial no Brasil


datam de 1804, quando José da Silva Lisboa,
intitulado Visconde de Cairu, faz publicar a obra
“Princípios de Economia Política”. (PELEIAS &
BACCI, 2004).

O Então príncipe regente decreta em 1808, o


“Alvará - de 28 de Junho de 1808”, que
determinava: O METODO DA ESCRITURAÇÃO E
CONTABILIDADE DO ERARIO (BRASIL, Alvará - de
28 de Junho de 1808).

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

Em 1833, Estevão Rafael de Carvalho escreve a


obra “A Metafísica da Contabilidade Comercial”,
na qual divulgava o método das partidas
dobradas, e propunha a elevação da Contabilidade
à condição de Ciência. (Peleias & Bacci,2004)

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

Império

 Em 22 de junho de 1850, em decorrência da


expansão econômica ocorrida no período, a lei nº
556 instituiu o Código Comercial Brasileiro. (LEITE,
2005).

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

 Em 22 de agosto de 1860 é promulgada a Lei nº


10836, que corrigiu alguns problemas do Código
Comercial, e determinou para as empresas da
época, a obrigatoriedade de publicar e de remeter
ao governo, nos prazos e pelo modo estabelecido
em seus regulamentos, os balanços,
demonstrações e documentos por este
determinados.... Está é de fato a 1ª Lei das
Sociedades por Ações no Brasil . (Peleias &
Bacci, 2004).
Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

República

 Em 1915 ocorre a fundação do Instituto Brasileiro


de Contadores Fiscais. Logo depois surgem a
Associação dos Contadores de São Paulo e o
Instituto Brasileiro de Contabilidade no Rio de
Janeiro.

 Em 1924 acontece o 1° Congresso Brasileiro de


Contabilidade, onde são difundidas campanhas para
a regulamentação de contador e a reforma do
ensino comercial no país.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

Em 1927 é inaugurado o Conselho Perpétuo, o


início do que seria, já no século XXI, os
sistemas: Conselho Federal e Conselho
Regional de Contabilidade. Era conferida já
nesta instituição a matricula para os novos
profissionais habilitados para as atividades na
área de contabilidade.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

No ano 1931, é admitido o Decreto Federal nº


20158, que regulamenta a profissão e organiza o
ensino comercial. Assim é criado o curso de
contabilidade, onde eram formados dois tipos de
profissionais: os guarda-livros, que realizavam o
curso em dois anos e os perito-contadores, que
realizavam o curso em três anos.

Criação, em 15 de dezembro de 1976, da Lei nº


6404, que dispõe sobre as Sociedades por Ações.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

Criação da Comissão de Valores Mobiliários


(CVM), uma autarquia federal, que surgiu por meio
da Lei nº 6.385 de 07 de dezembro de 1976.

Criação do Instituto dos Auditores Independentes


do Brasil ( IBRACON) em 13 de dezembro de
1971, vigorado através de novas regras
estatutárias de 01 de julho de 1982.
(REIS & SILVA, 2007)
Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

Criação da Normas Brasileiras de Contabilidade,


em 1981, substituída posteriormente em 1993.
(SCHMIDT, 2000)

Criação do Comitê de Pronunciamento


Contábeis (CPC) pela Resolução CFC nº.
1.055/05, em 2005. (PARCIANELLO & MARETH,
2010)

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONTABILIDADE NO BRASIL

Comunicado divulgado pelo Banco Central, em 2006,


no qual se compromete harmonizar as normas
brasileiras aos padrões internacionais, adotando as
normas divulgadas pelo IASB (International
Accounting Standard Board). (BUESA, 2010)

Criação da Resolução CFC nº 1.328/11, que dispõe


sobre a Estrutura das Normas Brasileiras de
Contabilidade. (BRASIL, Res. Nº1.328/11)

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONCLUSÃO

“Prognosticar o que a Contabilidade possa vir a ser


é querer prever o que a sociedade humana será,
no futuro”.

(IUDÍCIBUS; MARTINS; CARVALHO, 2005, p. 18).

No que se refere a Evolução da Contabilidade é


importante o estudo da história para que se conheça
quais as principais fundamentações praticas e teóricas
que estão alicerçando os procedimentos contábeis
atuais.
Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONCLUSÃO

Como vimos nesta apresentação a Contabilidade


vem se adaptando às necessidades de seus
usuários desde seu surgimento.

Desde uma contabilidade mais arcaica, que se


preocupava em fazer o controle do rebanho, a uma
contabilidade que necessita prover o mercado de
informações cada vez mais detalhadas e hábeis
para a tomada de decisões gerenciais,
administrativas ou financeiras.
Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
CONCLUSÃO

Portanto, a contabilidade atual está em processo


de transformação e adaptação às novas exigências
dos usuários da informação contábil, atualizando-
se nas mudanças demandadas pela globalização
do mercado.

Evoluçã Common
Escola Escola Contabilidad
Introdução o Law X Code Conclusão
Europeia Americana e no Brasil
Histórica Low
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• BORGES, Erivan Ferreira et al. Da Retórica À Efetiva Influência Da Escola Européia No
Contexto Histórico Da Contabilidade E Da Economia Mundial: O Que Pensam Autores E
Professores De Contabilidade Brasileiros. Revista Ambiente Contábil – UFRN – Natal-RN. v.
5. n. 1, p. 1 – 20, jan./jun. 2013. Disponível em: <
h t t p : / / p e r i o d i c o s . u f r n . b r / a m b i e n t e / a r t i c l e / v i e w / 3 3 2 7 / 2 7 0 4> A c e s s o e m 2 4 d e m a r ç o d e
2016.

• BUESA, Natasha Young. A Evolução Histórica da Contabilidade como Ramo do


Conhecimento. R e v i s t a Eletrônica Gestão e N e g ó c i o s , São Roque, v.1, n.1, 2010.
Disponível em:< h t t p : / /w w w . f a c s a o r o q u e . b r / n o v o / p u b l i c a c o e s / p d f s / n a t a s h a _ a d m . p d f> .
Acesso em 24 de março de 2016.

• Carmo, Carlos Henrique Silva do, et al. Convergência de fato ou de direito? A influência do
sistema jurídico na aceitação das normas internacionais para pequenas e médias
empresas. 2011. Disponível em <
h t t p : / / w w w . s c i e l o . b r / s c i e l o . p h p ? s c r i p t = s c i _ a r t t e x t & p i d = S 1 5 1 9 - 7 0 7 7 2 0 1 1 0 0 0 3 0 0 0 0 2> . >.
Acesso em 24 de março de 2016.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

• F A V E RO , H a m ilto n L . e t a l.   C o n t a b i l i d a d e – T e o r i a e P r á t i c a . 6 . ed . S ã o P a u lo .
A tl as , 2 0 1 1 .

• IU D Í C I B U S, S é r gio d e . T e o r i a d a C o n t a b i l i d a d e . 8 . e d. S ã o P a u lo . A tla s , 2 0 0 6 .

• F re ita s, No n a to d o s S a nt o s . E V OL U Ç ÃO H I S T ÓR I C A D OS P R I NC Í P I OS C ON T Á B E I S NO
B R AS IL : U m E s tu do C o m p a ra tiv o E n tr e P a ís es . F o rta le z a , 2 01 3. D isp o n ív e l em <
ht tp: //www. fa c u ldade sc e a re n s es . edu . br /bibliot eca /TC C /C C O/E V OLU C AO %2
0H IS TO RI C A % 20D O S% 20P RI NC I PI O S% 20CO N TAB EI S %20NO %20B RAS I L%20U M% 20ES TU
DO %20C OM PA R A TI V O% 20EN TRE % 20PAI SE S . pdf
> . A c es so e m 2 4 d e m a rç o d e 2 0 1 6 .

• G u im a rã e s , J o a q u im F e r n an d o d a C u n h a . H IS T Ó RI A E T E OR I A D A C ON T A B I L I D A D E
B R E V E R E F L E X Ã O . J o r na l do T éc n ic o d e C o n tas e d a E m p r es a, 1 9 9 8 . D i sp o n ív e l em
< ht tp: //www. i nfo c on ta b. c om . pt/do wn lo a d/ Hist ori a Co n ta Br eve . pdf > . Ac e ss o em
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• LEITE, Carlos E. B. A evolução das ciências contábeis no Brasil. S.I: F G V , 2005.
Disponível em:<
https://books.google.com.br/books?id=biYTaAkdyBIC&printsec=frontcover&hl=pt-BR
&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false
>. Acesso em 24 de março de 2016.

• PA R C I A N E L L O , A n d r e s s a ; M A R E T H , T a c i a n a . A c o n t a b i l i d a d e n o b r a s i l n o s é c u l o X X I .
S e m i n á r i o I n t e r n a c i o n a l d e E n s i n o P e s q u i s a e E x t e n s ã o : 15 Anos Construindo
sentidos da diversidade . S.I, 2010. Disponível em:<
http://www.unicruz.edu.br/15_seminario/seminario_2010/CCSA/A%20CONTABILID
ADE%20NO%20BRASIL%20NO%20S%C3%89CULO%20XXI.pdf
>. Acesso em 24 de março de 2016.

• PE L E I A S , I v a m R . ; S I L V A , G l a u c o P. D A ; S E G R E T I , J o ã o B . ; C H I R O T T O , A m a n d a R .
Evolução do ensino da contabilidade no Brasil: Uma análise histórica. Revista
C o n t a b i l i d a d e e F i n a n ç a s . S ã o Pa u l o . E d i ç ã o 3 0 A n o s d e D o u t o r a d o , p . 1 9 – 3 2 , Ju n h o
d e 2 0 0 7 . D i s p o n í v e l e m : < h t t p : / / w w w . s c i e l o . b r / p d f / r c f / v 1 8 n s p e / a 0 3 v 1 8 s p . p d f> . A c e s s o
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 _ _ _ _ _ _ _ ; B A CC I, J oã o. Pe qu ena cronolog ia d o d e se nv ol vim e nto contáb i l no
B ra sil : Os p rim e iros p e nsa d ores, a p a d roni z a çã o contá b il e os cong ressos
b ra sil e iros d e cont a b i li d a d e . R e v i s t a A d m i n i s t r a ç ã o o n l i n e [On L ine ]. F E CA P.
V ol u m e 5, nú m e ro3 , j a n/ fe v /m a r. 20 04 . D isp oní ve l em http://
www .fecap.br/a dm_onli ne/art0503/art5034.p df / > . A ce sso em 2 4 d e m arço d e
2 016 .

 Port a l de Con ta b i li d a d e , H ist ória da Conta b il id a d e. D i sp oníve l em: <


ht tp://ww w.portaldecontab ili dade.com.br/temat icas/historia.htm >. A c esso em
2 4 d e m a rço d e 2 01 6.

 Port a l d e Conta b il id a d e , O R e a l Ob je ti vo d a Conta b il id a d e . D i sp oníve l e m : http://


www .port aldecont abi li dade.com.br/temat ica s/real -obj etiv o-da-c ontabil idade.htm
. A ce sso e m 24 d e ma rço d e 2 01 6.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 Portal Educação, A Escola Italiana (Européia) de Contabilidade. Disponível em: <


http://www.portaleducacao.com.br/educacao/artigos/24797/a-escola-italiana-europeia-de
-contabilidade#ixzz3UhrxsrjN
>. Acesso em 24 de março de 2016.

 P o r t a l S ã o F r a n c i s c o , A E v o l u ç ã o H i s t ó r i c a d a C o n t a b i l i d a d e . D i s p o n í v e l e m : h t t p: / /
www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/setembro/dia-do-contador.php >. Acesso em 24 de
março de 2016.

 REIS, Aline de Jesus; SILVA, Selma Leal da. A História da Contabilidade no Brasil.
Revistas UNIFACS, Seminário Estudantil de Produção Acadêmica. Salvador, v. 11, n. 1,
2007. Disponível em: <revistas.unifacs.br/index.php/sepa/article/download/299/247>.
Acesso em 24 de março de 2016.

 SÁ, Antônio Lopes de. Bases das Escolas Europeia Norte-Americana, Perante Cultura
Contabil Proposta Neopatrimonialista. CRCSC&Você, Florianópolis, v. 2, 11.4, p. 7-24,
dezembro-2002 – março 2013. Disponível em:
www.spell.org.br/documentos/download/33575 >. Acesso em 24 de março de 2016;
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 S C H M I D T , P a u l o . H i s t ó r i a d o P e n s a m e n t o C o n t á b i l . P o r t o A l e g r e : B o o k m an , 2 0 0 0

 STAVIS, Alexandre A.; VEIGA,Walmir C. A C o n t a b i l i d a d e n a A t u a l i d a d e e P o s s í v e i s


Tendências para o Futuro. 2004. Disponível em : <
h t t p : / / w w w . c l as s e c o n t ab i l . c o m . b r/ a r t i g o s / a - c o n t a b i l i d a d e - n a - a t u al i d a d e - e - p o s s i v e i s -
t e n d e n c i a s - p a r a - o - f u t u r o > A c e s s o e m : 1 7 M a rç o d e 2 0 1 5

 TEIXEIRA, Juliana G; BROCCOLO, Kátia C. A t e c n o l o g i a s u a i n f l u ê n c i a n o


g e r e n c i a m e n t o : G e r e n c i am e n t o d a T e c n o l o g i a d a I nf o rm a ç ã o . M o n o g r a f i a ( P ó s
G r a d u a çã o e m F i n a n ç as ) - I n s t i t u t o P a u l i s t a , C a m p i n a s , 2 0 0 1 . D i s p o n í v e l e m : <
h t t p : / / www .p r ov e c t or . c om .b r / c u rs o s / p ro d u c oe s 0 6 .h t m #i a > . A c e s s o e m 1 4 d e m a r ç o d e
2015.

 W e rl i c h , A l e x a n d r e . A E V O L U Ç Ã O D A C O N T A B I L I D A D E E O S S I S T E M A S D E I N F O R M A Ç Ã O
C O N T Á B I L : U m E s t u d o d e C a s o d e E m p re s a C o m e r c i a l . F l o r i a nó p o li s 2 0 0 6 . Disponível
e m < h t t p : / / t c c . b u .u f s c . b r / C on t a b e i s 2 9 4 2 50 > . A c e s s o e m 2 4 d e m ar ç o d e 2 0 1 6 .

Verwandte Interessen